Waldemar de Brito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Waldemar de Brito
Waldemar de Brito.jpg
Informações pessoais
Nome completo Waldemar de Brito
Data de nasc. 17 de maio de 1913
Local de nasc. São Paulo (SP), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Falecido em 21 de fevereiro de 1979 (65 anos)
Local da morte São Paulo (SP), Brasil
Altura 1,76 m
Informações profissionais
Período em atividade Como Jogador: 1927–1946 (19 anos)
Como Treinador: 1950–1955 (5 anos)
Posição ex-Centroavante e Treinador
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1927
1928
1929–1932
1933–1934
1934
1935–1936
1937–1939
1939–1940
1941–1942
1943
1944
1945–1946
1946
Syrio
Independência
Syrio
São Paulo
Botafogo
San Lorenzo
Flamengo
San Lorenzo
São Paulo
Fluminense
Portuguesa
Palmeiras
Portuguesa Santista
00000 0000(0)
00000 0000(0)
00000 0000(0)
00000 0000(0)
00000 0000(0)
00003 0000(3)
00061 000(36)
00043 000(22)
00138 000(56)
00004 0000(1)
00000 0000(0)
00015 0000(5)
00000 0000(0)
Seleção nacional
1933–1934 Brasil 0002 000(1)[1]
Times/Equipas que treinou
1950–1955 Bauru (observador-técnico)

Waldemar de Brito (São Paulo, 17 de maio de 1913São Paulo, 21 de fevereiro de 1979), foi um futebolista e treinador de futebol brasileiro. Atuava como centro-avante.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Jogou no São Paulo. Foi o artilheiro do Campeonato Paulista de Futebol pelo São Paulo em 1933 com 21 gols, se tornando o primeiro artilheiro do clube no campeonato.

Defendeu a Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1934[2].

Waldemar em 1935

Defendeu também as cores do Botafogo do Rio de Janeiro, e o San Lorenzo da Argentina. Retornou ao futebol carioca em 1939 jogando pelo Flamengo, quando foi campeão estadual.

Voltou a jogar no futebol paulista pelo São Paulo no final de 1941, e na temporada de 1942 foi inesquecível para ele, porque o título do campeonato paulista não veio, mas mesmo assim manteve uma média de 26 gols em 26 partidas. No ano seguinte 1943, não jogou muito e viu o segundo título paulista do São Paulo no banco de reservas. Nessa sua segunda passagem pelo São Paulo, jogou 35 jogos, com 19 vitórias, 10 empates, 6 derrotas, com 29 gols.

Ainda em 1943 foi para a Portuguesa. Entre abril de 1945 e janeiro de 1946 defendeu o Palmeiras, clube pelo qual disputou apenas 15 partidas e marcou cinco gols. Em seguida, transferiu-se para a Portuguesa Santista onde encerrou a carreira.

Foi técnico do Bauru Atlético Clube, onde revelou em 1954 o jogador Dico, depois conhecido mundialmente como Pelé, o Atleta do Século.[3]

Artilharia[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]