Aguri Suzuki

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aguri Suzuki
Aguri Suzuki em 2008, como dirigente da ARTA.
Informações pessoais
Nacionalidade Japão Japonesa
Registros na Fórmula 1
Temporadas 1988, 19901995
Equipes Larrousse, Zakspeed, Footwork, Jordan e Ligier
GPs disputados 88 (64 largadas)
Títulos 0
Vitórias 0
Pódios 1
Pontos 8
Pole positions 0
Voltas mais rápidas 0
Primeiro GP GP do Japão de 1988
Último GP GP do Pacífico de 1995

Aguri Suzuki (鈴木 亜久里, Suzuki Aguri - Nascido em 8 de Setembro de 1960, em Tóquio) é um ex-piloto de Fórmula 1 do Japão. Ele participou de 64 grandes prêmios, e o melhor resultado foi o 3º lugar no GP do Japão, sendo o primeiro piloto japonês a ir ao podium.

O início[editar | editar código-fonte]

Kart, F-3 japonesa e Turismo: 1972 - 1986[editar | editar código-fonte]

Suzuki começou a carreira aos 12 anos, no Kart. Em 1978, aos 12 anos de idade, ganhou o campeonato nacional, e no ano seguinte, passou para os monopostos, competindo na Fórmula 3 Japonesa. Nas três épocas seguintes, conciliou a F-3 com o kart, e no final da temporada de 1981, era, novamente, campeão nacional da categoria. Em 1983, torna-se vice-campeão de Formula 3, fazendo com que se virasse para os Turismos, ao serviço da Nissan, onde conquista o título em 1986. Nesse ano, passa para a Formula 2, onde fica no segundo lugar do campeonato. Ainda em 1986, faz a sua primeira incursão pela Europa, para participar nas 24 Horas de Le Mans, ao serviço da Nissan.

1987 - 1988: F-3000 Japonesa e estréia na Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

Em 1987, a F-2 transforma-se na F-3000 Japonesa, e Suzuki fica novamente com o vice-campeonato. Mas, em 1988, ganha quatro corridas no campeonato e se torna campeão. Nesse mesmo ano, começou a participar na F3-000 Européia, ao serviço da equipa Footwork (que mais tarde participaria da Fórmula 1), sem resultados de destaque. E em Outubro, estreia-se na F-1, no GP do Japão (vencido por Ayrton Senna), ao serviço da equipa Larrousse, substituindo o francês Yannick Dalmas. Apesar do seu conhecimento da pista de Suzuka, ele não passou de 16º lugar, a três voltas do vencedor.

1989: Desastre na Zakspeed[editar | editar código-fonte]

O desempenho de Suzuki foi suficiente para lhe dar um lugar no pelotão da F-1 no ano seguinte, ao serviço da Zakspeed, que tinha ficado com motores Yamaha. Mas isso revelou-se um desastre, pois Suzuki nem o seu companheiro, o alemão Bernd Schneider, conseguiram qualificar-se regularmente.

1990 - 1991: Altos e baixos na Larrousse[editar | editar código-fonte]

Em 1990, Suzuki teve uma nova oportunidade na Larrousse, sua primeira escuderia na F-1. Desta vez, o carro era bastante melhor do que o frágil modelo da Zakspeed, e conseguiu o seu primeiro ponto em Silverstone, ao levar o carro para o sexto lugar. Chega mais uma vez nos pontos na Espanha, e na sua terra natal, aproveitou as falhas e as contorvérsias dos pilotos da frente para fazer a corrida de sua vida, levando o Larrousse-Lamborghini ao terceiro lugar da corrida, atrás dos Benetton-Ford de Nelson Piquet e Roberto Pupo Moreno. No final do ano, conseguiu seis pontos e o 12º lugar final. Em 1991, Suzuki continua na Larrousse, onde pontua na corrida inicial, em Phoenix, mas essa foi a única vez que chega aos pontos, terminando a temporada no 22º lugar.

1992 - 1993: Declínio na Footwork[editar | editar código-fonte]

Para 1992, Aguri é escolhido pela Mugen-Honda para a Footwork Arrows para pilotar ao lado do experiente italiano Michele Alboreto. Apesar de boas prestações na primeira metade da tabela, não consegue chegar aos pontos em nenhuma corrida desse ano. No ano seguinte, continua na Footwork, desta vez ao lado de outro experiente piloto, o inglês Derek Warwick, e as boas prestações nos treinos continuam, mas, novamente, não consegue nenhum ponto.

1994: Escolha-surpresa para correr na Jordan[editar | editar código-fonte]

No início de 1994, Aguri Suzuki não tem lugar no pelotão da Fórmula 1, mas, depois do acidente provocado por Eddie Irvine no Brasil, a Jordan chama o nipônico para conduzir o seu carro no circuito de Aida. Não termina a corrida, e foi a única vez que conduz o carro nesse ano, pois nas duas corridas seguintes, o lugar foi ocupado pelo italiano Andrea De Cesaris. Mas a missão de Suzuki não estava encerrada na Fórmula 1.

1995: Dividindo o carro da Ligier[editar | editar código-fonte]

No ano de 1995, a Ligier tinha sido comprada por Flavio Briatore, que tinha entregue a gestão da equipa a Tom Walkinshaw. Ele tinha assegurado o fornecimento dos motores Mugen-Honda, mas os japoneses tinham imposto uma condição: que colocassem Aguri Suzuki como um dos pilotos. Como Olivier Panis era intocável, e Martin Brundle era amigo de Walkinshaw, chegou-se a um compromisso - Brundle e Suzuki iriam compartilhar o carro em algumas provas. Este estranho compromisso fez com que o japonês alinhasse pela Ligier nas três primeiras provas do campeonato, no GP alemão e nas provas japonesas (Pacífico e Japão). Nesses cinco Grandes Prémios, Suzuki conseguiu um sexto lugar em Hockenheim.

Fim da carreira[editar | editar código-fonte]

Nos treinos para o GP do Japão, no mesmo lugar onde alcançou o seu melhor resultado, Suzuki teve um grave acidente, machucou o pescoço, estando impedido de alinhar no grid. Depois de uma cirta reflexão, Aguri, aos 35 anos de idade, anunciou que não iria correr mais na Fórmula 1.

1996 - 2001: Super-turismo japonês e fim definitivo da carreira de piloto[editar | editar código-fonte]

Depois da F-1, Suzuki concentrou-se nos Super-Turismos japoneses, construindo a sua equipa, a ARTA (Autobacs Racing Team Aguri).

2002 - 2005: Início da carreira de chefe de equipe[editar | editar código-fonte]

Em 2002, Aguri se alia ao piloto mexicano Adrián Fernández, para constituir, na Indy Racing League a Super Aguri Fernandez Racing, que tinha um carro para o seu compatriota Kosuke Matsuura. A empreitada durou até 2005, quando foi convidado pela direção da Honda para montar sua equipe na Fórmula 1, inicialmente, para dar oportunidade a pilotos japoneses apoiados pela montadora.

2006 - 2008: Super Aguri[editar | editar código-fonte]

Em 2006, Suzuki retorna à F-1, não como piloto, mas como dirigente da Super Aguri. O início da equipe foi controverso - comprou a antiga sede da Arrows, em Leafield, e alguns dos antigos chassis da equipe, de 2002, e começou do zero, com Takuma Sato (que teve seu contrato com a BAR rescindido) e outro japonês, Yuji Ide. Após as primeiras três corridas, Ide foi expulso após provocar um acidente com Christijan Albers, da Midland, e substituído pelo francês Franck Montagny, que, sem resultados de relevo, foi sacado do time, dando lugar a outro japonês, Sakon Yamamoto. No ano seguinte, com o chassis da Honda de 2006, com algumas modificações, e com o inglês Anthony Davidson como companheiro de Sato, a SA teve uma excelente temporada, consegue quatro pontos e algumas exibições que faziam deixar a "irmã maior" envergonhada (o destaque foi o GP do Canadá, onde Sato chegou a ultrapassar o bicampeão Fernando Alonso, com McLaren e tudo, para delírio da torcida). Contudo, as dificuldades financeiras eram cada vez maiores, como resultado do calote da SS United, um de seus principais patrocinadores, e no início de 2008, depois de quatro corridas, a equipe terminou a sua participação na Fórmula 1.

Resultados na F1[editar | editar código-fonte]

(Legenda)

Ano Equipe 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 Equipe Pos Pontos
1988 Lola BRA SMR MÔN MEX CAN EUA FRA GBR ALE HUN BEL ITA POR ESP JAP
16
AUS
Lola NA 0
1989 Zakspeed BRA
DNPQ
SMR
DNPQ
MÔN
DNPQ
MEX
DNPQ
EUA
DNPQ
CAN
DNPQ
FRA
DNPQ
GBR
DNPQ
ALE
DNPQ
HUN
DNPQ
BEL
DNPQ
ITA
DNPQ
POR
DNPQ
ESP
DNPQ
JAP
DNPQ
AUS
DNPQ
Zakspeed NA 0
1990 Lola EUA
ret
BRA
ret
SMR
ret
MÔN
ret
CAN
12
MEX
ret
FRA
7
GBR
6
ALE
ret
HUN
ret
BEL
ret
ITA
ret
POR
14
ESP
6
JAP
3
AUS
ret
Lola 12º 6
1991 Lola EUA
6
BRA
ret
SMR
ret
MÔN
ret
CAN
ret
MEX
ret
FRA
ret
GBR
ret
ALE
ret
HUN
ret
BEL
DNQ
ITA
DNQ
POR
ret
ESP
DNQ
JAP
ret
AUS
DNQ
Lola 22º 1
1992 Footwork RSA
8
MEX
DNQ
BRA
ret
ESP
7
SMR
10
MÔN
11
CAN
DNQ
FRA
ret
GBR
12
ALE
ret
HUN
ret
BEL
9
ITA
ret
POR
10
JAP
8
AUS
8
Footwork NA 0
1993 Footwork RSA
ret
BRA
ret
EUR
ret
SMR
9
ESP
10
MÔN
ret
CAN
13
FRA
12
GBR
ret
ALE
ret
HUN
ret
BEL
ret
ITA
ret
POR
ret
JAP
ret
AUS
7
Footwork NA 0
1994 Jordan BRA PAC
ret
SMR MÔN ESP CAN FRA GBR ALE HUN BEL ITA POR EUR JAP AUS
Jordan NA 0
1995 Ligier BRA
8
ARG
ret
SMR
11
ESP MÔN CAN FRA GBR ALE
6
HUN BEL ITA POR EUR PAC
ret
JAP
DNS
AUS
Ligier 17º 1


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.