Nelson Piquet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nelson Piquet
Informações pessoais
Nome completo Nelson Piquet Souto Maior
Nacionalidade  brasileiro(a)
Nascimento 17 de agosto de 1952 (62 anos)
 Rio de Janeiro
Registros na Fórmula 1
Temporadas 19781991
Equipes Ensign, McLaren, Brabham, Williams, Lotus e Benetton
GPs disputados 208 (204 largadas)
Títulos 3 (1981, 1983 e 1987)
Vitórias 23
Pódios 60
Pontos 485.5 (481.5)1
Pole positions 24
Voltas mais rápidas 23
Primeiro GP GP da Alemanha de 1978
Primeira vitória GP do Oeste dos Estados Unidos de 1980
Última vitória GP do Canadá de 1991
Último GP GP da Austrália de 1991

Nelson Piquet Souto Maior (Rio de Janeiro, 17 de agosto de 1952) é um ex-automobilista brasileiro, campeão do mundo de Fórmula 1 em 1981, 1983 e 1987.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Piquet nasceu no Rio de Janeiro e viveu grande parte de sua infância e juventude na recém-inaugurada capital Brasília. É filho do médico pernambucano Estácio Gonçalves Souto Maior, ex-ministro da saúde, que não aprovava sua carreira automobilística; por isso, Nelson usava o nome de solteira de sua mãe, a dona de casa pernambucana Clotilde Piquet, escrito erroneamente como "Piket" no início da carreira, para esconder sua identidade. Sua mãe faleceu em agosto de 2007 aos 84 anos de idade[1] .

O pai gostaria que o filho fosse tenista profissional, tendo inclusive o presenteado com uma bolsa numa escola em Atlanta, nos Estados Unidos. Nelson chegou a ser premiado como um bom tenista, porém não achava o esporte suficientemente excitante para que dedicasse a este sua carreira. Ainda assim, o gosto pelo tênis o fez adotar como desenho de seu capacete uma bola de tênis estilizada.

Nelson cursou engenharia mecânica na UnB até o terceiro período.

Após anos de carreira, Nelson resolveu abandonar as competições, Piquet dedicou-se à carreira empresarial. Fundou em Brasília a empresa Autotrac, pioneira no país em monitoramento de caminhões de carga, e também uma rede de lojas de pneus Pirelli, a Piquet Pneus, que já foi vendida, e uma revenda de automóveis da BMW (Piquet BMW) que também já foi vendida. Em 1995 arrendou o autódromo de Brasília, que leva seu nome, e criou uma categoria de carros esporte-protótipo, com mecânica de Fusca e motores BMW baseada em carros que eram usados em corridas no estado do Ceará, chamada Espron. Seu amigo pessoal, Marcello Prado (Vice-Presidente Executivo da BMW Brasil), além dos motores, lhe cedeu um veículo BMW 318 e Nelson Piquet com sua incrível criatividade e técnica, usou o veículo como molde para copiar o BMW em fibra de vidro para a categoria Espron. Ostentando o logo da BMW em todos os carros da categoria e pela sua forte influência sobre o público jovem da classe "A", a categoria Espron foi um excelente veículo de merchandising para a marca BMW, que na época instalava sua filial brasileira. Com a expiração do arrendamento do autódromo a administração do mesmo foi devolvida ao Governo do Distrito Federal.

Após desentendimentos com a Confederação Brasileira de Automobilismo - CBA, Piquet também tentou fundar uma entidade paralela, a Liga Independente de Automobilismo - LIA, que não vingou. Em meados dos anos 2000, o tricampeão passou a se dedicar principalmente a gerenciar a carreira do filho, Nelson Ângelo Piquet, tanto que, em 2004, Piquet pensou em voltar a correr. Desta vez na GP2, sendo companheiro de seu próprio filho em sua equipe na categoria[2] .

Nelson tem sete filhos: Geraldo (n. 17 de novembro de 1977) de seu casamento com Maria Clara; Nelsinho (n. 25 de junho de 1985), Kelly (n. 7 de dezembro de 1988), e Julia (n. 8 de Maio de 1992) de seu casamento com Sylvia Tamsma; Pedro (n. 3 de julho de 1999) e Marco (n. em 2000) de seu casamento com Viviane de Souza Leão; e Laszlo (n. 21 de agosto de 1988) cuja mãe é Catherine Valentin[3] .

No futebol, se declara torcedor do Clube de Regatas Vasco da Gama. Em 2011, foi homenageado em Interlagos ao pilotar o modelo BT49 da extinta equipe Brabham. No final das quatro voltas da apresentação, Nelson Piquet hasteou a bandeira do Vasco, que na ocasião estava na briga pelo título do Campeonato Brasileiro. Acreditou que a provocação fosse lhe render algumas manifestações de protestos de torcida rival do momento e declarou: "eu achava que ia tomar a maior vaia do mundo. Mas é isso que eu gosto", ressaltou, com sua ironia tradicional.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Piquet começou a carreira no kart aos 14 anos onde foi campeão brasileiro em 1971 e 1972. e em 1976 foi campeão da Fórmula Super-Vê. No ano seguinte tentou a sorte na Europa, seguindo o caminho aberto por Emerson Fittipaldi. Participando de algumas das provas do Campeonato Europeu de Fórmula 3, terminou em terceiro, com duas vitórias, atrás do italiano Piercarlo Ghinzani e do sueco Anders Olofsson.

Chegada a Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

Em 1978, na Fórmula 3 inglesa, sagrou-se campeão e quebrou o recorde de Jackie Stewart de maior número de vitórias numa temporada. Sua estreia na Fórmula 1 aconteceu em um teste oferecido pela já extinta equipe BS Fabrications, de Bob Sparshott, que tinha um McLaren M23. Pouco tempo depois, ainda em 1978, Piquet estreou de fato em uma corrida, o Grande Prêmio da Alemanha, em Hockenheimring, com um carro alugado da equipe Ensign. Neste ano, disputaria outros três GPs com o McLaren da BS Fabrications.

Com o carro da pequena equipe inglesa, abandonou na Holanda e na Áustria, terminando em 9º lugar na Itália, na corrida em que morreu o piloto sueco Ronnie Peterson. De toda forma, o brasileiro já era visto por muitos como uma promessa - sua aparição meteórica rendeu elogios e uma profecia certeira do chefe de equipe da BS Fabrications, David Simms. "Aposto meu dinheiro, com quem quiser, que Nelson Piquet será campeão mundial em três anos." No GP do Canadá, já fazia a sua estreia pela Brabham, com um terceiro carro da equipe então comandada por Bernie Ecclestone.

As primeiras vitórias[editar | editar código-fonte]

E, assim, logo Piquet foi confirmado como segundo piloto para a temporada de 1979. Na equipe inglesa, chefiada por Bernie Ecclestone e com Gordon Murray como projetista, Piquet teve como companheiro o austríaco Niki Lauda, já bicampeão, que abandonou a Fórmula 1 temporariamente antes do fim da temporada. Piquet sempre atribuiu a Lauda seu aprendizado sobre como negociar contratos e comunicar suas solicitações aos engenheiros e mecânicos da equipe. O ano, porém, é marcado por alguns acidentes e muitas quebras – foram 11 abandonos em 15 corridas, apenas 3 pontos e o 15º lugar na classificação final.

Já no ano seguinte, em 1980, Piquet chegou em segundo no Grande Prêmio da Argentina e obteve sua primeira vitória na categoria no Grande Prêmio do Oeste dos Estados Unidos[5] , no circuito de rua de Long Beach. Com outras duas vitórias no ano, no Grande Prêmio da Holanda, em Zandvoort, e no da Grande Prêmio da Itália, em Ímola, Piquet disputou diretamente o título com o australiano Alan Jones da Williams, até a penúltima prova, o Grande Prêmio do Canadá – mas, nesta corrida, Piquet e Jones colidiram na largada, e, após uma segunda largada, Piquet teve que abandonar por uma quebra de motor e o vice-campeonato com 54 pontos

Mas em 1981 viria seu primeiro título mundial, após uma intensa batalha contra o argentino Carlos Reutemann da Williams. Na última etapa, o GP de Las Vegas, também nos Estados Unidos, Piquet terminou em 5º lugar marcando 2 pontos, enquanto que Reutemann não pontuou chegando em 8º; o brasileiro venceu o campeonato por apenas um ponto de diferença (50 para Piquet e 49 para Reutemann).

Em 1982, como em muitos anos de carreira de Piquet, as inovações técnicas - especialmente a adoção do motor BMW Turbo - não permitiram um desempenho suficientemente competitivo. A equipe faz a estreia do novo motor alemão no Grande Prêmio da África do Sul no chassi BT50. Duas semanas após a realização na prova sul-africana, a escuderia resolveu suspender o uso do motor nas corridas seguintes[6] , fato que foi concordado com a empresa alemã. O ponto crítico desta nova experiência foi o sistema de freios, inadequado às novas exigências do novo motor. Enquanto o projetista Gordon Murray faz modificações no chassi e no sistema de freios para que se adapte ao motor, a escuderia foi para o Grande Prêmio do Brasil em Jacarepaguá, com o modelo do ano anterior, o BT49D, e motor Ford Cosworth V8 aspirado. Com ele, Piquet venceu-a, mas um mês após a corrida sua vitória foi cassada, o mesmo aconteceu com o segundo colocado, o finlandês Keke Rosberg da Williams também com o motor Ford Cosworth aspirado[7] . Ambos tiveram seus resultados anulados em Paris, França, no Tribunal de Apelações da FISA (Federação Internacional de Automobilismo Esportivo), que acolheu protestos das equipes Renault e Ferrari após a etapa brasileira. As decisões do tribunal de apelações, composto por representantes de seis países são inapeláveis. No protesto feito por Jean Sage, diretor técnico da Renault, este alegou que o carro de Piquet e de Rosberg disputaram o GP do Brasil abaixo do peso mínimo regulamentar, que é de 580 quilos, devido ao uso de um artifício não previsto pelo regulamento da FISA. E isso é verdade. Na vistoria dos carros, os comissários de prova desconfiaram da função de uma estranha "caixa preta"[8] acoplada ao Brabham, o mesmo aconteceu com o Williams. O sistema de refrigeração dos freios era feito com água, o que deixava os carros dentro do peso mínimo exigido antes da largada; porém, ao longo da corrida, a água armazenada nos carros era utilizada, o que deixava os monopostos mais leves do que os das demais equipes. Como o regulamento permitia a reposição dos fluidos antes da pesagem obrigatória, os carros voltavam a ficar dentro do regulamento. Com as duas desclassificações técnicas, o francês Alain Prost com o Renault RE30B V6 Turbo, foi declarado o vencedor da corrida. O curioso nessa decisão da FISA, tanto os carros da McLaren e da Lotus também usava o mesmo recurso da Brabham e da Williams, e não foram desclassificadas. Em Long Beach, Rosberg terminou em 2º lugar, também correu com o carro equipado com tanque de água, mas não perdeu os 6 pontos com a posição conquistada[7] .

Como a decisão do tribunal aconteceu na semana do Grande Prêmio de San Marino, as equipes FOCA (Associação dos Construtores da Fórmula 1) resolvem boicotar[9] a prova em Ímola: Brabham, Williams, McLaren, Lotus, Ligier, Arrows, March, Fittipaldi, Theodore e Ensign. A partir do Grande Prêmio da Bélgica[10] , a equipe volta a utilizar o modelo BT50 com o motor BMW Turbo; com ele, Piquet marca 2 pontos com o 5º lugar na pista belga. O atual campeão não conseguiu se classificar para o Grande Prêmio do Leste dos Estados Unidos em Detroit. Uma semana depois, o piloto brasileiro venceu em Montreal, o Grande Prêmio do Canadá. A prova ficou marcada com a morte logo na largada do italiano Riccardo Paletti que não conseguiu desviar da Ferrari do francês Didier Pironi que não partiu. O ponto alto da temporada de Piquet foi um episódio tenso e, em segunda análise, hilariante. Quando estava próximo da fazer a troca de pneus e o reabastecimento no GP da Alemanha em Hockenheim, Piquet se aproximou do retardatário, o chileno Eliseo Salazar e tentou a ultrapassagem na Ostkürve, (a chicane norte do circuito alemão). Salazar não viu Piquet se aproximando, manteve a trajetória normal, e os dois bateram. Após sair do carro, Piquet partiu para a agressão física contra Salazar, diante das câmeras de televisão, em uma cena que demonstra um pouco do seu temperamento competitivo e explosivo. "Salazar não é piloto, é motorista", declarou Piquet à época. Curiosamente, ambos haviam se conhecido quando ainda eram recém-chegados à Europa; e, muitos anos depois, chegaram a correr juntos em corridas de Turismo. Num ano marcado por problemas políticos na categoria, acidentes e mortes de pilotos, Piquet fechou o ano em 11º lugar com 20 pontos.

Anos mais tarde, Piquet ficou sabendo de um engenheiro do motor que trabalhou com o piloto brasileiro na equipe Brabham naquela época, que aquele famoso acidente foi a melhor coisa que podia ter acontecido à BMW, porque evitou a vergonha do motor alemão explodir em seu próprio país.

Contra a quadra francesa: a Renault de Alain Prost e René Arnoux e Patrick Tambay da Ferrari, Piquet consegue em 1983 seu segundo título na última corrida, o GP da África do Sul em Kyalami. A tática da equipe era colocar pouca gasolina um dos dois carros, assim forçava a concorrência a forçarem o ritmo e, paravam para reabastecer. Foi também o primeiro campeonato vencido por um carro com motor Turbo na Fórmula 1.

Para a temporada de 1984, a Brabham e o motor BMW não chegam a piorar. A McLaren, sob o comando de Ron Dennis, foi a equipe que veio para colocar ordem na Fórmula 1.

As inovações introduzidas por Gordon Murray na Brabham não são suficientes, embora Piquet tenha conquistado 9 poles no ano. Chega a liderar por várias provas, mas abandona grande parte delas por problemas mecânicos.

Piquet teve uma grande vitória. O modelo BT53, revisado, vai para o Canadá, em Montreal, com um radiador de óleo instalado no bico do carro. Durante a corrida, o radiador foi esquentando o pé do brasileiro fazendo com que o piloto praticamente abandonasse a corrida. Porém, ele seguiu adiante para vencer de forma brilhante. No podium, ele mostrava o dedo do pé com bolhas para Niki Lauda e Alain Prost. O brasileiro tenta uma reação vencendo em Detroit, nos Estados Unidos, mas fica por aí. Termina o ano em 5º lugar com 29 pontos.

Em 1985, a chance de brigar na frente foi impedida quando Bernie Ecclestone assinou um contrato de fornecimento dos pneus Pirelli. O desenvolvimento dos pneus italianos era um desafio de proporções gigantescas. Nenhum resultado poderia ser cobrado antes de dois ou três anos. Piquet consegue uma vitória no ano. Ela aconteceu em Paul Ricard, na França. Sob um calor infernal, o brasileiro faz uma corrida bem planejada. Ultrapassa Ayrton Senna da Lotus e Keke Rosberg da Williams. Vai abrindo e fazendo um ritmo de corrida muito bom. As equipes de ponta com a borracha americana da Goodyear não consegue acompanhar o ritmo imposto pelo piloto brasileiro, porque o Brabham número 7 não dá nenhuma demonstração que fará a troca; Piquet vence com relativa facilidade. Foi a última vitória da equipe na categoria. Depois dessa vitória, volta a realidade. O piloto chega a conquistar a última pole da equipe em Zandvoort, na Holanda. Na semana do Grande Prêmio da Itália, Piquet fecha contrato com a Williams[11] na próxima temporada para ocupar a vaga deixada por Keke Rosberg. Nessa corrida, ele termina em 2º e com Senna em 3º lugar (pela primeira vez juntos no podium). Na Bélgica em Spa-Francorchamps, com a pista molhada, após a largada, Piquet escorrega na primeira curva La Source perdendo várias posições; ele fez uma enorme corrida de recuperação e terminou-a em 5º. Nas últimas três provas do campeonato, ele nem terminou. No último ano na Brabham, Piquet fecha em 8º lugar com 21 pontos.

Williams-Honda[editar | editar código-fonte]

No campeonato de 1986, Piquet foi para a equipe de seus dois vice-campeões, a Williams, para desenvolver, junto com seu companheiro de equipe, o inglês Nigel Mansell, o projeto dos motores turbo da Honda. No primeiro ano, o carro mostrou-se competitivo, porém uma sucessão de resultados desfavoráveis [carece de fontes?] e estratégias mal calculadas como na última prova da temporada (GP da Austrália), que levaram Piquet e Mansell a perder o título para Prost. Parte do fracasso se deveu a um grave acidente sofrido pelo dono da equipe, Frank Williams, que o deixou afastado do comando da equipe por vários meses, e fadado a uma cadeira de rodas pelo resto da vida. Frank foi o responsável pela contratação de Piquet, enquanto o seu sócio e engenheiro-chefe da equipe, Patrick Head cumpria risca o contrato de Piquet na qual exigia a preferência no carro reserva, mas dava igual tratamento a Nigel Mansell dentro da equipe. Frank Williams chegou a declarar na época: "Se Mansell é mais rápido é impossível mandá-lo abrandar para deixar passar Piquet. Não funcionou quando Jones e Reutemann foram designados como primeiro e segundo pilotos em 1981. Por que razão deveria funcionar agora? Desde o momento que asseguremos que Nelson faça todos os testes com os carros e tenha prioridade de uso e escolha do carro reserva, ele não pode reclamar." (Anuário F1 1987 Francisco Santos pg 47).

No Grande Prêmio da Alemanha em Hockenheim que Piquet usou a malandragem; na 15ª volta, Nigel Mansell com o carro instável errou uma freada e saiu da pista, prejudicando o rendimento dos seus pneus. O piloto avisa pelo rádio à sua equipe para colocar pneus novos nos boxes. A equipe rapidamente se prepara para recebê-lo, mas quem aparece no pit foi o Williams número 6 do piloto brasileiro. Piquet, brilhante, havia antecipado sua parada para trocá-los. Dentro do pit, pelo rádio, Patrick Head comunica ao piloto inglês para não entrar nesta volta, forçando-o a completar mais uma com os pneus bem gastos, já que a equipe estava comprometida com a execução do carro do seu companheiro de equipe.

Na primeira edição do Grande Prêmio da Hungria, Piquet realizou sobre Ayrton Senna, a ultrapassagem que muitos consideram como a mais bela de todos os tempos na Fórmula 1 – no fim da reta dos boxes, pelo lado de fora de uma curva de 180 graus, escorregando nas quatro rodas. O tricampeão Jackie Stewart, comentando a cena, disse que era "como fazer um looping com um Boeing 747"[carece de fontes?].

Em 1987, as Williams dominaram a temporada. Piquet sofreu um grave acidente logo no início do ano, em um teste no circuito de Imola, na mesma curva Tamburello que se tornaria famosa pela morte de Ayrton Senna. "Depois desse acidente, minha visão nunca mais foi a mesma, e eu perdi uma parte da noção de profundidade", declarou Piquet anos depois[carece de fontes?]. Mesmo assim, Piquet e Mansell disputaram o título corrida a corrida – e Piquet, para driblar evitar que o acerto do seu carro fosse passado ao inglês, lançou mão de suas conhecidas artimanhas[carece de fontes?], como testar com uma configuração ruim do carro, que muitas vezes seria copiada pelos mecânicos de Mansell, e alterá-la completamente minutos antes do treino ou da corrida.

Cansado dos desentendimentos com seu companheiro Mansell, na semana do Grande Prêmio da Hungria, Piquet é anunciado como piloto da equipe Lotus para o campeonato seguinte. Ele ficou contente com a transação: "Deram-me garantias de que eu teria todo o apoio para ser o primeiro piloto. Era uma oferta que eu não podia recusar. Além do mais, estive observando a Lotus nesta temporada e aproveitei a chance de me integrar a uma equipe tão competitiva[12] .

Nos treinos para o GP da Itália, em Monza, o piloto brasileiro estreia a suspensão ativa. Consegue a pole, e também vence. Na prova seguinte, o novo componente é colocado no carro do piloto inglês, mas ele não consegue um acerto adequado. Para não favorecer apenas um lado, a equipe Williams resolve retirar a suspensão dos dois carros. A alegação é que o novo componente não estava totalmente pronto para enfrentar uma corrida e que seria muito arriscada colocar uma nova tecnologia sem ainda ter uma certeza plena de que ela seria melhor e mais resistente que a suspensão tradicional. A verdade é que Mansell não entendia o funcionamento correto dela, diferente do Piquet que tirava máximo proveito. Resultado, na reta final, os dois carros voltam para a suspensão convencional em condições iguais. Nos GPs da Espanha e México, Mansell vence, com Piquet em 4º e 2º lugar respectivamente. O brasileiro vai para o Japão com 12 pontos de vantagem. Nos treinos oficiais de sexta-feira no circuito de Suzuka, na ânsia de superar o tempo do seu companheiro de equipe, Mansell sofre um forte acidente, embora não o tenha causado ferimentos sérios, deixou-o sem condições para disputar a prova, e Piquet sagrou-se tricampeão mundial por antecipação.

Na última corrida, o GP da Austrália, em Adelaide, o piloto inglês não aparece. Acabou sendo substituído pelo italiano Riccardo Patrese[13] .

Últimas temporadas na Lotus e na Benetton[editar | editar código-fonte]

A Honda, então consagrada com o melhor motor turbo do período, deixou a Williams, e em 1988 passou a equipar a McLaren e a Lotus. Para a McLaren, conseguiu a contratação de Ayrton Senna, e para o lugar que Senna deixara na Lotus levou Nelson Piquet com um contrato milionário. Mas o carro amarelo da lendária equipe, projetado pelo engenheiro francês Gérard Ducarouge (que trabalhou com Senna em 1985 à 1987 na equipe), mostrou-se problemático. Mesmo tendo o motor japonês, a Lotus não tinha forças para lutar com a mesma intensidade do que a McLaren. O Lotus era 7 km/h mais lento do que o McLaren no retão em Jacarepaguá. O carro da Lotus era 2 segundos mais lento e aumentava para 3 em San Marino. O carro não reagia as modificações propostas e experimentadas pelo piloto. O diagnóstico de Piquet: excessiva torção na parte traseira do chassi. Segundo comentários da imprensa automobilística internacional, o Lotus 100T tinha a estrutura rígida de uma casquinha de sorvete. O motor não era o problema por causa do baixo rendimento do carro, mas sim o chassi que Piquet declarou publicamente que era "uma merda" e desentendeu-se completamente com Ducarouge. Com condições de disputar posições com os carros equipado com motor aspirado, o piloto terminou o campeonato em 6º lugar com 22 pontos conquistados.

Sem o motor Honda para 1989, a Lotus fechou com o Judd, um dos motores mais fracos da época. O time de Peter Warr contrata o projetista inglês Frank Dernie, vindo da Williams da época de Piquet. Com o novo conjunto, o modelo 101 e motor Judd, o piloto só conseguia disputar posições pelo bloco intermediário e de vez em quando dava para marcar alguns pontos. Com equipamento fraco para brigar por melhores posições, o brasileiro não conseguiria se classificar para o Grande Prêmio da Bélgica[14] em Spa-Francorchamps, o mesmo acontecendo com o seu companheiro de equipe, o japonês Satoru Nakajima; pela primeira vez na história que o time britânico ficava ausente de uma corrida e a segunda vez na carreira do tricampeão brasileiro.

Desiludido com as duas temporadas frustantes na Lotus, no início do mês de setembro, Piquet assinou contrato com a equipe Benetton[15] para a temporada de 1990; no final do mês, na semana do GP da Espanha, a escuderia anglo-italiana contrata o projetista inglês John Barnard[16] . Ele se junta ao piloto brasileiro num projeto ambicioso: disputar de fato o título mundial.

Cumprindo as últimas três provas pela escuderia britânica, o melhor que ele consegue foi o 4º lugar no Japão; na última prova, o GP da Austrália, com chuva, na reta Brabham, Piquet acerta a traseira do Osella do italiano Piercarlo Ghinzani (última corrida na carreira). Numa despedida sem grandes resultados e tendo que disputar posições com o pelotão intermediário, Piquet terminou em 8º lugar no campeonato com 12 pontos.

A falta de potência do motor Cosworth V8 era compensada pelo notável equilíbrio do chassi do carro, e, após algumas boas corridas, Piquet vence o polêmico GP do Japão, (aquela prova, segundos depois da largada que Senna enfia o seu carro na traseira da Ferrari de Prost ao tentar fazer a primeira curva da pista e com os dois fora da pista, acabou decidindo o campeonato a favor do brasileiro da McLaren). A vitória teve sabor mais especial ainda para Piquet porque o segundo colocado foi o seu amigo de adolescência Roberto Moreno, também pela Benetton, estreando como substituto de Alessandro Nannini, que havia sofrido um gravíssimo acidente de helicóptero que lhe afastou em definitivo da Fórmula 1.

Piquet também venceu a corrida seguinte, o Grande Prêmio da Austrália, após uma manobra arriscada na última volta – Nigel Mansell, que ao volante da Ferrari tentava ultrapassar o brasileiro, foi obrigado a frear fortemente e sair da pista na curva mais fechada do circuito, quando o brasileiro, simples e propositalmente, ignorou sua tentativa e seguiu o traçado normal. Um lance sarcástico típico de Piquet no GP de número 500 da história da categoria. Com o magnífico lance, Piquet terminou em 3º com 43 pontos1, e se classificou à frente de um piloto da McLaren e da Ferrari.

Em 1991, ainda na Benetton, Nelson obteve sua última vitória na F-1 no Grande Prêmio do Canadá, e também em cima de Mansell – a quem Piquet se referia ironicamente como "o idiota veloz". O inglês liderava com mais de 50 segundos e, na última volta, já acenando para os torcedores, começou a andar lento. Por causa disso, o alternador não gerou energia suficiente para abastecer toda a eletrônica embarcada do Williams e o carro simplesmente "morreu". Após a vitória, Piquet passou pelo carro parado de Mansell acenando para o rival. Depois declarou que quando viu o carro do piloto inglês parado naquele momento "quase teve um orgasmo". Neste mesmo ano, a Benetton substituiu Roberto Moreno pelo jovem talento Michael Schumacher, patrocinado pela Mercedes-Benz, que até então havia disputado apenas sua corrida de estreia na Fórmula 1. Insatisfeito com as perspectivas da sua equipe para a temporada de 1992, já que o novo motor Ford Cosworth não era suficientemente potente para deixá-lo em condições de voltar a brigar por títulos, Piquet, já com 39 anos de idade e 204 GPs no currículo, decidiu abandonar a categoria máxima do automobilismo após chegar em 4º lugar no chuvoso Grande Prêmio da Austrália. Encerrou sua carreira na principal categoria em 6º lugar com 26.5 pontos.

Após a Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

Em 1992, Piquet começou a entrar em entendimentos com a Ferrari para voltar à Fórmula 1 na temporada do ano seguinte. Piquet era um antigo sonho da scuderia italiana, mas ambas as partes acabaram não se acertando, principalmente devido aos altos valores pedidos pelo piloto. Era o adeus a qualquer perspectiva de retorno. No mesmo ano, Nelson Piquet decidiu correr as 500 Milhas de Indianápolis, com um Lola-Buick da equipe Menards. Rapidamente se destacou como o mais rápido entre os estreantes. Mas, em um dos treinos, um furo lento num pneu fez o carro rodar a toda velocidade na curva 4 e se espatifar de frente na mureta de proteção do circuito. Além de traumatismo craniano e lesão torácica, Piquet sofreu fraturas múltiplas nas pernas e nos pés. Várias cirurgias no Hospital Metodista de Indianápolis reconstruíram os membros inferiores, mas deixaram sequelas que obrigaram o brasileiro a abandonar as categorias de monopostos. Mesmo assim, Piquet voltou a Indianápolis para a corrida de 1993, pela mesma equipe, mas foi obrigado a abandonar por problemas de motor. Em 1996 se envolveu em um acidente no Rio de Janeiro em evento realizado por marca de carros de luxo.

Desde então, Piquet corre apenas por prazer em eventos como as 24 Horas de Le Mans e as 24 Horas de Spa-Francorchamps, e em provas de Turismo como a Mil Milhas Brasileiras, que venceu duas vezes - a última em 2006, dividindo um Aston Martin DBR9 com Hélio Castroneves, Christophe Bouchut e Nelson Ângelo Piquet.

Il 13 de novembro 2013 è operado ao coração, o filho confirma que tudo terminou bem.[17] .

Todos os resultados de Nelson Piquet na Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

(legenda) (Corrida marcada em negrito indica pole position; corrida marcada em itálico indica volta mais rápida)

[editar | editar código-fonte]

Ano Equipe Chassis Motor 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 Pontos Posição
1991 Camel Benetton Formula Ford Benetton B190B Ford HB5 V8 EUA
BRA
26.5
Benetton B191 SMR
Ret
MON
Ret
CAN
MEX
Ret
FRA
GBR
ALE
Ret
HUN
Ret
BEL
ITA
POR
ESP
11º
JAP
AUS
2
1990 Benetton Formula Ltd Benetton B189B Ford HBA4 V8 EUA
BRA
431
(44)
Benetton B190 SMR
MON
Ret
CAN
MEX
FRA
GBR
ALE
Ret
HUN
BEL
ITA
POR
ESP
Ret
JAP
AUS
1989 Camel Team Lotus Lotus 101 Judd CV V8 BRA
Ret
SMR
Ret
MON
Ret
MEX
11º
EUA
Ret
CAN
FRA
GBR
ALE
HUN
BEL
NQ
ITA
Ret
POR
Ret
ESP
JAP
AUS
Ret
12
1988 Camel Team Lotus Honda Lotus 100T Honda RA168E
V6 Turbo
BRA
SMR
MON
Ret
MEX
Ret
CAN
EUA
Ret
FRA
GBR
ALE
Ret
HUN
BEL
ITA
Ret
POR
Ret
ESP
JAP
Ret
AUS
22
1987 Canon Williams
Honda Team
Williams FW11B Honda RA167E
V6 Turbo
BRA
SMR
DNS
BEL
Ret
MON
EUA
FRA
GBR
ALE
HUN
AUT
ITA
POR
ESP
MEX
JAP
15º
AUS
Ret
731
(76)
1986 Canon Williams
Honda Team
Williams FW11 Honda RA166E
V6 Turbo
BRA
ESP
Ret
SMR
MON
BEL
Ret
CAN
EUA
Ret
FRA
GBR
ALE
HUN
AUT
Ret
ITA
POR
MEX
AUS
69
1985 Motor Racing
Developments Ltd
Brabham BT54 BMW M12/13
L4 Turbo
BRA
Ret
POR
Ret
SMR
MON
Ret
CAN
Ret
EUA
FRA
GBR
ALE
Ret
AUT
Ret
HOL
ITA
BEL
EUR
Ret
AFS
Ret
AUS
Ret
21
1984 MRD International Brabham BT53 BMW M12/13
L4 Turbo
BRA
Ret
AFS
Ret
BEL
SMR
Ret
FRA
Ret
MON
Ret
CAN
USE
EUA
Ret
GBR
ALE
Ret
AUT
HOL
Ret
ITA
Ret
EUR
POR
29
1983 Fila Sport Brabham BT52 BMW M12/13
L4 Turbo
BRA
USW
Ret
FRA
SMR
Ret
MON
BEL
USE
CAN
Ret
59
Brabham BT52B GBR
ALE
13º
AUT
HOL
Ret
ITA
EUR
AFS
1982 Parmalat Racing Team Brabham BT50 BMW M12/13
L4 Turbo
AFS
Ret
SMR BEL
MON
Ret
USE
NQ
CAN
HOL
GBR
Ret
FRA
Ret
ALE
Ret
AUT
Ret
SUI
ITA
Ret
LVG
Ret
20 11º
Brabham BT49D Ford Cosworth
DFV V8
BRA
DSQ
USW
Ret
1981 Parmalat Racing Team Brabham BT49C Ford Cosworth
DFV V8
USW
BRA
12º
ARG
SMR
BEL
Ret
MON
Ret
ESP
Ret
50
FRA
GBR
Ret
ALE
AUT
HOL
ITA
CAN
LVG
1980 Parmalat Racing Team Brabham BT49 Ford Cosworth
DFV V8
ARG
BRA
Ret
AFS
USW
BEL
MON
FRA
GBR
ALE
AUT
HOL
ITA
CAN
Ret
USE
Ret
54
1979 Parmalat Racing Team Brabham BT46A Alfa Romeo 115-12
F12
ARG
Ret
3 16º
Brabham BT48 Alfa Romeo 1260
V12
BRA
Ret
AFS
USW
ESP
Ret
BEL
Ret
MON
Ret
FRA
Ret
GBR
Ret
ALE
12º
AUT
Ret
HOL
ITA
Ret
Brabham BT49 Ford Cosworth
DFV V8
CAN
Ret
USE
12º
1978 Team Tissot Ensign Ensign N177 Ford Cosworth
DFV V8
ALE
Ret
0 NC
(28º)
BS Fabrications McLaren M23 AUT
Ret
HOL
Ret
ITA
Parmalat Racing Team Brabham BT46 Alfa Romeo 115-12
F12
CAN
11º
  • Nos descartes
  • A prova foi interrompida antes de completados três quartos do total de voltas e os pilotos receberam metade dos pontos.

Números[editar | editar código-fonte]

  • 3 títulos mundiais de Fórmula 1 em (1981, 1983 e 1987)
  • Temporadas na F-1: 13
  • GPs iniciados: 204
  • Pódios: 60
  • Vitórias: 23
  • Pole positions: 24
  • Melhores voltas: 23
  • Pontos marcados: 481,5
  • Quilômetros percorridos: 45.455
  • Liderou 56 GPs, em 1572 voltas e 7.465 km
  • Completou 121 GPs
  • Retirou-se em 84 GPs

Ver também[editar | editar código-fonte]


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons

Referências

  1. Que fim levou? por Milton Neves
  2. Terra Esportes (15/07/2010). Aos 51, Piquet planeja voltar às pistas. Visitado em 22/04/2010.
  3. Uma homenagem ao sexagenário Nelson Piquet Yahoo! Esportes - esporte interativo - Por Amigos da Velocidade | Amigos da Velocidade – 17 de Agosto de 2012
  4. http://esportes.terra.com.br/vasco/com-bandeira-do-vasco-piquet-pilota-brabham-e-emociona-interlagos,5481e1a8895ba310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html
  5. Antonio Pessoa - F1 Mania (17/09/2001). GP dos EUA (em português). Visitado em 22/04/2010.
  6. Brabham resolve refazer o carro turbo: Folha de São Paulo - Primeiro Caderno, Esportes, página 27 - 10 de Fevereiro de 1982
  7. a b Tribunal da FISA tira a vitória de Piquet no Rio Folha de São Paulo - Primeiro Caderno, Esportes, página 31 - 20 de Abril de 1982
  8. Especial GP Brasil de 1982 Quatro Rodas - por Marcio Ishikawa - 5 de Outubro de 2009
  9. FOCA decide boicotar o GP de Ímola Folha de São Paulo - Primeiro Caderno, Esportes, página 19 - 22 de Abril de 1982
  10. Piquet com o Turbo no agitado GP da Bélgica Folha de São Paulo - Primeiro Caderno, Esportes, página 27 - 7 de Maio de 1982
  11. Nelson Piquet assina com a Williams por dois anos Folha de São Paulo - Primeiro Caderno, Esportes, página 36 - 5 de Setembro de 1985
  12. Piquet toma o lugar de Senna na Lotus em 88 Folha de São Paulo - caderno Esportes, página A18 - 7 de Agosto de 1987
  13. Patrese substitui o inglês Mansell na Austrália Folha de São Paulo - Primeiro Caderno, Esportes, página A21 - 12 de Novembro de 1987
  14. Lotus em crise é desclassificada pela 1ª vez Folha de São Paulo - caderno Esportes, página E8 - 27 de Agosto de 1989
  15. Piquet vai correr na Benetton no próximo ano Folha de São Paulo - caderno Esportes, página E3 - 5 de Setembro de 1989
  16. Barnard será diretor técnico da Benetton Folha de São Paulo - caderno Esportes, página E4 - 30 de Setembro de 1989
  17. Nelson Piquet operato al cuore

Ligações externas[editar | editar código-fonte]