British American Racing

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde março de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
British American Racing
Nome completo Reino Unido British American Racing
Sede Reino Unido Brackley, Northamptonshire, United Kingdom
Chefe de equipe Reino Unido Adrian Reynard
Reino Unido David Richards
Brasil Gil de Ferran
Pilotos Canadá Jacques Villeneuve
Brasil Ricardo Zonta
Finlândia Mika Salo
França Olivier Panis
Japão Takuma Sato
Reino Unido Jenson Button
Reino Unido Anthony Davidson
Pilotos de teste França Patrick Lemarié
Reino Unido Darren Manning
Reino Unido Anthony Davidson
Japão Takuma Sato
Brasil Tony Kanaan
Brasil Enrique Bernoldi
Chassis BAR 001
BAR 002
BAR 003
BAR 004
BAR 005
BAR 006
BAR 007
Motor Supertec, Honda
Pneus Bridgestone, Michelin
Histórico na Fórmula 1
Estréia GP da Austrália de 1999
Último GP GP da China de 2005
Corridas concluídas 118
Campeã de construtores 0
Campeã de pilotos 0
Vitórias 0
Pole Position 2
Voltas rápidas 0
Posição no último campeonato
(2005)
6° (38 pts)

A British American Racing foi uma equipe de automobilismo que competiu no campeonato da Fórmula 1. É uma equipe pertencente a BAT (British American Tobacco), uma das maiores indústrias de tabaco do mundo. A equipe estreou em 1999, com os pilotos Jacques Villeneuve e Ricardo Zonta, canadense e brasileiro, respectivamente, e equipada com os motores Supertec, subsidiaria da Renault. A equipe já chegou causando polêmica, pois queria correr com os dois carros com cores e patrocinadores diferentes. A equipe teve que mudar a pintura. No seu ano de estreia a equipe terminou em último lugar no campeonato de construtores, além dos pilotos sofrerem vários acidentes graves e num destes acidentes Zonta ficou impedido de correr algumas provas e em seu lugar foi chamado Mika Salo, piloto finlandês.

Parceria com a Honda[editar | editar código-fonte]

Jenson Button nos treinos do GP dos EUA de 2005.

Em 2000 a equipe fez acordo com a Honda para o fornecimento dos motores. A equipe superou as dificuldades do ano de estreia e marcou 20 pontos na temporada, terminando o campeonato na 5ª posição. Em 2001, a equipe contratou o piloto Olivier Panis para o lugar de Zonta. A equipe não evoluiu muito em relação ao ano anterior, apesar de conquistar dois pódios com Villeneuve, marcou 17 pontos. Em 2002 a equipe realizou outra temporada apagada, marcando somente 7 pontos. Teve o afastamento de Craig Pollock do comando da equipe, empresario de Villeneuve que diziam não entender nada de Fórmula 1 e sim de Esqui e no seu lugar foi contratado David Richards, com experiência em competições de Rali. Mas a boa noticia ocorreu no final do ano com a compra de 40% da equipe pela Honda.

Em 2003, a primeira como parceira da Honda, a equipe contratou Jenson Button para o lugar de Panis, que se transferiu para a Toyota. A BAR teve uma temporada razoável, marcou 26 pontos e terminou em 5º lugar no campeonato de construtores. E dias antes da última corrida do ano a equipe afastou Villeneuve e colocou no seu lugar Takuma Sato, piloto de teste da equipe e protegido da Honda. Um dos motivos desse afastamento seria o desentendimento do próprio Villeneuve com Richards, que no final do ano acabou sendo demitido da equipe.

Em 2004, a equipe foi a grande supresa da temporada, terminando o ano como vice-campeã entre as equipes com 119 pontos, obteve a primeira pole position no GP de San Marino, com Button, e 11 pódios (10 com Button, um com Sato).

Em 2005, a BAR enfrentou no começo da temporada problemas com carro e motor, além de ser suspensa por algumas corridas com irregularidade no tanque de combustível, mas obteve uma evolução no final da temporada. A equipe somou 38 pontos e terminou na 6ª posição. Durante o ano a equipe anunciou a contratação do ex-piloto brasileiro Gil de Ferran para o cargo de Diretor Esportivo, e em agosto, a contratação do brasileiro Rubens Barrichello, até então piloto da Ferrari para correr as temporadas de 2006 e 2007.

Compra da equipe pela Honda[editar | editar código-fonte]

No final do ano de 2005, a Honda anunciou a compra total da equipe. A BAR passou a se chamar Honda em 2006 e no ano de estréia contou com Jenson Button e Rubens Barrichello. Na primeira temporada com o nome "Honda", Button conquistou a primeira vitória para a equipe no GP da Hungria, em Hungaroring. Ele terminou o ano em sexto lugar no campeonato com 56 pontos e Barrichello ficou em sétimo com 30 pontos. O total de 86 pontos marcados pelos dois pilotos, deram à equipe o quarto lugar no Campeonato Mundial de Construtores. Os mesmos pilotos iniciaram o campeonato pilotando para a equipe em 2007, um ano desastroso para a equipe, pois, apesar de o carro ser confiável, tinha uma aerodinâmica péssima. Neste ano, Button marcou apenas seis pontos e Barrichello não marcou um ponto sequer pela primeira vez em sua carreira de quinze anos na F-1.

Para a temporada de 2008, a Honda consegue contratar Ross Brawn, um dos homens por trás do heptcampeonato de Michael Schumacher na Ferrari, com a promessa de novos tempos e futuras glórias.

O ano até começa bem, mas a equipe não consegue sair do pelotão de trás. Rubens Barrichello ainda consegue um 3º lugar de baixo de muita chuva em Silverstone, o único pódio da equipe no ano. Total de 14 pontos para equipe, sendo 11 de Rubens e apenas 3 de Button, terminando a temporada em 9º lugar entre os construtores.

Em dezembro de 2008, a Honda, afetada pela crise mundial, anuncia a sua retirada da Fórmula 1, deixando a equipe à venda. Mas, no dia 6 de março de 2009, através do sistema management buy-out, Ross Brawn passa liderar a equipe, denominada Brawn GP.

Pilotos[editar | editar código-fonte]

Ano Nome Carro Pneus Motor Óleo Pilotos Pilotos de Teste Classificação
2005 Lucky Strike British American Racing BAR 007 M Honda Total Reino Unido Jenson Button
Japão Takuma Sato
Reino Unido Anthony Davidson
Reino Unido Anthony Davidson
Brasil Tony Kanaan
Brasil Enrique Bernoldi
Reino Unido Adam Carroll
África do Sul Alan van der Merwe
Brasil Danilo Dirani
6° (38 pts)
2004 Lucky Strike British American Racing BAR 006 M Honda Total Reino Unido Jenson Button
Japão Takuma Sato
Reino Unido Anthony Davidson 2° (119 pts)
2003 Lucky Strike British American Racing BAR 005 B Honda Total Canadá Jacques Villeneuve
Reino Unido Jenson Button
Japão Takuma Sato
Japão Takuma Sato 5° (26 pts)
2002 Lucky Strike British American Racing BAR 004 B Honda Total CanadáJacques Villeneuve
França Olivier Panis
Reino Unido Darren Manning
Reino Unido Anthony Davidson
França Patrick Lemarié
Japão Ryo Fukuda
8° (7 pts)
2001 Lucky Strike British American Racing BAR 003 B Honda Total Canadá Jacques Villeneuve
França Olivier Panis
Reino Unido Darren Manning
Reino Unido Anthony Davidson
França Patrick Lemarié
Japão Takuma Sato
6° (17 pts)
2000 Lucky Strike British American Racing BAR 002 B Honda Total Canadá Jacques Villeneuve
Brasil Ricardo Zonta
Reino Unido Darren Manning 5° (20 pts)
1999 Lucky Strike British American Racing BAR 001 B Supertec Total Canadá Jacques Villeneuve
Brasil Ricardo Zonta
Finlândia Mika Salo
França Patrick Lemarié 11° (0 pt)

Estatítica da Equipe[editar | editar código-fonte]

  • GPs disputados: 118
  • Vitórias: 21
  • Poles: 2
  • Pontos: 227
  • Podios: 13
  • Títulos: 0

Pilotos Famosos[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre British American Racing