Bengasi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bengasi
بنغازي
—  Bangazi  —
Centro de Bengasi
Centro de Bengasi
Bengasi está localizado em: Líbia
Bengasi
Localização de Bengasi na Líbia
32° 07' N 20° 04' E
País  Líbia
Região Cirenaica
Distrito Benghazi
Área
 - Total 314 km²
Altitude 2 m (7 pés)
População (2011)
 - Total 631 555
    • Densidade 2,000/km2 
Código de área (+218) 61

Bengasi ou Bengazi (em árabe: بنغازي transl. Binġāzī;[1] árabe líbio: Loudspeaker.svg? [bənˈʁɑːzi]; em italiano: Bengasi; em turco: Bingazi; também Banghāzī,[2] Binghāzī,[3] e, na Antiguidade, Berenice[4] e Hespérides - Euesperides[5] ) é a segunda maior cidade da Líbia, principal cidade (e capital) da região da Cirenaica e capital provisória do governo interino do país.[6] Sua região metropolitana (que inclui as cidades meridionais de Gimeenis e Suluq) também é um dos distritos da Líbia. Seu porto localiza-se no mar Mediterrâneo.

Durante o período monárquico da história da Líbia, Bengasi gozou de um status de semi-capital, juntamente com Trípoli, possivelmente porque o rei Idris I costumava residir na cidade vizinha de Al Bayda', e a família real dos Senussi em geral eram mais associados com a Cirenaica que com a região da Tripolitânia. Bengasi até hoje tem instituições e organizações normalmente associadas normalmente com uma capital nacional; isto cria uma atmosfera constante de rivalidade e questões sensíveis entre Bengasi e Trípoli e, por extensão, entre as duas regiões (Cirenaica e Tripolitânia). A população de todo o distrito, que era de 500.120 habitantes de acordo com o censo de 1995, aumentou para 670.797 no censo de 2006.

Em fevereiro de 2011 protestos em massa contra o governo de Muammar al-Gaddafi foram realizados na cidade.[7] Em 21 daquele mês, a cidade foi conquistada por forças contrárias a Gaddafi e deixou de ser controlada pelo governo central.[8]

História[editar | editar código-fonte]

A antiga cidade de Cirene

A moderna Bengási, no Golfo de Sidra, situa-se um pouco mais a sudoeste do local onde foi construída a antiga cidade grega de Berenice, tradicionalmente fundada em 446 a.C., por um irmão do rei de Cirene, e que obteve o nome após a sua reconstrução no século III a.C. em homenagem a Berenice (Berenike), filha de Magas, rei de Cirene, e esposa de Ptolemeu III Evérgeta I, governante do Egito. À nova cidade deu-se mais tarde o nome de Hespérides, em referência as Hespérides, as guardiãs do mítico paraíso ocidental. O nome pode também se referir aos verdes oásis nas áreas mais baixas da planície costeira próxima. Bengási mais tarde tornou-se uma cidade romana e prosperou por 600 anos. A cidade substituiu Cirene e Barca como o principal centro da Cirenaica após o século III e durante os ataques persas, mas quando os árabes chegaram, em 642-643, ela transformou-se em uma insignificante aldeia entre magníficas ruínas.

No ano de 1200, o pequeno povoado surgiu como um importante parceiro comercial entre os mercadores genoveses e as tribos do interior do país. Nos mapas do século XVI, aparece o nome de Marsa ibn Ghazi. Bengási tinha a localização de porto estratégico, muito útil para ser ignorado pelos Otomanos.

E foi em 1578 que os turcos invadiram Bengási, sendo governada de Trípoli pelos Karamanlis de 1711 a 1835, quando passou diretamente para o governo otomano até 1911. Sob o domínio otomano, Bengási era a mais empobrecida de suas províncias. Não havia estradas pavimentadas nem serviço de telégrafo, e o porto estava tão assoreado que não permitia mais a acesso de navios. Pescadores de esponja gregos e italianos trabalhavam em suas águas territoriais. Em 1858 e novamente em 1874, Bengási foi devastada pela peste bubônica.

Em 1911, Bengási foi invadida pelos italianos. A população local da Ciranica sob a liderança do Omar al-Mucktar resistiu à ocupação italiana. Em 1931, o patriota líbio Omar al-Mucktar foi enforcado em Souluk, uma aldeia na parte oeste de Bengási, terminando de vez com a resistência libiana. Bengási sofreu pesados bombardeios durante a Segunda Guerra Mundial, sendo mais tarde reconstruída com a riqueza do petróleo das recentes jazidas descobertas no país, tornando-se um dos cartões de visita da moderna Líbia.

Características[editar | editar código-fonte]

Bengási é um importante porto do mar Mediterrâneo e um grande centro comercial da Líbia. De modo geral, a cidade não possui pontos de grande interesse histórico ou arquitetônico, com exceção das ruínas de antigos edifícios que se encontram nas proximidades da zona portuária. Apesar disso, é ponto de referência para a visitação de alguns dos pontos turísticos mais atrativos do país, tais como as Montanhas Verdes e as praias que se situam ao redor da cidade.

Referências

  1. بنغازي: Libya Geographical Names.. Página visitada em 27-2-2011.
  2. Banghāzī: Libya Geographical Names.. Página visitada em 27-2-2011.
  3. Binghāzī: Libya Geographical Names.. Página visitada em 27-2-2011.
  4. Berenice: Libya Geographical Names.. Página visitada em 27-2-2011.
  5. Hesperides: Libya Geographical Names.. Página visitada em 27-2-2011.
  6. Libya's ex-justice minister forms interim government in Benghazi Haaretz. (26 de fevereiro de 2011). Página visitada em 26-2-2011.
  7. 'FB and Twitter got us from Tahrir Square to Libya', Benghazi After Gaddafi
  8. http://www.bbc.co.uk/news/world-middle-east-12307698

</onlyinclude>

</noinclude>

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Líbia, integrado ao Projeto África é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bengasi