Escópia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Skopje)
Ir para: navegação, pesquisa
Escópia
—  Cidade  —
Vistas de Escópia
Vistas de Escópia
Bandeira de Escópia
Bandeira
Brasão de armas de Escópia
Brasão de armas
Macedonia-CIA WFB Map.png
42° N 21° 26' E
País  Macedónia
Área
 - Total 571,46 km²
Altitude 240 m (787 pés)
População (2002)
 - Total 506 926
Fuso horário CET (UTC+1)
 - Horário de verão CEST (UTC+2)
Código postal 1000
Código de área +389 02
Sítio http://www.skopje.gov.mk/

Skopje, ou aportuguesando Escópia,[1] [2] [3] Escúpia,[3] Skopie,[1] ou Escópie[1] [2] (em macedônio: Скопје ou Skopje; em albanês: Shkupi) é a capital e a maior cidade da República de Macedónia. Era conhecida no período romano sob o nome de Skupi. A cidade desenvolveu-se rapidamente após a Segunda Guerra Mundial, mas esta tendência foi interrompida em 1963, ano em que foi abalada por um grande terremoto.

Hoje Escópia é uma cidade moderna com interesse nos monumentos culturais do passado. Escópia fica situada em 42°0'N 21°26'E, no curso superior do rio Vardar e fica situada numa rota principal norte-sul dos Balcãs, entre Belgrado e Atenas. É um importante centro siderúrgico, assim como das indústrias química, madeireira, têxtil, de curtumes e publicitária. O desenvolvimento industrial da cidade foi acompanhado por um desenvolvimento intensivo dos sectores do comércio e de operação bancária, assim como um ênfase nos campos da cultura e do desporto.

De acordo com o censo nacional de 2002, a população de Escópia era de 506 926 habitantes. O grupo étnico principal é o dos Macedónios, que compõem 66.75% da população, seguido pelos Albaneses (20.49%), pelos Romani (Ciganos) (4,63%), pelos Sérvios (2,82%), pelos Turcos (1,70%), pelos Bósnios (1.50%) e pelos Aromenos (0.50%). 97,5% da população com 10 ou mais anos de idade é alfabetizada.

Nome[editar | editar código-fonte]

Em 1912, o nome da cidade foi oficialmente alterado do turco Üsküp (turco otomano: اسكوب) para o sérvio Skoplje (Скопље).[4] Desde os anos 1950, a designação da cidade em macedônio tem sido Skopje (Скопје), o que reflete a ortografia cirílica para a pronúncia local do macedônio. A origem deste topônimo é o latim Scupi. O topônimo latino, por sua vez, advém ou de uma tribo traco-ilírica[5] ou dos termos gregos skopion e skopein, "vigiar",[6] o que indica a origem de Escópia como uma fortaleza de fronteira da era greco-romana clássica que posteriormente integrou o Império Romano do Oriente.[7] Machado registra a forma vernácula "Escupos" para a cidade existente no local durante a era romana, advinda do grego Skoûpos, através do latim Scūpos.[8]

Durante a Idade Média, Escópia esteve frequentemente sob controle do Império Búlgaro; a versão búlgara do nome da cidade é Skopie (Скопие). A cidade foi conhecida como Uskub ou Uskup na maioria das línguas da Europa Ocidental durante o período otomano.[9] É chamada de Shkupi em albanês, de Scopia em arromeno, e de Skopiye em romani.

História[editar | editar código-fonte]

Período clássico[editar | editar código-fonte]

O local da moderna Escópia esteve inabitado até cerca de 3 500 a.C.. Vestígios de fundações neolíticas foram encontrados dentro da antiga fortaleza de Kale. No seu auge, estes edifícios vigiariam o actual centro da cidade. Aparentemente, estas fundações tiveram origem no povo paeoniano, que habitou a região.

Ilustração de Escópia, 1594.

No século III a.C., Escópia e a área circundante foi invadida pelos dardânios, da Macedónia. Com a conquista do império pelas tropas imperiais romanas Skupi, ficou sob o domínio romano em 148 a.C., quando o general romano Caecilii Metellii derrotou Andriscus da Macedónia, estabelelcendo-se logo depois como parte integrante da província romana da Macedónia em 146 a.C.. A expansão do império para norte, que se encontrava em curso, levou à criação da província da Mésia, nos tempos de Augusto (r. 27 a.C.-14 d.C.), que incorporou Scupi. Após a divisão da província por Domiciano em 86 d.C., Skupi foi elevada a Colónia romana e foi-lhe conferido o estabelecimento do governo da recém-criada província da Mésia Superior.

Em 395 d.C., a cidade passou para as mãos do Império Romano do Oriente.

O primeiro bispo conhecido da cidade foi Perigório, presente no Concílio de Sárdica (Sófia). Scupi foi então um centro metropolitano do centro da Europa, até à passagem para a Idade Média.[10]

Idade Média[editar | editar código-fonte]

O imperador bizantino Justiniano I nasceu em Escupi, em Taurésio, em 483 d.C.. Em 518, Escópia havia sido quase completamente destruída por um terramoto. Justiniano acudiu prontamente à cidade e ali fundou um acampamento a que deu o nome de Justiniana Prima, a norte do sítio de Escópia. Porém, Justiniana e os restos de Escópia foram destruídos com a invasão do local pelos eslavos, no século VII. Os eslavos renomearam o local como Escópia e os bizantinos expulsaram. Tais factos, concluíram-se na perda de importância comercial e económica, populacional e, consecutivamente, uma vasta perda de mão-de-obra.

A Idade Média foi pautada por curas e sangrentas guerras, pandemias e outros males que reduziram catastroficamente a população da Europa e da Ásia Menor. Deste padrão Escópia não se apartou, e sucumbiu na destruição durante e após diversos motins e guerras de possessão. Durante grande parte do início da Idade Média, a cidade foi contestada tanto pelos bizantinos como pelo Império Búlgaro. De 972 a 992 tornou-se a capital deste império. Depois disto, tornou-se a capital da região administrativa da Bulgária, na sucessão da queda do império em 1018.

Logo, Escópia iniciou um período de enriquecimento, principalmente através do comércio e outro intercâmbios, algo que se declinou após o terramoto no fim do século XI. Dois séculos e meio mais tarde, torna-se capital do feudo do Senhor búlgaro, mais tarde imperador, Constantino Tikh. A cidade foi tomada pelos sérvios em 1282. Em 1346, foi nomeada capital do Império Sérvio por Estêvão IV Duchan.

A cidade otomana[editar | editar código-fonte]

Em 1392, três anos após a derrota da Sérvia na Batalha do Kosovo, Escópia foi capturada pelo Império Otomano. Nos seguintes quinhentos anos, seria conhecida em turco como Üsküb ou Üsküp. A Üsküp otomana foi a capital da província do Kosovo, que ocupava grande área da actual região do Kosovo.

O carácter da cidade modificou-se marcadamente durante este período. Os otomanos introduziram o islamismo e construíram inúmeras mesquitas, termas (hammans) e pousadas até hoje existentes. Expulsos de Espanha e de outros locais, muitos judeus sefarditas instalaram-se nas imediações da cidade, aumentando ainda mais a diversidade étnica da cidade.

As fundações medievais da cidade ficaram gravemente danificadas com o terramoto de 1555, mas a cidade recuperou-se prontamente, regressarando à prosperidade. Pelo século XVII, a sua população contou-se entre os 30 000 e os 60 000 habitantes, estando constante em certas fontes que a população tenha mesmo ultrapassado a marca dos 60 000. O escritor turco Dulgar Dede visitou Üsküb durante este período de prosperidade e largo crescimento e escreveu:

Cquote1.svg Viajei por vários anos ao longo deste país que é a Rumélia e vi diversas belas cidades e fui abençoado por Alá, mas fiquei mesmo impressionado e caído em deleite quando vi a divina cidade de Escópia, nas margens dos passos do Rio Vardar. Cquote2.svg

Em 1689, Escópia permaneceu por um curto período sob o comando das tropas do general austríaco Engelberto d'Ugo Piccolomini.

A economia da cidade passou por um processo de queda nos dois séculos seguintes, com sua população chegando a diminuir até a marca de 10 000 habitantes. A cidade veio a se recuperar parcialmente com a construção da linha férrea de Belgrado a Tessalónica, passando por Escópia, em 1873.

No século XX[editar | editar código-fonte]

Panorama de Escópia.

Por volta de 1905, Escópia tinha já uma população de 32 mil habitantes, que compreendia uma larga mistura de etnias e religiões. Cinco anos mais tarde, a madre católica romana, Agnes Gonxha Bojaxhiu, mais tarde conhecida como Madre Teresa de Calcutá, nasceu em Escópia.

A cidade tornou-se num grande centro de concentração de rebeldes e grandes motins contra o Império Otomano, já em declínio há vários anos.O governo e a população otomana foram finalmente expulsos de Escópia pelos macedônios em 12 de agosto de 1912, mas a cidade acabaria sendo meses mais tarde capturada pelos sérvios, no início da Primeira Guerra Balcânica.

Em 1913, os aliados na Primeira Guerra Balcânica foram derrotados e o mesmo aconteceu na segunda. A Sérvia reteve o controle de Escópia, com o vale de Vardar incorporado no território sérvio. No entanto, a cida ocupada pela Sérvia até ao fim da Primeira Guerra Mundial, em 1918, tornou-se parte do Reino da Jugoslávia. Entre 1941 e 1944 a cidade ficou então sob controle búlgaro. Entretanto, as maiores potências estavam envolvidas com a Segunda Guerra Mundial, e a Jugoslávia tentava defender Escópia e o resto do território da invasão alemã. Assim, Escópia juntou-se uma vez mais ao território jugoslavo. Nos anos seguintes Escópia integrou a República Socialista Federativa da Iugoslávia, até à independência da Macedónia.

O terremoto de 1963[editar | editar código-fonte]

A 26 de julho de 1963, Escópia foi novamente destruída por um grande terremoto, apontando 6,1 na Escala de Richter, vitimando mais de 1000 pessoas e resultando em 120 mil desalojados. 80% da cidade foi destruída pelo terramoto, e numerosos monumentos ficaram seriamente danificados. As perdas foram massivas para a Macedónia e para a Jugoslávia. No entanto, uma grande ajuda internacional levou a que a cidade fosse rapidamente reconstruída, ainda que o seu antigo aspecto otomano tenha sido perdido durante o processo. As ruínas da velha estação de comboios de Escópia compõem hoje um memorial às vítimas, juntamente com um museu adjacente.

Escópia rapidamente se recuperou e fez jus ao investimento, tornando-se num dos maiores centros industriais dos Balcãs. Em 1991 a federação da Jugoslávia entrou em colapso e, assim, Escópia passou a ser a capital da independente República da Macedónia. A Grécia objectou contra o uso do nome "Macedónia", pelo novo Estado, e impôs o bloqueio económico e marítimo. O bloqueio foi suspenso em 1995, depois do acordo de nomenclatura entre os dois governos.

Em dezembro de 2006, o governo anunciou a existência de planos para o novo aeroporto da cidade.

Divisão administrativa[editar | editar código-fonte]

Escópia é uma divisão administrativa dentro da Macedónia, constituída por dez municípios. A sua capital, é também a capital do país balcânico.

Referências

  1. a b c Rocha, Carlos (30 de julho de 2010). Vocabulário para resolver dúvidas toponímicas. Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  2. a b Rocha, Carlos (9 de julho de 2010). A capital da República da Macedónia. Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Página visitada em 22 de abril de 2013.
  3. a b Macedo, Vítor. (Primavera de 2013). "Lista de capitais do Código de Redação Interinstitucional". A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (n.º 41): 16. Sítio web da Direcção-Geral da Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. ISSN 1830-7809. Página visitada em 23 de maio de 2013.
  4. [1]
  5. Babiniotis, Λεξικό της Νεοελληνικής Γλώσσας
  6. [2]
  7. Watkins, Thomas H., "Roman Legionary Fortresses and the Cities of Modern Europe", Military Affairs, Vol. 47, No. 1 (Feb., 1983)
  8. Machado, José Pedro. Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa, verbete "Escupos".
  9. Room A. Placenames of the World: Origins and Meanings of the Names for Over 5000 Natural Features, p.335.
  10. Catholic Encyclopedia: Scopia.
Ícone de esboço Este artigo sobre geografia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.