Miss Universo 1961

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Miss Universo 1961
Marlene Schmidt, Miss Universo 1961.
Data 15 de julho de 1961
Apresentadores Johnny Carson
Local Miami Beach Auditorium, Miami Beach, Flórida, Estados Unidos
Emissoras CBS
Candidatas 48
Semifinalistas 15
Estreias Irlanda, Jamaica, Madagáscar, Taiwan, Rodésia, Escócia, Ilhas Virgens, País de Gales
Retiradas Costa Rica, Hong Kong, Jordânia, Nova Zelândia, Portugal, Suriname, Tunísia
Retornos Guatemala, Porto Rico, Sri Lanka, Turquia
Vencedora Marlene Schmidt
 Alemanha

Miss Universo 1961 foi a décima edição do concurso Miss Universo, realizada em 15 de julho de 1961 no Miami Beach Auditorium, em Miami Beach, Flórida, nos Estados Unidos. Candidatas de 48 países e territórios competiram pelo título. No final do evento, a Miss Universo 1960, Linda Bement, dos Estados Unidos, coroou a alemã Marlene Schmidt como sua sucessora.[1]

Schmidt, uma refugiada na Alemanha Ocidental depois de fugir da nativa Alemanha Oriental, loira, de olhos negros, 1, 73 m e 24 anos, era uma engenheira elétrica que trabalhava numa fábrica de rádios por US$54 dólares semanais.[2] Entrou no concurso estadual de beleza de Baden-Württemberg motivada pelo carro oferecido como prêmio máximo, venceu e além do carro conquistou o direito de representar a região no Miss Alemanha, realizado em Baden-Baden.[3]

Marlene venceu o concurso nacional, onde foi considerada uma "figura de Botticelli",[3] e foi para os Estados Unidos representar o país no Miss Universo. Competindo com outras 47 candidatas de todo o mundo, ela primeiramente foi a décima alemã consecutiva a passar para as semifinais, algo inédito até então. Mais que isso, acabou vencendo o concurso sobre a galesa Rosemarie Frankland, tornando-se a primeira – e única até hoje – alemã a ser coroada Miss Universo.[4]

Sua vitória, acontecida no auge da Guerra Fria, sendo uma refugiada alemã no Ocidente, foi considerada uma humilhação para o líder alemão-oriental Walter Ulbricht, num ano em que levas de alemães do lado comunista cruzavam as fronteiras fugindo para a Alemanha Ocidental.[5] A imagem de Schmidt coroada em Miami, distribuída ao redor do mundo, mostrava um mundo de oportunidades e glamour jamais imaginado por qualquer menina de um país comunista. Para os governos comunistas, porém, a imagem representava apenas uma peça de propaganda própria, em que criticavam a superficialidade de uma sociedade comercial.[5]

As misses do País de Gales, Argentina, Inglaterra e Estados Unidos, eleita no dia anterior no concurso nacional Miss USA, completaram o Top 5. O nivel desta edição foi tão alto que Rosemarie Frankland, a segunda colocada do País de Gales, foi eleita Miss Mundo meses depois em Londres, representando o Reino Unido.[6]

Resultados[editar | editar código-fonte]

Colocação Candidata
Miss Universo 1961
2.ª colocada
3.ª colocada
4.ª colocada
5.ª colocada
Top 15

Prêmios especiais[editar | editar código-fonte]

Miss Simpatia[editar | editar código-fonte]

  • Vencedora:  Grécia — Eleftheria Deloutsi.

Miss Fotogenia[editar | editar código-fonte]

Candidatas[editar | editar código-fonte]

Em negrito, a candidata eleita Miss Universo 1961. Em itálico, as semifinalistas.[1]

  • Pela primeira vez desde 1954, quando iniciou sua participação no Miss Universo, a Miss Brasil não passou às semifinais. Foi o que aconteceu com a mineira Staël Abelha, que desfilou em Miami com desinteresse pelo concurso e renunciou ao título ao voltar ao país, para casar-se.[7]
  • Carmela Bedoya (Peru) é mãe da atriz Ana Patrícia Rojo.

Referências

  1. a b «1961». pageantopolis.com. Consultado em 9 de julho de 2011. 
  2. «Queen's reign begins». Consultado em 9 de julho de 2011. 
  3. a b «Die Siegerinnen - Miss Germany von 1927 bis 2011» (em alemão). Miss Grermany Corporation. Consultado em 9 de julho de 2011. 
  4. «Marlene Schmidt». Consultado em 9 de julho de 2011. 
  5. a b «Berlin 1961: The East German Refugee Who Became a Beauty Queen». Consultado em 9 de julho de 2011. 
  6. «1961W». pageantopolis.com. Consultado em 13 de julho de 2011. 
  7. «SESSÃO NOSTALGIA - Staël Abelha, a Miss Brasil que trocou seu reino por amor». passarelacultural.com. Consultado em 9 de julho de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]