Miss Universo 1980

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Miss Universo 1980
Shawn Weatherly, Ronald Reagan e Kim Seelbrede no Salão Oval em 1981.
Data 8 de julho de 1980
Apresentadores Bob Barker, Helen O'Connell, Jayne Kennedy
Entretenimento Donny Osmond, Companhia Nacional de Dança da Coreia[1]
Local Centro Cultural Sejong, Seul, Coreia do Sul
Emissoras CBS, KBS
Candidatas 69
Semifinalistas 12
Estreias Ilhas Cayman, Turks e Caicos
Retiradas Antígua, Barbados, Bophuthatswana, El Salvador, Fiji, Ilhas Maurício, Portugal, África do Sul, Ilha de São Cristóvão (São Cristóvão e Nevis), São Vicente, Suriname, Transkei
Retornos Curaçao, Guadalupe, Indonésia, St. Maarten
Vencedora Shawn Weatherly
 Estados Unidos

Miss Universo 1980 foi a 29.ª edição do concurso Miss Universo, realizada em 8 de julho de 1980 no Centro Cultural de Artes Sejong, em Seul, na Coreia do Sul. Candidatas de 69 países e territórios competiram pelo título. No final do evento, a Miss Universo 1979, Maritza Sayalero, da Venezuela, coroou a estadunidense Shawn Weatherly como sua sucessora.

Antes do evento propriamente dito, um grupo de candidatas das Américas, viajou para a Colômbia com a função de arrecadar fundos para diversos projetos sociais. De Bogotá, o grupo viajou para Los Angeles e de lá partiram para Seul

A principal intenção dos organizadores com o concurso, o terceiro realizado na Ásia, era mostrar ao mundo que poderiam organizar e realizar grandes eventos de importância internacional, já que a cidade era candidata aos Jogos Asiáticos de 1986 e aos Jogos Olímpicos de Verão de 1988. A repercussão positiva e o sucesso organizacional desta edição foram comprovadas quatro meses depois, quando Seul foi aclamada pelo Conselho Olímpico da Ásia, a sede dos Jogos Asiáticos de 1986 e no ano seguinte quando o Comitê Olímpico Internacional elegeu a cidade para sediar os Jogos Olímpicos de Verão de 1988.[2][3]

Evento[editar | editar código-fonte]

A Coreia do Sul investiu cerca de US$ 3 milhões na produção do evento, uma grande fortuna na época. O palco era gigantesco e tinha um aspecto exuberante, mostrando vários aspectos da cultura coreana nele. Era uma época em que o concurso vivia seus grandes dias, com altos índices de audiência pela televisão, patrocínios milionários e grande interesse da imprensa internacional.

As três semanas das preliminares começaram com um grande parada de todas as candidatas pelas ruas de Seul,que se apresentaram em cima de carros alegóricos floridos,fato que levou um milhão de habitantes da cidades às ruas para saudá-las. Um dos mais entusiasmados participantes do desfile foi o embaixador da Colômbia na Coreia, Virgilio Olano, que, entusiasmado com a beleza de sua compatriota Miss Colômbia, Maria Patricia Arbelaez, dirigiu seu Mercedes-Benz oficial por toda a parada na frente do carro alegórico que trazia a candidata colombiana.[2]

Uma das principais favoritas do público e da imprensa desde o início era a Miss Nova Zelândia Delyze Nottle, que ganhou o prêmio de Melhor Fotogenia, além de se tornar depois uma das cinco finalistas. Além dela, a Miss Austrália, Katrina Redina, também era muito popular, principalmente depois de desfilar de biquíni durante a parada, mas perdeu este prêmio para Nottle por apenas um voto dos fotógrafos. A Miss EUA, Shawn Weatherly, tinha um grupo muito especial de torcedoras durante a noite final; 29 candidatas do Miss USA 1980, vencido por ela meses antes, foram convidadas a ir a Seul pelo governo coreano e fizeram um grande barulho no auditório torcendo pela norte-americana.

Centro Cultural de Artes Sejong, local do evento.

Na época, a Coreia do Sul era uma ditadura militar, mas mesmo assim se posicionava abertamente contra o Apartheid, negando vistos de entrada no país para as misses da África do Sul, da Namíbia que era um território sul-africano na época, e dos dois bantustões de Transkei e Bophuthatswana, todos países africanos racistas governados por minorias brancas. Ironicamente, Margaret Gardiner, a Miss Universo 1978 que é uma sul-africana branca, foi convidada a participar do júri, que entre outros, também foi composto pelos atores Richard Roundtree, o astro de Shaft, George Maharis e a dona da Ford Models, Eillen Ford.[2]

A final teve início às 8h em Seul, para que a transmissão ao vivo ocupasse o horário nobre da televisão nos Estados Unidos, ainda na noite anterior.[4] Depois dos desfiles em maiô, as doze semifinalistas foram as misses EUA, Suécia, Taití, Nova Zelândia, Escócia, Canadá, Islândia, Porto Rico, Filipinas, Irlanda, Colômbia e a anfitriã Coreia. A eliminação da Austrália, favorita junto com os EUA e a Nova Zelândia, causou surpresa entre o público. Após o desfile final nos vestidos de gala, as cinco finalistas foram anunciadas: EUA, Nova Zelândia, Filipinas, Escócia e uma surpreendente Miss Suécia.

Shawn, que teve as mais altas notas em todas as etapas do concurso - a única a receber uma nota superior a oito no desfile em trajes de banho[4] - assim como havia sido no Miss USA, foi coroada como a quinta Miss Universo americana, treze anos após a última conquista do seu país, em 1967 com Sylvia Hitchcock,[5] e a primeira fora de solo norte-americano. Ela foi coroada pela venezuelana Maritza Sayalero, Miss Universo 1979, que era a companheira de moradia em Nova York, onde, por contrato, moravam a Miss EUA e a Miss Universo durante o ano de reinado.[4]

Ironicamente, a Miss Universo eleita, que em entrevista posterior à coroação fez questão de dizer que o "seu trabalho não era apenas exibir o corpo" e que pretendia após o reinado tornar-se uma comentarista esportiva, acabaria conquistando fama internacional anos mais tarde como atriz, no papel da salva-vidas Jill Riley do seriado SOS Malibu, onde exibia sempre o corpo no famoso decotado e cavado maiô vermelho.[2]

Duas participantes desta edição teriam um destino trágico uma e doloroso a outra: a Miss Venezuela, Maye Brandt, que não se classificou entre as semifinalistas, cometeu suicídio em 1982, aos 21 anos de idade. Em 2006, a Miss Filipinas, Maria do Rosario Silayan, que ficou em 4° lugar, uma das mais elegantes participantes já enviadas por seu país ao concurso, morreu de câncer de colo do útero, após longo tempo de luta contra a enfermidade.

Resultados[editar | editar código-fonte]

Mapa mostrando os países e territórios que participaram do Miss Universo 1980 e suas colocações finais.
Colocação Candidata
Miss Universo 1980
2.ª colocada
3.ª colocada
4.ª colocada
5.ª colocada
  •  Suécia — Eva Brigitta Andersson
Top 12

Prêmios especiais[editar | editar código-fonte]

Miss Simpatia[editar | editar código-fonte]

Miss Fotogenia[editar | editar código-fonte]

Melhor Traje Típico[editar | editar código-fonte]

  • Vencedora:  Índia — Sangeeta Bijlani.

Candidatas[editar | editar código-fonte]

Em negrito, a candidata eleita Miss Universo 1980. Em itálico, as semifinalistas.[6]

Referências

  1. Natale, Denise (7 de julho de 1980). «Outras atrações entre tantas missas campais». Folha de S. Paulo. p. 28 
  2. a b c d «Shawn Weatherly - Miss Universe 1980». globalbeauties.com. Consultado em 12 de agosto de 2011. Arquivado do original em 25 de agosto de 2011 
  3. Herald, Korean (27 de novembro de 1981). «A espera acabou: A escolha unânime por Seul». The Korean Herald. Consultado em 29 de novembro de 2018 
  4. a b c «SOUTHERN BELLE WINS THE UNIVERSE». criticalbeauty.com. Consultado em 12 de agosto de 2011 
  5. «1967». pageantopolis.com. Consultado em 12 de agosto de 2011. Arquivado do original em 9 de outubro de 2008 
  6. «1980». pageantopolis.com. Consultado em 12 de agosto de 2011. Arquivado do original em 4 de junho de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]