Prêmio APCA de Literatura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Prêmio APCA de Literatura
Estatueta do Prêmio APCA.
Local São Paulo
País  Brasil
Primeira cerimónia 1972
Detentor atual APCA

Prêmio APCA de Literatura é uma das áreas laureadas pelo Prêmio APCA, tradicional premiação brasileira criada em 1956 pela Associação Paulista de Críticos Teatrais (atual Associação Paulista de Críticos de Arte). A área de Literatura passou a ser parte do Prêmio APCA em 1972, logo depois da mudança de nome da associação, que até então premiava somente teatro e música clássica. No mesmo ano, passaram a ser também premiados cinema, música popular e televisão, com novas áreas sendo incorporadas ao prêmio no decorrer dos anos subsequentes.[1]

Os ganhadores do Prêmio APCA são escolhidos anualmente entre o final de novembro e o início de dezembro durante a reunião dos críticos membros da APCA. Algumas categorias podem ter uma pré-seleção semestral de finalistas, de acordo com a necessidade. Cada crítico vota exclusivamente dentro de sua área de atuação, selecionando, no máximo, sete categorias em cada área, que podem sofrer alterações a cada ano de acordo com a percepção dos críticos sobre o que seria mais pertinente em cada período (esta regra passou a valer em 1999, pois até 1998 o número de categorias que poderiam ser criadas era livre). Também há a exigência de que um mínimo de três críticos de cada área estejam presentes à votação, o que pode fazer com que não ocorra premiação para determinadas categorias em alguns anos por falta de quórum (houve raras exceções a essa regra no decorrer dos anos).[2][1][3]

Em 2020, devido à pandemia de COVID-19, os vencedores da 65.ª edição do Prêmio APCA foram definidos com atraso (em janeiro de 2021) e cada área teve excepcionalmente menos categorias do que nos anos anteriores. No caso de Literatura, além da redução de sete para três categorias, todas elas (inéditas) foram voltadas para profissionais do meio literário ao invés de destinadas a obras e autores.[4][5]

Vencedores por ano[editar | editar código-fonte]

2018[editar | editar código-fonte]

Categoria Vencedor[6]
Romance / Novela Entre as Mãos
Juliana Leite / editora Record
Contos / Crônicas Reserva Natural
Rodrigo Lacerda / editora Companhia das Letras
Poesia Nenhum Mistério
Paulo Henriques Britto / editora Companhia das Letras
Tradução Sobre Isto, de Vladimir Maiakovski
Letícia Mei / editora 34
Ensaio / Teoria / Crítica Literária Percursos da Poesia Brasileira
Antonio Carlos Secchin / editora Autêntica
Biografia / Autobiografia / Memória Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco
Luís Cláudio Villafañe G. Santos / editora Companhia das Letras
Infantil / Juvenil / Quadrinhos Eles Estão por Aí
Bianca Pinheiro e Greg Stella / editora Todavia
Grande prêmio da crítica Nova edição de Registro de uma Vivência (34 / Edições Sesc), autobiografia de Lucio Costa, com textos, cartas, croquis, desenhos e fotos do arquiteto modernista fundador do Iphan

Votaram: Ubiratan Brasil, Gabriel Kwak, Felipe Franco Munhoz e Amilton Pinheiro

2019[editar | editar código-fonte]

Categoria Vencedor[7]
Romance Crocodilo
Javier Arancibia Contreras / editora Companhia das Letras
Ensaio / Teoria e/ou Crítica Literária / Reportagem O Crime da Galeria de Cristal
Boris Fausto / editora Companhia das Letras
Infantil / Juvenil Enfim, Capivaras
Luisa Geisler / editora Companhia das Letras
Poesia Melancolia
Carlos Cardoso / editora Record
Contos / Crônicas Redemoinho em Dia Quente
Jarid Arraes / editora Alfaguarra
Tradução Eric Nepomuceno, pela tradução de O Jogo da Amarelinha, de Julio Cortázar
editora Companhia das Letras
Biografia / Autobiografia / Memória Em Busca da Alma Brasileira: uma Biografia de Mário de Andrade
Jason Tércio / editora Sextante

Votaram: Amilton Pinheiro, Gabriel Kwak, Fabio Siqueira e Ubiratan Brasil

2020[editar | editar código-fonte]

Categoria Vencedor[8]
Trabalho editorial Gita Guinsburg, pelas realizações à frente da Editora Perspectiva - refletindo a resistência de todas as editoras no contexto da pandemia
Difusão de literatura brasileira Bel Santos Mayer, pela propagação de literatura brasileira contemporânea - e mediação de leituras - durante a pandemia, valendo-se de meios aplicados a propostas de isolamento social
Difusão de literatura brasileira no exterior Nara Vidal, pela revista digital Capitolina Books, que difunde literatura brasileira - on-line, bilíngue (português/inglês) e gratuita - no exterior

Votaram: Amilton Pinheiro, Felipe Franco Munhoz, Gabriel Kwak e Ubiratan Brasil

Prêmios em Ficção[editar | editar código-fonte]

1970s[editar | editar código-fonte]

1980s[editar | editar código-fonte]

1990s[editar | editar código-fonte]

2000s[editar | editar código-fonte]

  • 2000: Não há registro de premiação para este ano.
  • 2001: Não há registro de premiação para este ano.
  • 2002: Não há registro de premiação para este ano.
  • 2003: Não há registro de premiação para este ano.
  • 2004: Não há registro de premiação para este ano.
  • 2005: Mamma Son Tanto Felice e O Mundo Inimigo de Luiz Ruffato

Prêmios em Romance[editar | editar código-fonte]

1990s[editar | editar código-fonte]

2000s[editar | editar código-fonte]

2010s[editar | editar código-fonte]

Prêmios em Contos/Crônicas[editar | editar código-fonte]

2000s[editar | editar código-fonte]

2010s[editar | editar código-fonte]

Prêmios em Poesia[editar | editar código-fonte]

1970s[editar | editar código-fonte]

1980s[editar | editar código-fonte]

1990s[editar | editar código-fonte]

2000s[editar | editar código-fonte]

2010s[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Neste ano a categoria foi nomeada como Prosa poética

Referências

  1. a b Aguinaldo Cristofani Ribeiro da Cunha (org.) (2017). APCA 60 Anos. São Paulo: Monolito. ISBN 978-85-66275-15-5 
  2. «APCA elege os melhores de 2002». O Estado de S. Paulo. 10 de dezembro de 2002 
  3. «O que é a APCA?». Arteref. 1 de agosto de 2017 
  4. «Teresa Cristina e 'Bom Dia, Verônica' são eleitos os melhores de 2020 pela APCA». Folha de S. Paulo. 19 de janeiro de 2021 
  5. «Cronistas do Rascunho ganham prêmio APCA». Rascunho. 19 de janeiro de 2021 
  6. «Gilberto Gil e Marjorie Estiano estão entre os artistas do ano para a APCA». O Estado de S. Paulo. 12 de dezembro de 2018 
  7. «APCA divulga lista de premiados de 2019». Terra. 10 de dezembro de 2019 
  8. «'Bom dia, Verônica' é a grande vencedora do melhores do ano da APCA». Correio Braziliense. 19 de janeiro de 2021 
  9. «Cópia arquivada». Consultado em 11 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2007 
  10. «Cópia arquivada». Consultado em 15 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2007 
  11. «Cópia arquivada». Consultado em 12 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2008 
  12. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 11 de outubro de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 11 de outubro de 2010 
  13. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 24 de dezembro de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 24 de dezembro de 2010 
  14. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 7 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 7 de fevereiro de 2012 
  15. http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,apca-escolhe-os-melhores-de-2012,972180
  16. http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,apca-divulga-os-melhores-de-2013,1106691
  17. http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2014/12/1556298-apca-divulga-lista-com-os-melhores-de-2014.shtml
  18. http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,apca-elege-os-vencedores-de-suas-10-categorias-em-2015,10000003757