O Centauro no Jardim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Centauro no Jardim
Autor(es) Moacyr Scliar
Idioma português
País  Brasil
Género Fábula
Localização espacial Fazenda no interior de Quatro Irmãos, Rio Grande do Sul
Lançamento 1980
Edição portuguesa
Editora Caminho
Lançamento 1986

O Centauro no Jardim é um livro de 1980 do escritor gaúcho Moacyr Scliar. Foi um de seus livros mais traduzidos e publicados para o mundo, além de ter recebido prêmios pela riqueza e originalidade da obra

Enredo[editar | editar código-fonte]

No interior do Rio Grande do Sul, na pacata família Tartakovsky, nasce um centauro: um ser metade homem, metade cavalo. Seu nome é Guedali, quarto filho de um casal de imigrantes judeus russos. A partir desse evento fantástico, Moacyr Scliar constrói um romance que se situa entre a fábula e o realismo, evidenciando a dualidade da vida em sociedade, em que é preciso harmonizar individualismo e coletividade. A figura do centauro também ilustra a divisão étnica e religiosa dos judeus, um povo perseguido por sua singularidade. Guedali cresce solitário, excluído da sociedade, e o isolamento o leva a cultivar o hábito da leitura, quando tiveram que se mudar de onde nasceu. Inteligente e culto, é ele quem conduz a narrativa, feita a partir do dia de seu 38° aniversário, comemorado entre amigos num restaurante de São Paulo.O centauro rememora sua vida desde o nascimento em Quatro Irmãos, passando pela juventude em Porto Alegre, onde se casa com Tita - também centaura -, até chegar ao Marrocos, onde o casal vai tentar uma cirurgia que os transforme em pessoas normais.Depois de inúmeros percalços, Guedali acaba voltando para São Paulo e o desenlace desconcertante de suas lembranças completa com profundidade essa narrativa provocadora.[1]

Prémios[editar | editar código-fonte]

Referências