Jogo do pau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O jogo do pau é um sistema tradicional de combate galego e português, uma arte marcial.

Espada japonesa mostrando a lâmina manga habaki e a mão guarda tsuba
Exibição de jogo do pau na rua

História[editar | editar código-fonte]

Em muitas sociedades a espada desenvolveu-se como uma arma à qual era atribuído um carácter sagrado, sendo o seu porte apanágio apenas da classe da nobreza guerreira. Aos populares era interdito ou dificultado o seu uso, pelo que este aperfeiçoava habitualmente sistemas de combate alternativos, de mãos nuas ou com recurso às ferramentas do dia-a-dia. Quem está familiarizado com a história do surgimento do karaté (que significa “mãos nuas” em japonês) em Okinawa sabe que se desenvolveu em paralelo o Kobudo, que inclui técnicas de uso de foices, paus, matracas que eram usadas como malho, etc. Era com este arsenal que o camponês ou pescador podia defrontar quando necessário os orgulhosos ocupantes Samurais, armados com katanas e outras armas de guerra. Também em Portugal o povo desenvolveu um sistema de combate usando como arma o cajado que acompanhava para todo o lado, até há poucos anos, os pastores e camponeses. Este sistema veio a ser conhecido pelo nome de jogo do pau, tendo aqui a palavra "jogo" não no sentido de “brincadeira”, mas no de “técnica” ou “manejo”.

Já bem dentro do século XX eventos com o jogo do pau eram ainda frequentes por Portugal inteiro, mas com destaque para o norte do país, os combates de pau nas feiras e romarias. Por vezes aldeias inteiras envolviam estas rixas, outras vezes as lutas eram individuais, ou de um jogador contra vários. Era o tempo dos “puxadores” (nome que se dava aos jogadores do Norte) e dos “varredores de feiras” (jogadores afamados que se deslocavam às feiras e romarias para desafiarem outros, provando assim o seu valor através da vitória contra todos). Mestre Monteiro, originário da região de Fafe, conta que no tempo da juventude de seu pai havia duas povoações que frequentavam ao Domingo a mesma capela, levando, como era de tradição, cada homem ou moço a sua vara, de tal forma que quando se ajoelhavam na missa se viam todos os paus em posição vertical saindo acima das cabeças. Depois da cerimónia era frequente, num largo ali perto, haver conflitos entre os rapazes das duas aldeias, que começavam por qualquer pequena razão (um piropo a uma rapariga da aldeia vizinha, os ciúmes de um enamorado preterido por outro, uma discussão por causa de canais de irrigação...) e que se resolviam à paulada. Mas não se pense que era o combate destituído de regras. Havia um código ético, que proibia aos lutadores baterem em homem que não levasse pau, ou que estivesse por terra. Ainda se contam nos círculos da modalidade histórias antigas como a do “Manilha”, que depois de vencer e desarmar três atacantes que o haviam emboscado, atirou o pau ao chão. Ou a de um jogador de grande talento do Porto, chamado Carvalho, feirante de gado, que na Feira dos 26 em Angeja, perto de Aveiro, conseguiu aguentar-se sozinho contra um grupo que o atacava, até que tropeçou e caiu para o chão, e nessa altura o melhor jogador dos adversários saltou para o seu lado, pronto a defendê-lo, dizendo aos seus companheiros que quem pretendesse bater no valente caído tinha que lutar primeiro consigo. Também na literatura podemos encontrar histórias sobre o jogo do pau, nomeadamente em autores como Aquilino Ribeiro e Miguel Torga. A partir dos anos 30 o jogo do pau começou a perder importância. Os motivos são vários: a acção das autoridades policiais, que para evitar lutas sangrentas passaram a proibir o uso dos paus dentro dos recintos das feiras; a emigração de muitos homens para os meios urbanos ou para o estrangeiro; a generalização do uso de armas de fogo, que tornou desnecessária a aprendizagem demorada e difícil desta técnica para a defesa pessoal[1] [2] .

Bandeira da escola do Ateneu

Escolas do jogo do pau[editar | editar código-fonte]

Em Lisboa, praticava-se já então, principalmente a partir do século XIX, um estilo próprio, desenvolvido nos quintais da capital e em clubes como o Ateneu Comercial de Lisboa e o Real Ginásio, que depois veio a ser o Ginásio Clube Português, nos quais ainda hoje se ensina esta arte. Surgem duas grandes Escolas, diferenciadas tecnicamente e com base em factores histórico-sociais: a Escola do Norte e a Escola de Lisboa (também praticada no Ribatejo e Estremadura). Esta última desenvolveu uma série de inovações técnicas e passou a dar menos importância ao combate contra vários adversários.O jogo do pau encontra-se disponível no Sport Algés e Dafundo em Lisboa[1] [2] .

Mestres famosos[editar | editar código-fonte]

Ao longo da história do jogo do pau foram muitos os mestres que deixaram fama pelas diferentes regiões do país, entre os quais Mestre António Nunes Caçador, Mestre Frederico Hopffer, Mestre Júlio Hopffer, Mestre Joaquim Baú, Mestres Calado Campos, pai e filho, Mestre Chula, Mestre Custódio Neves, Mestre Pedro Ferreira, Mestre Elias Gameiro, Mestre Nuno Russo, Mestre Manuel Monteiro[1] [2] .

O nome de Mestre Pedro Ferreira (n. 26 de Março de 1915 – f. 24 de Setembro de 1996) destaca-se pelo extraordinário desenvolvimento técnico que levou a cabo, combinando as Escolas do Norte e de Lisboa, de ambas profundo conhecedor. Foram seus discípulos muitos dos actuais mestres em actividade. Continuou a jogar o pau durante toda a sua vida, sendo considerado um dos mais exímios jogadores até ao seu falecimento. Era ele o Mestre do Ateneu Comercial de Lisboa, tendo nos últimos anos passado essa responsabilidade para o Mestre Manuel Monteiro, seu sucessor[1] .

Mestre Monteiro e alunos

Organização e desenvolvimento na actualidade[editar | editar código-fonte]

O Jogo do Pau em Portugal[editar | editar código-fonte]

O jogo do pau começou um processo de organização a nível nacional com a fundação, em 1977, sob impulso de Mestre Pedro Ferreira, da Associação Portuguesa de Jogo do Pau. As várias escolas e clubes estão hoje organizadas numa estrutura representativa, a Federação Portuguesa de Jogo do Pau. Como testemunho da qualidade técnica deste sistema, é de mencionar que nos campeonatos abertos de lutas com pau comprido realizados em França na década de 80, com a presença de sistemas de combate do Japão, Vietnam, França, e de outras nações, os jogadores do pau portugueses foram campeões absolutos, tendo ganho todos os combates em que entraram[1] .

O Jogo do Pau na Galiza[editar | editar código-fonte]

Enquanto no Portugal o Jogo do Pau teve sempre um certo grau de visibilidade na sociedade, sendo adaptado de esta forma às convenções e estruturação das artes marciais modernas, a história nacional da Galiza fiz que esta disciplina sofresse um progressivo esquecimento. Porém, há documentação da existência de mestres galegos deste arte marcial[3] [4] , e há ainda pessoas vivas que aprenderam na mocidade a jogar o pau, e que empregaram activamente esses conhecimentos em situações de luta real. Pessoas como Isidro Piñeiro[5] na costa do Salnés ou grupos como o Jogo do Pau Compostela[6] estão a recuperar, de primeira mau, estas testemunhas e a incorpora-las a uma prática moderna[7] .

Referências

  1. a b c d e CAÇADOR, António Nunes. Jogo do Pau: Esgrima nacional. Lisboa, 1963.
  2. a b c VALENTE, Helder João Vieira. O Jogo do Pau Português.
  3. «...as gentes das províncias do Minho, Trás-os-Montes, Beiras e Galiza se exercitavam com a arma de que dispunham, o varapau.», in VALENTE, Helder João Vieira. O Jogo do Pau Português
  4. «...embora tenha sido José Maria da Silveira, discípulo de dois mestres, um galego e outro minhoto, que introduziu o Jogo do Pau nos meios desportivos citadinos o criador da chamada " Escola de Lisboa "...» in VALENTE, Helder João Vieira. O Jogo do Pau Português
  5. Novas da Galiza 109, p. 28.
  6. [1].
  7. Algumas Técnicas de Jogo do Pau: www.youtube.com/watch?v=OEaZcvDM7DA

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jogo do pau

Ligações externas[editar | editar código-fonte]