António Silva (ator)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Agosto de 2012).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
António Silva
Nome completo António Maria da Silva
Nascimento 15 de agosto de 1886
Lisboa, Reino de Portugal Portugal
Morte 3 de março de 1971 (84 anos)
Lisboa,  Portugal
Ocupação Actor
IMDb: (inglês)

António Maria da Silva OSE (Lisboa, 15 de Agosto de 1886Lisboa, 3 de Março de 1971[1][2]) foi um actor português, conhecido pelos filmes em que fez parte durante a era de ouro do cinema português. Com uma carreira de mais de 50 anos, interpretou papéis em mais de 40 produções cinematográficas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

António Silva nasceu no dia 15 de Agosto de 1886, um dos muitos filhos de Francisco Constantino Augusto da Silva (nascido a 19 de Dezembro de 1849, no Socorro[3]), um dourador, que se casou com Amélia das Dores (Lumiar, 4 de Julho de 1853[4]São Jorge de Arroios, 4 de Abril de 1936).

Nascido no seio de uma família humilde, começou a trabalhar cedo, como marçano. Concluiu o Curso Geral do Comércio. Foi comandante de uma corporação de bombeiros.

Assento de baptismo de António Silva, datado de 16 de Setembro de 1886. Paróquia de Mercês, Lisboa.

Teve a sua formação teatral em grupos amadores da capital, estreando-se profissionalmente em 1910, no palco do Teatro da Rua dos Condes, em O Novo Cristo de Tolstoi. Contratado pela companhia Alves da Silva, aí participa em peças como O Conde de Monte Cristo ou O Rei Maldito. Vai para o Brasil em 1913, onde permanece até 1921, em digressão com a companhia teatral de António de Sousa. Casa-se com Josefina Silva em 1920. De volta a Portugal, trabalha vários anos consecutivos na Companhia de Teatro Santanella-Amarante, em peças de teatro ligeiro e de revista. Integra ainda as companhias de Lopo Lauer, António de Macedo, Comediantes de Lisboa e Vasco Morgado. É A Canção de Lisboa, de Cottinelli Telmo (1933) que o projecta no cinema e firma a sua popularidade e engenho como actor. Assegura personagens cómicas e dramáticas em mais de trinta películas[carece de fontes?]As Pupilas do Senhor Reitor (1935),[5] O Pátio das Cantigas (1942), O Costa do Castelo (1943), Amor de Perdição (1943), A Menina da Rádio (1944), A Vizinha do Lado (1945), Camões (1946), O Leão da Estrela (1947), Fado (1948), O Grande Elias (1950), Aqui Há Fantasmas (1964), entre outras.

Foi distinguido, no dia 4 de Novembro de 1966,[6] como Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada, uma das Antigas Ordens Militares que tem por fim distinguir o mérito literário, científico e artístico, pela Presidência da República Portuguesa.

Jaz no cemitério dos Prazeres, perto do jazigo da actriz Laura Alves. Os dois actores partilharam estrelato na fita O Leão da Estrela (1947).

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «IMDB» (em inglês). Internet Movie Database 
  2. "Os Grandes Actores Portugueses" de Luciano Reis, Sete Caminhos 2005. ISBN 989-602-033-7
  3. Baptizado em Lisboa, Socorro, em 19 de Maio de 1850
  4. Baptizada em Lisboa, Lumiar, a 27 de Agosto de 1849
  5. «, As Pupilas do Senhor Reitor». Rádio e Televisão de Portugal 
  6. «Ordens Honoríficas Portuguesas». Presidência da República Portuguesa. Ordens.presidencia.pt 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.