C3 Centauri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
C3 Centauri
Dados observacionais (J2000)
Constelação Centaurus
Asc. reta 11h 37m 34,0s[1]
Declinação -47° 44′ 50,3″[1]
Magnitude aparente 5,456[1]
Características
Tipo espectral K2III[1]
Cor (B-V) 1,218[1]
Astrometria
Velocidade radial -1,00 km/s[1]
Mov. próprio (AR) -68,96 mas/a[2]
Mov. próprio (DEC) 16,36 mas/a[2]
Paralaxe 9,5467 ± 0,1227 mas[2]
Distância 342 ± 4 anos-luz
104,7 ± 1,3 pc
Magnitude absoluta 0,4
Detalhes
Luminosidade 95,21[3] L
Temperatura 4666[3] K
Outras denominações
C3 Centauri, CD-47 6997, HR 4476, HD 101067, HIP 56700, SAO 222917.[1]
C3 Centauri
Centaurus constellation map.png

C3 Centauri (C3 Cen) é uma estrela na constelação de Centaurus. Com uma magnitude aparente visual de 5,46,[1] pode ser vista a olho nu em locais com pouca poluição luminosa. De acordo com medições de paralaxe, está a uma distância de aproximadamente 342 anos-luz (105 parsecs) da Terra.[2] É uma estrela gigante de classe K com um tipo espectral de K2III[1] e uma temperatura efetiva de 4 666 K,[3] portanto tem coloração alaranjada.[4] Está brilhando com uma luminosidade 95 vezes superior à solar.[3] Medições astrométricas pelo satélite Hipparcos identificaram anomalias no movimento próprio desta estrela, indicando que ela é uma provável binária astrométrica.[5][6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i «SIMBAD query result - C03 Cen». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 4 de maio de 2017 
  2. a b c d Gaia Collaboration: Brown, A. G. A.; Vallenari, A.; Prusti, T.; de Bruijne, J. H. J.; et al. (2018). «Gaia Data Release 2. Summary of the contents and survey properties». Astronomy & Astrophysics. 616: A1, 22 pp. Bibcode:2018A&A...616A...1G. arXiv:1804.09365Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/201833051.  Catálogo Vizier
  3. a b c d McDonald, I.; Zijlstra, A. A.; Boyer, M. L. (novembro de 2012). «Fundamental parameters and infrared excesses of Hipparcos stars». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 427 (1): 343-357. Bibcode:2012MNRAS.427..343M. doi:10.1111/j.1365-2966.2012.21873.x 
  4. «The Colour of Stars». Australia Telescope, Outreach and Education. Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation. 21 de dezembro de 2004. Consultado em 4 de maio de 2017 
  5. Makarov, V. V.; Kaplan, G. H (maio de 2005). «Statistical Constraints for Astrometric Binaries with Nonlinear Motion». The Astronomical Journal. 129 (5): 2420-2427. Bibcode:2005AJ....129.2420M. doi:10.1086/429590 
  6. Eggleton, P. P.; Tokovinin, A. A. (setembro de 2008). «A catalogue of multiplicity among bright stellar systems». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 389 (2): 869-879. Bibcode:2008MNRAS.389..869E. doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13596.x