Proxima Centauri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Coordenadas: Sky map 14h 29m 42.9487s, −62° 40′ 46.141″

Proxima Centauri
Proxima Centauri 2MASS Atlas.jpg
Dados observacionais
Época 2000.0
Variabilidade estrela eruptiva
Tipo de espectro M5.5Ve
Ascensão reta 14h 29m 42,9s
Declinação -62° 40' 46,1"
Distância 4,22 al (1,295 pc)
Magnitude aparente (V) 11,05
Características físicas
Massa 0,12 M
Raio 0,15 R
Cor (B-V) 1,90
Cor (U-B) 1,49
Magnitude absoluta (V) 15,49
Luminosidade (V) 5-12 × 10−5 L
Temperatura da superfície 2670 K
Idade ≈ 1 × 109 anos
Período de oscilação -
Notas Estrela mais próxima ao Sol
Outras designações α Cen C, GCTP 3278.00, Gl 551, LHS 49, V645 Cen, HIP 70890
Sistema
Componentes estelares α Centauri A e α Centauri B
Vizinhos estelares Sol
Planetas e outros corpos menores -

Proxima Centauri, Próxima do Centauro, Alpha Centauri C ou simplesmente Próxima, é uma anã vermelha distante aproximadamente 4,22 anos luz (4.0×1013 km) na constelação do Centauro que orbita ao redor das estrelas Alpha Centauri A e B formando o sistema triplo Alpha Centauri. Devido à sua baixa magnitude, de apenas +11,05, a estrela não pode ser observada a olho nu. Por este motivo, Proxima foi descoberta pelo astrônomo Robert Innes apenas em 1915, que na época era diretor do Observatório União, na África do Sul.[1] Proxima Centauri é a estrela mais próxima do Sol de que se tem conhecimento e a princípio somente pode ser vista a partir do Hemisfério sul.[2] Para poder observá-la, em condições ideais, é necessário um telescópio com uma abertura de pelo menos 8 cm.[3] A estrela possui um exoplaneta chamado Proxima Centauri b, que foi anunciado em 24 de agosto de 2016.[4][5][6]

Dados Físicos[editar | editar código-fonte]

Próxima é uma anã vermelha variável, de tipo espectral M5.5Ve. Possui magnitude visual aparente média de +11,05 (variável) e magnitude visual absoluta de 15,49. É a estrela mais débil do sistema triplo Alpha Centauri. Suas coordenadas equatoriais são α = 14h29m36,1s e δ = -60°50'8,0". Sua distância ao Sol é de aproximadamente 4,2 anos-luz.

É uma estrela atualmente ativa, como as estrelas eruptivas, caracterizada por linhas de emissão variáveis em seu espectro. Sua coloração é bastante avermelhada, devido à baixa temperatura de sua superfície, estimada em 2670 K.

Em 2002, o VLTI (Very Large Telescope Interferometer, localizado no Chile) usou interferometria óptica para medir o diâmetro angular de 1,02 ± 0,08 milissegundos de arco para Próxima. Com isso, determinou-se que seu diâmetro físico é 1/7 daquele do Sol, ou 1,5 vezes maior que o diâmetro de Júpiter. Sua massa também vale cerca de 1/7 da massa solar.

Planetas[editar | editar código-fonte]

Se algum planeta massivo estivesse orbitando Proxima Centauri, um deslocamento da estrela deveria ocorrer ao longo de cada órbita. Como o plano orbital do planeta não é perpendicular à linha de visão da Terra, então este deslocamento causaria mudanças periódicas na velocidade radial de Proxima Centauri. O fato de que múltiplas medições de velocidade radial, não detectarem nenhuma mudança, reduziu a possibilidade de um planeta em Proxima Centauri existir.[7][8]

O nível de atividade da estrela acrescenta interferência nas medições de velocidade radial, limitando as perspectivas futuras para a detecção de um planeta usando este mesmo método.[9]

Em 1998, um exame de Proxima Centauri usando o espectrógrafo a bordo do Telescópio Espacial Hubble detectou a existência de um planeta em sua órbita, a uma distância de cerca de 0,5 UA.[10] No entanto, uma pesquisa subsequente usando o Wide Field Planetary Camera 2 (uma das câmeras do Hubble) não conseguiu localizar o planeta.[11] Proxima Centauri, junto com Alpha Centauri A e B, são prioridades "Nível 1" da NASA, na missão (atualmente cancelada) de Interferometria Espacial, que, teoricamente, são capazes de detectar planetas tão pequenos quanto 1/3 da massas terrestres dentro de 2 UA.[12]

Em 24 de agosto de 2016, cientistas do Observatório Europeu do Sul anunciaram a existência de um exoplaneta chamado Proxima Centauri b, que está orbitando a zona habitável da estrela.[4][5][6]

Zona Habitável[editar | editar código-fonte]

Alguns astrônomos defendem que para um planeta sustentar a vida, ele deverá encontrar-se numa órbita específica, em torno de Proxima Centauri ou de outras anãs vermelhas. Esse planeta deverá estar dentro da zona habitável de Proxima Centauri, a cerca de 0,023-0,054 UA da estrela, e teria um período orbital de 3,6-14 dias.[13] Um planeta que orbita dentro desta zona, possuiria uma rotação sincronizada, visto que Proxima Centauri se moveria pouco no céu deste planeta, e a maior parte da superfície experimentaria dia ou noite perpétua. No entanto, a presença de uma atmosfera poderia servir para conservar e redistribuir a energia do lado do dia para o lado da noite.[14]

Outros cientistas, especialmente os defensores da hipótese da terra rara,[15] discordam que anãs vermelhas possam sustentar a vida. A rotação sincronizada pode resultar num campo magnético planetário relativamente fraco, levando a forte erosão atmosférica por Ejeção de massa coronal de Proxima Centauri.[16]

Viagem interestelar[editar | editar código-fonte]

Ver também: Viagem interestelar

Proxima Centauri tem sido apontada como um possível primeiro destino para a viagem interestelar.[17] A estrela está se movimentando em direção à Terra, a uma velocidade de 21,7 km/s.[18] Em aproximadamente 26.700 anos, Proxima Centauri estará a 3,11 anos-luz, e então começará a se afastar.[19] Se forem usados ​​espaçonaves de propulsão não-nuclear, uma viagem a um planeta orbitando Proxima Centauri provavelmente exigiria milhares de anos.[20] Por exemplo, a Voyager 1, que agora está viajando 17,043 km/s em relação ao Sol, chegaria a Proxima Centauri em 73.775 anos. Uma sonda lenta, levaria várias dezenas de milhares de anos para alcançar Proxima Centauri perto de sua maior aproximação, e pode acabar nem chegar a tempo e ver a estrela se afastar. Espaçonaves de propulsão nuclear podem reduzir o tempo de tais viagens para aproximadamente 100 anos, chegando na estrela no próximo século, inspirando vários estudos como o Projeto Orion, Projeto Daedalus e Projeto Longshot.[21]

De Proxima Centauri, o Sol apareceria como uma estrela brilhante de 0,4 graus de magnitude na constelação de Cassiopéia.[22]

Outros nomes[editar | editar código-fonte]

Proxima Centauri é também conhecida como α Centauri C (abreviado como α Cen C), V645 Centauri, GJ 551 e HIP 70890.

Referências

  1. «Proxima Centauri: The Closest Star» (em inglês). Astronomy Picture of the Day. 15 de julho 2002. Consultado em 25 de fevereiro de 2012 
  2. Kervella, Pierre; Thevenin, Frederic (15 de marco de 2003). «A Family Portrait of the Alpha Centauri System: VLT Interferometer Studies the Nearest Stars» Observatório Europeu do Sul [S.l.] Consultado em 09 de julho de 2007 
  3. P. Clay Sherrod. A Complete Manual of Amateur Astronomy: Tools and Techniques for Astronomical Observations.
  4. a b Chang, Kenneth (24 de agosto de 2016). «One Star Over, a Planet That Might Be Another Earth». The New York Times (em inglês). [S.l.: s.n.] Consultado em 25 de agosto de 2016 
  5. a b «Earth-like planet discovered orbiting sun's neighbor» (em inglês). CNN. 24 de agosto de 2016. Consultado em 25 de agosto de 2016. Um planeta chamado Proxima b foi descoberto orbitando a estrela mais próxima do nosso Sol. 
  6. a b Davis, Nicola (24 de agosto de 2016). «Discovery of potentially Earth-like planet Proxima b raises hopes for life». The Guardian (em inglês). Consultado em 25 de agosto de 2016 
  7. Benedict, G. Fritz et al. (1999). "Interferometric Astrometry of Proxima Centauri and Barnard's Star Using HUBBLE SPACE TELESCOPE Fine Guidance Sensor 3: Detection Limits for Substellar Companions". The Astronomical Journal 118 (2): 1086–1100. arXiv:astro-ph/9905318. Bibcode:1999astro.ph..5318B. [[Digital object identifier|doi]:10.1086/300975.
  8. Kürster, M. et al. (1999). "Precise radial velocities of Proxima Centauri. Strong constraints on a substellar companion". Astronomy & Astrophysics Letters 344: L5–L8. ArXiv:astro-ph/9903010. Bibcode:1999A&A...344L...5K.
  9. Saar, Steven H.; Donahue, Robert A. (1997). "Activity-related Radial Velocity Variation in Cool Stars". Astrophysical Journal 485 (1): 319–326. Bibcode:1997ApJ...485..319S. [[Digital object identifier|doi]:10.1086/304392.
  10. Schultz, A. B.; Hart, H. M.; Hershey, J. L.; Hamilton, F. C.; Kochte, M.; Bruhweiler, F. C.; Benedict, G. F.; Caldwell, John; Cunningham, C.; Wu, Nailong; Franz, O. G.; Keyes, C. D.; Brandt, J. C. (1998). "A possible companion to Proxima Centauri". Astronomical Journal 115 (1): 345–350. Bibcode:1998AJ....115..345S. doi:10.1086/300176.
  11. Schroeder, Daniel J.; Golimowski, David A.; Brukardt, Ryan A.; Burrows, Christopher J.; Caldwell, John J.; Fastie, William G.; Ford, Holland C.; Hesman, Brigette; Kletskin, Ilona; Krist, John E.; Royle, Patricia; Zubrowski, Richard. A. (2000). "A Search for Faint Companions to Nearby Stars Using the Wide Field Planetary Camera 2". The Astronomical Journal 119 (2): 906–922. Bibcode:2000AJ....119..906S. doi:10.1086/301227.
  12. Watanabe, Susan (2006-10-18). "Planet-Finding by Numbers". NASA JPL. Retrieved 2007-07-09.
  13. Endl, M.; Kuerster, M.; Rouesnel, F.; Els, S.; Hatzes, A. P.; Cochran, W. D. (June 18–21, 2002). "Extrasolar Terrestrial Planets: Can We Detect Them Already?". In Drake Deming. Conference Proceedings, Scientific Frontiers in Research on Extrasolar Planets. Washington, DC. pp. 75–79. arXiv:astro-ph/0208462.
  14. Tarter, Jill C. et al. (2007). "A Reappraisal of The Habitability of Planets around M Dwarf Stars". Astrobiology 7 (1): 30–65. arXiv:astro-ph/0609799. Bibcode:2007AsBio...7...30T. doi:10.1089/ast.2006.0124. PMID 17407403.
  15. Ward, Peter D.; Brownlee, Donald (2000). Rare Earth: Why Complex Life is Uncommon in the Universe. Springer Publishing. ISBN.
  16. Khodachenko, Maxim L. et al. (2007). "Coronal Mass Ejection (CME) Activity of Low Mass M Stars as An Important Factor for The Habitability of Terrestrial Exoplanets. I. CME Impact on Expected Magnetospheres of Earth-Like Exoplanets in Close-In Habitable Zones". Astrobiology 7 (1): 167–184. Bibcode:2007AsBio...7..167K. doi:10.1089/ast.2006.0127. PMID 17407406.
  17. Gilster, Paul (2004). Centauri Dreams: Imagining and Planning. Springer. ISBN .
  18. #"SIMBAD query result: V* V645 Cen – Flare Star". SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Retrieved 2008-08-11.—some of the data is located under "Measurements".
  19. García-Sánchez, J.; Weissman, P. R.; Preston, R. A.; Jones, D. L.; Lestrade, J.-F.; Latham, D. W.; Stefanik, R. P.; Paredes, J. M. (2001). "Stellar encounters with the solar system". Astronomy and Astrophysics 379 (2): 634–659. Bibcode:2001A&A...379..634G. [Digital object identifier|doi]]:10.1051/0004-6361:20011330.
  20. Crawford, I. A. (September 1990). "Interstellar Travel: A Review for Astronomers". Quarterly Journal of the Royal Astronomical Society 31: 377–400. Bibcode:1990QJRAS..31..377C.
  21. Beals, K. A.; Beaulieu, M.; Dembia, F. J.; Kerstiens, J.; Kramer, D. L.; West, J. R.; Zito, J. A. (1988). "Project Longshot, an Unmanned Probe to Alpha Centauri" (PDF). NASA-CR-184718. U. S. Naval Academy. Retrieved 2008-06-13.
  22. The coordinates of the Sun would be diametrically opposite Proxima, at α=02h 29m 42.9487s, δ=+62° 40′ 46.141″. The absolute magnitude Mv of the Sun is 4.83, so at a parallax π of 0.77199 the apparent magnitude m is given by 4.83 − 5(log10(0.77199) + 1) = 0.40. See: Tayler, Roger John (1994). The Stars: Their Structure and Evolution. Cambridge University Press. p. 16. ISBN.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Estrelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.