HD 108257

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
G Centauri
Dados observacionais (J2000)
Constelação Centaurus
Asc. reta 12h 26m 31,8s[1]
Declinação -51° 27′ 02,3″[1]
Magnitude aparente 4,808[1]
Características
Tipo espectral B3Vn[1]
Cor (U-B) -0,154[1]
Cor (B-V) -0,63[1]
Astrometria
Velocidade radial 5,00 km/s[1]
Mov. próprio (AR) -30,66 mas/a[1]
Mov. próprio (DEC) -10,13 mas/a[1]
Paralaxe 7,28 ± 0,24 mas[1]
Distância 450 ± 10 anos-luz
137 ± 5 pc
Magnitude absoluta -0,88
Detalhes
Massa 5,4[2] M
Gravidade superficial log g = 3,98 cgs[3]
Luminosidade 809[2] L
Temperatura 17298[2] K
Metalicidade [Fe/H] = −0,53[3]
Rotação v sin i = 298 km/s[4]
Idade 15,8 ± 0,2 milhões[5]
de anos
Outras denominações
G Centauri, CD-50 6975, HR 4732, HD 108257, HIP 60710, SAO 239948.[1]
HD 108257
Centaurus constellation map.png

HD 108257 (G Centauri) é uma estrela na constelação de Centaurus. Tem uma magnitude aparente visual de 4,81,[1] indicando que pode ser vista a olho nu em locais com pouca poluição luminosa. Com base em medições de paralaxe, está localizada a aproximadamente 450 anos-luz (137 parsecs) da Terra.[1] A essa distância, sua magnitude aparente é reduzida em 0,07 devido à extinção causada por gás e poeira.[6]

G Centauri é uma estrela de classe B da sequência principal com um tipo espectral de B3Vn,[1] em que a notação 'n' indica que suas linhas de absorção estão largas e nebulosas devido a uma alta velocidade de rotação, de mais de 298 km/s.[4] Tem uma massa equivalente a 5,4 massas solares e está brilhando com mais de 800 vezes a luminosidade solar.[2] Sua fotosfera irradia essa energia a uma temperatura efetiva de 17 300 K,[2] dando à estrela a coloração azul-branca típica de estrelas de classe B.[7] Sua idade, estimada a partir de modelos evolucionários, é de 15,8 milhões de anos.[5]

Esta estrela pertence ao subgrupo Centaurus Inferior-Crux da associação Scorpius–Centaurus, a associação OB mais próxima do Sol.[6] Já foi identificada como fonte de excesso de radiação infravermelha, o que indicaria a presença de um disco circunstelar ao seu redor, apesar de outras observações contestarem isso.[2] Tem uma estrela companheira óptica de magnitude 13,2 a uma separação de 19,5 segundos de arco,[8] que pode estar relacionada fisicamente ao sistema.[6] Outros autores listam G Centauri como estrela única.[9][10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n «SIMBAD query result - G Cen». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 8 de maio de 2017 
  2. a b c d e f Jo, Young-Soo; et al. (fevereiro de 2016). «Bright stars observed by FIMS/SPEAR». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 456 (1): 417-430. Bibcode:2016MNRAS.456..417J. doi:10.1093/mnras/stv2670 
  3. a b Saffe, C.; Gómez, M.; Pintado, O.; González, E (outubro de 2008). «Spectroscopic metallicities of Vega-like stars». Astronomy and Astrophysics. 490 (1): 297-305. Bibcode:2008A&A...490..297S. doi:10.1051/0004-6361:200810260 
  4. a b Wolff, S. C.; Strom, S. E.; Dror, D.; Venn, K (março de 2007). «Rotational Velocities for B0-B3 Stars in Seven Young Clusters: Further Study of the Relationship between Rotation Speed and Density in Star-Forming Regions». The Astronomical Journal. 133 (3): 1092-1103. Bibcode:2007AJ....133.1092W. doi:10.1086/511002 
  5. a b Tetzlaff, N.; Neuhäuser, R.; Hohle, M. M (janeiro de 2011). «A catalogue of young runaway Hipparcos stars within 3 kpc from the Sun». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 410 (1): 190-200. Bibcode:2011MNRAS.410..190T. doi:10.1111/j.1365-2966.2010.17434.x 
  6. a b c Chen, Christine H.; Pecaut, Mark; Mamajek, Eric E.; Su, Kate Y. L.; Bitner, Martin (setembro de 2012). «A Spitzer MIPS Study of 2.5-2.0 M⊙ Stars in Scorpius-Centaurus». The Astrophysical Journal. 756 (2): artigo 133, 24. Bibcode:2012ApJ...756..133C. doi:10.1088/0004-637X/756/2/133 
  7. «The Colour of Stars». Australia Telescope, Outreach and Education. Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation. 21 de dezembro de 2004. Consultado em 8 de maio de 2017 
  8. Mason, Brian D.; et al. (dezembro de 2001). «The 2001 US Naval Observatory Double Star CD-ROM. I. The Washington Double Star Catalog». The Astronomical Journal. 122 (6): 3466-3471. Bibcode:2001AJ....122.3466M. doi:10.1086/323920 
  9. Eggleton, P. P.; Tokovinin, A. A. (setembro de 2008). «A catalogue of multiplicity among bright stellar systems». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 389 (2): 869-879. Bibcode:2008MNRAS.389..869E. doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13596.x 
  10. Rizzuto, A. C; et al. (dezembro de 2013). «Long-baseline interferometric multiplicity survey of the Sco-Cen OB association». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 436 (2): 1694-1707. Bibcode:2013MNRAS.436.1694R. doi:10.1093/mnras/stt1690