Terminal Intermodal Vila Sônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Estação Vila Sônia)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre uma construção atualmente em andamento. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (data da marcação: 24 de abril de 2019; editado pela última vez em 5 de abril de 2019) Applications-development current.svg

O Terminal Intermodal Vila Sônia é um dos terminais de transporte que atendem a cidade de São Paulo, integrando num mesmo lugar a Linha 4 do Metrô (incluindo suas oficinas), ônibus municipais e intermunicipais e o Corredor Campo Limpo da SPTrans, sendo localizado no distrito de Vila Sônia.

Estação do Metrô[editar | editar código-fonte]

ViaQuatro Logo Mono.png Vila Sônia
Uso atual Estação de Metrô Estação de metrô
Proprietário Bandeira do estado de São Paulo.svg Governo do Estado de São Paulo
Concessionária Grupo CCR - Logo.svg Grupo CCR S.A.
Administração ViaQuatro logo.png ViaQuatro
Linha 4yellow.png Amarela
Sigla VSO
Serviços Terminal rodoviário Escada rolante Elevador Acesso à deficiente físico
Informações históricas
Inauguração 2020 (previsão)
Projeto arquitetônico Escritório Fernandes Arquitetos Associados (Daniel Hopf Fernandes, Luis Henrique de Lima e Rodrigo Araújo Dos Santos)[1]
Localização
Localização Gnome-globe.png Vila Sônia
Endereço Avenida Professor Francisco Morato × Rua Heitor dos Prazeres, s/nº
Vila Sônia
Próxima estação
Sentido Luz 4yellow.png Sentido Vila Sônia
São Paulo–Morumbi -
Vila Sônia

Em 1995, o Metrô de São Paulo contratou a empresa Figueiredo Ferraz Consultoria e Engenharia de Projeto S.A. para realizar um novo projeto funcional da Linha 4–Amarela (dado que o anterior era de 1980). Ao contrário do anterior, que previra um pátio no distrito Ferreira, o projeto apresentado em 1997 pela Figueiredo Ferraz sugeriu a construção do pátio e das oficinas numa grande área localizada no quadrilátero das avenidas Professor Francisco Morato, Imigrante Japonês, Eliseu de Almeida e Rua Heitor dos Prazeres, no distrito de Vila Sônia.[2][3]

A Linha 4–Amarela foi preparada para ser licitada em 1999, porém a crise dos Tigres Asiáticos causou uma fuga de crédito nos bancos de fomento que financiariam a obra, e o projeto ficou paralisado até o início dos anos 2000. Ao ser retomado, em 2003, passou por várias modificações, como o corte de estações, porém o Pátio Vila Sônia continuou como projetado originalmente.[4][5]

O cancelamento, por pressão de moradores locais, da Estação Três Poderes fez com que o Metrô sugerisse uma futura expansão da Linha 4 para Taboão da Serra e incluísse pela primeira vez a Estação Vila Sônia, localizada ao lado do pátio já projetado. As obras da Linha 4 foram iniciadas em março de 2004, porém concebidas em três fases. Na fase I, apenas parte do Pátio Vila Sônia teve suas obras iniciadas e concluídas em 2010. Na fase II, o restante do pátio e a Estação Vila Sônia tiveram suas obras iniciadas. A futura fase III prevê um atendimento ao município de Taboão da Serra (seja por ônibus ou pela ampliação do metrô).[6][7]

Atualmente as obras da fase II, iniciadas em 2012 após diversos atrasos, encontram-se em andamento e têm previsão de conclusão para meados de 2020.[8]

Características[editar | editar código-fonte]

Estação enterrada com plataformas laterais, com estruturas em concreto aparente e passarela de distribuição em estrutura metálica, fixada com tirantes sobre a plataforma. Possui acesso para pessoas portadoras de deficiência.

Sigla Estação Inauguração Capacidade Integração Plataformas Posição Notas
VSO Vila Sônia Previsão para o 1° Semestre de 2020 Não confirmada Bilhete Único da SPTrans e terminal urbano Laterais Subterrânea Estação com estrutura de concreto aparente.
Precedido por
São Paulo–Morumbi
1 413 metros
Linha 4–Amarela do Metrô/ViaQuatro
Vila Sônia
Sucedido por
-

Pátio e Centro de Controle Vila Sônia[editar | editar código-fonte]

Projetado em 1997 pelo arquiteto João Toscano, em parceria com osarquitetos Massayoshi Kamimura, Monique Alonso Gonzalez e Odiléa Helena Setti Toscano, as obras do Pátio Vila Sônia foram iniciadas em março de 2004 e realizadas em duas fases. A fase I foi aberta em 2010, e a fase II está prevista para ser concluída em meados de 2020.[9]

O Pátio Vila Sônia é composto pelas seguintes instalações:[10]

Bloco Tipo Fase de projeto (I-2010 e II-2020)
A Oficinas I e II
B Administrativo II
C Portarias de acesso (C1, C2,C3 e C4) I e II
D D1 (subestação retificadora), D2 (subestação e CCO) e D3 (posto de abastecimento) I e II
E Torno rodeiro CNC I
F Almoxarifado II
G Veículos auxiliares/estação de solda I
H Caixas d'água I
I Depósito de inflamáveis I
J Posto de abastecimento I
K Caixas d'água de lavagem de trens I
L Depósito de lixo I e II
M Vestiários e ambulatório I

Terminal de ônibus[editar | editar código-fonte]

EMTU - Symbol logo.png SPTrans-logo-white.png Terminal Vila Sônia
Uso atual Terminal rodoviário Terminal de ônibus urbanos
Administração EMTU - Symbol logo.png EMTU
SPTrans-logo-white.png SPTrans
ViaQuatro logo.png ViaQuatro
Serviços 4yellow.png Amarela
SPTrans-logo-white.png Corredor Campo Limpo-Rebouças-Centro
Informações históricas
Inauguração 2020 (previsão)
Localização
Localização Avenida Professor Francisco Morato × Rua Heitor dos Prazeres, s/nº
Vila Sônia São Paulo

Rodoviário (cancelado)[editar | editar código-fonte]

Em 1978, o Governo do Estado de São Paulo lançou o Plano Integrado de Terminais Rodoviários de Passageiros (PITERP). O PITERP previu a construção de cinco terminais de ônibus: Tietê, Barra Funda, Jabaquara, Zona Leste (Penha ou Itaquera) e Vila Sônia. Apenas os três primeiros foram construídos, e o projeto acabou engavetado nos anos 1990. Em 2010, a Prefeitura de São Paulo retomou o projeto dos terminais restantes (Itaquera e Vila Sônia). O Terminal Vila Sônia foi projetado para a área (passível de desapropriação) formada pelo quadrilátero formado pelas avenidas Professor Francisco Morato e Eliseu de Almeida e pelas ruas Heitor dos Prazeres e José Valter Seng.[11][12]

O projeto provocou protestos dos moradores, que temiam as desapropriações e que o terminal trouxesse gente "diferenciada" para a região. Após muita polêmica e ações judiciais, a Prefeitura desistiu da construção do terminal em 2013.[13][14][15]

Urbano Intermunicipal[editar | editar código-fonte]

A primeira menção à implantação de um terminal na divisa com Taboão da Serra data de 1978, dentro do plano de corredores de trólebus SISTRAN, da Prefeitura de São Paulo. Em 1985, a CMTC lançou o Plano Municipal de Transporte e Tráfego, prevendo um terminal na região. Em 1993, surgiu a primeira iniciativa similar da EMTU para a região.[16]

Apenas em 2003 surgiu o primeiro projeto detalhado do Terminal Vila Sônia. Projetado pela SPTrans (dentro do projeto São Paulo Interligado), o terminal em superfície ocuparia o quadrilátero formado pela Avenida Professor Francisco Morato e pelas ruas Taborda, André Saraiva e Joaquim Galvão. O surgimento do projeto do Metrô, a falta de recursos e a mudança de gestão municipal fizeram com que o projeto fosse encampado pelo Metrô, dentro do projeto da Linha 4.[17] [18]

Para evitar desapropriações, o novo projeto do terminal foi proposto para ser construído sobre parte das vias de estacionamento do Pátio Vila Sônia, facilitando sua integração aos corredores viários das avenidas Eliseu de Almeida e Francisco Morato. Suas obras foram iniciadas em 2012 e paralisadas em 2014. Atualmente encontra-se em obras, previstas para ser concluídas em meados de 2020, e abrigará linhas municipais (SPTrans) e intermunicipais (EMTU).[19]

Segundo o contrato de concessão da Linha 4–Amarela, o terminal deverá ser o novo ponto final das linhas intermunicipais da EMTU oriundas das cidades de Embu das Artes e Taboão da Serra.[20]

Referências

  1. «Estação Vila Sônia». Fernandes Arquitetos Associados. 2012. Consultado em 7 de fevereiro de 2019 
  2. Raphael Concli. «As idas e vindas do transporte público na Cidade Universitária:As tramas de uma linha». Jornal da USP. Consultado em 1 de março de 2019 
  3. COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO (1997). Metrô de São Paulo:Linha 4- Amarela, Morumbi-Luz:Projeto funcional. [S.l.]: Metrô-SP. 82 páginas 
  4. slideplayer.com.br/slide/10159583/|A Implementação da Linha 4 A Parceria Público Privada na Linha 4 - Amarela do Sistema Metroviário de São Paulo.|BID|2009
  5. Daniela Costanzo de Assis Pereira (novembro de 2017). «Ajuste urbano integrado: o caso da Linha 4 – Amarela do Metrô de São Paulo». 1o Simpósio Direitas Brasileiras-Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Consultado em 1 de março de 2019 
  6. Alencar Izidoro (29 de outubro de 2005). «Alckmin "apaga" metrô rejeitado por vizinho». Folha Online. Consultado em 1 de março de 2019 
  7. André Monteiro e Fabrício Lobel (31 de julho de 2015). «Veja a saga da construção da linha 4-amarela do Metrô de São Paulo». Folha Online. Consultado em 1 de março de 2019 
  8. «Metrô de SP promete entrega de novas estações da Linha 5-Lilás para julho». G1 SP. 4 de junho de 2018. Consultado em 1 de março de 2019 
  9. TOSCANO, João Walter; KAMIMURA, Massayoshi; GONZALEZ, Monique Alonso; TOSCANO, Odiléa Helena Setti (2011). Pátio Vila Sônia do metrô, linha 4-amarela; projeto de arquitetura. [S.l.]: Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, v. 26, n. 204. p. 36-41 
  10. slideshare.net/pelacidadeviva/operao-urbana-vila-snia-sempla-2007|Operação Urbana Vila Sônia|Secretária Municipal de Planejamento (SEMPLA)|Prefeitura de São Paulo|2007|Slide 26
  11. Stanislav Feriancic, José Henrique G. Verroni, Gabriel Feriancic (16 de outubro de 2003). «Planejamento Sistêmico de Terminais Rodoviários nas regiões Metropolitanas» (PDF). ETTL Engenharia de Transporte. Tráfego e Logística/recuperado pelo Internet Archive. Consultado em 1 de março de 2019 
  12. «Terminal na região é planejado desde 1978». Folha Online. 6 de março de 2011. Consultado em 1 de março de 2019 
  13. Caio Lobo (30 de novembro de 2012). «Moradores da Vila Sônia protestam contra projeto de rodoviária na região». Via Trólebus. Consultado em 1 de março de 2019 
  14. «Justiça barra obra de Rodoviária da Vila Sônia». O Estado de S.Paulo. 1 de fevereiro de 2013. Consultado em 1 de março de 2019 
  15. André Monteiro e Evsandro Spinelli (2 de março de 2013). «Prefeitura de São Paulo desiste de construir novas rodoviárias». BOL. Consultado em 1 de março de 2019 
  16. pt.slideshare.net/TcitoPioDaSilveira/planos-de-transporte-18-antp-final
  17. pt.slideshare.net/TcitoPioDaSilveira/planos-de-transporte-18-antp-final
  18. SOUZA, Ana Odilia de Paiva (2004). São Paulo interligado:o plano de transporte público urbano em implantação na gestão 2001-2004. [S.l.]: Prefeitura de São Paulo. 324 páginas 
  19. Renato Lobo (12 de agosto de 2011). «Vila Sônia deve ganhar Terminal Metropolitano». Via Trólebus. Consultado em 1 de março de 2019 
  20. Governo do estado de São Paulo (18 de maio de 2006). «QUINTA PARTE – ANEXOS». Plataforma Digital de Parcerias. Consultado em 1 de março de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]