Ficção científica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Sci-Fi)
Ir para: navegação, pesquisa
Ficção científica
Capa da revista Imagination, maio de 1953
Criação do gênero
Mary Wollstonecraft Shelley, Frankenstein ou o Prometeu Moderno (1818
Criação do termo
Hugo Gernsback década 1920 cientificação
Sub-gêneros principais
Cyberpunk, Space opera, Distopia, Viagem no tempo, Invasão alienígena
Ficção especulativa

Ficção científica (normalmente abreviado para SF, FC, sci-fi ou scifi) é um gênero da ficção especulativa, que normalmente lida com conceitos ficcionais e imaginativos, relacionados ao futuro, ciência e tecnologia, e seus impactos e/ou consequências em uma determinada sociedade ou em seus indivíduos, desenvolvido no século XIX.[1] Conhecida também como a "literatura das ideias",[2] evita utilizar-se do sobrenatural, tema mais recorrente na Fantasia,[3] baseando-se em fatos científicos e reais para compor enredos ficcionais.[4]

A ação pode girar em torno de um grande leque de possibilidades como: viagem espacial, viagem no tempo, viagem mais rápida que a luz, universos paralelos, mudanças climáticas, totalitarismo e/ou vida extraterrestre.[1][2]

Definição[editar | editar código-fonte]

Devido aos seus vários sub-gêneros e temas tratados, ficção científica não é fácil de definir.[5] Muitos autores, ao longo do tempo, tentaram definir de maneira sucinta o que a ficção científica é e faz. O escritor Mark C. Glassy definiu que ficção científica é como pornografia: não sabemos o que é com certeza, até que vemos uma.[6]

Um dos primeiros a utilizar o termo ficção científica, foi o criador da revista Amazing Stories, Hugo Gernsback:

Uma das definições mais completas foi feita por Rod Serling, criador da série Twilight Zone.

É consenso entre escritores e leitores, que a ficção científica deva conter uma extrapolação cuidadosa e bem informada de fatos, princípios ou tendências científicas, mesmo que a ciência apresentada nos enredos seja irreal, ainda não exista ou seja improvável. A ciência não precisa ser da área de Exatas ou Biológicas, podendo conter análises e estruturas antropológicas, sociológicas e filosóficas para se basear. A obra precursora do gênero, o romance de Mary Wollstonecraft Shelley, Frankenstein ou o Prometeu Moderno (1818), foi o primeiro a utilizar-se da separação entre ciência e misticismo para aplicar em um enredo. Outros como e O Último Homem (1826),[9] ou a obra de Robert Louis Stevenson, O Médico e o Monstro (1886) são também considerados ficção científica. A ausência deste componente científico classificaria obras em Fantasia ou Horror, como enquanto Drácula, de Bram Stoker (1897).[4][5]

Há, evidentemente, muitos tipos de ficção científica. Os dois principais tipos são a ficção científica soft como por exemplo as séries televisivas Star Trek (Jornada nas Estrelas), Battlestar Galactica e Doctor Who, e também a ficção científica hard como por exemplo os filmes 2001: Uma Odisseia no Espaço, Blade Runner e Solaris. Há também alguns filmes que se utilizam de temas recorrentes na ficção científica embora tenham mais características do gênero fantasia, como por exemplo a série de filmes Star Wars, classificada como fantasia científica e space opera.[1][3]

Características[editar | editar código-fonte]

A ficção científica se baseia em grande parte em escrever sobre mundos, futuros e cenários alternativos possíveis e de maneira racional. Diferentemente da Fantasia), no contexto narrativo da FC encontramos elementos imaginários, inspirados em fatos reais ou do passado, que estão cientificamente estabelecidos ou postulados por leis e princípios científicos, ainda que o enredo permaneça imaginativo.[10]

Uma boa parte da ficção científica se baseia no conceito da suspensão de descrença, que possibilita ao leitor em acreditar nas explicações, soluções e postulados ficcionais baseados em ciência que estão em uma determinada obra.[11][12]

Alguns elementos tratados com frequência na ficção científica são:

  • Princípios científicos novos ou que contradizem as leis da física, como viagem no tempo ou wormholes.
  • Personagens alienígenas, mutantes, robóticos, androides, bem como personagens que desafiem a evolução humana ou a própria definição do que significa ser humano.
  • Universos paralelos e outras dimensões e a viagem entre nossa realidade e estes outros lugares.
  • Tempo estabelecido no futuro, em linhas do tempo alternativas ou no passado histórico que contradizem os fatos históricos e arqueológicos conhecidos e estabelecidos.
  • Cenários baseados no espaço, em outros corpos celestes ou em viagens inter e extrassolares.
  • Cenários baseados no interior da crosta do planeta Terra ou em outros planetas.[13]
  • Tecnologia plausível como armas de laser, teletransporte, computadores humanoides e/ou conscientes.[14]
  • Diferentes ou novos sistemas políticos: utopias, distopias,[15] pós-apocalipse.[16]
  • Habilidades paranormais, como telepatia, telecinese e controle da mente, baseada em princípios científicos, ficcionais ou não.[17]

História[editar | editar código-fonte]

Proto-ficção científica[editar | editar código-fonte]

Ilustração de um tripod por Henrique Alvim Corrêa para a edição francesa de 1906 de A Guerra dos Mundos de H. G. Wells.

Os antecedentes da ficção científica podem ser traçados até um momento em que mitologia, religião, ou misticismo e história estavam intimamente entrelaçados e não havia ainda a ciência cartesiana tal como a conhecemos hoje e que foi e ainda é utilizado por autores de ficção científica ao compor seus enredos. História verdadeira, de Luciano de Samósata, e considerada a obra mais antiga que pode ser chamada de "proto-ficção científica",[18] sido escrita no século II d.C., que contém muitos temas que caracterizam a ficção científica moderna, como viagem a outros mundos, formas de vida extraterrestres, vida artificial e guerra interplanetárias. Apesar de ser considerada por alguns como o primeiro livro de ficção científica, ele foi escrito em um contexto onde a ciência moderna não existia, sendo assim realocado no grupo de obras precursoras.[19] Algumas histórias como o Conto do Cortador de Bambu, alguns contos de As Mil e Uma Noites,[20] do século X e o conto do Teólogo Autodidata, de Ibn al-Nafis, do século XIII também são obras precursoras.[21]

MaryShelley, 1840

Era da Razão[editar | editar código-fonte]

Com o início do desenvolvimento da ciência e a construção da chamada Era da Razão, obras foram desenvolvidas por Johannes Kepler, com seu livro Somnium (1620–1630), Francis Bacon' The New Atlantis (1627),[22] Cyrano de Bergerac, com Comical History of the States and Empires of the Moon (1657) e The States and Empires of the Sun (1662), e Margaret Cavendish, Duquesa de Newcastle-upon-Tyne, com The Blazing World (1666).[23][24][25][26]

Século XVIII[editar | editar código-fonte]

Com o desenvolvimento, ao longo do século XVIII do romance como forma literária e com o surgimento de inovações tecnológicas como a eletricidade e o telégrafo e novas formas de transporte, e avanços nas áreas de biologia, física, química e astronomia, os livros de Mary Shelley Frankenstein (1818) e The Last Man (1826) estabeleceram as bases do que viriam a ser chamados os livros de ficção científica deste século em diante, como argumento Brian Aldiss.[27] Outros autores, como H. G. Wells e Jules Verne criaram livros que também se tornaram extremamente populares em várias camadas da sociedade.[28] Em A Guerra dos Mundos (1898), H. G. Wells descreve uma invasão marciana, no final da era vitoriana, na Inglaterra, onde os invasores usavam máquinas (tripods) e um avançado arsenal bélico.[29] No final do século XIX, o termo "romance científico" foi usado na Inglaterra para designar a ficção científica e continuou em uso no começo do século XX por autores como Olaf Stapledon.

H. G. Wells, foto restaurada por Félix Nadar, cerca 1878.

Destacam-se também os livros dos astrônomos Percival Lowell e Camille Flammarion, publicados entre o final do século XIX e início do século XX que conjecturavam a existência de dos canais de Marte e de vida extraterrestre, que inspiraram diversos autores.[30]

Na América Latina, os primeiros exemplos são Páginas da história do Brasil, escritas no ano 2000 de Joaquim Felício dos Santos, uma sátira política publicada entre 1868 a 1872 no jornal O Jequitinhonha, em 1875, surgem três obras em países diferentes: El maravilloso viaje del Señor Nic-Nac de Eduardo Holmberg (Argentina), O Doutor Benignus de Augusto Emílio Zaluar (Brasil) e Historia de un Muerto de Francisco Calcagno (Cuba).[31][32]

Século XX[editar | editar código-fonte]

O que desenvolveu e impulsionou a ficção científica no século XX foram as revistas pulps, que ajudou a criar alguns dos principais autores de ficção científica do século, influenciados pelo fundador da revista Amazing Stories, Hugo Gernsback.[33] Em 1905, Roquia Sakhawat Hussain publicou o conto O Sonho da Sultana, na revista The Indian Ladies Magazine, ficção científica feminista envolvendo uma utopia onde os papéis de gênero foram invertidos.[34] Em 1912, Edgar Rice Burroughs publicou Uma Princesa de Marte, a primeira de uma longa série livros Barsoom, situados em Marte e tendo John Carter como protagonista.[4]

Em 1928, Philip Francis Nowlan publicou seu aclamado Armageddon 2419, na Amazing Stories, trazendo o personagem Buck Rogers, que gerou quadrinhos que rapidamente fizeram sucesso entre o público.[2] No final dos anos 1930, John W. Campbell tornou-se o editor da revista Astounding Science Fiction, gerando uma grande massa de leitores e escritores, principalmente em Nova Iorque. O grupo dos chamados futuristas incluíam Isaac Asimov, Damon Knight, Donald A. Wollheim, Frederik Pohl, James Blish, Judith Merril e vários outros,[35] como Robert A. Heinlein, Arthur C. Clarke, Olaf Stapledon, e A. E. van Vogt. Fora da influência editorial de Campbell, outros autores vinham se destacando, como Ray Bradbury, Stanisław Lem e Yevgeny Zamyatin. O trabalho de John Campbeel é considerado o começo da Era de Ouro da ficção científica, caracterizada principalmente por histórias de ficção científica que celebram o progresso e o avanço científico.[33] Esta era durou até o pós-Segunda Guerra Mundial e seus avanços tecnológicos e científicos, com o surgimento de novas revistas, como a Galaxy, editada por H. L. Gold, e com novos autores escrevendo enredos com ênfase nas ciências sociais ao invés das ciências exatas.[36]

Anos 1950 em diante[editar | editar código-fonte]

No início dos anos 1950, escritores como William S. Burroughs, inauguraram a chamada Geração beat, o embrião do movimento hippie. Durante as duas décadas seguintes, muitos escritores ousados exploraram novas fronteiras ou fronteiras pouco navegadas pelos escritores anteriores, como Ursula K. Le Guin, Samuel Delany, Octavia Butler, Frank Herbert, Harlan Ellison, Roger Zelazny, enquanto que na Inglaterra, muitos escritores ficaram conhecidos como a chamada Nova Onda da ficção científica, por seus graus de experimentação, em forma, contexto e sensibilidade artística.[37]

Nos anos 1980, o cyberpunk quebrou a longa tradição otimista de grande parte da ficção científica, ao trazer um novo olhar sobre o gênero, sobre sociedade e sua interação com ciência e tecnologia, em especial através das obras de William Gibson.[38] Visões distópicas do futuro passaram a se tornar bastante comuns, em especial com os trabalhos de Philip K. Dick, como Do Androids Dream of Electric Sheep? and We Can Remember It for You Wholesale, que viriam a ser adaptadas para o cinema como Blade Runner e Total Recall. A franquia Star Wars ajudou a expandir o interesse pela space opera[39] e autoras como C. J. Cherryh escreveram obras com riqueza de detalhes sobre a vida alienígena, com desafios científicos que inspiraram uma geração inteira de autores.[40]

O surgimento de uma maior preocupação com o meio ambiente e com o planeta, as implicações para a sociedade do desenvolvimento da internet e a expansão da tecnologia da informação, biotecnologia e nanotecnologia, bem como um interesse em sociedades pós-Guerra Fria a partir dos anos 1990, alimentou toda uma geração de autores, como Neal Stephenson, Lois McMaster Bujold e sua Vorkosigan Saga.[41] O retorno de Star Trek para a televisão, com Star Trek: The Next Generation em 1987, trouxe uma nova torrente de séries de ficção científica para a televisão, como Deep Space 9, Voyager, and Enterprise) and Babylon 5,[42] grandes influenciadoras do gosto do público fã. Seguindo o sucesso de séries derivadas, a década de 1990 viu surgir Stargate SG-1, em 1997, derivada do filme de 1994, que durou dez temporadas, com 214 episódios, uma das mais longas da televisão, superando Arquivo X como a mais longa do gênero, recorde quebrado em seguida por Smalville.[43]

Guerre Infernale de Pierre Giffard, ilustrada por Albert Robida.

Temas como as rápidas mudanças propiciadas pela tecnologia se cristalizaram em torno do conceito da singularidade tecnológica, popularizada pelo livro Marooned in Realtime, de Vernor Vinge, trabalhada por outros autores nos anos seguintes.[44]

A palavra scientifiction na capa da revista Amazing Stories (setembro de 1928).

Uma das características únicas do gênero é a sua forte comunidade de fãs, da qual muitos autores também fazem parte. Existem grupos locais de fãs um pouco por todo o mundo que fala inglês, e também no Japão, Europa e em outros locais. É frequente que estes grupos publiquem os seus próprios trabalhos. Existem muitas revistas de fãs (e também algumas profissionais) que se dedicam apenas a informar o fã de ficção científica de todas as vertentes do género. Os principais prémios da ficção científica, os Prémios Hugo, são atribuídos pelos participantes da convenção anual Worldcon, que é organizada quase exclusivamente por fãs voluntários.[1][3]

A ficção científica também se tem tornado popular na rádio, nas histórias em quadrinhos (banda desenhada em Portugal), na televisão e no cinema. A internet vem trazendo uma nova onda de escritores que apostam na autopublicação em blogs e portais voltado para a literatura, apostando em enredos de ficção científica, fantasia, entre outros. Revistas digitais, como a Trasgo, buscam publicar autores nacionais, apostando em mulheres, negros, comunidade LGBT, que ainda lutam para conseguir espaço.[45][46]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Fusões e subcategorias[editar | editar código-fonte]

Livros de ficção científica[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Sybylla (ed.). «Afinal, o que é ficção científica?». Momentum Saga. Consultado em 11 de junho de 2017 
  2. a b c Marg Gilks, Paula Fleming, and Moira Allen (ed.). «Science Fiction: The Literature of Ideas». Writing World. Consultado em 11 de junho de 2017 
  3. a b c G1 (ed.). «Morre Forrest J. Ackerman, lenda da ficção científica». G1. Consultado em 11 de junho de 2017 
  4. a b c Book Riot (ed.). «DOES THE SCIENCE OF SCIENCE FICTION MATTER?». Book Riot. Consultado em 11 de junho de 2017 
  5. a b Kirkus Reviews (ed.). «Why Science Fiction Matters». Kirkus Reviews. Consultado em 11 de junho de 2017 
  6. Glassy, Mark C. (2001). The Biology of Science Fiction Cinema. Jefferson, N.C.: McFarland. ISBN 0-7864-0998-3 
  7. Hugo Gernsback. "A New Sort of Magazine", Amazing Stories, Vol. 1, No. 1 (April 1926), p. 3.
  8. IMDB (ed.). «Além da Imaginação». IMDB. Consultado em 11 de junho de 2017 
  9. Wingrove, Aldriss (2001). Billion Year Spree: The History of Science Fiction (1973) Revised and expanded as Trillion Year Spree (with David Wingrove)(1986). New York: House of Stratus. ISBN 978-0-7551-0068-2.
  10. Gordon Van Gelder (ed.). «Editorial - October/November 1998». Fantasy and Science Fiction. Consultado em 11 de junho de 2017 
  11. Sybylla (ed.). «Suspensão da descrença». Momentum Saga. Consultado em 11 de junho de 2017 
  12. Nerd Pai (ed.). «Suspensão da descrença – entenda esse conceito e pare de ser chato». Nerd Pai. Consultado em 11 de junho de 2017 
  13. Sterling, Bruce. "Science fiction" in Encyclopædia Britannica 2008 [1]
  14. Card, Orson Scott (1990). How to Write Science Fiction and Fantasy. [S.l.]: Writer's Digest Books. p. 17. ISBN 0-89879-416-1 
  15. Sybylla (ed.). «Em defesa das distopias». Momentum Saga. Consultado em 11 de junho de 2017 
  16. Hartwell, David G. (1996). Age of Wonders: Exploring the World of Science Fiction. [S.l.]: Tor Books. pp. 109–131. ISBN 0-312-86235-0 
  17. Stratmann, H. G. (2015). Using Medicine in Science Fiction: The SF Writer’s Guide to Human Biology. Berlim: Springer. p. 227. ISBN 9783319160153 
  18. Gunn, James E. (1988). The New Encyclopedia of Science Fiction. Nova York: Viking. p. 249. ISBN 978-0-670-81041-3 
  19. S.C. Fredericks (ed.). «Science Fiction Studies». DePauw University. Consultado em 11 de junho de 2017 
  20. Irwin, Robert (2003). The Arabian Nights: A Companion. [S.l.]: Tauris Parke Paperbacks. pp. 209–13. ISBN 1-86064-983-1 
  21. Abu Shadi Al-Roubi (ed.). «Ibnul-Nafees As a Philosopher». Encyclopedia of Islamic World. Consultado em 11 de junho de 2017 
  22. Creator and presenter: Carl Sagan (12 de outubro de 1980). «The Harmony of the Worlds». Cosmos: A Personal Voyage. PBS 
  23. White, William (Setembro de 2009). «Science, Factions, and the Persistent Specter of War: Margaret Cavendish's Blazing World». Intersect: The Stanford Journal of Science, Technology and Society. 2 (1): 40–51. Consultado em 7 de março de 2014 
  24. Michael Murphy (2011). A Description of the Blazing World. [S.l.]: Broadview Press. ISBN 978-1-77048-035-3 
  25. «Margaret Cavendish's The Blazing World (1666)». Skulls in the Stars. 2 de janeiro de 2011. Consultado em 17 de dezembro de 2015 
  26. Montgomery, Kaylor (2016). Margaret Cavendish’s The Blazing World (1666), Early Modern Feminism, and Female Friendships (Tese). Ohio: Ohio State University. Consultado em 11 de junho de 2017 
  27. John Clute & Peter Nicholls (1993). «Mary W. Shelley». Encyclopedia of Science Fiction. Orbit/Time Warner Book Group UK. Consultado em 17 de janeiro de 2007 
  28. «Science Fiction». Encarta Online Encyclopedia. Microsoft. 2006. Consultado em 17 de janeiro de 2007 
  29. Revista Superinteressante (ed.). «Onde tudo começou». Revista Superinteressante. Consultado em 11 de junho de 2017 
  30. Rafael Rodrigues Costa (ed.). «Marte brilha entre a ciência e a imaginação». Gazeta do Povo. Consultado em 11 de junho de 2017 
  31. Roberto Sousa Causo (ed.). «A primeira onda de ficção científica brasileira». Portal Terra. Consultado em 11 de junho de 2017 
  32. Balanço 2009: Primeiros romances de ficção científica
  33. a b Taormina, Agatha (19 de janeiro de 2005). «A History of Science Fiction». Northern Virginia Community College. Consultado em 16 de janeiro de 2007 
  34. Sybylla (ed.). «O Sonho da Sultana». Momentum Saga. Consultado em 11 de junho de 2017 
  35. Resnick, Mike (1997). «The Literature of Fandom». Mimosa (#21). Consultado em 17 de janeiro de 2007 
  36. Phil Stephensen-Payne (ed.). «Galaxy Science Fiction». Galactic Central Publications. Consultado em 11 de junho de 2017 
  37. «Science Fiction». Encyclopædia Britannica. Consultado em 11 de junho de 2017 
  38. Philip Hayward (1993). Future Visions: New Technologies of the Screen. [S.l.]: British Film Institute. pp. 180–204. Consultado em 11 de junho de 2017 
  39. Allen Varney (4 de janeiro de 2004). «Exploding Worlds!». Consultado em 11 de junho de 2017 
  40. Vera Nazarian (4 de janeiro de 2004). «Intriguing Links to Fabulous People and Places...». Consultado em 11 de junho de 2017 
  41. «Shards of Honor». NESFA Press. 10 de maio de 2004. Consultado em 17 de janeiro de 2007 
  42. David Richardson (julho de 2007). «Dead Man Walking». Cult Times. Consultado em 11 de junho de 2017 
  43. Darren Sumner. «Smallville bows this week — with Stargates world record». GateWorld. Consultado em 11 de junho de 2017 
  44. Vernor Vinge (ed.). «The Coming Technological Singularity». NASA Conference Publication CP-10129. Consultado em 11 de junho de 2017 
  45. Sybylla (ed.). «Revista Trasgo Procura!». Momentum Saga. Consultado em 11 de junho de 2017 
  46. Cesar Gaglioni (ed.). «Revista Trasgo lança financiamento coletivo para coletânea de contos». Jovem Nerd. Consultado em 11 de junho de 2017 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ficção científica