V-1

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
V-1

Representação artística
de uma V-1 em vôo.
Características
Classificação modelo de arma
(míssil de cruzeiro
Míssil superfície-superfície)
Integração 1944 Edit this on Wikidata
Criador/Fabricante Gerhard Fieseler Werke Edit this on Wikidata
Parte de Armas-V Edit this on Wikidata
Diferente de V-1
Localização
[ Editar Wikidata ] [ Mídias no Commons ]
[ Editar infocaixa ]

A Fieseler Fi 103, também conhecida por Vergeltungswaffe 1 e FZG-76, mas mais conhecida pela sigla V-1, é uma bomba voadora, sendo o primeiro míssil de cruzeiro moderno [1] usado em tempo de guerra. Mais de 8000 unidades foram lançadas só contra Londres, tendo muitas outras cidades nas ilhas britânicas e no continente europeu sofrido ao ser alvo da bomba.[2][3]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Armas-V
Vídeo: lançamento de uma V-1 (1944, em alemão).

A V-1 foi desenvolvida pela Força Aérea (Luftwaffe) alemã durante a Segunda Guerra Mundial e foi utilizada entre junho de 1944 e março de 1945. Foi empregue para atacar alvos no sudeste da Inglaterra e Bélgica, principalmente as cidades de Londres e Antuérpia. A primeira bomba V-1 atingiu Londres em 13 de Junho de 1944. As V-1 eram lançadas de sítios ao longo do Canal da Mancha (Pas-de-Calais) e da costa neerlandesa até terem sido subjugadas pelas forças aliadas. No entanto, logo que os aliados capturaram os pontos onde se concentravam os lançadores, os alemães recorreram aos aviões da Luftwaffe, tendo adaptado a V-1 para poder ser lançada a partir de bombardeiros Heinkel He 111/H-22. Os bombardeiros lançaram um total de 1 176 bombas voadoras V-1 desta forma. A V-1 recebeu mais tarde a ajuda do foguete V-2, mais sofisticado.[2][4]

Os ingleses deram-lhe o apelido de "bomba zumbidora" ou buzz bomb (Doodlebug), devido ao som que produzia. Era facilmente identificável e sabia-se que havia uma chegando com facilidade. O seu motor era desligado assim que acabava o combustível, logo a força aérea alemã não conseguia determinar o local da queda da V-1.[3][4]

Uma V-1 sendo transportada. Em rosa, bases de lançamento
na Europa ocupada.
Uma base de lançamento
na França no pós-guerra.
Uma V-1
sobre Londres.

Versão tripulada[editar | editar código-fonte]

Uma Fieseler Fi 103R (Reichenberg).

Foi criada uma versão tripulada para ataques suicidas do Esquadrão Leónidas. Denominada Fieseler Fi 103R (Reichenberg), esta versão acabou não entrando em uso.[5]

Eficácia[editar | editar código-fonte]

O curso da V-1 era guiado um giroscópio e uma bússola magnética, e a altitude era controlada por um simples altímetro barométrico; como consequência, estava sujeita a erros de trajetória.[1] A bomba obteve um sucesso mediano. Como voava em linha reta e a velocidade constante, era relativamente fácil abatê-las com canhões. Além disso, assim que alguma V-1 aparecia na tela dos radares ingleses, a RAF mandava seus interceptores Gloster Meteors derrubá-las. Quando tudo isso falhava, os pilotos usavam as asas de seus aviões para desviar o curso do míssil e fazê-lo cair em lugar seguro.[6] Foram esses fracassos que obrigaram os alemães a recorrer aos V-2.[3][4][7][8]

Um conjunto Mistel combinando uma V-1
transportada por um Arado Ar 234.
Danos causados por uma V-1
numa cidade belga em
5 de Janeiro de 1945.
Um Spitfire, pilotado por Kenneth Roy Collier em
23 de Junho de 1944,[9] perseguindo uma
bomba voadora e tentando
desviá-la com sua asa

Características[editar | editar código-fonte]

Comprimento total 7,90 m
Envergadura 5,38 m
Peso na decolagem 2 150 kg
Combustível 550 kg
Carga explosiva 830 kg
Velocidade máxima 644 km/h
Alcance 230 km
Três vistas.
sistema
de orientação
Lançamento de uma réplica da V-1 no
Classic Fighters Omaka Airshow
(Blenheim, Nova Zelândia,
5 de Abril de 2015).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre V-1

Referências

  1. a b Stephen Oliver Fought. «Strategic missiles ("The V-1")». Britannica.com (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2022 
  2. a b «V-1 missile | military technology». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2019 
  3. a b c «"Vergeltungswaffen" (Retaliation Weapons) data base». www.zenza.se. Consultado em 14 de fevereiro de 2019 
  4. a b c MilitaryHistoryNow.com (6 de fevereiro de 2015). «Buzz Kill – 13 Remarkable Facts about the V-1 Flying Bomb». MilitaryHistoryNow.com (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2019 
  5. Luftwaffe39-45. «Fieseler Fi 103A-1/Re "Reichenberg"». Luftwaffe39-45.com (via Web Archive). Consultado em 13 de junho de 2023 
  6. Canal Aviões e Músicas (22 de maio de 2022). «Ele acelerou o Spitfire e fez algo INCRÍVEL. EP. 972». YouTube. Consultado em 26 de maio de 2022 
  7. «Meteor I vs V1 Flying Bomb». United States (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2019 
  8. Airfield, History of Manston (21 de julho de 2018). «Jet engine development, the Gloster Meteor and the V1 threat». History of Manston Airfield (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2019 
  9. «The Last Post Ceremony commemorating the service of (422424) Flying Officer Kenneth Roy Collier, 91 Squadron RAF, Royal Australian Air Force, Second World War». Australian War Memorial (em inglês). Consultado em 26 de maio de 2022 
Ícone de esboço Este artigo sobre mísseis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.