Messerschmitt Bf 109

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página atravessa um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a contribuir e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por 201.51.157.73 (D C) há 8 dias. (Recarregar)

Messerschmitt Bf 109
Picto infobox Mig 29.png
Bf 109 G-6 da Messerschmitt foundation
Descrição
Tipo / Missão Caça multi-tarefas[1]
País de origem Alemanha Nazi Alemanha Nazi
Fabricante Bayerische Flugzeugwerke
Messerschmitt AG
Período de produção 1936[1] -1958
Quantidade produzida 34 984 unidade(s)
Desenvolvido em Hispano Aviación HA-1112
Avia S-199
Primeiro voo em 29 de maio de 1935 (80 anos)
Introduzido em Fevereiro de 1937
Aposentado em 8 de Maio de 1945 - Luftwaffe
27 de Dezembro de 1965 - Força Aérea Espanhola
Tripulação 1
Notas
Ver Variantes e Especificações para visualizar dados específicos de cada variante.

O Messerschmitt Bf 109, por vezes referido incorrectamente de Me 109, foi um caça multi-funções alemão projetado por Willy Messerschmitt e por Robert Lusser durante a década de 1930.[2] A designação "Bf 109" foi emitida pelo Ministério da Aviação do Reich e representa a empresa de desenvolvimento Bayerische Flugzeugwerke. Foi um dos primeiros caças verdadeiramente modernos, incluindo características como a fuselagem toda de metal, cabine de voo fechada e trem de aterragem retráctil, sendo alimentado por um motor V12 invertido com refrigeração líquida.[2]

O BF 109 viu pela primeira vez o serviço operacional durante a Guerra Civil Espanhola e continuou em serviço no alvorecer da era dos jatos, no fim da Segunda Guerra Mundial, durante a qual foi a espinha dorsal da força de combate da Luftwaffe, [1] sendo a partir de 1941 constantemente complementado com o Focke-Wulf FW 190. Após a guerra, continuou a prestar serviço pelas forças aéreas espanhola, israelita, checoslovaca, jugoslava e suíça.

Originalmente concebido para ser um interceptor, os modelos posteriores foram desenvolvidos para cumprir quase todas as tarefas imagináveis, servindo como caça de escolta para bombardeiros, caça-bombardeiro, caça de uso diurno e nocturno, caça para qualquer condição meteorológica, ataque ar-solo e como aeronave de reconhecimento. Graças a esta versatilidade e desempenho, o BF 109 foi o caça mais produzido da história, com um total de 34 984 aeronaves produzidas.[1]

Apesar das milhares de unidades produzidas e de ser pilotado pelos maiores ases da aviação da história, no dia da capitulação alemã a 8 de Maio de 1945, menos de 500 exemplares estavam em qualquer condição para voar. Outrora uma das armas mais temidas durante uma era de tumultos, perdas e bravura sem precedentes, o Bf 109 é hoje um valioso artefacto em museus por todo o mundo.

Design e Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Origem[editar | editar código-fonte]

Durante o ano de 1933, o Technisches Amt(C-Amt) e o departamento técnico da Reichsluftfahrtministerium (RLM) (" Ministério da Aviação do Reich") concluíram uma série de projetos de pesquisa para o futuro do combate aéreo.O resultado dos estudos foi quatro grandes linhas de aeronaves :[3]

  • Rüstungsflugzeug I - Bombardeiro-Médio de vários assentos.
  • Rüstungsflugzeug II - Bombardeiro tático.
  • Rüstungsflugzeug III - Caça de um assento.
  • Rüstungsflugzeug IV - Caça pesado de dois assentos.

O Rüstungsflugzeug III foi destinado a ser um interceptor de curto alcance,substituindo o Arado Ar 64 e o Heinkel He 51 que estavam em serviço.No final de Março de 1933 a RLM publicou os requisitos táticos para um caça de assento único no documento L.A 1432/33.[4]

O Caça precisada ter uma velocidade máxima de 400km/h (250mph) em 6000 m (19.690 ft),a ser mantido por 20 minutos,enquanto tendo uma duração total de vôo de 90 minutos.A altitude crítica de 6.000 metros era pra ser alcançada em não mais de 17 minutos,e o caça tinha que ter um teto operacional de 10.000 metros.[4] Esse desempenho era pra ser fornecido pelo novo motor Junkers Jumo 210,com cerca de 522kW (700 hp).Se tratando de poder de fogo ele poderia ser armado com um canhão 20 milímetros MG C/30 montado no motor próximo do cubo da hélice como um "Motorkanone"(gíria para "canhão de motor"), duas metralhadoras MG 17 montadas no capô do motor ou uma metralhadora leve MG FF com dois MG 17.[5] Também foi especificado que a carga nas asas deveriam ficar abaixo dos 100kg/m².O desempenho foi avaliado com base no nível de velocidade,taxa de subida e a capacidade de manobra,nessa ordem.[4]

Tem sido sugerido que a Bayerische Flugzeugwerke originalmente não tenha sido convidada para participar da competição devido à pessal animosidade entre Willy Messerschmitt e o diretor da RLM Erhard Milch.No entanto,uma pesquisa recente feita por Willy Radinger e Walter Shick indica que este pode não ter sido o caso,sendo assim as três empresas ,sendo elas,Arado,Heinkel e a BFW receberam o contrato de desenvolvimento L.A 1432/33 ao mesmo tempo em fevereiro de 1934[4] .Uma quarta empresa,Focke-Wulf recebeu uma cópia do contrato de desenvolvimento somente em setembro de 1934[4] .O motor era para ser os novos Junkers Jumo 210,mas com a condição de ser intercambiável com o mais poderoso e menos desenvolvido Daimler-Benz DB 600[6] .Cada empresa foi convidada a entregar três protótipos para testes no final de 1934.

Imagens[editar | editar código-fonte]

Operadores[editar | editar código-fonte]

 Bulgaria
Croácia Estado Independente da Croácia
 Finlândia

Alemanha Nazi Alemanha Nazista

  • Luftwaffe Era o operador principal do Bf 109.
 Hungary

Reino de Itália Itália

War flag of the Italian Social Republic.svg República Social Italiana

 Roménia
  • Real Força Aérea Romena Operou 50 E-3/4s, 19 E-7s, dois F-2s, cinco F-4s e ao menos 235 G-2/G-4/G-6/-8s; mais 75 IAR construídos como 109G-6a.
Checoslováquia Checoslováquia
  • Força Aérea Checoslovaca operou aeronaves capturadas e continuou construindo Messerschmitt Bf 109Gs depois da guerra sob o nome de ‘Avia S-99’, mas logo ficou sem o motor Daimler-Benz DB 605 depois que muitos foram destruídos durante uma explosão num armazém em Krásné Březno.
EslováquiaRepública da Eslováquia
EspanhaEstado espanhol
  • Força Aérea Espanhola operou alguns D-1s, E 3s e 15 F-4s, e pode ter recebido vários modelos B mais velhos. Voluntários de ‘Escuadrilla Azul’ da Frente Oriental operaram E-4, E-7, E-7/B, F-2, F-4 (pertencente ao JG-27 sob o comando da Luftflotte 2 até abril de 1943) junto com G-4 e G-6 (destacado do JG-51 sob o comando da Luftflotte 4 até junho de 1944).
Suíça
Iugoslávia
 Israel
  • Força Aérea Israelense operou o derivado Avia S-199, comprado da Tchecoslováquia. Apesar da escassez de aeronaves, os israelenses marcaram oito vitórias. Egito e Síria alegaram quatro S-199 abatidos, e um provável.[7]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil o Messerschmitt Bf 109 nunca esteve em operação, havendo apenas um exemplar no país, em exposição no Museu TAM, em São Carlos, estado de São Paulo.[8]

Versões[editar | editar código-fonte]

  • Bf 109 V1: protótipo equipado com um motor British Kestrel, voando pela primeira vez em Setembro de 1935;
  • Bf 109 B-1: primeira versão de produção, equipada com motor Junkers Jumo 210D de 680 cv de potência e armado com três metralhadoras de 7,92 mm;
  • Bf 109 B-2: variante do Bf 109 B, com hélice de passo variável VDM-Hamilton;
  • Bf 109 C-1: versão com quatro metralhadoras de 7,92 mm; equipada com motor Junkers Jumo 210G de 700 cv de potência
  • Bf 109 C-2: variante do Bf 109 C com uma quinta metralhadora atirando através do cubo da hélice;
  • Bf 109 D-1: versão equipada com um motor Junkers Jumo 210D como 680 cv de potência;
  • Bf 109 E-1: versão equipada com um motor DB 601A de 990 cv de potência e armada com quatro metralhadoras e quatro bombas de 50 kg ou uma única de 250 kg;
  • Bf 109 E-3: variante do Bf 109 E-1 armada com duas metralhadoras de 7,92 mm e dois canhões MG FF de 20 mm;
  • Bf 109 E-4: variante do Bf 109 E-3 armada com duas metralhadoras de 7,92 mm e dois canhões MG FF/M de 20 mm;
  • Bf 109 E-4/Trop: variante tropicalizada do Bf 109 E-4, com filtro de areia na entrada de ar no motor para actuação no deserto;
  • Bf 109 E-4/N: variante do Bf 109 E-4, equipada com um motor DB 601N de 1175cv
  • Bf 109 F-1: versão equipada com um motor DB 601N de 1175cv e armada com duas metralhadoras de 7,92 mm e um canhão de 20 mm;
  • Bf 109 F-2: variante do Bf 109 F armada com duas metralhadoras de 7,92 mm e um canhão de 15 mm;
  • Bf 109 F-4: variante do Bf 109 F, DB 601E de 1350cv, armada com duas metralhadoras de 7,92 mm e um canhão de 20 mm;
  • Bf 109 F-4/Trop: variante tropicalizada do Bf 109 F-4, com filtro de areia na entrada de ar no motor para actuação no deserto;
  • Bf 109 G-1: versão equipada com um motor DB 605 A-1 com 1475cv de potência e armada com duas metralhadoras de 7,92 mm
  • Bf 109 G-6: variante do Bf 109 G armada com um canhão de 20 mm, duas metralhadoras de 13 mm;
  • Bf 109 G-6/U4: variante do Bf 109 G-6 armada com um canhão de 30 mm, duas metralhadoras de 13;
  • Bf 109 H-1: versão, nunca produzida, para grandes altitudes, equipada com motor DB 601E;
  • Bf 109 K-4: versão equipada com um motor DB 605 DCM com 2000cv de potência e armada com duas metralhadora de 13 mm e um canhão de 30 mm;
  • Bf 109 K-6: variante do Bf 109 K-4, nunca produzida, armada com duas metralhadoras de 13 mm e três canhões de 30 mm;
  • S-99: versão do Bf 109 G construída na Checoslováquia pela Avia;
  • S-199: versão construída pela Avia, equipada com um motor Jumo 211F com 1340cv de potência;
  • HA-1109: versão construída sob licença em Espanha pela Hispano-Aviación, equipada com um motor Hispano-Suiza 12Z-89 com 1300cv de potência;
  • HA-1112-M1L: variante do HA-1109 equipada com um motor Rolls-Royce Merlin 500-45 com 1400 cv de potência, passando a ;*

Desvantagens[editar | editar código-fonte]

Os pilotos da Luftwaffe reclamavam de seu cockpit muito apertado, tornando voar no BF 109 claustrofóbico, mas alguns pilotos diziam que isso era uma vantagem, já que ao entrar no aparelho a única coisa que se vinha a mente era derrubar inimigos. Também era crônico o problema de aterrisagem do Me-109 devido ao pequeno espaço entre os dois trens de pouso, o que o fez difícil de decolar e pousar, causando muitos acidentes. Mesmo assim o caça foi a espinha dorsal da Luftwaffe na II Guerra Mundial, e ainda lutou em vários conflitos após a guerra sendo construído pela AVIA da Tchecoslováquia e grande números destes foram utilizados por árabes e israelenses nos diversos conflitos iniciais no oriente médio.

Referências

  1. a b c d Nowarra 1993, p. 189.
  2. a b Green 1980, pp. 7, 13.
  3. Zobel and Mathmann 1995, p. 3.
  4. a b c d e Ritger 2006, p. 6.
  5. Kobel and Mathmann 1997, p. 3.
  6. Beaman and Campbell 1980, p. 13.
  7. "List of Israeli Air-to-Air Victories 1948-1966." acig.org.
  8. BE 109 no Museu da TAM.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Messerschmitt Bf 109
Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.