Fraternidade Rosacruz (Max Heindel)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Templeofrosycross.png
Templo da Rosacruz

A Fraternidade Rosacruz foi fundada em 1909/11 por Max Heindel com o propósito de promulgar os Ensinamentos Rosacruzes da Escola de Mistérios Menores do Ocidente, a Ordem Rosacruz (que, segundo Max Heindel, é uma Ordem de origem espiritual, nada tendo a ver, portanto, com outras organizações físicas que reivindicam essa denominação). A Fraternidade, edificada por Max Heindel como arauto da Era de Aquário, realiza Serviço de Cura Espiritual e proporciona gratuitamente cursos por correspondênca em Cristianismo esotérico e Filosofia, Astrologia Espiritual e Interpretação da Bíblia; sua sede internacional está localizada em Monte Ecclesia [1], Oceanside, Califórnia (Estados Unidos) e os seus estudantes encontram-se por todo o mundo organizados em Centros e Grupos de Estudo.

No Brasil, na cidade de São Paulo, além de uma Sede Central da Fraternidade Rosacruz, funciona também desde 1929 a Fraternidade Rosacruciana São Paulo, instituição independente destinada à exposição da mesma doutrina - que, ao contrário do que muitos acreditam, não é uma dissidência por ter sido fundada antes da filial brasileira da Fraternidade Rosacruz ter se estabelecido.

A Fraternidade Rosacruz não se proclama como a verdadeira Ordem Rosacruz, mas apenas como uma escola preparatória e expositora dos ensinamentos e preceitos desta Ordem dos mundos suprafísicos, denominada a Grande Fraternidade Branca.

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

Diz-se que em 1908 o seu fundador, Max Heindel, teria sido escolhido e preparado pelos Irmãos Maiores da Ordem Rosacruz, com o objectivo de revelar publicamente os preceitos da doutrina rosacruciana. Em Novembro de 1909, Max Heindel publicou o Conceito Rosacruz do Cosmos, uma exposição da doutrina originalmente escrita em alemão e posteriormente traduzida para outros idiomas. Algum tempo depois, foram desenvolvidos em outros livros, conferências e lições.

A doutrina rosacruciana apresentada por Max Heindel é enfaticamente cristã e nestoriana, apresentando os mistérios de que Cristo fala em Mateus 13:11 e Lucas 8:10. O propósito da apresentação da doutrina é preparar o indivíduo pelo desenvolvimento harmonioso da mente (ocultista) e do coração (místico) imbuído em um espírito altruísta de Serviço à humanidade.

A Doutrina[editar | editar código-fonte]

Os ensinamentos advogados pela Fraternidade Rosacruz sustentam que todas as formas viventes têm origem divina, e que o propósito da vida é a aquisição de experiências a fim de expandir a consciência, através das sucessivas encarnações. Desta forma, o homem teria tido a consciência de um mineral no início do desenvolvimento, e no futuro adquirirá as potencialidades de um deus.

O esquema evolutivo[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Fraternidade Rosacruz, o esquema evolutivo do homem é composto por sete períodos, a saber:

Cada um desses períodos é composto por sete revoluções, e em cada período ocorrem recapitulações dos estágios anteriores. Assim, o verdadeiro trabalho do Período Terrestre teve início apenas na atual quarta revolução, sendo que a primeira, a segunda e a terceira foram, respectivamente, recapitulações dos períodos de Saturno, Solar e Lunar. Outros períodos de evolução existiram antes do período de Saturno, e outros mais existirão depois deste, porém, não dizem respeito ao esquema evolutivo do homem.

O mundo físico e os mundos suprafísicos[editar | editar código-fonte]

Segundo Max Heindel, o homem é um cidadão de três mundos: o Mundo Físico, o Mundo de Desejos e o Mundo do Pensamento.

Para cada um desses mundos, o homem tem um corpo específico, sendo o corpo denso e o corpo vital no Mundo Físico, o corpo de desejos no Mundo de Desejos e a mente no Mundo do Pensamento.

O Mundo Físico é o local onde o homem adquire as experiências. Após a morte do corpo denso, o homem observa o panorama de toda a sua vida se desenrolar a partir do corpo vital durante um período que varia, de indivíduo para indivíduo, até três dias e meio. Por esta razão, não se aconselha qualquer tipo de violação ao corpo antes de decorrido esse período, como o embalsamamento e a cremação, pois isso destruiria os registros do corpo vital. No final deste período o corpo vital também morre e o homem é projetado no Mundo de Desejos (a finalização deste período só será completamente perceptível a quem haja desenvolvido a faculdade de Clarividência, pelo que se requere que se tenha em conta sempre o tempo máximo: três dias e meio). Neste local, Mundo de Desejos, sentirá todas as suas ações como se ele próprio estivesse no lugar daqueles a quem beneficiou ou prejudicou. Uma vez que esse período tenha passado, o corpo de desejos também morre o homem é transferido para o Mundo do Pensamento, onde passará por um período de descanso e iniciará também os trabalhos para a construção dos corpos que utilizará na próxima encarnação.

As diferenças de condições de um ser humano para outro também seriam resultado das encarnações anteriores. Assim, um homem indolente ou que tenha explorado outros na encarnação anterior torna-se pobre na encarnação seguinte; um homem que tenha ferido ou mutilado outros nasce sem um dos membros, e assim por diante. Um indivíduo não se lembrará da encarnação anterior porque, sabendo disto, também saberia o destino que lhe sofrerá em decorrência do que causou no passado. Assim, haveria risco de o homem se acomodar diante do destino inexorável, o que inviabilizaria a evolução.

A missão de Cristo[editar | editar código-fonte]

De acordo com Max Heindel, Cristo e Jesus eram seres distintos. Cristo foi o mais elevado iniciado do período Solar e não teve encarnações anteriores, enquanto Jesus é um ser da onda de vida humana (um humano) e o ser mais evoluído que tenha habitado o mundo físico. Como Cristo não teve outra encarnação anterior, a Jesus foi outorgada a missão de construir um corpo denso a fim de que Cristo pudesse funcionar no mundo.

O propósito da vinda de Cristo foi dar início à unificação da humanidade em uma fraternidade universal, assim como existia até a terceira revolução do período terrestre, também chamada de Época Lemúrica, quando a humanidade foi dividida em povos distintos, e foram apresentadas à humanidade a religião de Jeová, ou do Espírito Santo, que são as religiões específicas de um povo, tais como o judaísmo e o hinduísmo. Por essa razão, a miscigenação étnica é considerada imprescindível. Devido ao fato de não haver miscigenação dentro da comunidade judaica - um judeu só poderia se casar com uma judia, e vice-versa - foi no povo judeu em que nasceu Jesus Cristo. Quando a fraternidade universal tiver sido formada, será então apresentada a religião do Pai, que superará até mesmo a fraternidade universal, eliminando o conceito de indivíduo, tornando todos os homens como somente um perante Deus, ao final do Período Terrestre.

Interpretação da Bíblia[editar | editar código-fonte]

Segundo Max Heindel, os textos da Bíblia foram escritos por escolas de mistérios e para candidatos à iniciação, e não para o povo em geral. Por isso, não devem ser interpretados ad litteram. Além dos erros de tradução e as interpolações, os fatos descritos lá não teriam acontecido exatamente como são ditos; seriam alegorias para representar mistérios ocultos e que dizem respeito unicamente à natureza do homem. De modo que os dogmas geralmente aceitos pela Igreja Católica, como a virgindade física de Maria no momento da concepção de Jesus Cristo, os supostos "milagres sobrenaturais" e a ressurreição corporal (o corpo físico voltar a viver), são rejeitados pela Fraternidade Rosacruz. Por essa razão a maioria dos católicos classifica a doutrina de Max Heindel como herética, embora nenhum Papa a tenha condenado explicitamente até os dias atuais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Brasil

Portugal

Internacional

Centros e Grupos de Estudos no Mundo. (links)