Apeadeiro de Paraimo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com o Apeadeiro de Paramos, igualmente situado na Linha do Norte.
Paraimo IPcomboio2.jpg
IPestacao.jpg
Linha(s) Linha do Norte
(PK 248,482)
Coordenadas 40° 28′ 51,42″ N, 8° 28′ 47,85″ O
Concelho Anadia
Serviços Ferroviários Logo CP 2.svgBSicon LSTR orange.svgR
Horários em tempo real
Serviços Telefones públicos Elevadores
Parque de estacionamento Acesso para pessoas de mobilidade reduzida


Logos IP.png
BSicon CONTfa grey.svg
BSicon BHF grey.svgOliveira do Bairro (Sentido Porto)
BSicon HST grey.svgParaimo
BSicon BHF grey.svgMogofores (Sentido Lisboa)
BSicon CONTf grey.svg

O Apeadeiro de Paraimo, originalmente denominado de Paraímo e também conhecido como Paraimo - Sangalhos, é uma gare ferroviária da Linha do Norte, que serve as localidades de Paraimo e Sangalhos, no Distrito de Aveiro, em Portugal.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Situa-se junto à localidade de Sangalhos, tendo acesso pela Rua de São Francisco.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Horário de 1933 da Linha do Norte, onde aparece o Apeadeiro de Paraimo.
Ver artigo principal: História da Linha do Norte

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Em 28 de Agosto de 1857 foi assinado um contrato para a construção da Linha do Norte, tendo sido determinado que o caminho de ferro devia passar junto a Avelãs de Caminho.[2]

Esta interface encontra-se no troço da Linha do Norte entre Taveiro e Estarreja, que entrou ao serviço em 10 de Abril de 1864, pela Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses.[3]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Em 1 de Agosto de 1948, o Apeadeiro de Paraímo foi elevado a estação, com a construção de um edifício; a nova estação foi inaugurada pelo director da Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, Leite Pinto, na presença do presidente da Câmara Municipal de Anadia, Luciano Correia, do Dr. Garcia Pulido, um dos principais promotores da estação, e outros altos funcionários da Companhia e autoridades locais.[4] A animação musical esteve a cargo das bandas de São João de Loure e Fermentelos.[4] Depois da cerimónia, realizou-se um almoço em Sangalhos, no qual discursaram alguns dos convidados.[4] Foi inaugurada igualmente a estrada de acesso à estação, com origem na rua principal de Paraímo.[4]

No entanto, em 1951, esta gare já tinha sido novamente desclassificada para apeadeiro, tendo uma portaria de 18 de Julho, publicada no Diário do Governo n.º 184, II Série, de 10 de Agosto, aprovado um projecto de modificação e ampliação do Apeadeiro de Paraímo, e autorizado a expropriação de várias parcelas de terreno em redor, para a obra.[5] Aquela portaria foi anulada por um diploma publicado no Diário do Governo n.º 142, II Série, de 18 de Junho de 1954, que voltou a autorizar as expropriações.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Estação de Paraimo - Sangalhos». Comboios de Portugal. Consultado em 1 de Maio de 2018 
  2. ABRAGÃO, Frederico de Quadros (16 de Junho de 1956). «No Centenário dos Caminhos de Ferro em Portugal: Algumas notas sobre a sua história» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 69 (1644). p. 249-255. Consultado em 6 de Setembro de 2016 
  3. TORRES, Carlos Manitto (1 de Janeiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1681). p. 9-12. Consultado em 31 de Março de 2014 
  4. a b c d «Linhas portuguesas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 60 (1456). 16 de Agosto de 1948. p. 469. Consultado em 31 de Março de 2014 
  5. «Parte Oficial» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 64 (1528). 16 de Agosto de 1951. p. 246-251. Consultado em 6 de Setembro de 2016 
  6. «Parte Oficial» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 67 (1601). 1 de Setembro de 1954. p. 252-253. Consultado em 6 de Setembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.