Apeadeiro de Santana - Cartaxo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Santana-Cartaxo
BSicon BAHN.svg
Identificação:[1] 32045 SCA (Sant-Cartaxo)
Denominação: Apeadeiro de Santana-Cartaxo
Classificação: A (apeadeiro)[2][3]
Linha(s): Linha do Norte (PK 60,300)
Coordenadas:
39° 08′ 38,98″ N, 8° 45′ 31,99″ O
Concelho: bandeiraCartaxo
Serviços: Logo CP 2.svgBSicon LSTR orange.svgR
Equipamentos: Elevadores
Parque de estacionamento Acesso para pessoas de mobilidade reduzida
Inauguração: 28 de Abril de 1858 (há 164 anos)
Website:
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o apeadeiro na Linha do Norte. Para o apeadeiro encerrado no Ramal de Figueira da Foz, veja Apeadeiro de Santana-Ferreira.

O Apeadeiro de Santana - Cartaxo, originalmente conhecido como Ponte de Sant’Anna e posteriormente como Sant’Anna ou Santa Anna e mais tarde Santana, também grafado como Santana-Cartaxo e Santana Cartaxo,[1] é uma interface da Linha do Norte, que serve as localidades de Santana e Cartaxo, no Distrito de Santarém, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História da Linha do Norte
Anúncio de 1874 da Companhia Real, para bilhetes a preços especiais até à Estação de Santa Anna, para uma tourada no Cartaxo.

Inauguração e duplicação da via[editar | editar código-fonte]

O troço entre Virtudes e Ponte de Santana foi aberto à exploração em 28 de Abril de 1858, sendo então considerado como parte da Linha do Leste; a secção seguinte, até à Ponte de Asseca, entrou ao serviço em 29 de Junho do mesmo ano.[4]

O troço entre Azambuja e Santana foi duplicado em 19 de Maio de 1891, enquanto que o troço seguinte, até Santarém recebeu a segunda via em 20 de Agosto de 1893.[5][6]

Projecto abandonado para S. Martinho do Porto[editar | editar código-fonte]

Durante o mandato de António Cardoso Avelino no Ministério das Obras Públicas, surgiu um projecto para ligar Ponte de Santana a São Martinho do Porto, com passagem pelo Cartaxo, Rio Maior, Óbidos e Caldas da Rainha.[7]

Ligação prevista a Vendas Novas[editar | editar código-fonte]

Um alvará de 13 de Dezembro de 1888 estabeleceu um projecto para uma ligação ferroviária entre Sacavém, na Linha do Leste, e Vendas Novas, então na Linha do Sul.[8] Em finais do ano seguinte, foi realizado um inquérito administrativo, para o público se pronunciar sobre os projectos ferroviários dos Planos das Redes Complementares ao Norte do Mondego e Sul do Tejo; entre as linhas contempladas, estava a ligação a Vendas Novas, mas iniciando-se em Sant’Anna, cuja construção já tinha sido iniciada por uma companhia privada, em via larga.[9] Em 1890, o ponto de entroncamento continuava a ser em Sant’Anna, mas foi modificado para o Setil em 1900, onde acabou por ser construído em 1904.[8]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Composição Sud-Express circulando entre Setil e Santana-Cartaxo, em 2009.

Nos horários de Junho de 1913, a estação de Sant’Anna - Cartaxo era servida pelos comboios entre o Rossio e Santarém, Entroncamento e Porto-São Bento.[10] Nesse ano, a estação era servida por carreiras de automóveis até Almoster e de diligências até ao Cartaxo, Rio Maior e Marmeleira.[11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b (I.E.T. 50/56) 56.º Aditamento à Instrução de Exploração Técnica N.º 50 : Rede Ferroviária Nacional. IMTT, 2011.10.20
  2. Instrução de exploração técnica nº 2 : Índice dos textos regulamentares em vigor. IMTT, 2012.11.06
  3. Instrução de Exploração Técnica N.º 50. INTF («Entrada em vigor 11 de Dezembro de 2005»): p.5
  4. TORRES, Carlos Manitto (1 de Janeiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1681). p. 9-12. Consultado em 20 de Fevereiro de 2014 
  5. NONO, Carlos (1 de Agosto de 1949). «Efemérides ferroviárias» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 62 (1479). p. 485-486. Consultado em 11 de Novembro de 2014 
  6. «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 11 de Novembro de 2014 
  7. SERRÃO, 1986:238
  8. a b SOUSA, José Fernando de (1 de Março de 1936). «Pontes do Tejo em Lisboa e Vila Franca» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 48 (1157). p. 137-139. Consultado em 20 de Fevereiro de 2014 
  9. «Há 50 anos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 61 (1466). 16 de Janeiro de 1949. p. 112. Consultado em 3 de Novembro de 2014 
  10. «Norte - Lisboa, Entroncamento, Alfarellos, Coimbra, Pampilhosa, Porto». Guia Official dos Caminhos de Ferro de Portugal. 39 (168). Outubro de 1913. p. 82-83. Consultado em 20 de Fevereiro de 2014 
  11. «Serviço de Diligencias». Guia official dos caminhos de ferro de Portugal. 39 (168). Outubro de 1913. p. 152-155. Consultado em 13 de Fevereiro de 2018 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre o Apeadeiro de Santana - Cartaxo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.