Leonardo Colella

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Nardo
Informações pessoais
Nome completo Leonardo Colella
Data de nasc. 13 de setembro de 1930
Local de nasc. Bandeira da cidade de São Paulo.svg São Paulo (SP),  Brasil
Nacionalidade Brasil Brasileiro Itália Italiano
Falecido em 25 de novembro de 2010 (80 anos)
Local da morte São Paulo,SP, Brasil
Apelido Nardo
Informações profissionais
Posição centroavante
Clubes de juventude
1947-1949/1950 Brasil Corinthians
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1948-1951
1951-1952
1952-1955
1955-1956
1956-1961
1961-1962
Brasil Corinthians
Brasil Comercial-SP
Brasil Corinthians
Itália Juventus-IT
Brasil Palmeiras
Brasil Portuguesa
107 (36)
(?) (?)
107 (36)
21 (07)
160 (57)
48 (18)

Leonardo Colella, conhecido como Nardo (São Paulo, 13 de setembro de 1930São Paulo, 25 de novembro de 2010), foi um futebolista brasileiro, que atuava na posição de centroavante. Atuou em grandes clubes de São Paulo e na Juventus de Turim da Itália.[1] Nardo também era primo do Rinaldo Ciasca[2] famoso goleiro das década de 1950 e 1960 que fez muito sucesso atuando pela Ponte Preta de Campinas.

Vida[editar | editar código-fonte]

Nardo começou a jogar futebol em 1947, aos 17 anos, na categoria dos juvenis (os juniores da época) no Corinthians. Em 1948 foi campeão dos juvenis, e entre 1949 e 1950 foi promovido para o time profissional. Ao ser promovido, se deparou com uma das melhores equipes corinthianas de todos os tempos, com Cláudio, Luizinho, Carbone e Baltazar. Durante seu processo de adaptação á equipe principal, foi reserva de Baltazar e jogava como titular no time quando o Batata (forma como Baltazar era apelidado) era convocado para a Seleção Brasileiro. Nardo atuou em algumas partidas do time do Corinthians que faturou o Campeonato Paulista de 1951.[3] Em 1952, foi emprestado ao Comercial, da cidade de São Paulo, que na época, tinha jogadores promissores como Dino Sani e Gino Orlando, além dos zagueiros Clóvis e Alan, que jogariam no Corinthians.

Em 1954, estava de volta ao Corinthians, e desta vez conseguiu maiores chances como titular até que se tornasse definitivamente. Conseguiu o glorioso título do Campeonato Paulista de 1954, no ano do IV Centenário da cidade de São Paulo. Ao todo, Nardo vestiu a camisa alvinegra 107 vezes (73 vitórias, 13 empates e 21 derrotas) e marcou 36 gols (números do “Almanaque do Corinthians”, de Celso Dario Unzelte)[4].

Em 1955, Nardo foi negociado com a Juventus de Turim e se despediu do Corinthians. Mas não se adaptou ao futebol da Itália.

"Sinceramente eu não fui feliz, correspondi pouco ao que eles pretendiam na Juventus. A mãe da minha esposa estava doente e resolvemos voltar. Casei em 55, no mesmo ano que fui para a Itália, após o título do IV Centenário pelo Corinthians."

Pelo Palmeiras, Nardo também conquistou títulos. Ele esteve presente no time alviverde campeão da Taça Brasil de 1960 e campeão do Superpaulistão de 1959 o Palmeiras venceu o Santos, de Pelé, por 2 a 1. O atacante fez 160 partidas pelo Verdão: 91 vitórias, 33 empates e 36 derrotas. Ele marcou 57 gols (segundo números do “Almanaque do Palmeiras”, de Celso Unzelte e Mário Sérgio Venditti). Além de Corinthians e Palmeiras, Nardo defendeu a Portuguesa de Desportos e a Juventus da Itália. “Foi um bom jogador e é um cara muito bacana”, conta Waldemar Micheletti, que conheceu Nardo nos tempos em que morava no bucólico bairro da Vila Guilherme.

Nardo não foi o único jogador à jogar pelos rivais Corinthians e Palmeiras. Além dele, também já atuaram nos dois clubes: Colombo, Amílcar Barbuy, Gamarra, Rincón, Édson, Caçapava, Romeu, Magrão, Rivaldo, Ewerthon, Cláudio, Roberto Carlos, Edílson entre outros.

Referências

  1. «Que Fim Levou? - Nardo». Consultado em 24 de setembro de 2011 
  2. https://segredosdabola.wordpress.com/tag/ciasca/
  3. «Futebol de Todos os Tempos:O Craque disse e eu anotei - NARDO». Consultado em 24 de setembro de 2011 
  4. «Milton Neves - Nardo». Consultado em 24 de setembro de 2011 

[[NF|1930|2010|Leonardo Colella}}