Shang-Chi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Mestre do Kung Fu)
Ir para: navegação, pesquisa
Shang-Chi, O Mestre do Kung Fu


Dados da publicação
Publicado por Marvel Comics
Primeira aparição Marvel Special Edition #15 (Dez. de 1973)
Criado por Steve Englehart
Jim Starlin
Características do personagem
Alter ego Shang-Chi
Espécie Humano
Afiliações MI6
Marvel Knights
Habilidades Superatleta e praticante de várias Artes marciais chinesas.
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada

Shang-Chi (em chinês: 上氣 , transl. shàng qì, literalmente A ascensão do espírito) muitas vezes chamado de Mestre do Kung Fu, é um herói lançado pela Marvel. Criado por Steve Englehart e Jim Starlin. Ele não tem superpoderes especiais, mas demonstra habilidades extraordinárias nas artes marciais e é um mestre de Wushu (um nome genérico para várias artes marcias chinesas).

Histórico da Publicação[editar | editar código-fonte]

O personagem foi concebido no final de 1972, para aproveitar o sucesso da série televisiva Kung Fu, estrelada por David Carradine.[1]

Como não conseguiu autorização da Time Warner (que desde 1969 é dona da DC Comics),[2] [3] a editora adquiriu a licença de uso de Fu Manchu, um vilão das revista pulp criado por Sax Rohmer.[4]


Shang-Chi apareceu pela primeira vez em "Special Marvel Edition" #15 (Dezembro de 1973) por Steve Englehart e Jim Starlin. As 14 primeiras edições da revista traziam reedições de histórias de super-heróis da Marvel. Shang-Chi apareceu novamente na edição 16, e na edição 17 (Abril de 1974) o título foi mudado para "The Hands of Shang-Chi: Master of Kung Fu". Em meio ao sucesso das artes marciais nos Estados Unidos na década de 1970, a revista tornou-se muito popular, sendo publicada até a edição 125 (Junho de 1983), incluindo quatro edições "giant-size" e um anual. Ele co-estrelou com o Homem-Aranha em Giant-Size Spider-Man # 2[5] e Marvel Team-Up 84 e 85. Shang-Chi encontrou o Coisa em Marvel Two-in-One # 29. Special Collector's Edition #1 (1975) republicou histórias de Deadly Hands of Kung-Fu #1-2; Deadly Hands of Kung-Fu Special #1; and Special Marvel Edition #15. Ele participou em crossovers com outros artistas marciais da Marvel, incluindo Tigre Branco, Punho de Ferro e Filhas do Dragão (Colleen Asa e Misty Knight) e foi publicado regularmente em Deadly Hands of Kung Fu.

O desenhista Jim Starlin se inspirou nas feições do ator americano David Carradine (interprete do personagem sino-americano Kwai Chang Caine da série Kung Fu), com a entrada do desenhista Paul Gulacy o herói ganhou as feições do ator chinês Bruce Lee.[6]


Gulacy era um fã de cinema, e muitos personagens foram inspirados em estrelas de cinema: Juliette em Marlene Dietrich, James Larner em Marlon Brando, Clive Reston (muitas vezes amplamente insinuado como sendo o filho de James Bond, bem como o sobrinho-neto de Sherlock Holmes), ocasionalmente, se parecia com Basil Rathbone e Sean Connery, e um personagem menor Ward Sarsfield (inspirado no nome real de Sax Rohmer, Arthur Henry Sarsfield Ward) que se parecia com David Niven. Em Master of Kung Fu #19, Shang-Chi (já com as feições de Bruce Lee) conhece um lutador chamado Lu Sung, o lutador possuía o rosto parecido com o de Carradine e ostentava um bigode.[6]

Publicações no Brasil[editar | editar código-fonte]

O personagem estreou no Brasil na revista Kung Fu da Ebal.[4] Outros personagens da Marvel publicados nessa revista foram os denominados Filhos do Tigre.[7] [8]

A revista tinha o formato inspirado na revista da Marvel Comics, Deadly Hands of Kung Fu e assim como ela adotou o formato magazine (usado em revistas como a Veja) e impressa em preto e branco. Revistas em quadrinhos desse tipo eram usadas para publicar material para adultos[9] e não sofriam censuras do Comics Code Authority.[10]

A revista da EBAL também publicou material das editoras estrangeiras Charlton (Yang, claramente inspirado na série de TV estrelada por Carradine)[4] [11] , DC (Richard Dragon, Kung Fu Fighter)[7] , Marvel Comics e Selecciones Ilustradas (da Espanha).[12]

A Edição 21 trouxe a biografia em quadrinhos de Bruce Lee publicada originalmente na revista Deadly Hands of Kung Fu #28 (revista que publicava histórias protagonizadas por Shang-Chi ),[9] escrita por Martin Sands e desenhada por Joe Staton.[1] [6]

Shang-Chi teve histórias publicadas até a quinta edição (quando passou a ter uma revista própria na Editora Bloch). Na sexta edição surgiu uma criação própria, uma personagem com as feições inspiradas em David Carradine e roupas similares a de Shang-Chi, chamado apenas de Kung Fu.[6] [8] [9]

A editora já havia feito algo parecido com O Judoka, criado para suprir a falta de histórias do Judomaster da Charlton.[6] Após a edição 27, Kung Fu não teve mais histórias publicadas pela Ebal [6] . Assim como a EBAL, a Bloch também publicou histórias de autores brasileiros como o nipo-brasileiro Júlio Shimamoto.[6]

Tanto na revista da EBAL, quanto na da Bloch, eram comuns as publicações de matérias e pôsteres sobre Bruce Lee, David Carradine e outros atores de filmes de artes marciais [1] [8] .

Encerrado o período da Bloch, Shang Chi passou para a Editora Abril, sendo um personagem de destaque dos mixes das revistas Capitão América, Heróis da TV e Superaventuras Marvel, além de estrelar com exclusividade algumas revistas especiais.[6]

Histórico ficcional[editar | editar código-fonte]

Shang-Chi nasceu na província de Hunan, na China. Ele é o filho de Fu Manchu, um criminoso internacional. Desde cedo ele foi treinado em artes marciais chinesas.[6]

Shang-Chi foi enviado para assassinar um inimigo de seu pai, mas descobriu que seu pai era um criminoso poderoso, rebelando-se contra ele.[6]

Sua série "original", terminou com a morte de seu pai, quando então Shang-Chi decide abandonar o serviço secreto inglês e peregrinar pelo mundo, buscando a iluminação espiritual.

O personagem só apareceu anos depois, em uma história juntamente com os X-Men, onde eles se aliam à Sebastian Shaw e vão a Hong Kong em busca do Elixir Vitae', a suposta substância criada pelo Pai de Shang Chi (que tencionava alcançar a imortalidade), da qual se esperava que curasse o Vírus Legado. Na batalha, eles se confrontam com Wilson Fisk, o Rei do Crime, que havia assumido o controle do mundo do crime de Hong Kong, após a derrocada de seu império em Nova York. Com o sucesso da história, o personagem foi incorporado no Selo Marvel Knights e, posteriormente, transferido para o Marvel Max.[6]

Como a Marvel não renovou a licença de uso dos personagens de Sax Rohmer, o pai de Shang-Chi não pode mais ser chamado de Fu Manchu[6] e atualmente chama-se Zheng Zu[13]


Referências

  1. a b c Eloy Pacheco. ri Bruce Lee, Shang Chi & Kill Bill
  2. Sérgio Codespoti (22/09/2010). DC Entertainment transfere funcionários da DC Comics para a Califórnia Universo HQ.
  3. Equipe do UHQ.Entrevista Jim Starlin - Um sucesso escrito nas estrelas. Universo HQ
  4. a b c Cláudio Roberto Basílio (14/09/2006). As Artes Marcias nas HQs - Parte 1 HQManiacs.
  5. Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). "1970s". Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging. Dorling Kindersley. p. 76. ISBN 978-0756692360.
  6. a b c d e f g h i j k l Cláudio Roberto Basílio (30/11/2006). As Artes Marcias nas HQs - Parte 4 HQManiacs.
  7. a b Cláudio Roberto Basílio (11/10/2006). As Artes Marcias nas HQs - Parte 2 HQManiacs.
  8. a b c Gilberto M. M. Santos (2005). Kung Fu #1 (Ebal) Universo HQ.
  9. a b c Toni Rodrigues (2007). Kung Fu #2 (Ebal) Universo HQ.
  10. Quando a nomenclatura faz a diferença (em português) Universo HQ (8 de maio de 2008). Visitado em 16 de maio de 2010.
  11. Roberto Guedes (16/08/2004). O Incrível Império da Charlton HQManiacs.
  12. Marko Ajdaric (22/02/2005). Está no ar o Tebeosfera número 18 Universo HQ.
  13. David Richards (04/04/2014). Benson Unleashes Shang-Chi's "Deadly Hands of Kung Comic Book Resources.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]