Shang-Chi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Mestre do Kung Fu)
Ir para: navegação, pesquisa
Shang-Chi
Outro(s) nome(s) Shang-Chi
Espécie Humano
Afiliações MI6
Marvel Knights
Criado por Steve Englehart
Jim Starlin
Primeira aparição Marvel Special Edition #15 (Dez. de 1973)
Editora(s) Marvel Comics
Espécie Humano
Afiliações MI6
Marvel Knights
Habilidades Superatleta e praticante de todas Artes marciais ja inventadas .

Shang-Chi (em chinês: 上氣 , transl. shàng qì, literalmente A ascensão do espírito) muitas vezes chamado de Mestre do Kung Fu, é um herói lançado pela Marvel. Criado por Steve Englehart e Jim Starlin. Ele não tem superpoderes especiais, mas demonstra habilidades extraordinárias nas artes marciais e é um mestre de Wushu (um nome genérico para várias artes marciais chinesas).

Histórico da Publicação[editar | editar código-fonte]

O personagem foi concebido no final de 1972, para aproveitar o sucesso da série televisiva Kung Fu, estrelada por David Carradine.[1]

Como não conseguiu autorização da Time Warner (que desde 1969 é dona da DC Comics),[2][3] a editora adquiriu a licença de uso de Fu Manchu, um vilão das revista pulp criado por Sax Rohmer.[4]


Shang-Chi apareceu pela primeira vez em "Special Marvel Edition" #15 (Dezembro de 1973) por Steve Englehart e Jim Starlin. As 14 primeiras edições da revista traziam reedições de histórias de super-heróis da Marvel. Shang-Chi apareceu novamente na edição 16, e na edição 17 (Abril de 1974) o título foi mudado para "The Hands of Shang-Chi: Master of Kung Fu". Em meio ao sucesso das artes marciais nos Estados Unidos na década de 1970, a revista tornou-se muito popular, sendo publicada até a edição 125 (Junho de 1983), incluindo quatro edições "giant-size" e um anual. Ele co-estrelou com o Homem-Aranha em Giant-Size Spider-Man # 2[5] e Marvel Team-Up 84 e 85. Shang-Chi encontrou o Coisa em Marvel Two-in-One # 29. Special Collector's Edition #1 (1975) republicou histórias de Deadly Hands of Kung-Fu #1-2; Deadly Hands of Kung-Fu Special #1; and Special Marvel Edition #15. Ele participou em crossovers com outros artistas marciais da Marvel, incluindo Tigre Branco, Punho de Ferro e Filhas do Dragão (Colleen Wing + e Misty Knight) e foi publicado regularmente em Deadly Hands of Kung Fu.

O desenhista Jim Starlin se inspirou nas feições do ator americano David Carradine (interprete do personagem sino-americano Kwai Chang Caine da série Kung Fu), com a entrada do desenhista Paul Gulacy o herói ganhou as feições do ator chinês Bruce Lee.[6]


Paul Gulacy era um fã de cinema, e muitos personagens foram inspirados em estrelas de cinema: Juliette em Marlene Dietrich, James Larner em Marlon Brando, Clive Reston (muitas vezes amplamente insinuado como sendo o filho de James Bond, bem como o sobrinho-neto de Sherlock Holmes), ocasionalmente, se parecia com Basil Rathbone e Sean Connery, e um personagem menor Ward Sarsfield (inspirado no nome real de Sax Rohmer, Arthur Henry Sarsfield Ward) que se parecia com David Niven. Em Master of Kung Fu #19, Shang-Chi (já com as feições de Bruce Lee) conhece um lutador chamado Lu Sung, o lutador possuía o rosto parecido com o de Carradine e ostentava um bigode.[6]


Como a Marvel não renovou a licença de uso dos personagens de Sax Rohmer, o pai de Shang-Chi não pode mais ser chamado de Fu Manchu[6] e atualmente chama-se Zheng Zu.[7] Em 2015, a editora anunciou que obteve a licença apenas para republicar as histórias dos anos 70.[8]


Publicações no Brasil[editar | editar código-fonte]

O personagem estreou no Brasil na revista Kung Fu da EBAL.[4] Outros personagens da Marvel publicados nessa revista foram os denominados Filhos do Tigre.[9][10]

A revista tinha o formato inspirado na revista da Marvel Comics, Deadly Hands of Kung Fu e assim como ela adotou o formato magazine (usado em revistas como a Veja) e impressa em preto e branco. Revistas em quadrinhos desse tipo eram usadas para publicar material para adultos[11] e não sofriam censuras do Comics Code Authority.[12]

A revista da EBAL também publicou material das editoras estrangeiras Charlton (Yang, claramente inspirado na série de TV estrelada por Carradine)[4][13], DC (Richard Dragon, Kung Fu Fighter)[9], Marvel Comics e Selecciones Ilustradas (da Espanha).[14]

A Edição 21 trouxe a biografia em quadrinhos de Bruce Lee publicada originalmente na revista Deadly Hands of Kung Fu #28 (revista que publicava histórias protagonizadas por Shang-Chi ),[11] escrita por Martin Sands e desenhada por Joe Staton.[1][6]

Shang-Chi teve histórias publicadas até a quinta edição (quando passou a ter uma revista própria na Editora Bloch). Na sexta edição surgiu uma criação própria, uma personagem com as feições inspiradas em David Carradine e roupas similares a de Shang-Chi, chamado apenas de Kung Fu.[6][10][11]

A editora já havia feito algo parecido com O Judoka, criado para suprir a falta de histórias do Judomaster da Charlton.[6] Após a edição 27, Kung Fu não teve mais histórias publicadas pela EBAL[6]. Assim como a EBAL, a Bloch também publicou histórias de autores brasileiros como o nipo-brasileiro Júlio Shimamoto.[6]

Tanto na revista da EBAL, quanto na da Bloch, eram comuns as publicações de matérias e pôsteres sobre Bruce Lee, David Carradine e outros atores de filmes de artes marciais [1][10].

Encerrado o período da Bloch, Shang Chi passou para a Editora Abril, sendo um personagem de destaque dos mixes das revistas Capitão América, Heróis da TV e Superaventuras Marvel, além de estrelar com exclusividade algumas revistas especiais.[6]

Histórico ficcional[editar | editar código-fonte]

Shang-Chi nasceu na província de Hunan, na China. Ele é o filho de Fu Manchu, um criminoso internacional. Desde cedo ele foi treinado em artes marciais chinesas.[6]

Shang-Chi foi enviado para assassinar um inimigo de seu pai, mas descobriu que seu pai era um criminoso poderoso, rebelando-se contra ele.[6]

Sua série "original", terminou com a morte de seu pai, quando então Shang-Chi decide abandonar o serviço secreto inglês e peregrinar pelo mundo, buscando a iluminação espiritual.

O personagem só apareceu anos depois, em uma história juntamente com os X-Men, onde eles se aliam à Sebastian Shaw e vão a Hong Kong em busca do Elixir Vitae, a suposta substância criada pelo Pai de Shang Chi (que tencionava alcançar a imortalidade), da qual se esperava que curasse o Vírus Legado. Na batalha, eles se confrontam com Wilson Fisk, o Rei do Crime, que havia assumido o controle do mundo do crime de Hong Kong, após a derrocada de seu império em Nova York. Com o sucesso da história, o personagem foi incorporado no Selo Marvel Knights e, posteriormente, transferido para o Marvel Max.[6]


Poderes e habilidades[editar | editar código-fonte]

Embora nunca tenha sido determinada exatamente a extensão das habilidades de luta de Shang-Chi , ele já provou ter batido em diversos adversários considerados sobre-humanos. Shang-Chi é classificado como um atleta, mas ele é um dos melhores artistas marciais não-super-humanos do Universo Marvel e tem dedicado grande e extensiva parte de sua vida ao aprendizado e aperfeiçoamento das artes marciais, sendo referido por alguns como o maior lutador de mãos vazias e praticante de kung-fu vivo. Grande parte de suas habilidades físicas parecem originar-se de seu domínio absoluto do chi, que muitas vezes lhe permite superar em muito as limitações físicas de atletas normais. Ele também, já demonstrou inúmeras vezes a capacidade de desviar de balas de metralhadoras e rifles de precisão, e é capaz de desviar de tiros com os seus braceletes. Shang-Chi também ,é extremamente treinado nas artes de concentração e meditação, e é um especialista em diversas armas manuais, incluindo espadas, bastões, nunchaku, e shuriken. É dito também, que Shan-Chi ao longo de sua vida, praticou arduamente todos os estilo de artes marciais conhecidas no planeta, bem como, as que há muito, já foram esquecidas pela própria humanidade.

Referências

  1. a b c Eloyr Pacheco. Bruce Lee, Shang Chi & Kill Bill
  2. Sérgio Codespoti (22 de setembro de 2010). «DC Entertainment transfere funcionários da DC Comics para a Califórnia». Universo HQ 
  3. Equipe do UHQ.Entrevista Jim Starlin - Um sucesso escrito nas estrelas. Universo HQ
  4. a b c Cláudio Roberto Basílio (14 de setembro de 2006). «As Artes Marcias nas HQs - Parte 1». HQManiacs 
  5. Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). "1970s". Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging. Dorling Kindersley. p. 76. ISBN 978-0756692360.
  6. a b c d e f g h i j k l Cláudio Roberto Basílio (30 de novembro de 2006). «As Artes Marcias nas HQs - Parte 4». HQManiacs 
  7. David Richards (4 de abril de 2014). «Benson Unleashes Shang-Chi's "Deadly Hands of Kung». Comic Book Resources 
  8. Terry & Rachel Dodson Cover "Master of Kung Fu" Omnibus
  9. a b Cláudio Roberto Basílio (11 de outubro de 2006). «As Artes Marcias nas HQs - Parte 2». HQManiacs 
  10. a b c Gilberto M. M. Santos (2005). «Kung Fu #1 (Ebal)». Universo HQ 
  11. a b c Toni Rodrigues (2007). «Kung Fu #2 (Ebal)». Universo HQ 
  12. Sérgio Codespoti (8 de maio de 2008). «Quando a nomenclatura faz a diferença». Universo HQ. Consultado em 16 de maio de 2010 
  13. Roberto Guedes (16 de agosto de 2004). «O Incrível Império da Charlton». HQManiacs 
  14. Marko Ajdaric (22 de fevereiro de 2005). «Está no ar o Tebeosfera número 18». Universo HQ 


Ligações externas[editar | editar código-fonte]