Homem-Aranha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Homem Aranha)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Homem-Aranha (desambiguação).
Homem-Aranha
Amazing Spider-Man.jpg
Capa de The Amazing Spider-Man vol. 2, #50 (Abril de 2003)

Arte de J. Scott Campbell e Tim Townsend

Dados da publicação
Publicado por Marvel Comics
Primeira aparição Amazing Fantasy #15
(Agosto de 1962)
Criado por Stan Lee
Steve Ditko
Características do personagem
Alter ego Peter Benjamin Parker
Espécie Humano Geneticamente Modificado
Terra natal Queens, Nova York
Afiliações Clarim Diário
Vingadores
Novos Vingadores
Fundação Futuro
Defensores
Novo Quarteto Fantástico[1]
Heróis de Aluguel[2]
Vingadores Secretos
Instituto Jean Grey[3]
Indústrias Parker
Ocupação ex-Estudante, Inventor, Fotógrafo, Vigilante, Cientista (formado em biofísica e bioquímica), CEO das Indústrias Parker
Parceria Tocha Humana, Ben Reilly, Wolverine, Capitão América, Hulk, Homem de Ferro, Miles Morales, Batman (em crossover com a DC Comics), Demolidor, Cavaleiro da Lua
Base de operações Nova York
Parentesco Richard Parker (pai morto), Mary Parker (mãe morta), Benjamin Parker (tio morto), May Parker (tia), Mary Jane Watson (esposa), May "May Day" Parker (filha em um futuro alternativo)
Situação presente Ativo
Codinomes conhecidos Garoto-Aranha, Cabeça de Teia, Aranha de Ferro, Teioso, Escalador de paredes, Amigo da Vizinhança
Habilidades
  • Força, resistência, reflexos, equilíbrio, agilidade e velocidade sobre-humanas
  • Escalar paredes (seus pés e mãos possuem pequenos pêlos que aderem a qualquer superfície)
  • Geração de teias (através dos seus lançadores de teia)
  • Sentido aranha (sentido de aranha precognitivo que o avisa do perigo iminente)
  • Intelecto genial
  • Mestre em combate corpo-a-corpo
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada

O Homem-Aranha (Spider-Man no original em inglês) alter-ego de Peter Parker, é um personagem fictício, um super-herói que aparece nas revistas em quadrinhos (banda desenhada em Portugal) americanas publicadas pela Marvel Comics, existindo no seu universo partilhado. O Homem-Aranha foi criado pelo editor/escritor Stan Lee e pelo escritor/artista Steve Ditko, e a sua primeira aparição foi no livro de antologia Amazing Fantasy #15 (Agosto de 1962), durante a Era de Prata da banda desenhada. Lee e Ditko conceberam o personagem como um órfão, que foi educado e criado pela sua Tia May e o seu Tio Ben, e, enquanto adolescente, tem de lidar com as lutas diárias normais da sua idade, em adição àquelas que tem como combatente do crime mascarado. Para combater os seus inimigos, os criadores deram-lhe super força e agilidade, a habilidade de conseguir aderir na maior parte das superfícies, a possibilidade de disparar teias de aranha através de mecanismos montados nos pulsos (inventados por ele próprio, a que ele chama "lança-teia" - "web-shooters") e consegue reagir precognitivamente ao perigo com o seu "sentido-aranha" ("spider-sense"). Os seus poderes foram adquiridos após ter sido mordido por uma aranha radioativa.

Quando o Homem-Aranha apareceu pela primeira vez, no inicio da década de 1960, os adolescentes nas revistas em quadrinhos de super-heróis eram habitualmente relegados para papeis secundários, como coadjuvantes do protagonista. A série Spider-Man abriu um novo território ao apresentar Peter Parker, o estudante por detrás da identidade secreta do Homem-Aranha, com as suas "auto-obsessões com a rejeição, inadaptações e solidão", algo com que os leitores mais jovens se podiam identificar.[4] Apesar de ter todas as características de um coadjuvante, ao contrário de outros heróis adolescentes como Bucky e Robin, o Homem-Aranha não tem nenhum super-herói mentor, como o Capitão América e o Batman; ele teve que aprender sozinho que "com o grande poder vem sempre uma grande responsabilidade" — uma frase incluída no último painel da primeira história do Homem-Aranha,[5] mais tarde atribuída retroativamente ao seu Tio Ben.

A Marvel fez aparecer o Homem-Aranha em várias séries de banda desenhada, a primeira das quais, e a mais longa, chamada The Amazing Spider-Man. Ao longo dos anos, Peter Parker desenvolveu-se de um rapaz do ensino médio tímido e lerdo para um conturbado estudante universitário, para um professor casado, e no final da década de 2000, um fotografo independente (freelancer), o seu papel adulto mais típico. Na década de 2010, junta-se aos Vingadores e ao Quarteto Fantástico, duas das equipes de super-heróis mais populares da Marvel. Na história de 2012–2014, Peter Parker morre enquanto a sua mente está no corpo do seu inimigo Dr. Octopus; Octopus vive dentro do corpo de Parker, ficando com o papel de Homem-Aranha em The Superior Spider-Man, até regressar ao seu próprio corpo.[6] Separadamente, a Marvel também publicou livros com versões alternativas do herói, incluindo Spider-Man 2099, que conta as aventuras de Miguel O'Hara, o Homem-Aranha do futuro; Ultimate Spider-Man, que conta as aventuras do adolescente Peter Parker num universo alternativo; e Ultimate Comics Spider-Man, que fala do jovem Miles Morales, que toma o manto do Homem-Aranha depois deste ter supostamente morrido em Ultimate.

O Homem-Aranha é um dos super-heróis mais populares e mais bem sucedidos comercialmente.[7] Como o personagem símbolo e mascote da Marvel, já apareceu em inúmeras formas de mídia, incluindo em várias séries de televisão animadas e ao vivo, tiras de jornais sindicados, em videojogos e numa série de filmes em que foi interpretado por Tobey Maguire (2002–2007), Andrew Garfield (2012–2014),[8] e Tom Holland que tem o papel da personagem no Universo Cinematográfico da Marvel, começando em 2016 com Capitão América: Guerra Civil. Reeve Carney desempenhou o papel de Homem-Aranha no musical da Broadway, Spider-Man: Turn Off the Dark.[9] O Homem-Aranha tem sido bem recebido como personagem de banda desenhada e como super-herói. Quase sempre reconhecido como a personagem topo da Marvel Comics, é geralmente classificado como um dos maiores personagens dos quadrinhos de todos os tempos, juntamente com Superman e Batman, da DC Comics. A Empire colocou-o no quinto lugar na lista dos "50 Melhores Personagens de Sempre da Banda Desenhada",[10] a Wizard colocou-o em terceiro numa lista feita para o seu website.[11] Tal como o IGN no seu Top 100 dos "Melhores Heróis de Sempre da Banda Desenhada", atrás do Superman e do Batman.[12]

História de publicação[editar | editar código-fonte]

Criação e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Richard Wentworth como a Spider (Aranha) na revista The Spider. Stan Lee afirmou que era o nome desse personagem que o inspirou a criar o que se tornaria Homem-Aranha.[13]

Em 1962, com o sucesso do Quarteto Fantástico, o editor da Marvel Comics e editor-chefe, Stan Lee, estava lançando uma ideia de um novo super-herói. Ele disse que a ideia do Homem Aranha surgiu após o aumento do interesse dos adolescentes para os quadrinhos, e o desejo de criar um personagem com quem os adolescentes pudessem se identificar.[14] Em sua autobiografia, Lee cita o combatente do crime, The Spider, de uma revista pulp que não era um super-herói como uma grande influência. Em várias entrevistas, Lee indicou que foi mais inspirado por ver uma aranha escalar em cima de uma parede. Em sua autobiografia, ele disse que contou esta história tantas vezes que ele se tornou inseguro de saber se isso é verdade ou não.[15] Embora naquela época, os super-heróis adolescentes geralmente recebessem nomes que terminavam com "boy", Lee afirmou que ele escolheu "Spider- Man" porque queria que o personagem envelhecesse à medida que a série progredia e, além disso, sentia que o nome de "Spider-Boy", teria feito o personagem parecer inferior a outros super-heróis.[16] Naquela época, Lee teve que obter apenas o consentimento do editor da Marvel, Martin Goodman, para a aprovação do personagem. Em uma entrevista de 1986, Lee descreveu em detalhes seus argumentos para superar as objeções de Goodman.[17] Goodman finalmente concordou com um teste para o Homem-Aranha, no qual Lee lembrou em várias entrevistas que seria a edição final da série de ficção científica e sobrenatural, Amazing Adult Fantasy, que foi renomeada Amazing Fantasy para esta única edição, #15 (capa de agosto de 1962, à venda em 5 de junho de 1962).[18] Em particular, Lee afirmou que o fato de que já havia sido decidido que Amazing Fantasy seria cancelada após a edição #15, foi a única razão pela qual Goodman permitiu que ele usasse Homem-Aranha. Enquanto está era a edição final, sua página editorial antecipou a continuação dos quadrinhos e que "o Homem-Aranha ... aparecerá todos os meses em Amazing."[19]

Independentemente disso, Lee recebeu a aprovação de Goodman para o nome Homem-Aranha e o conceito de "adolescente comum", e se aproximou do artista Jack Kirby. Como o historiador de quadrinhos, Greg Theakston narra, Kirby disse a Lee sobre um personagem inédito que ele tinha colaborado com Joe Simon na década de 1950, em que um menino órfão vivia com um velho casal e encontrava um anel mágico que concedeu-lhe poderes sobre-humanos. Lee e Kirby, "imediatamente sentaram-se para uma conferência sobre a história", escreveu Theakston. Lee posteriormente falou para Kirby caracterizar o personagem e desenhar algumas páginas. Steve Ditko seria o arte-finalista.[20] Quando Kirby mostrou á Lee as seis primeiras páginas, ele lembrou: "Eu odiava a maneira que ele estava fazendo isso! Não que ele fez isto ruim - não era o personagem que eu queria; era muito heroico ". Lee voltou-se para Ditko, que desenvolveu o estilo visual que Lee considerou satisfatório. Ditko lembrou:[21]

Uma das primeiras coisas que fiz foi inventar o traje. Uma parte vital e visual do personagem. Eu tinha que saber como ele parecia ... antes de eu fazer qualquer coisa. Por exemplo: um poder de agarrar as coisas para que ele não tivesse sapatos rígidos ou botas, um atirador de pulso escondido com uma arma de teias, e etc ... Eu não tinha certeza se Stan gostava da ideia de cobrir o rosto dele, mas eu fiz isto porque escondeu um rosto bastante juvenil. Seria também adicionar mistério para o personagem.

Embora a obra de arte interior foi feita por Ditko sozinho, Lee rejeitou a arte de capa do Ditko e encarregou Kirby de desenhar uma capa que Ditko finalizaria.[18] Lee explicou em 2010 que, "eu acho que eu tinha Jack para esboçar uma capa para ele, porque eu sempre tinha muita confiança nas capas do Jack."[22]

Capa da revista Amazing Fantasy #15 (Agosto de 1962), que apresentou o herói. O sucesso comercial do super-herói inspirou o lançamento da revista The Amazing Spider-Man. Arte da capa de Jack Kirby (pincéis) e por Steve Ditko (arte-finalista).

Em uma lembrança da criação do personagem, Ditko descreveu suas contribuições e de Lee em uma entrevista com Gary Martin publicada no Comic Fan # 2 (verão de 1965): "Stan Lee pensou o nome. Eu fiz o traje, o lança-teias, fotorreceptora no pulso e sinal aranha".[23] Na época, Ditko compartilhou um estúdio de Manhattan com o famoso artista de fetiche, Eric Stanton, um colega de escola de arte que, em uma entrevista de 1988 com Theakston, lembrou que embora sua contribuição para o Homem-Aranha era "quase nula", ele e Ditko tinham "trabalhado em storyboards juntos e eu adicionei algumas idéias, mas a coisa toda foi criada por Steve por conta própria ... eu acho que adicionei o lança-teias que saem de suas mãos".[21]

Kirby contestou a versão de Lee da história, e alegou que Lee teve envolvimento mínimo na criação do personagem. De acordo com Kirby, a ideia do Homem-Aranha tido sido originada por Kirby e Joe Simon, que na década de 1950 tinha desenvolvido um personagem chamado Silver Spider para a revista Black Magic da Crestwood Publications, que posteriormente não foi usada. Simon, em sua autobiografia de 1990, negou o relato de Kirby, afirmando que Black Magic não era um fator, e que ele (Simon) inventou o nome "Spider-Man" (mais tarde mudado para "The Silver Spider"), enquanto Kirby delineava a história do personagem e competências. Simon afirmou mais tarde que a concepção do personagem dele e de Kirby tornou-se a base para Fly, seu super-herói na Archie Comics.[24] Steve Ditko afirmou que Lee gostou do nome Gavião Negro da DC Comics, e que "Homem-Aranha" foi uma conseqüência desse interesse.[25]

Simon concordou que Kirby havia mostrado a versão original do Homem-Aranha a Lee, que gostou da ideia e designou Kirby para desenhar páginas de amostra do novo personagem, mas não gostou dos resultados - na descrição de Simon, "Capitão América com teias de aranha". O escritor Mark Evanier observou que o raciocínio de Lee era que o personagem de Kirby era demasiado heroico e parecia improvável. Kirby ainda desenhou as capas de Amazing Fantasy #15 e a primeira edição de The Amazing Spider-Man. Evanier também contesta a razão dada por Kirby de que ele estava "muito ocupado" para desenhar Homem-Aranha, já que Kirby estava "sempre ocupado". Nenhuma das explicações de Lee e Kirby esclarece por que os elementos da história como o anel mágico foram abandonados; Evanier afirma que a explicação mais plausível para a mudança repentina foi que Goodman, ou um de seus assistentes, decidiu que o Homem-Aranha como desenhado e imaginado por Kirby era muito semelhante à Fly.[26]

Um autor e estudioso de Ditko, Blake Bell, escreve que foi Ditko que observou as semelhanças com Fly. Ditko lembrou que, "Stan chamou Jack sobre o Fly", acrescentando que "dias mais tarde, Stan me disse que eu estaria escrevendo a arte interna para a sua história". Foi neste ponto que a natureza do quadrinho mudou. "Saiu o anel mágico, o Homem-Aranha adulto e quaisquer idéias lendárias que a história do Homem-Aranha poderia conter". Lee deu a Ditko uma premissa de um adolescente mordido por uma aranha e ganhando poderes, uma premissa que Ditko expandiria até o ponto que ele se tornou o que Bell descreve como "o primeiro artista de aluguel da sua geração para criar e controlar o arco narrativo de sua série". Sobre a questão da criação inicial, Ditko declara: "Ainda não sei de quem foi a ideia do Homem-Aranha".[27] Kirby observou em uma entrevista de 1971 que foi Ditko que, "conseguiu que o Homem-Aranha engrenasse, e a coisa deu certo por causa do que ele fez".[28] Lee, ao mesmo tempo que reivindica o crédito pela idéia inicial, reconheceu o papel de Ditko, afirmando: "Se Steve quer ser chamado de co-criador, acho que ele merece".[29] Ele comentou ainda que o design do figurino de Ditko foi a chave para o sucesso do personagem; Desde que o traje cobre completamente o corpo do Homem-Aranha, pessoas de todas as etnias poderiam visualizar-se dentro do traje e assim identificar-se mais facilmente com o personagem. O escritor Al Nickerson acredita que "Stan Lee e Steve Ditko criaram o Homem-Aranha com o qual estamos familiarizados hoje [mas que], em última análise, o Homem-Aranha surgiu e prosperou, através dos esforços de não apenas um ou dois, mas muitos, escritores de quadrinhos".[30]

Sucesso comercial[editar | editar código-fonte]

Poucos meses após a introdução do Homem-Aranha, Goodman revisou os números de vendas para está edição e ficou chocado ao descobrir que era um dos quadrinhos mais vendidos da Marvel.[31] A série que se seguiu, The Amazing Spider-Man # 1 (março de 1963) transformou-se eventualmente na série mais vendida de Marvel,[4] com o personagem rapidamente virando um ícone cultural; Uma pesquisa da Esquire nos campi universitários de 1965, relatou que os estudantes classificaram Homem-Aranha, o Hulk, ao lado de Bob Dylan e Che Guevara como seus ícones revolucionários favoritos. Um entrevistado escolheu Homem-Aranha porque ele estava "sofrendo com problemas, problemas de dinheiro e questões existências. Em suma, ele é um de nós".[4] Após a saída de Ditko depois da edição #38 (julho de 1966), John Romita, Sr. substituiu-o nos pincéis e desenhou para a série durante vários anos. Em 1968, Romita também desenharia as histórias extra-longas do personagem na revista de quadrinhos The Spectacular Spider-Man, um romance proto-gráfico projetado para atrair leitores mais velhos. Só durou duas edições, mas representou a primeira publicação spin-off do Homem-Aanha, além das séries anuais que começaram em 1964.[32]

Uma história do Homem-Aranha dos anos 70 conduziu à censura do Comics Code. Anteriormente, o Código proibia a representação do uso de drogas ilegais, mesmo negativamente. No entanto, em 1970, o Departamento de Saúde, Educação e Bem-Estar da administração de Nixon, pediu a Stan Lee que publicasse uma mensagem antidrogas em um dos títulos mais vendidos da Marvel. Lee escolheu The Amazing Spider-Man, as edições # 96-98 (maio-julho de 1971) que apresentam um arco da história que descreve os efeitos negativos do uso da droga. Na história, o amigo de Peter Parker, Harry Osborn, se torna viciado em pílulas. Quando o Homem-Aranha luta contra o Duende Verde (Norman Osborn, o pai de Harry), ao derrota-lo é revelado a dependência de Harry. Embora a história tenha uma clara mensagem antidrogas, a Comics Code Authority se recusou a emitir o seu selo de aprovação. A Marvel, no entanto, publicou os três números sem o selo da Comics Code Authority. As edições venderam tão bem que a autocensura da indústria foi retirada e o código foi revisado subsequentemente.[4]

Doutor Octopus como Homem-Aranha, em The Superior Spider-Man #1 (janeiro de 2013)

Em 1972, uma segunda série mensal em curso estrelando Homem-Aranha começou: Marvel Team-Up, em que Homem-Aranha estrela com outros super-heróis e vilões. Neste momento houve duas séries do Homem-Aranha em circulação. Em 1976, sua segunda série solo, Peter Parker, the Spectacular Spider-Man começou em paralelo à série principal. [33] Uma terceira série com Homem-Aranha, A Teia do Aranha, foi lançada em 1985 para substituir Marvel Team-Up.[34] O lançamento de um quarto título mensal em 1990, Peter Parker: Spider-Man (com o enredo "Torment"), escrito e desenhado pelo popular artista Todd McFarlane, estreou com várias capas diferentes, todas com o mesmo conteúdo interior. As várias versões juntas venderam mais de 3 milhões de cópias, um recorde para indústria na época. Várias séries limitadas, one-shots e quadrinhos vagamente relacionados também foram publicados, e Homem-Aranha fez cameos frequentes e aparições convidadas em outras séries de quadrinhos.[33][35] Em 1996, o The Sensational Spider-Man foi criado para substituir a Teia do Aranha.[36]

Em 1998, o escritor-artista John Byrne renovou a origem do Homem-Aranha na série limitada de 13 edições, Homem-Aranha: Gênese (Dez. 1998 a outubro de 1999), semelhante a algumas revisões de Byrne à origem do Superman em The Man of Steel.[37] Ao mesmo tempo, o original The Amazing Spider-Man foi encerrado com a edição #441 (novembro de 1998), e reiniciado com vol. 2, #1 (Jan. de 1999). Em 2003, a Marvel reintroduziu a numeração original para The Amazing Spider-Man e o que teria sido vol. 2, #59 tornou-se a edição #500 (dez. de 2003).[38]

Quando a série primária The Amazing Spider-Man alcançou a edição #545 (dezembro de 2007), a Marvel cancelou seu spin-off em andamento e em vez disso, começou a publicar The Amazing Spider-Man três vezes por mês, começando com #546-548 (todas em janeiro de 2008).[39] A programação trimestral de The Amazing Spider-Man durou até novembro de 2010, quando a revista em quadrinhos foi aumentada de 22 páginas para 30 páginas cada edição e publicada apenas duas vezes por mês, começando com #648-649 (ambas nov. de 2010).[40] No ano seguinte, a Marvel lançou Avenging Spider-Man como o primeiro spin-off em andamento desde o cancelamento dos anteriores no final de 2007.[39] A série Amazing terminou temporariamente com a edição #700 em dezembro de 2012, e foi substituída pelo The Superior Spider-Man, onde o Dr. Octopus é o novo Homem-Aranha, tendo assumido o corpo de Peter Parker. Superior foi um enorme sucesso comercial para a Marvel,[41] e teve 31 edições antes do real Peter Parker retornar em um novo relançamento, The Amazing Spider-Man #1 em abril de 2014.[42]

Biografia ficcional do personagem[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cronologia do Homem-Aranha

Em Forest Hills, Queens, Nova York, o estudante de ensino médio, Peter Parker, é um órfão cientista que vive com seu tio Ben e tia May. Conforme ilustrado em Amazing Fantasy #15 (agosto de 1962), ele é mordido por uma aranha radioativa (erroneamente classificado como um inseto no painel) em uma exposição científica e "adquire a agilidade e a força proporcional de um aracnídeo".[43] Junto com a super força, Parker ganha a capacidade de andar entre as paredes e tetos. Através de sua habilidade nativa para a ciência, ele desenvolve um aparelho que o permitir lançar teias artificiais. Inicialmente buscando capitalizar suas novas habilidades, Parker cria um traje e, como "Homem-Aranha", torna-se uma estrela de televisão. No entanto, "ele alegremente ignora a chance de parar um ladrão em fuga, e sua indiferença ironicamente o afeta, quando o mesmo criminoso mais tarde rouba e mata seu tio Ben". Homem-Aranha rastreia e prende o assassino e no próximo painel da história é dito: "Com grande poderes também vêm grandes responsabilidades!".[44]

Apesar dos seus super poderes, Parker luta para ajudar sua tia viúva a pagar aluguel, é provocado por seus colegas - particularmente a estrela de futebol, Flash Thompson - e, como Homem-Aranha, engendra a ira do editor de jornais, J. Jonah Jameson.[45][46] Quando ele luta com seus inimigos inicialmente,[47] Parker acha difícil fazer malabarismos entre sua vida pessoal e aventuras como Aranha. Com o tempo, Peter se forma do ensino médio,[48] e se matricula na Universidade de Empire State (uma instituição fictícia que evoca a Universidade da Columbia e a Universidade de Nova York),[49] onde conhece o seu colega de quarto e melhor amigo, Harry Osborn, e sua namorada Gwen Stacy,[50] e a tia May o apresenta Mary Jane Watson.[47][51][52] Enquanto Peter lida com os problemas de drogas do Harry, após Norman Osborn ser revelado como inimigo do Homem-Aranha, o Duende Verde, Peter até tenta desistir de sua identidade fantasiada por um tempo.[53][54] O pai de Gwen Stacy, capitão-detetive da Polícia de Nova Iorque, George Stacy, é morto acidentalmente durante uma batalha entre Homem-Aranha e Doutor Octopus (#90, novembro de 1970).[55]

A Noite em que Gwen Stacy Morreu, é geralmente considerado o marco de viragem dos quadrinhos americanos: o fim da Era de Prata e início da Era de Bronze, mais sombria.[56]

Na edição 121 (junho de 1973),[47] o Duende Verde lança Gwen Stacy de uma torre na Ponte do Brooklyn (como ilustrada na arte) ou da Ponte George Washington (como consta no texto).[57][58] Ela morre durante a tentativa de resgate do Homem-Aranha; uma nota na página de cartas da edição #125 diz: "É triste dizer que o efeito do agarro que ela sofreu quando a correia de Aranha a parou de repente foi, de fato, o que a matou."[59] Na edição seguinte, o Duende parece matar-se acidentalmente na batalha que se seguiu com o Homem-Aranha.[60]

Tentando superar sua dor, Parker eventualmente desenvolve sentimentos hesitantes em relação a Watson, e os dois "tornam-se confidentes em vez de amantes".[61] Um relacionamento romântico eventualmente se desenvolve, com Parker a pedindo em casamento na edição #182 (julho de 1978), e sendo recusado na edição seguinte.[62] Parker se forma na faculdade na edição #185,[47] e se envolve com a tímida Debra Whitman e a extrovertida e ladra Felicia Hardy, a Gata Negra,[63] que ele encontra na edição #194 (julho de 1979).[47]

De 1984 a 1988, Homem-Aranha utilizava um traje preto com um desenho de uma aranha branca no peito. O novo traje se originou na série limitada Guerras Secretas, em um planeta alienígena onde o Homem-Aranha participa de uma batalha entre os maiores super-heróis e vilões da Terra.[64] Ele continua vestindo o traje quando ele retorna, começando em The Amazing Spider-Man #252. A mudança no visual do personagem gerou uma controvérsia, "com muitos fãs incondicionais de quadrinhos, descrevendo-o como equivalente a sacrilégio." O traje vermelho e azul do Homem-Aranha era icônico, eles argumentaram, a par com os de seus rivais da DC, Superman e Batman."[65] Então os criadores revelaram que o traje era um simbionte alienígena que o Homem-Aranha é capaz de retirar depois de uma luta difícil, [66] embora o simbionte volte várias vezes como Venom para se vingar.[47]

Parker propõe a Watson uma segunda vez em The Amazing Spider-Man #290 (julho de 1987), e ela aceita duas edições mais tarde, com o casamento acontecendo em The Amazing Spider-Man Annual #21 (1987). A cerimônia foi promovida com um casamento simulado na vida real usando modelos, incluindo Tara Shannon como Watson,[67] com Stan Lee oficializando a cerimônia em 5 de junho de 1987, em um evento no Shea Stadium.[68][69] No entanto, David Michelinie, que escreveu o enredo baseado no tratamento do editor-chefe, Jim Shooter, disse em 2007: "Eu não acho que eles deveriam ter se casado ... Eu realmente tinha planejado outra versão, que não foi usada".[68]

A cena do pacto de Peter com Mephisto, no enredo duramente criticado de One More Day. O historiador de quadrinhos, Peter Sanderson, criticou a Marvel por utilizar um elemento sobrenatural sem-sentido, fazer o herói realizar um pacto com o diabo, ao invés de lidar maduramente com a questão do divórcio, argumentando que os escritores tinham esquecidos as histórias do Homem Aranha que lidou com ele causando a morte do tio Ben, drogas e abuso infantil.[70]

Em um enredo controverso, Peter fica convencido de que Ben Reilly, a Aranha Escarlate (um clone de Peter criado por seu professor universitário, Miles Warren) é o verdadeiro Peter Parker, e que ele Peter, é o clone. Peter desiste da identidade de Homem-Aranha para Reilly por um tempo, até que Reilly é morto pelo Duende Verde que retorna e revelou ser o clone, afinal. Em histórias publicadas em 2005 e 2006 (como "O Outro"), ele desenvolve habilidades adicionais de aranha, incluindo teias de aranha biológicas, picadas tóxicas que se estendem de seus antebraços, a capacidade de colar os indivíduos em suas costas reforçada pelo senso-aranha, visão noturna, e maior força e velocidade. Peter torna-se mais tarde um membro dos Novos Vingadores, e revela sua identidade civil ao mundo,[71] promovendo seus problemas já numerosos. Seu casamento com Mary Jane e sua revelação ao público são posteriormente apagados em outro enredo controverso, "One More Day", em um acordo faustiano com o demônio Mephisto, resultando em vários ajustes na linha do tempo, como a ressurreição de Harry Osborn, apagando o casamento de Parker e o retorno de seus poderes tradicionais.[72]

Esse enredo veio a pedido do editor-chefe, Joe Quesada, que disse: "Peter sendo solteiro é uma parte intrínseca da própria fundação do mito do Homem-Aranha",[73] a história recebeu uma grande recepção negativa, especialmente dos fãs.[74] Isto também causou uma tensão entre Quesada e o escritor J. Michael Straczynski, que "disse a Joe que eu ia tirar o meu nome das duas últimas edições do arco [da história]", mas foi falado para não fazê-lo. Em relação ao clímax de Straczynski para o arco, Quesada explicou que a versão de Straczynski não se encaixava no retcon que ele e os outros artistas estavam tentando fazer.[74]

Após o "reboot", a identidade de Parker não era mais conhecida do público em geral; entretanto, ele a revelou para os outros super-heróis, [75] e outros têm deduzido. A tia de Parker se casou com o pai de J. Jonah Jameson, Jay Jameson. Parker tornou-se um empregado da empresa think-tank, Horizon Labs.[76] No número 700, o supervilão moribundo, o Doutor Octopus, troca os corpos com Parker, que permanece presente na mente do Doutor Octopus,[77] provocando um enredo de dois anos na série Superior Spider-Man em que Peter Parker está ausente e o doutor-polvo é o Homem-Aranha. Peter eventualmente recupera o controle de seu corpo.[78] Após o retorno de Peter Parker, The Amazing Spider-Man foi relançado em abril de 2014.[79] Em dezembro de 2014, após a morte de Wolverine na banda desenhada, Homem-Aranha tornou-se o novo diretor da Escola Jean Grey e começou a aparecer mais proeminente nas histórias dos X-Men, tendo o papel de Wolverine nos quadrinhos, Wolverine e X-Men, agora Homem-Aranha e X-Men.[80]

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Personalidade[editar | editar código-fonte]

"As pessoas geralmente dizem que a Marvel conseguiu misturar histórias de super-heróis com soap operas. O que Lee e Ditko realmente fizeram em The Amazing Spider-Man, foi fazer da série uma crônica romântica em andamento da vida do personagem principal. Não mais complexo ou relevante para os seus leitores do que frustrando os vilões do mês ... Parker tinha uma preocupação muito mais séria em sua vida: chegar a um acordo com a morte de um ente querido, apaixonar-se pela primeira vez, lutar para ganhar a vida e sofrer crises de consciência."

Peter Sanderson, historiador de quadrinhos.[81]

Como observou um jornalista contemporâneo: "O Homem-Aranha tem um problema de identidade terrível, um complexo de inferioridade marcado e um medo das mulheres. Ele é anti-social, castrado, atormentado pela culpa edipiana e propenso a acidentes. .. um neurótico funcional".[82] Agonizando sobre suas escolhas, sempre tentando fazer o que é certo, ele é, no entanto, visto com suspeita pelas autoridades, que parecem não ter certeza se ele é um vigilante útil ou um inteligente criminoso.[83]

Uma nota do historiador cultural, Bradford W. Wright:[4]

A situação de Homem-Aranha pode ser mal interpretada, e ele perseguido pelo próprio público que jurou proteger. Na primeira edição de The Amazing Spider-Man, J. Jonah Jameson, editor do Clarim Diário, lança uma campanha editorial contra a "ameaça do Homem-Aranha". A publicidade negativa resultante exacerba as suspeitas populares sobre o misterioso Homem-Aranha e torna impossível para ele ganhar mais dinheiro ao se apresentar. Eventualmente, a má imprensa leva as autoridades a chamá-lo de fora da lei. Ironicamente, Peter acaba tendo um emprego como fotógrafo para o Clarim Diário de Jameson.

As histórias em meados da década de 1960 refletiam as tensões políticas da época, e as histórias da Marvel haviam tratado freqüentemente da Guerra Fria e do comunismo neste período. Como observa Wright:[4]

De seu começo no colegial e sua entrada na vida da faculdade, o Homem-Aranha manteve-se o super-herói mais relevante ao mundo dos jovens. Portanto, seus quadrinhos também continha algumas das primeiras referências ao movimento estudantil. Em 1968, após as manifestações de estudantes militantes na Universidade de Columbia, Peter Parker encontra-se em meio a distúrbios semelhantes em sua Universidade Empire State ... Peter tem que reconciliar sua simpatia natural pelos estudantes com sua obrigação assumida de combater como o Homem-Aranha. Como um liberal que defende a lei, ele encontra-se preso entre o esquerdismo militante e os conservadores zangados.

Habilidades e equipamentos[editar | editar código-fonte]

A mordida de uma aranha radioativa desencadeia mutações no corpo de Peter Parker, concedendo-lhe superpoderes. Nas histórias originais de Lee-Ditko, o Homem-Aranha tem a capacidade de se agarrar às paredes, força sobre-humana, um sexto sentido ( "senso aranha") que o alerta do perigo, equilíbrio perfeito, velocidade e agilidade sobre-humanas.[84] O personagem foi originalmente concebido por Stan Lee e Steve Ditko como intelectualmente dotado, mas escritores posteriores descreveram seu intelecto em nível de gênio.[85] Academicamente brilhante, Parker tem experiência nas áreas de ciências aplicadas, química, física, biologia, engenharia, matemática e mecânica. Com seus talentos, costura sua própria fantasia para ocultar sua identidade, e constrói muitos dispositivos que complementam seus poderes, principalmente os atiradores mecânicos. Este mecanismo ejeta uma teia avançada, liberando o fluido da correia fotorreceptora em uma variedade de configurações, incluindo uma única corda para se balançar ou uma rede para enganar\amarrar seus inimigos, e um globo simples para atirar ou cegar um oponente. Ele também pode tecer a teia em diferentes formas como um escudo, uma proteção esférica, uma barreira hemisférica ou uma asa delta. Outros equipamentos incluem rastreadores-aranha, um farol de luz que pode ser usado como uma lanterna ou projetar o "sinal-aranha" e uma câmera especialmente modificada para tirar fotos automaticamente.[84]

Coadjuvantes[editar | editar código-fonte]

Casamento de Peter Parker e Mary Jane Watson no Homem Aranha Anual #21 (1987), arte de John Romita Sr.

O Cabeça de Teia teve uma grande variedade de personagens de apoio que são essenciais nas edições e histórias que estrelam. Depois que seus pais morreram, Peter Parker foi criado pela sua tia amorosa, May Parker, e seu tio que é a sua figura paterna, Ben Parker. Depois que tio Ben é assassinado por um ladrão, tia May é a única família de Peter, e eles dois são muito próximos.[43]

J. Jonah Jameson é retratado como o editor do Clarim Diário, o chefe de Peter Parker e um crítico duro do Homem-Aranha, sempre dizendo coisas negativas sobre o super-herói no jornal. No entanto, Robbie Robertson, confidente e editor de Jameson, é sempre apresentado como um defensor de Peter Parker e Homem-Aranha.[45]

Eugene "Flash" Thompson é comumente descrito como o valentão no colegial de Parker e intimidador, mas em quadrinhos posteriores, ele se torna um amigo de Peter.[45] Harry Osborn, filho de Norman Osborn, é mais comumente reconhecido como o melhor amigo de Peter, mas também tem sido retratado como seu rival nos quadrinhos.[47]

Os interesses românticos de Peter Parker variam com o tempo; sua primeira paixão foi a sua colega no ensino médio, Liz Allen,[45] e teve seu primeiro encontro com Betty Brant,[86] a secretária de J. Jonah Jameson no Clarim Diário. Depois da sua separação com Betty Brant, Parker eventualmente se apaixona por Gwen Stacy, sua namorada na faculdade e filha do chefe da Polícia de Nova York, George Stacy,[50] ambos mais tarde mortos por inimigos do Homem-Aranha.[55] Mary Jane Watson transformou-se na melhor amiga de Peter e então em sua esposa.[68] Felicia Hardy, a Gata Negra, é uma ex-assaltante que foi namorada e parceira do Homem-Aranha em certo ponto.[63]

Inimigos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Vilões de Homem-Aranha

Escritores e artistas ao longo dos anos criaram uma galeria de supervilões para enfrentar o Homem-Aranha, nos quadrinhos e em outras mídias. Tal como acontece com o herói, a maioria dos poderes dos vilões originam-se em acidentes científicos ou o uso indevido da tecnologia científica, e muitos têm trajes ou poderes de animais.[87] Exemplos são listados abaixo na ordem de sua aparência cronológica original. Nota: Personagens alter-egos que são os mais reconhecidos como o super-vilão mas outros compartilharam o nome está em negrito.      Indica uma equipe de vilões.

Nome do supervilão / nome da equipe de supervilões Notável alter ego / membros do grupo Primeira aparição Criador
Camaleão Dmitri Anatoly Nikolayevich The Amazing Spider-Man #1 (Março de 1963)[88][89] Stan Lee[88][89]
Steve Ditko[88][89]
Abutre Adrian Toomes The Amazing Spider-Man #2 (Maio de 1963)[90][91] Stan Lee[90][92]
Steve Ditko[90]
Doutor Octopus Doctor Otto Gunther Octavius The Amazing Spider-Man #3 (Julho de 1963)[89] Stan Lee[93][94]
Steve Ditko[14][94]
Homem-Areia William Baker/Flint Marko The Amazing Spider-Man #4 (Setembro de 1963)[95][96] Stan Lee[95][96]
Steve Ditko[95][96]
Lagarto Dr. Curt Connors The Amazing Spider-Man #6 (Novembro de 1963)[97][98][99] Stan Lee[97][98][99]
Steve Ditko[97][98][99]
Electro Maxwell Dillon The Amazing Spider-Man #9 (Fevereiro de 1964)[100][101] Stan Lee[102]
Steve Ditko[102]
Mystério Quentin Beck The Amazing Spider-Man #13 (Junho de 1964)[103] Stan Lee[103][104]
Steve Ditko[103][104]
Duende Verde[105] Norman Osborn

Harry Osborn[106]

The Amazing Spider-Man #14 (Julho de 1964)[105] Stan Lee[105][107]
Steve Ditko[105][107]
Kraven Sergei Kravinoff The Amazing Spider-Man #15 (Agosto de 1964)[108][109] Stan Lee[108]
Steve Ditko[108]
Sexteto Sinistro[110] Vários membros The Amazing Spider-Man annual #1 (1964) Stan Lee[111]
Steve Ditko[111]
Escorpião Mac Gargan The Amazing Spider-Man #20 (Janeiro de 1965) Stan Lee[112]
Steve Ditko[112]
Rino Aleksei Mikhailovich Sytsevich The Amazing Spider-Man #41 (Outubro de 1966)[113] Stan Lee[114]
John Romita, Sr.[114]
Shocker Herman Schultz The Amazing Spider-Man #46 (Março de 1967)[115] Stan Lee[116]
John Romita, Sr.[116]
Rei do Crime Wilson Fisk The Amazing Spider-Man #50 (Julho de 1967)[117][118] Stan Lee[119]
John Romita, Sr.[119]
Morbius[120] Michael Morbius The Amazing Spider-Man #101 (Janeiro de 1971)[121] Roy Thomas[121]
Gil Kane[122]
Chacal[123] Miles Warren The Amazing Spider-Man #129 (Fevereiro de 1974)[123] Gerry Conway[123]
Ross Andru[123]
Gata Negra Felicia Hardy The Amazing Spider-Man #194 (Julho de 1979)[124] Marv Wolfman
Keith Pollard[124]
Duende Macabro Roderick Kingsley
Jason Macendale
The Amazing Spider-Man #238 (Março de 1983) Roger Stern[125][126]
John Romita Sr.[125][127]
Venom Eddie Brock The Amazing Spider-Man #299[128][129] David Michelinie[130]
Todd McFarlane[131]
Carnificina Cletus Kasady The Amazing Spider-Man #361 (Abril de 1992)[132] David Michelinie[133][134]
Erik Larsen[135]
Mark Bagley[133]

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

Placa do Homem-Aranha em The Amazing Adventures of Spider-Man, em Islands of Adventure, Flórida.

Em The Creation of Spider-Man, o escritor e editor de quadrinhos, Paul Kupperberg, chama os superpoderes do personagem de "nada muito original"; o que era original estava fora da sua identidade secreta, ele era um "estudante nerd do ensino médio". Em contraponto as tarefas típicas de super-herói, Home-Aranha incluía "doses pesadas de soap-operas e elementos de melodrama". Kupperberg sente que Lee e Ditko criaram algo novo no mundo dos quadrinhos: "o super-herói falho com problemas diários". A insegurança e as ansiedades nos comics da Marvel nos anos 60, como The Amazing Spider-Man, The Incredible Hulk e X-Men, inauguraram um novo tipo de super-herói, muito diferente dos super-heróis corretos e todo-poderosos antes deles, e mudou a percepção pública.[136] Homem-Aranha tornou-se um dos personagens de ficção mais reconhecíveis do mundo e tem sido utilizado para vender brinquedos, jogos, cereais, doces, sabão e muitos outros produtos.[137]

Homem-Aranha tornou-se a estrela da Marvel, e tem sido muitas vezes utilizado como a mascote da empresa. Quando a Marvel se tornou a primeira empresa de quadrinhos a ser listada na Bolsa de Valores de Nova York em 1991, o Wall Street Journal anunciou que "Homem-Aranha está chegando a Wall Street"; O evento foi, por sua vez promovido com um ator em um traje de Homem-Aranha acompanhando Stan Lee para a Bolsa de Valores.[4] Desde 1962, centenas de milhões de quadrinhos com o personagem foram vendidos em todo o mundo.[138]

Homem-Aranha juntou-se a Macy's Thanksgiving Day Parade de 1987 a 1998 como um dos flutuadores do balão,[139] projetado por John Romita Sr.,[140] um dos principais artistas do personagem. Um flutuador novo, diferente do balão do Homem-Aranha apareceu entre 2009 a 2011.[139]

O presidente americano, Barack Obama, fingindo ser preso por um garoto vestido de Homem-Aranha na Casa Branca.

Quando a Marvel quis emitir uma história que lidasse com as conseqüências imediatas dos ataques de 11 de setembro, a companhia escolheu a edição de dezembro de 2001 do The Amazing Spider-Man.[141] Em 2006, Homem-Aranha obteve grande cobertura da mídia com a revelação da identidade secreta do personagem,[142] o evento foi detalhado em uma página inteira do New York Post antes que a edição contendo a história fosse mesmo liberada.[143]

Em 2008, a Marvel anunciou planos de lançar uma série de quadrinhos educativos no ano seguinte em parceria com as Nações Unidas, descrevendo o Homem-Aranha ao lado das Forças de Paz da ONU para destacar as missões de paz da ONU.[144] Um artigo da revista BusinessWeek, listou o Homem-Aranha como um dos dez personagens de ficção mais inteligentes dos quadrinhos americanos.[145]

O rapper Eminem citou o Homem-Aranha como um de seus super-heróis em quadrinhos favoritos.[146][147]

Em 2015, o Supremo Tribunal dos Estados Unidos decidiu o caso Kimble v.s Marvel Entertainment, relativo aos royalties em uma patente que imitava o Amigo da Vizinhança. A juíza Elena Kagan na Corte incluiu várias referências ao Homem-Aranha, concluindo com a afirmação de que "com grandes poderes vêem grandes responsabilidades".[148]

Recepção[editar | editar código-fonte]

O culminar de quase todos os super-heróis que vieram antes dele, Homem-Aranha é o herói dos heróis. Ele tem poderes divertidos e legais, mas não no nível divino de Thor. Ele é apenas um cara normal com problemas de dinheiro e namorada, então ele é mais relacionável do que o playboy bilionário, o Homem de Ferro. E ele é um adolescente desajeitado, não um adulto desajeitado como o Capitão América. Não muito quente e não muito frio, Homem-Aranha é apenas certo.

IGN ao colocar o Homem-Aranha como maior herói da Marvel de todos os tempos.[149]

Homem-Aranha é um personagem de quadrinhos bem recebido, sempre aparecendo como um dos maiores personagens ou super-herói de todos os tempos e quase sempre o personagem principal da Marvel Comics. O Amigo da Vizinhança foi declarado o super-herói número um na série Ultimate Super Heroes, Vixens e Villains da Bravo em 2005.[150] A revista Empire o colocou como o quinto maior personagem de quadrinhos de todos os tempos.[151] A revista Wizard colocou o Homem-Aranha como o terceiro maior personagem de quadrinhos em seu site.[152] Em 2011, Homem-Aranha ficou em terceiro lugar no Top 100 Comic Book Heroes de ​​todos os tempos da IGN, atrás de Superman e Batman da DC Comics.[153] E em sexto na sua lista de 2012, The Top 50 Avengers.[154] Em 2014, a IGN classificou o Homem-Aranha como o maior personagem da Marvel Comics de todos os tempos.[149] Uma pesquisa de 2015 da revista Comic Book Resources, nomeou o Homem-Aranha como o maior personagem da Marvel de todos os tempos.[155] A IGN descreveu-o como um homem comum que representa muitas pessoas normais, mas também notando sua singularidade em comparação com outros heróis por causa das suas falhas. A IGN também observou que apesar de ser um dos super-heróis mais trágicos de todos os tempos, ele é "um dos super-heróis mais divertidos e sarcástico na história."[156] De maneira semelhante, a Empire observou e elogiou que, apesar das muitas tragédias que o Homem-Aranha enfrenta, ele mantém o seu senso de humor em todos os momentos com suas piadas espirituosas. O site da revista também elogiou a descrição das suas poses de super-heróis "icônicas", descrevendo-a como "o sonho de um artista no topo".[152]

George Marston do Newsarama, colocou a história de origem do Homem-Aranha como a maior história de origem de todos os tempos, opinando que "a origem do Homem-Aranha combina todos os aspectos mais clássicos de pathos, tragédia e maravilha científica na mistura perfeita para a origem de um super-herói".[157]

Homens-Aranhas da vida real[editar | editar código-fonte]

  • Em 1981, o ativista Dan Goodwin, que usava um traje de Homem-Aranha, escalou a Torre Sears em Chicago, Illinois, a Torre Renaissance em Dallas,Texas e o Centro John Hancock em Chicago, Illinois.[158]
  • Alain Robert, apelidado de "Homem-Aranha", é um alpinista de rochas e urbano que escalou mais de 70 edifícios altos usando as mãos e pés, sem usar dispositivos adicionais. Ele às vezes usa uma roupa do Homem-Aranha durante suas subidas. Em maio de 2003, ele recebeu cerca de US $ 18 mil para escalar o prédio Lloyd's de 312 pés (95 m) para promover a estréia do filme Homem-Aranha no canal de televisão britânico Sky Movies.
  • 'The Human Spider', alias de Bill Strother, que escalou o Lamar Building em Augusta, Georgia em 1921.[159]
  • O membro da Fathers 4 Justice, David Chick, usou uma roupa do Homem-Aranha para obter publicidade para os direitos dos pais em Londres.[160]
  • Sonchai Yoosabai, um bombeiro na Tailândia, é considerado um Homem-Aranha da vida real. Ele salvou um menino de 8 anos com autismo de cair da borda de um prédio, escalando-o sem cordas e depois resgatando o menino.[161]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Alguns dos vários prêmios recebidos pelas histórias e personagens do Homem-Aranha ao longo dos anos:[162]

  • 1962 Alley Award: Melhor História Curta —"Origin of Spider-Man" by Stan Lee and Steve Ditko, Amazing Fantasy #15
  • 1963 Alley Award: Melhor Comics: Título de aventura de heróis —The Amazing Spider-Man
  • 1963 Alley Award: Top Herói—Homem-Aranha
  • 1964 Alley Award: Melhor Comics de Aventura de Herói —The Amazing Spider-Man
  • 1964 Alley Award: Melhor Comics Gigante —The Amazing Spider-Man Annual #1
  • 1964 Alley Award: Melhor Herói—Homem-Aranha
  • 1965 Alley Award: Melhor Comics de Aventura de Herói—The Amazing Spider-Man
  • 1965 Alley Award: Melhor Herói—Homem-Aranha
  • 1966 Alley Award: Melhor Revista Comics: Comics de Aventura com Personagem-Título —The Amazing Spider-Man
  • 1966 Alley Award: Melhor História Longa—"How Green was My Goblin", de Stan Lee & John Romita, Sr., The Amazing Spider-Man #39
  • 1967 Alley Award: Melhor Revista Comics: Comics de Aventura com Personagem-Título—The Amazing Spider-Man
  • 1967 Enquete de Popularidade do Alley Award: Melhor Figurino e Poderes de Herói—Homem-Aranha
  • 1967 Enquete de Popularidade do Alley Award: Melhor Personagem Masculino Normal Coadjuvante—J. Jonah JamesonThe Amazing Spider-Man
  • 1967 Enquete de Popularidade do Alley Award: Melhor Personagem Feminina Normal Coadjuvante—Mary Jane WatsonThe Amazing Spider-Man
  • 1968 Enquete de Popularidade do Alley Award: Melhor Aventura de Herói —The Amazing Spider-Man
  • 1968 Enquete de Popularidade do Alley Award: Melhor Personagem Coadjuvante—J. Jonah Jameson, The Amazing Spider-Man
  • 1969 Enquete de Popularidade do Alley Award: Melhor Aventura de Herói —The Amazing Spider-Man
  • 1997 Eisner Award: Melhor Artista/Pincéis/Artista de aluguel ou Equipe—1997 Al Williamson, Melhor Artista de Aluguel: Untold Tales of Spider-Man #17-18
  • 2002 Eisner Award: Melhor História em série—The Amazing Spider-Man vol. 2, #30–35: "Coming Home", by J. Michael StraczynskiJohn Romita, Jr., e Scott Hanna

Outras versões[editar | editar código-fonte]

Devido à popularidade do Homem-Aranha no universo principal da Marvel, os editores foram capazes de criar diferentes variações do Homem-Aranha fora dos quadrinhos mainstream, bem como reimaginar histórias em vários spin-offs multiversos como Ultimate Homem-Aranha, Homem-Aranha 2099, e Homem-Aranha: Índia. A Marvel também fez suas próprias paródias de Homem-Aranha em quadrinhos como Not Brand Echh, que foi publicado no final dos anos 1960 e contou com personagens como "Peter Pooper, o Spidey-Man",[163] e "Peter Porker o Spider-Ham", que apareceu na década de 1980. O personagem também inspirou um número de derivados tal como uma versão mangá do Homem-Aranha desenhada pelo artista japonês Ryoichi Ikegami, assim como The Bug Boy de Hideshi Hino, que foi citado como inspirado pelo Homem-Aranha.[164] A banda desenhada francesa, Télé-Junior, que publicou tiras baseadas em séries de TV populares, produziu aventuras originais do Homem-Aranha no final da década de 1970; os artistas que participaram deste projeto como Gérald Forton, mais tarde se mudaram para os EUA e trabalharam para Marvel.[165]

Em outras mídias[editar | editar código-fonte]

Homem-Aranha no cinema
Magurie at Spider-Man 3 premiere.
Garfield in 2014.
Holland in 2010.
Tobey Maguire (esquerda), Andrew Garfield (centro), e Tom Holland (direita) interpretaram Homem-Aranha em filmes.

Homem-Aranha foi adaptado para desenhos animados, filmes, videogames, livros para colorir, romances, discos e livros infantis.[166] Na televisão, estrelou pela primeira vez na série de animação da ABC, Spider-Man (1967-1970) e a série em live-action da CBS, The Amazing Spider-Man (1978-1979), estrelada por Nicholas Hammond. Outras séries de animação com o super-herói incluem: Spider-Man (1981), Spider-Man and His Amazing Friends (1981-1983), Spider-Man: The Animated Series (1994-1998), Spider-Man Unlimited (1999- 2000), Spider-Man: The New Animated Series (2003), The Spectacular Spider-Man (2008-2009), entre outros. Uma nova série animada intitulada Ultimate Spider-Man, protagonizada por Drake Bell, estreou no Disney XD em 1 de abril de 2012.[167]

Uma série tokusatsu com Homem-Aranha foi produzida por Toei e exibida no Japão. É encontrada geralmente por sua pronunciação japonesa "Supaidā-Man".[168] Homem-Aranha também apareceu em outras formas de imprensa além dos quadrinhos, incluindo romances, livros infantis e as tiras de jornais diárias, The Amazing Spider-Man, que estreou em janeiro de 1977, com as primeiras parcelas escritas por Stan Lee e desenhadas por John Romita, Sr.[169] Homem-Aranha foi adaptado para outros meios de comunicação, incluindo jogos, brinquedos, colecionáveis, e apareceu como o personagem principal em vários jogos eletrônicos em mais de 15 plataformas.[170]

Homem-Aranha também foi destaque em uma trilogia de filmes em live-action de Sam Raimi e estrelada por Tobey Maguire como o super-herói título. O primeiro filme da trilogia, Homem-Aranha, foi lançado em 3 de maio de 2002; Sua sequela, Homem-Aranha 2 foi lançado em 30 de junho de 2004 e a sequência seguinte, Homem-Aranha 3, foi lançada em 4 de maio de 2007. Um quarto filme estava originalmente programado para ser lançado em 2011, mas a franquia foi reiniciada com novo diretor e elenco. A reinicialização, intitulada The Amazing Spider-Man, foi lançada em 3 de julho de 2012; dirigida por Marc Webb e estrelado por Andrew Garfield como o novo Homem-Aranha.[171][172] Uma sequência intitulada The Amazing Spider-Man 2 foi lançada em 2 de maio de 2014.[173] Mais recentemente, a Sony e a Disney fizeram um acordo para o Homem-Aranha aparecer no Universo Cinematográfico Marvel.[174] Tom Holland fez sua estréia como Homem-Aranha no filme do UCM de 2016, Capitão América: Guerra Civil, antes de estrelar seu próprio filme, Spider-Man: Homecoming em 2017, dirigido por Jon Watts.[175][176]

Um musical da Broadway, Spider-Man: Turn Off the Dark, começou as prévias em 14 de novembro de 2010 no Foxwoods Theatre da Broadway,[177] com a noite de abertura oficial em 14 de junho de 2011 e ficou em cartaz até 4 de janeiro de 2014.[178] As músicas e as letras foram escritas por Bono e The Edge do grupo de rock U2, com libreto de Julie Taymor, Glen Berger, Roberto Aguirre-Sacasa.[179] Turn Off the Dark é atualmente o musical mais caro na história da Broadway, custando cerca de US $ 70 milhões.[180] Além disso, os custos de funcionamento incomumente altos do musical foram relatados sendo $ 1.2 milhão aproximadamente por semana.[181]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Secret Defenders #6
  2. Heroes for Hire Vol.3 #8
  3. Spider-Man and the X-Men #1
  4. a b c d e f g Wright, Bradford W. (2001). Comic Book Nation Johns Hopkins Press : Baltimore [S.l.] ISBN 0-8018-7450-5. 
  5. The Amazing Spider-Man #1
  6. Sacks, Ethan (12 January 2014). «Exclusive: Peter Parker to return from death in 'Amazing Spider-Man' #1 this April». New York Daily News. 
  7. «Why Spider-Man is popular.» [S.l.: s.n.] Consultado em 18-11-2010. 
  8. «It's Official! Andrew Garfield to Play Spider-Man!». Comingsoon.net. 2010-07-02. Consultado em 2010-10-09. 
  9. «Complete Cast Announced for Spider-Man: Turn Off the Dark». Broadway.com. 2010-08-16. Consultado em 2010-10-09. 
  10. «The 50 Greatest Comic Book Characters». Empire Online. Consultado em 2009-02-08. 
  11. «Top 200 comic book characters». Wizard. Consultado em 9-7-2015. 
  12. «IGN's Top 100 Comic Book Heroes». Consultado em 2011-05-09. 
  13. Lee, Stan; Mair, George (2002). Excelsior!: The Amazing Life of Stan Lee. Fireside. ISBN 0-684-87305-2.
  14. a b DeFalco, TomLee, Stan (2001). O'Neill, Cynthia, ed. Spider-Man: The Ultimate Guide. New York: Dorling KindersleyISBN 0-7894-7946-X.
  15. Lee, Stan; Mair, George (2002). Excelsior!: The Amazing Life of Stan Lee. Fireside. ISBN 0-684-87305-2
  16. Thomas, Roy (August 2011). "Stan Lee's Amazing Marvel Interview!". Alter EgoTwoMorrows Publishing (104): 3–45.
  17. Entrevista do Detroit Free Press com Stan Lee, citado em The Steve Ditko Reader de Greg Theakston (Pure Imagination, Brooklyn, NY; ISBN 1-56685-011-8), p. 12.
  18. a b Amazing Fantasy (Marvel, 1962 series) no Grand Comics Database.
  19. Important Announcement from the Editor!, Amazing Fantasy #15 (Aug. 1962), reimpressa Sedlmeier, Cory, ed. (2007). Amazing Fantasy Omnibus. Marvel Publishing. p. 394.
  20. Ditko, Steve (2000). Roy Thomas, ed. Alter Ego: The Comic Book Artist CollectionTwoMorrows PublishingISBN 1-893905-06-3.
  21. a b Ditko, Steve (2000). Roy Thomas, ed. Alter Ego: The Comic Book Artist CollectionTwoMorrows PublishingISBN 1-893905-06-3.
  22. "Deposition of Stan Lee"Los AngelesCalifornia: United States District Court, Southern District of New York: "Marvel Worldwide, Inc., et al., vs. Lisa R. Kirby, et al.". December 8, 2010. p. 37.
  23. Ditko interview (Verçai de 1965). "Steve Ditko - A Portrait of the Master"Comic Fan #2 (Larry Herndon) via Ditko.Comics.org (Blake Bell, ed.). 
  24. Simon, Joe (2011). Joe Simon: My Life in Comics. London, UK: Titan BooksISBN 978-1-84576-930-7.
  25. Ditko, Steve (2000). Roy Thomas, ed. Alter Ego: The Comic Book Artist CollectionTwoMorrows PublishingISBN 1-893905-06-3.
  26. Evanier, MarkGaiman, Neil (2008). Kirby: King of Comics. Abrams. ISBN 0-8109-9447-X.
  27. Bell, Blake. Strange and Stranger: The World of Steve Ditko (2008). Fantagraphic Books.p.54-57.
  28. The Nostalgia Journal #27. Reimpresso em The Comics Journal Library Volume One: Jack Kirby, George, Milo ed. Maio de 2002, Fantagraphics Books. p.16
  29. Ross, Jonathon. In Search of Steve Ditko, BBC 4
  30. Nickerson, Al. "Who Really Created Spider-Man?P.I.C. News
  31. Daniels, Les (1991). Marvel: Five Fabulous Decades of the World's Greatest Comics. New York: Harry N. Abrams. ISBN 0-8109-3821-9.
  32. Saffel, Steve. Spider-Man the Icon: The Life and Times of a Pop Culture Phenomenon (Titan Books, 2007) ISBN 978-1-84576-324-4, "A Not-So-Spectacular Experiment", p. 31
  33. a b David, PeterGreenberger, Robert (2010). The Spider-Man Vault: A Museum-in-a-Book with Rare Collectibles Spun from Marvel's WebRunning Press. p. 113. ISBN 0762437723.
  34. Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). "1980s". Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-SlingingDorling Kindersley. p. 147. ISBN 978-0756692360
  35. Cowsill, Alan; Gilbert, Laura, ed. (2012). "1990s". Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-SlingingDorling Kindersley. p. 184. ISBN 978-0756692360
  36. Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). "1970s". Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-SlingingDorling KindersleyISBN 978-0756692360.
  37. Michael Thomas (22 de agosto de 2000). "John Byrne: The Hidden Story"Comic Book Resources
  38. Michael Thomas (5 de agosto de 2008). "The Marvel 500s: How Many Are There?"Comic Book Resources.
  39. a b Schedeen, Jesse (8 de novembro de 2011). "The Avenging Spider-Man #1 Review"IGNj2 Global
  40. "IGN: SDCC 10: Spider-Man: The End of Brand New Day"IGNj2 Global
  41. "Peter Parker Resurrected in Slott's Amazing Spider-Man"Comic Book Resources
  42. Hanks, Henry (29 de abril de 2014). "Back from the brain dead, Peter Parker returns to 'Spider-Man' comics"
  43. a b Lee, Stan (e), Ditko, Steve (a). Amazing Fantasy 15 (Ago. de 1962), Nova Iorque: Marvel Comics
  44. Daniels, Les. Marvel: Five Fabulous Decades of the World's Greatest Comics (Harry N. Abrams, New York, 1991) ISBN 0-8109-3821-9, p. 95.
  45. a b c d Saffel, Steve. Spider-Man the Icon: The Life and Times of a Pop Culture Phenomenon (Titan Books, 2007) ISBN 978-1-84576-324-4, p. 21.
  46. Lee, Stan (e), Ditko, Steve (a). "Spider-Man"; "Spider-Man vs. The Chameleon"; "Duel to the Death with the Vulture; "The Uncanny Threat of the Terrible Tinkerer!" The Amazing Spider-Man 1-2 (Março, Maio de 1963), Nova Iorque: Marvel Comics
  47. a b c d e f g Amazing Spider-Man, The (Marvel, 1963 Series) no Grand Comics Database
  48. Lee, Stan (e), Ditko, Steve (a). "The Menace of the Molten Man!" The Amazing Spider-Man 28 (Setembro de 1965), NY: Marvel Comics
  49. Saffel, p. 51
  50. a b Sanderson, Peter (2007). The Marvel Comics Guide to New York City (New York City: Pocket Books). pp. 30–33. ISBN 1-4165-3141-6. 
  51. Lee, Stan (e), Romita, John (a). "The Birth of a Super-Hero!" The Amazing Spider-Man 42 (Novembro de 1966), NY: Marvel Comics
  52. Saffel, p. 27
  53. Lee, Stan (e), Romita, John (p), Mickey Demeo (i). "Spider-Man No More!" The Amazing Spider-Man 50 (Julho de 1967), NY: Marvel Comics
  54. Lee, Stan (w), Kane, Gil (p), Giacoia, Frank (i). "The Spider or the Man?" The Amazing Spider-Man 100 (Setembro de 1971), NY: Marvel Comics
  55. a b Saffel, p. 60
  56. Blumberg, Arnold T. (Fall 2003). "'The Night Gwen Stacy Died:' The End of Innocence and the Birth of the Bronze Age". Reconstruction. 3 (4).
  57. Saffel, p. 65, exclama "Na batalha que se seguiu em cima da Ponte do Brooklyn (ou foi a Ponte George Washington?)...." Na pág. 66, Saffel reimprimi o painel de The Amazing Spider-Man #121, pág. 18, em que o Homem-Aranha exclama, "A Ponte de George Washington! Ele calcula que Osborn escolheria algo com o nome de seu presidente favorito. Ele tem o mesmo tipo de atraso para notas de dólar! "Saffel afirma," O espaço retratado ... é o primo mais famoso do GW, a Ponte do Brooklyn. ... Para enfrentar a contradição em futuras reimpressões do conto, no entanto, o diálogo de Homem-Aranha foi alterado para que ele esteja se referindo à Ponte do Brooklyn. Mas a gafe original permanece como um dos erros mais visíveis na história dos quadrinhos.."
  58. Sanderson, Marvel Universe, p. 84, nota, "Embora o roteiro descrevesse o local do desaparecimento de Gwen como a Ponte George Washington, a arte retratava a Ponte do Brooklyn e ainda não há acordo quanto ao local onde realmente ocorreu."
  59. Saffel, p. 65
  60. Conway, Gerry (e), Kane, Gil (p), Romita, John (i). "The Night Gwen Stacy Died" The Amazing Spider-Man 121 (Junho de 1973), NY: Marvel Comics
  61. Sanderson, Marvel Universe, p. 85
  62. Blumberg, Arnold T. (2006). «'The Night Gwen Stacy Died': The End of Innocence and the 'Last Gasp of the Silver Age'». International Journal of Comic Art [S.l.: s.n.] 8 (1): 208. 
  63. a b Sanderson, Marvel Universe, p. 83
  64. Shooter, Jim (w), Zeck, Michael (p), Beatty, John, Abel, Jack, and Esposito, Mike (i). "Invasion" Marvel Super-Heroes Secret Wars 8 (Dezembro de 1984), NY: Marvel Comics
  65. Leupp, Thomas. "Behind the Mask: The Story of Spider-Man's Black Costume", ReelzChannel.com, 2007, n.d. WebCitation archive.
  66. Simonson, Louise (w), LaRocque, Greg (p), Mooney, Jim and Colletta, Vince (i). "'Til Death Do Us Part!" Web of Spider-Man 1 (Abril de 1985), New York, NY: Marvel Comics
  67. Gross, Michael (2 de junho de 1987). «Spider-Man to Wed Model». The New York Times [S.l.: s.n.] Consultado em April 21, 2013. 
  68. a b c Saffel, p. 124
  69. Shooter, Jim e Michelinie, David (w), Ryan, Paul (p), Colletta, Vince (i). "The Wedding" The Amazing Spider-Man Annual 21 (1987), New York: Marvel Comics
  70. Sanderson, Peter (2008-01-21). "Comics in Context #210: Divorce, Marvel Style"Quick Stop Entertainment
  71. Millar, Mark (w), McNiven, Steve (p), Vines, Dexter (i). "Civil War" Civil War 2 (Agosto de 2006), New York, NYMarvel Comics
  72. Straczynski, J. Michael (w), Quesada, Joe (p), Miki, Danny (i). "One More Day Part 4" The Amazing Spider-Man 545 (Dezembro de 2007), Marvel Comics
  73. Weiland, Jonah. "The 'One More Day' Interviews with Joe Quesada, Pt. 1 of 5"Newsarama
  74. a b Colton, David (2008-01-09). "Comic fans fume as Marvel erases Spidey-MJ marriage"USA Today
  75. New Avengers #51
  76. The Amazing Spider-Man #648
  77. The Superior Spider-Man #1-29
  78. The Superior Spider-Man #30-31
  79. "Exclusive: Peter Parker to return from death in 'Amazing Spider-Man' #1 this April"Daily News. New York City. 
  80. "Spider-Man and The X-Men (2014-Present)". Marvel Comics. 
  81. Sanderson, Peter. Marvel Universe: The Complete Encyclopedia of Marvel's Greatest Characters (Harry N. Abrams, New York, 1998) ISBN 0-8109-8171-8, p. 75
  82. Kempton, Sally, "Spiderman's [sic] Dilemma: Super-Anti-Hero in Forest Hills", The Village Voice
  83. Daniels, p. 96
  84. a b Gresh, Lois H., e Robert Weinberg. "The Science of Superheroes" (John Wiley & Sons, Inc., 2002) ISBN 0-471-02460-0 (preview)
  85. Kiefer, Kit; Couper-Smartt, Jonathan (2003). Marvel Encyclopedia Volume 4: Spider-Man. New York: Marvel ComicsISBN 0-7851-1304-5.
  86. Lee, Stan, Origins of Marvel Comics (Simon and Schuster/Fireside Books, 1974) p. 137
  87. Yehl, Joshua Schedeen, Jesse. "Top 25 Spider-Man Villains: Part 1". IGN. 
  88. a b c DeFalco, Tom; Gilbert, Laura, ed. (2008). «1960s». Marvel Chronicle A Year by Year History Dorling Kindersley [S.l.] p. 87. ISBN 978-0756641238. 
  89. a b c d Siegel, Lucas. «The 10 Greatest SPIDER-MAN Villains of ALL TIME!». Newsarama. Consultado em 2 January 2014. 
  90. a b c Beard, Jim. «ARCHRIVALS: SPIDER-MAN VS THE VULTURE». Marvel.com. Consultado em 2 January 2014. 
  91. Kyle, Scmidlin. «10 Spider-Man Villains (And Combinations) Deserving Of The Big Screen (7. The Vulture)». What Culture!. Consultado em 2 January 2014. «"Ele tem sido um dos antagonistas mais freqüentes e icônicos do Homem-Aranha desde sua primeira aparição no número 2 de The Amazing Spider-Man'.» 
  92. DeFalco "1960s" in Gilbert (2008), p. 92: "Introduzido na história principal de "The Amazing Spider-Man" #2 e criado por Stan Lee e Steve Ditko, o Abutre foi o primeiro de uma longa linha de super-vilões inspirados em animais que foram destinados a lutar contra o cabeça de teia favorito."
  93. DeFalco "1960s" in Gilbert (2008), p. 93: "O Dr. Octopus compartilhou muitos traços com Peter Parker. Ambos eram tímidos, ambos interessados em ciência, e ambos tinham problemas relacionados com as mulheres... Otto Octavius até parecia um Peter Parker crescido. Lee e Ditko pretendiam que Otto fosse o homem que Peter poderia ser se não tivesse criado um senso de responsabilidade.
  94. a b Lee, Stan (e), Ditko, Steve (p), Ditko, Steve (i). "Spider-Man Versus Doctor Octopus" The Amazing Spider-Man 3 (Julho de 1963)
  95. a b c Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1960s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 20. ISBN 978-0756692360. «Nesta edição, Stan Lee e Steve Ditko introduziram Homem de Areia - um supervilão que poderia transformar todo o seu corpo em areia com um único pensamento.» 
  96. a b c Lee, Stan (w), Ditko, Steve (p), Ditko, Steve (i). "Nothing Can Stop...The Sandman!" The Amazing Spider-Man 4 (Setembro de 1963)
  97. a b c DeFalco "1960s" em Gilbert (2008), p. 95
  98. a b c Lee, Stan (w) Ditko, Steve (p) "Face-to-Face With...the Lizard!", The Amazing Spider-Man 6 (Novembro de 1963)
  99. a b c Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1960s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 20. ISBN 978-0756692360. «A sexta edição do The Amazing Spider-Man apresentou o Lagarto.» 
  100. DeFalco "1960s" in Gilbert (2008), p. 98
  101. Lee, Stan (w), Ditko, Steve (p), Ditko, Steve (i). "The Man Called Electro!" The Amazing Spider-Man 9 (Fevereiro de 1964)
  102. a b Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1960s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 24. ISBN 978-0756692360. «Electro muda a vida do Homem-Aranha pela primeira vez em outro esforço de [Stan] Lee e [Steve] Ditko que viu Peter Parker usando sua mente brilhante para superar um inimigo.» 
  103. a b c Lee, Stan (w), Ditko, Steve (p), Ditko, Steve (i). "The Menace of... Mysterio!" The Amazing Spider-Man 13 (Junho de 1964)
  104. a b Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1960s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 25. ISBN 978-0756692360. «"The Amazing Spider-Man" # 13 viu [Stan] Lee e [Steve] Ditko voltar para a criação de novos super vilões. Este número marcou a estréia de Mysterio, um especialista em efeitos especiais chamado Quentin Beck.» 
  105. a b c d Albert, Aaron. «Green Goblin Profile». About.com. Consultado em 3 January 2014. 
  106. Beard, Jim. «SPIDER-MAN 3: THE SPIDER & THE GOBLIN». Marvel.com. Consultado em 3 January 2014. 
  107. a b Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1960s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 26. ISBN 978-0756692360. «O arqui-inimigo de Spider-Man, o Duende Verde, como apresentado aos leitores como o "inimigo mais perigoso que Aranha já lutou." O escritor Stan Lee e o artista Steve Ditko não tinham como saber se essa afirmação seria verdadeira nos próximos anos.» 
  108. a b c Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1960s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 26. ISBN 978-0756692360. «[Stan] Lee e [Steve] Ditko mais novo vilão de Ditko, Kraven o Caçador, estreou nesta edição.» 
  109. Lee, Stan (w), Ditko, Steve (p), Ditko, Steve (i). "Kraven the Hunter!" 'The Amazing Spider-Man 15 (Agosto de 1964)
  110. Valentine, Eve. «Who Are the Sinister Six? – An Introduction to Spider-Man’s Supervillain Group». Collider. Consultado em 14 June 2015. 
  111. a b Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1960s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 27. ISBN 978-0756692360. «Aranha enfrentou sua primeira verdadeira equipe de super vilões em uma extravagante de 73 páginas escrita por [Stan] Lee com a arte de [Steve] Ditko.» 
  112. a b Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1960s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 28. ISBN 978-0756692360. «Homem-Aranha sentiu a picada do Escorpião pela primeira vez em outra colaboração de Stan Lee e Steve Ditko.» 
  113. Lee, Stan (w), Romita, Sr., John (p), Esposito, Mike (i). "The Horns of the Rhino!" The Amazing Spider-Man 41 (Outubro de 1966)
  114. a b Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1960s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 36. ISBN 978-0756692360. «Agora era hora de [John Romita, Sr.] apresentar um novo vilão para o Aranha com a ajuda de [Stan] Lee. Fora de suas energias criativas reunidas nasceu o Rinoceronte, um gigante monstruoso preso em um terno de rinoceronte durável.» 
  115. Lee, Stan (w), Romita, Sr., John (p), Romita, Sr., John (i). "The Sinister Shocker!" The Amazing Spider-Man 46 (Março de 1967)
  116. a b Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1960s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 38. ISBN 978-0756692360. «O segundo maior vilão de [Stan] Lee e John Romita, apareceram sob a forma do Shocker, um criminoso equipado com manoplas projetadas por vibração.» 
  117. DeFalco "1960s" in Gilbert (2008), p. 122: "Stan Lee queria criar um novo tipo de chefe do crime. Alguém que tratou o crime como se fosse um negócio ... Ele lançou essa ideia ao artista John Romita e foi Wilson Fisk que surgiu em The Amazing Spider-Man #50."
  118. Lee, Stan (w), Romita, Sr., John (p), Esposito, Mike (i). "Spider-Man No More!" The Amazing Spider-Man 50 (Julho de 1967)
  119. a b Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1960s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 40. ISBN 978-0756692360. «Embora tenha feito sua estréia na edição anterior, foi nesse conto de [Stan] Lee e [John] Romita [ "The Amazing Spider-Man" # 51] que o Rei do Crime - nome real Wilson Fisk - realmente deixou sua marca sobre o crime organizado.» 
  120. Yehl, April, Schedeen, Jesse. «Top 25 Spider-Man villains: Part 2». IGN. Consultado em 19 April 2014. 
  121. a b Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1970s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 59. ISBN 978-0756692360. «"Na primeira edição de The Amazing Spider-Man a ser escrita por alguém que não seja Stan Lee ... Thomas também conseguiu introduzir um novo vilão importante na vida do Aranha - o vampiro criado cientificamente conhecido como Morbius.» 
  122. Gross, Edward (2002). Spider-Man Confidential: From Comic Icon to Hollywood Hero [S.l.: s.n.] ISBN 0786887222. 
  123. a b c d Manning, Matthew K.; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1970s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 72. ISBN 978-0756692360. «O escritor Gerry Conway e o artista Ross Andru apresentaram dois novos personagens importantes ao mundo de Homem-Aranha e ao Universo Marvel nesta edição auto-suficiente. Não só o vigilante conhecido como o Justiceiro passou a ser uma das mais importantes e icônicas criações da Marvel da década de 1970, mas seu instigador, o Chacal, se tornaria a próxima grande ameaça na vida do Homem-Aranha.» 
  124. a b Manning "1970s" em Gilbert (2012), p. 107: "O Homem-Aranha não sabia exatamente o que pensar sobre sua sorte quando conheceu um belo ladra chamada Gata Negra, cortesia de uma história do escritor Marv Wolfman e do artista Keith Pollard."
  125. a b Manning "1980s" em Gilbert (2012), p. 133: "O escritor Roger Stern e os artistas John Romita, Jr. e John Romita, Sr. introduziram uma versão nova e assustadoramente do conceito de Duende Verde com a estréia do Duende Macabro."
  126. David e Greenberger, pp. 68-69: "O escritor Roger Stern é principalmente lembrado por duas importantes contribuições para o mundo de Peter Parker. Uma era uma pequena peça intitulada "O garoto que coleta o Homem-Aranha" ... [a sua] outra grande contribuição foi a introdução do Duende Macabro."
  127. Greenberg, Glenn (August 2009). «When Hobby Met Spidey». Back Issue! (35) TwoMorrows Publishing [S.l.] pp. 10–23. 
  128. «Venom is the 33rd greatest comic book character.». Empire.com. Consultado em 25 April 2015. 
  129. Manning "1980s" in Gilbert (2012), p. 169: "Nesta edição (#299), um dos personagens mais populares na história do escalador de paredes entrar na coroação de um dos artistas mais populares para desenhar o cabeça de teia."
  130. Comics Creators on Spider-Man, pg 148, Tom DeFalco. (Titan Books, 2004)
  131. «Venom is number 22 on greatest comic book villain of all time». IGN. Consultado em 25 April 2015. 
  132. «Carnage is number 90 on greatest comic book villain of all time». IGN. Consultado em 25 April 2015. 
  133. a b Cowsill, Alan; Gilbert, Laura, ed. (2012). «1990s». Spider-Man Chronicle Celebrating 50 Years of Web-Slinging Dorling Kindersley [S.l.] p. 197. ISBN 978-0756692360. «A era do artista Mark Bagley em "The Amazing Spider-Man" atingiu seu passo quando Carnificna revelava o verdadeiro rosto de seu mal. A carnificina era uma prole simbiótica produzida quando Venom se ligava ao psicopata Cletus Kasady. "» 
  134. Michelinie, David (w), Bagley, Mark (p), Emberlin,Randy (i). "Carnage: Part One" The Amazing Spider-Man 361 (Abril de 1992)
  135. Papageorgiou, Solon. «10 facts about Batman, Spider-Man, Iron Man you didn't know.». Moviepilot. Consultado em 25 April 2015. 
  136. Kupperberg, Paul (2007). The Creation of Spider-Man. The Rosen Publishing Group. ISBN 1-4042-0763-5.
  137. Knowles, Christopher (2007). Our Gods Wear Spandex. ilustrado por Joseph Michael Linsner. Weiser. p. 139.
  138. "Spider-Man Weaving a spell". Screen India. 2002. 
  139. a b "Spider-Man Returning to Macy's Thanksgiving Day Paradede"Associated Press via WCBS (AM)
  140. Spurlock, J. David, e John Romita. John Romita Sketchbook. (Vanguard Productions: Lebanon, N.J. 2002) ISBN 1-887591-27-3, p. 45: Romita
  141. Yarbrough, Beau (2001-09-24). "Marvel to Take on World Trade Center Attack in "Amazing Spider-Man""Comic Book Resources
  142. Staff (2006-06-15). "Spider-Man Removes Mask at Last"BBC
  143. Brady, Matt (2006-06-14). "New York Post Spoils Civil War #2"Newsarama
  144. Lane, Thomas (2008-01-04). "Can Spider-Man help UN beat evil?"BBC
  145. Pisani, Joseph (1 de junho de 2006). "The Smartest Superheroes". Business Week Online. 
  146. Cohen, Johnathan (2008-12-12). "Exclusive: Eminem Talks New Album, Book". Billboard.
  147. Lockett, Dee (2015-04-02). "7 Fun Facts We Learned From Eminem's Genius Annotations". Vulture.
  148. Caldwell, Patrick (22 de junho de 2015), "Justice Elena Kagan Had Some Fun Writing About Spider-Man"Mother Jones
  149. a b Yehl, Joshua; Lakes, Jeff. "Top 25 Best Marvel Superheroes - IGN - Page 5"IGN.
  150. "Ultimate Super Heroes, Vixens, and Villains Episode Guide 2005 - Ultimate Super Villains"TVGuide.com
  151. "The 50 Greatest Comic Book Characters". Empire 
  152. a b "The 50 Greatest Comic Book Characters". Empire Online.
  153. "IGN's Top 100 Comic Book Heroes".
  154. "The Top 50 Avengers"IGN
  155. Conin, Brian (5 de novembro de 2015). "2015 Top 50 Marvel Characters 3-1 | Page 2 of 2 | Comics Should Be Good @ CBR"Comic Book Resources
  156. "IGN's Top 100 Comic Book Heroes".
  157. Marston, George. "The 10 Best Superhero Origin Stories of ALL TIME!"Newsarama.com
  158. "Skyscraper Defense"
  159. Cobb, Jocelyn (19 de setembro de 1999). "Recalls 1921 climb of 'human spider'"The Augusta Chronicle
  160. Sacks, Glenn (11 de novembro de 2003). "In Defense of Spiderman". GlennSacks.com. 
  161. Kistler, Alan (25 de março de 2009). "A Real Life Superhero, Spider-Man Saves Boy In Thailand"MTV
  162. «Spider-Man - Awards and Honors». www.liquisearch.com. Consultado em 2016-11-28. 
  163. "examples of "Not Brand Echh" comics". Dialbforblog.com.
  164. McCarthy, Helen, 500 Manga Heroes and Villains (Barron's Educational Series, 2006), ISBN 978-0-7641-3201-8
  165. "Lambiek Comiclopedia: Gérald Forton". Lambiek.net.
  166. Knowles, Christopher (2007). Our Gods Wear Spandex. Ilustrado por Joseph Michael Linsner. Weiser. p. 139.
  167. (1999-11-30) "Animated Ultimate Spider-Man Coming to Disney XD - SuperHeroHype" (em en-US). SuperHeroHype.
  168. «Japanese Spider-Man». Marvel.com. 
  169. "John Romita Interview". www.keefestudios.com. 
  170. «Spider-Man - World of Spectrum». www.worldofspectrum.org. Consultado em 2016-11-23. 
  171. Jr, Nikki Finke,Mike Fleming. (2010-01-11). "EXCLUSIVE: 'SPIDER-MAN 4' SCRAPPED; SAM RAIMI & TOBEY MAGUIRE & CAST OUT; FRANCHISE REBOOT FOR 2012" (em en-US). Deadline.
  172. "Andrew Garfield Is The New Spider-Man". MTV News.
  173. «Andrew Garfield & Marc Webb Back For More 'Spider-Man'». The Huffington Post. 2012-09-28. Consultado em 2016-11-23. 
  174. (2015-02-09) "It's Official: Spider-Man Enters the Marvel Cinematic Universe! - SuperHeroHype" (em en-US). SuperHeroHype.
  175. Lang, Brent. (2016-04-13). "‘Spider-Man’ Movie Gets Official Title" (em en-US). Variety.
  176. «Sony Pictures and Marvel Studios Find Their 'Spider-Man' Star and Director». News (em inglês). Marvel.com. Consultado em 2016-11-23. 
  177. Healy, Patrick. (2011-03-09). "For ‘Spider-Man’ Director, a Precipitous Fall". The New York Times. ISSN 0362-4331.
  178. Cohen, Stefanie. (2013-11-19). "'Spider-Man: Turn Off the Dark' to Close in January, Sources Say". Wall Street Journal. ISSN 0099-9660.
  179. «SPIDER-MAN TURN OFF THE DARK: National Arena Tour Coming Soon». spidermanonbroadway.marvel.com. Consultado em 2016-11-23. 
  180. Trueman, Matt. (2013-11-19). "Spider-Man: Turn Off the Dark musical to close next year" (em en-GB). The Guardian. ISSN 0261-3077.
  181. «Could the musical Spider-Man be the 'biggest disaster in Broadway history'?». The Week. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons