Rio das Pedras (bairro do Rio de Janeiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Rio das Pedras é um bairro localizado na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Faz parte e divisa oficialmente com os bairros Itanhangá e Jacarepaguá.

Recebeu esse nome em razão de um rio que começa na Floresta da Tijuca e corre inteiramente através da favela. Há 30 anos, o rio era limpo o suficiente para crianças brincarem, pessoas tomarem banho e lavarem suas roupas.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Surgiu no final da década de 60 [2], por imigrantes nordestino que buscavam oportunidades de emprego com a expansão da Barra da Tijuca e desde então, cresceu desenfreadamente..

É um bairro de classe média e classe média-baixa com muitas diferenças sociais. Pode-se averiguar a diferença social existente no estado apenas dentro deste bairro, cruzando-o de um extremo a outro, iniciando o trajeto a partir da Estrada de Jacarepaguá onde localizam-se condomínios de apartamentos como o Moradas do Itanhangá e de residencias de alto padrão como o Floresta Country Clube, Quintas do Itanhangá, Village das Pedras e outros e caminhando para a Areinha, esta composta de casas e prédios (alguns construidos de maneira irregular, chegando a ceder para os lados) localizados em cima de aterros sobre a Lagoa do Camorim e Rio das Pedras.

Por ser oficialmente dividido entre três bairros, está na área de duas regiões administrativas: Jacarepaguá (XVI RA) e Barra da Tijuca (XXIV RA).

Rio das Pedras foi também o berço das milícias, pois nos anos oitenta, comerciantes locais começaram a pagar policiais para evitar a invasão do local por traficantes.

Urbanização[editar | editar código-fonte]

Segundo o Censo IBGE de 2010, eram aproximadamente 63 mil moradores, estabelecidos em uma área de 90 hectares de terra em expansão, aos fundos da Barra da Tijuca [3]

O bairro está subdividido nas localidades oficiais chamadas de: Rio Novo (Casinhas), Pinheiro, Rio das Flores, Vila Caranguejo, Centro, São Bartolomeu, Areal I, Areal II e Areinha, [4]

Existe um antigo conjunto de prédios da construtora Delfim que estão abandonado desde a década de 80, chegou até a ser invadido em 1991 pelos moradores mas, removidos pela Polícia e Defesa Civiil. [5]

O bairro recebeu as obras do programa Favela Bairro entre os anos de 1998 e 2002. Foram construídos em um terreno de 416.556m² completamente urbanizado, 32 edifícios de 4 pavimentos com 4 apartamentos por andar, juntamente com quadras esportivas e pequenas praças. [6]


Suas principais vias são:

  • Avenida Engenheiro Souza Filho
  • Estrada de Jacarepaguá
  • Rua Nova ou Estrada Variante de Jacarepaguá
  • Rua Velha (esta que não é destinada a veículos)

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia local de Rio das Pedras prospera, atuando como ponto central não só para favelas menores da região, como a Muzema, mas indo além. Com muitos moradores proprietários de comércios, trabalhando nos negócios locais e gastando dinheiro na própria favela, o dinheiro continua circulando dentro da comunidade num círculo virtuoso de desenvolvimento. Desse modo, alguns moradores dizem que, muito embora o Brasil esteja atravessando uma crise econômica, ela não afetou Rio das Pedras com tanta força como em outros lugares. [7]

A faixa de renda média da população gira em torno de 2 a 5 salários mínimos.

Possui forte atuação da cultura nordestina e é palpável quando se visitam as pequenas lojas que ocupam as ruas da favela. Entre os locais mais populares estão as granjas (onde você pode escolher o seu frango enquanto ele ainda está vivo), as Casas do Norte (lojas que só comercializam produtos nordestinos) e comerciantes de rua vendendo tapioca.

Notoriedade[editar | editar código-fonte]

Rio das Pedras ficou conhecido historicamente por um ponto principal, o famoso baile do Castelo das Pedras, que foi criado em 1993 e foi um dos pilares para que a cultura do Funk fosse desenvolvida, saindo do morro para o asfalto, contando com presenças de diversos artistas e jogadores.

Em 2018, o Castelo fechou e a edificação foi demolida no início de 2020. Ainda não se sabe o que será feito no local que, atualmente, ainda possui os escombros da demolição.

Até hoje o Castelo é usado como referência para identificar a região.

Hoje, a maior casa de show do Rio das Pedras, e um dos pontos mais conhecidos é o Espaço Terraço [8], que é uma casa de shows construída no alto de uma loja, no qual artistas renomados no cenário musical se apresentam todo fim de semana.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre geografia do Rio de Janeiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.