TAV Rio–São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Trajeto planejado.

O Trem de Alta Velocidade Rio-São Paulo (TAV RJ-SP, TAV Brasil, ou EF-271) era a principal linha do projeto do governo federal de trem de alta velocidade no Brasil e teria a função de interligar as duas principais metrópoles brasileiras: São Paulo e Rio de Janeiro. Um projeto antigo do governo do estado de São Paulo já previa a instalação de um ramal de trem ligeiro entre Campinas e São Paulo, denominado trem Expresso Bandeirantes. Como alternativa, o novo estudo técnico de viabilidade incluiu ligar Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro[1][2] numa só linha de 998.1 km de extensão.[3]

Entretanto, o projeto, que tinha a data-limite de conclusão das obras prevista para 1º de janeiro de 2019, e data-limite para entrada em operação prevista para 30 de junho de 2020, nunca saiu do papel, pois revelou-se economicamente inviável: houve 3 leilões para atrair empresas interessadas em arcar com os custos, mas não se conseguiu atrair nenhuma, já que a estimativa do Governo Federal, de R$34 bilhões, era bem inferior à estimativa das empresas, de mais R$50 bilhões.[4][5][6]

Além da integração de três regiões metropolitanas, o TAV ligaria os dois maiores aeroportos internacionais do Brasil: Guarulhos e Galeão, além de Viracopos. Haveria porém, a desativação do aeroporto Campo de Marte, em Santana, na zona norte da capital paulista, onde seria implantado um terminal de passageiros e o pátio de manobras dos trens.[7]

Leilões frustrados[editar | editar código-fonte]

A intenção do governo, inicialmente, era de que o "trem-bala" estivesse pronto para a Olimpíada de 2016, no Rio de Janeiro. Porém, atrasos na preparação do edital de licitação apresentados em outubro de 2009 comprometeram o prazo de início das obras e o projeto não estaria pronto a tempo.[8] Novos atrasos adiaram o processo de licitação para abril de 2011 e, depois, para julho de 2011. A possibilidade de apenas um consórcio, o coreano, de entrar na disputa, foi um dos argumentos para o adiamento do leilão.[9]

A data final para a entrega das propostas foi adiada para o dia 11 de julho de 2011. A sessão pública do leilão ficou para o dia 29 de julho de 2011,[10] entretanto não houve entrega de propostas neste dia por parte dos consórcios envolvidos.[11][12] Devido a isto, o edital foi dividido em duas etapas: a primeira para determinar qual empresa gerenciaria o projeto quando pronto e qual disponibilizaria a tecnologia de operação, e a segunda determinaria qual construiria o projeto.[13] O edital da primeira etapa seria publicado em outubro de 2011 e o leilão ocorreria em fevereiro de 2012, e o edital da segunda etapa seria publicado no fim de 2012.[14]

Após três tentativas frustradas de realizar o leilão, o projeto do trem de alta velocidade foi adiado por conta da falta de interesse das empresas privadas e das más condições econômicas do país.[15] Contudo, o governo afirmava que o projeto do trem-bala ainda era um objetivo e esperava retomá-lo em 2015.[16]

O custo inicialmente previsto pelo governo federal para a conclusão de todo projeto era de 23 bilhões de Reais, dos quais 20,8 bilhões seriam financiados pelo BNDES.[17][18]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Diversos setores promoveram críticas ao projeto de Trem-Bala. A Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag) e a Associação dos Concessionários, Empresas Aeronáuticas e Usuários do Campo de Marte (Acecam) lançou uma campanha de lobbying argumentando que a desativação do Aeroporto de Campo de Marte para a implantação de um pátio de manobras do novo trem traria inúmeros prejuízos a aviação executiva.[19]

Outros viam inviabilidade econômica no projeto, como o fluxo necessário de passageiros de acordo com estudo do governo[carece de fontes?] seria de 32 milhões de pessoas. O total de viagens entre as duas capitais em 2006 totalizou a 8 milhões. Assim, além de quadruplicar em poucas décadas, o fluxo deveria ocorrer unicamente pelos trilhos.[20] As empresas de aviões, ônibus e carros certamente iriam reagir à competição nova.

Em 2012, Itália bloqueou contas do Brasil em ação envolvendo trem-bala.[21]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Vitor Bianchin (31 de Março de 2009). «Como será o primeiro trem-bala brasileiro?». Consultado em 2 de Setembro de 2018. Cópia arquivada em 2 de Setembro de 2018 
  2. «Em SP, Serra diz que atuou para atrasar trem-bala». Folha de S.Paulo. 5 de dezembro de 2014. Consultado em 22 de março de 2015 
  3. "Gigantes vão disputar trem rápido", jornal "Correio Popular", página A4, Campinas, 18 de Junho de 2008
  4. «"Trem-Bala" entre o Rio e SP deveria começar a funcionar no último dia 30 de junho». Noticiando. 2 de julho de 2020. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  5. «Prometido em 2012, trem-bala entre SP e Rio deveria começar a funcionar até esta terça». Jovem Pan. 30 de junho de 2020. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  6. «"Trem-bala" brasileiro deveria ter estreado nesta semana, segundo planos do governo». Metrô CPTM. 2 de julho de 2020. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  7. «Trem-bala atravessará São Paulo por 16 km de túneis». 11 de julho de 2009. Consultado em 12 de julho de 2009 
  8. Fernandes, Sofia (8 de Outubro de 2009). «Trem de alta velocidade começará a operar, diz governo». Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de Setembro de 2017 
  9. «Reportagem da folha sobre adiamento do leilão do TAV». 26 de novembro de 2010. Consultado em 27 de novembro de 2010 
  10. Alexandro Martello (7 de abril de 2011). «Leilão do trem-bala é adiado por mais três meses, confirma ANTT». G1. Consultado em 7 de abril de 2011. [...] o processo de licitação do trem-bala foi adiado de 29 de abril para 29 de julho. A data para entrega dos envelopes passou de 11 de abril para 11 de julho. 
  11. «ANTT confirma que não houve propostas pelo trem-bala». Brasil Econômico. 11 de julho de 2011. Consultado em 11 de julho de 2011 
  12. «Trem-bala só seria viável hoje por meio de concessão, diz presidente da EPL». Agência Brasil. 20 de Abril de 2017. Consultado em 2 de Setembro de 2018 
  13. «Governo vai dividir licitação do trem-bala em duas etapas». Brasil Econômico. 11 de julho de 2011. Consultado em 11 de julho de 2011 
  14. «Leilão do trem-bala só deve ocorrer em fevereiro de 2012». Brasil Econômico. 20 de julho de 2011. Consultado em 20 de julho de 2011. [...] o edital da primeira etapa deve ser publicado em outubro próximo e o da segunda etapa, só no fim do ano que vem. 
  15. «Após leilões frustrados, projeto do trem-bala volta aos planos». O Estado de S. Paulo. 29 de outubro de 2014. Consultado em 21 de julho de 2015 
  16. «Projeto do trem-bala SP-Rio não foi abandonado, diz Temer a espanhóis». Valor Econômico. 23 de abril de 2015. Consultado em 21 de julho de 2015 
  17. «Trem-bala brasileiro deve iniciar operações até 2018». R7.com. 27 de Maio de 2015. Consultado em 2 de Setembro de 2018 
  18. «Brasil busca opções para trem-bala; veja modelos». Terra Online. 19 de Setembro de 2012. Consultado em 2 de Setembro de 2018 
  19. «AMVVAR» 
  20. «O Dia» 
  21. Itália bloqueia contas do Brasil em ação envolvendo trem-bala