13.º governo republicano (Portugal)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de União Sagrada)
Ir para: navegação, pesquisa
O Presidente da República, Bernardino Machado, recebe o Ministério da União Sagrada, 1916.
Governos da Primeira República Portuguesa
Coat of arms of Portugal.svg

O 13.º governo da Primeira República Portuguesa,[Nota 1] também conhecido como Ministério da União Sagrada, ou simplesmente União Sagrada, nomeado a 15 de março de 1916 e exonerado a 25 de abril de 1917, foi liderado por António José de Almeida. Para fazer face à participação portuguesa na I Guerra Mundial, tinha, por base, a união de todos os partidos políticos portugueses como resposta à nova conjuntura imposta pelos alemães. Na prática, apenas dois partidos se uniram: o Partido Democrático, liderado por Afonso Costa, e o Partido Republicano Evolucionista, de António José de Almeida. Seria este último o seu presidente.

Esta união durou até 25 de Abril de 1917, constituindo um dos governos que mais tempo esteve em funções (cerca de 406 dias), durante a Primeira República Portuguesa.[1]

A sua constituição era a seguinte:[2][3]

Cargo Detentor Período
Presidente do Ministério António José de Almeida 15 de março de 1916 a 25 de abril de 1917
Afonso Costa (interino) 4 de setembro de 1916 a 5 de outubro de 1916
Ministro do Interior António Pereira Reis
15 de março de 1916 a 29 de maio de 1916
Brás Mousinho de Albuquerque 29 de maio de 1916 a 25 de abril de 1917
António José de Almeida (interino) 4 de julho de 1916 a 17 de julho de 1916
Ministro da Justiça e dos Cultos Luís Mesquita de Carvalho 15 de março de 1916 a 25 de abril de 1917
Ministro das Finanças Afonso Costa 15 de março de 1916 a 25 de abril de 1917
António José de Almeida (interino) 12 de junho de 1916 a 8 de agosto de 1916[4]
António José de Almeida (interino) 31 de março de 1917 a data indeterminada[Nota 2]
Ministro da Guerra José Norton de Matos 15 de março de 1916 a 25 de abril de 1917
Ministro da Marinha Vítor Hugo de Azevedo Coutinho 15 de março de 1916 a 25 de abril de 1917
Ministro dos Negócios Estrangeiros Augusto Vieira Soares 15 de março de 1916 a 25 de abril de 1917
José Norton de Matos (interino) 12 de junho de 1916 a data indeterminada[Nota 2]
Ministro do Fomento António Maria da Silva 15 de março de 1916 a 17 de março de 1916
Francisco Fernandes Costa 17 de março de 1916 a 25 de abril de 1917
Ministro das Colónias António José de Almeida 15 de março de 1916 a 25 de abril de 1917
Afonso Costa (interino) 4 de setembro de 1916 a 5 de outubro de 1916
Ministro da Instrução Pública Joaquim Pedro Martins 15 de março de 1916 a 25 de abril de 1917
António José de Almeida (interino) 28 de junho de 1916 a 12 de julho de 1916
Ministro do Trabalho e Previdência Social António Maria da Silva 17 de março de 1916 a 25 de abril de 1917
Subsecretário de Estado das Finanças Artur de Almeida Ribeiro 18 de maio de 1916 a 25 de abril de 1917
Subsecretário de Estado da Guerra António Mimoso Guerra 18 de maio de 1916 a 25 de abril de 1917
Subsecretário de Estado das Colónias Celestino de Almeida 18 de maio de 1916 a 25 de abril de 1917

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Redacção Quidnovi, com coordenação de José Hermano Saraiva, História de Portugal, Dicionário de Personalidades, Volume VIII, Ed. QN-Edição e Conteúdos,S.A., 2004.
  2. Guimarãis, Alberto Laplaine; Ayala, Bernardo Diniz de; Machado, Manuel Pinto; António, Miguel Félix. «13.º Ministério». Os Governos da República: 1910–2010. Lisboa: Edição dos autores. p. 213–214. ISBN 978-989-97322-0-9 
  3. Maltez, José Adelino. «Governo de António José de Almeida (1916–1917)». Politipédia — Repertório Português de Ciência Política. Observatório Político. Consultado em 18 de fevereiro de 2013 
  4. Secretaria-Geral do Ministério das Finanças e da Administração Pública. «Iconografia – Quadros dos Mandatos» (PDF). Consultado em 17 de maio de 2017 

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Se o Governo Provisório (1910–1911), sendo um governo provisório e ainda não constitucional, não for contabilizado, então este governo será o 12.º governo da Primeira República Portuguesa.
  2. a b Para alguns detentores interinos de cargos ministeriais não foram lavrados diplomas de exoneração. Desta forma, não se sabe em que data abandonaram o cargo.

Notas

Ícone de esboço Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.