Arena da Amazônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Arena Manaus)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Arena da Amazônia
Amazonia Arena.jpg
Interior da Arena da Amazônia
Nome Arena da Amazônia
Características
Local Manaus, Amazonas, Brasil
Gramado Natural (105 x 68 m)
Capacidade 42.374 pessoas[1]
Construção
Data 2011–2014
Custo R$499,5 milhões (previsão)
R$ 605 milhões (atual)[2]
Inauguração
Data 9 de março de 2014 (1 mês)[3]
Partida inaugural Nacional 2–2 Remo
Primeiro gol Max (Remo)
Último Jogo
Outras informações
Competições Copa Verde
Copa do Mundo FIFA de 2014
Proprietário Governo do Estado do Amazonas
Administrador Governo do Estado do Amazonas
Arquiteto GMP Arquitetos

A Arena da Amazônia[1] é um estádio de futebol no bairro Flores da cidade de Manaus, estado do Amazonas, mesmo local antes ocupado pelo Estádio Vivaldo Lima. Foi construído para ser utilizado como uma das 12 sedes da Copa do Mundo FIFA de 2014 e foi inaugurado em 9 de março de 2014.[3] O arquiteto autor de seu projeto é Ralf Amann do escritório alemão GMP. O novo estádio deverá ser poliesportivo, com cobertura retrátil e uma capacidade estimada em torno de 42.374 pessoas.[1]

O custo de sua construção foi dividido em 25% para o Governo Estadual do Amazonas e 75% ao BNDES.[1] A empreiteira Andrade Gutierrez foi a vencedora da licitação para a construção.[4]

A Arena[editar | editar código-fonte]

Vista da Arena da Amazônia durante sua construção, em 2013.

Com arquitetura inspirada na floresta amazônica que rodeia a cidade de Manaus, a Arena da Amazônia será um estádio totalmente novo, construído de acordo com premissas de sustentabilidade e localizado estrategicamente entre o Aeroporto Internacional de Manaus e o centro histórico da capital amazonense.

O estádio terá capacidade para 42.374 torcedores e contará com camarotes, elevadores, quatrocentas vagas para estacionamento subterrâneo, acessibilidade para portadores de necessidades especiais, restaurante, sistema de aproveitamento de água da chuva, estação de tratamento de esgoto e ventilação natural para redução do consumo de energia.

Localizado no cruzamento das avenidas Constantino Nery e Pedro Teixeira, no lugar antes ocupado pelo antigo Estádio Vivaldo Lima, a Arena da Amazônia ficará ao lado do Sambódromo de Manaus, do novo Centro de Convenções do Amazonas e da Arena Poliesportiva Amadeu Teixeira.

Sustentabilidade[editar | editar código-fonte]

Com a meta de tornar a Arena da Amazônia a primeira edificação do Amazonas a obter a certificação Leed (sigla em inglês para Liderança em Energia e Design Ambiental) concedida pelo Green Building Council para construções verdes, o projeto da Arena da Amazônia atendeu exigências ambientais desde a etapa de demolição, como o reaproveitamento de 95% dos materiais removidos e demolidos do antigo Estádio Vivaldo Lima.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

O projeto do estádio prevê a construção de uma estrutura metálica similar à de um cesto de palha típico da região, que protegerá a parte externa das arquibancadas.

A água da chuva será armazenada para uso posterior nos banheiros ou para a irrigação do gramado. Já a luz solar, abundante nesta parte do país, deverá gerar energia limpa e renovável. Algumas paredes vegetais contribuirão para a redução dos gastos de energia e, sobretudo, para o controle da temperatura dentro do estádio.

Acidentes fatais durante a construção[editar | editar código-fonte]

A história da construção do estádio registra três acidentes fatais de operários. O primeiro foi de Raimundo Nonato Lima da Costa na noite de 28 de março de 2013, quando desequilibrou-se e caiu de uma altura de cinco metros.[5] Na madrugada do dia 14 de dezembro do mesmo ano, Marcleudo de Melo Ferreira caiu de uma altura de cerca de trinta e cinco metros após o rompimento de um cabo.[6] O terceiro foi o português Antônio José Pita Martins, atingido por uma peça de guindaste na manhã do dia 7 de fevereiro de 2014.[7]

Inauguração[editar | editar código-fonte]

A inauguração e a primeira partida ocorreram em 9 de março de 2014 entre as equipes do Nacional e Remo. O jogo foi válido pela Copa Verde 2014 e terminou em 2–2. O gol inaugural do novo estádio foi do zagueiro Max, do Remo, aos 32 minutos da etapa inicial. Público recorde foi de 40 mil torcedores, jogo entre Vasco x Resende, pela Copa do Brasil.[8]

Copa do Mundo FIFA de 2014[editar | editar código-fonte]

A Arena Amazônia receberá quatro jogos da Copa do Mundo FIFA de 2014, sendo os quatro jogos da fase inicial.

Data Horário (UTC−4) Equipe 1 Placar Equipe 2 Rodada Público
14 de junho de 2014 18:00 Inglaterra Flag of England.svg Flag of Italy.svg Itália Grupo D
18 de junho de 2014 18:00 Camarões Flag of Cameroon.svg Bandeira da Croácia Croácia Grupo A
22 de junho de 2014 18:00 Estados Unidos Flag of the United States.svg Flag of Portugal.svg Portugal Grupo G
25 de junho de 2014 16:00 Honduras Flag of Honduras.svg Flag of Switzerland.svg Suíça Grupo E

Referências

  1. a b c d Arena da Amazônia - Manaus. FIFA.com. Página visitada em 16 de fevereiro de 2012.
  2. Com ritmo acelerado, obras da Arena da Amazônia chegam a 76%
  3. a b Arena da Amazônia, estádio de Manaus para Copa, é inaugurada. G1 (9 de março de 2014). Página visitada em 9 de março de 2014.
  4. Andrade Gutierrez ganha licitação para construir Arena Amazônica. Amazonas.com.br (4 de março de 2010).
  5. Operário morre em acidente de trabalho na Arena da Amazônia. globoesporte.com (29 de março de 2013).
  6. Operário sofre queda e morre na Arena Amazônia. Estadão (14 de dezembro de 2013).
  7. Operário morre após sofrer acidente grave na Arena da Amazônia. globoesporte.com (7 de fevereiro de 2014).
  8. Nacional empata com o Remo e é eliminado da Copa Verde. A Crítica (9 de março de 2014).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]