Arena da Amazônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Arena Manaus)
Ir para: navegação, pesquisa
Arena da Amazônia
Arena da Amazônia Vivaldo Lima

Manaus aerea arenaamazonia.jpg
Vista aérea da Arena da Amazônia.
Nome Arena da Amazônia Vivaldo Lima
Características
Local Av. Constantino Nery, Manaus, Amazonas, Brasil
Gramado Bermuda (105 x 68 m)
Capacidade 44.351 [1]
Construção
Data 2011–2014
Custo R$605 milhões
Inauguração
Data 9 de março de 2014 (9 meses)
Partida inaugural Nacional 2–2 Remo
Primeiro gol Max, Remo
Recordes
Público recorde 40.322
Data recorde 25 de junho de 2014
Partida com mais público Flag of Honduras.svg Honduras 0-3 Flag of Switzerland.svg Suíça
Outras informações
Competições Amazonas Campeonato Amazonense
Brasil Campeonato Brasileiro
Brasil Copa do Brasil
Proprietário Governo do Estado do Amazonas
Administrador Governo do Estado do Amazonas
Arquiteto GMP Arquitetos e Grupo Stadia
Mandante Nacional
Fast

A Arena da Amazônia Vivaldo Lima, ou simplesmente Arena da Amazônia, é um estádio de futebol localizado na cidade de Manaus, estado do Amazonas, mesmo local antes ocupado pelo Estádio Vivaldo Lima. Foi construído para ser utilizado como uma das 12 sedes da Copa do Mundo FIFA de 2014 e foi inaugurado em 9 de março de 2014[2] . O arquiteto autor de seu projeto é Ralf Amann do escritório alemão GMP.

O custo de sua construção foi dividido em 25% para o Governo Estadual do Amazonas e 75% ao BNDES. A empreiteira Andrade Gutierrez foi a vencedora da licitação para a construção.

A Arena[editar | editar código-fonte]

A arena em construção em 2012

Com arquitetura inspirada na floresta amazônica que rodeia a cidade de Manaus, a Arena da Amazônia é um estádio totalmente novo, construído de acordo com premissas de sustentabilidade e localizado estrategicamente entre o Aeroporto Internacional de Manaus e o centro histórico da capital amazonense.

O estádio tem capacidade para 44.351 torcedores e conta com camarotes, elevadores, quatrocentas vagas para estacionamento subterrâneo, acessibilidade para portadores de necessidades especiais, restaurante, sistema de aproveitamento de água da chuva, estação de tratamento de esgoto e ventilação natural para redução do consumo de energia.

Localizado entre as avenidas Constantino Nery, Pedro Teixeira e Loris Cordovil, no lugar antes ocupado pelo antigo Estádio Vivaldo Lima, a Arena da Amazônia fica ao lado do Sambódromo de Manaus, do novo Centro de Convenções do Amazonas e da Arena Poliesportiva Amadeu Teixeira.

Sustentabilidade[editar | editar código-fonte]

Com a meta de tornar a Arena da Amazônia a primeira edificação do Amazonas a obter a certificação Leed (sigla em inglês para Liderança em Energia e Design Ambiental) concedida pelo Green Building Council para construções verdes, o projeto da Arena da Amazônia atendeu exigências ambientais desde a etapa de demolição, como o reaproveitamento de 95% dos materiais removidos e demolidos do antigo Estádio Vivaldo Lima. A água da chuva é armazenada para uso posterior nos banheiros ou para a irrigação do gramado. Já a luz solar, abundante nesta parte do país, gera energia limpa e renovável.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Interior da Arena.

O projeto do estádio procurou uma solução altamente eficiente e funcional, preenchendo todos os requisitos da FIFA e ainda provendo uma imagem muito característica que pudesse refletir a identidade única de Manaus e da Região Amazônica. Inspirado na fascinante diversidade e formas da Floresta Amazônica, o projeto do estádio foi desenvolvido de acordo com os conceitos mais avançados em arquitetura sustentável.

O uso de tecnologias inovativas e conceitos como o reuso de águas, resfriamento geotérmico, uso de bioetanol e ventilação natural auxilia tanto na redução dos consumos energéticos quanto no nível das emissões.

As arquibancadas, assim como o estacionamento no entorno, foram executados em concreto, em sua maioria utilizando-se elementos pré-fabricados.

A distinta cobertura é construída em aço e concreto com aberturas que são revestidas com uma membrana. A estrutura diagonal rígida de aço em balanço, protege 100% dos assentos, com integração total com a iluminação de refletores. Possui aberturas com formas orgânicas em membrana translúcida, possibilitando a ventilação natural. 2 telões em LED são suspensos da estrutura da cobertura.

A Arena possui serviço de alimentação com restaurantes e quiosques para torcedores comuns e VIPs, lojas dentro e fora do estádio e áreas VIP.

Inauguração[editar | editar código-fonte]

A inauguração e a primeira partida ocorreram em 9 de março de 2014 entre as equipes do Nacional e Remo. O jogo foi válido pela Copa Verde 2014 e terminou em 2–2. O gol inaugural do novo estádio foi do zagueiro Max, do Remo, aos 32 minutos da etapa inicial. Público recorde foi de 40.322 torcedores, no jogo final da Arena Amazônia na Copa do Mundo, entre Honduras e Suíça, que terminou com a vitória suíça por 3x0

Panorama do interior da arena à noite.

Partidas de futebol após reconstrução[editar | editar código-fonte]

Copa do Mundo FIFA de 2014[editar | editar código-fonte]

A Arena da Amazônia recebeu quatro jogos da Copa do Mundo FIFA de 2014, sendo os quatro jogos da fase inicial:

Data Horário
(UTC−4)
Equipe #1 Placar Equipe #2 Grupo Público
14 de junho 18:00 Inglaterra Flag of England.svg 1 – 2 Flag of Italy.svg Itália Grupo D 39 800[3]
18 de junho 18:00 Camarões Flag of Cameroon.svg 0 – 4 Bandeira da Croácia Croácia Grupo A 39 982[4]
22 de junho 18:00 Estados Unidos Flag of the United States.svg 2 – 2 Flag of Portugal.svg Portugal Grupo G 40 123[5]
25 de junho 16:00 Honduras Flag of Honduras.svg 0 – 3 Flag of Switzerland.svg Suíça Grupo E 40 322[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arena da Amazônia
Maiores estádios do Brasil  Esta caixa: verdicedite 
Estádio Localização Capacidade
Rio de Janeiro
Maracanã (atual)
Brasília
Mané Garrincha
São Paulo
Morumbi (anterior)
Belo Horizonte
Mineirão
1 Maracanã Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 74 738
2 Mané Garrincha Brasília, Distrito Federal 69 349
3 Morumbi São Paulo, São Paulo 67 052
4 Castelão Fortaleza, Ceará 60 342
5 Arruda Recife, Pernambuco 60 044
6 Mineirão Belo Horizonte, Minas Gerais 58 259
7 Arena do Grêmio Porto Alegre, Rio Grande do Sul 55 538
8 Parque do Sabiá Uberlândia, Minas Gerais 53 350
9 Fonte Nova Salvador, Bahia 51 900
10 Beira-Rio Porto Alegre, Rio Grande do Sul 50 128 Fonte: CBF [1]