Estádio Estadual Jornalista Edgar Augusto Proença

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Info/Estádio
 Nome Completo      = Estádio Olímpico do Pará
 Alcunhas                  = Mangueirão
 Imagem                    = Estádio Olímpico do Pará - 1.jpg
 Nome Estádio         = Mangueirão
Estádio Olímpico do Pará
Jornalista Edgar Campos Proença Local = Belém, PA Ano Cconstrução = 1978 Expandido = 5 de maio de 2002 fechado = demolido = Data Inauguração = 4 de março de 1978 Jogo Inauguração = Seleção paraense 4 X 0 Uruguai 1º Gol = Mesquita, Remo Capacidade = 45.000 pessoas[5] Público Recorde = 65.000 pessoas Data Recorde = 11 de julho de 1999 Jogo Recorde = Remo 1 x 0 Paysandu Dimensão Gramado = 105m x 68m Gramado = 100 % Natural Proprietário = Governo do Estado do Pará Administrador = Governo do Estado do Pará Arquiteto = Antigos Nomes = Alacid Nunes Mandante = Clube do Remo [[Paysandú Sport Clube, Tuna Luso Brasileira.

O Estádio Estadual Jornalista Edgar Augusto Proença (conhecido por Estádio Olímpico do Pará depois da reforma ou popularmente Mangueirão) é um estádio da cidade de Belém, capital do estado brasileiro do Pará.

História[editar | editar código-fonte]

O estádio surgiu do desejo do então governador do Estado, Alacid Nunes, em criar uma praça de esportes com capacidade para 120 mil pessoas. Em 1969, o projeto assinado pelo arquiteto Alcyr Meira começou a dar vida à ideia do governador. Sua construção iniciou em 1971 e em 1975 já era registrado pelos jornais jogos que aconteceram no estádio[1] [2] [3] [4] [5] . O estádio foi concluído em 1978, sendo batizado com o nome de Alcid Nunes, com capacidade para 70 mil pessoas.

A estreia extra-oficial do estádio ocorreu no dia 20 de fevereiro de 1978, na vitória do Clube do Remo sobre a equipe do Operário-MS, válido pelo Campeonato Brasileiro de Futebol de 1977. Entretanto, a data escolhida para a inauguração do Mangueirão foi o dia 4 de março de 1978, quando a seleção paraense - formada por jogadores de Remo, Tuna e Paysandu - goleou a seleção uruguaia por 4 a 0 em um amistoso. O primeiro gol da história do estádio foi marcado por Mesquita, jogador do Clube do Remo.

Nesse ano, o Mangueirão foi palco da grande final do Campeonato Paraense de Futebol. O Clube do Remo cravou seu nome como o primeiro campeão na história do estádio ao derrotar o rival Paysandu Sport Club por 2 a 1. O maior público registrado na história do estádio foi 65 mil torcedores na final do Campeonato Paraense de Futebol de 1999.

O apelido “Mangueirão” é de autoria do cronista esportivo Moacir Calandrini.

Reforma[editar | editar código-fonte]

No ano de 2000, o Mangueirão entrou em um período de reformas para a conclusão das arquibancadas que durou até 2002. Na reinauguração do estádio, em 5 de Maio de 2002, Paysandu e Remo empataram em 2 a 2 e o jogador Balão, que então jogava no Remo, fez o primeiro gol desta partida. O nome oficial do Mangueirão passou a levar o nome do jornalista Edgar Augusto Proença.

O Mangueirão é dono do maior público da América Latina no GP Caixa de Atletismo (42.640 pessoas). O estádio também foi palco dos jogos do Paysandu na Copa Libertadores da América de 2003, quando recebeu o seu maior público pós-reforma: 57.330 torcedores (Paysandu 2 x 4 Boca Juniors).

Atualmente, o Mangueirão tem capacidade para 50.000 espectadores.

Seleção brasileira[editar | editar código-fonte]

Belém já recebeu jogos da seleção brasileira em quatro oportunidades:

  • O primeiro jogo da seleção brasileira realizado em Belém, ocorreu no dia 8 de novembro de 1990, quando a equipe canarinho empatou pelo placar de 0x0 contra a seleção do Chile.
  • Em 1997, o Brasil realizou um amistoso contra a seleção do Marrocos, que serviu de preparação para a Copa do Mundo de 1998. Com Mangueirão lotado, os brasileiros venceram pelo placar de 2x0, gols anotados por Denílson.
  • Em 28 de setembro de 2011, o Mangueirão recebereu mais um grande jogo que entrou para a história do estádio. Trata-se do Superclássico das Américas, disputada por Brasil e Argentina, no qual o Brasil ganhou por 2x0 levantando a taça de Campeão das Américas. Os gols foram marcados por Lucas e Neymar.

Superclássico das Américas[editar | editar código-fonte]

O Superclássico das Américas de 2011 (antes conhecido como Copa Roca) foi um torneio de futebol amistoso disputado entre a Seleção Brasileira e a Seleção Argentina, entre 14 e 28 de setembro de 2011. No jogo de ida, dia 14/09/2011 foi disputado na cidade de Córdoba-ARG, e o resultado foi 0 x 0. No jogo de volta, dia 28/09/2011 foi disputado em Belém-Pa, e o Resultado foi 2 x 0 para o Brasil.

O jogo de volta, no Estádio Mangueirão
28 de setembro Brasil Brasil 2 – 0 Flag of Argentina.svg Argentina Estádio Mangueirão, Belém, Brasil
21:50 (UTC-3)
Lucas Silva Gol marcado aos 53 minutos de jogo 53'
Neymar Gol marcado aos 75 minutos de jogo 75'
Público: 43 038
Árbitro: UruguaiURU Jorge Larrionda
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Brasil
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Argentina
G 1 Jefferson
LD 2 Danilo
Z 3 Dedé
Z 4 Réver
LE 6 Bruno Cortês Substituído após 87 minutos de jogo 87'
V 5 Ralf
V 8 Rômulo
M 7 Lucas Substituído após 68 minutos de jogo 68'
M 10 Ronaldinho Gaúcho Capitão
A 11 Neymar
A 9 Borges Substituído após 73 minutos de jogo 73'
Substituições:
M 18 Diego Souza Entrou em campo após 68 minutos 68'
A 19 Fred Entrou em campo após 73 minutos 73'
LE 16 Kléber Entrou em campo após 87 minutos 87'
Treinador:
Brasil Mano Menezes
G 1 Agustín Orión
LD 2 Iván Pillud Substituído após 77 minutos de jogo 77'
Z 6 Sebá Domínguez
Z 4 Christian Cellay Capitão
Z 5 Leandro Desábato Penalizado com cartão amarelo após 70 minutos 70'
LE 3 Emiliano Papa
V 8 Augusto Fernández
V 11 Guiñazú
M 10 Héctor Canteros Substituído após 59 minutos de jogo 59'
A 7 Montillo
A 9 Lucas Viatri
Substituições:
V 17 Mario Bolatti Entrou em campo após 59 minutos 59'
A 22 Pablo Mouche Entrou em campo após 77 minutos 77'
Treinador:
Argentina Alejandro Sabella

Clássico Re-Pa[editar | editar código-fonte]

O Clássico Rei da Amazônia - título dado ao duelo entre os dois grandes clubes do Pará, Clube do Remo e Paysandu Sport Club, o famoso Re-Pa - é comumente disputado no estádio Mangueirão, o maior do estado. Por comportar mais de 40 mil pessoas, o "Colosso do Benguí" é a praça esportiva mais adequada para abrigar as duas massas torcedoras de Leão e Papão, conhecidas nacionalmente pelos grandes públicos em dias de clássicos. O Mangueirão já foi palco de 179 jogos entre Remo e Paysandu, sendo 64 vitórias azulinas, 48 bicolores e 68 empates.

Mangueirão 2014[editar | editar código-fonte]

Ao contrário de outros estádios que lutavam para receber a Copa do Mundo de 2014 e prometiam grandes melhorias, o Mangueirão apresentou apenas pequenos ajustes em seu projeto. A arena teve uma ampla reforma concluída em 2002, o que, segundo os responsáveis, a deixou de acordo com as exigências da Fifa. Além disso, é um dos poucos estádios brasileiros em condições adequadas de segurança.

Também seriam criados espaços voltados para a mídia nacional e internacional, com capacidade para 1.600 jornalistas, e uma área exclusiva para membros da Fifa. Haveria ainda um centro comercial no qual seriam vendidos produtos licenciados da Copa do Mundo de 2014.

Boa parte da estrutura seria utilizada apenas após o Mundial para a formação de atletas. Durante a competição, o que seria realmente aproveitável seriam os quatro campos oficiais que seriam construídos pela Federação Paraense de Futebol. Dois deles teriam arquibancadas e vestiários completos, que seriam utilizados como centro de treinamento para as seleções.

O Mangueirão é um dos melhores estádios do Brasil, e se acreditava que figuraria entre os escolhidos da FIFA para realizar alguns jogos da Copa do Mundo 2014.[carece de fontes?]

Entretanto, no dia 31 de março de 2009, Belém não figurou entre as cidades-sede escolhidas para a Copa do Mundo 2014. A escolha dos técnicos da FIFA e CBF para a sede da Amazônia foi a cidade de Manaus.

Mangueirão 2015[editar | editar código-fonte]

No dia 28 de setembro de 2011, o estádio foi escolhido para receber o segundo jogo do Superclássico das América, Brasil contra Argentina. A seleção ganhou de 2x0 sobre os argentinos. Após o resultado, o presidente da CBF, Ricardo Teixeira junto com governador do estado do Pará, Simão Jatene anunciam Belém como sede da Copa América de 2015. Segundo o presidente da CBF, a cidade mereceu esse título pelos esforços que teve durante a passagem da seleção e enorme carinho dos paraenses. Além de Belém, Goiânia também sediará a Copa América. A Copa América de 2015 entretanto será sediada pelo Chile, que permutou com o Brasil, que sediará então a competição somente em 2019, fato que deixa indefinida a participação de Belém e Goiânia como sedes.

Maiores públicos[editar | editar código-fonte]

  1. Paysandu 0 a 1 Remo, 65.000, 11/07/1999
  2. Paysandu 1 a 1 Remo, 64.010 - (59.613 pagantes e 3.397 não pagantes), 29/4/1979
  3. Paysandu 2 a 0 Fluminense, 60.000, 20/9/1998
  4. Paysandu 2 a 4 Boca Juniors, 57.930, 15/05/2003
  5. Remo 1 a 2 Paraná Clube, 56.000, 05/11/2000
  6. Paysandu 1 a 2 Cruzeiro, 53.615, 31/7/2002
  7. Remo 4 a 0 Tocantinópolis, 53.473, 18/9/2005
  8. Remo 1 a 0 Paysandu, 52.973,8/4/1979
  9. Remo 2 a 1 Paysandu, 51.304, 26/08/1979
  10. Remo 2 a 0 Operário/MS, 51.000, 20/02/1978
  11. Remo 2 a 2 Paysandu, 49.695, 04/04/2004
  12. Remo 1 a 3 Paysandu, 48.141, 13/09/1992
  13. Remo 0 a 1 Nacional/AM, 45.841, 16/10/2005
  14. Paysandu 2 a 0 Flamengo, 45.164, 06/09/1995
  15. Remo 2 a 2 Ipatinga/MG, 44.097, 13/11/2005

Fonte: A Enciclopédia do Futebol Paraense, por Ferreira da Costa, IV Edição, atualizado até 15 de janeiro de 2007.

Precedido por
Superclássico das Américas
Final

2011
Sucedido por
La Bombonera, Buenos Aires

Referências