Turismo no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O turismo no Brasil é uma atividade econômica importante em várias regiões do país. Com 5 milhões de visitantes estrangeiros em 2008,[1] [2] o Brasil é o principal destino do mercado turístico internacional na América do Sul, e ocupa o segundo lugar na América Latina em termos de fluxo de turistas internacionais.[2]

Os gastos dos turistas estrangeiros em visita ao Brasil alcançaram 5,8 bilhões de dólares em 2008, 16,8% a mais do que em 2007[3] e o país abarcou 3,4% do fluxo turístico internacional no continente americano em 2008.[2] Em 2005, o turismo contribuiu com 3,2% das receitas nacionais advindas da exportação de bens e serviços, responsável pela criação de 7% dos empregos diretos e indiretos na economia brasileira.[4] Em 2006, estima-se que 1,87 milhão de pessoas foram empregadas no setor, com 768 mil empregos formais (41%) e 1,1 milhão de ocupações informais (59%).[5]

O turismo doméstico representa uma parcela fundamental do setor; contabilizando mais de 50 milhões de viagens anualmente,[6] a receita direta gerada pelo turismo interno em 2010 foi de 33 bilhões de dólares[7] – quase seis vezes mais do que é captado pelo país em relação ao turismo estrangeiro.[6]

Características[editar | editar código-fonte]

Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, um dos principais atrativos turísticos de Goiás.[8]

O produto turístico brasileiro caracteriza-se por oferecer tanto ao turista brasileiro quanto ao estrangeiro uma gama diversificada de opções, com destaque aos atrativos naturais, aventura e histórico-cultural. Nos últimos anos, o governo tem concentrado esforços em políticas públicas para desenvolver o turismo brasileiro,[9] procurando baratear o deslocamento interno, desenvolvendo infra-estrutura turística e capacitando mão de obra para o setor, além de aumentar consideravelmente a divulgação do país no exterior.[10] São notáveis a procura pela Amazônia na Região Norte,[11] o litoral no Nordeste,[12] o Pantanal e o Planalto Central no Centro-Oeste. O turismo histórico em Minas Gerais, as praias do Rio de Janeiro e os negócios em São Paulo dividem o interesse no Sudeste, e os pampas e o clima frio no Sul do país.

Na classificação do Índice de Competitividade em Viagens e Turismo (TTCI pela sigla em inglês) de 2009, que mensura os fatores preponderantes à consolidação de negócios no setor turístico de cada país, o Brasil alcançou o 45º lugar mundial, sendo o segundo colocado entre países da América Latina e o quinto no continente americano.[13] As vantagens competitivas do Brasil para desenvolver empreendimentos turísticos consolidaram-se na área de recursos humanos, e nos aspectos culturais e naturais, nos quais o país classificou-se, em 2009, no quarto lugar mundial, com maior destaque para indicadores relativos a recursos naturais e culturais, dado que, considerando-se somente seus recursos naturais, o Brasil posiciona-se no segundo lugar do ranking mundial. O relatório do TTCI também aponta que as principais deficiências do setor turístico brasileiro estão a competitividade de seus preços (91º lugar), na infra-estrutura do transporte terrestre (110º lugar), e na segurança pública (130º lugar dos 133 países avaliados).[14]

O Brasil, de acordo com a International Congress & Convention Association (ICCA), ocupa o primeiro lugar entre os países latino-americanos que mais recebem eventos internacionais, é o segundo do continente Americano e o 7º do mundo, depois de Estados Unidos, Alemanha, Espanha, França, Reino Unido e Itália, respectivamente.[15]

Vista panorâmica da Praia do Cachorro, no Arquipélago de Fernando de Noronha

Turismo internacional[editar | editar código-fonte]

Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes.

Série histórica de chegadas de turistas
internacionais ao Brasil 1995-2008
Ano Chegadas
turistas
estrang.
(1000)
Var.
anual
(%)
Receitas
geradas
(bilhões
USD)
Var.
anual
(%)
1995[16] [17] 1.991 - 972 -
2000[16] [17] 5.313 - 1,810 -
2003[16] [17] 4.133 - 2,479 -
2004[16] [17] 4.794 16,0 3,222 30,0
2005[18] 5.358 11,8 3,861 19,8
2006[18] 5.019 -6,3 4,316 11,8
2007[19] 5.026 0,1 4,953 14,8
2008[19] 5.050 0,5 5,785 16,7
2009[19] 4,802 -4,9 5,305 -8,2

Segundo números da Organização Mundial do Turismo (OMT), os esforços no sentido de desenvolver a atividade no Brasil têm surtido o resultado esperado. Nos últimos anos, conforme mostra a tabela abaixo, os números foram recordes na série histórica para o país e o turismo brasileiro cresceu em 2004 e 2005 mais do que os principais países no ranking da OMT. Porém, em 2006, foi registrada uma queda, mantendo-se quase constante o fluxo de turistas internacionais ao decorrer de 2006 a 2008.[1] [2] [18] [20] Entretanto, as receitas do turismo internacional continuam crescendo, passando de 3,9 bilhões de dólares em 2005 para 4,9 bilhões em 2007 e 5,7 bilhões em 2008.[3] Em 2010, o gastro de turistas estrangeiros no Brasil cresceu 11,05%, comparando com 2009.[21] Estes resultados foram considerados uma grande conquista para o setor, principalmente, em virtude da forte valorização do câmbio do Real perante o Dólar americano que aconteceu até agosto de 2008, o que fazia do Brasil um destino mais caro para os estrangeiros; dos problemas causados pela crise aérea nos aeroportos brasileiros; e da crise financeira da Varig, considerada responsável pela desistência estimada de perto de 400 mil turistas estrangeiros em 2006.[22] Esta tendência de crescimento mudou em 2009, quando o número de visitantes aumentou para 4,8 milhões e as receitas cairam para US$ 5,3 bilhões como resultado da crise económica de 2008-2009.[19]

Embora as receitas advindas do turismo internacional continuem batendo recordes, o número de turistas brasileiros no exterior tem crescido significativamente nos últimos anos, provocando um balanço negativo quando comparadas as receitas do turismo internacional com as despesas dos brasileiros fora do país. A despesa cambial turística aumentou de US$ 5,764 bilhões em 2006, para US$ 8,211 bilhões em 2007 (+42,45%), o que representou um déficit em 2007 de 3,258 bilhões de dólares, contra 1,448 bilhão de dólares em 2006, ou seja: um aumento de 125% no último ano.[23] Esta tendência crescente tem se mantido desde 2003 e é devida ao fato dos brasileiros estarem aproveitando a valorização do real para viajar e realizar maiores gastos no exterior.[23] A proporção de brasileiros que realizou viagens internacionais em 2006 foi de 3,9% da população.[24]

A maior parte dos turistas estrangeiros em visita ao Brasil em 2008 foi proveniente da América do Sul (40,99%) – principalmente da Argentina e do Chile -, da Europa (35,17%) - principalmente da Itália e da Alemanha -, e da América do Norte (15,16%), sobretudo dos Estados Unidos.[25] Os principais países de origem dos turistas estrangeiros que visitaram o Brasil entre 2006 e 2008 são:

Parque Nacional do Iguaçu, na fronteira Brasil-Argentina, é o segundo destino mais procurado pelos turistas estrangeiros que vêm ao Brasil a lazer.[26]
O Pantanal, no Mato Grosso do Sul, é um destino muito visado pelos ecoturistas.
Destino preferido no rio Amazonas: o Encontro das Águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus.
Porto de Galinhas foi eleita por 10 vezes consecutivas a Melhor Praia do Brasil segundo a Revista Viagem e Turismo, da Editora Abril.[27]
Praia de Maceió, as praias de Alagoas, atraem turistas do mundo inteiro.
Jericoacoara no Ceará é um dos destinos mais valorizados no turismo brasileiro e muito apreciado pelos turistas europeus.
Principais 15 países emissores de turistas para o Brasil[1] [28]
Posição
2008
País de
origem
Turistas
estrangeiros
2008
 %
total
Turistas
estrangeiros
2007
 %
total
Turistas
estrangeiros
2006
 %
total
 Argentina 1.017.675 20,15 920.210 18,31 933.061 18,63
 Estados Unidos 625.506 12,39 699.169 13,91 721.633 14,41
 Itália 265.724 5,26 268.685 5,35 287.898 5,75
 Alemanha 254.264 5,03 257.719 5,13 277.182 5,53
 Chile 240.087 4,75 260.430 5,18 167.357 3,34
 Portugal 222.558 4,41 280.438 5,58 299.211 5,97
Paraguai 217.709 4,31 206.323 4,11 198.958 3,97
 França 214.440 4,25 254.367 5,06 275.913 5,51
 Espanha 202.624 4,01 216.373 4,31 211.741 4,23
10º Uruguai 199.403 3,95 226.111 4,50 255.349 5,10
11º  Reino Unido 181.179 3,59 176.948 3,52 169.627 3,39
12º  Colômbia 96.846 1,92 45.838 0,91 50.103 1,00
13º  Peru 93.693 1,86 96.336 1,92 64.002 1,28
14º  Bolívia 84.072 1,66 61.990 1,23 55.169 1,10
15º  Países Baixos 81.936 1,62 83.554 1,66 86.122 1,72
Chegadas de turistas internacionais por região de origem (2006 a 2008)[1] [25]
América do Sul 2.070.391 41,0 1.906.451 37,9 1,818,352 36,2
Europa 1.776.333 35,2 1.906.078 37,9 1,951,528 38,9
América do Norte 765.380 15,2 821.921 16,4 855.098 17,0

As viagens dos turistas estrangeiros em 2005 foram majoritariamente motivadas por: lazer (44,4%), negócios, eventos e convenções (29,1%) e visitas a amigos e parentes (22,6%). Quanto ao tipo de hospedagem, 59,7% hospedaram-se em hotel, pousadas ou resorts, 24,3% em casas de amigos ou parentes, e 8,1% em imóveis alugados.[26] Os principais meios de locomoção empregados para se chegar ao Brasil em 2007 foram: transporte aéreo (74,6%), terrestre (22,9%) e marítimo (1,7%).[25]

Para o segmento do mercado turístico internacional, em 2005, os destinos mais visados para viagens de lazer foram Rio de Janeiro, Foz do Iguaçu e São Paulo, respectivamente. Para os turistas estrangeiros que visitaram o Brasil a negócios, eventos e convenções em 2005, os destinos mais procurados foram São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre.[26] As pesquisas da EMBRATUR apontam que existe uma forte concentração das viagens dos turistas estrangeiros nas cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo, e nas regiões Sudeste e Sul do país, independentemente do motivo.

Principais destinos visitados pelos turistas estrangeiros em 2005[26]
Ranking dos 10 mais populares segundo o motivo da viagem
Lazer Negócios,
eventos e convenções
Outros
Posição
(2005)
Destino % Posição
(2005)
Destino % Posição
(2005)
Destino %
Rio de Janeiro 31,5 São Paulo 49,4 São Paulo 32,5
Foz de Iguaçu 17,0 Rio de Janeiro 22,3 Rio de Janeiro 25,0
São Paulo 13,6 Porto Alegre 8,2 Belo Horizonte 6,4
Florianópolis 12,1 Curitiba 5,4 Salvador 6,3
Salvador 11,5 Belo Horizonte 4,1 Foz de Iguaçu 5,1
Balneário Camboriú 6,7 Campinas 4,1 Curitiba 4,6
Fortaleza 6,4 Brasília 3,4 Florianópolis 4,0
Natal 5,8 Foz de Iguaçu 3,0 Porto Alegre 3,6
Armação dos Búzios 5,4 Salvador 2,7 Fortaleza 3,4
10º Manaus 4,0 10º Florianópolis 1,8 10º Brasília 3,1
Ranking das regiões mais visitadas segundo o motivo de viagem em 2005[26]
Sudeste 52,7
Sudeste 82,8
Sudeste 68,3
Sul 42,1
Sul 18,4
Sul 17,3
Nordeste 29,0
Nordeste 5,8
Nordeste 14,9

Comparação com destinos da América Latina[editar | editar código-fonte]

A seguir é apresentado um resumo comparativo das principais estatísticas sobre o turismo do Brasil com países que estão entre os destinos mais populares da América Latina, incluindo indicadores que refletem a importância da atividade em suas economias, assim como seu potencial ou atrativo para realizar investimentos ou desenvolver negócios no setor de viagens e turismo de cada país, refletido pelo índice de competitividade do turismo.

Países selecionados da
América Latina
Chegadas
turistas
internl.[19]
2009
(em
milhões)
Receitas
turismo
internl.[19]
2009
(em USD
bilhões)
Receita
média
por chegada
2009[19]
(USD/turista)
Chegadas
Turistas
per 1000 hab
(estimado)
2007[20] [29]
Receitas
per
capita [17]
2005
USD
Receitas
%
exportação
bens e
serviços[4]
2003
Receitas
turismo
 %
PIB[4]
2003
 % Empregos
diretos
e indiretos
no turismo[4]
2005
Classif.
Mundial
Competitiv.
Turística[30]
TTCI
2011
Valor do
Índice
TTCI[30]
2011
 Argentina 4,329 3,916 905 115 57 7,4 1,8 9,1 60 4,20
 Brasil 4,802 5,305 1.105 26 18 3,2 0,5 7,0 52 4,36
 Chile 2,750 1,568 570 151 73 5,3 1,9 6,8 57 4,27
Costa Rica 1,923 2,075 1.079 442 343 17,5 8,1 13,3 44 4,43
 Cuba 2,405 2,080 865 188 169 n/d n/d n/d n/d n/d
 México 21,454 11,275 525 201 103 5,7 1,6 14,2 43 4,43
 Panamá 1,200 1,483 1.236 330 211 10,6 6,3 12,9 56 4,30
 Peru 2,140 2,046 956 65 41 9,0 1,6 7,6 69 4,04
República Dominicana 3,992 4,065 1.018 408 353 36,2 18,8 19,8 72 3,99
Uruguai 2,055 1,311 638 525 145 14,2 3,6 10,7 58 4,24
  • Nota : A cor sombreado verde denota o país com o melhor indicador e a cor sombreado amarelo corresponde aos indicadores do Brasil.

Turismo doméstico[editar | editar código-fonte]

O Rio de Janeiro é um dos mais conhecidos atrativos turísticos do Brasil.

O turismo doméstico representa uma parcela fundamental do turismo brasileiro. Com mais de 50 milhões de viagens anualmente, gerou quase dez vezes mais viagens que o turismo internacional receptivo e receitas diretas 5,6 vezes superiores que as advindas do mercado turístico internacional.[6] Em 2005, os principais estados receptores foram São Paulo (27,7%), Minas Gerais (10,8%), Rio de Janeiro (8,4%), Bahia (7,4%) e Santa Catarina (7,2%). Os três principais estados de origem foram São Paulo (35,7%), Minas Gerais (13,6%) e Rio de Janeiro (8,2%).[31] Em termos de receita gerada, os principais estados são São Paulo (16,4%) e Bahia (11,7%). Os três principais motivos de viagem em 2005 foram visitar amigos e parentes (53,1%), sol e praia (40,8%), e turismo cultural (12,5%).[24]

Ao contrário do turismo internacional, os principais meios de transporte utilizados em 2005 para viajar foram: carro (45,7%), ônibus de linha (25,5%), avião (12,1%), ônibus de excursão ou fretado (7,9%) e carona (5,2%). Outra diferença marcante é o tipo de hospedagem. 60,2% dos turistas domésticos hospedaram-se em casas de amigos ou parentes, seguidos por hotel, pousadas ou resorts (25,1%) e imóvel alugado (6,4%). Como diferencial, o imóvel alugado representa uma importante alternativa de hospedagem apenas nas viagens com destino às regiões Sudeste e Sul.[31] Estas características do turismo doméstico explicam porque em 2005 o gasto médio dos brasileiros foi de apenas 429 dólares[24] em comparação com a média de 860 dólares dos turistas internacionais.[4]

Turismo por regiões[editar | editar código-fonte]

NoFonti.svg
Esta seção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde agosto de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Broom icon.svg
Algumas referências desta seção necessitam de formatação (desde agosto de 2014).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Nordeste[editar | editar código-fonte]

O imenso litoral da região Nordeste do Brasil é o principal fator que contribui no turismo local. Com praias belíssimas, muitas intocadas, que são comparadas apenas às do Caribe, e colocam o Nordeste entre as grandes rotas de turismo mundial. Milhões de turistas desembarcam nos modernos aeroportos nordestinos todos os anos. Há alguns anos vêm se investindo intensamente na melhoria da infraestrutura na região, como a construção de parques aquáticos, complexos hoteleiros, resorts e pólos de ecoturismo. Esse crescimento, no entanto, favorece a especulação imobiliária, que, em muitos casos, ameaça a preservação de importantes ecossistemas.[32]

Segundo a pesquisa "Hábitos de Consumo do Turismo Brasileiro 2009", realizada pelo Vox Populi em novembro de 2009, a Bahia é o destino turístico preferido dos brasileiros,[33] já que 21,4% dos turistas que pretendem viajar nos próximos dois anos optarão pelo estado. Pernambuco, com 11,9%, é o segundo colocado. Os dois estados mais bem colocados da pesquisa estão localizados na região.

A cultura nordestina é um atrativo à parte para o turista.[32] Em cada estado, há danças e hábitos seculares preservados. As rendas de bilros e a cerâmica são as formas mais tradicionais de artesanato da região.[34] Segundo o Guinness Book, o Carnaval de Salvador é a maior festa popular do mundo,[35] contando com cerca de 2,7 milhões de foliões em seis dias de festa. Para se ter uma idéia, este mesmo número é quase equivalente ao número de moradores da cidade. No período de alta-estação, o verão, a capital baiana chega a receber cerca de dois milhões de turistas.[36] E é exatamente o carnaval o evento que mais atrai turistas para a região. Além de Salvador, destacam-se também os carnavais de Olinda e Recife.

Outro evento característico nordestino são as festas juninas, como as de Caruaru (PE) e Campina Grande (PB), as mais populares do país durante a época.[37] O nordeste é a região brasileira que abriga o maior número de Patrimônios Culturais da Humanidade, título concedido pela UNESCO. Alguns exemplos são a cidade de Olinda (PE), São Luís (MA) e o centro histórico do Pelourinho, em Salvador (BA).[38]

Outros grandes destaques em nível nacional e mundial são Fernando de Noronha, com suas maravilhosas paisagens naturais e mar cristalino, local que abriga, entre outros, os golfinhos rotadores, conhecidos em todo o mundo, e o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, um paraíso ecológico com 155 mil hectares de dunas, rios, lagoas e manguezais, localizado no nordeste do estado do Maranhão, ocupando uma área de 270 km de dunas que se formam conforme a combinação dos ventos. Há ainda o Parque Nacional da Serra da Capivara, no Piauí, um dos mais importantes sítios arqueológicos do país.

Atualmente, três estados do Nordeste (Maranhão, Ceará e Piauí) uniram-se em um projeto para formar um 'Pacote' de pontos turísticos nos litorais dos três estados. Os principais pontos são: Barreirinhas - MA, Delta do Parnaíba e Luís Correia - PI e Jericoacoara - CE.[carece de fontes?]

Bahia[editar | editar código-fonte]

Salvador, maior cidade da região Nordeste e capital da Bahia, atrai cerca de dois milhões de turistas somente no verão.[36]
Ilha Redonda, no Arquipélago dos Abrolhos.

A Bahia é o maior estado da região e possui o maior litoral do país, num total de 932 km, correspondente a 12,4% do total. No litoral baiano, localiza-se o distrito da Costa do Sauípe, maior complexo turístico do Brasil, construído dentro do município de Mata de São João e projetado desde o seu princípio visando o turismo. O Arquipélago dos Abrolhos se destaca por possuir uma excelente área para mergulho autônomo e livre além de atrações como a temporada das baleias jubarte, que se inicia no mês de julho. Na região metropolitana de Salvador, está a Baía de Aratu. Também é marcante a Baía de Camamu, terceira maior baía brasileira. O litoral baiano ainda possui outros lugares bastante turísticos como Arraial d'Ajuda, em Porto Seguro, cidade criada no local onde aconteceu a descoberta do Brasil, Morro de São Paulo, Praia do Forte e Maraú.

Na capital do estado, Salvador, localiza-se a Baía de Todos os Santos, a maior baía brasileira, tendo 1.052 km² de extensão, profundidade de até 42 metros com visibilidade de mergulho entre 10 e 20 metros. Na cidade, destaca-se também o Farol da Barra, localizado na praia da Barra. Construído no século XVII, o farol possui uma localização geográfica única no planeta, onde é possível ver tanto o nascer quanto o pôr-do-sol no mar, pois ocupa o vértice da península em que está a cidade. O farol é um dos mais famosos cartões-postais da cidade, junto ao Elevador Lacerda. No quesito história, em Salvador há o bairro do Pelourinho, considerado Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO e que guarda vestígios da época em que a cidade era a capital do Brasil e principal sede político-administrativa do Brasil Colonial.

O carnaval de Salvador é o segundo maior do país, superado apenas pelo do Rio de Janeiro, que segundo o Guinness Book é o maior do mundo. Durante o período do carnaval de Salvador, dezenas dos cantores e grupos musicais famosos do Brasil desfilam nos trios elétricos como Ivete Sangalo, Daniela Mercury, Cláudia Leitte, Chiclete com Banana, Asa de Águia, a apresentadora Eliana com seu bloco destinado ao público infantil, entre muitos outros.

A gastronomia é outro atrativo da região. A culinária da Bahia, a mais conhecida do Brasil (embora não a mais consumida) é baseada em especiarias com tempero forte, à base de azeite de dendê, leite de coco, gengibre e, naturalmente, pimenta (a gosto) de muitos diferentes tipos. Na culinária baiana, alguns dos principais pratos são o Acarajé, Abará, Caruru e Vatapá.

Assim como em toda a região Nordeste, o ecoturismo ainda está se desenvolvendo na Bahia. Nele, destaca-se a Chapada Diamantina, onde está localizado o Pico do Barbado, ponto mais alto do Nordeste brasileiro, com cerca de 2.033 metros.

Panorama da Chapada Diamantina a partir do Morro do Pai Inácio, no Parque Nacional da Chapada Diamantina, Bahia.

Norte[editar | editar código-fonte]

Por ser uma região pouco habitada e de ocupação mais tardia, o ecossistema da região Norte do Brasil encontra-se preservado, o que propicia as atividades de ecoturismo. Como parte do recente planejamento de desenvolvimento sustentável, a exploração do turismo cresce a cada dia com mais infraestrutura para os turistas.

Outro atrativo da região é o centro histórico, encontrado nas cidades de: Belém, Boa Vista, Itacoatiara, Manaus, Rio Branco, Santarém e Bragança.

As cidades que são mais visitadas pelos turistas na Amazônia são: Manaus, Belém, Salinópolis, Porto Velho, Santarém, Boa Vista, Macapá, Rio Branco, Palmas, Bragança e Parintins.

Amazonas[editar | editar código-fonte]

Teatro Amazonas em Manaus, um dos mais belos teatros do país.

O Amazonas recebeu o prêmio de melhor destino verde da América Latina, prêmio este concedido em votação feita pelo mercado mundial de turismo, durante a World Travel Market, ocorrido em Londres em 2009.[39] Em 2010, em uma pesquisa feita entre os turistas, o turismo foi avaliado como satisfatório, com 92,4% entre os turistas nacionais e 94% entre os turistas estrangeiros.[40]

A capital do estado, Manaus é o maior destino de turistas da Amazônia, oferecendo uma ampla rede hoteleira, assim como restaurantes variados.[41] Conta também com diversos hotéis de selva em sua região metropolitana.[41] Um dos principais pontos turísticos da cidade é o Teatro Amazonas, inaugurado em 31 de dezembro de 1896, sendo o principal Patrimônio Artístico Cultural do estado do Amazonas e a obra mais significativa da época áurea da borracha.[42]

O ecoturismo, também chamado de turismo de natureza, também atrai milhares de turistas à Manaus. Entre as atrações naturais da cidade, destacam-se: O Encontro das Águas, um fenômeno natural causado pelo encontro das águas barrentas do rio Solimões com as águas escuras do Rio Negro, as quais percorrem cerca de seis quilômetros sem se misturarem. Esse fenômeno acontece em decorrência da temperatura e densidade das àguas, e, ainda a velocidade de suas correntezas. Praia da Ponta Negra, uma praia fluvial às margens do rio Negro, localizada a 13 km do Centro. Apresenta-se em melhores condições durante a vazante do rio por volta do mês de setembro.[43] Praia da Lua, pertencente ao município de Iranduba (região metropolitana de Manaus), localizada à margem esquerda do rio Negro, distante 23 quilômetros de Manaus, por via fluvial. Tem o formato de uma lua em quarto crescente e uma vegetação de rara beleza natural com uma extensão de areia branca e banhada pelas águas negras do rio Negro, límpidas.[44] O acesso ao lugar é feito por barcos regionais que saem de alguns portos da cidade, lanchas fretadas localizadas no pier ao lado do Tropical Hotel, na Ponta Negra.[44] Praia do Tupé.[45] Praia Dourada, uma praia da zona rural de Manaus, distante 20 quilôemtros do centro da cidade, sendo banhada pelo igarapé do Tarumã e o rio Negro.[46] Cachoeira do Paricatuba, situada na margem direita do Rio Negro, num pequeno afluente.[47] A cachoeira é formada por rochas sedimentares e cercada por vegetação abundante e o acesso é feito por via fluvial.[47]

O Festival Folclórico de Parintins é um exemplo de turismo cultural. É um dos principais atrativos turísticos da região norte brasileira.[48]

Em Parintins, em torno de 350Km de Manaus, ocorre um dos maiores eventos do Estado, e reconhecido nacionalmente e iniciando sua repercussão internacional: o Festival Folclórico de Parintins, baseado no boi Bumbá (ou bumba meu boi em outros Estados), onde duas agremiações - bois-bumbás Garantido e Caprichoso - se enfrentam em um evento de luxo, cultura e brilho, que ocorre no último fim-de-semana de junho. O acesso é feito por via aérea ou fluvial, com barcos saindo de Manaus e de Belém. Turistas estrangeiros preferem, em sua maioria, ir em transatlânticos com rota nesse período pela Amazônia.

Outro município muito visitado, é Presidente Figueiredo, em torno de 100Km da capital, com acesso por meio da BR-174. Tem infinitas belezas naturais, como cavernas, floresta virgem, fauna, flora e cachoeiras, além de Reservas como a Reserva Biológica do Uatumã e a Reserva Indígena Waimiri Atroari. Já foram catalogadas mais de cem quedas-d'água em sua região, o que lhe conferiu o título de terra das cachoeiras. Outro ponto forte do município é o turismo de aventura, com práticas esportivas radicais (rapel, rafting, canyoning) e pesca esportiva.

Maués (Amazonas), localizada a 267 quilômetros de Manaus, vem se firmando como um grande polo turístico, com extensas faixas de praias de rios de águas límpidas que possibilitam a prática de caça subaquática. Grande exportador de guaraná, atualmente a produção do município chega à Alemanha, Estados Unidos e Japão. Sendo a terra do guaraná, não poderia faltar a Festa alusiva a esse produto, entre novembro e dezembro, que chega a reunir um público de 120 mil pessoas.

Barcelos (Amazonas) é considerada referência na exportação de peixes ornamentais, tendo inclusive um Festival Cultural alusivo a isso. Mas o grande atrativo turístico é a pesca esportiva, tendo o município a maior concentração de Tucunarés do Estado do Amazonas, sendo muito valorizada pelos seus habitantes e que fazem tal esporte de forma ecologicamente correta. Em suas terras, encontra-se parte do Parque Nacional do Jaú e a cachoeira do El Dorado, considerada a maior queda d’água livre do Brasil, com cerca de 400m de altura, e o Abismo Guy Collet, que é a caverna mais profunda do mundo formada por quartzito, com 671 metros de profundidade. O Parque Estadual da Serra do Aracá é outro grande atrativo.

Pará[editar | editar código-fonte]

É um dos estados mais visitados da região norte, possuindo diversos atrativos turísticos.O Estado trabalha bem a parte cultural e gastronômica,este ultimo se focando nas comidas típicas como:Tacacá,maniçoba,pato no tucupi, o açaí, entre muitos outros,todos encontrados no Ver-o-peso.

Um dos atrativos naturais de destaque no Pará é a praia de Alter-do-Chão, no município de Santarém, praia esta considerada o "caribe brasileiro". Belém, capital do estado, sedia o Círio de Nazaré, considerada a maior manifestação religiosa do Brasil e do mundo. Outros destinos turísticos paraenses são os rios de água doce,como Outeiro,Mosqueiro,Icoaraci,ou mesmo os refrescantes igarapés.Também existem praias oceânicas como Salinópolis,Marudá e localidades da Ilha de Marajó. Além de centros históricos Bragança, Vigia.

A sua capital Belém, oferece uma grande variedade de serviços como uma ampla rede hoteleira, bancos, lojas, shoppings e supermercados. Além de possuir uma arborização invejável,se consolidando como a Metrópole da Amazônia e apelidada carinhosamente de "Cidade das Mangueiras".

Rondônia[editar | editar código-fonte]

Sudeste[editar | editar código-fonte]

É nessa região que se localizam vários dos pontos turísticos mais visitados do país. O Rio de Janeiro é internacionalmente conhecido por suas praias e pelo carnaval carioca, além de ser um grande pólo de turismo cultural. São Paulo, também conhecida mundialmente, é o maior centro financeiro do Brasil, e conta com diversos centros culturais e de entretenimento. Em Minas Gerais, localizam-se as mais importantes cidades históricas do Brasil, como Ouro Preto, Tiradentes e Diamantina. O Espírito Santo atrai milhares de turistas todos os anos devido a suas praias.

Espírito Santo[editar | editar código-fonte]

Vitória, a capital do Espírito Santo.

Sua capital é Vitória, mas a cidade mais populosa é Vila Velha. Em setembro de 2006, surgiu o "Projeto Visitar", que visa a revitalização do centro de Vitória. O projeto encontra-se na etapa inicial e, com a abertura dos seculares patrimônios para visitação na capital do estado, contabilizou mais de 10 mil visitantes nos primeiros seis meses.

O estado demonstra um grande potencial turístico, embora pouco explorado. Conta com a versatilidade de ter o clima de montanha a menos de duas horas da praia, construções históricas, belezas naturais e até cidades inteiras fundadas por imigrantes italianos e alemães inteiramente preservadas, dentre outras atrações.[49] [50]

As principais cidades visitadas por turistas são: Vitória, Vila Velha, Serra, Guarapari, Linhares, Iriri, São Mateus, Marataízes, Conceição da Barra, incluindo as dunas e a vila de Itaúnas.

Minas Gerais[editar | editar código-fonte]

Ouro Preto, foi a primeira cidade brasileira declarada Patrimônio Mundial pela UNESCO.

Já em Minas Gerais, o enfoque é o turismo histórico, com destaque para as cidades de Tiradentes, São João del-Rei, Diamantina e Ouro Preto.

A capital e maior cidade do estado, Belo Horizonte, um dos maiores centros financeiros do Brasil, com o complexo da Pampulha, o turismo de negócios e um rico acervo cultural. Sua região metropolitana, com a segunda maior cidade do estado, Contagem.

O Triângulo Mineiro, com suas duas maiores cidades, Uberlândia e Uberaba, a primeira conta principalmente com o turismo de negócios, sendo um dos principais centros econômicos do estado de Minas Gerais.

Na região da Zona da Mata, Juiz de Fora, a maior cidade, conta com 43 museus e diversos pontos turísticos.

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Ponte Octávio Frias de Oliveira em São Paulo, a maior cidade do Brasil. É a cidade mais visitada do país por estrangeiros que viajam a negócios e eventos.[26]
Praia da Feiticeira, no município de Ilhabela

A cidade de São Paulo tem como característica principal o turismo de negócios, por ser considerada um dos principais centros financeiros da América Latina. Segundo a EMBRATUR, São Paulo é o destino mais procurado pelos turistas estrangeiros que visitam o Brasil a negócios, eventos e convenções, e o terceiro colocado nas viagens de lazer.[26] Estima-se que na cidade ocorra um evento a cada seis minutos.[51] A maior cidade do país também possui a maior rede hoteleira brasileira. Por especulação imobiliária em meados dos anos 1990, hoje existe excesso de oferta em número de vagas.

Após receber o título de capital mundial da gastronomia, a cidade conta com grande procura pelo turismo gastronômico. Muitos dos melhores restaurantes do Brasil encontram-se na capital paulista, bem como uma enorme variedade de culinárias para todos os bolsos. O turismo cultural também é destaque, dada a quantidade de museus, teatros e eventos como a Bienal de Arte de São Paulo, a Bienal do Livro de São Paulo, a São Paulo Fashion Week, o Carnaval de São Paulo, o Anima Mundi, a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, o Salão do Automóvel, o Grande Prêmio do Brasil, o réveillon da Avenida Paulista e a Parada do Orgulho Gay (a maior do mundo).[carece de fontes?]

A cidade possui uma agitada vida noturna, principalmente no distrito do Itaim Bibi, na zona sul da cidade, com suas casas noturnas e restaurantes, que se tornam outro atrativo da cidade.

Seus principais marcos e cartões-postais são: a Avenida Paulista, o MASP, o Museu do Ipiranga, o Memorial da América Latina, a Estação da Luz/Museu da Língua Portuguesa, o Teatro Municipal de São Paulo, os edifícios Altino Arantes, Itália e Copan, a Ponte Octávio Frias de Oliveira, o Parque do Ibirapuera e a Praça da Sé.

Cidades do interior do estado de São Paulo como Campinas, Campos do Jordão, Atibaia, Bragança Paulista, Sorocaba, São José dos Campos, São Carlos, São José do Rio Preto e outras nas proximidades da Grande São Paulo, como Juquitiba e Embu das Artes e da Região Metropolitana de Campinas também costumam receber considerável número de turistas.

Pequenas cidades do interior também apresentam um fluxo considerável de turistas, sobretudo as estâncias turísticas, climáticas e hidrominerais como Águas de Lindoia, Águas de São Pedro, Aparecida, Atibaia, Campos do Jordão, São Pedro, Serra Negra e Socorro, que contam com grande infraestrutura hoteleira.[52]

Outro grande atrativo é o litoral. As cidades mais procuradas são: Santos, Bertioga, Ilha Bela, Guarujá, Caraguatatuba e Ubatuba.

Campos do Jordão, o município com a altitude mais elevada do Brasil (1 628 metros) e uma das cidades mais frias do país (temperatura média de 8,1 °C).[53]

Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

Niterói, uma das cidades mais conhecidas do estado. Na foto o Museu de Arte Contemporânea.
Baía da Praia do Forno, no município de Armação dos Búzios.

O Rio de Janeiro é a cidade que recebe mais turistas estrangeiros em toda a América Latina. No Brasil, ela recebe quase quarenta porcento dos turistas estrangeiros que visitam o país e a que mais recebe turistas em todo o Brasil. Foi eleita uma das dez cidades mais bonitas do mundo pelo site de guia de turismo mundial Ucityguides[54] . É a cidade que mais recebe turistas de cruzeiros marítimos. Durante o verão a cidade recebe mais de três milhões de turistas, sendo a cidade brasileira mais conhecida no exterior[55] [56] . A capital fluminense é internacionalmente conhecida pela beleza de suas praias e morros, além de ser um grande pólo de turismo cultural, contemplada por diversos museus, teatros e casas de espetáculos. Segundo a EMBRATUR, é o destino mais procurado pelos turistas estrangeiros que visitam o Brasil a lazer, e o segundo colocado no turismo de negócios e eventos.[26] [57] A cidade também abriga a maior floresta urbana do mundo, no Parque Estadual da Pedra Branca.[58]

O Cristo Redentor, eleito uma das sete maravilhas do mundo moderno, o morro do Pão de Açúcar (com seu famoso teleférico), a lagoa Rodrigo de Freitas, as praias de Copacabana, Ipanema e Barra da Tijuca, a floresta da Tijuca, a Quinta da Boa Vista, o Jardim Botânico, o Largo do Boticário, a Cinelândia e o Estádio do Maracanã estão entre os principais pontos de visitação. Entre os maiores eventos do calendário carioca, destacam-se o Carnaval, que, segundo o Guinness Book é a maior festa do planeta com 5 milhões de foliões brincando pelas ruas da cidade, o Festival Internacional de Cinema, a Mostra do Filme Livre, a Bienal do Livro, o Fashion Rio, que tem a maior feira de negócios de moda da América Latina, o Anima Mundi e a festa do réveillon em Copacabana, que também está no Guinness Book como a maior festa de ano novo do mundo, com mais de 4 milhões de pessoas espalhas pelas prais da cidade, sendo 2 milhões só na praia de Copacabana.

Quanto aos pontos de referência do turismo cultural, podem-se elencar, entre tantos, o Museu Histórico Nacional, o Museu Nacional de Belas Artes, o MAM, o Real Gabinete Português de Leitura, o Palácio do Catete e o Theatro Municipal.

No sul do estado, a cidade de Paraty, com sua arquitetura colonial, Angra dos Reis com suas ilhas e Ilha Grande são os destaques. Ao norte do estado, são muito procuradas as praias da Região dos Lagos, com Búzios e Cabo Frio. A região serrana conta com Teresópolis, Petrópolis, Nova Friburgo, a vila de Visconde de Mauá, no município de Resende, e Penedo no município de Itatiaia, como refúgios de inverno para se aproveitar o frio.

Vista panorâmica de Santa Teresa, com o Cristo Redentor, a Floresta da Tijuca e o Morro do Pão de Açúcar ao fundo.

Sul[editar | editar código-fonte]

A Região Sul do Brasil, composta pelos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, tem como principais atrações turísticas as suas belezas naturais, praias, cidades históricas e suas colônias europeias, além do clima bem definido, marcado principalmente pelo inverno rigoroso.

Paraná[editar | editar código-fonte]

O Paraná é um dos estados que tem um grande número de parques nacionais, destacando-se o Parque Nacional do Iguaçu e o Parque Nacional do Superagui. Foz do Iguaçu, com cerca de 250 quedas-d’águas e 75 metros de altura, é conhecida internacionalmente. A Garganta do Diabo é uma das atrações do maior conjunto de cataratas do mundo.

A Serra do Mar, porção de Mata Atlântica no estado, é também um dos grandes fortes no turismo do Paraná. É possível descer a serra, por trem, de Curitiba às pequenas cidades históricas de Morretes e Antonina, e provar o barreado, prato típico da região.

Na divisa do Primeiro Planalto com o Segundo encontra-se o sexto maior cânion do mundo, com abertura entre 100 e 130 metros e aproximadamente 40 km de extensão o Cânion Guartelá é um importante campo de pesquisa geológico e geomorfológico do Brasil.[59]

Passarelas das cataratas visto do lado brasileiro.

Santa Catarina[editar | editar código-fonte]

Baía Sul de Florianópolis.

O estado de Santa Catarina possui um território eivado de contrastes: as serras contrapõem-se ao litoral de belas de praias, baías, enseadas e dezenas de ilhas; na arquitetura, vários municípios mantêm as construções típicas da época da colonização; enquanto a capital, Florianópolis, é uma cidade de edificações modernas, marcada pela forte presença dos jovens, dos esportes náuticos e dos campeonatos de surfe.

As praias mais procuradas em Santa Catarina, são as belas praias de Bombinhas, Itapema e Balneário Camboriú

Santa Catarina também é marcada pela intensa colonização europeia, que se perpetuou, plantando suas raízes no estado, notadas pela arquitetura e costumes. As tradicionais "festas de Outubro" são um dos pontos altos em matéria de turismo, com a versão brasileira da Oktoberfest, que ocorre anualmente em Blumenau (evento semelhante ao que acontece em Munique, Alemanha).

A proximidade com a Argentina também reforça o número de turistas estrangeiros em busca do litoral catarinense. Florianópolis, a capital do estado, é quarta cidade mais visita por turistas estrangeiros no Brasil a lazer.[26]

Em Santa Catarina, encontra-se a cidade mais fria do Brasil, São Joaquim, que nos últimos anos tem observado a expansão de seu potencial turístico devido a presença de neve durante o inverno, acontecimento raro em países como o Brasil.

Em Santa Catarina também se encontra o maior parque multemático da América Latina, o Beto Carrero World é destino de muitos turistas estrangeiros, inclusive argentinos.O parque concentra mais de 100 atrações para todas as idades.

Rio Grande do Sul[editar | editar código-fonte]

A aparência europeia das cidades gaúchas, como Canela, na Serra Gaúcha, atrai milhares de turistas.

O Rio Grande do Sul é um estado com vastas opções de turismo. Recebe anualmente grande número de turistas. As praias do litoral norte das cidades de Capão da Canoa, Tramandaí e Torres são as mais conhecidas do estado, esta última apresentando falésias. São três pedras à beira-mar, sendo que uma delas avança mar adentro, emergindo a uma altura de 30 metros.

A Serra Gaúcha, colonizada por imigrantes italianos e alemães, atrai milhares de turistas todos os anos, no inverno e no verão. As cidades de Gramado e Canela são conhecidas na época de Natal pela decoração das ruas, juntamente com os parques natalinos.

No inverno, os turistas visitam essas cidades juntamente com Caxias do Sul (que também recebe milhares de turistas durante a Festa da Uva), São José dos Ausentes, São Francisco de Paula, Cambará do Sul e Nova Petrópolis, devido às temperaturas baixas, frequentemente negativas e com a possibilidade de queda de neve. Nas mesmas, encontram-se os cânions de Itaimbezinho e da Fortaleza, entre os maiores do Brasil.

Na região conhecida como "Pequena Itália", em que se localizam as cidades de Caxias do Sul, Bento Gonçalves e Garibaldi, podem-se encontrar as melhores vinícolas do Brasil. Ainda, mais a oeste, encontram-se as Missões Jesuíticas, na cidade de São Miguel das Missões e arredores.

Centro-Oeste[editar | editar código-fonte]

Distrito Federal[editar | editar código-fonte]

O Distrito Federal compreende a cidade de Brasília, além de suas cidades satélites, que estão localizadas fora do plano piloto. Brasília, capital do Brasil, é uma cidade moderna que além de centro político, é um dos principais centros financeiros do país. A cidade recebe grandes eventos, e possui uma boa rede hoteleira. É uma cidade planejada, e alguns de seus principais pontos turísticos são obras de Oscar Niemeyer.

Vista aérea do centro de Brasília (Plano Piloto) ao longo do Eixo Monumental, com destaque para o novo Estádio Mané Garrincha (à esquerda), o Congresso Federal e a Praça dos Três Poderes (à direita). Toda a área residencial da Asa Norte é vista no meio da imagem. A cidade é tombada Patrimônio Mundial pela UNESCO
Bonito, um dos principais polos de ecoturismo do país.

Goiás[editar | editar código-fonte]

Goiás é um estado muito conhecido por suas belezas naturais, entre elas, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, suas águas termais, encontradas principalmente em Caldas Novas, sua cultura e história, encontrada em Pirenópolis, cidade fundada no início do século XVIII.

Além da Cidade de Goiás,antiga capital que em 2001 recebeu título de patrimônio da humanidade pela Unesco

Mato Grosso[editar | editar código-fonte]

O Mato Grosso é um estado muito conhecido, devido as suas belezas naturais, e a mais famosa está o Pantanal. Sua capital é Cuiabá, que está entre seus pontos turísticos de maior destaque. A Chapada dos Guimarães é outro local que atrai milhares de turistas que a visitam em busca de suas cachoeiras de águas cristalinas, margeadas pela flora típica do cerrado.

Mato Grosso do Sul[editar | editar código-fonte]

O Mato Grosso do Sul é mundialmente conhecido por sua biodiversidade, encontrada principalmente no Complexo do Pantanal e no Parque Nacional da Serra da Bodoquena. Sua capital é Campo Grande e suas principais cidades turísticas são: Bonito, Jardim e Bodoquena, no Parque Nacional da Serra da Bodoquena; Corumbá, Aquidauana, Anastácio e Porto Murtinho no Complexo do Pantanal; Ponta Porã e Bela Vista na fronteira com o Paraguai.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d EMBRATUR (2009). Anuário Estatístico de Turismo 2009. Ministério de Turismo. Página visitada em 2008-09-05. Veja tabelas 1.1 e 3.8
  2. a b c d UNWTO Tourism Highlights, 2009 Edition. World Tourism Organization (2009). Página visitada em 2009-10-04. Clicar no link "UNWTO Tourism Highlights" para acessar o relatório em pdf.
  3. a b Adair de Oliveira Júnior (2009-01-27). Gasto de turistas estrangeiros registra recorde em 2008. Centro de Excelência em Turismo, UNB. Página visitada em 2008-02-01. Dados do Banco Central
  4. a b c d e Carmen Altés (2006). El Turismo en América Latina y el Caribe y la experiencia del BID. Inter-American Development Bank; Sustainable Development Department, Technical Paper Series ENV-149, Washington, D.C.. Página visitada em 2008-06-14.
  5. Margerida Coelho (2008). Distribução Espacial da Ocupação no Setor de Turismo: Brasil e Regiões. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Página visitada em 22 de junho de 2008.
  6. a b c JPTurismo (2010). Os prazeres do turismo doméstico. Página visitada em 27 de janeiro de 2010.
  7. Festival do Turismo de Gramado (2010). O Turismo Brasileiro. Congresso do 22º Festival do Turismo de Gramado. Página visitada em 28 de dezembro de 2010. Ver 2.1.3 Receitas setor trurístico 2005.
  8. Turismo Brasil (2006). Chapada dos Veadeiros - Goiás (em português). Turismo Brasil.
  9. UESC (2007). Políticas Públicas de Turismo e Sustentabilidade: O Pólo Turístico Cabo Branco em Análise (PDF) (em português). Cultur - Cultura e Turismo (Universidade do Estado de Santa Catarina).
  10. Embratur (10 de dezembro de 2009). Embratur divulga o Brasil no exterior como destino de luxo (em português). Ministério do Turismo.
  11. Oeco (10 de maio de 2010). Abertura para o turismo no Amazonas (em português). Oeco.
  12. BNE. Um país chamado Nordeste do Brasil (em português). Banco do Nordeste do Brasil.
  13. Jennifer Blanke and Thea Chiesa, Editors (2009). The Travel & Tourism Competitiveness Report 2009 (PDF) (em inglés). World Economic Forum, Geneva, Switzerland. Página visitada em 2009-03-05.
  14. World Economic Forum (2008-03-04). Country/Economy Profiles: Brasil (em inglês). The Travel & Tourism Competitiveness Report 2009. Página visitada em 2008-03-05.
  15. http://www.citmagazine.com/news/906533/Paris-ties-Vienna-top-conference-city-ICCA-rankings/
  16. a b c d Organización Mundial del Turismo (2005). Datos Tourism Market Trends, Annex 5, 2005 Edition (em inglês). Página visitada em 2008-03-30.
  17. a b c d e Organización Mundial del Turismo (2006). Datos Tourism Market Trends, Annex 12, 2006 Edition (em inglês). Página visitada em 2008-03-30.
  18. a b c Organização Mundial do Turismo (2007). UNWTO Datos Esenciales del Turismo, Edición 2007 (em espanhol). UNWTO. Página visitada em 2008-06-20.
  19. a b c d e f g UNTWO Tourism Highlights 2010 Edition (em inglês). Organização Mundial de Turismo (2010). Página visitada em 2010-11-07. Clicar no link "UNWTO Tourism Highlights" para acessar o relatório em pdf.
  20. a b UNWTO World Tourism Barometer June 2008 (em inglês). World Tourism Organization (June 2008). Página visitada em 2008-08-08. Dados para 2007
  21. Ministério do Turismo. Gasto de turistas estrangeiros no Brasil cresce 11,05% e supera 2009. Ministério do Turismo.
  22. Facultade Getúlio Vargas (2007). Boletim de Desempenho Econômico do Turismo. Ministério de Turismo. Página visitada em 2008-06-21. Fevereiro 2007, Ano IV, nº 13, pp. 3
  23. a b Facultade Getúlio Vargas (2008). Pesquisa Anual de Conjuntura Econômica do Turismo. Ministério de Turismo. Página visitada em 2008-06-22. Março 2008, Ano IV, pp. 11
  24. a b c Ministério do Turismo (2005). Estudos da competitividade do Turismo brasileiro.
  25. a b c EMBRATUR (2008). Anuário estatístico 2008. Ministério de Turismo. Página visitada em 2008-06-19. Tabela 1.1: Chegadas de turistas no Brasil
  26. a b c d e f g h i EMBRATUR (2006). Anúario Estatístico Volume 33 2006. Ministério do Turismo. Página visitada em 2008-06-22. Tabelas 4.1 a 4.4: Síntese Brasil por motivo de viagem 2004-2005
  27. Porto de Galinhas
  28. EMBRATUR (2008). Principais Emissores de Turistas para o Brasil 2006-2007. Ministério de Turismo. Página visitada em 2008-06-19.
  29. United Nations. UNData. Country profiles. Página visitada em 2008-08-08. Estimativa população para 2007 (procure os valores na ficha de cada país)
  30. a b Jennifer Blanke and Thea Chiesa, Editors (2011). Travel & Tourism Competitiveness Report 2011 (em inglês). World Economic Forum, Geneva, Switzerland. Página visitada em 2011-03-19.
  31. a b Click Foz (2009). Pesquisa dimensiona fluxo de turismo doméstico no Brasil. Click Foz - Ministério do Turismo. Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  32. a b Programa Turismo no Nordeste (em português). Avança Brasil. Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  33. Bahia é o destino turístico preferido dos brasileiros (em português). Comunicação do Governo da Bahia (4 de novembro de 2009). Página visitada em 23 de janeiro de 2010.
  34. Brasil Viagem (2010). Região Nordeste (em português). Brasil Viagem. Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  35. Começa a maior festa popular do mundo (em português). Governo da Bahia (2009). Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  36. a b Carnaval em Salvador injeta cerca de R$ 1 bilhão na economia da cidade (em pt). R7 (14 de fevereiro de 2011).
  37. Festas populares (em português). Biblioteca - Sebrae. Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  38. Turismo no Brasil - Nordeste (em português). Portal São Francisco. Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  39. Amazonas recebe prêmio de melhor destino verde da america latina. Mercados e eventos (2009).
  40. 39,7% dos turistas desaprovam transporte público de Manaus. Portal Amazonia (6 de maio de 2010).
  41. a b Manaus. Portal Amazônia (agosto de 2010).
  42. " Teatro Amazonas, em Manaus. Os lugares do mundo (24 de Dezembro de 2008).
  43. Praia da Ponta Negra (AM). Portal Amazonia (14 de setembro de 2010).
  44. a b Praia da Lua, Manaus. Portal Amazonia (13 de setembro de 2010).
  45. Praia do Tupé, Manaus. Portal Amazonia (13 de setembro de 2010).
  46. Praia Dourada, Manaus. Portal Amazonia (13 de setembro de 2010).
  47. a b Cachoeira do Paricatuba. Portal Amazonia (13 de setembro de 2010).
  48. Parintins. Ministério do Turismo - Destinos turísticos (2011).
  49. Saletto, Nara (2000). "Sobre a composição étnica da população capixaba". Dimensões - Revista de História da UFES, Vitória, ES, v. 11, p. 11-364. Acessado em 20 de abril de 2008.
  50. = T&proj = internet&gen = Doc+Diario2 Consulado italiano vai abrir dois escritórios em Vitória para agilizar pedidos de cidadania. Diário de Vitória.
  51. http://www.spmetropole.com/spsaopaulo/arquivos/html/numeros-e-curiosidades.htm
  52. http://www.saopaulo.sp.gov.br/saopaulo/turismo/interior.htm
  53. Viviane Palladino. Revista Mundo EstranhoQual é a cidade mais alta do Brasil?. Página visitada em 7 de junho de 2013.
  54. http://www.ucityguides.com/cities/top-10-most-beautiful-cities.html
  55. http://www.guiadoturista.net/rio-de-janeiro/rio-de-janeiro.html
  56. http://wikitravel.org/pt/Brasil
  57. Tipos de Turismo. Brasil.gov.br (2010). Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  58. A maior floresta urbana do mundo. Parque Estadual da Pedra Branca. Página visitada em 07 de junho de 2008.
  59. Cânion Guartelá (em Português). UEPG. Página visitada em 18 de outubro de 2010.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • FIPE (2005) – Pesquisa Meios de Hospedagem – Estrutura de Consumo e Impactos na Economia,

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado Turismo no Brasil