Denílson de Oliveira Araújo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Denílson
Informações pessoais
Nome completo Denílson de Oliveira Araújo
Data de nasc. 24 de agosto de 1977 (37 anos)
Local de nasc. Diadema,  São Paulo,  Brasil
Altura 1,78 m
Canhoto
Apelido "Morcego, Denílson Show e Pedalada"
Informações profissionais
Posição Ex-Meia-atacante.
Clubes de juventude
Brasil São Paulo
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
19941998
1998–2005
2000
2005–2006
2006–2007
2007–2008
2008
2009
2009
2010
Brasil São Paulo
Espanha Real Betis
Brasil Flamengo (emp.)
França Bordeaux
Arábia Saudita Al-Nassr
Estados Unidos Dallas
Brasil Palmeiras
Brasil Itumbiara
Vietname Xi Măng Hải Phòng
Grécia Kavala
0110 000(58)
0183 000(13)
019 000(4)
031 000(3)
015 000(3)
08 000(1)
055 000(7)
00 000(0)
01 000(1)
010 000(0)
Seleção nacional
19962003 Brasil Brasil 0061 0000(9)

Denílson de Oliveira Araújo (Diadema, 24 de agosto de 1977[1] ) é um ex-futebolista brasileiro. atualmente é comentarista da Rede Bandeirantes de Televisão, participando de segunda à sexta do "Jogo Aberto ", aulista|publicado=www1.folha.uol.com.br|acessodata=23 de novembro de 2014}}</ref>) é um ex-futebolista brasileiro. atualmente é comentarista da Rede Bandeirantes de Televisão, participando de segunda à sexta do "Jogo Aberto ", aprsesentado pela bela Renata Fan.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início futebolístico[editar | editar código-fonte]

Denílson começou no infantil do Esporte Clube Ouro Verde, na cidade de Diadema, mais especificamente no Jardim Campanário, local onde passou sua infância.

Seu primeiro treinador no Ouro Verde, em 1988, foi José Batista Santos que visitou a redação do Terceiro Tempo em 17 de setembro de 2010 para nos lembrar do começo de Denílson:

"Ele era pequeno, não tinha camisa do tamanho dele, então a gente tinha que dobrar bastante a camisa para ele colocar por dentro do calção. Se deixasse por fora parecia um vestido. Mas mesmo "mirradinho" ele enfrentava os grandões e era difícil tirar a bola dele", lembrou o ex-treinador, que na ocasião trabalhava como marceneiro e nos finais de semana treinava  ps garotos do Ouro Verde.

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua carreira profissional pelo São Paulo Futebol Clube em 1994, com apenas 17 anos de idade.

Na ocasião, Denílson apareceu como um Ponteiro aos moldes antigos; habilidosíssimo e driblador, obrigando os adversários a recrutarem vários marcadores para tentarem evitar seus lances de linha de fundo, que invariavelmente traziam muito perigo. Danilson foi um grande jogador Permaneceu no Tricolor Paulista até 1998, onde conquistou a Copa Conmebol de 1994, o Campeonato Paulista de Futebol de 1998 e a Copa dos Campeões Mundiais , em 1995 e 1996.

O jogador mais caro do mundo[editar | editar código-fonte]

Em 1998, foi vendido do São Paulo para o Real Betis, da Espanha, por 32 milhões de dólares, na oportunidade a maior transação do futebol brasileiro com um clube do exterior (cerca de 32 milhões de dólares), Hoje se encontra em quarto colocado Lista das transferências mais caras do futebol brasileiro.

Real Betis[editar | editar código-fonte]

Apesar do alto valor pago pelos espanhóis,e do começo promissor, Denílson não conseguiu repetir no Betis o mesmo desempenho que o tornou destaque da Copa das Confederações, foi reserva da Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo de 1998, e acabou por ver seu clube rebaixado para a Segunda División espanhola ao fim da temporada 1999-00.

Tentando valorizar seu atleta, a diretoria do clube espanhol o emprestou ao Flamengo para a disputa da Copa João Havelange em 2000, nome dado ao Campeonato Brasileiro daquele ano, atuando em 18 partidas e marcando quatro gols. O título ficou com o Vasco da Gama, que venceu a final contra o São Caetano. E o atacante que novamente tornou a não brilhar, retornou ao Betis no final do ano.

No clube espanhol, onde permaneceu até 2005, Denílson conquistou três títulos: o Troféu Ramón de Carranza (1999 e 2001) e a Copa del Rey, em 2005.

Retornou a seleção brasileira durante a Copa América de 2001, quando se destacou na seleção comandada por Luiz Felipe Scolari, mesmo com a eliminação precoce para a fraca Seleção de Honduras. As boas atuações nesta competição garantiram a sua convocação para a Copa do Mundo de 2002, onde era reserva mas atuou em várias partidas, inclusive na final, quando entrou nos últimos minutos no lugar de Ronaldo.

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Estreou pela Seleção Brasileira de Futebol principal em 13 de novembro de 1996, com vitória por 2 a 0 em amistoso diante de Camarões,disputado no Pinheirão, em Curitiba-PR. Os gols foram marcados por Giovanni e Djalminha.

Na ocasião, Denílson começou como titular do time dirigido por Zagallo, que formou com: Zetti; César Prates (André Luís ), Gonçalves, Cléber e Zé Roberto; Leandro Ávila, Doriva, Djalminha e Denílson; Oséas (Renaldo) e Giovanni.

Marcou seus primeiros dois primeiros gols pelo time canarinho em 26 de junho de 1997, na goleada brasileira diante do Peru, por 7 a 0, partida válida pela Copa América de 1997, no Estádio Ramón Tahuichi Aguillera, em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia. O Brasil acabou campeão do torneio

Disputou a Copa do Mundo FIFA de 1998 na França, e a Copa da Coreia do Sul e Japão, em 2002, participando da campanha vitoriosa da Seleção Brasileira, sob o comando de Luiz Felipe Scolari. Na semifinal, diante da Turquia, no final do jogo que foi vencido pelo Brasil, por 1 a 0, em jogada pela direita, foi cercado por vários turcos que tentavam lhe tirar a bola, cena que virou destaque mundial e ficou marcada em sua carreira.

Bordeaux e a frustrante saída da Europa[editar | editar código-fonte]

Ao final da temporada do Campeonato Espanhol de Futebol 2004/05 Denílson foi negociado com o Bordeaux, da França, para o Campeonato francês de futebol 2005-06, por um valor não divulgado. Denílson fez uma boa temporada ,mas sua passagem pelo clube durou apenas esta temporada, e no ano seguinte não teve seu contrato renovado.

Arábia Saudita e Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Surgiram, então, rumores de que o jogador pudesse ir jogar no Middlesbrough, ou no Portsmouth, ambos da Inglaterra. Entretanto, contrariando todas as especulações sobre seu futuro, em julho de 2006, Denílson acabou acertando sua transferência para o Al Nassr, da Arábia Saudita.

Terminado seu contrato com o Al Nassr, em maio de 2007, tudo levava a crer que Denílson retornaria ao futebol brasileiro, mais especificamente para o Palmeiras, onde chegou, de fato, a treinar por alguns dias. Contudo, novamente surpreendeu a todos, e em Agosto de 2007 assinou com a equipe estadunidense do Dallas.

Porém a jogada de marketing, de ir jogar nos EUA, a exemplo do que fizera David Beckham, estrela do futebol inglês, Romário e Pelé, não deu certo para Denílson. Na Major League Soccer disputou somente onze partidas, tendo marcado apenas dois gols. Em Janeiro de 2008 o clube FC Dallas rescinde o contrato com Denílson.

O retorno ao Brasil e Palmeiras abre as portas[editar | editar código-fonte]

Rescindindo seu contrato com o Dallas, voltou a treinar no Palmeiras, apenas para manter a forma física, segundo se dizia na época. Contudo acabou por assinar um contrato de uma temporada com o clube, para fazer parte do elenco onde disputaria o Campeonato Paulista e Campeonato Brasileiro daquele ano. Denílson teve um bom primeiro semestre ganhando o Campeonato Paulista de Futebol de 2008 e fazendo gol e dando assistência nos jogos de mata-mata, tudo sob comando de Vanderlei Luxemburgo.

Após o término do Campeonato Brasileiro de 2008, e pouco aproveitado, (disputou apenas oito partidas e marcou três gols), Denílson foi dispensado pelo Palmeiras e não escondeu a decepção da maneira que foi tratado pela diretoria do clube alviverde.[2]

Decadência e Aposentadoria[editar | editar código-fonte]

Após ser dispensado no fim de 2008 ,no início de 2009, Denílson chegou a fazer um teste para o Bolton, da primeira divisão inglesa, mas acabou não passando. Mas acabou tendo uma oferta do Itumbiara Esporte Clube, de Itumbiara, e acabou tendo tudo acertado com o Tricolor da Fronteira no dia 31 de janeiro com a ajuda do jogador de futsal Falcão, que também atua como empresário, para se juntar a outras estrelas veteranas como Túlio Maravilha e o goleiro Sérgio no clube que havia sido campeão goiano de 2008.

Ainda em 2009, após o fim do Campeonato Goiano ,Denílson recebeu e aceitou uma oferta para uma participação relâmpago no Xi Măng Hải Phòng, do Vietnã, onde jogou apenas o primeiro tempo de um jogo e marcou um gol.

Em janeiro de 2010, acertou com Kavala, da Grécia. Seu último clube ,onde atuou por dez partidas, em 2010.

Comentarista esportivo e apresentador[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2010 começou a trabalhar como comentarista na Rede Bandeirantes, durante a Copa do Mundo FIFA de 2010. A sua participação foi marcante no programa Band Mania, apresentado por Milton Neves e dividindo a bancada com os ex-jogadores Emerson Ferreira da Rosa e Vampeta. E graças à suas boas participações, fizeram com que a TV o contratasse como apresentador. Seu estilo bem humorado faz sucesso no Jogo Aberto .

Também participou do programa Deu Olé!, que estreou em 16 de junho de 2012, ao lado de Felipe Andreoli e Paloma Tocci, na Band, e ficou na grade da emissora por aproximadamente um ano.

Drama Pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 19 de novembro de 2012, o portal UOL publicou uma matéria sobre Denílson, veja abaixo:


Denílson chora em entrevista ao falar sobre golpe que sofreu: "Recomecei do zero"

O ex-jogador do São Paulo e da seleção brasileira Denílson, atualmente comentarista da TV Bandeirantes, concedeu entrevista no último domingo ao repórter Fernando Fernandes, da mesma emissora, e se emocionou ao lembrar do golpe que sofreu de seu então empresário na transferência do São Paulo para o clube espanhol do Betis, em 1998.


Sem conseguir conter as lágrimas, o atleta afirmou que não recebeu dinheiro algum pela sua transferência, então a mais cara do futebol brasileiro, de US$ 32 milhões. Além disso, Denílson teria sido lesado também no patrimônio que acumulara até então.


"Tive que recomeçar do zero. Quase nunca fiz minha mãe chorar. Ver minha mãe chorar mexeu muito comigo", contou o ex-jogador, recordando do dia em que o golpe foi descoberto. O comentarista da Bandeirantes disse também que o tornou o caso mais doloroso foi a quebra de confiança. "Ele era meu amigo, e fez isso por dinheiro, é difícil de acreditar".


Na entrevista, veiculada no programa "Papo de Boleiro", Denílson também falou sobre os casos amorosos que teve durante a carreira, inclusive com a ex-mulher de um famoso toureiro espanhol. Atualmente casado, o ex-jogador fez questão de dizer que o envolvimento com mulheres faz parte exclusivamente do passado. 

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

É casado com a atriz Luciele di Camargo (irmã da dupla Zezé Di Camargo & Luciano) desde 30 de maio de 2010, e tem uma filha chamada Maria Eduarda, nascida em 26 de julho de 2010, e um filho chamado Davi nascido em 22 de fevereiro de 2015.

Títulos[editar | editar código-fonte]

São Paulo
Real Betis
Palmeiras
Seleção Brasileira

Campanhas em Destaque[editar | editar código-fonte]

Seleção Brasileira

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Denílson de Oliveira
Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre um futebolista brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.