Itaim Paulista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com [[:{{{2}}}]]. Por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não se esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central.
Editor, considere adicionar mês e ano na marcação. Isso pode ser feito automaticamente, com {{Fusão|1=Itaim Paulista|{{subst:DATA}}}}.
Distrito paulistano do
Itaim Paulista
Área 12 km²
População () 241.026 hab. (2010)
Densidade 200,86 hab/ha
IDH 0,762 - médio (89°)
Subprefeitura Itaim Paulista/Vila Curuçá
Região Administrativa Leste 2
Área Geográfica 3
Distritos de São Paulo Bandeira da cidade de São Paulo.svg

Itaim Paulista é um distrito do município de São Paulo, no estado de São Paulo, no Brasil. É considerado o distrito mais extremo da Zona Leste e é um distrito populoso, que faz divisa com três municípios da Grande São Paulo: Itaquaquecetuba através da Avenida Marechal Tito, Ferraz de Vasconcelos pela Rua Tibúrcio de Sousa ou Rua Itajuibe, e Poá por uma ponte que passa sobre o córrego Três Pontes.

Sua população é mista, mas é notável a concentração de migrantes nordestinos e descendentes. Há também diversidade em questões religiosas pois há forte presença de evangélicos pentecostais e católicos. Na parte de infraestrutura, além das vias de trânsito arteriais já mencionadas, pode-se se citar ainda em transportes as Estação Itaim Paulista e Estação Jardim Romano da linha 12 da CPTM que pertencem ao distrito e grande quantidade de linhas de ônibus, da SPTrans (municipais) e da EMTU (intermunicipais).

O distrito possui grande variedade de lojas, agências bancárias, varejos, atacados, shopping, supermercados, hospital e postos de saúde. Entre esses equipamentos o Shopping Itaim Paulista e Hospital Geral de Itaim Paulista são os que mais se destacam.

História[editar | editar código-fonte]

Começo da colonização[editar | editar código-fonte]

O território onde hoje é o distrito de Itaim Paulista passou a ser explorado pelos portugueses no início do século XVII, com a doação de semarias a portugueses. Os acontecimentos que marcaram o processo de colonização partiram de uma sesmaria. Consta que, entre o período de 1610 e 1611, o bandeirante Domingos de Góes virou "sesmeiro" das terras da região do "boi sentado", que estão localizadas nas proximidades do Rio Tietê. Elas foram passadas para o controle dos padres carmelitas em 1621. Nesse período, foi construído uma capela denominada Nossa Senhora da Biacica (esse nome vem do tupi imbeicica, "cipó resistente", facilmente encontrado no rio Tietê), capela essa que é considerada como um marco da colonização local de origem europeia. Se considerarmos a construção da capela, o Itaim Paulista teria 319 anos. Se considerarmos a data provável da chegada a região dos bandeirantes e padres, o Itaim Paulista teria 390 anos. Oficialmente, o aniversário do distrito é considerado a partir do momento em que o Itaim Paulista foi emancipado do Distrito de São Miguel Paulista, o que aconteceu no ano de 1980.

Crescimento do Itaim Paulista[editar | editar código-fonte]

O distrito teve dificuldades de crescimento pelo fato de se localizar próximo a grandes vilas, como São Miguel Paulista e Lajeado, atual Guaianases. Nos primeiros séculos de colonização de origem europeia, o Itaim Paulista era um misto de chácaras, fazendas e sítios. Desestimulados pelo problema de falta de estrutura e sufocado pelo progresso dos vizinhos, o Itaim Paulista somente começou a receber moradores no final do século XVIII. Com a chegada da ferrovia Estrada do Norte antiga Central do Brasil no século XIX, o Itaim Paulista começou a viver o seu ciclo de desenvolvimento. A princípio, esse crescimento era lento, as casas foram surgindo ao longo das margens dos trilhos.

Na região alta do bairro, nas proximidades da Rua Tibúrcio de Souza, hoje um dos mais importantes acesso ao município vizinho de Ferraz de Vasconcelos, ocorreu um grande desenvolvimento. Por volta do século XIX, muitas famílias de origem alemã e principalmente da antiga Iugoslávia adquiriram chácaras nessa região alta do bairro, e dedicavam-se quase que exclusivamente a agricultura e criação de gado leiteiro. Muitos descendentes dessas famílias ainda podem ser encontradas nessa parte alta do bairro, hoje conhecida como Vila Melo e "Caixa d’água".

Nas décadas de 1930 e 1940, a produção de tijolos e telhas por parte de olarias era a atividade mais lucrativa na região.

Na década de 1950, o Itaim Paulista foi alvo de grandes transformações, a começar pela ocupação do espaço territorial de forma acelerada.

Em 1957, foi instalada a paróquia de São João Batista do Itaim, isso ajudou a acelerar o seu crescimento.

Emancipação do Itaim Paulista e suas causas[editar | editar código-fonte]

Na década de 1970, a prefeitura tinha necessidade de descentralizar a sua administração. Com isso, foram criadas as administrações regionais. A administração regional de São Miguel Paulista era responsável também pelo Itaim Paulista, só que a prioridade era o bairro de São Miguel Paulista e regiões próximas ao centro comercial. Na distribuição de orçamento das administrações regionais pela prefeitura era considerado o montante populacional da região. Como o bairro do Itaim Paulista engrossava a população da administração regional de São Miguel Paulista, a verba era sempre a terceira maior de toda a cidade. Os investimentos ficavam sempre no bairro vizinho, o Itaim Paulista era considerado apenas um número favorável a esse bairro.

No dia 19 de maio de 1980, o Itaim Paulista foi emancipado, e a verba da prefeitura passou a vir diretamente para o Itaim Paulista, beneficiando a população local.

Paróquia de São João Batista[editar | editar código-fonte]

Obras de demolição da Paróquia São João Batista, iniciadas em Julho de 2011.

Em 17 de Junho de 1951, foi construída a primeira capela do Itaim Paulista. O terreno para a sua construção foi doado pela Cia. Bandeirantes S/A em 1950 passando a escritura à Cúria de São Paulo e fica localizado na Rua José Cardoso Pimentel.

Na época, a antiga Estrada Rio-São Paulo passava ao lado do terreno e a água utilizada para a construção da antiga capela foi retirada do córrego Itaim em carroças dentro de tambores com capacidade de 200 litros. Mais tarde, em 30 de maio de 1953, a antiga capela foi demolida para construir no local uma nova paróquia. A construção foi concluída em 15 de dezembro de 1957.

Em julho de 2011 a capela iniciou um novo processo de reforma, tendo sido demolida novamente para dar lugar à uma nova igreja, mais ampla.

Monumento "Pedra Pequena" (Itaim, na língua tupi). Uma homenagem ao bairro localizada na Praça Silva Teles. É de autoria do artista Juarez Martins dos Anjos.

Avenida Marechal Tito[editar | editar código-fonte]

Com a chegada de estrada de ferro Central do Brasil as ligações entre São Paulo e Rio de Janeiro foram facilitadas, mas a ligação rodoviária era ainda muito difícil. Em 1908 o automobilista francês Conde Lesdain, levou 45 dias para completar o percurso de carro entre as duas cidades. O Prefeito Washington Luís (1914-1919) Privilegiou o sistema viário urbano, valorizando os antigos traçados do período colonial como Presidente do Estado de São Paulo (1920-1924) e Presidente da República (1926-1930) adotou o lema "governar é abrir estradas".

Washington Luís recuperou uma antiga via colonial para abrir a Estrada São Paulo-Rio em 1922, que passava por São Miguel Paulista, Itaim Paulista, Mogi das Cruzes, chegando até Jacareí. No ano de 1928, a estrada foi inaugurada em toda a sua extensão. A viagem poderia ser feita em 10 horas. No distrito de Itaim Paulista, a estrada serviu como meio de transporte complementar à ferrovia, contribuído para o desenvolvimento do distrito. Com o passar dos anos, a antiga estrada passou a ganhar características de avenida, e foi incorporada a malha urbana da cidade. Com a inauguração da Rodovia Presidente Dutra (BR-116) em 1951, a Estrada São Paulo-Rio deixou de ser a principal ligação entre São Paulo e Rio de Janeiro.

A Avenida Marechal Tito é a principal artéria do distrito do Itaim Paulista, nesta avenida o desenvolvimento foi mais expressivo e em suas intermediações está o que o distrito tem de mais importante e significativo. A pavimentação era composta de paralelepípedos. Com a emancipação de Itaim Paulista, a via passou a ter o seu atual nome em homenagem ao Presidente da então Iugoslávia morto em 1980, anos depois essa via foi asfaltada.

Estação Itaim Paulista[editar | editar código-fonte]

A Variante de Poá (ou Variante de Calmon Vianna), teve a construção iniciada em 1921 para facilitar a viagem dos trens de carga por causa de suas poucas curvas se comparado ao ramal de São Paulo, sendo que a construção da Estação Itaim Paulista foi finalizada e o prédio inaugurado em 7 de fevereiro de 1926, mas a linha foi aberta somente em 1 de janeiro de 1934 após 8 anos de interrupção das obras. A estação em 1 de março de 1962 recebeu o último trem a vapor da linha, ela ligava a Estação Roosevelt até a Estação Itaim Paulista. A partir de 1994 ela passou a ser operada pela CPTM.

No ano de 2006, o prédio mais recente (construído em 1979) foi demolido para a construção de uma nova estação de acordo com o projeto de modernização da linha 12 da CPTM. A nova estação foi entregue em 28 de maio de 2008.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Itaim" é um nome de origem tupi: significa "pedrinha", pela junção de itá (pedra) e im (diminutivo)1 .

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Hospital Geral do Itaim Paulista

A Região é cortada por três córregos em sentido sul-norte que deságuam no Rio Tietê. São eles: Itaim, Tijuco Preto e Três Pontes. O Itaim Paulista ainda possui a parte leste do Ribeirão Lageado (sendo que a parte oeste é pertencente ao distrito de Vila Curuçá). Eles já foram fontes de renda para os moradores da região, hoje estão poluídos como o rio onde eles deságuam.

Principais vias[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. p. 132.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BURGOS, Rosalina. O processo de (des)organização espacial do Itaim Paulista no contexto da expansão urbana da cidade de São Paulo (2ª metade do século XX). Trabalho de Graduação Individual apresentado ao Departamento de Geografia - FFLCH/USP, sob a orientação da Profª Dra. Amália Inês G. Lemos. São Paulo, 2001

Ligações externas[editar | editar código-fonte]