Vizinha Faladeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de ARES Vizinha Faladeira)
Ir para: navegação, pesquisa
Vizinha Faladeira
Bandeira da ARES Vizinha Faladeira.png
Fundação 10 de dezembro de 1932 (84 anos)
Cores

Azul

Vermelho

Branco

[1]

Símbolo Sereia[1]
Bairro Santo Cristo[1]
Presidente David dos Santos
Presidente de honra Marcus Vinícius
Carnavalesco Jean Rodrigues
Intérprete oficial Marcelinho da Vizinha
Diretor de carnaval Capoeira
Diretor de harmonia Comissão de Harmonia
Daniel Katar
Everaldo Cassimiro
Glaucias
Diretor de bateria Mestre China
Rainha da bateria Veronice de Abreu
Mestre-sala e porta-bandeira Jorge Vinícius e Laís
Coreógrafo Adilson Lourenço
Desfile de 2018
Enredo O Marquês numa viagem pioneira, vê nascer um rei na Vizinha Faladeira - Paulo Barros, o DNA do carnaval

Associação Recreativista Escola de Samba Vizinha Faladeira, fundada a 10 de dezembro de 1932, por David da Silva Neves, é uma escola de samba da cidade do Rio de Janeiro, que esta sediada no bairro do Santo Cristo na zona portuária.

Uma das mas antigas escolas de samba do Brasil, a Vizinha Faladeira foi a primeira escola de samba a ter uma comissão de frente[carece de fontes?], além de ser a primeira a utilizar enredos internacionais e trouxe também diversas inovações e novidades, que atualmente são utilizadas nos desfiles carnavalescos, como: Introdução do carro alegórico utilizado numa escola de samba; Ala infantil; Utilização de instrumentos de percussão mais leves e sofisticado. A escola também é conhecida por ter ficado com as atividades paralisadas por 50 anos. Em sua história, destacam-se os enredos sobre contos infantis.

Possui seis títulos, sendo campeã da divisão Principal do carnaval em 1937. Conquistou também títulos nas divisões de Acesso, sendo dois do Grupo D em 1990 e 2015, dois do Grupo C em 1992 e 2016, um do Grupo B em 2004.

A conquista consecutiva dos dois últimos campeonatos nas divisões de Acesso, coroaram o renascimento da escola considerada uma das mais antigas e tradicionais do Rio de Janeiro.

História[editar | editar código-fonte]

O nome da escola surgiu como uma espécie de ironia a duas moradoras da Rua da América, a "Velha França" e a "Velha do Beco", conhecidas e afamadas faladeiras das vidas alheias no bairro, inspiraram a criação da Vizinha Faladeira.

Fundada em 1932, a escola desfilou pela primeira vez em 1933.[2] No ano seguinte, com o enredo Malandro Regenerado, a escola trouxe 12 luxuosas limusines, com pessoas bem vestidas, formando a comissão de frente. Gambiarras iluminavam a avenida, num desfile em que, apesar de delirantemente aplaudida, a escola obteve o 6º lugar.[3]

Para o carnaval de 1935, foram contratados os irmãos Garrido, os melhores cenógrafos da época. O enredo escolhido para o desfile foi Samba na Primavera. Naquele ano, segundo alguns estudiosos, a Vizinha teria apresentado o primeiro carro alegórico utilizado numa escola de samba: um caramanchão sobre rodas. A comissão de frente veio montada a cavalo. Mais uma vez o sucesso foi extraordinário, mas a escola ficou novamente apenas em 4º lugar.[4]

Em 1936, quando o público e a imprensa aguardavam mais novidades, a Vizinha apresentou o enredo Ascensão do Samba na Alta Sociedade. Pela primeira vez desfilou uma ala de damas, com sombrinhas. Os integrantes da bateria vieram fantasiados de malandros, com seus instrumentos de barrica francesa. Uma sofisticação, já que as outras escolas traziam instrumentos pesados e de má qualidade de som.[carece de fontes?]. Novamente obteve o 6º lugar.[5]

Uma só bandeira foi o enredo de 1937, uma homenagem às bandeiras nacional e dos estados. Naquele ano, o luxo e o esplendor das sedas fornecidas só foram superados pelas 40 gambiarras que a escola trouxe, iluminando a Praça Onze com as luzes flamejantes dos lampiões de carbureto. Foi um grande contraste com as co-irmãs, iluminadas com velas e lamparinas. Naquele ano, a escola conquistou seu único título da divisão principal.[6]

Em 1939, a Vizinha Faladeira trouxe o maior carnaval da década de 30. O enredo Branca de Neve e os 7 Anões teve, pela primeira vez no carnaval, uma ala infantil, fantasiada de anões, e apresentou, também pioneiramente, destaques luxuosos, em cima dos carros. A consagração foi total.[carece de fontes?] Quando todos esperavam o bicampeonato, veio a decepção: a escola foi desclassificada por infringir o item do regulamento que proibia temas estrangeiros.[7]

Devido a este fato, a diretoria resolveu acabar com aquela que fora a maior, a mais rica, a mais irreverente e revolucionária escola da época.[carece de fontes?] Mas em respeito a seus componentes e ao grande público a diretoria preparou a última surpresa: no Carnaval de 1940, a Vizinha desfilou normalmente até divisar o palanque dos julgadores, parando mesmo antes de se apresentar para os mesmos e desfraldando uma faixa com os dizeres: "Devido às marmeladas, adeus Carnaval. Um dia voltaremos", e desfilou por trás do palanque dos julgadores, caracterizando-se assim, o primeiro e mais importante protesto em desfiles de Escolas de Samba até os dias de hoje.

No dia 6 de janeiro de 1989, quase cinquenta anos após ficar com a bandeira enrolada, foi convocada uma assembleia geral e foi revivida a escola, que desfilou no Grupo de Acesso no ano de 1990. Foi campeã com um enredo sobre Clara Nunes. Esse resgate da escola contou com um grupo de pessoas ilustres e de boa vontade, agregando os trabalhadores do porto e os moradores dos bairros da Saúde, Santo Cristo, Morro do Pinto, Providência, além de pessoas da Zona Sul, que começam a descobrir a escola. Mas os tempos são outros e a escola, apesar de ter conseguido chegar ao segundo grupo na década de 90 e repetindo esse feito na primeira década dos anos 2000, ainda sente dificuldade de se manter nos principais grupos do carnaval carioca.

Em 2003, a escola resolve trocar a sua bandeira. O antigo símbolo da vizinha linguaruda foi deixado de lado e surgiu uma sereia em seu lugar. A vizinha linguaruda foi o símbolo da primeira formação da escola, nos anos 30, e mantida durante alguns anos após a volta da escola aos desfiles. O novo símbolo deu sorte e a escola conquistou mais um título em 2004, conseguindo ascender ao Grupo A,[8] no qual permaneceu por dois anos, de 2005 até 2006,[9] quando foi rebaixada para o Grupo B. Em 2008, terminou na penúltima posição no grupo B, tendo que desfilar no Grupo C em 2009.

Em 2010, trouxe como enredo Uma viagem fantástica viagem no mundo do pirlimpimpim, novamente uma temática infantil, cantada num samba de seis autores, totalmente em menor. Terminou na 5º colocação, permanecendo no mesmo grupo para 2011. No ano de 2012, terminou na penúltima posição no grupo D, caindo para o desfile de terça-feira, que seria o do Grupo E. Com a promoção das escolas do Grupo B ocorrida para o ano seguinte, a escola desfilou novamente pelo Grupo D (quinta divisão), que passou a ser o último grupo.

Nesse ano a agremiação foi muito afetada pelas obras de revitalização da Zona Portuária.[10]

Seu desfile em 2012 foi considerado pela imprensa especializada como de campeã,[11] mas a escola acabou penalizada em obrigatoriedades.[carece de fontes?] Na apuração, acabou rebaixada para bloco de enredo, em um resultado considerado muito controverso pela mídia.[12] A diretoria da Vizinha criticou duramente a diretoria da AESCRJ, recém-eleita, à qual a escola fazia oposição, uma vez que a Unidos do Anil teria usado um carro alegórico da Unidos de Villa Rica, que desfilou dois dias antes, e a Matriz de São João de Meriti havia recebido notas no quesito alegoria sem apresentá-lo (seu único carro quebrou no início do desfile).[13][14] Seu presidente, Quinzinho, definiu o episódio como "uma punhalada".[13]

Após protestos[15] e uma ação judicial, a Vizinha e outras duas escolas rebaixadas conseguiram uma liminar para serem incluídas na ordem de desfile do Grupo D para o Carnaval de 2014.[16] mas após conversas, desistiu da ideia de desfilar nesse ano, estando como escola convidada, em 2015.

Acabou sendo campeã do Grupo D em 2015, conquistando o acesso para o C, onde foi vencedor no ano seguinte, chegando assim a Série B em 2017. Com o enredo "A Última do Português a que nem Camões contaria..." a escola terminou em 7° lugar, permanecendo na Série B. Para 2018 a Vizinha fará uma homenagem ao carnavalesco Paulo Barros, que começou sua carreira na escola.

Segmentos[editar | editar código-fonte]

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Nome Mandato Ref.
Jorge Alexandre "Quinzinho" 2012-Junho 2014 [17]
David dos Santos Junho 2014 - atualidade [18]

Presidente de honra[editar | editar código-fonte]

Nome Mandato Ref.
Marcus Vinícius Junho 2014-atualidade [19]

Diretores[editar | editar código-fonte]

Ano Diretor de Carnaval Diretor geral de harmonia Mestre de bateria Ref.
2013 Macaco Branco Marquinhos Pery Jorginho [20]
2015 Capoeira, Everaldo e Gláucia (dir. artística) Daniel Katar, Everaldo Cassimiro e Gláucia Marcos Mattos "Marcão" [21]
2016 Capoeira, Everaldo e Gláucia (dir. artística) Fernando Araujo "Nando" Mestre China [21]

Intérpretes[editar | editar código-fonte]

Carnavais Intérprete(s) oficial(is) Referências
1995–2002 Carlinhos Emoção [1][22]
2003–2008 Marcelinho [23]
2009 Igor Sorriso [24]
2010 Lico Monteiro [1][25]
2011 Beiço e Miguelzinho [1][26]
2012–2013 Fábio Ribeiro [1][27]
2015–2017 Marcelinho da Vizinha [23]
2018–presente Marcelinho da Vizinha e Anderson Bala

Coreógrafo[editar | editar código-fonte]

Ano Nome Ref.
2013 Milton Filho
2015 Adilson Lourenço [28]
2016 Adilson Lourenço [28]

Casal de Mestre-sala e Porta-bandeira[editar | editar código-fonte]

Ano Nome Ref.
2013 Paulo e Patrícia [29]
2015 Jorge Vinícius e Laís [30]
2016

Rainha de bateria[editar | editar código-fonte]

Ano Rainha Ref.
2013-2017 Lú Fogaça [31]
2018- Veronice de Abreu

Carnavais[editar | editar código-fonte]

Vizinha Faladeira
Ano Colocação Divisão Enredo Carnavalesco Ref.
1933 Não foi julgada Desfile oficial "Os garimpeiros" Irmãos Garrido [1][22]
1934 4.º Lugar Jornal A Hora "Malandro regenerado" Irmãos Garrido [1][22]
1935 4.º Lugar Desfile Oficial "Samba na primavera" Irmãos Garrido [1][4][22]
1936 6.º Lugar Desfile Oficial "Ascensão do samba na alta sociedade" Irmãos Garrido [1][22]
1937 Campeã Desfile Oficial "Uma só bandeira" Irmãos Garrido [1][6][22]
1938 Não houve concurso [32]
1939 Desclassificada Desfile Oficial "Branca de Neve e os sete anões" Irmãos Garrido [1][22]
1940 Não foi julgada Desfile Oficial "Carnaval para o povo" [33]

A escola esteve inativa de 1940 a 1989

1990 Campeã Desfile de Avaliação "Clara Nunes, o canto de um povo"
(Samba-enredo composto por Nenem, Pintado e Paco)
Jorge Nova [1][22]
1991 4.º lugar Grupo C "Eu sou o samba"
(Samba-enredo composto por Nenem, Pintado e Paco)
Jorge Nova [1][34]
1992 Campeã Grupo C "Quem é do mar não enjoa" Jorge Nova [1][22]
1993 10.º Lugar Grupo B "Um ser criança"
(Samba-enredo composto por Regina, Nogueira, Carlinhos e Luizinho)
Sérgio Murilo [1][35]
1994 Vice-campeã Grupo B "Sou Rei - Sou Rainha - Na corte da Vizinha"
(Samba-enredo composto por Luciano Felisberto)
Paulo Barros e Henrique Celibe [1][22]
1995 6.º Lugar Grupo A "O Relicário do samba"
(Samba-enredo composto por Carlos Pessoa, Ageu Coisa Boa, Arthur e Ticarlos)
Paulo Barros e Henrique Celibe [1][22]
1996 4.º Lugar Grupo A "Elba Popular Brasileira"
(Samba-enredo composto por Chapelen, Mingal e BH)
Jorge Nova [1][22]
1997 10.º Lugar
(Rebaixada)
Grupo A "Lan, a cara alegre e colorida do Rio"
(Samba-enredo composto por Regina, Ivone Lira, Carlinhos Lauvitor e Luizinho Proença)
Sylvio Cunha [1][22]
1998 7.º Lugar Grupo B "Cem anos de existência: tome Providência"
(Samba-enredo composto por Regina Lira, Ivone Lira e Juruna da Mangueira)
Júlio Mattos [1][22]
1999 10.º Lugar
(Rebaixada)
Grupo B "Sou Vizinha delirando a passarela, é Paulínea na Sapucaí" Guina Nascimento e Carlos Mazzarella [1][22]
2000 4.º Lugar Grupo C "Mata Atlântica - SOS nos 500 do Brasil"
(Samba-enredo composto por Nelci, Jero e Helinho 107)
Comissão de Carnaval [1][22]
2001 10.º Lugar Grupo B "Uarará, o fruto da vida"
(Samba-enredo composto por Luisinho Oliveira, Márcio Alexandre e Henrique Guerra)
Comissão de Carnaval [1][36]
2002 5.º Lugar Grupo B "Nem tudo que reluz é ouro"
(Samba-enredo composto por Rafael, Humberto, Robinho, Maggaiver, Aloysio Madrugada, Luisinho Oliveira, Henrique Guerra, Márcio Alexandre e Wagui)
Paulo Barros [1][37]
2003 7.º Lugar Grupo B "Todo mundo tem família - A história é a mesma, só muda o endereço"
(Samba-enredo composto por Helinho 107, Alexandre Português, Sérgio Aguiar, Cacá Santos e Betinho do Cavaco)
Lilian Rabello [1][38]
2004 Campeã Grupo B "A Bela Adormecida"
(Samba-enredo composto por Helinho, Tito, Ivanísia, Si e Newton Moreno)
Flávio Policarpo [1][8][39]
2005 7.º Lugar Grupo A "2222 Gil, o expresso da cultura no Brasil"
(Samba-enredo composto por Lula, Dr Magson, Clóvis e Humberto)
Flávio Policarpo e Antônio Sérgio [1][40]
2006 9.º Lugar
(Rebaixada)
Grupo A "Adorável loucura na cidade do encantamento"
(Samba-enredo composto por Neném Filho, Leo Torres, Klaus Munan e Ivan Zevete)
Severo Luzardo [1][9][41]
2007 5.º Lugar Grupo B "Oduduya - a volta ao tempo da criação"
(Samba-enredo composto por Sérgio Aguiar, Menor, JR e Léo Torres)
Jorge Caribé [1][42]
2008 13.º Lugar
(Rebaixada)
Grupo B "Vizinha Faladeira no Brasil das maravilhas"
(Samba-enredo composto por Diego Ferreira, Vinicius Ferreira, Thiago Lepletier, Renato Buarque, Vlad Nascimento, Freddy Ferreira e Ricardinho Delezcluze)
Laerte Gulini [1][43]
2009 6.º Lugar Grupo RJ-2 "A luz da vida jamais se extinguirá"
(Samba-enredo composto por Thiago Lepletier, Cadu, Vinicius Ferreira, Igor Sorriso e Freddy Ferreira)
Walter Guimarães [1][44]
2010 5.º Lugar Grupo RJ-2 "Uma viagem fantástica viagem no mundo do pirlimpimpim"
(Samba-enredo composto por Thiago Lepletier, Freddy Ferreira, Renato Buarque, Dida Ferreira e Palmieri)
Orlando Júnior [1][45]
2011 16.º Lugar
(Rebaixada)
Grupo C "Vizinha Faladeira dá as cartas"
(Samba-enredo composto por Orlando Professor, Luiz Fernando, Miguelzinho Bezerra, Pakato do Cavaco e Rodolfo Caruso)
Jorge Castro [1][46]
2012 12.º Lugar Grupo D "A essência da vida... O progresso social sob a liberdade e igualdade"
(Samba-enredo composto por Pedro Miranda, Zé Mário, Serginho, Sidney Sá, Leandro Santos e Madalena)
Newton Ribeiro e Carlos Cavalliere [1][47]
2013 10.º Lugar Grupo D "O Brasil está em festa. A visão da pioneira!"
(Samba-enredo composto por Mestre Jorginho, Maninho, Paulo Roberto, Patrícia, Bruno Caeiros e André Lúcio)
Newton Ribeiro e Carlos Cavalliere [1][48]
2014 A escola não desfilou
2015 Campeã Série D "Aqui onde nada tinha, quem a esse porto vinha, dava de cara com a Vizinha! Agora no novo porto"
(Samba-enredo composto por China, Claudinho Raiz, Niquinho, Paulo Velho e Luiz Sapatinho)
Jean Rodrigues [49]
2016 Campeã Série C "Assim caminha a humanidade"
(Samba-enredo composto por Orlando Professor, Luiz Fernando, Miguelzinho Beserra, Rodolfo Caruso e Jorge Remédio)
Jean Rodrigues [50][51]
2017 7.º Lugar Série B "A última do português a que nem Camões contaria..."
(Samba-enredo composto por Junior Nascimento, Betinho do Cavaco, Leandro RC, j. do Táxi, Gui Cruz e Flavinho)
Jean Rodrigues
2018 Série B "O Marquês numa viagem pioneira, vê nascer um rei na Vizinha Faladeira - Paulo Barros, o DNA do carnaval" Jean Rodrigues

Títulos[editar | editar código-fonte]

Títulos da ARES Vizinha Faladeira
Divisão Títulos Carnavais
WikiCup Trophy Gold.png Grupo Especial 1 1937
Trophy (transp. Simón Bolívar Cup).png Série B 1 2004
Trophy (transp. Simón Bolívar Cup).png Série C 2 1992 e 2016
Trophy (transp. Simón Bolívar Cup).png Série D 2 1990 e 2015


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons

Premiações[editar | editar código-fonte]

Prêmios recebidos pela ARES Vizinha Faladeira.

Ano Prêmio Categoria / premiados Divisão Ref.
1999 S@mba-Net Bateria (Diretor responsável: Mestre Jorge Luiz "Rey") Grupo B [52]
2002 S@mba-Net Conjunto de fantasias Grupo B [53]
Revelação (Tulane - Princesa mirim da escola)
2004 S@mba-Net Melhor desfile Grupo B [54]
Bateria (Diretor responsável: Mestre Jorginho)
Comissão de frente (Coreógrafo responsável: Alexandre Henrique)
Conjunto alegórico
Troféu Jorge Lafond Enredo ("A Bela Adormecida") [55]
Comissão de frente (Coreógrafo responsável: Alexandre Henrique)
Alegoria
Personalidade (Waldir Paim)
Personalidade (Damásio Dezidério)
2005 Troféu Jorge Lafond Bateria (Diretor responsável: Mestre Jorginho) Grupo A [56]
2006 S@mba-Net Bateria (Diretor responsável: Mestre Jorginho) Grupo A [57]
2007 S@mba-Net Bateria (Diretor responsável: Mestre Lolo) Grupo B [58]
Troféu Parangolé Jorge Caribé (Pela ousadia no uso de palhetas monocromáticas, inventividade no uso de materiais,

funcionalidade leveza e visualidade das esculturas da comissão de frente)

[59]
2009 Troféu Jorge Lafond Samba-enredo

("A luz da vida jamais se extinguirá" - Compositores: Thiago Lepletier, Cadu, Vinicius Ferreira, Igor Sorriso e Freddy Ferreira)

Grupo RJ-2 [60]
Ala mirim
2013 OSK do Samba Bateria Grupo D [61]
Comissão de Frente
Samba na Veia Samba-enredo [62]
Bateria
Rainha de bateria
2015 OSK do Samba Bateria Grupo D [63]
Samba-enredo
Intérprete
Mestre-sala e Porta-bandeira
Enredo
Samba na Veia Samba-enredo [64]
Enredo
Troféu Jorge Lafond Campeã do Grupo D [65]
Plumas & Paetês Compositores (Claudinho Raiz, China, Niquinho, Paulo Velho e Luiz Sapatinho) [66]
Pesquisador (Jean Rodrigues)
2016 OSK do Samba Enredo Série C [67]
Velha Guarda
Escola
Plumas & Paetês Carnavalesco (Jean Rodrigues) [68]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Marcadas para viver: a luta de cinco escolas, João Pimentel, Rio de Janeiro: Editora Verso Brasil, 2012.[69]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak «Vizinha Faladeira». Samba Rio. Consultado em 10 de novembro de 2013 
  2. «1933». Academia do Samba. Consultado em 22 de julho de 2010 
  3. «1934». Academia do Samba. Consultado em 24 de março de 2010 
  4. a b «1935». Academia do Samba. Consultado em 24 de março de 2010 
  5. «1936». Academia do Samba. Consultado em 24 de março de 2010 
  6. a b «1937». Academia do Samba. Consultado em 24 de março de 2010 
  7. «1939». Academia do Samba. Consultado em 24 de março de 2010 
  8. a b Academia do Samba. «2004 - Grupo B». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  9. a b Academia do Samba. «2006 - Grupo A». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  10. «Escolas de samba serão despejadas do Porto». O Dia na Folia. 28 de junho de 2011. Consultado em 3 de julho de 2011 
  11. Desfile Vizinha Faladeira 2013
  12. R7 (15 de fevereiro de 2013). «Apuração dos grupos de acesso B, C e D termina com 2 presos após acusações de fraude». Consultado em 21 de maio de 2013 
  13. a b Igor Munarim, Galeria do Samba (21 de fevereiro de 2013). «Tradicional escola de samba 'virou' bloco e pede revisão do resultado à RioTur». Consultado em 21 de maio de 2013 
  14. O Batuque (20 de fevereiro de 2013). «Vizinha Faladeira promete brigar até o fim para cancelar julgamento do Grupo D». Consultado em 14 de junho de 201. Cópia arquivada em 14 de junho de 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  15. O DIA na Folia (20 de fevereiro de 2013). «Vizinha Faladeira protesta contra rebaixamento». 21h57. Consultado em 22 de fevereiro de 2013 
  16. Igor Munarim, Galeria do Samba (17 de junho de 2013). «justiça obriga aescrj a incluir escolas rebaixadas no sorteio». Consultado em 18 de junho de 2013. Cópia arquivada em 18 de junho de 2013 
  17. Academia do Samba. «Diretoria». Consultado em 26 de maio de 2014 
  18. http://www.jb.com.br/rio/noticias/2015/09/27/primeira-escola-de-samba-vizinha-faladeira-ganhara-nova-quadra/
  19. [1]
  20. Diretor de bateria da Vila se destaca também fora do Carnaval
  21. a b http://www.sidneyrezende.com/noticia/249629+mestre+china+comandara+a+bateria+da+vizinha+faladeira
  22. a b c d e f g h i j k l m n o p Academia do Samba. «Vizinha Faladeira - Desfiles e Enredos». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  23. a b «Marcelinho». Sambario Carnaval. Consultado em 18 de fevereiro de 2017 
  24. «Igor Sorriso». Sambario Carnaval. Consultado em 18 de fevereiro de 2017 
  25. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome :4
  26. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome :5
  27. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome :6
  28. a b http://premioziriguidum.com.br/unidos-do-cabucu-renova-com-adilson-lourenco-para-comandar-sua-comissao-de-frente-em-2016/
  29. [2]
  30. [3]
  31. http://www.portaldosambarj.com/2014/10/vizinha-faladeira-coroa-cantora-lu.html
  32. Academia do Samba. «1938». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  33. Gabriel da Costa Turano (Uerj) Felipe Ferreira (Uerj). «Incômoda vizinhança: A vizinha Faladeira e a formação das escolas de samba no Rio de Janeiro dos anos 30». Consultado em 15 de fevereiro de 2016 
  34. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 1991». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  35. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 1993». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  36. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2001». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  37. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2002». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  38. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2003». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  39. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2004». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  40. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2005». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  41. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2006». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  42. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2007». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  43. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2008». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  44. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2009». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  45. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2010». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  46. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2011». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  47. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2012». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  48. Academia do Samba. «Vizinha Faladeira 2013». Consultado em 10 de novembro de 2013 
  49. http://www.galeriadosamba.com.br/carnavais/vizinha-faladeira/2015/12/
  50. http://www.radioarquibancada.com.br/?platform=hootsuite
  51. http://www.galeriadosamba.com.br/carnavais/vizinha-faladeira/2016/12/
  52. Academia do Samba. «S@mba-Net 1999». Consultado em 20 de novembro de 2013 
  53. Academia do Samba. «S@mba-Net 2002». Consultado em 20 de novembro de 2013 
  54. Academia do Samba. «S@mba-Net 2004». Consultado em 20 de novembro de 2013 
  55. «Troféu Jorge Lafond 2004». www.academiadosamba.com.br. Consultado em 14 de junho de 2016 
  56. «Troféu Jorge Lafond 2005». www.academiadosamba.com.br. Consultado em 17 de junho de 2016 
  57. Academia do Samba. «S@mba-Net 2006». Consultado em 20 de novembro de 2013 
  58. Academia do Samba. «S@mba-Net 2007». Consultado em 20 de novembro de 2013 
  59. «Troféu Parangolé 2007». Academia do samba. Consultado em 14 de junho de 2016 
  60. «Troféu Jorge Lafond 2009». www.academiadosamba.com.br. Consultado em 27 de junho de 2016 
  61. Oscar do Samba. «Relação dos premiados do Oscar do Samba 2013:». Consultado em 16 de julho de 2013. Cópia arquivada em 16 de julho de 2013 
  62. Oscar do Samba (16 de abril de 2013). «Prêmio Samba na Veia realiza sua 1ª edição dia 30 de abril». Consultado em 16 de julho de 2013 
  63. «OSK do Samba - Parabéns aos ganhadores! | Facebook». www.facebook.com. Consultado em 20 de abril de 2016 
  64. «Allan Mahet e Cristiane Maciel: A Escola de Samba mais Premiada de 2015 é a Unidos de Padre Miguel». Allan Mahet e Cristiane Maciel. Consultado em 13 de fevereiro de 2016 
  65. «Cubango promeve 12ª edição do Troféu Jorge Lafond dia 25 de abril. Confira os premiados». Carnavalesco. Consultado em 28 de junho de 2016 
  66. «Prêmio Plumas & Paetês Cultural será entregue sábado na Cidade do Samba». Carnavalesco. Consultado em 13 de junho de 2016 
  67. «Osk do Samba». www.oskdosamba.com.br. Consultado em 20 de abril de 2016 
  68. «Confira a relação dos agraciados com Prêmio Plumas & Paetês Carnaval 2016». Manchete Online na Folia. 15 de fevereiro de 2016. Consultado em 13 de junho de 2016 
  69. SRZD (19 de dezembro de 2012). «Marcadas para viver: a luta de cinco escolas». 14h12. Consultado em 10 de novembro de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]