Feliz Deserto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde abril de 2010).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Município de Feliz Deserto
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Aniversário 7 de Agosto
Fundação 1960 (57 anos)
Gentílico feliz-desertense
Prefeito(a) Maykon Beltrão Lima Siqueira (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Feliz Deserto
Localização de Feliz Deserto em Alagoas
Feliz Deserto está localizado em: Brasil
Feliz Deserto
Localização de Feliz Deserto no Brasil
10° 17' 31" S 36° 18' 21" O10° 17' 31" S 36° 18' 21" O
Unidade federativa  Alagoas
Mesorregião Leste Alagoano IBGE/2008[1]
Microrregião Penedo IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Coruripe, Penedo e Piaçabuçu
Distância até a capital 115 km
Características geográficas
Área 91,824 km² [2]
População 4 332 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 47,18 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,609 médio PNUD/2000[4]
PIB R$ 41 862,488 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 9 296,58 IBGE/2008[5]
Página oficial

Feliz Deserto é um município brasileiro do Estado de Alagoas. Sua população estimada em 2004 era de 4 040 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

Feliz Deserto era originalmente um aldeamento de índios caetés. Foi colonizada a partir do naufrágio e estabelecimento de Domingos Mendes, que lhe deu o topônimo por achar que, mesmo sendo o lugar deserto, representava a felicidade de ter sido encontrado. Desmembrado de Piaçabuçu, o município adquiriu autonomia em 23 de julho de 1960.

A história recente de Feliz Deserto é marcada por uma tragédia ocorrida no mês de abril de 2005. A cidade foi castigada por um temporal que durou dois dias, alagando completamente toda a área central. A chuva destruiu aproximadamente 300 casas de taipa, deixando desabrigados quase 1500 pessoas. A prefeitura, através de doações, conseguiu abrigar provisoriamente a população em diversos pontos da cidade. A reconstrução da cidade começou em dezembro de 2005 e, em julho de 2006, a prefeitura entregou as 185 casas a população.

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia do município está baseada na agricultura. A região é produtora de coco e cana-de-açúcar. Existe ainda o trabalho com artesanato baseado na utilização da taboa, uma planta nativa da região. São produzidos diversos produtos que são comercializados através de uma cooperativa criada justamente para esse fim.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Alagoas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.