Tanque d'Arca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Tanque d'Arca
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Aniversário 1 de dezembro
Fundação 1 de dezembro de 1962 (54 anos)
Gentílico tanque-d'arquense
Lema MINHA TERRA, MINHA VIDA
Prefeito(a) {{{prefeito}}} (Wil Valença)
(2017–2020)
Localização
Localização de Tanque d'Arca
Localização de Tanque d'Arca em Alagoas
Tanque d'Arca está localizado em: Brasil
Tanque d'Arca
Localização de Tanque d'Arca no Brasil
09° 31' 55" S 36° 25' 58" O09° 31' 55" S 36° 25' 58" O
Unidade federativa  Alagoas
Mesorregião Agreste Alagoano IBGE/2008[1]
Microrregião Palmeira dos Índios IBGE/2008[1]
Região metropolitana
do Agreste
Municípios limítrofes Norte: Palmeira dos Índios e Mar Vermelho; sul: Anadia e Taquarana; leste: Maribondo; oeste: Belém.
Distância até a capital 117 km
Características geográficas
Área 155,959 km² [2]
População 6 122 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 39,25 hab./km²
Altitude 200 M m
Clima Tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,586 baixo PNUD/2000[4]
PIB R$ 17 353,581 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 2 967,44 IBGE/2008[5]
Página oficial

Tanque d'Arca é um município brasileiro do estado de Alagoas.

O atual município de Tanque d' Arca originalmente era uma mata virgem e antes da colonização havia apenas uma picada neste mata, o único caminho a Palmeira dos Índios e Anadia. No local onde hoje se localiza a cidade, havia em tanque de água natural sob a sombra de um oitizeiro.

Contam os moradores antigos que uma arca com muitos e variados objetos foi deixado por um grupo de ciganos, após um grande período de acampamento, exatamente à sombra do oitizeiro, despertando a curiosidade da população local. Esse fato marcou o cotidiano dos moradores que a partir dele, decidiram modificar o nome da localidade para Tanque d´Arca.

As primeiras famílias que habitaram a região eram originárias de Pernambuco e entre elas destacavam-se De Manoel Vitorino, Manoel Barbosa e João Alemão, que lideravam a instalação. Os primeiros locais a serem habitados foram às terras onde hoje estão o sítio Carrapato e as ruas José Garcez e Hemann de Almeida, onde foram construídas as casas dos novos moradores. Com o crescimento populacional no local, iniciou-se a monocultura da cana-de-açúcar na região. O povoado se desenvolveu rapidamente e logo foram construídos armazéns para compra de cereais e instalado descaroçador de algodão.

O território que pertencia a Anadia só foi desembarcado em 1962, através da Lei nº 2507, mas sua instalação oficial só ocorreu no ano seguinte.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Sua população estimada em 2004 era de 6.019 habitantes.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Alagoas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.