Campestre (Alagoas)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde julho de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Município de Campestre
Bandeira de Campestre
Brasão de Campestre
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 25 de novembro
Fundação 1994
Gentílico campestrense
Padroeiro(a) São José
Prefeito(a) Nielson Mendes (Pino) (PTdoB)
Localização
Localização de Campestre
Localização de Campestre em Alagoas
Campestre está localizado em: Brasil
Campestre
Localização de Campestre no Brasil
08° 50' 45" S 35° 34' 04" O08° 50' 45" S 35° 34' 04" O
Unidade federativa  Alagoas
Mesorregião Leste Alagoano IBGE/2008[1]
Microrregião Mata Alagoana IBGE/2008[1]
Região metropolitana Zona da Mata
Municípios limítrofes Jundiá, Jacuípe e Novo Lino em Alagoas; Xexéu
e Água Preta em Pernambuco.
Distância até a capital 120 km
Características geográficas
Área 65,910 km² [2]
População 6 598 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 100,11 hab./km²
Altitude 109 m
Clima Tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,582 baixo PNUD/2000[4]
PIB R$ 21 993,321 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 3 554,76 IBGE/2008[5]
Página oficial

Campestre é um município brasileiro do estado de Alagoas. Sua população em 2010 pelo censo do IBGE era estimada em 6.598 habitantes.

O município de Campestre está localizado na Micro Região da Zona da Mata Norte de Alagoas, sua distância até a capital Maceió é de 120 km, com uma área de 65,910 km² segundo censo do IBGE do ano de 2010, limitando – se com Jundiá, Novo Lino e Jacuípe em Alagoas e Xexéu e Água Preta em Pernambuco.

História e Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Os registros históricos do município de Campestre estão ligados ao município de Jundiá, de quem foi povoado desmembrado. O nome do povoado se originou dos verdejantes campos existentes em meados do século XVIII entre os morros que circundavam toda a região, a princípio com poucas casas. Com a construção da estrada que ai até Palmares, no Estado de Pernambuco, Campestre começou a se desenvolver. O povoado se estabeleceu com a instalação das atividades industriais da Usina Santa Terezinha, atualmente desativada e da feira livre, considerada a maior da região, superando progressivamente a sede do município. 

Na administração de José Ribeiro Caminha, em Jundiá, ocorreu o processo de desapropriação de terra, facilitando o crescimento urbano, também fizeram parte da evolução do povoado Domingos Barreto da Silva e Antonio Sijames Granja. O padre, Francisco Gerardi esteve à frente da construção da primeira igreja, em 1926, erguida em homenagem a São José. 

A luta pela emancipação começou em 1987, com o prefeito, Gervásio de Oliveira Lins, na época prefeito de Jundiá. No ano 1988, aprovado na Câmara de Vereadores, em 1988, o deputado estadual José Medeiros encampou o movimento. E em 25 de novembro de 1994, o governador Geraldo Bulhões, sancionou a lei que concedeu autonomia administrativa a Campestre. 

Os pontos de encontro da cidade são a área de lazer, a quadra de esportes, o clube municipal e a Prainha do Val, no rio Jacuípe. A atração turística ainda em fase de implantação será o Parque Ecológico Serra da Pedra.

Gentílico: camprestrense 

Formação administtrativa 

Distrito criado com denominação de Campestre, no município de Jundiá. 

Art. 41, inciso II, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, da Constituição Estadual de 05-10-1989, confirmado pela Lei Estadual nº 5641, de 21-111994, que define os seus limites, desmembrado de Jundiá. Sede no distrito de Campestre ex-Povoado Campestre de Jundiá. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-01-1997. 

Em divisão territorial datada de 1-VII-1997, o município é constituído do distrito sede. 

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Hidrografia

Localiza-se às margens do Rio Jacuípe que nasce na Serra da Catita em Canastra entre Ibateguara e Colônia de Leopoldina -AL desaguando no Rio Una que deságua no Oceano Atlântico. Outros rios do município: Rio Manguaba, Riacho Trincheiras e Riacho Pedra Branca.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Banhos naturais na Bica de Porto do Meio, Boa Vista, Piaba Grande e a reserva de Serra de Pedra, que lembra esconderijos dos negros do período da invasão holandesa.

Lazer[editar | editar código-fonte]

Existem poucas opções de recreação na cidade, os jovens concentram-se na pracinha do Padre Cícero, nos finais de semana, frequentam o Clube e apreciam shows no Pátio de Eventos. Outra opção é o banho de rio na prainha do Val, no Rio Jacuípe.

Esportes[editar | editar código-fonte]

Futebol, Trilha de Moto, Capoeira, Judô, Jiu-jitsu, Futsal, Voleibol, Handebol e Dominó.

Indústria[editar | editar código-fonte]

Comércio[editar | editar código-fonte]

O comércio é pequeno devido a falta de indústrias e de falta de recursos para serem aplicados na cidade, existe uma feira de rua aos sábados. As compras da população, costumam ser em Palmares-PE, por ser a cidade pólo da região.

Agricultura[editar | editar código-fonte]

Cana-de-açúcar, café, banana, mamão, mandioca, inhame, maracujá, acerola, milho, feijão e hortaliças.

Pecuária[editar | editar código-fonte]

Criação em pequena escala de gado de corte, vacas leiteiras, caprinos, ovinos e suínos.

Religião[editar | editar código-fonte]

Católica e Protestante (Evangélica).

Apicultura[editar | editar código-fonte]

Criação de Abelhas Italianas para o controle da safra do maracujá em algumas propriedades rurais.

Artesanato[editar | editar código-fonte]

Artesãos locais sem organização realizam pequenas atividades isoladas em barro, tecidos, pintura, bordado e crochê.

Educação[editar | editar código-fonte]

1.640 Alunos na Rede Municipal de Educação e na Rede Estadual distribuídos nas escolas abaixo relacionadas: Escola Estadual José Ribeiro Caminha; Centro de Ensino Fundamental Ministro Renan Calheiros; Escola Francisca Barreto; Escola Edson da Gama Peixoto; Centro de Educação Infantil Julieta Odete de Barros; Grupo Escolar Sto Antônio (Fazenda Taquarassú); Escola Municipal Santa Catarina (Fazenda Belo Dia); Grupo Escolar Sebastião Luis de Melo (Fazenda Taquarí); Grupo Escolar Dom Pedro II (Fazenda S. João); Grupo Escolar Marechal Castelo Branco (Fazenda bom Sossego);

  • São 63 professores da Rede Municipal e 23 professores da Rede Estadual.
  • Link para conferir os dados atualizados em 2015: http://cod.ibge.gov.br/1CRBA

Principais Festividades[editar | editar código-fonte]

Festa do Padroeiro São José (19 de Março) e Aniversário ou Emancipação Política (25 de Novembro).

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Alagoas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.