Literatura do Antigo Egito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Literatura do Antigo Egipto)
Ir para: navegação, pesquisa
Hieróglifos egípcios com Cartuchos para o nome de "Ramsés II", no Templo de Luxor, Império Novo.

A literatura do Antigo Egito foi escrita na língua egípcia do período faraônico do Antigo Egito até o fim da dominação romana. Representa a mais antiga coletânea da literatura egípcia. Junto com a literatura suméria, é considerada a mais antiga literatura do mundo.[1]

A escrita do Antigo Egito — ambos hieroglífica e hierática — apareceu pela primeira vez no final do quarto milênio a.C., durante a fase final do Egito pré-dinástico. Até o Império Antigo (século XXVI a.C. ao século XXII a.C.), obras literárias incluíam textos funerários, epístolas e cartas, hinos, poemas e textos autobiográficos comemorativos recontando as carreiras dos funcionários administrativos de destaque. Não era até o início do Império Médio (século XXI a.C. ao século XVII a.C.) que uma literatura egípcia narrativa foi criada. Esta foi uma "revolução da mídia", que, de acordo com Richard B. Parkinson, foi o resultado da ascensão de uma classe intelectual dos escribas, novas sensibilidades culturais sobre individualidade, níveis sem precedentes de alfabetização e o acesso regular a materiais escritos.[2] Entretanto, é possível que a taxa de alfabetização fosse menos do que um por cento de toda a população. A criação da literatura foi, assim, um exercício de elite, monopolizado por uma classe de escribas ligados a ofícios do governo e da corte real do faraó no poder. No entanto, não há consenso total entre os estudiosos modernos sobre a dependência da literatura egípcia antiga na ordem sociopolítica das cortes reais.

Egípcio médio, a língua falada do Império Médio, tornou-se uma língua clássica durante o Império Novo (século XVI a.C. ao século XI a.C.), quando o idioma vernáculo conhecido como egípcio tardio apareceu por escrito. Escribas do Império Novo canonizaram e copiaram muitos textos literários escritos em egípcio médio, que se manteve como linguagem usada para leituras orais de textos de hieróglifos sagrados. Alguns gêneros de literatura do Império Médio, como "ensinamentos" e contos de ficção, permaneceram populares no Império Novo, embora o gênero de textos proféticos não foi revivido até o período Ptolemaico (século IV a.C. ao século I a.C.). Contos populares incluíam a Aventuras de Sinué e O Camponês Eloquente, enquanto textos importantes de ensino incluíam as Instruções de Amenemhat e o Ensino Legalista. No período do Império Novo, a escrita de grafite comemorativo em paredes sagradas dos templos e túmulos floresceu como um gênero original da literatura, ainda empregando frases estereotipadas semelhantes a outros gêneros. O reconhecimento da autoria legítima permaneceu importante somente em alguns gêneros, enquanto que os textos do gênero "ensino" eram pseudônimos e falsamente atribuídos a proeminentes figuras históricas.

A literatura egípcia antiga foi preservada em uma ampla variedade de mídias. Isto inclui rolos de papiro e pacotes, calcário ou cerâmica de óstraco, placas de escrita de madeira, edifícios de pedra monumentais e sarcófagos. Textos preservados e desenterrados por arqueólogos modernos representam uma pequena fração do material literário egípcio antigo. A área da planície de inundação do Nilo está sub-representada, pois o ambiente úmido é inadequado para a preservação dos papiros e inscrições de tinta. Por outro lado, esconderijos escondidos dos textos literários, enterrados por milhares de anos, foram descobertos em assentamentos nas margens secas dos desertos da civilização egípcia.

Escritos, mídia e linguagens[editar | editar código-fonte]

Hieróglifos, hierático e demótico[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Escrita no Antigo Egito
A placa de stela da princesa egípcia do Império Antigo Nefertiabete (datada de cerca de 2590 a 2565 a.C.), a partir de seu túmulo em Gizé, com hieróglifos esculpidos e pintados em pedra calcária.[3]

Até o início do período dinástico no final do 4º milênio a.C., hieróglifos egípcios e sua forma cursiva hierática eram papeis escritos bem estabelecidos.[4] Hieróglifos egípcios são pequenas fotos artísticas de objetos naturais.[5] Por exemplo, o hieróglifo para porta-parafuso, pronunciado se, produzia o som de s; quando esse hieróglifo era combinado com outro ou vários hieróglifos, produzia uma combinação de sons que podem representar conceitos abstratos como tristeza, felicidade, beleza, e mal.[6] A Paleta de Narmer, datada por volta de 3100 a.C., durante a última fase do Egito pré-dinástico, combina os hieróglifos do peixe-gato e um cinzel para produzir o nome do rei Narmer.[7]

Os egípcios chamavam seus hieróglifos de "palavras de Deus" e reservavam o seu uso para fins de exaltá-los, como se comunicar com divindades e os espíritos dos mortos por meio de textos funerários.[8] Cada palavra hieroglífica representava um objeto específico e encarnava a essência do objeto, reconhecendo-o como divinamente feito e pertencente dentro do grande cosmos.[9] Através de atos de ritual sacerdotal, como a queima de incenso, o sacerdote autorizava que espíritos e divindades lessem os hieróglifos decorados nas superfícies dos templos.[10] Em textos funerários do início e após a XII dinastia, os egípcios acreditavam que desfigurar, e até mesmo omitir certos hieróglifos, trazia consequências, boas ou más, para o ocupante falecido de um túmulo cujo espírito contava com os textos como uma fonte de alimento na vida após a morte.[11] Mutilando o hieróglifo de uma cobra venenosa, ou outro animal perigoso, removia-se uma ameaça potencial.[11] No entanto, a remoção de todas as instâncias dos hieróglifos que representam o nome de uma pessoa falecida privaria sua alma da capacidade de ler os textos funerários e condenar aquela alma a uma existência inanimada.[11]

Papiro Abbott, um registo escrito em escrita hierática; descreve uma inspeção de túmulos reais na Necrópole de Tebas e é datada do 16º ano de reinado de Ramsés IX, por volta de 1 110 a.C..

Hierático é uma forma cursiva simplificada dos hieróglifos egípcios.[12] Como hieróglifos, hieráticos eram usados em textos religiosos e sagrados. No primeiro milênio a.C., a caligráfica hierática se tornou a escrita predominantemente usada em papiros e rolos de templos funerários.[13] Considerando que a escrita de hieróglifos exigia a máxima precisão e cuidado, hieráticos cursivos poderiam ser escritos muito mais rapidamente e, portanto, eram mais práticos para escribas na manutenção de registros.[14] Seu objetivo principal era servir como uma taquigrafia para escritas não-real, não-monumental, e menos formais, como cartas pessoais, documentos legais, poemas, registros fiscais, textos médicos, tratados matemáticos e guias de instrução.[15] Hieráticos poderiam ser escritos em dois estilos diferentes; um era mais caligráfico e geralmente reservado aos registros do governo e manuscritos literários, o outro foi usado para contas informais e letras.[16]

Em meados do primeiro milênio a.C., hieróglifos e hieráticos ainda eram usados ​​para os escritos reais, monumentais, religiosos e funerários, enquanto uma nova escrita ainda mais cursiva foi usada para as escritas informais do dia-a-dia: o demótico.[13] A escrita final adotada pelos antigos egípcios era o alfabeto copta, uma versão revista do alfabeto grego.[17] O copta se tornou padrão no século IV d.C., quando o cristianismo se tornou a religião de Estado em todo o Império Romano; hieróglifos foram descartados como imagens idólatras de uma tradição pagã, impróprios para escrever o cânon bíblico.[17]

Escrita, implementos e materiais[editar | editar código-fonte]

Um óstraco com escrita hierática mencionando funcionários envolvidos na inspeção e limpeza de túmulos durante a Vigésima Primeira dinastia do Egito, cerca de 1070 a 945 a.C.

A literatura egípcia foi produzida em uma variedade de meios de comunicação. Junto com o cinzel, necessário para fazer inscrições em pedra, a ferramenta principal de escrita do antigo Egito era o cálamo, um junco em que uma das pontas era cortada para ficar semelhante a um pincel.[18] Com pigmentos de carbono preto e ocre vermelho, o cálamo era usado para escrever em pergaminhos de papiro — um material fino feito da batida misturada de tiras de medula da planta Cyperus papyrus — assim como em pequenas cerâmicas ou calcário de óstracos conhecidos como cacos.[19] Pensa-se que rolos de papiro eram itens comerciais moderadamente caros, uma vez que muitos são palimpsestos, manuscritos que têm seus conteúdos originais apagados para liberar espaço para novas obras escritas.[20] Este, ao lado arrancando pedaços de documentos de papiro para fazer letras mais pequenas, sugere que havia escassez sazonal causada pela temporada limitada de crescimento de Cyperus papyrus.[20] Também explica o uso frequente de óstraco e flocos de calcário como mídia escrita para trabalhos escritos mais curtos.[21] Além de pedra, óstracos de cerâmica e papiro, a mídia escrita também incluía madeira, marfim e gesso.[22]

No período egípcio romano, o tradicional cálamo egípcio havia sido substituído pela ferramenta de escrita chefe do mundo greco-romano: um junco mais curto, mais espesso, com uma ponta de corte.[23] Da mesma forma, os pigmentos egípcios originais foram descartados em favor de tintas à base de chumbo grego.[23] A adoção de ferramentas de escrita greco-romana teve um impacto sobre a caligrafia egípcia, como sinais hieráticos tornaram-se mais espaçados, teve floreios redondos, e maior precisão angular.[23]

Preservação de material escrito[editar | editar código-fonte]

Túmulos egípcios subterrâneos construídos no deserto fornecem possivelmente o ambiente mais protegido à preservação de documentos de papiro. Por exemplo, há o papiro funerário Livro dos Mortos muito bem preservado, colocado em túmulos para funcionarem como um guia de vida após a morte para as almas dos ocupantes dos túmulos falecidos.[24] No entanto, foi apenas habitual durante o Reino Médio tardio e primeira metade do Império Novo colocar papiros não-religiosos em câmaras funerárias. Assim, a maioria dos papiros literários bem preservados são datados com este período.[24]

A maioria dos assentamentos no antigo Egito estavam situados na aluvião da planície de inundação do Nilo. Esse ambiente úmido foi desfavorável para a preservação a longo prazo dos documentos de papiro. Arqueólogos descobriram uma quantidade maior de documentos de papiro em assentamentos no deserto em terra elevada acima da planície de inundação,[25] e em assentamentos que faltaram obras de irrigação, como Elefantina, El-Lahun, e El-Hiba.[26]

Camponeses egípcios colhendo papiro, de uma pintura mural em um túmulo de Deir el-Medina datado do início do Período Raméssida (ou seja, a XIX dinastia).

Escritos em meios mais permanentes, também têm sido perdidos em várias formas. Pedras com inscrições foram frequentemente reutilizadas como materiais de construção, e cerâmica de óstraco exigem um ambiente seco, para garantir a preservação da tinta em suas superfícies.[27] Considerando que rolos de papiro e pacotes geralmente eram armazenados em caixas à salvaguarda, óstraco era rotineiramente descartado em aterros de resíduos; um poço semelhante foi descoberto por acaso na vila Raméssida de Deir el-Medina, e produziu a maioria das cartas privadas conhecidas sobre o óstraco.[21] Documentos encontrados neste local incluem letras, hinos, narrativas ficcionais, receitas, recibos de negócios e testamentos.[28] Penelope Wilson descreve esse achado arqueológico como o equivalente a peneirar um aterro sanitário moderno ou recipiente de lixo.[28] Ela observa que os habitantes de Deir el-Medina eram incrivelmente alfabetizados pelos padrões antigos do Egito, e adverte que tais descobertas só vêm "... em circunstâncias rarefeitas e em condições específicas."[29]

John W. Tait enfatiza, "o material egípcio sobrevive de uma forma muito desigual [...] a desigualdade de sobrevivência compreende tanto tempo e espaço."[27] Por exemplo, há uma escassez de material escrito de todos os períodos do Delta do Nilo, mas uma abundância no ocidente de Tebas, que data de seu apogeu.[27] Ele observa que, embora alguns textos foram copiados várias vezes, outros sobrevivem a partir de uma única cópia; por exemplo, há apenas uma cópia sobrevivente completa do Conto do Náufrago do Reino Médio.[30] No entanto, Conto do Náufrago também aparece em fragmentos de textos em óstraco do Império Novo.[31] Muitas outras obras literárias sobreviveram apenas em fragmentos ou através de cópias incompletas de originais perdidos.[32]

Egípcio demótico clássico, medieval e tardio[editar | editar código-fonte]

Colunas com hieróglifos egípcios inscritos e pintados, desde o salão hipostilo do Ramesseum (em Luxor) construídos durante o reinado de Ramsés II (r. 1279 - 1213 a.C.).

Embora a escrita apareceu pela primeira vez muito tarde durante o quarto milênio a.C., só foi utilizada para transmitir nomes curtos e etiquetas; caracteres conectados de texto não apareceram até cerca de 2600 a.C., no início do Antigo Reinado.[33] Este desenvolvimento marcou o início da primeira fase conhecida da língua egípcia: o egípcio antigo.[33] O egípcio antigo permaneceu como língua falada até cerca de 2100 a.C., quando, durante o início do Reino Médio, a escrita evoluiu para egípcio médio.[33] Enquanto o egípcio médio era estreitamente relacionado com o egípcio antigo, o egípcio tardio era significativamente diferente em estrutura gramatical. O egípcio tardio possivelmente apareceu como uma língua vernácula tão cedo quanto 1600 a.C., mas não foi usado como uma linguagem escrita até cerca de 1300 a.C., durante o Período Amarna do Império Novo.[34] O egípcio tardio evoluiu em demótico por volta do século VII a.C., e, embora o demótico permaneceu como língua falada até o século V d.C., foi gradualmente substituído pelo copta no início do século I d.C..[35]

Hierático foi usado juntamente com hieróglifos para escrever em egípcio antigo e médio, tornando-se a forma dominante de escrita no egípcio tardio.[36] Até o Império Novo e em todo o resto da história do Antigo Egito, o egípcio médio tornou-se uma linguagem clássica que era geralmente reservada para a leitura e escrita em hieróglifos.[37] Para o resto da história do antigo Egito, o egípcio médio continuou sendo a língua falada por formas mais exaltadas de literatura, tais como registros históricos, autobiografias comemorativas, hinos e encantamentos funerários.[38] No entanto, a literatura escrita em egípcio médio no Reino Médio também foi reescrita em hieráticos durante períodos posteriores.[39]

Funções literárias: social, religiosa e educacional[editar | editar código-fonte]

Estátua assentada de um escriba egípcio segurando um documento de papiro em seu colo, encontrado no cemitério ocidental, em Gizé, V dinastia egípcia (25º ao 24º século a.C.)

Ao longo da história do antigo Egito, a leitura e escrita eram os principais requisitos para servir em algum cargo público, embora funcionários do governo eram assistidos no seu trabalho diariamente por um grupo social alfabetizado da elite, conhecidos como escribas.[40] Como evidenciado pelo Papiro de Anastasi I do Período Raméssida, escribas poderiam até ser esperados, de acordo com Wilson, "... a organizar a escavação de um lago e a construção de uma rampa de tijolos, para estabelecer o número de homens necessários para transportar um obelisco e organizar o abastecimento de uma missão militar".[41] Além de emprego público, serviços de escribas em letras de desenhos, documentos de vendas e documentos legais teriam sido frequentemente procurados por pessoas analfabetas.[42] Acredita-se que pessoas alfabetizadas compunham apenas 1% da população,[43] sendo o restante agricultores, pastores, artesãos e outros trabalhadores analfabetos,[44] bem como os comerciantes que necessitavam da assistência de secretários de escribas.[45] O status privilegiado do escriba sobre trabalhadores braçais analfabetos era objeto de um popular texto instrucional do Período Raméssida, a Sátira dos Ofícios, onde ocupações humildes indesejáveis, por exemplo, oleiro, pescador, homem de lavandaria, e um soldado, eram ridicularizadas e a profissão de escriba elogiado.[46] Uma atitude humilhante semelhante para o analfabeto é expressa no Ensino de Khety do Reino Médio, que é usado para reforçar a posição elevada dos escribas dentro da hierarquia social.[47]

A classe dos escribas era o grupo social responsável pela manutenção, transmissão, e canonização dos clássicos literários, e por escrever novas composições.[48] Obras clássicas, como as Aventuras de Sinué e Instruções de Amenemhat, foram copiadas por estudantes como exercícios pedagógicos por escrito e para incutir os valores éticos e morais necessários que marcaram a classe social dos escribas.[49] Os textos de sabedoria do gênero "ensino" representam a maioria dos textos pedagógicos escritos em óstraco durante o Império do Meio; contos narrativos, como Sinuhe e Rei Neferkare e General Sasenet, raramente foram copiados para exercícios escolares até o Império Novo.[50] William Kelly Simpson descreveu contos narrativos, como Sinuhe e O náufrago, como "... instruções ou ensinamentos sob o disfarce de narrativas", uma vez que os principais protagonistas de tais histórias encarna as virtudes aceitas do dia, como o amor de casa ou autossuficiência.[51]

Existem alguns casos conhecidos em que aqueles fora da profissão de escriba eram alfabetizados e tinham acesso à literatura clássica. Menena, um desenhista que trabalhava em Deir el-Medina durante a XX dinastia egípcia, citou passagens nas narrativas O Camponês Eloquente e Conto do Náufrago do Médio Império em uma carta de instrução repreende seu filho desobediente.[31] O Raméssida contemporâneo de Menena, Hori, o autor e escriba da carta satírica em Papiro Anastasi I, admoestou seu destinatário ao citar a Instrução da Hardjedef de maneira imprópria a uma pessoa semi-educada não escriba.[31] Hans-Werner Fischer-Elfert explica ainda esta afronta amadora percebida na literatura ortodoxa:

O que pode ser revelado pelo ataque de Hori no caminho em que alguns escribas Raméssidas sentiram-se obrigados a demonstrar a sua maior ou menor familiaridade com a literatura antiga é a concepção de que essas obras veneráveis foram feitas para serem conhecidas na sua totalidade e não devem ser utilizadas como pedreiras para provérbios populares minados deliberadamente do passado. Os clássicos da época deviam ser memorizados completamente e compreendidos completamente antes de serem citados.[52]

Hieróglifos do Templo Mortuário de Seti I, hoje localizado no Grande Salão Hipostilo de Karnak.

Há poucas, porém solidas, evidências na literatura e arte egípcia para a prática de leitura oral de textos para o público.[53] A palavra oral "recitar" (šdj) era geralmente associada com biografias, cartas e feitiços.[54] "Cantando" (ḥsj) era para canções de louvor, canções de amor, lamentos funerários, e certas magias.[54] Discursos como a Profecia de Neferty sugerem que as composições que foram feitas eram para leitura oral entre os encontros da elite.[54] No primeiro milênio a.C., o ciclo de contos demótico centrou-se nos feitos de Petiese, as histórias começam com a frase "A voz que está diante do Faraó", o que indica que um falante e audiência estavam envolvidos na leitura do texto.[55] A platéia imaginária de altos funcionários do governo e membros da corte real são mencionados em alguns textos, mas um público mais amplo e não-alfabetizado pode ter estado envolvido.[56] Por exemplo, uma estela funerária de Sesóstris I menciona explicitamente as pessoas que se reuniram e ouviram um escriba que "proclama" as inscrições na estela em voz alta.[56]

A literatura também servia para propósitos religiosos. Começando com os Textos das Pirâmides do Antigo Reinado, obras de literatura funerária escritas nas paredes de tumbas, e, mais tarde, sarcófagos, e papiros colocados dentro de túmulos, foram projetados para proteger e nutrir almas em sua vida após a morte.[57] Isto incluiu o uso de feitiços mágicos, encantamentos, e hinos líricos.[57] Cópias de textos literários não-funerários encontrados em túmulos não reais sugerem que os mortos poderiam se divertir na vida após a morte através da leitura desses textos didáticos e contos narrativos (Ver também Influências egípcias na Bíblia hebraica).[58]

Embora a criação da literatura era predominantemente um exercício do escriba do sexo masculino, acreditá-se que alguns trabalhos tenham sido escritos por mulheres. Por exemplo, várias referências às mulheres que escrevem cartas e cartas privadas sobreviventes enviadas e recebidas por mulheres foram encontradas.[59] No entanto, Edward F. Wente afirma que, mesmo com referências explícitas a mulheres que leem cartas, é possível que as mulheres tenham empregado outros para escrever documentos.[60]

Data, definição, e autoria[editar | editar código-fonte]

A estela de Minnakht, chefe dos escribas, inscrições em hieróglifo datadas do reinado de Ay (r. 1323-1319 a.C.)

Richard B. Parkinson e Ludwig David Morenz escreveram que a literatura egípcia antiga — estreitamente definida como belles-lettres ("escrita bonita") — não foi registrada na forma escrita até a XII dinastia no início do Reino Médio.[61] Textos do Antigo Reino serviam principalmente para manter os cultos divinos, preservar as almas em vida após a morte, e relatar documentos por usos práticos na vida diária. Não era até o Reino Médio que os textos foram escritos para fins de entretenimento e curiosidade intelectual.[62] Parkinson e Morenz também especulam que as obras escritas do Reino Médio foram transcrições de literatura oral do Reino Antigo.[63] Sabe-se que algumas poesias orais foram preservadas por escrito posteriormente; por exemplo, canções de portadores de cestos foram preservadas como versos escritos em inscrições de túmulos do Reino Antigo.[62]

Datar textos por métodos de paleografia, o estudo da escrita, é problemático por causa de estilos de escrita hierática diferentes.[64] O uso de ortografia, o estudo de sistemas de escrita e símbolo de uso, também é problemático, uma vez que os autores de alguns textos podem ter copiado o estilo característico de um arquétipo mais velho.[64] Contos fictícios eram frequentemente definidos nas configurações históricas remotas, o uso de definições contemporâneas na ficção é um fenômeno relativamente recente.[65] O estilo de um texto oferece pouca ajuda na determinação de uma data exata para sua composição, como gênero e escolha autoral podem estar mais preocupados com o estado de espírito de um texto do que a época em que foi escrito.[66] Por exemplo, os autores do Reino Médio poderiam definir textos ficcionais de sabedoria na era dourada do Reino Antigo (por exemplo Kagemni, Ptahhotep, e o prólogo de Neferti), ou eles poderiam escrever contos fictícios colocados em uma era caótica que assemelham-se mais a vida problemática no Primeiro Período Intermediário (por exemplo Merykare e O Camponês Eloquente).[67] Outros textos ficcionais são definidos in illo tempore (em uma época indeterminada) e geralmente contêm temas intemporais.[68]

Um dos papiros Heqanakht, uma coleção de cartas privadas hieráticas datado da XI dinastia do Reino Médio.[69]

Parkinson escreveu que quase todos os textos literários eram pseudônimo e, frequentemente, falsamente atribuídos a protagonistas masculinos conhecidos da história anterior, como reis e vizires.[70] Apenas os gêneros literários de "ensino" e "lamento / discurso" contêm obras atribuídas a autores históricos; textos sobre gêneros como "contos narrativos" nunca foram atribuídos a uma pessoa histórica conhecida.[71] Tait afirma que durante o Período Clássico do Egito, "escribas egípcios construíram sua própria visão da história do papel dos escribas e da 'autoria' de textos", mas durante a Época Baixa, esse papel foi em vez mantido pela elite religiosa anexada aos templos.[72]

Há algumas exceções à regra da pseudonímia. Os autores reais de alguns textos de ensino do Período Raméssida eram reconhecidos, mas esses casos são raros, localizados, e não tipificam obras tradicionais.[73] Aqueles que escreveram cartas privadas e, por vezes, cartas modelo foram reconhecidos como os autores originais. Cartas particulares poderiam ser usadas em tribunais de justiça como um testemunho, desde que a caligrafia única de uma pessoa pudesse ser identificada como autêntica.[74] Cartas particulares recebidas ou escritas pelo faraó às vezes eram inscritas em hieróglifos em monumentos de pedra para celebrar a realeza, enquanto decretos dos reis inscritos nas estelas de pedra eram muitas vezes tornados públicos.[75]

Gêneros literários e temas[editar | editar código-fonte]

Egiptólogos modernos categorizam textos egípcios em gêneros, por exemplo "lamentos / discursos" e contos narrativos.[76] O único gênero de literatura nomeado como tal pelos antigos egípcios era o "ensino", ou gênero sebayt.[77] Parkinson afirma que os títulos de uma obra, a sua declaração de abertura, ou palavras-chave encontradas no corpo do texto devem ser usadas como indicadores do seu gênero particular.[78] Apenas o gênero de "contos narrativos" empregava prosa, mas muitas das obras do gênero, bem como os de outros gêneros, foram escritos em verso.[79] A maioria dos versos egípcios antigos foram escritos em forma casal, mas às vezes foram usados tercetos e quartetos.[80]

Instruções e ensinamentos[editar | editar código-fonte]

Uma cópia em papiro do Ensino Legalista do Império Novo, escrita em texto hierático.

Os gêneros de "instruções" ou "ensino", bem como o gênero de "discursos reflexivos", podem ser agrupados nas maiores coletâneas da literatura de sabedoria encontrados no Antigo Oriente.[81] O gênero é didático por natureza e acredita-se que tenha feito parte da ementa educacional do escriba do Reino Médio.[82] No entanto, os textos que ensinam muitas vezes incorporam elementos narrativos que podem instruir, bem como entreter.[82] Parkinson afirma que não há provas de que os textos de ensino não foram criados principalmente para uso na educação dos escribas, mas para fins ideológicos.[83] Por exemplo, Adolf Erman (1854-1937) escreveu que a instrução fictícia dada por Amenemés I (r. 1991-1962 a.C.) para seus filhos "... excede em muito os limites da filosofia da escola, e não há absolutamente nada a ver com a escola em uma grande advertência aos seus filhos para serem leais ao rei".[84] Enquanto a literatura narrativa, consubstanciada em obras como O Camponês Eloquente, enfatiza o herói individual que desafia a sociedade e suas ideologias aceitas, os textos de ensino em vez sublinham a necessidade de cumprir com dogmas aceitos pela sociedade.[85]

Palavras-chave encontradas em textos de ensino incluem "saber" (rh) e "ensinar" (sba.yt).[81] Estes textos costumam adotar a estrutura estereotipada do título "a instrução de X feita para Y", onde "X" pode ser representado por uma figura de autoridade (como um vizir ou rei) fornecendo orientação moral ao(s) seu(s) filho(s).[86] Às vezes, é difícil determinar quantos destinatários ficcionais estão envolvidos nesses ensinamentos, uma vez que alguns textos alternam entre singular e plural quando se refere a suas audiências.[87]

Exemplos do gênero "ensino" incluem as Instrução de Ptahhotep, Instruções de Kagemni, Ensinamentos ao Rei Merykare, Instruções de Amenemhat, Instrução de Hardjedef, Ensino Legalista e Instrução de Amenemope.[88] Textos didáticos do Reino Médio que sobreviveram foram escritos em manuscritos de papiro.[89] Nenhuma ostraca educacional do Império Médio sobreviveu.[89] A mais antiga placa de escrita de madeira de estudo, com uma cópia de um texto de ensino (ou seja, Ptahhotep), data da XVIII dinastia.[89] Ptahhotep e Kagemni são ambos encontrados no Papiro Prisse, que foi escrito durante a XII dinastia do Reino Médio.[90] Todo o Ensino Legalista sobrevive apenas em manuscritos do Império Novo, apesar de toda a primeira metade ser preservada em uma estela de pedra biográfica comemorativa do Reino Médio do oficial Sehetepibre, da XII dinastia.[91] Merykare, Amenemhat, e Hardjedef são obras originais do Reino Médio, mas sobrevivem apenas em cópias posteriores do Novo Império.[92] Amenemope é uma compilação do Império Novo.[93]

Contos e histórias narrativas[editar | editar código-fonte]

O Papiro de Westcar, embora escrito em hierático durante a XV para XVII dinastia, contém O Conto da Corte do Rei Quéops, que foi escrito em uma fase do médio egípcio que é datado da XII dinastia.[94]

O gênero de "contos e histórias" é provavelmente o menos representado da literatura do Reino Médio e língua egípcia média a sobreviver.[95] Na literatura egípcia tardia, "contos e histórias" compreende a maioria das obras literárias sobreviventes datadas do Período Raméssida do Novo Reino na Época Baixa.[96] Grandes obras narrativas do Reino Médio incluem O Conto da Corte do Rei Quéops, O Rei Neferkare e General Sasenet, O Camponês Eloquente, Aventuras de Sinué, e O Conto do Náufrago.[97] A coletânea de contos do Novo Reino inclui a Discussão de Apepi e Seqenenre, A Tomada de Jafa, Conto do príncipe condenado, Conto dos dois irmãos, e a História de Wenamun.[98] Histórias do primeiro milênio antes de Cristo escritos em demótico incluem a história da Estela da Fome (definida no Reino Antigo, embora escrita durante a dinastia ptolemaica) e outros ciclos de contos do ptolomaico e o período romano que transformaram figuras históricas conhecidas, como Khaemuaset (XIX dinastia) e Inaro (Primeiro Período Persa), em heróis lendários fictícios.[99] Isso é contrastado com muitas histórias escritas em egípcio tardio, cujos autores frequentemente escolheram divindades como protagonistas e lugares mitológicos como as definições.[51]

Uma descrição em alto relevo de Amenemés I acompanhado por divindades; sua morte é relatada por seu filho Sesóstris I na História de Sinuhe.

Parkinson define contos como "... narrativas fictícias não comemorativas e não funcionais", que geralmente empregam a palavra-chave "narrar" (sdd).[95] Ele a descreve como o gênero mais aberto, uma vez que os contos muitas vezes incorporam elementos de outros gêneros literários.[95] Por exemplo, Morenz descreve a seção de abertura do conto de aventura estrangeira Sinuhe como uma "... auto-apresentação funerária" que parodia a autobiografia típica encontrada em estelas funerárias comemorativas.[100] A autobiografia é para um mensageiro cujo serviço começou sob o faraó Amenemés I.[101] Simpson afirma que a morte de Amenemés I no relatório dado por seu filho, o co-regente e sucessor Sesóstris I (r. 1971-1926 a.C.), para o exército no início de Sinuhe é uma "... excelente propaganda".[102] Morenz descreveu O Conto do Náufrago como um relatório expedicionário e um mito narrativo de viagem.[100] Simpson observa que o dispositivo literário da história dentro de uma história em O Náufrago pode fornecer "... os primeiros exemplos de um relatório narrativo de pedreira".[103] Com a definição de uma ilha deserta mágica, e um personagem que é uma cobra falante, O Náufrago também pode ser classificado como um conto de fadas.[104] Enquanto histórias como Sinuhe, Tomada de Jafa, e o Príncipe Condenado contem representações fictícias de egípcios no exterior, a História de Wenamun é provavelmente baseado em um relato verdadeiro de um egípcio que viajou para Biblos na Fenícia obtendo cedro para a construção naval durante o reinado de Ramsés XI.[105]

Contos e histórias narrativas são encontrados com maior frequência em papiros, mas os textos parciais e completos às vezes são encontrados em óstracos. Por exemplo, Sinuhe é encontrado em cinco papiros compostos durante a XII e XIII dinastia.[106] Este texto foi posteriormente copiado inúmeras vezes sobre óstracos durante a XIX e XX dinastia, com um óstraco que contém o texto completo em ambos os lados.[106]

Lamentos, discursos, diálogos, e profecias[editar | editar código-fonte]

O gênero de "textos proféticos" do Reino Médio, também conhecidos como "lamentos", "discursos", "diálogos", e "literatura apocalíptica",[107] incluí obras como as Papiro Ipuwer, Profecia de Neferty e Diálogo de um Misantropo com sua Alma. Este gênero não tinha conhecido precedente no Reino Antigo e não há composições originais conhecidas produzidas no Novo Reino.[108] No entanto, obras como Profecia de Neferty foram frequentemente copiadas durante o Período Raméssida do Novo Reino,[109] quando este gênero do Reino Médio foi canonizado mas descontinuado.[110] A literatura profética egípcia passou por um renascimento durante a dinastia ptolemaica grega e o período romano do Egito, com obras como o Crônica Demótica, Oráculo do Cordeiro, Oráculo do Oleiro, e dois textos proféticos que se concentram em Nectanebo II (r. 360-343 aC ) como protagonista.[111] Junto com textos "didáticos", esses discursos reflexivos estão agrupados com a categoria de literatura de sabedoria do Antigo Oriente.[81]

O ba em forma de pássaro, um componente da alma egípcia que é discutido no texto antigo Diálogo de um Misantropo com sua Alma, do Reino Médio.

Nos textos do Reino Médio, temas de conexão incluem uma perspectiva pessimista, as descrições de mudança social e religiosa, e grande desordem por toda a terra, tomando a forma de uma "então agora" sintática fórmula de verso.[112] Embora estes textos são geralmente descritos como lamentos, Neferty divaga a partir deste modelo, fornecendo uma solução positiva para um mundo problemático.[81] Embora sobrevive apenas em cópias posteriores da XVIII dinastia em diante, Parkinson afirma que, devido ao conteúdo político óbvio, Neferty foi originalmente escrito durante ou logo após o reinado de Amenemhat I.[113] Simpson chama de "... um panfleto político flagrante projetado para suportar o novo regime" da XII dinastia fundada por Amenemhat, que usurpou o trono da linhagem da XI dinastia de Mentuhotep.[114] No discurso narrativo, Seneferu (r. 2613-2589 a.C.), da IV dinastia convoca à corte o sábio e sacerdote leitor Neferti. Ele entretém o rei com as profecias de que a terra vai entrar em uma era caótica, aludindo ao Primeiro Período Intermediário, apenas para ser restaurado à sua antiga glória por um rei justo — Ameny — quem o antigo Egito reconhecerá facilmente como Amenemhat I.[115] Um modelo semelhante de um mundo tumultuado transformado em uma era dourada por um rei salvador foi adotado pelo Cordeiro e Oleiro, embora para as suas audiências que vivem sob a dominação romana, o salvador ainda estava por vir.[116]

Embora escrito durante a XII dinastia, Ipuwer só sobreviveu de um papiro da XIX dinastia. No entanto, Um homem e sua Ba é encontrado em um papiro original da XII dinastia, Papyrus Berlin 3024.[117] Estes dois textos se assemelham a outros discursos no estilo, tom e assunto, embora eles são únicos em que as audiências fictícias são dadas em papéis muito ativos na troca de diálogo.[118] Em Ipuwer, um sábio aborda um rei sem nome e seus assistentes, descrevendo o estado miserável da terra, o que ele atribui a incapacidade do rei em defender virtudes reais. Isso pode ser visto tanto como um aviso aos reis ou como uma legitimação da dinastia atual, contrastando-a com o período supostamente turbulento que a precedeu.[119] Em Um homem e sua Ba, um homem relata para o público uma conversa com sua ba (um componente da alma egípcia) sobre a possibilidade de continuar a viver no desespero ou em procurar a morte como uma fuga da miséria.[120]

Poemas, canções, hinos e textos de vida após a morte[editar | editar código-fonte]

Esta cena de vinheta do Livro dos Mortos de Hunefer (XIX dinastia) mostra o seu coração que está sendo pesado contra a pena da verdade. Se o seu coração é mais leve que a pena, ele está autorizado à vida após a morte; se não, seu coração é engolido por Ammit.

A pedra funerária estela em placa foi produzida pela primeira vez durante o início do Reino Antigo. Normalmente encontrados em túmulos de mastaba, eles combinaram alto relevo de trabalhos de arte com inscrições com o nome dos falecidos, seus títulos oficiais (se existissem), e invocações.[121]

Acredita-se que poemas funerários eram para preservar a alma de um monarca após sua morte. Os Textos das Pirâmides são a literatura religiosa mais antiga sobrevivente incorporando verso poético.[122] Estes textos não aparecem em túmulos ou pirâmides originários antes do reinado de Unas (r. 2375–2345 a.C.), que teve uma Pirâmide em seu nome construída em Sacará.[122] Os Textos das Pirâmides estão preocupados principalmente com a função de preservar e nutrir a alma do soberano na vida após a morte.[122] Esse objetivo eventualmente incluía salvaguardar tanto o soberano e seus súditos na vida após a morte.[123] Uma variedade de tradições textuais evoluíram a partir dos Textos das Pirâmides originais: os Textos dos Sarcófagos do Reino Médio,[124] o chamado Livro dos Mortos, Litania de Rá, e Amduat escrito em papiros do Novo Reino, até o fim da civilização egípcia antiga.[125]

Poemas também foram escritos para celebrar a realeza. Por exemplo, no Recinto de Amon-Rá em Carnaque, Tutmés III (r. 1479–1425 a.C.) da XIII dinastia erigiu uma estela comemorativa de suas vitórias militares em que os deuses o abençoavam no verso poético e garantiam a ele vitórias sobre os seu inimigos.[126] Além de estelas de pedra, poemas foram encontrados em placas de escrita de madeira utilizados pelos estudantes.[127] Além da glorificação dos reis,[128] poemas foram escritos para homenagear várias divindades, e até mesmo o Nilo.[129]

Um harpista cego, de uma pintura mural da XVIII dinastia egípcia, do XV século a.C.

Hinos e cânticos sobreviventes do Reino Antigo incluem os hinos de saudação matinal aos deuses em seus respectivos templos.[130] Um ciclo de canções do Médio-Unido dedicadas a Sesóstris III (r. 1878–1839 a.C.) foram descobertas em El-Lahun.[131] Erman considera estas canções seculares a serem usadas para cumprimentar o faraó em Mênfis,[132] enquanto Simpson considera que sejam de natureza religiosa, mas afirma que a divisão entre as músicas religiosas e seculares não é muito acentuada.[131] A Canção do Harpista, as letras encontradas em uma lápide do Reino Médio e no Papiro Harris 500 do Novo Reino, era para ser realizada para convidados do jantar em banquetes formais.[133]

Durante o reinado de Aquenáton (r. 1353–1336 a.C.), o Grande Hino a Aton — preservada em túmulos de Amarna, incluindo o túmulo de Ay — foi escrito à Aton, a divindade disco solar dado patrocínio exclusivo durante o seu reinado.[134] Simpson compara redação e sequência de ideias para os de Salmo 104 desta composição.[135]

Apenas um único hino poético no roteiro demótico foi preservado.[136] No entanto, há muitos exemplos sobreviventes de hinos egípcios da Época Baixa escritos em hieróglifos em paredes do templo.[137]

Nenhuma canção de amor egípcio foi datado de antes do Novo Reino, estes sendo escritos em egípcio tardio, embora especula-se que elas existiram em épocas anteriores.[138] Erman compara as canções de amor ao Cântico dos Cânticos, citando os rótulos de "irmãos" e "irmão" que os amantes usaram para tratar uns aos outros.[139]

Cartas privadas, cartas de modelo e epístolas[editar | editar código-fonte]

Escrita hierática em um óstraco feito de pedra calcário; o texto foi escrito como um exercício por um estudante no Antigo Egito. Ele copiou quatro letras do vizir Khay (que era ativo durante o reinado de Ramsés II).

Os modelos das cartas e epístolas dos antigos egípcios são agrupadas em um único gênero literário. Rolos de papiro lacrados com selos de barro foram usados para cartas de longa distância, enquanto óstracos foram usados frequentemente para escrever cartas mais curtas e não confidenciais, enviadas para destinatários localizados nas proximidades.[140] Cartas de correspondência real ou oficial, originalmente escritas em hierático, por vezes recebiam o status exaltado de serem inscritas nas pedras em hieróglifos.[141] Os vários textos escritos por estudantes em placas de escrita de madeira incluem cartas modelo.[89] Cartas particulares poderiam ser usadas como cartas modelo epistolares por estudantes para copiar, incluindo cartas escritas por seus professores ou suas famílias.[142] No entanto, esses modelos raramente foram destaque em manuscritos de ensino; em vez foram utilizadas cartas fictícias encontradas em numerosos manuscritos.[143] A fórmula epistolar comum usada nestas cartas modelo era "O oficial A. disse ao escriba B".[144]

As cartas privadas mais antigas conhecidas em papiro foram encontradas em um templo funerário que data do reinado de Djedkaré Isesi (r. 2414-2375 a.C.) da V dinastia.[145] Mais cartas são datadas da VI dinastia, quando o subgênero epístola teve início.[146] O texto educacional do Livro de Kemit, datado da XI dinastia, contém uma lista de saudações epistolares e uma narrativa com um final em forma de carta e terminologia adequada para utilização em biografias comemorativas.[147] Outras cartas do início do Reino Médio também foram encontradas para usar fórmulas epistolares semelhantes ao Livro de Kemit.[148] O papiro Heqanakht, escrito por um agricultor cavalheiro, data da XI dinastia e representa algumas das mais longas cartas particulares conhecidas por ter sido escrita no antigo Egito.[69]

Durante o final do Reino Médio, pode ser vista uma maior padronização da fórmula epistolar, por exemplo, em uma série de cartas modelo tiradas de despachos enviados para a fortaleza Semna na Núbia durante o reinado de Amenemés III (r. 1860-1814 a.C.).[149] Epístolas também foram escritas durante as três dinastias do Reino Novo.[150] Enquanto cartas para os mortos tinham sido escritas desde o Reino Antigo, a escrita de cartas de petição em forma epistolar para divindades começou no Período Raméssida, tornando-se muito popular durante os períodos persa e ptolemaico.[151]

A epistolar Carta satírica do papiro Anastasi I escrita durante a XIX dinastia era um texto pedagógico e didático copiado em numerosas óstracas por estudantes.[152] Wente descreveu sobre a versatilidade desta carta, que continha "... saudações apropriadas com desejos para esta vida e a próxima, a composição retórica, interpretação de aforismos da literatura de sabedoria, aplicação da matemática a problemas de engenharia e cálculo de materiais para um exército e, a geografia da Ásia Ocidental".[153] Além disso, Wente chama isso de um "... tratado polêmico" que aconselha contra o hábito da aprendizagem mecânica de termos de lugares, profissões, e coisas; por exemplo, não é aceitável conhecer apenas os nomes de lugares do oeste da Ásia, mas também detalhes importantes sobre sua topografia e rotas.[153] Para melhorar o ensino, o texto emprega sarcasmo e ironia.[153]

Textos biográficos e autobiográficos[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Weni e Harkhuf

Catherine Parke, professora emérita de estudos ingleses e das mulheres da Universidade do Missouri na cidade de Columbia, escreveu que as primeiras "inscrições comemorativas" pertencem ao antigo Egito e datam do terceiro milênio antes de Cristo.[154] Ela escreveu: "No antigo Egito os relatos estereotipados da vida dos Faraós elogiavam a continuidade do poder dinástico. Embora geralmente escrito na primeira pessoa, esses pronunciamentos são, em geral, depoimentos públicos e não pronunciamentos pessoais."[155] Acrescenta que, nessas antigas inscrições, a humana vontade de "... celebrar, comemorar, e imortalizar, o impulso da vida contra a morte", é o objetivo de biografias escritas atualmente.[155]

A estela funerária de um homem chamado Ba (sentado, cheirando uma flor de lótus sagrada ao receber libações); seu filho Mes e mulher Iny também estão sentados. A identidade do portador da libação não é especificado. A estela é datada da XVIII dinastia do período do Novo Reino.

Olivier Perdu, professor de egiptologia do Collège de France, afirma que as biografias não existiam no antigo Egito, e que a escrita comemorativa deve ser considerada autobiográfica.[156] Edward L. Greenstein, professor de bíblia da Universidade de Tel Aviv e da Universidade Bar-Ilan, não concorda com a terminologia de Perdu, afirmando que o mundo antigo não produziu "autobiografias", no sentido moderno, e estes devem ser distinguidos dos textos "autobiográficos" do mundo antigo.[157] No entanto, ambos os professores afirmam que autobiografias do antigo Oriente Próximo não devem ser equiparadas com o conceito moderno de autobiografia.[158]

Em sua discussão sobre o Eclesiastes da Bíblia hebraica, Jennifer Koosed, professora associada de religião da Albright College, explica que não há sólido consenso entre os estudiosos sobre se verdadeiras biografias ou autobiografias existiam no mundo antigo.[159] Um dos principais argumentos acadêmicos contra esta teoria é que o conceito de individualidade não existia até o Renascimento europeu, levando Koosed a escrever "... assim, a autobiografia é um produto criado pela civilização europeia: Agostinho gerou Rosseau, que gerou Henry Adams, e assim por diante".[159] Koosed afirma que o uso da primeira pessoa "eu" em textos funerários comemorativos egípcios antigos não deve ser levado literalmente, uma vez que o suposto autor já está morto. Textos funerários devem ser considerados biográficos em vez de autobiográficos.[158] Adverte que o termo "biografia" aplicado a esses textos é problemático, uma vez que eles também costumam descrever experiências de uma pessoa falecida caminhando através da vida após a morte.[158]

Começando com as estelas funerárias para os funcionários da III dinastia tardia, pequenas quantidades de detalhes biográficos foram adicionados ao lado de títulos dos homens falecidos.[160] No entanto, não foi até a VI dinastia que narrativas das vidas e carreiras dos funcionários do governo foram inscritos.[161] Biografias em túmulos tornaram-se mais detalhadas durante o Reino Médio, e informações sobre a família da pessoa falecida incluída.[162] A grande maioria dos textos autobiográficos são dedicados a burocratas dos escribas, mas durante o Reino Novo alguns foram dedicados a oficiais militares e soldados.[163] Textos autobiográficos da Época Baixa colocam uma maior ênfase em buscar ajuda de divindades do que agir com justiça para ter sucesso na vida.[164] Considerando textos autobiográficos anteriormente lidando exclusivamente com celebrações de vidas bem sucedidas, textos autobiográficos da Época Baixa incluem lamentos de morte prematura, semelhantes às epitáfios da Grécia antiga.[165]

Decretos, crônicas, listas dos reis, e histórias[editar | editar código-fonte]

Os Anais do faraó Tutmés III em Karnak.

Os historiadores modernos consideram que alguns textos biográficos — ou autobiográficos — são documentos históricos importantes.[166] Por exemplo, as estelas biográficas de generais militares nos túmulos das capelas construídas sob Tutmés III fornecem grande parte da informação conhecida sobre as guerras na Síria e na Palestina.[167] No entanto, os anais de Tutmés III, esculpidos nas paredes de vários monumentos construídos durante o seu reinado, como aqueles em Karnak, também preservam as informações sobre essas campanhas.[168] Os anais de Ramsés II (r. 1279-1213 a.C.), narrando a batalha de Kadesh contra os hititas incluem, pela primeira vez na literatura egípcia, um poema épico narrativo, que se distingue de toda a poesia anterior, que serviu para comemorar e instruir.[169]

Outros documentos úteis para a investigação da história egípcia são listas de reis antigos encontrados nas crônicas lapidares, como a Pedra de Palermo da V dinastia.[170] Estes documentos legitimaram reivindicações do faraó contemporâneo à soberania.[171] Ao longo da história do antigo Egito, decretos reais relataram os feitos dos faraós dominantes.[172] Por exemplo, o faraó núbio Piye (r. 752-721 a.C.), fundador da XXV dinastia, teve uma estela erigida e escrita em egípcio médio clássico que descreve com nuances e cores vivas incomuns imagens de suas campanhas militares bem-sucedidas.[173]

Um historiador egípcio, conhecido por seu nome grego como Mâneton (c. século III a.C.), foi o primeiro a compilar uma história abrangente do Egito.[174] O historiador estava ativo durante o reinado de Ptolomeu II (r. 283-246 a.C.) e usado Histórias do grego Heródoto (c. 484 a.C. - c. 425 a.C.) como sua principal fonte de inspiração para uma história do Egito escrito em grego.[174] No entanto, as fontes primárias para o trabalho de Mâneton eram as listas crônicas de reis de dinastias egípcias anteriores.[171]

Grafite em túmulos e templos[editar | editar código-fonte]

Grafite artístico de uma figura canina no Templo de Kom Ombo, construído durante a dinastia ptolemaica.

Fischer-Elfert distingue a escrita em grafite do antigo Egito como um gênero literário.[175] Durante o Reino Novo, escribas que viajaram para locais antigos muitas vezes deixavam mensagens em grafite nas paredes de templos mortuários sagrados e pirâmides, geralmente em comemoração dessas estruturas.[176] Os estudiosos modernos não consideram que esses escribas tenham sido meros turistas, mas peregrinos que visitavam locais sagrados onde os centros extintos de culto poderiam ser usados para a comunicação com os deuses.[177] Há evidências de um óstraco educacional encontrado na tumba de Senemut (TT71) cujo grafite estereotipado escrito era praticado nas escolas de escribas.[177] Em uma mensagem de grafite, à esquerda no templo mortuário de Tutmés III em Deir el-Bahari, um ditado modificado da Instrução de Ptahhotep é incorporado numa oração escrita na parede do templo.[178] Escribas geralmente escreviam seu grafite em grupos separados para distinguir a sua grafite dos outros.[175] Isso levou a competição entre os escribas, que, às vezes, denegriam a qualidade do grafite inscrito por outros, mesmo ancestrais da profissão de escriba.[175]

Legado, tradução e interpretação[editar | editar código-fonte]

Depois de os coptas se converterem ao cristianismo nos primeiros séculos d.C., sua literatura copta cristã se separou das tradições literárias faraônicas e helenísticas.[179] No entanto, estudiosos especulam que a literatura egípcia antiga, talvez na forma oral, teve um impacto sobre a literatura grega e árabe. Os paralelos são atraídos entre os soldados egípcios esgueirando em Jafa, escondidos em cestas para capturar a cidade na história Tomada de Jafa, e os gregos de Micenas que se esgueiraram em Troia dentro do Cavalo de Troia.[180] A Tomada de Jafa também tem sido comparada à história árabe de Ali Babá em As Mil e Uma Noites.[181] Tem-se suspeitado que Simbá, o Marujo pode ter sido inspirada no faraônico Conto do Náufrago.[182] Algumas literaturas egípcias foram comentadas pelos eruditos do mundo antigo. Por exemplo, o historiador judeu romano Flávio Josefo (37 -c. 100 d.C.) citou e forneceu comentários sobre textos históricos de Mâneton.[183]

A inscrição hieroglífica mais recentemente esculpida do antigo Egito conhecida hoje é encontrada em um templo de Filas, datado precisamente de 394 d.C., durante o reinado de Teodósio I (r. 379-395 d.C.).[184] No século IV d.C., o helenístico egípcio Horapolo compilou um levantamento de quase duas centenas de hieróglifos egípcios e forneceu a sua interpretação de seus significados, embora o seu entendimento fosse limitado e não tinha conhecimento dos usos fonéticos de cada hieróglifo.[185] Este inquérito foi aparentemente perdido até 1415, quando o italiano Cristóvão Buondelmonti os adquiriu na ilha de Andros.[185] Athanasius Kircher (1601-1680) foi o primeiro na Europa a perceber que o copta era um descendente direto da linguística egípcia antiga.[185] Em seu Oedipus Aegyptiacus, fez o primeiro esforço europeu combinado para interpretar o significado dos hieróglifos egípcios, embora com base em inferências simbólicas.[185]

Não foi até 1799, com a descoberta de Napoleão de uma inscrição em estela trilíngue (ou seja, hieroglífico, demótico, e grego) na Pedra de Roseta, que os estudiosos modernos foram capazes de decifrar a literatura egípcia antiga.[186] O primeiro grande esforço para traduzir os hieróglifos da Pedra de Roseta foi feitas por Jean-François Champollion (1790-1832) em 1822.[187] Os primeiros esforços de tradução da literatura egípcia durante o século XIX foram as tentativas para confirmar eventos bíblicos.[187]

Antes da década de 1970, o consenso acadêmico era de que a literatura egípcia antiga — embora partilhando algumas semelhanças com as categorias literárias modernas — não era um discurso independente, não influenciado pela antiga ordem sociopolítica.[188] No entanto, a partir da década de 1970, um número crescente de historiadores e estudiosos literários têm questionado essa teoria.[189] Embora os estudiosos antes da década de 1970 tratavam obras literárias egípcias antigas como fontes históricas viáveis que refletiram com precisão as condições desta sociedade antiga, acadêmicos atualmente alertam contra esta abordagem.[190] Eruditos estão cada vez mais usando uma abordagem hermenêutica multifacetada para o estudo de obras literárias individuais, em que não só o estilo e conteúdo, mas também o contexto cultural, social e histórico dos trabalhos são levados em conta.[189] Trabalhos individuais podem então ser utilizados como estudos de caso para reconstruir as principais características do antigo discurso literário egípcio.[189]

Referências

  1. Foster 2001, p. xx.
  2. Parkinson 2002, pp. 64–66.
  3. Forman & Quirke 1996, p. 26.
  4. Wilson 2003, pp. 7–10; Forman & Quirke 1996, pp. 10–12; Wente 1990, p. 2; Allen 2000, pp. 1–2, 6.
  5. Wilson 2003, p. 28; Forman & Quirke 1996, p. 13; Allen 2000, p. 3.
  6. Forman & Quirke 1996, p. 13; para exemplos similares, veja Allen (2000: 3) e Erman (2005: xxxv-xxxvi).
  7. Wilkinson 2000, pp. 23–24; Wilson 2004, p. 11; Gardiner 1915, p. 72.
  8. Wilson 2003, pp. 22, 47; Forman & Quirke 1996, pp. 10; Wente 1990, p. 2; Parkinson 2002, p. 73.
  9. Forman & Quirke 1996, p. 10.
  10. Wilson 2003, pp. 63–64.
  11. a b c Wilson 2003, p. 71; Forman & Quirke 1996, pp. 101–103.
  12. Erman 2005, p. xxxvii; Simpson 1972, pp. 8–9; Forman & Quirke 1996, p. 19; Allen 2000, p. 6.
  13. a b Forman & Quirke 1996, p. 19.
  14. Wilson 2003, pp. 22–23.
  15. Wilson 2003, pp. 22–23, 91–92; Parkinson 2002, p. 73; Wente 1990, pp. 1–2; Spalinger 1990, p. 297; Allen 2000, p. 6.
  16. Parkinson 2002, pp. 73–74; Forman & Quirke 1996, p. 19.
  17. a b Forman & Quirke 1996, p. 17.
  18. Forman & Quirke 1996, pp. 17–19, 169; Allen 2000, p. 6.
  19. Forman & Quirke 1996, pp. 19, 169; Allen 2000, p. 6; Simpson 1972, pp. 8–9; Erman 2005, pp. xxxvii, xlii; Foster 2001, p. xv.
  20. a b Wente 1990, p. 4.
  21. a b Wente 1990, pp. 4–5.
  22. Allen 2000, p. 5; Foster 2001, p. xv; veja também Wente 1990, pp. 5–6 para um exemplo de placa de madeira escrita.
  23. a b c Forman & Quirke 1996, p. 169.
  24. a b Quirke 2004, p. 14.
  25. Wente 1990, pp. 2–3; Tait 2003, pp. 9–10.
  26. Wente 1990, pp. 2–3.
  27. a b c Tait 2003, pp. 9–10.
  28. a b Wilson 2003, pp. 91–93.
  29. Wilson 2003, pp. 91–93; veja também Wente 1990, pp. 132–133.
  30. Tait 2003, p. 10; veja também Parkinson 2002, pp. 298–299.
  31. a b c Fischer-Elfert 2003, p. 121.
  32. Simpson 1972, pp. 3–4; Foster 2001, pp. xvii-xviii.
  33. a b c Allen 2000, p. 1.
  34. Allen 2000, p. 1; Fischer-Elfert 2003, p. 119; Erman 2005, pp. xxv-xxvi.
  35. Allen 2000, p. 1; Wildung 2003, p. 61.
  36. Allen 2000, p. 6.
  37. Allen 2000, pp. 1, 5–6; Wildung 2003, p. 61; Erman 2005, pp. xxv-xxvii; Lichtheim 1980, p. 4.
  38. Allen 2000, p. 5; Erman 2005, pp. xxv-xxvii; Lichtheim 1980, p. 4.
  39. Wildung 2003, p. 61.
  40. Wente 1990, pp. 6–7; veja também Wilson 2003, pp. 19–20, 96–97; Erman 2005, pp. xxvii-xxviii.
  41. Wilson 2003, p. 96.
  42. Wente 1990, pp. 7–8.
  43. Wente 1990, pp. 7–8; Parkinson 2002, pp. 66–67.
  44. Wilson 2003, pp. 23–24.
  45. Wilson 2003, p. 95.
  46. Wilson 2003, pp. 96–98.
  47. Parkinson 2002, pp. 66–67.
  48. Fischer-Elfert 2003, pp. 119–121; Parkinson 2002, p. 50.
  49. Wilson 2003, pp. 97–98; veja Parkinson 2002, pp. 53–54; veja também Fischer-Elfert 2003, pp. 119–121.
  50. Parkinson 2002, pp. 54–55; veja também Morenz 2003, p. 104.
  51. a b Simpson 1972, pp. 5–6.
  52. Fischer-Elfert 2003, p. 122.
  53. Parkinson 2002, pp. 78–79; para fotos (com legendas) dos modelos em miniatura funerárias egípcias de barcos com homens lendo textos em papiro em voz alta, veja Forman & Quirke 1996, pp. 76–77, 83.
  54. a b c Parkinson 2002, pp. 78–79.
  55. Wilson 2003, p. 93.
  56. a b Parkinson 2002, pp. 80–81.
  57. a b Forman & Quirke 1996, pp. 51–56, 62–63, 68–72, 111–112; Budge 1972, pp. 240–243.
  58. Parkinson 2002, p. 70.
  59. Wente 1990, pp. 1, 9, 132–133.
  60. Wente 1990, p. 9.
  61. Parkinson 2002, pp. 45–46, 49–50, 55–56; Morenz 2003, p. 102; veja também Simpson 1972, pp. 3–6 e Erman 2005, pp. xxiv-xxv.
  62. a b Morenz 2003, p. 102.
  63. Parkinson 2002, pp. 45–46, 49–50, 55–56; Morenz 2003, p. 102.
  64. a b Parkinson 2002, pp. 47–48.
  65. Parkinson 2002, pp. 45–46; Morenz 2003, pp. 103–104.
  66. Parkinson 2002, p. 46.
  67. Parkinson 2002, pp. 46–47; veja também Morenz 2003, pp. 101–102.
  68. Morenz 2003, pp. 104–107.
  69. a b Wente 1990, pp. 54–55, 58–63.
  70. Parkinson 2002, pp. 75–76.
  71. Parkinson 2002, pp. 75–76; Fischer-Elfert 2003, p. 120.
  72. Tait 2003, pp. 12–13.
  73. Parkinson 2002, pp. 238–239.
  74. Wente 1990, p. 7.
  75. Wente 1990, pp. 17–18.
  76. Fischer-Elfert 2003, pp. 122–123; Simpson 1972, p. 3.
  77. Fischer-Elfert 2003, pp. 122–123; Simpson 1972, pp. 5–6; Parkinson 2002, p. 110.
  78. Parkinson 2002, pp. 108–109.
  79. Foster 2001, pp. xv-xvi.
  80. Foster 2001, p. xvi.
  81. a b c d Parkinson 2002, pp. 110.
  82. a b Parkinson 2002, pp. 110, 235.
  83. Parkinson 2002, pp. 236–237.
  84. Erman 2005, p. 54.
  85. Loprieno 1996, p. 217.
  86. Simpson 1972, p. 6; veja também Parkinson 2002, pp. 236–238.
  87. Parkinson 2002, pp. 237–238.
  88. Parkinson 2002, pp. 313–319; Simpson 1972, pp. 159–200, 241–268.
  89. a b c d Parkinson 2002, pp. 235–236.
  90. Parkinson 2002, pp. 313–315; Simpson 1972, pp. 159–177.
  91. Parkinson 2002, pp. 318–319.
  92. Parkinson 2002, pp. 313–314, 315–317; Simpson 1972, pp. 180, 193.
  93. Simpson 1972, p. 241.
  94. Parkinson 2002, pp. 295–296.
  95. a b c Parkinson 2002, p. 109.
  96. Fischer-Elfert 2003, p. 120.
  97. Parkinson 2002, pp. 294–299; Simpson 1972, pp. 15–76; Erman 2005, pp. 14–52.
  98. Simpson 1972, pp. 77–158; Erman 2005, pp. 150–175.
  99. Gozzoli 2006, pp. 247–249; para outra fonte na Estela da Fome, consulte Lichtheim 1980, pp. 94–95.
  100. a b Morenz 2003, pp. 102–104.
  101. Parkinson 2002, pp. 297–298.
  102. Simpson 1972, p. 57.
  103. Simpson 1972, p. 50; veja também Foster 2001, p. 8.
  104. Foster 2001, p. 8.
  105. Simpson 1972, pp. 81, 85, 87, 142; Erman 2005, pp. 174–175.
  106. a b Simpson 1972, p. 57 afirma que existem dois manuscritos do Reino Médio para Sinuhe, enquanto o trabalho atualizada de Parkinson 2002, pp. 297–298 menciona cinco manuscritos.
  107. Simpson 1972, pp. 6–7; Parkinson 2002, pp. 110, 193; para a designação "apocalíptico", veja Gozzoli 2006, p. 283.
  108. Morenz 2003, p. 103.
  109. Simpson 1972, pp. 6–7.
  110. Parkinson 2002, pp. 232–233.
  111. Gozzoli 2006, pp. 283–304; veja também Parkinson 2002, p. 233, que faz alusão a esse gênero sendo revivido em períodos após o Reino Médio e cita Depauw (1997: 97–9), Frankfurter (1998: 241–8), e Bresciani (1999).
  112. Simpson 1972, pp. 7–8; Parkinson 2002, pp. 110–111.
  113. Parkinson 2002, pp. 45–46, 49–50, 303–304.
  114. Simpson 1972, p. 234.
  115. Parkinson 2002, pp. 197–198, 303–304; Simpson 1972, p. 234; Erman 2005, p. 110.
  116. Gozzoli 2006, pp. 301–302.
  117. Parkinson 2002, pp. 308–309; Simpson 1972, pp. 201, 210.
  118. Parkinson 2002, pp. 111, 308–309.
  119. Parkinson 2002, p. 308; Simpson 1972, p. 210; Erman 2005, pp. 92–93.
  120. Parkinson 2002, p. 309; Simpson 1972, p. 201; Erman 2005, p. 86.
  121. Bard & Shubert 1999, p. 674.
  122. a b c Forman & Quirke 1996, pp. 48–51; Simpson 1972, pp. 4–5, 269; Erman 2005, pp. 1–2.
  123. Forman & Quirke 1996, pp. 116–117.
  124. Forman & Quirke 1996, pp. 65–109.
  125. Forman & Quirke 1996, pp. 109–165.
  126. Simpson 1972, p. 285.
  127. Erman 2005, p. 140.
  128. Erman 2005, pp. 254–274.
  129. Erman 2005, pp. 137–146; 281–305.
  130. Erman 2005, p. 10.
  131. a b Simpson 1972, p. 279; Erman 2005, p. 134.
  132. Erman 2005, p. 134.
  133. Simpson 1972, p. 297; Erman 2005, pp. 132–133.
  134. Erman 2005, pp. 288–289; Foster 2001, p. 1.
  135. Simpson 1972, p. 289.
  136. Tait 2003, p. 10.
  137. Lichtheim 1980, p. 104.
  138. Simpson 1972, pp. 7, 296–297; Erman 2005, pp. 242–243; veja também Foster 2001, p. 17.
  139. Erman 2005, pp. 242–243.
  140. Wente 1990, pp. 2, 4–5.
  141. Wilson 2003, pp. 91–92; Wente 1990, pp. 5–6.
  142. Erman 2005, p. 198; veja também Lichtheim 2006, p. 167.
  143. Erman 2005, pp. 198, 205.
  144. Erman 2005, p. 205.
  145. Wente 1990, p. 54.
  146. Wente 1990, pp. 15, 54.
  147. Wente 1990, p. 15.
  148. Wente 1990, p. 55.
  149. Wente 1990, p. 68.
  150. Wente 1990, p. 89.
  151. Wente 1990, p. 210.
  152. Wente 1990, p. 98.
  153. a b c Wente 1990, pp. 98–99.
  154. Parke 2002, pp. xxi, 1–2.
  155. a b Parke 2002, pp. 1–2.
  156. Perdu 1995, p. 2243.
  157. Greenstein 1995, p. 2421.
  158. a b c Koosed 2006, p. 29.
  159. a b Koosed 2006, pp. 28–29.
  160. Breasted 1962, pp. 5–6; veja também Foster 2001, p. xv.
  161. Breasted 1962, pp. 5–6; veja também Bard & Shubert 1999, pp. 36–37.
  162. Breasted 1962, pp. 5–6.
  163. Lichtheim 2006, p. 11.
  164. Lichtheim 1980, p. 5.
  165. Lichtheim 1980, p. 6.
  166. Gozzoli 2006, pp. 1–8.
  167. Breasted 1962, pp. 12–13.
  168. Seters 1997, p. 147.
  169. Lichtheim 2006, p. 6.
  170. Gozzoli 2006, pp. 1–8; Brewer & Teeter 1999, pp. 27–28; Bard & Shubert 1999, p. 36.
  171. a b Bard & Shubert 1999, p. 36.
  172. Lichtheim 1980, p. 7; Bard & Shubert 1999, p. 36.
  173. Lichtheim 1980, p. 7.
  174. a b Gozzoli 2006, pp. 8, 191–225; Brewer & Teeter 1999, pp. 27–28; Lichtheim 1980, p. 7.
  175. a b c Fischer-Elfert 2003, p. 133.
  176. Fischer-Elfert 2003, p. 131.
  177. a b Fischer-Elfert 2003, p. 132.
  178. Fischer-Elfert 2003, pp. 132–133.
  179. Bard & Shubert 1999, p. 76.
  180. Simpson 1972, p. 81.
  181. Mokhtar 1990, pp. 116–117; Simpson 1972, p. 81.
  182. Mokhtar 1990, pp. 116–117.
  183. Gozzoli 2006, pp. 192–193, 224.
  184. Wilson 2003, pp. 104–105; Foster 2001, pp. xiv-xv.
  185. a b c d Wilson 2003, pp. 104–105.
  186. Wilson 2003, pp. 105–106.
  187. a b Foster 2001, p. xii-xiii.
  188. Loprieno 1996, pp. 211–212.
  189. a b c Loprieno 1996, pp. 212–213.
  190. Loprieno 1996, pp. 211, 213.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Allen, James P. (2000). Middle Egyptian: An Introduction to the Language and Culture of Hieroglyphs (em inglês) (Cambridge: Cambridge University Press). ISBN 0-521-65312-6. 
  • Bard, Katherine A.; Shubert, Steven Blake (1999). Encyclopedia of the Archaeology of Ancient Egypt (em inglês) (Nova Iorque e Londres: Routledge). 
  • Breasted, James Henry (1962). Ancient Records of Egypt: Vol. I, The First to the Seventeenth Dynasties, & Vol. II, the Eighteenth Dynasty (em inglês) (Nova Iorque: Russell & Russell). ISBN 0-8462-0134-8. 
  • Brewer, Douglas J.; Teeter, Emily (1999). Egypt and the Egyptians (em inglês) (Cambridge: Cambridge University Press). ISBN 0-521-44518-3. 
  • Budge, E. A. Wallis (1972). The Dwellers on the Nile: Chapters on the Life, History, Religion, and Literature of the Ancient Egyptians (em inglês) (Nova Iorque: Benjamin Blom). 
  • Erman, Adolf; traduzido por Aylward M. Blackman (2005). Ancient Egyptian Literature: A Collection of Poems, Narratives and Manuals of Instructions from the Third and Second Millennia BC (em inglês) (Nova Iorque: Kegan Paul). ISBN 0-7103-0964-3. 
  • Fischer-Elfert, Hans-W. (2003). «Representations of the Past in the New Kingdom Literature». In: Tait, John W. 'Never Had the Like Occurred': Egypt's View of Its Past (em inglês) (Londres: University College London, Institute of Archaeology, an imprint of Cavendish Publishing Limited). pp. 119–138. ISBN 1-84472-007-1. 
  • Forman, Werner; Quirke, Stephen (1996). Hieroglyphs and the Afterlife in Ancient Egypt (em inglês) (Norman: University of Oklahoma Press). ISBN 0-8061-2751-1. 
  • Foster, John Lawrence (2001). Ancient Egyptian Literature: An Anthology (em inglês) (Austin: University of Texas Press). ISBN 0-292-72527-2. 
  • Gardiner, Alan H.. (1995). "The Nature and Development of the Egyptian Hieroglyphic Writing" (em inglês). The Journal of Egyptian Archaeology 2 (2): 61–75. DOI:10.2307/3853896.
  • Gozzoli, Roberto B. (2006). The Writings of History in Ancient Egypt during the First Millennium BC (ca. 1070–180 BC): Trends and Perspectives (em inglês) (Londres: Golden House Publications). ISBN 0-9550256-3-X. 
  • Greenstein, Edward L. (1995). «Autobiographies in Ancient Western Asia». Civilizations of the Ancient Near East (em inglês) (Nova Iorque: Scribner). pp. 2421–2432. 
  • Koosed, Jennifer L. (2006). (Per)mutations of Qohelet: Reading the Body in the Book (em inglês) (Nova Iorque e Londres: T & T Clark International (Continuum imprint)). ISBN 0-567-02632-9. 
  • Lichtheim, Miriam (1980). Ancient Egyptian Literature: Volume III: The Late Period (em inglês) (Berkeley e Londres: University of California Press). ISBN 0-520-04020-1. 
  • Lichtheim, Miriam (2006). Ancient Egyptian Literature: Volume II: The New Kingdom (em inglês) (Berkeley e Londres: University of California Press). ISBN 0-520-24843-0. 
  • Loprieno, Antonio (1996). «Defining Egyptian Literature: Ancient Texts and Modern Literary Theory». In: Cooper, Jerrold S.; Schwartz, Glenn M. The Study of the Ancient Near East in the 21st Century (em inglês) (Winona Lake, Indiana: Eisenbrauns). pp. 209–250. ISBN 0-931464-96-X. 
  • Mokhtar, G. (1990). General History of Africa II: Ancient Civilizations of Africa (em inglês) Abridged ed. (Berkeley: University of California Press). ISBN 92-3-102585-6. 
  • Morenz, Ludwid D.; traduzido por Martin Worthington (2003). «Literature as a Construction of the Past in the Middle Kingdom». In: Tait, John W. 'Never Had the Like Occurred': Egypt's View of Its Past (em inglês) (Londres: University College London, Institute of Archaeology, an imprint of Cavendish Publishing Limited). pp. 101–118. ISBN 1-84472-007-1. 
  • Parke, Catherine Neal (2002). Biography: Writing Lives (em inglês) (Nova Iorque e Londres: Routledge). ISBN 0-415-93892-9. 
  • Parkinson, R. B. (2002). Poetry and Culture in Middle Kingdom Egypt: A Dark Side to Perfection (em inglês) (Londres [s.n.]). ISBN 0-8264-5637-5. 
  • Quirke, S. (2004). Egyptian Literature 1800 BC, questions and readings (em inglês) (Londres: Golden House Publications). ISBN 0-9547218-6-1. 
  • Perdu, Olivier (1995). «Ancient Egyptian Autobiographies». In: Sasson, Jack. Civilizations of the Ancient Near East (em inglês) (Nova Iorque: Scribner). pp. 2243–2254. 
  • Seters, John Van (1997). In Search of History: Historiography in the Ancient World and the Origins of Biblical History (em inglês) (Nova Haven: Yale University Press). ISBN 1-57506-013-2. 
  • Simpson, William Kelly; R.O. Faulkner, Edward F. Wente, Jr., e William Kelly Simpson (1972). Simpson, William Kelly, : . The Literature of Ancient Egypt: An Anthology of Stories, Instructions, and Poetry (em inglês) (Nova Haven e Londres: Yale University Press). ISBN 0-300-01482-1. 
  • Spalinger, Anthony. (1990). "The Rhind Mathematical Papyrus as a Historical Document". Studien zur Altägyptischen Kultur 17: 295–337.
  • Tait, John W. (2003). «Introduction—'...Since the Time of the Gods'». In: Tait, John. 'Never Had the Like Occurred': Egypt's View of Its Past (em inglês) (Londres: University College London, Institute of Archaeology, an imprint of Cavendish Publishing Limited). pp. 1–14. ISBN 1-84472-007-1. 
  • Wente, Edward F.; traduzido por Edward F. Wente (1990). Meltzer, Edmund S., : . Letters from Ancient Egypt (em inglês) (Atlanta: Scholars Press, Society of Biblical Literature). ISBN 1-55540-472-3. 
  • Wildung, Dietrich (2003). «Looking Back into the Future: The Middle Kingdom as a Bridge to the Past». In: Tait, John. 'Never Had the Like Occurred': Egypt's View of Its Past (em inglês) (Londres: University College London, Institute of Archaeology, an imprint of Cavendish Publishing Limited). pp. 61–78. ISBN 1-84472-007-1. 
  • Wilkinson, Toby A. H.. (2000). "What a King Is This: Narmer and the Concept of the Ruler" (em inglês). The Journal of Egyptian Archaeology 86: 23–32. DOI:10.2307/3822303.
  • Wilson, Penelope (2003). Sacred Signs: Hieroglyphs in Ancient Egypt (em inglês) (Oxford e Nova Iorque: Oxford University Press). ISBN 0-19-280299-2. 
  • Wilson, Penelope (2004). Hieroglyphs: A Very Short Introduction (em inglês) (Oxford e Nova Iorque: Oxford University Press). ISBN 0-19-280502-9. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Books-aj.svg aj ashton 01.png A Wikipédia possui o
Portal de Literatura