Mariluz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a praia, veja Mariluz (Imbé). Para outros significados, veja Mariluz (desambiguação).
Mariluz
  Município do Brasil  
Fotografia aérea de Mariluz com destaque para a Paróquia Santo Antônio
Fotografia aérea de Mariluz com destaque para a Paróquia Santo Antônio
Símbolos
Bandeira de Mariluz
Bandeira
Brasão de armas de Mariluz
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Princesinha do Oeste"[1][2]"
Gentílico mariluzense
Localização
Localização de Mariluz no Paraná
Localização de Mariluz no Paraná
Mapa de Mariluz
Coordenadas 24° 0' 07" S 53° 08' 45" O
País Brasil
Unidade federativa Paraná
Região metropolitana Umuarama
Municípios limítrofes Umuarama, Cruzeiro do Oeste, Moreira Sales, Goioerê, Formosa do Oeste, Alto Piquiri e Perobal.
Distância até a capital 553 km[3]
História
Fundação 29 de novembro de 1963 (56 anos)
Emancipação 29 de novembro de 1963
Aniversário 29 de novembro
Administração
Distritos
Prefeito(a) Nilson Cardoso de Souza (PSC, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [5] 433 170 km²
 • Área urbana  est. Embrapa[6] 2,2 km²
População total (estimativa IBGE/2019[7]) 10 345 hab.
 • Posição PR: 192º
Densidade 24,59 hab./km²
Clima Subtropical (Cfa)
Altitude [8] 453 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 87470-000 a 87479-999[4]
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [9]) 0,639 médio
 • Posição BR: 3312º PR: 373º
Gini (est. IBGE/2010[10]) 0,46
PIB (IBGE/2016[11]) R$ 21 196 989
 • Posição BR: 2374º
PIB per capita (IBGE/2016[11]) R$ 20 095
Outras informações
Padroeiro(a) Santo António de Lisboa
Website www.mariluz.pr.gov.br (Prefeitura)
www.cmmariluz.pr.gov.br (Câmara)

Mariluz é um município brasileiro, localizado a 453 metros de altitude no Terceiro Planalto Paranaense, distante 553 km a noroeste de Curitiba, capital paranaense.[8][3] Conta com 10 345 habitantes, segundo estimativa populacional calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para 2019.[7] Fundada em 1963, a partir de um pequeno povoado paulista, a cidade experimentou um ritmo de crescimento urbano fortalecido pela chegada de uma grande quantidade de imigrantes, principalmente, nos tempos da colonização do município, no século XX.[12] Portugueses, italianos, alemães e japoneses compõem os grupos imigratórios que contribuíram para a atual diversidade cultural do município.[1]

Hoje, a cidade é cercada por belezas naturais, atraindo turistas da região.[1]

Topônimo[editar | editar código-fonte]

A etimologia do topônimo "Mariluz" é controversa segundo vários autores. Conforme João Carlos Vicente Ferreira (2006), é um termo híbrido formado pelos nomes “Maria” e “Luz”. “Maria” é nome pessoal feminino, havendo duas possibilidades para sua origem, sendo ambas derivadas da língua hebraica: 1) “Miriam”, formado por “mar”, significando “gota” + “yâm”, que significa “mar” ou “mar” + “yâm”, cujo significado ao todo é "gota de mar". 2) “Myrian”, que designa vidência, e resultou “Maria” em latim e grego. O termo “Luz” é um nome pessoal feminino muito utilizado na Espanha, originalmente “Maria de la Luz”, um dos aspectos da mãe de Jesus em culto popular. O nome “Maria da Luz” também era comum em Portugal e no Brasil, sendo Nossa Senhora da Luz a padroeira de Lisboa e de Curitiba.[12]

A Colonizadora Mariluz, empresa fundada por Francisco Antônio da Silva, denominou oficialmente, por intermédio da Lei Municipal n.º 29, com assinatura datada de 23 de agosto de 1958, o Distrito Administrativo, com o nome de Mariluz.[12] A denominação dos habitantes naturais do município é mariluzenses.[13]

Alguns títulos de Mariluz foram colecionados no decorrer de sua história, sendo um dos apelidos mais famosos o de Princesinha do Oeste.[1] De acordo com a disponibilidade da história, essa alcunha surgiu devido à cidade ser considerada a mais bonita da região noroeste do Paraná. Outro título dado ao município foi o de Cidade do Café, por causa do grande plantio e comercialização do fruto.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1953, Francisco Antônio da Silva e José Alfredo de Almeida, ambos oriundos de Marília, fundaram a Colonizadora Mariluz com o intuito de se criar um município. Demarcando o loteamento, a empresa deu início à venda de lotes a paulistas procedentes de Marília, que vieram com o intuito de plantar café. O solo fértil da região e os sucessivos ganhos acentuados obtidos do manejo cafeeiro permitiram o crescimento acelerado do núcleo urbano inicial[14].

Isto fez com que muitas pessoas de todo o Brasil (principalmente paulistas, cearenses, pernambucanos e baianos), comprassem terras ou viessem procurar trabalho. Além dos brasileiros, vieram pessoas da Itália, Alemanha, Portugal], Japão e outros países.

Em 6 de agosto de 1956[15], o frei Gaspar, da paróquia de Cruzeiro do Oeste, celebrou a primeira missa no município.

Em 1975, um fenômeno climático ocorrido na madrugada de 18 de julho daquele ano, chamado de Geada Negra[16], que cobriu quase todo o território paranaense, dizimou as plantações cafeeiras, causando sérias consequências na economia do município e de todo o estado.

Os pequenos produtores, se depararam com a falência, sendo obrigados a venderem suas terras para os fazendeiros, proprietários de grandes extensões de terra, que iniciaram a plantação de algodão e de soja e a criação de gado.

Mariluz perdeu o posto de produtor de café, e não havia desenvolvido um crescimento urbano razoável para a sua subsistência.

Criação do município[editar | editar código-fonte]

Em 23 de agosto de 1958, criou-se o Distrito Administrativo, cujo nome era Mariluz. A Colonizadora Mariluz foi a responsável pela denominação da localidade, e fundou o núcleo com nome de Mariluz para homenagear os pioneiros, que vinham na sua grande maioria da cidade de Marília, Estado de São Paulo.

Pela Lei Estadual nº 4 788, de novembro de 1963, o patrimônio de Mariluz foi elevado a município emancipado, com território desmembrado de Goioerê[17]. A instalação oficial do município deu-se em 14 de dezembro de 1964. Ramiro Rojo Souto assumiu a prefeitura da cidade, que lhe teve como seu primeiro prefeito.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mariluz está localizada na região Sul do Brasil, no noroeste do estado do Paraná, sobre a unidade geomorfológica denominada Terceiro Planalto Paranaense, especificamente no sub-planalto de Campo Mourão.[18] A área do município, segundo o IBGE, é de 433,170 km², sendo que 2,276 km² constituem o espaço urbano.[5][8] Situa-se a 24° 0′ 07″ de latitude sul e 53° 08′ 45″ de longitude oeste e está a uma distância de 553 km a NO da capital paranaense.[3] Seus municípios limítrofes são: Cruzeiro do Oeste (N); Moreira Sales (L); Goioerê e Formosa do Oeste (S); e Umuarama e Alto Piquiri (O).[18]

De acordo com a divisão regional vigente desde 2017, instituída pelo IBGE, o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária de Maringá e Imediata de Umuarama.[19] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, fazia parte da microrregião de Umuarama, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Noroeste Paranaense.[20]

Relevo[editar | editar código-fonte]

A altitude média do município é de 453 m acima do nível do mar, sendo a localização da altitude máxima ao sul, correspondente à cota de 465 m, no divisor do rio Goioerê com o córrego Gavião. O ponto mais baixo localiza-se no rio Goioerê, na confluência com o rio Piquiri, com altitude de 267 m.[8][18] Muitos terrenos se encontram em zonas consideradas estáveis. Estas zonas correspondem às áreas de topo dos interflúvios e setores de alta vertente com fracas declividades que são as mais favoráveis à ocupação pelas condições topográficas, definindo como característica geral de Mariluz uma topografia declinada e ou inclinada das vertentes, no que diz respeito à planialtimetria.[18]

Em torno da cidade são encontrados sedimentos da formação Caiuá, os quais são constituídos majoritariamente de arenitos de textura média, fina a muito fina, com grãos arredondados a bem arredondados e grau de seleção variando de pobre a muito bem selecionado, com pequenos teores de matriz lamítica na forma de níveis ou lentes.[21] O perfil geomorfológico predominante de Mariluz é caracterizado por um relevo suavemente ondulado a quase plano, apresentando colinas amplas de pequena amplitude com perfil retilíneo e convexo contínuo e topos extensos aplainados. As rampas são longas e pouco declivosas, apresentando apenas pequenos trechos próximos aos canais de drenagem com declividades mais acentuadas.[22][21]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Bacias hidrográficas
Arroio Inhambu
Córrego João
Ribeirão do Salto
Córrego Gavião
Córrego Luiz
Rio Goioerê
Ribeirão Água Branca
Rio Piquiri
Fonte: PMM - Plano Diretor Municipal
Base: SRTM / NASA


Mariluz está na bacia hidrográfica do rio Piquiri e à do rio Goioerê, que tem papéis importantes em sua configuração.

No Município, são poucas as áreas remanescentes da formação vegetal natural (Mata Atlântica) que recobria a região. Das árvores que se encontram hoje, destacam-se a canela, e a peroba, ainda bastante exploradas na indústria madeireira.

O sistema hidrográfico do Paraná, corre pela declividade de seu relevo em direção ao Oeste, assim como ocorre em Mariluz, que tem como as suas principais bacias hidrográficas os rios Piquiri e Goioerê[23].

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Mariluz é considerado Subtropical (tipo Cfa segundo Köppen) com diminuição de chuvas no inverno e temperatura média anual de 20,8 °C. O mês mais quente, fevereiro, tem temperatura média de 24,5 °C e o mês mais frio, junho, de 16,3 °C[24].

A precipitação anual média é de 1 486 mm, concentrados principalmente no verão. As estações do ano são relativamente definidas com uma temperatura amena e subseca no inverno, porém quente e chuvosa no verão. As transições ocorrem no outono e na primavera (período em que ocorre um aumento natural no volume das chuvas em todo o estado do Paraná[25]), e as geadas ocorrem nos invernos mais rigorosos quando a temperatura chega aos 6 °C.


Dados climatológicos para Mariluz
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 30,3 30,4 29,3 26,9 23,7 21,9 22,8 25,1 26,2 27,7 29,4 30,7 24,5
Temperatura média (°C) 24,3 24,5 23,3 20,8 17,8 16,3 16,4 18,3 19,8 21,5 22,9 23,8 20,8
Temperatura mínima média (°C) 18,4 18,6 17,3 14,8 11,9 10,8 10,1 11,5 13,4 15,3 16,4 16,9 16,3
Chuva (mm) 164 121 122 104 107 137 93 69 147 162 99 161 1 486
Fonte: Sistema de Monitoramento Agroclimático do Paraná[26]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
197023 082
198013 450-41,7%
199111 053-17,8%
200010 296-6,8%
201010 224-0,7%
Fonte: IBGE - Censo Demográfico[27]

O município de Mariluz possui uma densidade demográfica de 24,57 habitantes por km², conforme dados coletados pelo IBGE, sendo um total de 10.224 habitantes (Censo/2010); (82,8% urbana; 5.113 homens e 5.111 mulheres)[28]. Segundo o resultado do último censo de 2010, a população da cidade elevou-se para 10 224 habitantes (Um aumento de 3,0%)[29].

Indicadores[editar | editar código-fonte]

  • Taxa de envelhecimento: 9,54% (Acima da média do Estado);
  • Grau de urbanização: 82,81% (Acima da média Regional);
  • Taxa de alfabetização: 77,6%;
  • Número de eleitores: 8.296;
  • População: Zona Urbana - 8.467 / Zona Rural - 1.757.

Fonte: Sistema de Informações e Indicadores Municipais[30].

Etnias[editar | editar código-fonte]

Em 2010, segundo dados do Censo IBGE[31] do mesmo ano, a população mariluzense era composta por 4 953 brancos (48,44%); 424 pretos (4,15%); 4 684 pardos (45,81%); 157 amarelos (1,54%); 6 indígenas (0,06%).

Cor/Raça Percentagem
Branca 48,44%
Parda 45,81%
Negra 4,15%
Amarela 1,54%
Indígena 0,06%

Os portugueses, italianos, alemães e japoneses formam os principais grupos imigratórios de Mariluz, principalmente nos tempos da colonização do município no século XX. Hoje em um número menor, recebe-se imigrantes de outros países como os paraguaios e de outros estados como o Rio Grande do Sul e São Paulo[32].

Religião[editar | editar código-fonte]

Em Mariluz predomina-se a religião católica, porém encontram-se outras religiões, como a evangélica (de diversas orientações) e espírita.

  • Católicos: 74,30%
  • Evangélicos: 17,33%
  • Espíritas, ateus e outros: 8,37%

Política[editar | editar código-fonte]

Divisão administrativa[editar | editar código-fonte]

O município de Mariluz é constituído pelo distrito-sede e pelo distrito de São Luiz[33].

Estrutura urbana[editar | editar código-fonte]

Segurança pública e criminalidade[editar | editar código-fonte]

Mariluz foi considerada uma das 500 cidades mais perigosas do Brasil, segundo dados do Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde (MS) de 2012 reunídos no relatório anual Mapa da Violência (versão 2014), com índice de homicídios de 39,2 para cada 100 mil habitantes. A Organização das Nações Unidas (ONU) considera epidêmicas taxas acima de 10 mortes a cada 100 mil pessoas.[34][35] Em 2008, o índice de suicídios para cada 100 mil habitantes foi de 3,1, posicionando o município na 141.ª colocação no Estado e na 1733.ª colocação no país.[36] Em relação à taxa de óbitos por acidentes de trânsito, o índice foi de 18,5 para cada 100 mil habitantes, posicionando o município na 136.ª colocação no Estado e na 1225.ª no país.[37]

O município conta com efetivo das Polícias Militar (7º BPM) e Civil (7ª SDP).[38][39]

Educação[editar | editar código-fonte]

A cidade de Mariluz tem um sistema de ensino primário e secundário público, e uma variedade de profissionais da educação que atendem inclusive a educação especial e a educação de jovens e adultos. Ao total, são 2 276 matrículas e 96 docentes registrados, com 4 estabelecimentos de ensino fundamental, 3 unidades pré-escolares e 1 escola de nível médio.[40]

O fator "educação" do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) no município atingiu, em 2010, a marca de 0,504 – patamar considerado baixo, em conformidade aos padrões do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) – ao passo que a taxa de analfabetismo indicada pelo último censo demográfico do IBGE foi de aproximadamente 17,5%.[41][40] Ainda de acordo com o IBGE, tomando-se por base a taxa de escolarização para crianças com faixa etária entre 6 e 14 anos, Mariluz obteve a sexta colocação entre os municípios que compõem a Microrregião de Umuarama, com o índice atingindo 99,1%.[42]

De acordo o relatório do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) médio entre as escolas públicas de Mariluz era, no ano de 2017, de aproximadamente 4,2 (numa escala de avaliação que vai de 1 a 10). Posto isto, a nota obtida por alunos do 5° ano (antiga 4ª série) foi de 5,7, do 9° (histórica 8ª) foi de 3,8 e da 3ª série EM (ensino médio) foi de 3,0.[43] Em 2010, dentre os habitantes de 25 anos ou mais, 30,27% tinham completado o ensino fundamental, 18,85% o médio e 4,20% o superior, sendo que a população tinha em média 10,05 anos esperados de estudo.[44]

No Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2008, a média geral obtida por alunos do Colégio Estadual José Alfredo de Almeida foi de 47,18.[45] A instituição é um dos principais centros de referência em estrutura física da região, sendo a única do município a ofertar educação profissional. Contudo, e em consonância aos grandes contrastes verificados no país, a evasão e repetência costuma impor certas barreiras ao aproveitamento escolar, constituindo-se uma das causas preponderantes ao insucesso da educação secundária no município.[46]

Em 2010, a taxa de conclusão do ensino fundamental entre jovens de 15 a 17 anos, no município, era de 39,43%. Já entre os jovens de 18 a 24 anos, a taxa de conclusão do ensino médio era de 39,84%.[47] Os índices de evasão escolar respectivamente nas redes municipal e estadual são de 0,1% e 11,4%, e os de reprovação, de 9,8% e 17,7%.[48]

O município também possui uma universidade particular: o Centro Universitário Ingá (UNINGÁ), que oferece 41 cursos de graduação a distância, além de 8 cursos de pós-graduação lato sensu.[49][50]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Terminal Rodoviário de Mariluz

O principal acesso rodoviário de Mariluz é a PR-468, que liga o município à PR-323, no perímetro urbano de Umuarama, e à PR-180.[51]. Segundo o Departamento Nacional de Trânsito, um total de 5.659 veículos circulavam na cidade em dezembro de 2019, sendo destes, 2.905 automóveis, 1.272 motocicletas e 83 ônibus, representando uma média de 1,83 pessoas/veículo.[52] O Terminal Rodoviário Pedro Luiz dos Santos, nome oficial do Terminal Rodoviário de Mariluz, localiza-se próximo do centro da cidade e recebe linhas que interligam o município a quase todas as localidades no estado, atendendo também as regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste do Brasil.[53]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Mariluz conta com duas Unidades de Atenção Primária em Saúde (UAPS) e uma Unidade Básica de Saúde, que atendem as demandas municipais de menor urgência. Em casos mais graves os pacientes são encaminhados aos hospitais de Umuarama e Cruzeiro do Oeste que atendem a demanda de toda região[54].

Em 2014, o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) [55] - estudo do Sistema FIRJAN que acompanha  anualmente o desenvolvimento socioeconômico de todos os mais de 5 mil municípios brasileiros em três áreas de atuação: Emprego e renda, Educação e Saúde, constatou que na área da Saúde (ano-base 2011), Mariluz se encontra em Alto desenvolvimento, com média superior a 0,8 pontos.

Agricultura[editar | editar código-fonte]

Atualmente o que é mais cultivado no município de Mariluz e o cultivo de cana de açúcar. Em segundo lugar vem a criação de gado de corte ou leiteiro e por fim com menor índice de plantio vem o milho e a soja[carece de fontes?].

Referências

  1. a b c d «Cidade de muitas belezas naturais». Viaje Paraná. Consultado em 11 de junho de 2020 
  2. a b «Mariluz». Paraná Turismo. Consultado em 11 de junho de 2020 
  3. a b c «Distâncias entre Curitiba e todas as cidades do Estado do Paraná». São Paulo Sem Segredos. Consultado em 7 de fevereiro de 2011 
  4. Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. «Busca Faixa CEP». Consultado em 10 de dezembro de 2019 
  5. a b «Área territorial - Brasil, Grandes Regiões, Unidades da Federação e Municípios». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2019. Consultado em 16 de junho de 2020 
  6. «Mariluz». Embrapa Monitoramento por Satélite. Consultado em 30 de Julho de 2008 
  7. a b «Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data de referência em 1º de julho de 2019». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2019. Consultado em 13 de junho de 2020 
  8. a b c d «Paraná». Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Consultado em 13 de junho de 2020. Arquivado do original em 25 de outubro de 2014 
  9. «Ranking do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 12 de agosto de 2013 
  10. «Indice GINI». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 4 de agosto de 2010 
  11. a b «PIB Cidades 2016». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de dezembro de 2018. Consultado em 10 de dezembro de 2019 
  12. a b c FERREIRA, João Carlos Vicente (2006). Municípios paranaenses: origens e significados de seus nomes (PDF). Curitiba: Secretaria de Estado da Cultura. pp. 187–188 
  13. «Panorama». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de junho de 2020 
  14. «Férias Tur - Mariluz PR». Consultado em 18 de agosto de 2014 
  15. «Pref. Mun. de Mariluz - Histórico». Consultado em 14 de agosto de 2014 
  16. «Especial - 35 anos da Geada de 1975». Revista Cafeicultura. Consultado em 16 de outubro de 2013 
  17. «Infográficos: Histórico». IBGE Cidades. Consultado em 16 de outubro de 2013 
  18. a b c d «Avaliação Temática Integrada» (PDF). Prefeitura Municipal de Mariluz. Portal dos Municípios. 2011. 231 páginas. Consultado em 16 de junho de 2020 
  19. «Divisão regional do Brasil por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017. Consultado em 17 de junho de 2020 
  20. «Divisão Territorial Brasileira». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2019. Consultado em 17 de junho de 2020 
  21. a b SOUZA, Marta Luzia; GASPARETTO, Nelson Vicente Lovatto; NAKASHIMA, Paulo (junho de 2008). «Diagnóstico geoambiental da bacia do córrego Tenente em Mariluz, Paraná, Brasil» (PDF). Revista Brasileira de Geociências. Consultado em 19 de junho de 2020 
  22. ALMEIDA, Ane Cristine (2018). Levantamento da Arborização Urbana no Município de Mariluz - PR (PDF). Monografia de Especialização. Medianeira: UTFPR. 35 páginas 
  23. «Samae%7cpublicado C.I. Samae Mariluz». Consultado em 17 de outubro de 2013 
  24. «Climatologia de Mariluz». Clima tempo. Consultado em 17 de outubro de 2013 
  25. «Previsão Climática para a Primavera» (PDF). Simepar. Consultado em 19 de agosto de 2014. Arquivado do original (PDF) em 2 de abril de 2015 
  26. «Sistema de Monitoramento Agroclimático do Paraná» 
  27. «População de Mariluz». IBGE. Consultado em 4 de julho de 2014 
  28. «População 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 20 de outubro de 2013 
  29. «Estimativa da População 2014». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 22 de setembro de 2014 
  30. [1]
  31. http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=ocodmun=411510&idtema=67&search=parana%7Cmariluz%7Ccenso-demografico-2010:-resultados-do-universo-caracteristicas-da-populacao-e-dos-domicilios-
  32. http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=411510&idtema=97&search=parana%7Cmariluz%7Ccenso-demografico-2010:-resultados-da-amostra-migracao--
  33. IPARDES. «Mariluz». Consultado em 5 de novembro de 2013. Arquivado do original em 5 de novembro de 2013 
  34. «As 500 cidades mais perigosas do Brasil - versão 2014 | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 10 dez. 2019 
  35. «Taxa de homicídios nas cidades: o que diz o Atlas da Violência 2019». gazetadopovo.com.br. Consultado em 11 dez. 2019 
  36. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de suicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais». Consultado em 10 de dezembro de 2019. Arquivado do original (xls) em 28 de fevereiro de 2011 
  37. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de Óbitos Ac.Transporte nos municípios com 10.000 habitantes ou mais». Consultado em 12 de junho de 2011. Arquivado do original (xls) em 28 de fevereiro de 2011 
  38. «MARILUZ | POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ». pmpr.pr.gov.br. Consultado em 10 dez. 2019 
  39. «7ª sdp - 15ª aisp - Polícia Civil / Divisão Policial do Interior». dpi.policiacivil.pr.gov.br. Consultado em 10 dez. 2019 
  40. a b «Caderno Estatístico do Município de Mariluz». Caderno IPARDES - Estudos e Pesquisas. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES). Consultado em 13 de março de 2020 
  41. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 13 de março de 2020 
  42. «Panorama: Educação». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 14 de março de 2020 
  43. «Resultados e Metas». índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). 30 de agosto de 2018. Consultado em 14 de março de 2020 
  44. «Perfil do município de Mariluz». Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. PNUD, Ipea e FJP. Consultado em 17 de março de 2020 
  45. «Desempenho no Enem por escola». Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2008). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Consultado em 14 de março de 2020 
  46. Perecim, Ivone (2011). Gestão Democrática da Escola Pública (PDF). [S.l.]: Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Consultado em 14 de março de 2020 
  47. «Educação». Centro de Inovação Sesi Longevidade e Produtividade. Consultado em 14 de dezembro de 2019 
  48. «Taxas de Rendimento». QEdu. Consultado em 12 de março de 2020 
  49. «Polo EaD em Mariluz». Centro Universitário Ingá (UNINGÁ). Consultado em 17 de março de 2020 
  50. «Cursos de Graduação e Pós-Graduação». Centro Universitário Ingá (UNINGÁ). Consultado em 17 de março de 2020 
  51. «Rodovias Estaduais». Departamento de Estradas de Rodagem. Consultado em 11 de março de 2020 
  52. «Frota de veículos, por tipo e com placa, segundo os Municípios da Federação». Ministério da Infraestrutura. Dezembro de 2019. Consultado em 11 de março de 2020 
  53. «Mariluz Inaugura Terminal Rodoviário». Associação dos Municípios de Entre-Rios. 30 de outubro de 2015. Consultado em 11 de março de 2020 
  54. IBGE. «Saúde». Consultado em 23 de novembro de 2013 
  55. FIRJAN. «IFDM E INDICADORES». Consultado em 18 de março de 2015 [ligação inativa]