Mariluz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para a praia, veja Mariluz (Imbé). Para outros significados, veja Mariluz (desambiguação).
Mariluz
  Município do Brasil  
Portal Turístico de Mariluz.jpg
Símbolos
Bandeira de Mariluz
Bandeira
Brasão de armas de Mariluz
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Princesinha do Oeste[1]"
"Cidade do Café[2]"
Gentílico mariluzense[3]
Localização
Localização de Mariluz no Paraná
Localização de Mariluz no Paraná
Mapa de Mariluz
Coordenadas 24° 0' 07" S 53° 08' 45" O
País Brasil
Unidade federativa Paraná
Região intermediária[4] Maringá
Região imediata[4] Umuarama
Região metropolitana Umuarama
Municípios limítrofes Norte: Cruzeiro do Oeste;
Leste: Moreira Sales;
Sul: Goioerê e Formosa do Oeste;
Oeste: Umuarama e Alto Piquiri
Distância até a capital 551 km[5]
História
Fundação meados de 1953[6][7]
Emancipação 29 de novembro de 1963 (58 anos)
Aniversário 29 de novembro
Administração
Distritos
Prefeito(a) Paulo Armando da Silva Alves (PSL, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [10] 433,170 km²
 • Área urbana (Embrapa/2015) [11] 3,238 km²
População total  estimativa IBGE/2021[12] 10 327 hab.
 • Posição BR: 3014.º - PR: 192.º - RMU: 8.º
Densidade 23,8 hab./km²
Clima subtropical úmido (Cfa)[8]
Altitude [13] 453 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 87470-000 a 87479-999[9]
Indicadores
IDH (PNUD/2010) [14] 0,639 médio
 • Posição BR: 3312.º - PR: 373.º - RMU: 24.º
Gini (IBGE/2010) [15] 0,462
PIB (IBGE/2018) [16] R$ 230 261,54 mil
 • Posição BR: 2480.º - RMU: 11.º
PIB per capita (IBGE/2018) R$ 22 238,90
Outras informações
Padroeiro(a) Santo Antônio de Pádua[17]
Sítio www.mariluz.pr.gov.br (Prefeitura)
www.cmmariluz.pr.gov.br (Câmara)

Mariluz (pronúncia em português: /maɾilˈuʃ/ Loudspeaker.svg ouça) é um município brasileiro no interior do estado do Paraná, região Sul do país. Está situado no extremo sudeste da Região Metropolitana de Umuarama (RMU), fazendo divisa com a Região Metropolitana de Campo Mourão. Pertence à Região Geográfica Intermediária de Maringá e à Região Geográfica Imediata de Umuarama (anteriormente pertencente à mesorregião do Noroeste Paranaense e à microrregião de Umuarama).[4] Distante 551 km a noroeste de Curitiba, capital estadual, a cidade desenvolveu-se entre as margens dos ribeirões Gavião e Jacutinga,[18] e sua toponímia é uma alusão a Marília, município do estado de São Paulo.[19]

Sua população, conforme estimativas do IBGE de 2021, era de 10 327 habitantes[12], sendo o oitavo município mais populoso da RMU e o 192.º mais populoso do Paraná. Ocupa uma área de 433,170 km², da qual 3,238 km² estão em perímetro urbano. Sua sede está localizada a 453 metros de altitude em relação ao nível do mar, com uma temperatura média anual de 23,7 ºC.[20] A vegetação original do município é predominantemente do tipo Floresta Estacional Semidecidual,[21] e a taxa de arborização das vias públicas é de 96,71%.[22]

Com uma taxa de escolarização da ordem de 99%,[3] o município contava, em 2019, com 8 estabelecimentos de ensino.[23] Conforme o Relatório de Desenvolvimento Humano, do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD), divulgado em 2010, Mariluz apresenta Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) médio, de 0,639, ocupando a 373.ª posição no ranking estadual e 3312.ª no nacional.[14] Entre os indicadores sociais que contribuíram para esse resultado estão: a taxa de mortalidade infantil é de 17 óbitos a cada mil nascidos vivos; 82,4% dos habitantes acima de 15 anos são alfabetizados;[24] os serviços de saneamento ambiental são oferecidos a 47,2% das residências;[25] e a expectativa de vida é de 72 anos.[26]

O município continha um índice de Gini, a medida clássica de desigualdade, de 46,2%,[27] abaixo da média do Mercosul de 48,1%.[28] O rendimento médio de alguém que pertence aos 20% com rendimentos mais altos era 10,72 vezes maior do que o de alguém nos 20% mais baixos.[29] O número de cidadãos que viviam com rendimentos abaixo do limiar de pobreza atingiu 13,9%, numa redução face aos 37,8% registrados em 2000, que ainda assim atinge 1,4 mil indivíduos.[26]

Mariluz faz parte da chamada "Grande Umuarama",[30] que ultrapassa os 304 mil habitantes e que compõe aproximadamente 2,68% da população do estado.[31] Foi povoada majoritariamente por imigrantes portugueses, italianos, alemães e,[32] mais tarde, também por japoneses, cujos descendentes, os nipo-brasileiros, deram grande impulso à sociedade.[33] Os emigrantes trouxeram avanços nas atividades agrícolas e a descoberta do solo fértil como vocação econômica mariluzense,[34] sendo que, ainda hoje, é uma importante fonte de renda, juntamente com a indústria e o comércio.[35]

A Igreja Matriz de Santo Antônio, construída entre 1956 e 1958 em estilo colonial,[36] é um dos principais monumentos religiosos tanto de Mariluz quanto da Região Metropolitana de Umuarama.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Mariluz" é um termo híbrido, formado pelos nomes “Maria” e “Luz”. “Maria” (do nome hebraico מרים, transl. Miriam) é nome pessoal feminino, havendo duas possibilidades para sua origem: “Miriam”, cujos étimos são as palavras “mar”, significando “gota” + “yâm”, que significa “mar” ou “mar” + “yâm”, cujo significado ao todo é "gota de mar" e “Myrian”, que designa vidência, e resultou “Maria” em latim e grego antigo. O termo “Luz” é nome pessoal feminino, muito comum na Espanha, originalmente “Maria de la Luz”, um dos aspectos da mãe de Jesus em culto popular. O nome “Maria da Luz” também era comum em Portugal e no Brasil, sendo Nossa Senhora da Luz a padroeira de Lisboa e de Curitiba.[37] O gentílico dos habitantes de Mariluz é mariluzense.[38]

Alguns títulos de Mariluz foram colecionados no decorrer de sua história, sendo um dos apelidos mais famosos o de Princesinha do Oeste.[1] De acordo com a disponibilidade da história, essa alcunha surgiu devido à cidade ser considerada a mais bonita da região noroeste do Paraná. Outro título dado ao município foi o de Cidade do Café,[2] por ter sido amparado inicialmente pelo plantio e comercialização do fruto do cafeeiro.

História[editar | editar código-fonte]

Pré-história[editar | editar código-fonte]

A região de Mariluz, cidade interiorana do estado brasileiro do Paraná, vem sendo habitada pelo homem há milhares de anos. Os primeiros a percorrê-la foram grupos de caçadores-coletores, de tradição Umbu, que deixaram diversos vestígios na região sob a forma de pré-cerâmicos caracterizados, principalmente, pela grande presença de pontas de projéteis. A ocupação destas populações foi tanto em abrigos, sempre que os mesmos estivessem naturalmente disponíveis, como a céu aberto. Existem sítios multifuncionais com reocupação relativamente frequente, sendo alguns, somente estações de caça. Geralmente estão localizados próximos a arroios, rios, banhados ou lagoas. Os artefatos líticos típicos seriam pontas de projétil pedunculadas, triangulares, foliáceas, de formas e dimensões variadas, lascas, raspadores, furadores e percutores, aparecendo ainda talhadores, buris, grandes bifaces, lâminas polidas de machado, polidores e picões. Trata-se de uma indústria sobre lascas, onde a matéria-prima mais utilizada é o riolito, seguido pelo silexito, basalto, arenito silicificado e quartzo cristal. As pontas de projéteis evidenciam retoques por pressão, sendo que estes retoques também aparecem em raspadores e facas. Ainda ocorrem furadores, bifaces, talhadores e plainas, além de grande quantidade de microlascas.[39]

Além disso, a região era cortada por um caminho indígena, rico em ramais, denominado Peabiru, que também era utilizado pelos conquistadores europeus, como Aleixo Garcia em 1524, Cabeza de Vaca em 1541 e Ulrich Schmidl em 1552.[40]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Surgimento da Vila[editar | editar código-fonte]

O núcleo urbano primitivo da cidade em torno de 1950
A primeira escola pública e primeira professora do município, Alvina de Oliveira Branco,[41] em 1956
Igreja Matriz de Santo Antônio em 1960

O surgimento da vila que originou Mariluz é controverso, mas pode-se enumerar uma série de fatores que contribuíram para isso. A partir do final da década de 1940 e início da década de 1950, verifica-se os relatos da presença mais constante de atividades econômicas sendo desenvolvidas onde hoje se situa o município. Trata-se, no entanto, de ações isoladas de exploração florestal e a abertura de fazendas e estradas na densa mata, sem qualquer menção a assentamentos populacionais com atos de urbanização.[34]

Entre 1951 e 1952 instaura-se as primeiras fazendas destinadas ao cultivo de café.[42] Nessa mesma época, Francisco Antônio da Silva chega a região e, no ano seguinte, auxiliado por José Alfredo de Almeida, organiza a Colonizadora Mariluz, empresa constituída para que se colocasse em prática a ideia de fundar uma cidade.[43] Após a demarcação do loteamento, a empresa pôs-se a vender os lotes urbanos e rurais a, na grande maioria, marilienses que vieram para a região com o intuito de plantar café.[44] O trabalho de organização espacial da cidade contou com a ajuda do agrimensor Laudelino Rosa de Mello e a administração geral do processo de venda de lotes ficou a cargo de João da Silva Lavandeira.[34]

O solo fértil e os ganhos fáceis obtidos da cultura cafeeira permitiram o crescimento rápido do núcleo urbano inicial. Em 1955, foi instalada a primeira serraria da cidade que no ano seguinte já contava com diversos estabelecimentos comerciais, em especial a Agroindustrial Mariluz de propriedade de José Alfredo de Almeida.[34] No dia 6 de agosto de 1956,[45] realiza-se a primeira missa, celebrada pelo frei Gaspar da paróquia de Cruzeiro do Oeste, no prédio da biblioteca municipal e, nesse mesmo ano, inicia-se a construção da Igreja Matriz de Santo Antônio, que viria a ser concluída em 1958.[33]

Devido ao rápido progresso,[44] pela Lei n.º 29, de 23 de agosto de 1958, cria-se o Distrito Administrativo, com o nome de Mariluz. A denominação da localidade foi dada pela Colonizadora Mariluz, com o objetivo de se homenagear os pioneiros, predominantemente pessoas vindas da cidade de Marília, estado de São Paulo.[43]

Após a elevação da vila à categoria de distrito, Mariluz viu-se em desenvolvimento acelerado. Cria-se o primeiro hospital, farmácia, posto de gasolina, abrem-se novas serrarias e demais estabelecimentos.[42] Todos estes feitos foram gerando as condições necessárias para que seus moradores começassem a lutar pela sua emancipação. Em 29 de novembro de 1963, pela Lei n.º 4.788, foi criado o município de Mariluz, com território desmembrado do município de Goioerê. A instalação ocorreu a 14 de dezembro de 1964, sendo primeiro prefeito Ramiro Rojo Souto.[43]

Povoamento[editar | editar código-fonte]

A região de Mariluz integra a vasta região norte do Paraná, cuja história de ocupação em larga escala, deflagrada essencialmente a partir da década de 1940, confunde-se com a da expansão acelerada e extensiva da fronteira agrícola estadual, capitaneada pela atividade cafeeira. Desenvolvida em grande parte como um prolongamento agrícola da economia cafeeira paulista, a expansão alastrou-se rapidamente por sobre áreas de terras da mais alta fertilidade, praticamente desabitadas, que passaram a constituir uma excelente válvula de escape para inversões lucrativas de amplas parcelas do capital acumulado no núcleo mais dinâmico do capitalismo nacional, localizado na Região Sudeste do país e centrado em São Paulo.[46]

Por meio do loteamento das terras para venda em pequenas parcelas, a Colonizadora Mariluz atraiu para a região milhares de trabalhadores que, juntamente com suas famílias, formaram pequenas e médias propriedades voltadas à produção para consumo próprio e para a comercialização.[34] Nesse processo, distintas correntes imigratórias, formadas basicamente por paulistas, mineiros e nordestinos, mas também por imigrantes com origem nas áreas pioneiras de ocupação do Estado, no leste paranaense, penetraram o vasto território, conformando uma onda intensa e acelerada de povoamento que, paulatinamente, desarticulava a incipiente economia primitiva local.[46] Assim, não apenas as áreas rurais experimentaram incrementos substantivos de população, ao longo desse período, mas também o meio urbano se expandiu rapidamente. Nesse contexto de acelerado crescimento populacional, Mariluz alcançou o início da década de 1970 concentrando cerca de 23 mil habitantes.

O município de Mariluz, formado essencialmente por solos do tipo arenito Caiuá,[47] passou a sofrer um rápido processo de erosão e de esgotamento para práticas agrícolas, sob os efeitos do forte movimento expansivo da fronteira agrícola da etapa precedente. A substituição dos cafezais cedeu espaço principalmente à ampliação extensiva das pastagens, agudizando o quadro de desarticulação da estrutura fundiária de pequenos estabelecimentos de parceiros arrendatários, predominante até então, e de expulsão populacional.[46] Desse modo, entre 1970 e 1980 o município evidenciou as mais altas taxas de decréscimo populacional dentre as cidades paranaenses, tanto em termos rurais quanto no que se refere ao conjunto da população. Nas décadas seguintes, esse processo permaneceu dos mais elevados do Estado, sofrendo sucessivas quedas ao longo do período 1970-2010, reduzindo-se pela metade.

Últimas décadas[editar | editar código-fonte]

Em 1975, um fenômeno climático ocorrido na madrugada de 18 de julho daquele ano, chamado de Geada Negra[48], que cobriu quase todo o território paranaense, dizimou as plantações cafeeiras, causando sérias consequências na economia do município e de todo o estado.

Os pequenos produtores, se depararam com a falência, sendo obrigados a venderem suas terras para os fazendeiros, proprietários de grandes extensões de terra, que iniciaram a plantação de algodão e de soja e a criação de gado.

Mariluz perdeu o posto de produtor de café, e não havia desenvolvido um crescimento urbano razoável para a sua subsistência.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localizada sobre a Bacia do Paraná, a 24° 00′ S, 53° 08′ O, com altitude no ponto central da cidade de 447 metros, Mariluz está poucos quilômetros ao sul do Trópico de Capricórnio.[49] Fica situada na região Sul do Brasil, no noroeste do estado do Paraná, a 551 quilômetros de Curitiba.[5] A altitude mínima do município é de aproximadamente 267 metros, que ocorre a sudoeste do distrito de São Luiz, próximo a Formosa do Oeste, e sua altitude máxima de cerca de 465 metros ocorre a oeste, no divisor do rio Goioerê com o córrego Gavião.[50] O ponto costeiro mais próximo fica a 509 quilômetros de Mariluz, localizado no município de Pontal do Paraná.[51]

De acordo com a divisão regional vigente desde 2017, instituída pelo IBGE, o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária de Maringá e Imediata de Umuarama.[52]

Relevo[editar | editar código-fonte]

O ponto mais baixo localiza-se no rio Goioerê, na confluência com o rio Piquiri, com altitude de 267 m.[50] Muitos terrenos se encontram em zonas consideradas estáveis. Estas zonas correspondem às áreas de topo dos interflúvios e setores de alta vertente com fracas declividades que são as mais favoráveis à ocupação pelas condições topográficas, definindo como característica geral de Mariluz uma topografia declinada e ou inclinada das vertentes, no que diz respeito à planialtimetria.[50]

Em torno da cidade são encontrados sedimentos da formação Caiuá, os quais são constituídos majoritariamente de arenitos de textura média, fina a muito fina, com grãos arredondados a bem arredondados e grau de seleção variando de pobre a muito bem selecionado, com pequenos teores de matriz lamítica na forma de níveis ou lentes.[47] O perfil geomorfológico predominante de Mariluz é caracterizado por um relevo suavemente ondulado a quase plano, apresentando colinas amplas de pequena amplitude com perfil retilíneo e convexo contínuo e topos extensos aplainados. As rampas são longas e pouco declivosas, apresentando apenas pequenos trechos próximos aos canais de drenagem com declividades mais acentuadas.[47]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Bacias hidrográficas
Arroio Inhambu
Córrego João
Ribeirão do Salto
Córrego Gavião
Córrego Luiz
Rio Goioerê
Ribeirão Água Branca
Rio Piquiri
Fonte: PMM - Plano Diretor Municipal
Base: SRTM / NASA

Mariluz está na bacia hidrográfica do rio Piquiri e à do rio Goioerê, que tem papéis importantes em sua configuração.

No Município, são poucas as áreas remanescentes da formação vegetal natural (Mata Atlântica) que recobria a região. Das árvores que se encontram hoje, destacam-se a canela, e a peroba, ainda bastante exploradas na indústria madeireira.

O sistema hidrográfico do Paraná, corre pela declividade de seu relevo em direção ao Oeste, assim como ocorre em Mariluz, que tem como as suas principais bacias hidrográficas os rios Piquiri e Goioerê[53].

Clima[editar | editar código-fonte]

Mariluz tem um clima subtropical úmido (Cfa de acordo com a classificação climática de Köppen-Geiger), com temperaturas médias abaixo de 18 ºC nos meses de inverno,[8] caindo por vezes para perto de 5 ºC em dias mais frios.[54] O clima local é fortemente influenciado pelas massas de ar seco que dominam o centro-sul do Brasil, trazendo tempo frio e sem chuva, especialmente no inverno,[55] quando a ocorrência de geadas é comum.[56] As precipitações são abundantes durante o ano todo em razão da inexistência de uma estação seca definida.[8] Muitas vezes, frentes frias vindas da Antártida e da Argentina dão origem a tempestades tropicais no verão e a ventos gélidos no inverno.[57]

Segundo o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná, desde 1972 a menor temperatura registrada em Mariluz foi de −1,4 ºC em 1975 e a maior atingiu 40,4 ºC em 2019, superando o recorde de 2005, quando a máxima foi de 39,8 ºC. O maior acumulado de precipitação registrado em 24 horas foi de 183,8 milímetros (mm) em 1998, seguido pelos 158 mm em 1982.[58]


Dados climatológicos para Mariluz
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 38,1 38,4 39,8 36,6 34 31,8 32,6 36,3 39,2 40,4 39,2 38,8 40,4
Temperatura máxima média (°C) 30,8 30,7 30,4 28,5 24,9 23,7 24,2 26,1 27 28,7 29,8 30,5 27,9
Temperatura média compensada (°C) 25,2 25,1 24,7 22,7 19,4 18,2 18,2 19,9 21,1 23,1 24,1 24,9 22,2
Temperatura mínima média (°C) 21,2 21,1 20,5 18,4 15,5 14,2 13,9 15,2 16,5 18,5 19,5 20,6 17,9
Temperatura mínima recorde (°C) 12,1 12,5 8,5 5,1 2,5 0,9 −1,4 0,5 3,2 8,2 9,5 11,5 −1,4
Precipitação (mm) 180,1 164,4 125,5 120,2 152,2 111,8 76 75 130,7 184,4 169,2 180,2 1 670
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 13 13 10 8 9 8 6 7 9 11 10 13 115
Umidade relativa compensada (%) 73 73 70 68 71 70 64 59 61 65 65 72 67,6
Horas de sol 220 200,4 232 227,7 203,5 193,6 218,3 226,1 199,3 218,6 234,9 230,8 2 605
Fonte: Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (normal climatológica e recordes de temperatura de 1972-2019)[58]

Demografia[editar | editar código-fonte]

De acordo com o censo (2010), a população residente em Mariluz era de 10 224 habitantes, distribuídos por 433,170 km², o que corresponde a uma densidade populacional de 23,6 hab./km².[59] O município registrou nos séculos XX e XXI uma evolução, nem sempre linear, da sua população residente. Períodos de crescimento, intercalados com períodos de regressão populacional, foram o resultado de fatores diversos e lógicas demográficas que passaram pela colonização,[60] mecanização do campo e migração dos trabalhadores rurais para centros urbanos.[61] De fato, até 2010,[62] Mariluz deu sinais de regressão populacional com a redução do número de habitantes e da taxa de natalidade.[63] No entanto, na década de 2010, observou-se uma inversão dessa tendência, registrando o município um crescimento populacional na ordem de 1,2%.[64] Essa tendência de crescimento veio a ser interrompida no início da década de 2020, quando Mariluz registrou uma nova regressão populacional de -0,17% (2019-2021).[12]

Demography Mariluz.svg

A década de 1970 marca o início da quebra demográfica até à década de 2010,[65] resultante da conjugação entre o reforço do peso da migração (interna ou externa, temporária ou definitiva) e a redução da taxa de natalidade.[63]

Estrutura Etária da População[editar | editar código-fonte]

No que se refere à distribuição da população por grupos etários, a consolidação de um processo de duplo envelhecimento demográfico, traduzido no decréscimo do peso dos jovens e no crescimento do peso dos idosos no conjunto da população residente, é, a este nível, o traço fundamental da evolução registrada entre 1991 e 2010, refletindo-se, respetivamente, pelo estreitamento da base e pelo alargamento do topo da pirâmide.[66]

Se em 1970 existiam aproximadamente 103,1 jovens por cada 100 adultos (população ativa) e apenas 2,8 idosos por 100 adultos, valores reveladores de uma estrutura piramidal crescente, em que a renovação geracional estava completamente assegurada, em 2010 o município registrou uma diminuição do número de jovens para apenas 38,5 por 100 ativos e um aumento da população idosa para 14,7 idosos por 100 ativos.[67] Em 2040, segundo dados provisórios do IPARDES, estima-se um aumento do índice de dependência dos idosos (34,9) assim como uma diminuição do índice de dependência de jovens, cifrando-se o mesmo nesta data em 27,3.[68]

Estatísticas vitais[editar | editar código-fonte]

Número de nascimentos por ano[editar | editar código-fonte]

As mulheres residentes em Mariluz deram à luz 148 crianças em 2019, menos 0,7% (1 bebê) em relação ao ano anterior, de acordo com os dados do Ministério da Saúde (MS). Esta redução contribuiu para um ligeiro decréscimo da taxa bruta de natalidade, que passou para 14,3 nascidos vivos por mil habitantes (14,4 em 2018). No total de 2019, nasceram 82 meninos e 66 meninas, ou seja, por cada cem crianças do sexo feminino nasceram cerca de 124 do sexo masculino. A proporção de bebês nascidos fora do casamento (filhos de pais não casados entre si) diminuiu para 68,9%, contra 69,8% em 2018 e 70,5% em 2010.[63]

Número de óbitos por ano[editar | editar código-fonte]

O total de óbitos de pessoas residentes em território municipal foi 106 (60,4% óbitos de homens e 39,6% óbitos de mulheres), representando uma subida de 19,8% (21 óbitos) comparativamente a 2018, segundo o MS. A taxa bruta de mortalidade foi 10,3 óbitos por mil habitantes, valor consideravelmente superior ao de 2018 (8,2). Em 2019, morreram 64 homens e 42 mulheres, sendo que 59,4% dos óbitos ocorreram a partir dos 65 anos de idade. Nas mulheres, mais de metade (73,8%) dos óbitos ocorreram aos 65 ou mais anos (72,7% em 2018), enquanto a metade dos óbitos dos homens ainda se registrou em idades inferiores aos 65 anos (50% em 2019). Mariluz registrou, assim, pelo vigésimo quarto ano consecutivo, um saldo natural positivo (42).[69] Em crianças com menos de um ano, verificaram-se 5 óbitos (mais 3 do que os registrados em 2018),[70] o que representa uma subida da taxa de mortalidade infantil de 13,4 para 33,8 óbitos por mil nascidos vivos.[71]

Região metropolitana[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Região Metropolitana de Umuarama

A Região Metropolitana de Umuarama (RMU) é uma região metropolitana brasileira, cuja sede se localiza na cidade de Umuarama. É a 12.ª maior área urbana do país por quantidade de cidades englobadas, compreendendo 24 municípios: Umuarama, Alto Paraíso, Cruzeiro do Oeste, Ivaté, Perobal, Maria Helena, Xambrê, Altônia, Alto Piquiri, Brasilândia do Sul, Esperança Nova, Cafezal do Sul, Cidade Gaúcha, Douradina, Francisco Alves, Icaraíma, Iporã, Mariluz, Nova Olímpia, Pérola, São Jorge do Patrocínio, Tapejara, Tapira e Tuneiras do Oeste.[72] Em 2020, a população residente na RMU foi estimada em 314 678 pessoas, distribuídas por uma área aproximada de 12 099,936 km², resultando numa densidade populacional de 26,01 habitantes/km².[31]

Composição étnica[editar | editar código-fonte]

Em 2010, segundo dados do censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística daquele ano, a população mariluzense era composta por 5 034 brancos (49,24%); 4 658 pardos (45,56%); 428 pretos (4,19%); e 104 amarelos (1,02%). Não constavam indígenas e pessoas sem declaração.[73] No mesmo ano, 10 204 habitantes eram brasileiros (99,80%), sendo 10 199 natos (99,76%) e 5 naturalizados nacionais (0,05%), e 20 eram estrangeiros (0,20%).[74]

Considerando-se a região de nascimento, 7 853 eram nascidos no Sul (76,81%), 1 554 no Sudeste (15,20%), 672 no Nordeste (6,57%), 73 no Centro-Oeste (0,71%) e 21 no Norte (0,20%).[75] 7 708 habitantes eram naturais do estado do Paraná (75,39%) e, desse total, 4 999 eram nascidos em Mariluz (48,90%).[76] Entre os naturais de outras unidades da federação, São Paulo era o estado com maior presença, com 1 179 pessoas (11,53%), seguido por Minas Gerais, com 341 residentes (3,34%), e pela Bahia, com 171 moradores no município (1,68%).[75]

Religião[editar | editar código-fonte]

Tal qual a variedade cultural verificável em Mariluz, são diversas as manifestações religiosas presentes na cidade. Embora tenha se desenvolvido sobre uma matriz social eminentemente católica,[77] tanto devido à colonização quanto à imigração — e ainda hoje a maioria dos mariluzenses se declara adepto do catolicismo romano —, é possível encontrar atualmente na cidade dezenas de denominações protestantes diferentes. Além disso, podemos citar a prática do espiritismo, entre outras. Também é considerável a comunidade de mórmons. De acordo com dados do censo de 2010 realizado pelo IBGE, a população mariluzense está composta por: católicos (74,30%), protestantes (17,33%), pessoas sem religião (5,06%) e espíritas (0,50%) e 2,70% estão divididas entre outras religiões.[43]

Igreja Católica Apostólica Romana[editar | editar código-fonte]

Segundo divisão feita pela Igreja Católica, o município está situado na Província Eclesiástica de Maringá, com sede em Maringá. Também faz parte da Arquidiocese de Maringá, criada como diocese em 1 de fevereiro de 1956 e elevada à arquidiocese em 16 de outubro de 1979,[78] e da Diocese de Campo Mourão, que é composta por 38 paróquias e outros 26 municípios.[79] A Região Pastoral de Goioerê compreende todo o território mariluzense, além dos municípios de Moreira Sales, Rancho Alegre, Quarto Centenário, Farol, Janiópolis e do distrito de Paraná do Oeste.[80]

A introdução do catolicismo na cidade teve grande influência dos imigrantes portugueses que ocuparam a região a partir de 1950. A primeira Igreja de Mariluz foi construída em meados de 1956,[77] quando foi rezada uma missa em homenagem a Santo Antônio, que se tornou padroeiro da cidade.[81] Atualmente possui uma das maiores igrejas católicas construídas no estilo colonial da região, a Paróquia Matriz de Santo Antônio de Pádua, que também é uma das maiores igrejas da diocese de Campo Mourão.[77]

Outras denominações cristãs[editar | editar código-fonte]

cidade possui vários credos protestantes ou reformados, como a Igreja Presbiteriana e as batistas. Além dos mais diversos credos evangélicos, como as Assembleias de Deus, a Adventista do Sétimo Dia, a Pentecostal Deus é Amor, a Universal do Reino de Deus, a Congregação Cristã no Brasil, entre outras. Conforme citado acima, de acordo com o IBGE, 17,33% da população eram protestantes em 2010. Desse total, 13,89% eram das de origem pentecostal; 1,83% eram das de missão; e 1,06% pertenciam a outras religiões do mesmo grupo.[43]

Existem também cristãos de várias outras denominações, tais como as Testemunhas de Jeová (que representam 0,64% dos habitantes) e os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (0,07%), também conhecida como Igreja Mórmon. Santos dos Últimos Dias e Testemunhas de Jeová são grupos minoritários, mas em ascensão. Nas últimas décadas, cominou-se um avanço suplementar dessas igrejas, essencialmente nas regiões periféricas e no centro.[43]

Educação e ciência[editar | editar código-fonte]

Frequência à estabelecimentos de ensino (2010)[82]
Grupos de edade Cidade Estado Brasil
0 a 3 anos 29,67 % 29,74 % 31,23 %
4 ou 5 anos 37,30 % 73,13 % 80,10 %
6 anos 97,95 % 97,03 % 94,98 %
7 a 14 anos 99,25 % 97,60 % 96,88 %
15 a 17 anos 70,13 % 80,67 % 83,32 %
18 ou 19 anos 46,22 % 41,41 % 44,99 %
20 a 24 anos 24,94 % 26,07 % 25,12 %
25 anos ou mais 5,49 % 6,55 % 7,38 %

Os estabelecimentos de ensino têm duas categorias administrativas: públicas (majoritárias) e privadas. A educação pública, como em todo o país, é financiada pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), que responde por 63% do gasto do País com a educação básica.[83]

A educação escolar está organizada em dois níveis de ensino: a educação básica e a educação superior. A educação básica é formada por três etapas: educação infantil, ensino fundamental e ensino médio. A educação infantil é a primeira etapa da educação básica e atende crianças na faixa etária de zero a cinco anos e onze meses, sendo obrigatória para crianças de quatro e cinco anos. O ensino fundamental é completamente obrigatório, e está destinado a formação de estudantes entre seis e catorze anos. O ensino médio, também obrigatório, é a etapa final da educação básica e possui uma duração mínima de três anos.[84] O ensino superior, por sua vez, abrange os cursos sequenciais, de graduação, de pós-graduação e de extensão.[85]

Na faixa dos seis aos catorze anos, a porcentagem de frequência em estabelecimentos de ensino no município é ligeiramente superior à média do Estado e do País, e significativamente inferior na faixa dos quatro ou cinco anos.[82] Cerca de 17% da população na faixa dos quinze anos ou mais possui o ensino médio completo e o ensino superior incompleto, e 3,72% concluíram o ensino superior. Observa-se que nessa faixa etária 20,65% das pessoas possuem, no mínimo, o ensino médio completo,[86] e que 82,54% são alfabetizadas.[87]

Nível de instrução alcançado, população de 15 anos ou mais (2010)[86]
Nível de instrução Cidade Estado Brasil
Sem instrução
e fundamental incompleto
63,99 % 43,77 % 44,91 %
Fundamental completo
e médio incompleto
14,47 % 19,48 % 19,00 %
Médio completo
e superior incompleto
16,93 % 25,51 % 26,22 %
Superior
ou terciário completo
3,72 % 10,80 % 9,30 %
Não determinado
ou não informado
0,89 % 0,45 % 0,58 %

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) registrado no 5º ano do ensino fundamental regrediu de 5,7, em 2017, para 5,4, em 2019. No entanto, ficou acima da meta fixada para a etapa, 5,2. No 9º ano avançou de 3,8 para 4,8, atingindo a meta. No 3º ano do ensino médio, passou de 3,0 para 3,7, ficando também acima da meta, que era 3,2.[88]

Na cidade existem duas instituições privadas que oferecem o ensino superior, o Centro Universitário Ingá (UNINGÁ) e o Centro Universitário Cidade Verde (UniFCV).[89][90]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

A administração pública de Mariluz se dá pelos Poderes Executivo e Legislativo.[91] O Poder Executivo do município é representado pelo prefeito, figura eleita por meio do voto direto para um mandato de quatro anos, com funções políticas, executivas e administrativas, auxiliado por seu gabinete de secretários, seguindo o modelo proposto pela Constituição Federal.[92] O primeiro prefeito eleito para chefiar o poder executivo local foi Ramiro Rojo Solto, que governou de 14 dezembro de 1964 à 30 de janeiro de 1969.[93] O atual prefeito é Paulo Armando da Silva Alves, do Partido Social Liberal (PSL), eleito no primeiro turno das eleições municipais de 2020, tendo como vice Cristina Alves, também do PSL.[94] A prefeitura é composta por cinco secretarias: Secretaria de Assistência Social (SMAS); de Educação (SME); de Obras e Viação (SMOV); de Planejamento (SEMPLA) e da Saúde (SMS).[95]

O poder legislativo é constituído pela câmara municipal, composta por nove vereadores eleitos para mandatos de quatro anos (em observância ao disposto no artigo 29 da Constituição),[96] e está distribuído da seguinte forma: uma cadeira do Republicanos; duas do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB); duas do Partido Social Cristão (PSC); duas do Partido Progressista (PP); e duas do PSL.[97] Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento participativo (Lei de Diretrizes Orçamentárias).

O município é regido por lei orgânica, promulgada em 16 de dezembro de 2003, e que entrou em vigor em 1º de janeiro de 2004.[92] Integra a 86ª zona eleitoral,[98] com um total de 8 240 eleitores (março de 2021), segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), representando 0,106% do eleitorado paranaense.[99]

Divisão administrativa[editar | editar código-fonte]

O município de Mariluz é constituído pelo distrito-sede e pelo distrito de São Luiz[100]

Economia[editar | editar código-fonte]

Atividades Econômicas (Indústrias) em Mariluz - (2017).[35]

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE), em 2018, o Produto Interno Bruto (PIB) de Mariluz alcançou o valor de 230 261,54 mil reais, o que consolidou o município como o 11.º mais rico da Região Metropolitana de Umuarama e o 2480.º do país. No mesmo ano, o valor de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes era de 12 605,04 mil e o PIB per capita do município, de 22 238,90 reais.[16] Em 2010, o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), no componente renda era de 0,653.[14]

De acordo com o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES), a principal fonte econômica do município está centrada no setor terciário, com seus diversos segmentos de comércio e prestação de serviços de várias áreas, como na educação e saúde. Em seguida, destaca-se o setor primário, com atividades voltadas essencialmente para a agropecuária, silvicultura e mineração.[101] A participação das atividades econômicas no PIB municipal em 2018, conforme o IBGE, foi de 37,4% da agropecuária, 5,5% da indústria e de 51,6% do setor de serviços, além de 5,5% provenientes da arrecadação de impostos.[16]

Setor primário[editar | editar código-fonte]

O setor agropecuário é o segundo mais relevante para a economia de Mariluz. Segundo dados fornecidos pelo IBGE, a agropecuária adicionou 86 239,77 mil reais ao PIB do município em 2018.[16] O instituto ainda aponta que, em 2019, Mariluz contava com cerca de 16 659 bovinos, 380 caprinos, 300 equinos, 542 ovinos e 2 000 suínos.[102] Naquele ano, foram produzidos 5 877 mil litros de leite de 1 747 vacas ordenhadas e 1 300 quilogramas de mel de abelha.[103][104] Na lavoura temporária, foram produzidos principalmente a cana-de-açúcar (413 236 toneladas), o milho (87 381 toneladas) e a soja (46 250 toneladas).[105] Como referência cultural, as hastes de feijão-soja e os galhos de algodão floridos que aparecem no brasão de Mariluz, lembram os principais produtos vindos da terra fértil, pilares da economia municipal na época da criação do escudo.[106]

O Censo Agropecuário 2017 identificou 458 estabelecimentos agropecuários no município, em uma área total de 34,489 hectares.[107] Em relação ao Censo Agropecuário 2006, o número de estabelecimentos caiu 7,3% (36 estabelecimentos) e a área total caiu 1,2% (0,404 hectares).[108] Entre 2006 e 2017, a proporção de terras arrendadas subiu de 9,6% para 24,7% da área total dos estabelecimentos.[109] Conforme o Censo Agro 2017, 88,2% dos estabelecimentos agropecuários levantados (404 estabelecimentos) atenderam aos critérios da Lei e foram classificados como sendo de agricultura familiar.[107]

Setor secundário[editar | editar código-fonte]

O setor secundário é o menor e menos relevante da economia de Mariluz. Em 2018, a participação das indústrias representava 5,5% (12 595,79 mil reais) do valor total adicionado ao PIB do município.[16] Segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) 2019, em Mariluz, o setor que mais empregava na indústria de transformação mariluzense era o de produtos alimentícios, de bebida e álcool etílico (47,4%), seguido pelo têxtil, do vestuário e artefatos de tecidos (42,1%), e metalugia (5,3%). A construção civil e os serviços industriais de utilidade pública representavam cerca de 11,6% do total de empregos gerados pelo setor secundário no município.[101] As primeiras indústrias foram implantadas por colonizadores paulistas na segunda metade da década de 50 do século XX.[110]

Setor terciário[editar | editar código-fonte]

Segundo o IBGE, a cidade possuía, no ano de 2018, 201 unidades locais e 195 empresas e estabelecimentos comerciais atuantes. 1 090 trabalhadores eram classificados como pessoal ocupado total e 820 categorizavam-se como pessoal ocupado assalariado. Salários e outras remunerações somavam 22 607 mil reais e a remuneração média mensal de todo o município era de 2,1 salários mínimos.[111]

Estrutura urbana[editar | editar código-fonte]

Segurança pública e criminalidade[editar | editar código-fonte]

Mariluz foi considerada uma das 500 cidades mais perigosas do Brasil, segundo dados do Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde (MS) de 2012 reunídos no relatório anual Mapa da Violência (versão 2014), com índice de homicídios de 39,2 para cada 100 mil habitantes. A Organização das Nações Unidas (ONU) considera epidêmicas taxas acima de 10 mortes a cada 100 mil pessoas.[112][113] Em 2008, o índice de suicídios para cada 100 mil habitantes foi de 3,1, posicionando o município na 141.ª colocação no Estado e na 1733.ª colocação no país.[114] Em relação à taxa de óbitos por acidentes de trânsito, o índice foi de 18,5 para cada 100 mil habitantes, posicionando o município na 136.ª colocação no Estado e na 1225.ª no país.[115]

O município conta com efetivo das Polícias Militar (7º BPM) e Civil (7ª SDP).[116][117]

Transportes[editar | editar código-fonte]

O principal acesso rodoviário de Mariluz é a PR-468, que liga o município à PR-323, no perímetro urbano de Umuarama, e à PR-180.[118]. Segundo o Departamento Nacional de Trânsito, um total de 5.659 veículos circulavam na cidade em dezembro de 2019, sendo destes, 2.905 automóveis, 1.272 motocicletas e 83 ônibus, representando uma média de 1,83 pessoas/veículo.[119] O Terminal Rodoviário Pedro Luiz dos Santos, nome oficial do Terminal Rodoviário de Mariluz, localiza-se próximo do centro da cidade e recebe linhas que interligam o município a quase todas as localidades no estado, atendendo também as regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste do Brasil.[120]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Mariluz conta com duas Unidades de Atenção Primária em Saúde (UAPS) e uma Unidade Básica de Saúde, que atendem as demandas municipais de menor urgência. Em casos mais graves os pacientes são encaminhados aos hospitais de Umuarama e Cruzeiro do Oeste que atendem a demanda de toda região[121].

Em 2014, o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) [122] - estudo do Sistema FIRJAN que acompanha  anualmente o desenvolvimento socioeconômico de todos os mais de 5 mil municípios brasileiros em três áreas de atuação: Emprego e renda, Educação e Saúde, constatou que na área da Saúde (ano-base 2011), Mariluz se encontra em Alto desenvolvimento, com média superior a 0,8 pontos.

Referências

  1. a b Leite, Maria Aparecida (2014). «O estudo da cidade: diferentes linguagens no ensino da Geografia» (PDF). O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense (Cadernos PDE). 2. 30 páginas. ISBN 978-85-8015-079-7. Consultado em 1 de janeiro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 1 de janeiro de 2021 
  2. a b Prefeitura Municipal de Mariluz. «Histórico de Mariluz». Consultado em 1 de janeiro de 2021. Arquivado do original em 14 de agosto de 2014 
  3. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Panorama de Mariluz». Consultado em 1 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2020 
  4. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  5. a b Tribunal Regional do Trabalho da Nona Região (2015). «Jurisdição dos Municípios por nome, distância da capital, população e jurisdição trabalhista». Consultado em 6 de julho de 2021. Cópia arquivada em 24 de julho de 2020 
  6. Rosaneli, Alessandro Filla (2009). Cidades novas da fronteira do café: história e morfologia urbana das cidades fundadas por companhias imobiliárias no norte do Paraná (PDF) (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo. Consultado em 1 de janeiro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 1 de janeiro de 2021 
  7. Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED). «Municípios Paranaenses: Mariluz». Consultado em 1 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2021 
  8. a b c Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED). «Classificação Climática». Consultado em 2 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2021 
  9. Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). «Busca Faixa CEP». Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  10. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2019). «Área territorial - Brasil, Grandes Regiões, Unidades da Federação e Municípios». Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  11. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) (2015). «Áreas Urbanas no Brasil em 2015». Consultado em 29 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2021 
  12. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2021). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1° de julho de 2021» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  13. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). «Paraná». Consultado em 2 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2021 
  14. a b c Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). «Ranking decrescente do IDHM dos municípios do Brasil». Consultado em 24 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2020 
  15. Serviço Social da Indústria (SESI) (2010). «ODS 10 - Redução de desigualdades». Consultado em 11 de novembro de 2020 
  16. a b c d e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2018). «Produto Interno Bruto dos Municípios». Consultado em 24 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2020 
  17. Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) (2018). «Lei 19.509 - 21 de Maio de 2018». Consultado em 30 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2021 
  18. Plano Diretor do Município de Mariluz (2011). «Avaliação Temática Integrada» (PDF). Consultado em 26 de dezembro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 16 de novembro de 2020 
  19. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2007). «Histórico do município de Mariluz» (PDF). Consultado em 3 de janeiro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 3 de janeiro de 2021 
  20. Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional (CAISAN) (2017). «Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional do Município de Mariluz» (PDF). Consultado em 4 de janeiro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 4 de janeiro de 2021 
  21. Almeida, Ane Cristine (2018). Levantamento da arborização urbana no Município de Mariluz (PDF) (Monografia). Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Consultado em 4 de janeiro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 4 de janeiro de 2021 
  22. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). «Tabela 3358 - Moradores em domicílios particulares permanentes, em áreas urbanas com ordenamento regular, por cor ou raça e existência e características do entorno». Consultado em 27 de janeiro de 2021 
  23. «Sinopse Estatística da Educação Básica 2019». Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 2019. Consultado em 29 de agosto de 2020 
  24. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Taxa de Analfabetismo Segundo Município do Brasil». DATASUS. Consultado em 9 de maio de 2021 
  25. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (2019). «Municípios e Saneamento». Instituto Água e Saneamento. Consultado em 9 de maio de 2021 
  26. a b Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Atlas_BR
  27. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (2010). «Índice de Gini da Renda Domiciliar Per Capita Segundo os Municípios Paranenses». DATASUS. Consultado em 21 de abril de 2021. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  28. The World Bank (2019). «Gini Index (World Bank estimate) - Argentina, Brazil, Paraguay, Uruguay». Consultado em 6 de maio de 2021 
  29. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (2018). «Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: Erradicação da Pobreza». Portal ODS. Consultado em 21 de abril de 2021 
  30. «Vida Pública». Gazeta do Povo. 2009. Consultado em 29 de agosto de 2020 
  31. a b Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (2020). «Perfil da Região Metropolitana de Umuarama». Consultado em 16 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2020 
  32. «História». Prefeitura Municipal de Mariluz. Consultado em 29 de agosto de 2020 
  33. a b Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional (CAISAN) (2017). «Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional do Município de Mariluz» (PDF). Consultado em 4 de janeiro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 4 de janeiro de 2021 
  34. a b c d e Avaliação Temática Integrada (PDF). Plano Diretor Municipal. Mariluz: Prefeitura Municipal de Mariluz. 2011. 231 páginas. Consultado em 16 de novembro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 16 de novembro de 2020 
  35. a b Governo do Estado de Minas Gerais (2017). «Indústrias em Mariluz». Consultado em 24 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2020 
  36. «Diocese de Campo Mourão - Paraná». Jornal Servindo. 2014. Consultado em 30 de agosto de 2020 
  37. FERREIRA, J. C. V. (2006). «Municípios paranaenses: origens e significados de seus nomes» (PDF). Secretaria de Estado da Cultura. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  38. Michaelis (2021). «Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa». UOL. Consultado em 18 de junho de 2021. Cópia arquivada em 19 de junho de 2021 
  39. PARELLADA, C. I. «Arqueologia do Vale do Rio Piquiri, Paraná: Paisagens, Memórias e Transformações». Universidade do Sul de Santa Catarina. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  40. PARELLADA, C. I. «Arqueologia Regional e o Salto Paiquerê» (PDF). Universidade do Sul de Santa Catarina. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  41. «Lei n.º 1504 de 21 de outubro de 2009» (PDF). Prefeitura Municipal de Mariluz. 2009. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  42. a b «Estudo de Impacto Ambiental: PCH Água Limpa» (PDF). Multifase - Centrais de Energia do Brasil Ltda. 2011. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  43. a b c d e f «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  44. a b «Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  45. «Mariluz: 56 anos da cidade repercutiu na Assembléia». Gazeta Regional. 2019. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  46. a b c Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (2004). Leituras regionais: Mesorregião Geográfica Noroeste Paranaense (PDF). Curitiba: BRDE. 141 páginas. Cópia arquivada (PDF) em 16 de novembro de 2020 
  47. a b c SOUZA, Marta Luzia; GASPARETTO, Nelson Vicente Lovatto; NAKASHIMA, Paulo (junho de 2008). «Diagnóstico geoambiental da bacia do córrego Tenente em Mariluz, Paraná, Brasil» (PDF). Revista Brasileira de Geociências. Consultado em 19 de junho de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 16 de novembro de 2020 
  48. «Especial - 35 anos da Geada de 1975». Revista Cafeicultura. Consultado em 16 de outubro de 2013 
  49. Almeida, Anne Cristine (2018). «Levantamento da arborização urbana no município de Mariluz» (PDF). Repositório Institucional da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Consultado em 6 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 6 de julho de 2021 
  50. a b c Prefeitura Municipal de Mariluz (2011). «Levantamento de informações e avaliação geral das condições de desenvolvimento do município de Mariluz» (PDF). Portal dos Municípios. Consultado em 6 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 16 de junho de 2020 
  51. Georg, Stephan (2021). «Distância de Mariluz a Praia de Leste». Calculador de Distâncias. Consultado em 7 de julho de 2021. Cópia arquivada em 7 de julho de 2021 
  52. «Divisão regional do Brasil por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  53. «Samae%7cpublicado C.I. Samae Mariluz». Consultado em 17 de outubro de 2013 
  54. Portal da Cidade (2018). «Domingo será de frio em Umuarama com mínima perto dos 5°C». Consultado em 2 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2021 
  55. Gazeta do Povo (2008). «Inverno vai ser mais seco e mais frio que o do ano passado». Consultado em 2 de fevereiro de 2021. Arquivado do original em 19 de novembro de 2015 
  56. Bem Paraná (2013). «Simepar prevê "chuva congelada" em Curitiba e região». Consultado em 2 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2021 
  57. O Bemdito (2018). «Frente fria se desloca para o Paraná e deve mudar o clima a partir de sexta». Consultado em 2 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2021 
  58. a b Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná. «Médias Históricas em Estações do IDR-Paraná» (PDF). Consultado em 31 de janeiro de 2021 
  59. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Tabela 1301: área e densidade demográfica da unidade territorial». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 7 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2021 
  60. Rosaneli, Alessandro Filla (2009). «Cidades novas da fronteira do café: história e morfologia urbana das cidades fundadas por companhias imobiliárias no norte do Paraná» (PDF). Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Consultado em 8 de outubro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 1 de janeiro de 2021 
  61. Cara, Claudia Aparecida; França, Francieli Mezzomo (2009). «Aspectos do Processo da Industrialização Brasileira». Núcleo de Pesquida Multidisciplinar. Consultado em 7 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2021 
  62. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Tabela 1378: população residente, por situação do domicílio, sexo e idade, segundo a condição no domicílio e compartilhamento da responsabilidade pelo domicílio». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 7 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2021 
  63. a b c Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (2019). «Nascimentos por residência da mãe segundo município, estado civil da mãe e período». Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Consultado em 7 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 31 de maio de 2021 
  64. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (2019). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1° de julho de 2019» (PDF). Agência IBGE Notícias. Consultado em 7 de outubro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 7 de outubro de 2021 
  65. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Tabela 200: população residente, por sexo, situação e grupos de idade». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 7 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2021 
  66. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Distribuição da população por sexo, segundo os grupos de idade». Censo 2010. Consultado em 8 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2021 
  67. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Tabela 200 - População residente, por sexo, situação e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 7 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2021 
  68. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (2018). «Projeção da População dos Municípios do Paraná (2018 - 2040)». Consultado em 7 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 29 de maio de 2021 
  69. Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (2019). «Óbitos por residência segundo município, faixa etária OPS, sexo e período». Consultado em 30 de maio de 2021. Cópia arquivada em 30 de maio de 2021 
  70. Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (2019). «Óbitos infantis por residência segundo município e período». Consultado em 30 de maio de 2021. Cópia arquivada em 30 de maio de 2021 
  71. Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (2019). «Taxa de mortalidade infantil em Mariluz segundo ano do óbito». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Consultado em 30 de maio de 2021. Cópia arquivada em 30 de maio de 2021 
  72. Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (2012). «Lei complementar 149, de 22 de agosto de 2012». Sistema Estadual de Legislação. Consultado em 7 de junho de 2021. Cópia arquivada em 7 de junho de 2021 
  73. «Tabela 2093 - População residente por cor ou raça, sexo, situação do domicílio e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 24 de julho de 2020 
  74. «Tabela 1497 - População residente, por nacionalidade - Resultados Gerais da Amostra». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 26 de julho de 2020 
  75. a b «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 26 de julho de 2020 
  76. «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 26 de julho de 2020 
  77. a b c «Diocese de Campo Mourão - Paraná». Jornal Servindo. Abril de 2014. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2020 
  78. «Província Eclesiástica de Maringá». Portal DJ8. 9 de julho de 2019. Consultado em 4 de agosto de 2020 
  79. «Paróquias da Diocese de Campo Mourão». Diocese de Campo Mourão. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  80. «Decanato está celebrando 60 anos da Diocese». Tribuna da Região. 1 de setembro de 2019. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  81. «Jonas visita festa do padroeiro em Mariluz». Tribuna de Cianorte. 26 de junho de 2009. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2020 
  82. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (2010). «Tabela 1549 - População residente, total e a que frequentava escola ou creche, por grupos de idade - Resultados Gerais da Amostra». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 1 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2021 
  83. Instituto Unibanco (2021). «Financiamento da Educação Pública no Brasil». Consultado em 29 de julho de 2021. Cópia arquivada em 29 de julho de 2021 
  84. Drumond, Kelly (2021). «Entenda os níveis e modalidades de ensino da Educação Básica». SOMOS Educação. Consultado em 29 de julho de 2021. Cópia arquivada em 29 de julho de 2021 
  85. Oliveira, Rosimar de Fátima (2010). «Níveis de ensino». Gestrado. Consultado em 21 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2021 
  86. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (2010). «Tabela 3460 - Pessoas de 15 anos ou mais de idade, por grupos de idade e sexo, segundo o nível de instrução e a cor ou raça - Características Gerais da População». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 1 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2021 
  87. Instituto Paranaense de Desevolvimento Econômico e Social; Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Percentual de pessoas analfabetas na faixa etária de 15 anos ou mais» (PDF). Subprocuradoria-Geral de Justiça para Assuntos de Planejamento Institucional. Consultado em 29 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 29 de julho de 2021 
  88. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (2020). «Índice de Desenvolvimento da Educação Básica: resultados e metas». Consultado em 9 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 19 de julho de 2021 
  89. UNINGÁ (2021). «Polo de educação a distância em Mariluz». Consultado em 1 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2021 
  90. UniFCV (2021). «Unidades polo de educação a distância». Consultado em 1 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2021 
  91. Lima, Flávio Henrique (2006). «O Poder Público Municipal à frente da obrigação constitucional de criação do sistema de controle interno». Consultado em 20 de março de 2021. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2012 
  92. a b Prefeitura Municipal de Mariluz (2003). «Lei orgânica do município de Mariluz» (PDF). Consultado em 20 de março de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 20 de março de 2021 
  93. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Histórico de Mariluz». Consultado em 20 de março de 2021. Cópia arquivada em 20 de março de 2021 
  94. G1 (2020). «Paulinho Alves, do PSL, é eleito prefeito de Mariluz». Consultado em 20 de março de 2021. Cópia arquivada em 20 de março de 2021 
  95. Prefeitura Municipal de Mariluz (2021). «Secretarias que integram o Governo Municipal». Consultado em 2 de abril de 2021 
  96. Senado Federal (2021). «Art. 29 da Constituição Federal (Texto compilado até a Emenda Constitucional nº 109 de 15/03/2021)». Consultado em 20 de março de 2021. Cópia arquivada em 20 de março de 2021 
  97. Gazeta do Povo (2020). «Vereadores Eleitos em Mariluz». Consultado em 20 de março de 2021. Cópia arquivada em 20 de março de 2021 
  98. Tribunal Regional Eleitoral (TRE) (2021). «Zonas Eleitorais TRE-PR - Pesquisa por município». Consultado em 20 de março de 2021 
  99. Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (2021). «Estatísticas do eleitorado – Consulta por município/zona eleitoral». Consultado em 20 de março de 2021 
  100. IPARDES. «Mariluz». Consultado em 5 de novembro de 2013. Arquivado do original em 5 de novembro de 2013 
  101. a b Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES) (2020). «Caderno Estatístico do Município de Mariluz». Consultado em 24 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2020 
  102. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2019). «Tabela 3939 - Efetivo dos rebanhos, por tipo de rebanho». Consultado em 24 de dezembro de 2020 
  103. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2019). «Tabela 74 - Produção de origem animal, por tipo de produto». Consultado em 24 de dezembro de 2020 
  104. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2019). «Tabela 94 - Vacas ordenhadas». Consultado em 24 de dezembro de 2020 
  105. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2019). «Tabela 1612 - Área plantada, área colhida, quantidade produzida, rendimento médio e valor da produção das lavouras temporárias». Consultado em 24 de dezembro de 2020 
  106. Prefeitura Municipal de Mariluz (1973). «Lei nº 472, de 8 de novembro de 1973» (PDF). Consultado em 24 de dezembro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 24 de dezembro de 2020 
  107. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Tabela 6753 - Número de estabelecimentos agropecuários e Área dos estabelecimentos agropecuários, por tipologia, condição legal das terras, condição legal do produtor e sexo do produtor». Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  108. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2006). «Tabela 787 - Número de estabelecimentos e Área dos estabelecimentos agropecuários, por condição legal do produtor em relação às terras, sexo do dirigente, grupos de atividade econômica e grupos de área total». Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  109. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2006). «Tabela 1244 - Número de estabelecimentos e Área dos estabelecimentos agropecuários por condição legal das terras, condição do produtor em relação às terras, grupos de atividade econômica e grupos de área total». Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  110. Plano Diretor do Município de Mariluz (2011). «Avaliação Temática Integrada» (PDF). Consultado em 26 de dezembro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 16 de novembro de 2020 
  111. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2018). «Tabela 1685 - Unidades locais, empresas e outras organizações atuantes, pessoal ocupado total, pessoal ocupado assalariado, pessoal assalariado médio, salários e outras remunerações e salário médio mensal». Consultado em 24 de dezembro de 2020 
  112. «As 500 cidades mais perigosas do Brasil - versão 2014 | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 10 dez. 2019 
  113. «Taxa de homicídios nas cidades: o que diz o Atlas da Violência 2019». gazetadopovo.com.br. Consultado em 11 dez. 2019 
  114. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de suicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais». Consultado em 10 de dezembro de 2019. Arquivado do original (xls) em 28 de fevereiro de 2011 
  115. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de Óbitos Ac.Transporte nos municípios com 10.000 habitantes ou mais». Consultado em 12 de junho de 2011. Arquivado do original (xls) em 28 de fevereiro de 2011 
  116. «MARILUZ | POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ». pmpr.pr.gov.br. Consultado em 10 dez. 2019 
  117. «7ª sdp - 15ª aisp - Polícia Civil / Divisão Policial do Interior». dpi.policiacivil.pr.gov.br. Consultado em 10 dez. 2019 
  118. «Rodovias Estaduais». Departamento de Estradas de Rodagem. Consultado em 11 de março de 2020 
  119. «Frota de veículos, por tipo e com placa, segundo os Municípios da Federação». Ministério da Infraestrutura. Dezembro de 2019. Consultado em 11 de março de 2020 
  120. «Mariluz Inaugura Terminal Rodoviário». Associação dos Municípios de Entre-Rios. 30 de outubro de 2015. Consultado em 11 de março de 2020 
  121. IBGE. «Saúde». Consultado em 23 de novembro de 2013 
  122. FIRJAN. «IFDM E INDICADORES». Consultado em 18 de março de 2015 [ligação inativa]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ferreira, João Carlos Vicente (2006). Municípios paranaenses: origens e significados de seus nomes. Curitiba: Secretaria de Estado da Cultura. 342 páginas 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage
Prefeitura
Câmara
Outros