One Piece

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ni hon go2.png Este artigo contém texto em japonês.
Sem suporte multilingual apropriado, você verá interrogações, quadrados ou outros símbolos em vez de kanji ou kana.
One Piece
ワンピース
(Wan Pīsu)
Capa do primeiro volume de One Piece, publicado no Japão pela editora Shueisha em 24 de dezembro de 1997.
Gênero Ação, Aventura, Fantasia, Comédia dramática
Mangá
Escrito por Eiichiro Oda
Editora(s) Shueisha
Editora(s)
lusófona(s)
Impressão Jump Comics
Revista(s) Weekly Shōnen Jump
Público-alvo Shonen
Data de publicação 19 de julho de 1997 – presente
Volumes 91 (Lista de capítulos)
Anime
Direção Kônosuke Uda (#1-278)
Junji Shimizu (#131-159)
Munehisa Sakai (#244-372)
Hiroaki Miyamoto (#352–679)
Toshinori Fukazawa (#663–presente)
Satoshi Ito (#780–presente)
Tatsuya Nagamine (#780–presente)
Roteiro Junki Takegami (#1–195)
Hirohiko Uesaka (#196–presente)
Música Kōhei Tanaka
Shiro Hamaguchi
Estúdio Toei Animation
Distribuição/
Licenciamento
Emissoras de televisão Fuji TV
Exibição original 20 de outubro de 1999 – presente
Episódios 868
(lista de episódios)
Filmes


Wikipe-tan face.svg Portal Animangá

One Piece (ワンピース, Wan Pīsu?) é uma série de mangá escrita e ilustrada por Eiichiro Oda. Os capítulos têm sido serializados na revista Weekly Shōnen Jump desde 19 de julho de 1997, com os capítulos compilados e publicados em volumes tankōbon pela editora Shueisha. One Piece conta as aventuras de Monkey D. Luffy, um jovem cujo corpo ganhou as propriedades de borracha após ter comido uma Fruta do Demônio acidentalmente. Com sua tripulação, os Piratas do Chapéu de Palha, Luffy explora a Grand Line em busca do tesouro mais procurado do mundo, o One Piece, a fim de se tornar o próximo Rei dos Piratas.

O mangá foi adaptado em um episódio OVA produzido pela Production I.G em 1998, e num anime produzido pela Toei Animation, transmitido no Japão desde 1999. Além disso, a Toei Animation produziu treze filmes de anime, um OVA e onze episódios especiais de televisão. Foram lançadas também vários tipos de mídias desenvolvidas por diversas empresas relacionadas à série, como um jogo de cartas colecionável, e vários jogos eletrônicos. A série de mangá é licenciada e publicada no Brasil pela editora Panini Comics. A série de anime já foi exibida em sinal aberto no Brasil e em televisão a cabo, e em Portugal apenas em televisão a cabo. Atualmente a série é transmitida simultaneamente pela Crunchyroll no Brasil.

One Piece recebeu elogios pelos seus personagens, sua arte, humor e caracterização. Vários volumes do mangá quebraram recordes de publicação, incluindo a maior tiragem inicial de qualquer livro no Japão. O site oficial da série anunciou que o mangá estabeleceu um recorde mundial como "a série de quadrinhos de um mesmo autor com mais cópias publicadas no mundo". A partir de maio de 2018, o mangá já tinha vendido mais de 440 milhões de cópias em todo o mundo, sendo a série de mangá mais vendida da história.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Monkey D.Luffy é um jovem que, inspirado em sua infância por um ídolo pirata chamado Shanks, o Ruivo, sai do East blue em direção a Grand Line a fim de encontrar o One Piece, o tesouro deixado por Gold Roger o Rei dos Piratas e, assim, proclamar-se como o novo Rei dos Piratas. Em um esforço para organizar sua própria tripulação, o Piratas do Chapéu de Palha (麦わら海賊団篇, Mugiwara Kaizoku-dan?), sai em um viagem pelo East Blue em busca de companheiros. Nessa jornada, ele encontra Koby, um faz-tudo que virou escravo de uma pirata chamada Alvida da Clava de Ferro. Após derrotar Alvida, Luffy e Koby se dirigem a uma base da Marinha( a instituição mundial governamental que é responsável pela aplicação da lei e da ordem no Mar) a fim de resgatar um espadachim chamado Roronoa Zoro, o Caça-Piratas. Zoro acaba aceitando entrar no bando do Luffy após esses derrotarem o capitão responsável pela base da Marinha, Morgan da Mão de Machado, tendo Zoro uma ambição de se tornar o maior espadachim do mundo. Ambição essa motivada pela morte de sua querida amiga e rival Kuina.

Koby decide ficar na base da Marinha e se tornar um marinheiro, ao passo que Luffy e Zoro seguem viagem em busca de novos tripulantes. A dupla fica a deriva e acaba indo parar numa cidade portuária sitiado pelo bando pirata do Buggy, O Palhaço cuja recompensa é de 15 milhões de berries. Luffy, após ser enganado por Nami, uma ladra especializada em piratas, acaba sendo preso numa jaula por Buggy que assim como Luffy, possui os poderes da Akuma-no-mi, o BaraBara-no-mi( o fruto do picadinho). Zoro, com o auxilio da hesitante Nami, consegue salvar o Chapéu de Palha da morte certa. Após derrotarem Buggy e livrar a cidade da trupe pirata, Nami decide se juntar temporariamente ao bando e, juntos, o trio segue viagem até uma ilha remota onde se encontra a vila Syrup, a fim de conseguirem um navio para o bando.

Na vila eles conhecem Usopp, um mentiroso com habilidades de franco-atirador. Os Chapéu de Palha ficam sabendo de uma rica moradora na vila que poder fornecer o navio a eles. O seu nome é Kaya, uma menina adoentada cujo Usopp vai até sua casa todos os dias lhe contar histórias mirabolantes a fim de alegrar sua triste vida. Após um desentendimento entre Usopp e o mordomo de Kaya, Klanhador , este acaba descobrindo que o mordomo na verdade é um notório pirata que a Marinha acredita já está morto. Seu nome é capitão Kuro dos Cem Planos, antigo capitão do bando do Gato Preto, agora sob o comando de Jango, cuja a recompensa é de 9 milhões de berries. Usopp fica sabendo de uma conspiração de Kuro pra assassinar Kaya a fim de obter sua herança através do forjamento do testamento. Usopp tenta avisar Kaya e os moradores da vila sobre a verdadeira índole do mordomo entretanto, ninguém acredita nele devido a fama de mentiroso de Usopp e da otima reputação de Klanhador com o pessoal da vila. Com a ajuda dos Chapéu de Palha, Usopp consegue deter o bando do Gato Preto antes que estes invadissem a vila. Kuro é derrotado por Luffy e sua farsa é revelado a Kaya. Em agradecimento por ter salvado sua vida, Kaya presenteia o bando com uma caravela, batizada com o nome de Going Merry. Luffy convida o Usopp a entrar no bando e este aceita, pois tem o sonho de se tornar um bravo guerreiro do mar.

O bando segue viagem em direção ao restaurante flutuante Baratie a fim de consegui um cozinheiro para tripulação, Lá eles conhecem Sanji, um chefe de cozinha muito mulherengo. Luffy acaba sendo obrigado a trabalhar por um ano de graça no restaurante após se envolver numa confusão com o dono e cozinheiro-chefe do estabelecimento, Zeff Pé Vermelho, antigo pirata famoso por ter voltado completamente intacto da Grand Line. Luffy aproveita a oportunidade pra convidar Sanji para o Bando depois de vê-lo dando comida ao pirata que havia sido escurraçado do restaurante, Gin que havia sido preso pelo tenente da Marinha Full-Body por fazer parte do temível bando do capitão (ou almirante, como este gosta de se chamar) Krieg, cuja a recompensa vale 17 milhões de berries. Sanji recusa o convite por ter uma divida de gratidão com o local. Pouco tempo depois, o restaurante é atacado pelo próprio Krieg, que está com sua frota pirata completamente destruída após passar 7 dias na Grand Line e ter sido derrotado, junto com seu bando de 5 mil homens, por apenas um inimigo. Krieg ao saber que Zeff Pé Vermelho ainda está vivo, decide pegar o diário de bordo dele e o navio Baratie a fim de adentrar a Grand Line uma vez mais. Porém, seu plano é interrompido por uma ataque feroz da mesma pessoa que havia atacado seu bando na Grand Line e o havia seguido até ali para terminar o serviço. Esse homem era Dracule Mihalk, o MAIOR ESPADACHIM DO MUNDO e um dos Sete Membros da Shichibukai. Quem acaba enfrentado o Shichibukai é Zoro, que estava aguardando a oportunidade desse confronto a muito tempo. Todavia, o Caça-Piratas é completamente derrotado. Depois do embate, que lhe rendeu uma enorme cicatriz, Zoro promete nunca mais ser derrotado por ninguém que se intitule espadachim. Mihalk se surpreende com a determinação de Zoro e diz que irá está esperando por ele na Grand Line para enfrenta-lo pelo trono do melhor do mundo. Após a contratempo com Mihalk, Luffy e os cozinheiros do Baratie conseguem expulsar os piratas do Krieg do restaurante e Sanji decide entrar para o bando, tendo ele também um grande sonho que é encontrar o lendário mar de All Blue.

Com Sanji a bordo, Luffy vai atrás de Nami que havia aproveitado a confusão com o Krieg e traído os Chapéu de Palha, roubando o Going Merry. Eles vão parar no Arlong Park, local onde reside o pirata mais perigoso do East Blue, o Homem-Peixe Arlong, um pirata cuja a cabeça vale 20 milhões de berries. Arlong é famoso pela sua brutalidade. Ele e seu bando pirata são oriundos da Grand Line, onde outrora fizeram parte do lendário bando dos Piratas do Sol, liderados por Jimbe. Porém, Jimbe acabou se tornando um dos Sete Membros da Shichibukai, e o bando sofreu uma cisão. Arlong, então acabou vindo parar no East Blue, onde pretende instaurar um império racial na qual os Homem-Peixes seriam a raça dominante. O bando do Chapéu de Palha acaba sabendo da história da Nami e a origem de seu ódio por piratas. Luffy, apos Nami pedir sua ajuda, decide enfrentar Arlong e acaba destruindo o Arlong Park, livrando as pessoas da ilha de 10 anos de opressão. Depois de resolvido a contenda, Nami decide se juntar ao bando definitivamente e, assim, o bando parte com 5 tripulantes em direção a Grand Line.


Elementos do enredo [editar | editar código-fonte]

O globo do mundo de One Piece.

O mundo de One Piece é povoado por seres humanos e muitas outras raças, tais como sereianos (uma raça híbrida de peixes e humanos, semelhantes aos tritões e sereias), anões, minkmen (uma raça de animais humanoides), e gigantes. Ele é coberto por dois vastos oceanos, que são divididos por uma enorme cadeia de montanhas chamada de Red Line (赤い土の大陸レッドライン, Reddo Rain?), que representa o único continente no mundo.[1] A Grand Line (偉大なる航路グランドライン, Gurando Rain?), é um mar que corre perpendicular a Red Line, dividindo-se em quatro mares: North Blue (北の海ノースブルー, Nōsu Burū?), East Blue (東の海イーストブルー, Īsuto Burū?), West Blue (西の海ウェストブルー, Uesuto Burū?) e South Blue (南の海サウスブルー, Sausu Burū?).[2]

Em torno da Grand Line existem duas regiões chamadas Calm Belts (凪の帯カームベルト, Kāmu Beruto?), semelhante às latitudes dos cavalos, onde quase não há correntes de vento e o mar está cheio de grandes criaturas marinhas chamadas de Rei dos Mares ou Netunianas (海王類, Kaiōrui?). Devido a isso na região de Calm Belt há barreiras muito eficazes para aqueles que tentam entrar na Grand Line.[3] No entanto, os navios da Marinha, membros de uma organização intergovernamental conhecida como Governo Mundial, são capazes de usar as Pedras de Prisma do Mar (海楼石, Kairōseki?) conhecidas por emanar a mesma energia do mar e assim mascarar a sua presença dos reis do mar e simplesmente passar pela Calm Belt. Todos os outros navios são obrigados a seguir uma rota mais perigosa, atravessando uma montanha na primeira interseção da Grand Line e Red Line, um sistema de canais conhecido como Reverse Mountain (リヴァース・マウンテン, Rivāsu Maunten?).[4] A água do mar de cada um dos quatro mares corre a montanha e se funde no topo, e passam a escorrer de um quinto canal, na primeira metade do Grand Line.[5] A segunda metade da Grand Line, além da segunda interseção com a Red Line, é conhecida como Novo Mundo (新世界, Shin Sekai?).[6]

As correntes e o clima do mar aberto da Grand Line são extremamente imprevisíveis, enquanto que nas proximidades das ilhas o clima é estável.[7] Os campos magnéticos dentro da Grand Line causam mal funcionamento em bússolas normais, tornando ainda mais difícil a navegação,[8] e, em vez disso, é necessário utilizar uma bússola especial chamada Log Pose (記録指針ログポース, Rogu Pōsu?).[9] A Log Pose funciona bloqueando o campo magnético de uma ilha e depois bloqueando o campo magnético de outra ilha.[10] O tempo para isso ocorrer depende da ilha.[11] Este processo pode ser ignorado pela obtenção de uma Eternal Pose (永久指針エターナルポース, Etānaru Pōsu?), uma variação da Log Pose que está permanentemente configurada para uma ilha específica e nunca muda.[12]

O mundo de One Piece inclui anacronismos, como os Caracóis-Receptores (電伝虫, Den-Den Mushi?), caracóis que podem ser conectados a um equipamento elétrico e funcionam como telefones rotativos,[13] máquinas de fax,[13] câmeras de vigilância,[14] e dispositivos similares.[14] Os Seletores (ダイアル, Daiaru?), as conchas de certos animais que habitam no céu, podem ser utilizadas para armazenar energia cinética, vento, som, imagens, calor e similares e tem várias aplicações.[15]

Frutas do Diabo[editar | editar código-fonte]

A Fruta do Diabo (悪魔の実, Akuma no Mi?) é um tipo de fruto que, quando ingerido, conferem super-poderes ao consumidor.[16] Uma pessoa só pode comer uma fruta do demônio durante a vida, pois comer uma segunda fruta do demônio pode acabar morrendo.[17] Existem três tipos de Frutas do Demônio;[18] Zoan (動物系ゾオン, Zoon?) são frutos que permitem ao usuário se transformar totalmente ou parcialmente em um animal específico. Além dos animais da vida real, algumas frutas Zoan permitem que o usuário se transforme em criaturas míticas.[19] Logia (自然系ロギア, Rogia?) são frutos que dão controle e permitem que o usuário possa "alterar a sua estrutura corporal para os poderes da natureza".[18] Paramêcia (超人系パラミシア, Paramishia?) é uma categoria de frutas que dão ao usuário habilidades sobre-humanas.[20] As Frutas do Demônio são consideradas encarnações do próprio demônio do mar e, como resultado, os usuários da Fruta do Demônio não pode nadar na água e tem seus poderes anulados, já que “eles são odiados pelo mar”.[21] A Pedra de Prisma do Mar também tem esse efeito de anulação das capacidades do usuário de akuma no mi. Quando ainda parcialmente submersos na água do mar, eles perdem toda a sua força e coordenação, embora algumas habilidades permaneçam. Por exemplo, Luffy ainda é capaz de se esticar após ter sido totalmente submerso. Água em movimento, como chuva ou ondas, não tem esse efeito. Quando um usuário de uma Fruta do Demônio morre, os poderes reencarnam em uma nova Fruta que esteja mais próxima de onde o antigo usuário morreu (A fruta do demônio é uma fruta comum que recebeu os poderes dos seus antigos usuários que morreu (objetos comuns como espadas podem obter os poderes de uma Fruta do Demônio) e tornam-se uma fruta com características únicas permitindo sua fácil identificação). Os poderes de uma Fruta do Demônio podem estar em um estágio chamado “Despertado”, onde os usuários podem transformar qualquer coisa ao seu redor, além de seus próprios corpos, em que o seu poder da Fruta do Demônio está.[22]

Haki[editar | editar código-fonte]

Haki (覇気?) é uma habilidade latente que todo ser vivo possui no mundo de One Piece; Poucos conseguem despertá-la, e menos ainda dominá-la. Existem três variedades de Haki: Cor de Observação ou Mantra (見聞色の覇気?) permite sentir a presença de outros seres e também para ter uma forma de precognição limitada (em combate esta é uma grande vantagem, porque o usuário pode prever os ataques de seu oponente). Cor de Armamento (武装色の覇気, Busōshoku no Haki?) permite que alguém envolva partes do corpo e até formas inanimadas com uma força semelhante a uma armadura invisível que possui propriedades defensivas e ofensivas. Também permite infligir danos aos usuários de uma Fruta do Diabo. O raro Haki do Rei Conquistador (覇王色の覇気, Haōshoku no Haki?) é uma habilidade que, ao contrário dos outros dois Haki, apenas algumas pessoas superdotadas têm (se uma pessoa não é dotada, então não importa o quanto ela treine, ela nunca será capaz de usá-la). O Haki do Rei Conquistador capacita dominar a vontade da força de vontade. Ela pode ser usada para controle da mente ou até mesmo tornar a vítima inconsciente. Nota-se que as pessoas fortes podem suportar ou até mesmo ignorar completamente os efeitos deste Haki, mesmo que elas não possuam essa habilidade. Este tipo de Haki também pode ter impactos físicos, como causar tremores e destruição a área ao redor do usuário. É mostrado que, quando o Haki é usado demais, ele deixará de funcionar por certos períodos de tempo.[23]

Mídias[editar | editar código-fonte]

Anime[editar | editar código-fonte]

Com a popularidade que One Piece atraiu nas páginas de seu mangá, logo seria transformado em anime, atingindo assim uma quantidade ainda maior de pessoas. A adaptação da série para televisão estreou no fim de 1999. A série foi licenciada pela 4Kids para as Américas.

No Brasil, One Piece é distribuído pela Crunchyroll, serviço de streaming de animes e doramas, com transmissão simultânea no mesmo dia da estreia dos episódios no Japão.

Em abril de 2015, a Crunchyroll anunciou que passaria a completar paulatinamente o catálogo de episódios de One Piece[24], que atualmente está incompleto.


Série live-action[editar | editar código-fonte]

Uma adaptação em uma série de televisão live-action do mangá de One Piece produzida pela Tomorrow Studios e a ITV Studios foi anunciada em 21 de julho de 2017 pelo editor chefe da revista Weekly Shōnen Jump Hiroyuki Nakano.[25]

Referências

  1. Oda, Eiichiro (setembro de 2008). «ヤルキマン·マングローブ». 11人の超新星. Col: One Piece (em japonês). 51. [S.l.]: Shueisha. ISBN 978-4-08-874563-3 
  2. Oda, Eiichiro (fevereiro de 2000). «リヴァースマウンテン». 伝説は始まった. Col: One Piece (em japonês). 12. [S.l.]: Shueisha. 36 páginas. ISBN 4-08-872822-X 
  3. Oda, Eiichiro (fevereiro de 2000). «リヴァースマウンテン». 伝説は始まった. Col: One Piece (em japonês). 12. [S.l.]: Shueisha. pp. 38–43. ISBN 4-08-872822-X 
  4. Oda, Eiichiro (março de 2007). «その海の名は». 心中お察しする. Col: One Piece (em japonês). 45. [S.l.]: Shueisha. pp. 52–53. ISBN 978-4-08-874314-1 
  5. Oda, Eiichiro (fevereiro de 2000). «リヴァースマウンテン». 伝説は始まった. Col: One Piece (em japonês). 12. [S.l.]: Shueisha. pp. 44–45. ISBN 4-08-872822-X 
  6. Oda, Eiichiro (março de 2007). «その海の名は». 心中お察しする. Col: One Piece (em japonês). 45. [S.l.]: Shueisha. pp. 55–56. ISBN 978-4-08-874314-1 
  7. Oda, Eiichiro (setembro de 2000). «ね». まっすぐ!!!. Col: One Piece (em japonês). 15. [S.l.]: Shueisha. pp. 116–117. ISBN 4-08-873009-7 
  8. Oda, Eiichiro (fevereiro de 2000). «記録指針». 伝説は始まった. Col: One Piece (em japonês). 12. [S.l.]: Shueisha. pp. 116–117. ISBN 4-08-872822-X 
  9. Oda, Eiichiro (fevereiro de 2000). «記録指針». 伝説は始まった. Col: One Piece (em japonês). 12. [S.l.]: Shueisha. pp. 116–117. ISBN 4-08-872822-X 
  10. Oda, Eiichiro (fevereiro de 2000). «記録指針». 伝説は始まった. Col: One Piece (em japonês). 12. [S.l.]: Shueisha. 118 páginas. ISBN 4-08-872822-X 
  11. Oda, Eiichiro (fevereiro de 2000). «歓迎の町». 伝説は始まった. Col: One Piece (em japonês). 12. [S.l.]: Shueisha. 146 páginas. ISBN 4-08-872822-X 
  12. Oda, Eiichiro (abril de 2000). «大丈夫!!!». 大丈夫!!!. Col: One Piece (em japonês). 13. [S.l.]: Shueisha. pp. 98–99. ISBN 4-08-872863-7 
  13. a b Oda, Eiichiro (dezembro de 1999). «二人目». 東一番の悪. Col: One Piece (em japonês). 11. [S.l.]: Shueisha. pp. 74–75. ISBN 4-08-872797-5 
  14. a b Oda, Eiichiro (junho de 2009). もう誰にも止められない. Col: One Piece (em japonês). 54. [S.l.]: Shueisha. ISBN 978-4-08-874662-3 
  15. Oda, Eiichiro (dezembro de 2002). «ダイアル·エネルギー». 神の島の冒険. Col: One Piece (em japonês). 26. [S.l.]: Shueisha. pp. 72–76. ISBN 4-08-873336-3 
  16. Oda, Eiichiro (junho de 1998). «悪魔の実». 偽れぬもの. Col: One Piece (em japonês). 3. [S.l.]: Shueisha. ISBN 4-08-872569-7 
  17. Sasada, Hiroko (dezembro de 2011). «The Otherness of Heroes: The Shonen as Outsider and Altruist in Oda Eiichiro's One Piece». International Research in Children's Literature. 4 2 ed. 192–207. doi:10.3366/ircl.2011.0026 
  18. a b Oda, Eiichiro (outubro de 2003). 狂想曲. Col: One Piece (em japonês). 30. [S.l.]: Shueisha. 86 páginas. ISBN 4-08-873502-1 
  19. Oda, Eiichiro. «RUMBLE!!». ヒルルクの桜. Col: One Piece (em japonês). 17. [S.l.]: Shueisha. pp. 71–72. ISBN 4-08-873073-9 
  20. Oda, Eiichiro (agosto de 2004). 「水の都」ウォーターセブン. Col: One Piece (em japonês). 35. [S.l.]: Shueisha. 146 páginas. ISBN 4-08-873638-9 
  21. Oda, Eiichiro (dezembro de 1997). «Romance Dawn —冒険の夜明け—». Romance Dawn —冒険の夜明け—. Col: One Piece (em japonês). 1. [S.l.]: Shueisha. ISBN 4-08-872509-3 
  22. Oda, Eiichiro (julho de 2001). «解放». 反乱. Col: One Piece (em japonês). 19. [S.l.]: Shueisha. 177 páginas. ISBN 4-08-873133-6 
  23. Oda, Eiichiro. «597». 3D2Y. Col: One Piece (em japonês). 61. [S.l.]: Shueisha. pp. 12–15. ISBN 978-4-08-870175-2 
  24. «Mais episódios de One Piece disponibilizados na Crunchyroll». 17 de abril de 2015. Consultado em 01 de maio de 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  25. «One Piece Manga Gets Live-Action Hollywood TV Show». Anime News Network (em inglês). 21 de julho de 2017. Consultado em 21 de julho de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons