Educação na cidade de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes.

A Educação na cidade de São Paulo tem um sistema bem desenvolvido de ensino primário e secundário, público e privado, e uma variedade de profissionais de escolas técnicas. Mais de nove décimos da população é alfabetizada, e aproximadamente a mesma proporção dos 7 anos aos 14 anos de idade estão matriculadas na escola. Entre as muitas instituições de ensino superior, podem-se destacar a Universidade Federal de São Paulo, a Universidade Estadual Paulista, a Faculdade de Tecnologia de São Paulo, o Instituto Federal de São Paulo e a Universidade de São Paulo (USP), criada em 1934, quando incorporou a histórica Faculdade de Direito de São Paulo, no Largo de São Francisco. Entre as universidades públicas, a USP é aquela com o maior número de vagas de graduação e de pós-graduação no Brasil, sendo responsável também pela formação do maior número de mestres e doutores do mundo,[1] bem como responsável por metade de toda a produção científica do estado de São Paulo e mais de 25% da brasileira.[2] Como o Brasil é responsável por cerca de 2% da produção mundial, pode-se dizer que a USP é responsável por 0,5% das pesquisas do mundo.[1] Instituições filiadas à universidade incluem o Instituto Butantan, pólo de pesquisa biomédica fundado em 1901, e atualmente vinculado à Secretaria de Saúde de São Paulo, fabrica antígenos e vacinas diversos, e é o maior produtor nacional de soros antiofídicos.[3] Centro de renome internacional em pesquisa científica de animais peçonhentos, conta com 14 laboratórios e um núcleo de biotecnologia.[4] O município também possui universidades particulares de grande reputação nacional e internacional, como a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e a Universidade Presbiteriana Mackenzie, além de diversos institutos de ensino superior e pesquisa em áreas específicas, entre os quais podem ser destacados a Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) (engenharia, artes e ciências humanas), a Fundação Getúlio Vargas (FGV) (administração e direito) e a Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

Sistema de ensino[editar | editar código-fonte]

Com 2.725 estabelecimentos de ensino fundamental, 2.998 unidades pré-escolares, 1.199 escolas de nível médio e 146 instituições de nível superior, a rede de ensino da cidade é a mais extensa do país.[5] Ao total, são 2.850.133 matrículas e 153.284 docentes registrados.[5]

Educação em São Paulo em números
Nível Matrículas Estudantes da rede pública (%) Docentes Escolas (total) Unidades de ensino da rede pública (%) Ano de referência
Ensino pré-escolar 371 838 72,75 17 878 2 998 24,25 2007
Ensino fundamental 1 591 536 82,11 71 569 2 725 55,27 2007
Ensino médio 457 680 84,15 28 009 1 199 51,96 2007
Ensino superior 429 079 11,22 35 828 146 4,11 2005

Indicadores[editar | editar código-fonte]

O fator "educação" do IDH no município atingiu em 2010 a marca de 0,725 – patamar considerado alto, em conformidade aos padrões do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) [6] – ao passo que a taxa de analfabetismo indicada pelo último censo demográfico do IBGE foi de 4,9%, superior apenas à porcentagem verificada nas cidades de Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis, Rio de Janeiro, Vitória e Belo Horizonte.[7] [8]
O índice 0,725 de IDH-Educação em 2010, mesmo considerado alto pelos padrões do PNUD, coloca a cidade de São Paulo na 149ª posição na classificação dos 5.565 municípios brasileiros.[6]

Tomando-se por base o relatório do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de 2007, São Paulo obteve a nona colocação entre as capitais brasileiras.[9] Na classificação geral do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) de 2007, três escolas da cidade figuraram entre as 20 melhores do ranking, sendo os colégios Vértice, Bandeirantes e Móbile os respectivos terceiro, décimo quarto e vigésimo colocados.[10] Contudo – e em consonância aos grandes contrastes verificados na metrópole –, em algumas regiões periféricas e empobrecidas, o aparato educacional público de nível médio e fundamental é ainda deficitário, dada a escassez relativa de escolas ou recursos. Nesses locais, a violência costuma impor certas barreiras ao aproveitamento escolar, constituindo-se em uma das causas preponderantes à evasão ou ao aprendizado carencial.[11]

Ensino superior[editar | editar código-fonte]

Contemplado por expressivo número de renomadas instituições de ensino e centros de excelência, São Paulo é o maior pólo de pesquisa e desenvolvimento do Brasil, responsável por 28% da produção científica nacional – segundo dados de 2005.[12] No cenário atual, destacam-se importantes universidades públicas e privadas, muitas delas consideradas centros de referência em determinadas áreas.

As universidades públicas sediadas na cidade de São Paulo são:

Cidade Universitária Armando de Salles Oliveira, com os edifícios da FAUUSP e da FEAUSP em destaque.
UNIP Campus Paraíso e Centro de Controle Operacional do metrô de São Paulo.
Biblioteca Central "George Alexander" da Universidade Presbiteriana Mackenzie.


Entre as instituições privadas, destacam-se:

Completam o exemplário acima as seguintes instituições:Universidade Anhembi Morumbi, São Marcos, Universidade Bandeirante de São Paulo (Uniban), Universidade Cruzeiro do Sul (Unicsul), Universidade Paulista (Unip) e Universidade São Judas Tadeu – entre outras. Além destas universidades, São Paulo também conta com diversos institutos de ensino superior e pesquisa em áreas específicas, entre os quais podem ser destacados a Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) (engenharia, artes e ciências humanas), a Fundação Getúlio Vargas (FGV) (administração e direito) e a Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

Principais institutos de pesquisa[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Folha Online - Educação - Reitora da USP nega queda em produção científica - 25/01/2009. Página visitada em 2 de Abril de 2010.
  2. http://www.usp.br/jorusp/arquivo/2005/jusp726/pag03.htm
  3. a b Apresentação. Instituto Butantan. Página visitada em 6 de agosto de 2008.
  4. a b Unidades de pesquisa. Instituto Butantan. Página visitada em 6 de agosto de 2008.
  5. a b IBGE Cidades. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
  6. a b Ranking_Todo o Brasil. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  7. Analfabetismo na cidade do Rio de Janeiro. Governo do Estado do Rio de Janeiro (junho de 2002). Página visitada em 5 de agosto de 2008.
  8. Rio e São Paulo são as cidades com mais analfabetos do País. UOL Notícias da Educação (5 de junho de 2003). Página visitada em 5 de agosto de 2008.
  9. No IDEB, 'pior' cidade raspa nota zero; maioria tira menos de 5. UOL Educação (26 de abril de 2007). Página visitada em 5 de agosto de 2008.
  10. As 20 melhores escolas do país no ENEM 2007. Portal G1 (3 de abril de 2008). Página visitada em 5 de agosto de 2008.
  11. Virada Social leva serviços gratuitos ao Jardim Elisa Maria. Governo do Estado de São Paulo. Página visitada em 8 de agosto de 2008.
  12. Assessoria de Comunicação e Imprensa. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) (17 de junho de 2005). Página visitada em 8 de setembro de 2008.
  13. a b G1 – USP, UFRJ, Unicamp, UFRGS, UFMG e Unesp aparecem no top 500 elaborado em Taiwan. Portal (30 de novembro de 2007). Página visitada em 5 de agosto de 2008.
  14. Relatório de Atividades e Prestação de Contas 2007. Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) (2007). Página visitada em 7 de agosto de 2008.
  15. Maior universidade do Brasil. Universia Brasil (2 de agosto de 2005). Página visitada em 9 de agosto de 2008.
  16. a b Estrutura. Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). Página visitada em 6 de agosto de 2008.
  17. Estrutura. Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). Página visitada em 6 de agosto de 2008.
  18. a b c d Quem somos. Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN). Página visitada em 5 de agosto de 2008.
  19. a b Quem somos. Instituto Biológico. Página visitada em 6 de agosto de 2008.
  20. a b Menu. Instituto Pasteur. Página visitada em 7 de agosto de 2008.
  21. a b c d Sobre o IMTSP. Instituto de Medicina Tropical de São Paulo (IMTSP). Página visitada em 8 de agosto de 2008.
  22. a b O Instituto. Instituto Florestal. Página visitada em 8 de agosto de 2008.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal de São Paulo