Freddie Mercury

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Freddie Mercury
Mercury ao vivo em 1978.
Informação geral
Nome completo Farrokh Bulsara
Também conhecido(a) como Freddie Mercury
Nascimento 5 de setembro de 1946
Local de nascimento Cidade de Pedra (hoje Tanzânia)
Zanzibar
Data de morte 24 de novembro de 1991 (45 anos)
Local de morte Londres, Inglaterra
 Reino Unido
Gênero(s) hard rock
Instrumento(s) vocal, piano, guitarra e violão
Período em atividade 1969 - 1991
Afiliação(ões) Queen
Página oficial QueenOnline.com
Freddie Mercury signature.svg

Freddie Mercury, nome artístico de Farrokh Bulsara (Zanzibar, 5 de setembro de 1946Londres, 24 de novembro de 1991), foi um cantor, pianista e compositor britânico, que ficou mundialmente famoso como vocalista da banda britânica de rock Queen, que ele integrou de 1970 até o ano de sua morte.

Mercury, tornou-se célebre pelo seu poderoso tom de voz e suas performances energéticas que sempre envolviam a plateia, sendo considerado pela crítica como um dos maiores artistas de todos os tempos. Como compositor, Mercury criou a maioria dos grandes sucessos dos Queen, como "We Are the Champions", "Love of my Life", "Killer Queen", "Bohemian Rhapsody", "Somebody to Love" e "Don't Stop Me Now". Além do seu trabalho na banda, Mercury também lançou vários projetos paralelos, incluindo um álbum solo, Mr. Bad Guy, em 1985, e um disco de ópera ao lado da soprano Montserrat Caballé, Barcelona, em 1988. Mercury morreu vítima de broncopneumonia, acarretada pela AIDS, em 1991, um dia depois de ter assumido a doença publicamente.

Seu trabalho com Queen ainda lhe gera reconhecimento até os dias de hoje: Mercury é citado como principal influência de muitos outros cantores e bandas. Em 2006, ele foi nomeado a maior celebridade asiática de todos os tempos, sendo também eleito o maior líder de banda da história em uma votação pública organizada pela MTV americana. Em 2008, ele ficou na décima oitava posição na lista dos "100 Maiores Cantores de Todos os Tempos" da revista Rolling Stone, e no ano seguinte a Classic Rock o nomeou o maior vocalista de rock and roll. Com os Queen, Mercury já vendeu mais de cento e cinquenta milhões de discos em todo o mundo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância e adolescência[editar | editar código-fonte]

Freddie Mercury, batizado de Farrokh Bulsara, nasceu na colônia britânica Cidade de Pedra, em Zanzibar (hoje parte da Tanzânia), sendo que seus pais, Bomi e Jer Bulsara, eram parsis zoroastrianos de Guzerate, na Índia.[1] A família Bulsara se mudou da Índia para Zanzibar para que Bomi pudesse manter seu emprego no Banco Colonial Inglês, e lá o casal também teve sua segunda filha, Kashmira.[1]

A casa em Zanzibar, onde Mercury viveu seus primeiros anos.

Em 1954, aos oito anos, o garoto foi enviado para estudar na St. Peter Boarding School, uma escola para meninos na cidade indiana de Bombaim, tendo feito todo trajeto sozinho a bordo de um navio.[2] Nessa época, já grande apreciador de música, ele começou a ter aulas de piano, muito influenciado pela cantora local Lata Mangeshkar.[2] Aos doze anos, montou uma banda chamada The Hectics, com quem ele se apresentava em eventos escolares cantando sucessos de artistas como Cliff Richard e Little Richard, sendo que foi nessa época que ele passou a ser chamado de "Freddie" pelos amigos.[2] Apesar de ser apreciado pelos mais velhos devido a seu carisma e talento musical, o garoto sofria muito bullying por parte das outras crianças de sua idade devido a sua personalidade afeminada, o que o levou a se tornar uma pessoa introspectiva e muito tímida quando perto de estranhos.[2] Quando mais velho, Freddie passou a morar na casa de sua avó, mas continuou frequentando o mesmo colégio até o fim do curso, voltando para a casa de seus pais em seguida.[2]

Quando Freddie tinha dezessete anos, a família Bulsara, assustada com a Revolução Civil de Zanzibar de 1964, mudou-se para a capital inglesa, Londres, onde ele passou a estudar arte na Escola Politécnica Isleworth, posteriormente ganhando seu diploma como designer gráfico através da Ealing Art College.[3] Após sua graduação, Freddie foi trabalhar como vendedor de roupas no famoso Mercado Kensington, ao lado de sua então namorada Mary Austin, e também foi atendente no Aeroporto Heathrow por um breve tempo.[3] Em 1969, Freddie iniciou a banda Ibex, depois nomeada Wreckage, mas que não durou muito tempo, depois integrando o grupo Sour Milk Sea.[3] Em abril de 1970, Freddie se juntou ao guitarrista Brian May e ao baterista Roger Taylor no trio Smile, cujo nome foi alterado para "Queen", e nessa época, Freddie adotou a alcunha "Mercury" como sobrenome artístico, baseado na letra de uma de suas primeiras canções.[4]

Relacionamentos e sexualidade[editar | editar código-fonte]

Mercury era assumidamente bissexual, embora seja costumeiramente descrito como totalmente gay.[5] Em dezembro de 1974, quando perguntado diretamente sobre sua sexualidade por um repórter do jornal NME, Mercury respondeu que "houve uma época em que ele era jovem e desprotegido", e que teve sua "cota de humilhações escolares", deixando implícito que ser gay lhe levou a ser discriminado por seus colegas de escola, sendo que raramente Freddie falava sobre sua vida particular para a imprensa, e sua família e amigos seguiam a mesma linha, sendo que, para uma rede de televisão britânica, sua irmã, Kashmira, disse que o cantor jamais falou sobre sua homossexualidade diante da família, mas que todos sabiam, e isso nunca havia lhes incomodado.[5] A mídia, no entanto, especialmente a britânica, sempre teve interesse em "revelar" Freddie como gay, e constantemente esse assunto era abordado em jornais, revistas e televisão; em 1986, por exemplo, o jornal The Sunday Times publicou uma matéria dizendo que Freddie havia assumido ter "uma dúzia de romances gays".

No início dos anos 70, Freddie iniciou um relacionamento com a vendedora de roupas Mary Austin, que ele conheceu através de Brian May, que se estendeu durante anos.[6] O envolvimento amoroso deles acabou quando Freddie confessou sua natureza homossexual para ela, mas os dois mantiveram uma grande amizade por toda a vida, com Freddie dedicando a famosa canção "Love of my Life" em sua homenagem, e também sendo padrinho de seu primeiro filho.[6] Em seu testamento, Freddie deixou para ela sua mansão em Londres, assim como a detenção de todos os direitos autorais de sua discografia, o que continua a render a Mary milhões de libras todos os anos. A moça ainda vive com sua família na casa de Freddie.[6] No fim dos anos 70, o cantor também teve um relacionamento sério com um executivo da Elektra Records, que durou cerca de um ano.[6] Pouco tempo depois, o cantor se envolveu com a atriz austríaca Barbara Valentin, que inclusive foi uma das figurantes no videoclipe da canção "It's a Hard Life", e em 1985 iniciou outro sério romance com o cabeleireiro Jim Hutton, com quem Freddie viveu até o fim de sua vida;[7] Jim não deixou Freddie durante sua doença e estava ao lado dele na cama quando o cantor faleceu.[7] Jim morreu vítima de câncer em 2010.[7]

Mesmo tendo tido outros relacionamentos, Freddie sempre deixou claro que Mary Austin foi a pessoa mais importante de sua vida, e que a considerava uma esposa.

Muitos dos meus amantes me perguntam porque eles não podem substituir Mary, mas é simplesmente impossível. Mary é minha única amiga, e eu não quero mais ninguém. Para mim, é como um casamento. Nós acreditamos um no outro, e é o suficiente para mim.[6]
Mercury sobre Mary Austin.

Doença e falecimento[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 1986, a imprensa britânica começou a noticiar que Mercury havia sido diagnosticado como portador do vírus da AIDS em uma clínica da rua Harley, e uma repórter do The Sun perguntou ao cantor a respeito quando ele desembarcou em um aeroporto voltando de uma viagem ao Japão, e ele negou o boato.[6] De acordo com o parceiro de Freddie, Jim Hutton, o cantor foi diagnosticado soropositivo em abril de 1987, mas decidiu negar todos os boatos sempre que questionado.[6] No entanto, a saúde física de Freddie se deteriorou rapidamente, e ele começou a aparecer em público cada vez mais magro e pálido, o que levou a imprensa a publicar centenas de artigos especulando sobre o assunto.[5] Nessa época, o Queen havia se aposentado dos palcos devido a condição do vocalista, e em 18 de fevereiro de 1990, quando o Queen foi homenageado no Brit Awards, em Londres, recebendo uma condecoração por sua "Contribuição a Música Britânica", Freddie compareceu ao lado da banda, mas não falou nada, o que apenas alimentou os rumores.[8] Naquela altura, para o grande público, já era uma certeza que o cantor era, de fato, soropositivo, e o Brit Awards foi sua última aparição pública.[8]

Em 1991, totalmente recluso, Freddie era vítima constante do assédio de repórteres, que cercavam sua casa e não iam embora durante dias para conseguir uma foto sua, que estava com uma horrível aparência devido a sua doença. Uma foto do rosto de Freddie, magro e com manchas negras, estampou uma edição do The Sun na matéria "É Oficial: Freddie Está Gravemente Doente", que foi a edição de jornal mais vendida no ano no Reino Unido.[9] Apesar de não poder se apresentar ao vivo, Freddie continuou a trabalhar com a banda até o fim; depois de descobrir sua doença, o cantor lançou um disco de ópera e também lançou mais dois álbuns com a banda, e continuou a gravar videoclipes com o grupo, sendo que o vídeo de "These Are the Days of Our Lives", gravado em maio de 1991, foi o último trabalho de Freddie em frente as câmeras;[10] para esconder as horríveis manchas que tinha na pele, ele teve de passar horas se maquiando, e o vídeo teve de ser lançado em preto e branco para esconder sua aparência.[10]

O Cemitério de Kensal Green, onde o corpo de Freddie Mercury foi cremado.

Em junho de 1991, Freddie continuou a gravar vocais para novas músicas do Queen para que a banda as terminasse depois, pois ele sabia que não sobreviveria por muito tempo, mas um certo dia teve de abandonar os estúdios totalmente por não ter mais forças nem para se manter em pé.[10] Essas canções foram posteriormente lançadas no álbum póstumo Made in Heaven, em 1995.[11] Em seus últimos dias, Freddie perdeu a visão e não conseguia sair da cama, por isso decidiu parar de tomar sua medicação, e passou a esperar pela morte.[12] Em 22 de novembro, Freddie chamou o empresário do Queen, Jim Beach, e pediu que ele fizesse um comunicado a imprensa para divulgar sua doença, que foi lançado no dia seguinte.[9] Cerca de vinte e quatro horas após o comunicado ser feito, durante a noite, Freddie faleceu vítima de broncopneumonia, acarretada pela AIDS.[9] Seu funeral ocorreu em Londres três dias depois, assistido por trinta e cinco pessoas, incluindo a família de Freddie, os membros e o empresário do Queen, Mary Austin, Jim Hutton e poucas outras pessoas.[9] O corpo do cantor foi cremado no Cemitério de Kensal Green, e suas cinzas foram entregues a Mary Austin, sendo que apenas ela, Jim Hutton, a família do cantor e os membros do Queen sabem onde as cinzas foram depositadas, e nunca revelaram seu paradeiro.[12]

Seguindo a enorme comoção da mídia nas últimas duas semanas, eu gostaria de confirmar que fui testado como seropositivo e tenho AIDS. Eu senti que era melhor manter isso privado até agora para proteger a mim e àqueles ao meu redor. No entanto chegou a hora de meus amigos e meus fãs saberem a verdade, e espero que todos se juntem a mim e aos meus médicos na luta contra essa terrível doença. Minha privacidade sempre foi importante para mim e sou famoso por minha falta de entrevistas, por favor, entendam que essa política continuará.[12]
Parte do comunicado de Freddie Mercury assumindo ser seropositivo.

Carreira musical[editar | editar código-fonte]

Mercury se tornou mundialmente famoso como vocalista da banda de hard rock Queen, que ele formou ao lado do guitarrista Brian May e do baterista Roger Taylor em 1971 sob o nome Smile, com o nome "Queen" sendo adotado logo depois do recrutamento do baixista John Deacon.[4] Os primeiros álbuns da banda, Queen e Queen II tiveram uma recepção mais limitada ao Reino Unido,[13] [14] e o grupo conseguiu certa projeção mundial com o disco Sheer Heart Attack, com a conhecida canção "Killer Queen",[15] mas foi em 1975 que a banda atingiu o estrelato com o álbum A Night at the Opera, que trouxe a canção "Bohemian Rhapsody", um grande clássico na qual Mercury fundiu o rock and roll com a ópera e criou aquela que é, até hoje, considerada uma das maiores gravações musicais da história.[16] O Queen seguiu lançando discos muito bem vendidos e realizando grandes turnês mundiais. Em 1976, foi lançado A Day at the Races, com a canção "Somebody to Love", e em 1977 saiu News of the World, que trouxe os dois maiores hinos do grupo, "We Will Rock You" e "We Are the Champions".[17] [18] O álbum seguinte, Jazz, não foi um fracasso, mas falhou em conseguir a mesma aceitação de seus antecessores, apesar de que com The Game o Queen voltou a ser elogiado, trazendo canções como "Crazy Little Thing Called Love" e "Another One Bites the Dust", uma canção ao estilo de funk rock que foi um grande sucesso e esteve no topo da Billboard Hot 100 por várias semanas.[19] Na turnê de The Game, o Queen tornou-se a primeira grande banda europeia a se apresentar na América do Sul, com cinco datas na Argentina e duas no Estádio do Morumbi, na cidade brasileira de São Paulo, atraindo uma audiência combinada de quase trezentas mil pessoas.[20]

Freddie Mercury ao vivo com o Queen em 1984.

Em 1982, empolgado com a boa recepção de "Another One Bites the Dust", Freddie decidiu que queria gravar um álbum inteiro nesse estilo, uma ideia que desagradou profundamente os outros três membros do grupo, mas que acabaram cedendo, produzindo canções de funk rock, new wave e outros estilos diferenciados.[21] O álbum em questão, Hot Space, se tornou o único grande fiasco do grupo, desagradando profundamente os fãs e recebendo um péssima avaliação da crítica, sendo, até hoje, considerado uma dos piores álbuns já lançado por uma banda. O fracasso do disco causou muitos problemas no grupo, que se separou momentaneamente, reunindo-se mais tarde para gravar um novo disco, voltando ao seu estilo habitual.[21] O álbum The Works permitiu que a banda recuperasse sua popularidade, trazendo grandes sucessos como "I Want to Break Free", "Radio Ga Ga" e "Hammer to Fall".[22] Na turnê do disco, a banda voltou ao Brasil como atração principal da primeira edição do festival Rock in Rio, na cidade do Rio de Janeiro em 1985, se apresentando em duas noites para uma audiência combinada de cerca de seiscentas mil pessoas.[23] Mais tarde naquele ano, a banda realizou uma de suas mais famosas apresentações, como atração principal do festival beneficente britânico Live Aid, no Estádio de Wembley, que foi transmitida ao vivo na televisão para milhões de pessoas e é, até hoje, considerada pela crítica a maior apresentação de um grupo de rock já feita.[23] Nesse mesmo ano, Freddie lançou seu álbum solo, Mr. Bad Guy, que teve vendas modestas, mas gerou alguns sucessos como "Living on My Own" e "I Was Born to Love You".[24]

Em 1986, com sua popularidade altamente renovada, o Queen lançou o disco A Kind of Magic, que foi um grande sucesso, e realizou uma turnê de estádios pela Europa, com uma produção e recepção nunca vista antes, com dois concertos no Estádio de Wembley que foram gravados e lançados em vários formatos posteriormente.[4] Em 1987, Freddie descobriu ser portador do vírus da AIDS, e sua saúde física se deteriorou rapidamente, por isso o Queen se aposentou dos palcos, sendo que o concerto final da Magic Tour, em Londres, no dia 8 de agosto de 1986, foi o último momento de Freddie no palco.[12] Trabalhando apenas no estúdio, o grupo lançou The Miracle em 1987,[25] e no ano seguinte, Freddie voltou a inovar sua carreira ao lançar o disco Barcelona, um projeto de música clássica ao lado da soprano espanhola Montserrat Caballé.[26] Em 1991, o Queen lançou Innuendo, que foi um grande sucesso comercial, e mesmo estando com sua saúde extremamente debilitada, Freddie continuou a trabalhar exaustivamente, tanto que, após menos de um mês, ele já estava em estúdio gravando vocais para um disco novo do grupo.[12] O cantor, que morreu nesse mesmo ano, já sabia que não sobreviveria por muito tempo, por isso gravou todos os vocais antecipadamente para que a banda concluísse o trabalho mais tarde.[12]

Em 1992, os três integrantes remanescentes do Queen organizaram um grande concerto em homenagem a Freddie, o The Freddie Mercury Tribute Concert, no Estádio de Wembley, que teve a participação de muitas das maiores bandas da história, como Led Zeppelin, Guns N' Roses, Metallica, U2, e muitas outras.[27] O álbum gravado com os vocais que Freddie deixou prontos, Made in Heaven, foi finalizado e lançado em 1995.[11] Hoje em dia, estima-se que o Queen já tenha vendido mais de cento e cinquenta milhões de discos ao redor do mundo.[4]

Descrição artística[editar | editar código-fonte]

Estilo vocal e instrumentos[editar | editar código-fonte]

O registro vocal de Freddie Mercury.

Apesar de que no dia a dia, a voz de Mercury soava em um tom barítono, quando estava cantando, seus vocais atingiam uma escala de tenor, normalmente variando de Baixo F (F2) para Alto F (F6), quase atingindo a escala soprano, que é feminina.[28] David Bret, um conceituado crítico, descreveu a voz do cantor como "(...)indo de um típico grunhido gutural de rock para um vibrante som tenor, logo atingindo um tom alto, perfeito e cristalino no ápice."[28] A soprano Montserrat Caballé, com quem Freddie gravou um álbum, declarou que a diferença entre ele e outros cantores é que ele estava realmente "vendendo a voz".[28] A soprano completou dizendo que "(...)sua técnica era impressionante. Sem problemas de sincronia, ele cantava com um grande senso de ritmo, capaz de mudar facilmente de uma escala para outra. Sua pronuncia era sutil, doce e também poderosa, ele era capaz de encontrar o tom certo para cada palavra."[28]

Além de cantar, Freddie também tinha uma grande versatilidade artística, sendo capaz de tocar vários instrumentos, sendo também o pianista do Queen.[4] O cantor começou a ter aulas de piano aos nove anos na Índia, e depois de se mudar para Londres, foi treinado na guitarra e no violão, tendo tocado esses instrumentos em várias canções do Queen, e apesar de também ter grande habilidade para tocar teclado, o cantor não gostava desse instrumento, por isso, alguém de fora do Queen sempre era convidado para tocá-lo nos discos do grupo, como Fred Mandel e Mike Moran.[29] Nos concertos do Queen, Freddie executava ao vivo todas as partes de piano, e após 1980, quando foi lançada a canção "Crazy Little Thing Called Love", Freddie passou a executá-la ao vivo tocando violão, e depois tocando guitarra ao lado de Brian May.[29] Apesar de sempre ter tido uma mente aberta com relação a novas tecnologias, e ter aprovado o uso de sintetizadores em vários discos do Queen, Freddie costumava ter aversão a pianos elétricos por achar o som deles artificial, tanto que em 1975, o cantor se recusou a tocar um piano Wurlitzer na canção "You're My Best Friend", de John Deacon, levando o próprio John a ter que gravá-lo.[29]

Influências e composições[editar | editar código-fonte]

No Queen, Mercury era o principal compositor ao lado de Brian May, com Roger Taylor e John Deacon tendo um papel geralmente menor.[4] Freddie criou a maioria dos grandes sucessos do Queen, como "We Are the Champions", "Bohemian Rhapsody", "Love of my Life", "Don't Stop Me Now", "Killer Queen", "Crazy Little Thing Called Love", e muitas outras.[4] Com o passar dos anos, as composições de Freddie para o Queen passaram por uma grande sucessão de estilos, com uma grande versatilidade artística sendo um dos maiores aspectos do cantor.[4]

Freddie Mercury tocando guitarra em um concerto do Queen.

Freddie possuía uma variado gosto musical e influência de diversos cantores e bandas, o que o levava a estar sempre diversificando suas criações.[30] No início dos anos 70, quando o Queen começou, o Led Zeppelin já era uma banda muito popular e apreciada por Mercury, sendo a principal influência em canções como "Seven Seas of Rhye" e "Killer Queen", canções com um toque de jazz rock característico dos álbuns do Led Zeppelin.[31] Um grande fã de Elvis Presley, Freddie baseou muito de seu estilo e performance no astro, e algumas canções foram criadas ao estilo sessentista de Elvis, como "Crazy Little Thing Called Love" e "Man on the Prowl".[2] No entanto, a tradicional música clássica e o canto gospel, com os quais Freddie teve muito contato enquanto crescia, sempre foram suas principais fundações, com muitos sucessos do Queen trazendo vocais agudos e uma forte presença de piano e coros de fundo, como é o caso de "Somebody to Love", composta como se fosse um hino gospel, e "It's a Hard Life", que abre com uma área da ópera Pagliacci, de Ruggero Leoncavallo.[2] O psicodelismo dos anos 70, popularizado pelo Pink Floyd, também teve grande impacto sobre Freddie, principalmente em canções como "Get Down, Make Love" e "My Melancholy Blues".[2]

Freddie ainda apreciava o funk e o pop rock, o que o levou a criar várias canções nesses estilos, como "Under Pressure" e "Body Language".[28] A mais apreciada composição de Freddie é "Bohemian Rhapsody", uma canção revolucionária e complexa, dividida em várias partes e soando em diversos estilos, desde o hard rock até a ópera, possuindo uma letra trágica e rancorosa, e Freddie nunca explicou seu verdadeiro significado, se referindo a ela como sendo "(...)uma daquelas músicas que possui um sentimento de fantasia. Eu acho que as pessoas deveriam apenas ouví-la, pensar sobre ela, e então refletir sobre o que ela tenta lhes dizer(...)".[16] Em uma entrevista de 1986, Freddie declarou: "Eu odeio fazer sempre a mesma coisa. Gosto de conhecer as novidades da música, do cinema e do teatro, e então, usar tudo isso."[28]

Performances ao vivo[editar | editar código-fonte]

Durante sua carreira com o Queen, Mercury realizou mais de setecentos concertos ao redor do mundo em quinze anos em todos os continentes, exceto a Antártida.[4] O Queen foi a primeira banda europeia a fazer turnês na América do Sul, com datas na Argentina, Brasil e Venezuela, e também foi o primeiro grupo a se apresentar na África do Sul, um acontecimento que causou polêmica, pois, naquela época, se apresentar na África significava, aos olhos da política, que o indivíduo apoiava o apartheid (separatismo racial), acusações que foram recebidas como piada pelo grupo.[20] O Queen se tornou célebre por esses e outros feitos, na época, únicos, como se apresentar para cerca de seiscentas mil pessoas no Rock in Rio de 1985, e também ter realizado um concerto para oitenta mil pessoas na Hungria em 1986, que foi a maior apresentação musical no leste da Europa.[20] A performance mais célebre de Freddie aconteceu no evento beneficente Live Aid, em 1985, quando setenta e duas mil pessoas no Estádio de Wembley cantaram e bateram palmas juntas sob o comando do cantor, até hoje enaltecido pela crítica devido a esse dia.[20]

Freddie Mercury cantando com seu tradicional pedestal pela metade.

Mercury possuía várias marcas registradas que lhe deram notoriedade, tanto quanto a sua performance quanto a sua aparência pois, quando ao vivo, Freddie cantava usando um microfone preso a metade de um pedestal, como se fosse seu cetro ("Queen" significa "Rainha"), uma ideia que ele teve antes do grupo, quando seu pedestal quebrou e ele achou que o aparelho era um bom efeito visual.[32] Quando cantava, Freddie fazia movimentos considerados "teatrais", influenciados pelo seu treinamento em ballet, e também, em todos os concertos, Freddie envolvia a plateia em uma sequência conhecida como "chamada e resposta", na qual ele executava algumas notas vocais e, em seguida, a plateia as imitava, permitindo que até as multidões em grandes estádios tomassem parte.[32] Freddie também costumava permitir que o público cantasse partes de várias canções, principalmente a versão acústica de "Love of my Life", e também comandava acenos e palmas sincronizadas em canções como "We Will Rock You" e "Radio Ga Ga".[32] Nos anos 70, Freddie tinha cabelo comprido e usava uma característica roupa quadriculada, mais a partir dos anos 80 passou a exibir um cabelo mais curto e deixou o bigode crescer, o que se tornou outro de seus símbolos.[32] Logo no começo, devido ao bigode, pessoas da plateia costumavam jogar giletes e espuma de barbear no palco, que o cantor agradecia e guardava no bolso.[33]

Até hoje, a crítica considera Mercury como um dos maiores artistas da história devido a sua performance. Um repórter do The Spectator o descreveu como um artista "fora de série, chocante e charmoso com várias versões extravagantes de si mesmo".[34] O popular cantor David Bowie, que já gravou e se apresentou com o Queen, se referiu a Mercury dizendo que "dentre todos os cantores teatrais de rock, ele foi o único a levar tudo a um outro nível (...) era alguém que podia, literalmente, ter a plateia na palma da mão".[34] O guitarrista Brian May declarou que Freddie "conseguia fazer a última pessoa na última fileira do estádio se sentir incluída."[34] Em uma resenha do Live Aid em 2005, um crítico escreveu que "aqueles que listam os maiores vocalistas da história costumam dar a primeira posição para Robert Plant ou Mick Jagger, mas estão terrivelmente errados, por sua performance mitológica no Live Aid Mercury era, sem dúvida, o maior de todos."[28]

Recepção e legado[editar | editar código-fonte]

Influência na música[editar | editar código-fonte]

Integrantes de muitas grandes bandas que surgiram antes ou depois do Queen apontam Mercury como grande influência em seu trabalho. Axl Rose, vocalista do Guns N' Roses, baseou muito de sua postura no palco em Mercury, com relação a seus movimentos, o uso do piano e o modo de cantar, por exemplo, e declarou que se não tivesse ouvido as letras de Freddie quando criança, não sabe o que teria sido dele.[35] Kurt Cobain, do Nirvana, escreveu em sua carta de suicídio que admirava e invejava a felicidade que Freddie sentia ao estar no palco,[36] e Robert Plant, do Led Zeppelin, declarou que Mercury era o único cantor que, por trás de sua lenda, realmente era uma lenda.[35] Paul McCartney, certa vez, se referiu a Freddie como "Rei Mercury".[35]

Dave Grohl, do Foo Fighters, declarou que todas as bandas deviam estudar Freddie no Live Aid, quando ele demostrou que era o "maior vocalista de todos".[28] Personalidades da música pop também admiram seu trabalho, como Michael Jackson, que assistiu a vários concertos do Queen em Los Angeles, e apontava Mercury como seu cantor favorito,[35] e Katy Perry o apontou como sua maior influência, declarando que a combinação de sua performance sarcástica e suas letras, combinadas com sua atitude de indiferença, afetaram muito sua música.[37] Lady Gaga criou seu nome artístico baseado na canção "Radio Ga Ga" e descreveu Freddie como sendo um gênio, que conseguia se reinventar constantemente.[38]

Em 2008, Mercury ficou em segundo lugar na lista da MTV das "22 Maiores Vozes da Música",[39] e no ano seguinte também ficou em segundo lugar na lista da rádio Planet Rock das "Maiores Vozes do Rock and Roll",[40] mas foi o campeão na lista dos "Maiores Vocalistas da História" da revista Classic Rock.[28] Em 2011, Freddie ficou em segundo lugar na lista da NME dos "Maiores Cantores da História",[41] também ficou em segundo lugar na lista "100 Melhores Vocalistas da História" pela revista Rolling Stone,[31] e foi eleito o maior cantor de todos tempos pelos leitores da revista Gigwise.[42] Mercury também foi eleito a maior celebridade asiática de todos os tempos pela MTV.[39]

Tributos e homenagens[editar | editar código-fonte]

Estátua em homenagem a Freddie Mercury na Suíça.

Em 25 de novembro de 1996, foi inaugurada uma estátua em homenagem a Mercury na cidade suiça de Montreux, as margens do Lago Léman, com três metros de altura projetada por Irena Sedlecká;[43] a cerimônia foi assistida por Brian May, Roger Taylor, Montserrat Caballé e o pai de Freddie, assim como por milhares de pessoas.[43] A partir de 2003, fãs de várias partes da Europa começaram a se reunir anualmente em frente a estátua de Montreux para prestar tributo ao cantor, com a banda Bearpark And Esh Colliery apresentando canções do Queen.[43] Em 1999, a Royal Mail imprimiu uma série de selos nacionais com o rosto de Freddie, como sinal de respeito.[44]

Em 2009, uma estrela foi colocada em uma calçada de Londres no local em que a família de Freddie desembarcou na cidade em 1964, em uma cerimônia assistida por Brian May e pela mãe do cantor.[45] A partir de 2009, uma compilação de vídeos em sua homenagem passou a ser exibida toda semana em um telão em frente ao Fremont Street Experience, um dos maiores cassinos de Las Vegas.[45] No mesmo ano, foi inaugurada uma estátua de Mercury em frente ao Teatro Playhouse na cidade escocesa de Edimburgo.[46] Outra grande estátua está localizada em frente ao Teatro Dominion de Londres, onde o musical We Will Rock You, baseado nas canções do Queen, é apresentado.[46]

Em celebração dos sessenta e cinco anos de Mercury, o Google o homenageou com seu logotipo em sua página online de pesquisas, que por algumas semanas mostrava uma animação de Freddie cantando "Don't Stop Me Now".[47] Outro grande tributo foi pago na Cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Verão de 2012, quando foram mostradas em vários telões do Estádio Olímpico de Londres a gravação de Freddie realizando sua "chamada e resposta" com a plateia de Wembley em 1986, e a multidão de espectadores e atletas no local respondeu adequadamente.[48] Em seguida, Brian May e Roger Taylor tocaram "We Will Rock You" com a cantora Jessie J no vocal.[49]

Representações na mídia[editar | editar código-fonte]

Em 24 de novembro de 1997, um monodrama baseado na vida de Mercury, o Mercury: The Afterlife and Times of a Rock God, estreou em Nova Iorque, nos Estados Unidos.[50] A peça apresenta "Freddie", interpretado por Khalid Gonçalves, examinando sua vida, em um texto de Charles Messina.[50] Billy Squier abria a peça interpretando a canção acústica "I Have Watched You Fly", que ele escreveu.[50]

Em 2010, numa entrevista para a BBC, Brian May revelou que o ator Sacha Baron Cohen, conhecido por seus personagens cômicos como Ali G e Borat, havia sido escolhido para interpretar Mercury em um filme sobre sua vida.[51] O roteiro está sendo escrito por Peter Morgan e vai ser produzido pela TriBeCa Productions de Robert De Niro, com a história indo desde a formação do Queen até a apresentação no Live Aid.[51] Em abril de 2011, May confirmou que o filme ainda será feito, com previsão para ser gravado em 2014, no entanto, Sacha Baron desistiu do papel e seu substituto não foi revelado.[52]

Freddie foi retratado como um personagem de apoio na série britânica Best Possible Taste: The Kenny Everett Story, exibido em outubro de 2012, interpretado por James Floyd.[53]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Com o Queen, Mercury lançou quinze álbuns, incluindo um disco póstumo, e também lançou dois álbuns solo.[4] Os discos estão listados a seguir:

Referências

  1. a b Freddie Mercury- Biografia (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 30 de julho de 2013.
  2. a b c d e f g h Peter Freestone. Freddie Mercury: Uma Memória Íntima do Homem que Melhor o Conhecia (em Inglês). [S.l.]: Omnibus Press, 2001. Capítulo: "O que eu sei sobre a infância", pg 20. , 0-7119-8674-6
  3. a b c Peter Freestone. Freddie Mercury: Uma Memória Íntima do Homem que Melhor o Conhecia (em Inglês). [S.l.]: Omnibus Press, 2001. Capítulo: "O que eu sei sobre a infância", pg 22. , 0-7119-8674-6
  4. a b c d e f g h i j Queen (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 30 de julho de 2013.
  5. a b c 1991: Morre Gigante do Rock (em Inglês) BBC.uk (24 de novembro de 1991). Página visitada em 30 de julho de 2013.
  6. a b c d e f g O Misterioso Sr. Mercury (em Inglês) BBC.uk (12 de novembro de 2011). Página visitada em 30 de julho de 2013.
  7. a b c A Estrela: AIDS Mata o Rei do Rock (em Inglês) QueenArchives.com. Página visitada em 30 de julho de 2013.
  8. a b Os Pontos Altos e Baixos do Brit Awards (em Inglês) BBC.uk. Página visitada em 30 de julho de 2013.
  9. a b c d "Freddie, eu sempre vou te amar" (em Inglês) Mercury.uk (28 de novembro de 1991). Página visitada em 30 de julho de 2013.
  10. a b c Descoberta a Última Aparição de Freddie Mercury (em Inglês) Independent.uk (30 de maio de 2011). Página visitada em 30 de julho de 2013.
  11. a b Made in Heaven- Queen (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 30 de julho de 2013.
  12. a b c d e f Peter Freestone. Freddie Mercury: Uma Memória Íntima do Homem que Melhor o Conhecia (em Inglês). [S.l.]: Omnibus Press, 2001. Capítulo: "Até o Fim", pg 107. , 0-7119-8674-6
  13. Queen- Queen (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  14. Queen II- Queen (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  15. Sheer Heart Attack- Queen (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  16. a b A Night at the Opera- Queen (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  17. A Day at the Races- Queen (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  18. News of the World- Queen (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  19. Queen: História nas Paradas (em Inglês) Billboard.com. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  20. a b c d O Rock Estiloso do Queen (em Inglês) QueenArchives.com. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  21. a b Entrevista com Roy Thomas Baker & Gary Langan- Fazendo "Bohemian Rhapsody" do Queen (em Inglês) SoundOnSound.com (Outubro de 1995). Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  22. The Works- Queen (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  23. a b Concertos do Queen- The Works 1985 (em Inglês) QueenConcerts.com. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  24. Mr. Bad Guy- Freddie Mercury (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  25. The Miracle- Queen (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  26. Barcelona- Montserrat Caballé / Freddie Mercury (em Inglês) Allmusic. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  27. Freddie Mercury: O Concerto de Tributo (em Inglês) ABC.net (20 de agosto de 2007). Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  28. a b c d e f g h i Soto-Morettini. Música Popular: Um Guia Prático para: Pop, Jazz, Blues, Rock, Country e Gospel (em Inglês). [S.l.]: A & C Black, 2006. Capítulo: "O Verdadeiro Poder Vocal", pg 92. , 978-0713672664
  29. a b c Luz! Ação! Som! Uma Coisinha Louca Chamada Amor (em Inglês) QueenOnline.com (1980). Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  30. Freddie Mercury: A Lenda Homenageada (em Inglês) FemaleFirst.uk (8 de abril de 2005). Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  31. a b Leitores da Rolling Stone escolhem os melhores vocalistas da história (em Inglês) RollingStone.com. Página visitada em 7 de agosto de 2013.
  32. a b c d Laura Jackson. Mercury: O Rei do "Queen" (em Inglês). [S.l.]: Smith Gryphon, 1997. Capítulo: "Mágica ao Vivo", pg 14. , 1-85685-132-X.
  33. Laura Jackson. Mercury: O Rei do "Queen" (em Inglês). [S.l.]: Smith Gryphon, 1997. Capítulo: "Mágica ao Vivo", pg 15. , 1-85685-132-X.
  34. a b c Jeffrey Hudson. Freddie Mercury & Queen (em Inglês). [S.l.]: Castle Communications, 1997. Capítulo: "O Show Continua", pg 14. , ISBN 1-86074-040-5.
  35. a b c d Del James. "The Rolling Stone Interview: Axl Rose (Part I)". Rolling Stone. 10 de Agosto de 1989.
  36. Este é o Verdadeiro Conteúdo da Carta de Suicídio de Kurt Cobain (em Inglês) KurtCobainSuicideNote.com. Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  37. "Killer Queen" de Katy Perry para mulheres (em Inglês) Fragrantica.com. Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  38. Personalidade de Palco d Lady Gaga Surgiu em Parsippany, Nova Jersey (em Inglês) NJ.com (21 de janeiro de 2010). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  39. a b As 22 Maiores Vozes (MTV) (em Inglês) AmIAnnoying.com. Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  40. Plant ainda está no topo (em Inglês) TheSunUK.com (2 de janeiro de 2009). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  41. Maiores Cantores da História (em Inglês) NME.com (25 de Maio de 2011). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  42. Leitores da "Gigwise" nomeiam Freddie Mercury o maior vocalista da história (em Inglês) Gigwise.com (7 de junho de 2013). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  43. a b c Mercury: Explosão de Heavy Metal e Jazz (em Inglês) SMH.com (26 de março de 2011). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  44. Millenium Stamps: Freddie Mercury e diversão (em Inglês) BBC.uk (24 de maio de 1999). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  45. a b Memorial a Freddie Mercury realizado em Feltham (em Inglês) RichmondTwinckenhamTimes.com (24 de novembro de 2009). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  46. a b Notícias do Queen- Dezembro de 2009 (em Inglês) BrianMay.com (15 de dezembro de 2009). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  47. Google celebra aniversário de Freddie Mercury com vídeo animado de "Don't Stop Me Now" (em Inglês) Mirror.uk (5 de setembro de 2011). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  48. Cerimônia de Encerramento das Olimpíadas: Um Longo Adeus aos Jogos (em Inglês) BBC.uk (13 de agosto de 2012). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  49. Recorde de Audiência para o Encerramento das Olimpíadas (em Inglês) Telegraph.uk (13 de agosto de 2012). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  50. a b c Freddie Mercury Resurge Novamente (em Inglês) PlayBill.com (24 de novembro de 1997). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  51. a b Notícia: Sacha Baron Cohen vai viver Freddie Mercury (em Inglês) Time.com (17 de setembro de 2010). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  52. Sacha Baron Cohen desiste de interpretar Freddie Mercury por diferenças criativas com o Queen (em Inglês) DeadLine.com (22 de julho de 2013). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  53. Best Possible Taste: The Kenny Everett Story (em Inglês) BBC.uk (27 de junho de 2013). Página visitada em 9 de agosto de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons