Guerra Civil da Somália

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Guerra Civil Somali)
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra Civil da Somália
Parte de Conflitos no Chifre da África
Black Hawk Down Super64 over Mogadishu coast.jpg
Um helicóptero UH-60 Black Hawk, pairando sobre o litoral de Mogadíscio.
Período 1991 - presente
Local Somália
Resultado Conflito em andamento
  • Queda do regime do ditador Siad Barre
  • Ascensão de um novo governo somali
  • Conflito entre militantes islamitas e o governo
Baixas
300 000 -500 000 mortos [1] [2] [3]
Um tanque M47 do antigo governo somali abandonado.

A Guerra Civil da Somália é uma guerra civil em andamento na República da Somália. O conflito, que começou em 1991, tem causado a desestabilização de todo o país, com a fase atual do conflito vendo o governo do país perder o controle substancial do estado para as forças rebeldes. Os distúrbios compreendiam inicialmente uma série de confrontos entre diversas facções tribais, mas desde meados da década de 2000, assumiu um tom islâmico militante.

De 2006-2009, a Força de Defesa Nacional da Etiópia estava envolvida no conflito. O governo da Somália declarou o estado de exceção em junho de 2009, solicitando apoio internacional imediato, e a intervenção militar dos países vizinhos do Leste Africano.

Queda de Siad Barre (1986-1992)[editar | editar código-fonte]

A Revolução da Somália teve início em 1986, quando Siad Barre começou a atacar grupos dissidentes baseados em clãs contrários a seu governo com suas forças especiais, os "Boinas Vermelhas" (Duub Cas). A primeira fase da guerra civil resultou de revoluções contra o regime repressivo de Siad Barre. Depois de sua expulsão do poder em 26 de janeiro de 1991, uma contra-revolução ocorreu, na tentativa de reintegrá-lo como líder do país.

A situação cada vez mais violenta e caótica evoluiu para uma crise humanitária e para um estado de anomia.

Mais tarde, em 1991, para isolá-la dos combates mais violentos no sul, a região da Somália, Somalilândia, declarou-se independente, apesar de sua soberania não ser reconhecida por qualquer nação ou organização internacional. Compreende a região noroeste do país, entre o Djibuti e a área do nordeste conhecida como Puntland.

Intervenção das Nações Unidas[editar | editar código-fonte]

A Resolução 733 do Conselho de Segurança das Nações Unidas e a Resolução 746, levaram à criação da UNOSOM I, a primeira missão proposta para fornecer ajuda humanitária e auxiliar na restauração da ordem na Somália após a dissolução do seu governo central.

A Resolução 794 foi aprovada por unanimidade em 03 de dezembro de 1992, que aprovou uma coalizão de forças de paz das Nações Unidas lideradas pelos Estados Unidos para formar a UNITAF, encarregada de assegurar que a ajuda humanitária fosse distribuída e a paz fosse estabelecida na Somália. As tropas humanitárias da ONU desembarcaram em 1993 e começaram um esforço de dois anos (principalmente no sul) para aliviar as condições de fome.

Os críticos do envolvimento dos EUA argumentaram que o Governo dos Estados Unidos estava entrando para ganhar o controle de concessões de petróleo para as empresas americanas. Enquanto a Somália não tinha reservas comprovadas de petróleo, poderia haver petróleo ao largo da Puntland. Eles observaram que "um pouco antes do Presidente Mohamed Siad Barre (pró-EUA) ser derrubado em 1991, quase dois terços do território do país haviam sido concedidos como concessões de petróleo para Conoco, Amoco, Chevron e Phillips. A Conoco até emprestou o seu complexo corporativo em Mogadíscio para a embaixada dos EUA poucos dias antes dos fuzileiros navais desembarcarem, com o enviado especial da primeira administração de George W. Bush usando-o como seu quartel-general temporário." A exploração de petróleo permanece controversa e o Governo Federal de Transição tem alertado os investidores a não fazer acordos até que a estabilidade mais uma vez seja conduzida ao país.

Entre junho e outubro de 1993, várias batalhas entre homens locais armados em Mogadíscio e forças de paz resultaram na morte de 24 soldados do Paquistão e 19 soldados dos Estados Unidos (o total de mortes americanas foram 31), a maioria dos quais foram mortos na Batalha de Mogadíscio. Cerca de 1000 milicianos somalis foram mortos nesta batalha. O Conselho de Segurança na Resolução 837, condenou os ataques. O incidente mais tarde se tornou a base para o livro e filme, Black Hawk Down. A ONU se retirou em 03 de março de 1995, tendo sofrido baixas mais significativas.

Ascensão e queda da UTI, Intervenção da Etiópia, e o GFT (2006-2009)[editar | editar código-fonte]

Bandeira da Al-Shabaab, uma das facções que dão suporte à União dos Tribunais Islâmicos.

Em 2004, o Governo Federal de Transição (GFT) foi fundado em Nairobi, no Quênia. As questões ainda eram muito caóticas na Somália, para que fosse realizado em Mogadíscio. No início de 2006, o GFT mudou-se para estabelecer uma sede temporária do governo em Baidoa.

Durante o início de 2006, a Aliança para a Restauração da Paz e Contraterrorismo (ARPCT) foi formada como uma aliança de maioria secular baseada nos senhores da guerra de Mogadíscio. Os senhores da guerra foram apoiados por financiamentos da CIA dos Estados Unidos. Eles se opuseram à ascensão da lei Sharia orientada pela União dos Tribunais Islâmicos (UTI), que havia rapidamente consolidado o poder. Isto levou a um conflito cada vez maior na capital.

O crescimento do poder da União dos Tribunais Islâmicos[editar | editar código-fonte]

Situação territorial somali no final de dezembro de 2006

Até junho de 2006, a UTI conseguiu capturar a capital, Mogadíscio, na Segunda Batalha de Mogadíscio. Eles expulsaram os ARPCT de Mogadíscio, e conseguiram convencer ou forçar outros senhores da guerra a aderir a sua facção. Sua base de poder cresceu à medida que se expandiu para as fronteiras de Puntland e assumiu o sul e o meio de Jubaland.

A base do crescente poder do movimento islâmico e da militância levou a cada vez mais aberta, a guerra entre os islamitas e as outras facções da Somália, incluindo o Governo Federal de Transição (GFT), Puntland e Galmudug, o último dos quais formados como um estado autônomo, especificamente para resistir aos islamitas. Isso também causou a intervenção da Etiópia, que apoiava as forças seculares da Somália. A UTI supostamente obteve o apoio do rival da Etiópia, a Eritreia e mujahideen estrangeiros, e declarou a jihad contra a Etiópia, em resposta à sua ocupação de Gedo e a movimentação de tropas em torno de Baidoa.

A Intervenção da Etiópia e o colapso da União dos Tribunais Islâmicos[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2006, a UTI e o GFT começaram a Batalha de Baidoa. O combate também eclodiu em torno da cidade somali de Bandiradley em Mudug e Beledweyn na região de Hiran. A UTI teve como objetivo forçar o etíopes a se retirar do território somali. No entanto, eles foram derrotados em todas as grandes batalhas e forçados a retirar-se para Mogadíscio. Após a ação rápida final na Batalha de Jowhar em 27 de dezembro, os líderes da UTI renunciaram.

Após a Batalha de Jilib, travada em 31 de dezembro de 2006, Kismayo caiu para as forças do GFT e da Etiópia, em 01 de janeiro de 2007 O primeiro-ministro Ali Mohammed Ghedi chamou o país para começar a desarmar-se. Ao longo de sua primeira década de independência, a Somália foi conduzida por um governo de orientação democrática.

A Intervenção dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Aeronave AC-130 da USAF

Em janeiro de 2007 os Estados Unidos intercederam militarmente no país pela primeira vez desde a intervenção da ONU na década de 1990, conduzindo ataques aéreos usando aeronaves armadas AC-130 contra posições islâmicas em Ras Kamboni, como parte dos esforços para capturar ou matar militantes da Al-Qaeda supostamente incorporados nas forças da UTI. Relatos não confirmados também afirmaram que os EUA estavam em solo com as forças somalis e etíopes desde o início da guerra. As forças navais também foram enviadas para impedir a fuga por mar, e a fronteira com o Quênia foi fechada.

A insurgência islâmica e o reaparecimento de combates entre clãs[editar | editar código-fonte]

Mal haviam sido enviadas ao campo de batalha, as tropas da UTI se dispersaram para começar uma guerra de guerrilha contra as forças governamentais etíopes e somalis. Simultaneamente, o fim da guerra foi seguido por uma continuação de conflitos tribais existentes.

Para ajudar a estabelecer a segurança, a Missão da União Africana para a Somália (AMISOM) foi autorizada a ser implantada tanto como o envio de 8.000 soldados ao país. Esta missão ampliou o âmbito dos países que poderiam participar da missão anterior liderada pelas nações baseadas no Corno de África da Autoridade Intergovernamental de Desenvolvimento (IGAD). O grupo islâmico líder da insurgência, conhecido como o Movimento de Resistência Popular na Terra das Duas Migrações (PRM), prometeu se opor à presença de tropas estrangeiras.

Guerra na Somália (2009-presente)[editar | editar código-fonte]

Mulheres e crianças à espera para entrar num campo de refugiados superpovoado em Dadaab, Quénia.

Em dezembro de 2008, os soldados etíopes se retiraram da Somália, deixando para trás um contingente da União Africana de vários milhares de tropas para ajudar o frágil governo de coalizão e as suas tropas a imporem a sua autoridade. Após a retirada da Etiópia da Somália, a metade sul do país rapidamente caiu nas mãos dos rebeldes islâmicos radicais. Os rebeldes rapidamente haviam encaminhado o governo e as tropas da UA em várias províncias-chave, estabelecendo a lei sharia em áreas sob seu controle. Em 7 de maio de 2009, os rebeldes atacaram a capital Mogadíscio, capturando grande parte da cidade, mas não derrubando o governo, que manteve o controle sobre alguns poucos quilômetros quadrados da cidade.

O ex-Secretário Geral da ONU Boutros Boutros-Ghali e Ahmedou Ould Abdallah, enviado especial da ONU para a Somália têm se referido ao assassinato de civis na Guerra Civil da Somália como um "genocídio", e a Rede de Intervenção de Genocídios enumera a Somália como uma área de preocupação.

A evolução da guerra em mapas[editar | editar código-fonte]

Mapa mostrando as varias áreas de controle e as regiões de Somália (situação no início de outubro de 2006):
rosa - Somalilândia (auto-proclamada independente, não reconhecida internacionalmente);
azul - Puntlândia (estado declarado autonônomo);
verde - Jubalândia (7, 9 e 10 - autonomia regional declarada, associada com o Governo de TRansição Federal - TFG) e o restante Somália do Sudoeste (status indefinido);
vermelho - Mogadíscio (controlado pela União das Cortes Islâmicas - ICU);
cinza - sem governo.
Mapa mostrando as varias áreas de controle e as regiões de Somália (situação no final de 2006):
rosa - Somalilândia (auto-proclamada independente, não reconhecida internacionalmente);
azul - Puntlândia (estado declarado autonônomo);
amarelo escuro - controlado diretamente pela União das Cortes Islâmicas - ICU (inclui Mogadíscio);
ameralo claro - aliado ao ICU;
laranja - controlado pelo Governo de Transição Federal - TFG;
ponto branco - Baidoa, sede do TFG;
verde claro - Somália do Sudoeste (autonomia regional declarada, associada com o TFG);
linha verde - antiga fronteira oriental da Somália do Sudoeste;
violeta - Jubalândia (autonomia regional declarada, associada com o TFG);
cinza - sem governo.
Mapa mostrando as varias áreas de controle e as regiões de Somália (situação no início de fevereiro de 2007):
rosa - Somalilândia (auto-proclamada independente, não reconhecida internacionalmente);
azul claro - Puntlândia (estado declarado autonônomo);
amarelo - Jubalândia (autonomia regional declarada, associada com o Governo Transicional Federal - TFG);
laranja - Somália do Sudoeste (autonomia regional declarada, associada com o TFG);
violeta - Galmudug (autonomia regional declarada);
azul escuro - controlado diretamente Governo Transicional Federal - TFG;
cinza - sem governo.

Referências

  1. Twentieth Century Atlas – Death Tolls and Casualty Statistics for Wars, Dictatorships and Genocides. Users.erols.com. Página visitada em 20 de abril de 2011.
  2. c.f. UCDP datasets for SNA, SRRC, USC, SNM, ARS/UIC and Al-Shabaab tolls.
  3. UCDP non-state conflict tolls

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Guerra Civil da Somália