Voo Japan Airlines 123

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Voo Japan Airlines 123
Aeronave Boeing 747 de prefixo JA8119 em 1984
Sumário
Data 12 de agosto de 1985 (29 anos)
Causa Falha estrutural devido a má manutenção, perda do sistema hidráulico e descompressão explosiva
Local Japão Monte Takamagahara, Japão
Coordenadas 36° 0′ N 138° 41′ E
Origem Aeroporto Internacional de Tóquio, Japão
Destino Aeroporto Internacional de Osaka, Japão
Passageiros 509
Tripulantes 15
Mortos 520
Feridos 4
Sobreviventes 4
Aeronave
Modelo Boeing 747-146SR
Operador Japão Japan Airlines
Prefixo JA8119
Ilustração do Boeing 747 sem o estabilizador vertical.

O Voo 123 da Japan Airlines era um voo doméstico de Tóquio para Osaka. O Boeing 747-SR46 mudou a sua rota, colidindo-se no Monte Takamagahara a 100 km de Tóquio, em 12 de Agosto de 1985.

É o segundo maior acidente da história da aviação, apenas ultrapassado pelo desastre aéreo de Tenerife, e o mais mortífero com apenas um avião. Entre os 520 mortos estava o famoso cantor Kyū Sakamoto.

Sequência de eventos[editar | editar código-fonte]

Rota do voo.
Animação do tailstrike ocorrido na aeronave 7 anos antes do acidente.

O voo saiu às 18h12min. Decorridos os primeiros 12 minutos, enquanto a aeronave alcançava a sua altitude de cruzeiro sobre a baía Sagami, rompeu-se o selo traseiro de pressurização, resultando na perda do estabilizador vertical e outras partes que caíram no mar, despressurizando a cabine e danificando severamente as quatro linhas hidráulicas da aeronave. Os pilotos sintonizaram o rádio numa frequência exclusiva para emergências dirigida a Tóquio onde se lhes permitiu a aterragem proporcionando-lhes os vetores principais para uma aterragem de emergência. Continuando os problemas solicitaram os vectores de regresso a Haneda e depois a Yokota (onde há uma base militar dos E.U.A.), mas regressaram a Haneda, já que a aeronave começava a voar sem controle.

Com a perda de controle total das superfícies estabilizadoras o avião começou a oscilar elevando-se e descendo no que é conhecido como um ciclo fugoide, um modo de voo típico em acidentes de aeronaves em que os controlos estão indisponíveis. Depois de descer a 4100 m, os pilotos reportaram que a aeronave estava totalmente incontrolável, e sobrevoaram a península de Izu dirigindo-se para o oceano Pacífico e depois para a praia, descendo a 2.100m. Os pilotos conseguiram elevar a altitude para 4000 m antes de entrar numa descida vertiginosa através das montanhas e desapareceram do radar às 18h56min, a 2100 m de altitude. Durante as oscilações que precederam a queda da aeronave, os pilotos implementaram uma medida de controle usando a reação das turbinas. Os momentos finais do avião ocorreram quando colidiu em uma montanha como resultado da perda de controle, batendo na encosta. Trinta minutos depois da falha até ao momento do impacto, tempo esse que permitiu que alguns passageiros escrevessem notas de despedida a seus familiares.

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

O acidente foi objeto de referência no álbum Reise, Reise da banda alemã Rammstein. O álbum inclui (em algumas versões, secretamente) o registro sonoro dos 40 últimos segundos do voo Japan Airlines 123. Também há referências na capa do álbum (que imita uma caixa-preta danificada de avião) e também na música Dalai Lama, que se ambienta num acidente aéreo.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.