Voo Japan Airlines 123

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Voo Japan Airlines 123
Aeronave Boeing 747 de prefixo JA8119 em 1984
Sumário
Data 12 de agosto de 1985 (28 anos)
Causa Falha estrutural devido a má manutenção, perda do sistema hidráulico e descompressão explosiva
Local Japão Monte Takamagahara, Japão
Coordenadas 36° 0′ N 138° 41′ E
Origem Aeroporto Internacional de Tóquio, Japão
Destino Aeroporto Internacional de Osaka, Japão
Passageiros 509
Tripulantes 15
Mortos 520
Feridos 4
Sobreviventes 4
Aeronave
Modelo Boeing 747-146SR
Operador Japão Japan Airlines
Prefixo JA8119
Ilustração do Boeing 747 sem o estabilizador vertical.

O Voo 123 da Japan Airlines era um voo doméstico de Tóquio para Osaka. O Boeing 747-SR46 mudou a sua rota, colidindo-se no Monte Takamagahara a 100 km de Tóquio, em 12 de Agosto de 1985.

É o segundo maior acidente da história da aviação, apenas ultrapassado pelo desastre aéreo de Tenerife, e o mais mortífero com apenas um avião. Entre os 520 mortos estava o famoso cantor Kyū Sakamoto.

Sequência de eventos[editar | editar código-fonte]

Rota do voo.
Animação do tailstrike ocorrido na aeronave 7 anos antes do acidente.

O voo saiu às 18h12min. Decorridos os primeiros 12 minutos, enquanto a aeronave alcançava a sua altitude de cruzeiro sobre a baía Sagami, rompeu-se o selo traseiro de pressurização, resultando na perda do estabilizador vertical e outras partes que caíram no mar, despressurizando a cabine e danificando severamente as quatro linhas hidráulicas da aeronave. Os pilotos sintonizaram o rádio numa frequência exclusiva para emergências dirigida a Tóquio onde se lhes permitiu a aterragem proporcionando-lhes os vetores principais para uma aterragem de emergência. Continuando os problemas solicitaram os vectores de regresso a Haneda e depois a Yokota (onde há uma base militar dos E.U.A.), mas regressaram a Haneda, já que a aeronave começava a uear sem controle.

Com a perda de controle total das superfícies estabilizadoras o avião começou a oscilar elevando-se e descendo no que é conhecido como um ciclo fugoide, um modo de voo típico em acidentes de aeronaves em que os controlos estão indisponíveis. Depois de descer a 4100 m, os pilotos reportaram que a aeronave estava totalmente incontrolável, e sobrevoaram a península de Izu dirigindo-se para o oceano Pacífico e depois para a praia, descendo a 2.100m. Os pilotos conseguiram elevar a altitude para 4000 m antes de entrar numa descida vertiginosa através das montanhas e desapareceram do radar às 18h56min, a 2100 m de altitude. Durante as oscilações que precederam a queda da aeronave, os pilotos implementaram uma medida de controle usando a reação das turbinas. Os momentos finais do avião ocorreram quando colidiu em uma montanha como resultado da perda de controle, batendo na encosta. Trinta minutos entre a falha até ao momento de impacto.

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

O acidente foi objeto de referência no álbum Reise, Reise da banda alemã Rammstein. O álbum inclui (em algumas versões, secretamente) o registro sonoro dos 40 últimos segundos do voo Japan Airlines 123. Também há referências na capa do álbum (que imita uma caixa-preta danificada de avião) e também na música Dalai Lama, que se ambienta num acidente aéreo.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.