Campeonato de Portugal (1922-1938)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Campeonato de Portugal era uma competição portuguesa de futebol antecessora à Taça de Portugal organizada pela Federação Portuguesa de Futebol e que apurava até 1938 o campeão de Portugal (no entanto os seus títulos não contam como títulos da Primeira Liga).

História[editar | editar código-fonte]

O "Escudo Português" está sempre presente no equipamento do campeão nacional.

O Campeonato de Portugal foi a primeira competição nacional do futebol português. A sua antiguidade, e o seu fim em 1938, talvez tenham votado a memória da prova a um certo abandono, com os próprios vencedores da competição a listarem as suas vitórias na competição em plano de pouco destaque, não lhe dedicando a atenção que sempre deram a outras provas.

A prova que surgiu para coroar o Campeão de Portugal – assim era reconhecido o vencedor da competição – disputava-se em eliminatórias, à imagem da Taça de Portugal, que começou na época 1938/39, para substituir precisamente esta competição (no entanto, os títulos dos Campeonatos de Portugal não contam como títulos da Taça de Portugal).

A história do Campeonato de Portugal começa com o primeiro jogo internacional realizado pela seleção nacional. Foi a 18 de dezembro de 1921 que a seleção portuguesa se estreou ao defrontar a seleção espanhola em Madrid.

Nos primeiros anos dos anos 20 o futebol português era ainda profundamente atrasado e amador. A derrota em Madrid (3-1) até não fora muito pesada, tendo em conta as expectativas.

Sem nenhuma prova nacional e com apenas três campeonatos regionais (Lisboa e Porto, com algumas competições irregulares na Madeira) não era fácil escolher um conjunto de jogadores. Marcou-se então um jogo entre a seleção de Lisboa e a seleção do Porto – que à partida deixava de fora o resto do país – para se escolherem os eleitos. Contudo o jogo acabou por não ter lugar, provocando a ira entre os adeptos portuenses.

Apesar dos protestos e do boicote pedido pela Associação de Futebol do Porto, dois jogadores da Invita juntaram-se à comitiva. A derrota, esperada, lançou o debate sobre a necessidade de se organizar uma competição nacional de futebol.

A imprensa desportiva fez campanha para se organizar uma competição de cariz nacional. Por diversos motivos tanto de natureza social, financeira e até política, mas sobretudo por questões desportivas, a primeira edição da prova, marcada para o fim da primavera, seria disputada apenas pelos campeões de Lisboa e Porto, respetivamente Sporting e FC Porto.

O primeiro embate jogou-se no Campo da Constituição no Porto. Era o dia 4 de junho de 1922. A imprensa da época faz referência a uma multidão entusiasta no apoio à equipa da casa. Era a primeira vez que o FC Porto enfrentava um dos grandes de Lisboa numa partida de cariz oficial.

Os leões adiantaram-se por intermédio de Emílio Ramos. Tavares Basto empatou à passagem dos 25 minutos e fechou a reviravolta a quatro minutos dos 90.

Uma semana depois, no Campo Grande, em Lisboa, os leões venceram por 2-0, o que obrigou à realização de um jogo de desempate que teve lugar uma semana mais tarde, no Campo do Bessa, novamente na Invita.

A atmosfera carregada, com os adeptos portistas a receberem os lisboetas de forma hostil e intimidatória, provocou brado na altura e teria na eco na imprensa lisboeta:

"Durante o match a assistência exerceu sempre uma enorme pressão sobre os rapazes do Sporting insultando-os (...) e chegando até (...) a atirar tiros para o ar quando os jogadores do FC Porto conseguiam vantagem...".

O FC Porto venceria o jogo após prolongamento (3-1) sagrando-se o primeiro campeão de Portugal.

A segunda edição da prova já aceitou a participação dos campeões regionais de Braga (Sporting de Braga), Faro (Lusitano VRSA), Madeira (Marítimo) e Coimbra (Académica).

A final seria disputada em Faro entre leões e estudantes. A Académica foi a grande sensação da prova, pois teve de disputar três jogos para chegar à final, enquanto os leões só entraram na prova nas meias finais tal como o FC Porto, que eliminou por 3-0 em Lisboa.

Um ano mais tarde, o FC Porto era o grande favorito, mas a vitória acabaria por sorrir ao Olhanense, com os algarvios a baterem os portistas (4-2) na grande final.

Na época 1924/25, portistas e leões voltaram a enfrentar-se na final, com a vitória a sorrir novamente ao FC Porto (2-1). Em 1926 seria a vez do Marítimo inscrever o seu nome na lista dos campeões de Portugal, depois de bater o Belenenses (2-0) na final disputada no Ameal no Porto.

Para a história ficara a goleada com que os verde-rubros tinham brindado o campeão FC Porto no Funchal (7-0) na meia-final.

Na época seguinte o competição sofreu uma alteração radical, permitindo a participação de mais do que duas equipas de Lisboa e Porto, assim como de duas equipas de Beja, Setúbal, Braga, Aveiro e Coimbra.

Ao todo participaram 27 equipas de 13 distritos. Curiosamente, o Benfica participava pela primeira vez na prova, chegando à meia-final, onde seria eliminado pelo Belenenses, que conquistou o troféu pela primeira vez, batendo os sadinos por 3-0 no jogo decisivo.

O domínio das equipas lisboetas cimentava-se com o Carcavelinhos a bater o Sporting na final de 1928. Na época seguinte seria a vez do Belenenses a reconquistar o troféu, vencendo o União Lisboa por 2-1, tornando-se assim no segundo clube a vencer a prova por duas vezes.

1930 marca a estreia vitoriosa dos encarnados na prova, numa vitória por 3-1 sobre o Barreirense. Um ano mais tarde as águias tornaram-se o primeiro clube a festejar o bicampeonato, ao baterem o FC Porto por 3-0 na grande final, a primeira disputada entre os dois clubes.

Na época 1931/32, os azuis de Belém e os portistas decidiam entre si qual seria o primeiro clube a vencer a prova por três vezes. Os nortenhos levaram a melhor após o jogo de desempate, mas o Belenenses não desistiu e na época seguinte bateu o Sporting (3-0) e igualou os portistas no número de troféus.

O Sporting voltaria à lista de vencedores na época 1934 depois de derrotar o Barreirense num jogo épico (4-3). Em 1935 disputou-se a primeira final entre os velhos rivais lisboetas e o Benfica ganhou o jogo, igualando o FC Porto e o Belenenses em títulos.

Os leões tomaram o gosto pelas finais e bateram o Belenenses na edição seguinte, igualando os três rivais no número de troféus conquistados, mas o FC Porto reagiu e em 1937 bateu o Sporting e conquistou a prova pela quarta vez.

Em 1938 disputou-se o Campeonato de Portugal pela última vez e o Sporting conquistou o seu quarto troféu, superiorizando-se ao rival Benfica (3-1).

Quatro anos antes criara-se o Campeonato da Liga da I Divisão, uma prova disputada em moldes bem diferentes do Campeonato de Portugal. O surgimento do Campeonato Nacional da I Divisão teve muito a ver com uma nova derrota sofrida pela seleção nacional em Madrid por 9-0 no apuramento para o Mundial de 1934 em que várias vozes questionaram a competitividade do modelo do Campeonato de Portugal, nomeadamente o número reduzido de jogos disputados por cada equipa e o valor dos competidores em prova. Ricardo Ornelas escreveu no jornal "Os Sports" que se deveria realizar uma prova em poule, à semelhança do que acontecia na principais potências futebolísticas da Europa. No sentido de aumentar a competitividade do futebol português, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) encarregou Plácido de Souza, Ribeiro dos Reis, Cândido de Oliveira e Virgílio da Fonseca de elaborarem o projeto de uma nova competição em poule. No entanto, devido à situação económica do país, a FPF tinha dúvidas sobre a viabilidade económica da prova devido às deslocações a que os participantes estariam sujeitos, bem como sobre o acolhimento que teria junto do público. O vencedor da Liga era atribuído no fim da época, depois de todas as equipas se terem defrontado em casa e fora. A equipa que contabilizasse mais pontos vencia a prova. Participaram nesta primeira edição 8 clubes na Primeira Divisão (4 de Lisboa, 2 do Porto, 1 de Coimbra e 1 de Setúbal – os campeonatos regionais mais competitivos da época). Esta edição e as 3 seguintes foram organizadas de forma experimental para avaliar se seria compensador para os clubes, tendo em conta as viagens a fazer

O sucesso da prova foi imediato, não só económico mas sobretudo desportivo, com a sucessão de jogos disputados pelas melhores equipas, o que levou a que popularmente a prova relegasse para um plano secundário o Campeonato de Portugal. O jornalista Ricardo Ornelas por mais de uma ocasião no jornal “Os Sports” defendeu que o vencedor do Campeonato da Liga é que deveria ser considerado campeão nacional.

Num congresso realizado em agosto de 1938 dá-se uma remodelação dos regulamentos das provas da FPF em que ficou estabelecido acabar com os Campeonatos das Ligas da Primeira e Segunda Divisões e substituir o Campeonato de Portugal das jornadas em sucessivas eliminações por um campeonato de maior rigor e regularidade e pelo sistema de "poule" em duas voltas. Na prática traduziu-se apenas em renomear os Campeonato das Ligas da Primeira e Segunda Divisões para Campeonatos Nacionais da Primeira e Segundas Divisões (sendo muitas vezes abreviados para Primeira e Segunda Divisões) e renomear o Campeonato de Portugal para Taça de Portugal, de acordo com o relatório de atividades de 1938 da FPF. A designação Campeonato Nacional da Primeira Divisão manteve-se até 1999, tendo sido alterada para Primeira Liga.[1]

Curiosamente, o troféu seria o mesmo e ainda hoje, se se observar com atenção o troféu da Taça de Portugal, é fácil encontrar as placas com os vencedores do Campeonato de Portugal entre 1922 e 1938 ao lado dos vencedores da Taça de Portugal desde 1939 até aos nossos dias.

O Sporting e o FC Porto são os maiores vencedores do Campeonato de Portugal, com 4 títulos conquistados, seguidos de Benfica e Belenenses com 3 títulos, ao contrário da Taça de Portugal, competição na qual o Benfica é o que tem mais triunfos, com 26 Taças conquistadas.

Campeonato de Portugal[editar | editar código-fonte]

Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo(a) pela competição que a partir de 2015 passou a ser o 3º escalão nacional, veja Campeonato de Portugal (liga).

Vencedores[editar | editar código-fonte]

Época Vencedor Capitão Treinador
1922 FC Porto João Brito Adolphe Cassaigne
1922–23 Sporting Francisco Stromp Augusto Sabbo
1923–24 Olhanense Júlio Costa Júlio Costa
1924–25 FC Porto (2) Norman Hall Akös Teszler
1925–26 Marítimo Domingos Vasconcelos Francisco Ekker
1926–27 Belenenses Augusto Silva Artur José Pereira
1927–28 Carcavelinhos Carlos Canuto Carlos Canuto
1928–29 Belenenses (2) Artur José Pereira
1929–30 Benfica Jorge Tavares Artur John
1930–31 Benfica (2) Jorge Tavares Artur John
1931–32 FC Porto (3) Joseph Szabo
1932–33 Belenenses (3) Artur José Pereira
1933–34 Sporting (2) Filipe dos Santos
1934–35 Benfica (3) Gustavo Teixeira Vítor Gonçalves
1935–36 Sporting (3) Wilhelm Possak
1936–37 FC Porto (4) François Gutkas
1937–38 Sporting (4) Joseph Szabo

Finais[editar | editar código-fonte]

Finais do Campeonato de Portugal[2]
Época Vencedor Res. Finalista Local
1922 FC Porto 3 – 1 ap Sporting Campo do Bessa, Porto
1922–23 Sporting 3 – 0 Académica Santo Stadium, Faro
1923–24 Olhanense 4 – 2 FC Porto Campo Grande, Lisboa
1924–25 FC Porto 2 – 1 Sporting Campo de Monserrate, Viana do Castelo
1925–26 Marítimo 2 – 0 Belenenses Campo do Ameal, Porto
1926–27 Belenenses 3 – 0 Vitória de Setúbal Estádio do Lumiar, Lisboa
1927–28 Carcavelinhos 3 – 1 Sporting Campo do Palhavã, Lisboa
1928–29 Belenenses 3 – 1 União de Lisboa Campo do Palhavã, Lisboa
1929–30 Benfica 3 – 1 ap Barreirense Estádio do Campo Grande, Lisboa
1930–31 Benfica 3 – 0 FC Porto Campo do Arnado, Coimbra
1931–32 FC Porto 4 – 4 ap
2 – 1
Belenenses Campo do Arnado, Coimbra
1932–33 Belenenses 3 – 1 Sporting Estádio do Lumiar, Lisboa
1933–34 Sporting 4 – 3 ap Barreirense Estádio do Lumiar, Lisboa
1934–35 Benfica 2 – 1 Sporting Estádio do Lumiar, Lisboa
1935–36 Sporting 3 – 1 Belenenses Estádio do Lumiar, Lisboa
1936–37 FC Porto 3 – 2 Sporting Campo do Arnado, Coimbra
1937–38 Sporting 3 – 1 Benfica Estádio do Lumiar, Lisboa

Palmarés[editar | editar código-fonte]

Palmarés por clube[editar | editar código-fonte]

Durante as suas 17 edições 7 clubes venceram o Campeonato de Portugal.

Clubes Vencedores e Finalistas
Clube Títulos Finalistas Épocas dos títulos
1 Sporting 4 6 1922-23, 1933-34, 1935-36, 1937-38
2 FC Porto 4 2 1922, 1924-25, 1931-32, 1936-37
3 Belenenses 3 3 1926-27, 1928-29, 1932-33
4 Benfica 3 1 1929-30, 1930-31, 1934-35
5 Olhanense 1 - 1923-24
Marítimo 1 - 1925-26
Carcavelinhos 1 - 1927-28
8 Barreirense - 2 -
9 Académica - 1 -
Vitória de Setúbal - 1 -
União de Lisboa - 1 -

Palmarés por vitórias consecutivas[editar | editar código-fonte]

Somente 1 clube conseguiu vitórias consecutivas no Campeonato de Portugal.

Vitórias Consecutivas
Clube Bis
1 Benfica 1

Palmarés por treinador[editar | editar código-fonte]

Treinadores Vencedores
Treinador Títulos Clube
1 Portugal Artur José Pereira 3 Belenenses (3)
2 Inglaterra Artur John 2 Benfica (2)
Hungria Joseph Szabo 2 FC Porto (1), Sporting (1)
4 França Adolphe Cassaigne 1 FC Porto
Alemanha Augusto Sabbo 1 Sporting
Portugal Júlio Costa 1 Olhanense
Hungria Akös Teszler 1 FC Porto
Hungria Francisco Ekker 1 Marítimo
Portugal Carlos Canuto 1 Carcavelinhos
Portugal Filipe dos Santos 1 Sporting
Portugal Vítor Gonçalves 1 Benfica
Romênia Wilhelm Possak 1 Sporting
Áustria François Gutkas 1 FC Porto

Palmarés por Associação de Futebol[editar | editar código-fonte]

Vencedores por Associação de Futebol
Associação Títulos Clubes
1 Lisboa.PNG AF Lisboa 11 Sporting (4), Benfica (3), Belenenses (3), Carcavelinhos (1)
2 Flag of Porto.svg AF Porto 4 FC Porto (4)
3 Pt-far1.png AF Algarve 1 Olhanense (1)
Flag of Madeira.svg AF Madeira 1 Marítimo (1)

Recordes[editar | editar código-fonte]

  • Com 4 Campeonatos de Portugal conquistados por cada um, o Sporting e o FC Porto são os clubes com o recorde de títulos na prova.
  • Com 10 Finais disputadas o Sporting é o clube com o recorde de Finais na prova.
  • O Sporting é o clube com mais Finais perdidas (6 no total).
  • Em 1930–31 o Benfica tornou-se na única equipa a vencer dois Campeonatos de Portugal de forma consecutiva.
  • Em 1933–34 o Sporting venceu o Barreirense por 4–3, na final mais disputada do historial da prova.
  • Com 11 Campeonatos de Portugal conquistados por clubes seus filiados a Associação de Futebol de Lisboa lidera o palmarés das Associações de Futebol na prova.
  • Com 3 Campeonatos de Portugal conquistados Artur José Pereira lidera o palmarés de treinadores na prova.
  • Parreirão 1989
  • ZeroZero. «Campeonato de Portugal 1922-38»