Genocídio armênio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Genocídio arménio)
Ir para: navegação, pesquisa
Genocídio armênio
Armenians marched by Ottoman soldiers, 1915.png
Armênios escoltados por soldados otomanos marchando da cidade de Harput (atual Elazığ) para um campo de prisioneiros, abril de 1915.
Local: Império Otomano Império Otomano
Contexto: Primeira Guerra Mundial
Guerra de independência turca
Período: 1915-1923
Vítimas: Armênios
Tipo de agressão: Deportação, Assassinato em massa
Número de vítimas: 800 000 - 1 800 000[1][2][3][4]
Responsáveis: Império Otomano

Genocídio Armênio[5] (em arménio: Հայոց ցեղասպանություն; Hayots tseghaspanutyun), também conhecido como Holocausto Armênio,[6] Massacre Armênio e, tradicionalmente, como Medz Yeghern (em armênio: Մեծ Եղեռն; "Grande Crime")[7] foi o extermínio sistemático pelo governo otomano de seus súditos armênios, minoritários dentro de sua pátria histórica, que se encontra no território que constitui a atual República da Turquia. O número total de pessoas mortas como resultado do genocídio é estimado entre 800 mil e 1,5 milhão. O dia 24 de abril de 1915 é convencionalmente considerado a data de início dos massacres, quando as autoridades otomanas caçaram, prenderam e executaram cerca de 250 intelectuais e líderes comunitários armênios em Constantinopla.

O genocídio foi realizada durante e após a Primeira Guerra Mundial e executado em duas fases: a matança da população masculina sãos através de massacres e sujeição de recrutas do exército para o trabalho forçado, seguida pela deportação de mulheres, crianças, idosos e enfermos em marchas da morte que levavam ao deserto sírio. Impulsionada por escoltas militares, os deportados foram privados de comida e água e submetido a roubos, estupros e massacres periódicos.[8][9][10] Outros grupos étnicos nativos e cristãos, como os assírios e gregos otomanos, também foram igualmente perseguidos pelo governo otomano e seu tratamento é considerado por muitos historiadores como parte da mesma política genocida. A maioria das comunidades armênias que surgem após a diáspora deste povo por todo o mundo é um resultado direto do genocídio.

Raphael Lemkin foi expressamente movido pela aniquilação dos armênios ao cunhar a palavra genocídio em 1943 e definir extermínios sistemáticos e premeditados dentro dos parâmetros legais.[11] O genocídio armênio é reconhecido como tendo sido um dos primeiros genocídios modernos,[12][13][14] os estudiosos apontam para a forma organizada em que os assassinatos foram realizados a fim de eliminar o povo armênio, e é o segundo caso mais estudado de genocídio após o Holocausto, promovido pela Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial.[15] Atualmente este conceito é contestado por autores da segunda metade do século XX, pois o Império nunca teve uma concepção étnica ou colonial de Estado antes do genocídio, diferente do colonialismo europeu.[16][17][18]

A Turquia, o Estado sucessor do Império Otomano, nega o termo "genocídio" como uma definição exata para os assassinatos em massa de armênios, que começou sob o domínio otomano em 1915. Nos últimos anos, o governo turco têm enfrentado seguidas reivindicações para reconhecer o episódio como um genocídio. Até o momento, 29 países reconheceram oficialmente os assassinatos em massa como um genocídio,[19] uma visão que é compartilhada pela maioria dos estudiosos e historiadores deste período histórico.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Mais informações: Questão Armênia
As seis províncias armênias do Império Otomano.
Sultão Abdul Hamid II descrito nesta caricatura como o carniceiro dos armênios.

Desde o século XV, os armênios estavam sob o domínio do Império Otomano. Durante o domínio do Império Otomano, a ideia de independência começou a ganhar força entre os armênios. Com isso, o império começou, em 1909, com um massacre que matou 20 mil armênios. Além disso, durante a Primeira Guerra Mundial, o Império Otomano estava recrutando soldados para a guerra. Muitas minorias étnicas eram contra o recrutamento, inclusive os próprios armênios.[20] Com isso, em abril de 1915, o governo turco reuniu 250 líderes da comunidade armênia no império, sendo que alguns foram deportados e outros executados.[21] Depois de privar o povo de seus dirigentes, começou a deportação e o massacre dos armênios que habitavam os territórios asiáticos do império.[22][23]

Embora as reformas de 8 de fevereiro de 1914 não satisfizessem as exigências do povo armênio, pelo menos abriam o caminho para realizar o ideal pelo que havia lutado durante gerações, com sacrifício de inúmeros mártires. "Uma Armênia autônoma dentro das fronteiras do Império Otomano", era o anseio do povo armênio. Um mês mais tarde, em 28 de julho, começava a Primeira Guerra Mundial. Esse conflito resultou trágico, pois deu oportunidade ao movimento político dos Jovens Turcos de realizar seu premeditado projeto de aniquilação do povo armênio.[22][23]

Mewlan Zade Rifat, membro do Comitê de União e Progresso, em seu livro Bastidores obscuros da Revolução Turca, disse:[24]

O Dr. Nazim Bei escreveu:[25]

Batalha de Sarikamish[editar | editar código-fonte]

Em 24 de dezembro de 1914, o Ministro da Guerra Enver Paxá desenvolveu um plano para cercar e destruir o exército Russo do Cáucaso em Sarikamish, para recuperar territórios perdidos para o Império Russo após a guerra russo-turca de 1877-1878. Forças de Enver Paxá foram encaminhados à Batalha de Sarikamish, e quase completamente destruídas.[26]

No verão de 1914, unidades voluntárias armênias foram estabelecidos nas forças armadas russas. Como os recrutas armênios-russos já haviam sido enviados para a frente europeia, esta força foi unicamente estabelecida a partir de armênios que não eram russos ou que não foram obrigados a servir. Um representante Otomano, Karekin Bastermadjian (Armen Karo), também foi trazido a esta força. Inicialmente, contava com 20.000 homens, mas foi informado que o seu número aumentou posteriormente. Voltando para Constantinopla, Enver culpou publicamente sua derrota aos armênios da região por terem lutado ao lado dos russos.[27]

Batalhões de trabalho[editar | editar código-fonte]

Em 25 de fevereiro de 1915, Enver Paxá enviou uma ordem para que todas as unidades militares armênias nas forças otomanas fossem desmobilizadas, desarmadas e transferidas aos batalhões de trabalho (turco:Amele taburlari). Enver explicou esta decisão como "por medo de que eles iriam colaborar com os russos". Como tradição, o exército regular otomano, quando composto por não muçulmanos, reunia homens com idade de 20 a 45 anos. Os soldados não muçulmanos mais jovens (15-20) e mais velhos (45-60) sempre atuavam no apoio logístico através dos batalhões de trabalho. Antes de fevereiro, alguns dos recrutas armênios foram utilizados como trabalhadores (hamals) sendo, por fim, executados. [28]

Transferindo recrutas armênios do serviço ativo para o setor de logística era um aspecto importante do genocídio subseqüente. Conforme relatado em "As Memórias de Naim Bei", o extermínio dos armênios nesses batalhões era parte de uma estratégia premeditada em nome do Comitê para a União e o Progresso. Muitos desses recrutas armênios foram executados por grupos turcos locais. [27]

Eventos em Van, abril 1915[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Resistência de Van
Resistência armênia na cidade de Van. A Resistência de Van foi um dos raros casos em que os armênios conseguiram defender-se das forças turcas.

Em 19 de abril de 1915, Jevdet Bei exigiu que a cidade de Van entregasse de imediato 4.000 soldados sob o pretexto de recrutamento. No entanto, ficou claro para a população armênia que seu objetivo era massacrar os homens capazes de Van, de modo que não deixar-lhe defensores. Jevdet Bei já tinha usado uma ordem oficial por escrito em aldeias próximas, ostensivamente para procurar armas, mas de fato para iniciar massacres.[29] Para ganharem tempo, os armênios ofereceram 500 soldados e dinheiro para isentar o restante do serviço. Jevdet acusou armênios de rebelião e afirmou sua determinação de esmagá-los a qualquer custo declarando:

Em 20 de abril de 1915, o conflito começou quando uma mulher armênia foi perseguida e dois homens armênios que vieram em seu auxílio foram mortos por soldados otomanos. Os defensores armênios protegeram 30.000 residentes e 15.000 refugiados em uma área de cerca de um quilômetro quadrado do bairro armênio e subúrbio de Aigestan com 1.500 fuzileiros armados com 300 fuzis, pistolas e 1.000 armas antigas. O conflito durou até que o general russo Nikolai Yudenich viesse resgatá-los.[31]

De Alepo e Van relatos semelhantes chegaram ao embaixador estadunidense Henry Morgenthau, levando-o a levantar a questão pessoalmente com Mehmed Talat e Enver Paxá. Ao citar os testemunhos de funcionários seu consulado, eles justificaram as deportações como necessárias para a condução da guerra, sugerindo que a cumplicidade dos armênios de Van com as forças russas que haviam tomado a cidade justificou a perseguição de todos os armênios.[32]

Detenção e deportação dos armênios notáveis[editar | editar código-fonte]

Na noite de 24 de abril de 1915 (o Domingo vermelho)[33][23] foram aprisionados em Constantinopla mais de seiscentos intelectuais, políticos, escritores, religiosos e profissionais armênios,[34] que foram levados a força ao interior do país e selvagemente assassinados.[22]

Em 24 de abril de 1915, o Domingo vermelho (armênio: Կարմիր Կիրակի), foi a noite em que os líderes dos armênios da capital otomana e depois outros centros foram presos e enviados para dois centros de detenção perto de Ancara pelo então ministro do Interior Mehmed Talat com sua ordem em 24 de abril de 1915. Estes armênios foram posteriormente deportados com a aprovação da Lei Tehcir (sobre confisco e deportação) em 29 de maio de 1915.[22][35] A data de 24 de abril, Dia da Memória do Genocídio, relembra a deportação dos notáveis armênios da capital otomana, em 1915, como a precursora para os eventos que se seguiram.[36]

Em sua ordem, ordem sobre 24 de abril de 1915, Talat alegou que os comitês armênios "há muito tempo perseguem autonomia administrativa e este desejo é exibido uma vez mais, em termos inequívocos, com a inclusão dos armênios russos que assumiram uma posição contra nós, com o Comitê Daschnak e nas regiões de Zeitun, Bitlis, Sivas e Van, de acordo com as decisões já tomadas no Congresso armênio em Erzurum".[37] Em 1914, as autoridades otomanas já tinha começado a propaganda (desinformação) para mostrar os armênios que viviam no Império Otomano como uma ameaça à segurança. Um oficial naval do Ministério da Guerra descreveu o planejamento:

Na noite de 24 de abril de 1915, o governo otomano prendeu cerca de 250 intelectuais armênios e líderes comunitários.[27] Esta data coincidiu com desembarques de tropas aliadas em Galípoli, após as infrutíferas tentativas aliadas de romper o cerco aos Dardanelos para Constantinopla, em fevereiro e março de 1915.[39]

Genocídio[editar | editar código-fonte]

Mapa dos locais de massacres e campos de extermínio e deportação no território otomano.

O extermínio da população armênia foi executado de várias formas:

Incêndios[editar | editar código-fonte]

O membro do Nili, Eitan Belkind, infiltrou-se no exército otomano como um oficial e foi designado para o quartel general de Kemal Paxá. Ele alega ter testemunhado a queima de 5.000 armênios. [40]

O tenente Hasan Maruf, do exército otomano, descreve como os habitantes de uma aldeia foram reunidos e depois queimados.[41] O depoimento de 12 páginas de Wehib Paxá, comandante do Terceiro Exército, datado de 5 de dezembro de 1918, foi apresentado nos julgamentos de Trebizonda (29 de março de 1919) incluiu na acusação,[42] relatando a queima em massa da população inteira de uma aldeia perto Muş.[43] Em Bitlis, Muş e Sason, "o método mais rápido para a eliminação das mulheres e crianças que concentravam-se nos vários campos foi o de queimá-las". E também que "prisioneiros turcos que aparentemente tinham presenciado algumas dessas cenas ficaram horrorizados e enlouquecidos com a lembrança desta visão. Russos afirmaram que, vários dias depois, o odor da carne humana queimada ainda impregnava o ar".[43]

Afogamentos[editar | editar código-fonte]

Oscar S. Heizer, o cônsul estadunidense em Trebizonda, relatou: "Muitas crianças foram colocadas em barcos, levadas e jogadas ao mar". [44] O cônsul italiano de Trebizonda, em 1915, Giacomo Gorrini, escreve: "Vi milhares de mulheres e crianças inocentes colocadas em barcos emborcados no Mar Negro".[45] Os julgamentos de Trebizonda relataram que armênios podem ter sido afogados no mar Negro.[46]

Hoffman Filipe, encarregado de negócios estadunidense em Constantinopla, escreve: "barcos de carga enviados de Zar descendo o rio (Eufrates) chegavam a Anah (Iraque), a 30 milhas de distância, com três quintos dos passageiros desaparecidos".[47]

Uso de agentes químicos e biológicos[editar | editar código-fonte]

Restos de armênios massacrados em Erzinjan.[48]
Uma mulher armênia ajoelhada ao lado de uma criança morta em Aleppo, então uma cidade otomana.
Ministro do Interior Mehmed Talat assinou a ordem para deportar os armênios notáveis de Constantinopla, em abril de 1915.
Oficial turco exibindo um pão, para provocar crianças armênias famintas (1915).
Armênios recebendo alimento.
Campo de refugiados (Beirute, Líbano).
[
Sobreviventes enviados a Jerusalém em Abril de 1918.

O psiquiatra Robert Jay Lifton escreve em um parêntese ao introduzir os crimes de médicos nazistas: "talvez os médicos turcos, em sua participação no genocídio contra os armênios, foram os que mais se aproximam disto, como vou sugerir mais tarde".[49]

  • Overdose de morfina:

Durante os julgamentos na corte marcial em Trebizonda, a partir das sessões realizadas entre 26 de março e 17 de maio de 1919, o inspetor dos serviços de saúde Dr. Fuad Ziya escreveu em um relatório que o Dr. Saib causou a morte de crianças com injeções de morfina. A informação teria sido fornecida por dois médicos (Drs. Ragib e Vehib), colegas de Saib no hospital Crescente Vermelho de Trebizonda, onde essas atrocidades alegadamente teriam sido cometidas. [50][51]

  • Gás tóxico:

Dr. Ziya Fuad e Dr. Adnan, diretores de serviços da saúde pública de Trebizonda, apresentaram relatos de casos em que dois prédios escolares foram usados para organizar crianças e enviá-los para o mezanino e matá-las com equipamentos de gás tóxico. [52][53]

  • Inoculação de tifo:

O cirurgião otomano, Dr. Haydar Cemal escreveu: "na ordem do escritório central de saneamento do Terceiro Exército, em janeiro de 1916, quando a propagação do tifo era um problema agudo, armênios inocentes previstos para deportação em Erzincan foram inoculados com sangue de pacientes com febre tifoide sem que este sangue fosse tornado inativo." [54][55] Jeremy Hugh Baron escreveu: "Os médicos foram diretamente envolvidos nos massacres, envenenado bebês e fornecendo atestados de óbito falsos indicando morte por causas naturais para crianças. Nazim, irmão adotivo do Dr. Tevfik Rüştü Aras, inspetor geral dos serviços de saúde, organizou a disposição de cadáveres armênios com milhares de quilos de cal durante mais de seis meses;. ele tornou-se secretário de Relações Exteriores de 1925 a 1938".[56]

Deportações[editar | editar código-fonte]

Em maio de 1915, Mehmed Talat pediu ao gabinete e ao grão-vizir Said Halim Paxá a implementação de medidas para a remoção (e liquidação) de armênios para outros lugares devido a declarações de Mehmed Talat: "motins armênios e massacres, que tinham surgido em inúmeros lugares do país".[57] No entanto, Talat referia-se especificamente ao evento da resistência de Van e estendendo a implementação para regiões em que alegados "motins e massacres" afetariam a segurança da zona de guerra da campanha do Cáucaso. Mais tarde, o âmbito da imigração foi alargado de modo a incluir os armênios de outras vilaietes (províncias).[58]

Em 29 de maio de 1915, o Comitê para a União e o Progresso aprovou a Lei temporária de deportação (Lei Tehcir), dando ao governo e militares otomanos autorização para deportar aqueles vistos como uma ameaça à segurança nacional.[27] A Lei Tehcir trouxe algumas medidas relativas à propriedade dos deportados, mas em setembro uma nova lei foi proposta. Por meio da "Lei sobre propriedades e bens abandonados por deportados" (também conhecida como a "lei temporária sobre expropriação e confisco"), o governo otomano tomou posse de todos as propriedades e bens armênios "abandonados".[59]

O parlamentar otomano, Ahmed Riza, protestou contra essa legislação:

Em 13 de setembro de 1915, o parlamento otomano aprovou a "Lei temporária de expropriação e confisco", afirmando que todos os bens, incluindo terras, gado e casas pertencentes aos armênios, seriam confiscados pelas autoridades.[38]

Com a implementação da Lei Tehcir, o confisco de bens e o massacre de armênios que se seguiu após a promulgação da lei indignaram grande parte do mundo ocidental. Enquanto os aliados do Império Otomano na guerra ofereceram pouca resistência, uma riqueza de documentos históricos alemães e austríacos, atestam o horror das testemunhas nos assassinatos e fome em massa de armênios.[61][62][63]

Nos Estados Unidos, o jornal The New York Times relatou quase diariamente sobre o assassinato em massa do povo armênio, descrevendo o processo como "sistemático", "autorizado" e "organizado pelo governo". Mais tarde, Theodore Roosevelt caracterizou este como "o maior crime da guerra".[64]

O historiador Hans-Lukas Kieser afirma que, a partir das declarações de Talat Paxá,[65] é claro que os funcionários estavam cientes de que a ordem de deportação foi genocida.[66] Outro historiador, Taner Akcam, afirma que telegramas mostram que a coordenação geral do genocídio foi tomada por Mehmed Talat.[67]

Marchas da morte[editar | editar código-fonte]

Os armênios foram levados para a cidade síria de Deir ez-Zor e para o deserto em redor. Evidências sugerem que o governo otomano não forneceu quaisquer instalações ou suprimentos para sustentar os armênios durante a sua deportação, nem quando eles chegaram.[68] Em agosto de 1915, o New York Times repetiu um relatório em que "nas estradas e no Eufrates estão espalhados os cadáveres dos exilados, e os que sobrevivem estão condenadas a uma morte certa. É um plano para exterminar todo o povo armênio".[69] Os massacres priorizavam a elite, muito embora no final do genocídio, a maior parte da comunidade armênia foi afetada.[70]

Tropas otomanas escoltando os armênios não só permitiram roubos, estupros e assassinatos de armênios, como muitas vezes participaram elas próprias destes atos.[68] Privados de seus pertences e marchando para o deserto, centenas de milhares de armênios morreram.

Da mesma forma, o major-general Friedrich Kreß von Kressenstein observou que "A política turca de causar a fome é uma prova muito óbvia... de que a Turquia está decidida a destruir os armênios".[38]

Engenheiros alemães e trabalhadores envolvidos na construção da estrada de ferro também testemunharam armênios sendo amontoados em vagões de gado e enviados ao longo da linha férrea. Franz Gunther, um representante do Deutsche Bank, que financiou a construção da ferrovia de Bagdá, enviou fotografias para seus diretores e expressou sua frustração por ter de permanecer em silêncio em meio a "crueldade bestial".[27] O major-general Otto von Lossow, atuando como adido militar e plenipotenciário militar alemão no Império Otomano, falou com intenções otomanos numa conferência realizada em Batumi em 1918:

Campos de extermínio[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que 25 grandes campos de extermínio existiram, sob o comando de Şükrü Kaya, um dos maiores colaboradores de Mehmed Talat. A maioria dos campos situavam-se perto das modernas fronteiras entre Turquia, Síria e Iraque. Alguns foram apenas campos de trânsito temporários. Outros, como Radjo, Katma, e Azaz, podem ter sido usados apenas temporariamente, para valas comuns; estes sítios foram revogados por volta do outono de 1915. Alguns autores também afirmam que os campos de Lale, Tefridje, Dipsi, Del-El, e al-'Ayn Ra foram construídos especificamente para aqueles que tinham uma expectativa de vida de alguns dias.[71]

Reações[editar | editar código-fonte]

Reações otomanas[editar | editar código-fonte]

Massacre em cidades do Cáucaso, noticiado pelo jornal New York Times em 23 de fevereiro de 1915
Refugiados armênios em Bitlis, 1916, durante o período da Administração da Armênia Ocidental
Rafael de Nogales Méndez (1879-1936), oficial venezuelano que serviu no exército otomano, escreveu um relato detalhado dos massacres em seu livro Cuatro años bajo la media luna'

Em 1919, o sultão Mehmed VI ordenou que as cortes marciais julgassem membros do Comitê de União e Progresso por sua responsabilidade em envolver o Império Otomano na Primeira Guerra Mundial. A questão armênia foi usado como uma ferramenta para punir os líderes do Comitê. Mais tarde, a maior parte dos documentos gerados nesses tribunais foram usados para estudos internacionais.[72]

Em janeiro de 1919, um relatório ao sultão Mehmed VI acusou mais de 130 suspeitos, a maioria dos quais eram altos funcionários. O tribunal militar descobriu que o desejo do Comitê para a União e o Progresso era eliminar os armênios fisicamente, através da chamada organização especial.[73] O pronunciamento de 1919:[74]

O termo Três Paxás refere-se ao triunvirato que fugiu do Império Otomano no final da Primeira Guerra Mundial (Mehmed Talat, İsmail Enver e Ahmed Djemal). Nos Julgamentos de Constantinopla, em 1919, eles foram condenados à revelia, recebendo sentenças de morte. A Corte Marcial da Turquia de 1919-1920 desmantelou oficialmente o Comitê de União e Progresso, confiscou seus bens, e os bens das pessoas consideradas culpadas. Pelo menos dois dos três foram posteriormente assassinados por armênios durante a punitiva Operação Nêmesis.[75][76]

De acordo com o ex-governador da província de Alepo Mehmet Celal Bei, o então governador de Konya, explicou-lhe a situação e disse:

Halil Kut, tio de Ísmael Enver escreveu em em suas memórias:

Em 1919, Ahmet Refik escreveu: "os unionistas (Comitê de União e Progresso) queriam remover o problema das seis vilaietes (províncias armênias)[nota 2] com a aniquilação armênia", em sua obra intitulada Iki Iki Komite Kıtal.[79]

Em uma sessão secreta da Assembleia Nacional, realizada em 17 de outubro de 1920, Hasan Fehmi Bei, deputado de Bursa, no momento, disse:

Pérsia[editar | editar código-fonte]

Devido ao fraco governo central e incapacidade de Teerã para proteger seu território, nenhuma resistência foi oferecida por seus soldados, em sua maioria islâmicos. Após a retirada dos russos do extremo noroeste da Pérsia, tropas turcas invadiram a cidade de Salmas, torturam e massacraram os habitantes armênios cristãos da forma mais cruel possível.[81]

Tríplice Aliança[editar | editar código-fonte]

Integrantes da Tríplice Aliança também testemunharam o genocídio. A missão diplomática alemã no início de 1915 foi liderada Hans von Wangenheim (após a sua morte em 1915, sucedido por Paul Wolff Metternich). Como Henry Morgenthau Sr., von Wangenheim começou a receber muitas mensagens perturbadoras de funcionários consulares de todo o Império Otomano que detalhavam o massacre de armênios. Da província de Adana, o cônsul Eugene Buge informou que o chefe Comitê de União e Progresso havia jurado matar qualquer armênio que sobrevivesse as marchas de deportação.[27] Em junho de 1915, von Wangenheim enviou um telegrama a Berlim informando que Talat tinha admitido que as deportações não "eram realizadas apenas por considerações militares". Um mês depois, ele chegou à conclusão de que há "já não havia dúvida de que a Sublime Porta (governo otomano) estava tentando exterminar a raça armênia no Império Turco".[61]

Quando Wolff-Metternich sucedeu von Wangenheim, continuou enviando mensagens semelhantes: "O Comitê exige a extirpação dos últimos remanescentes dos armênios e o governo deve ceder... Um representante Comitê é designado para cada uma das administrações provinciais ... turquificação significa licença para expulsar, matar ou destruir tudo o que não é turco".[27]

Max Erwin von Scheubner-Richter, documentou vários massacres de armênios. Ele enviou 15 relatórios sobre "deportações e assassinatos em massa" para a chancelaria alemã. Seu relatório final observou que menos de 100.000 armênios foram deixados vivos no Império Otomano: o resto tendo sido exterminados (alemão: ausgerottet).[61] Scheubner-Richter também detalhou os métodos do governo otomano, observando seu uso da Organização Especial e outros instrumentos burocratizados de genocídio.[82]

Os alemães também testemunharam a forma como armênios foram queimados. Segundo a historiadora britânica, Bat Ye'or:

Oficiais alemães estacionados no leste da Turquia contestaram a afirmação do governo de que os armênios iniciaram revoltas, sugerindo que as áreas foram "tranquilas até o início das deportações".[62]

Outros apoiaram abertamente a política otomana contra os armênios. Como Hans Humann, o adido naval alemão em Constantinopla disse ao embaixador dos EUA, Henry Morgenthau Sr.:

Em uma conferência de genocídio realizado em 2001, o professor Wolfgang Wippermann da Universidade Livre de Berlim apresentou documentos que comprovam que o alto comando alemão estava ciente dos assassinatos em massa na época, mas preferiu não interferir ou falar.[61] Fotografias sugerem que alemães participaram do assassinato em massa[84] e algumas das testemunhas alemãs do holocausto armênio desempenhariam papel no regime nazista. Konstantin von Neurath, por exemplo, foi designado ao IV Exército turco em 1915, com instruções para monitorar "operações" contra os armênios, que mais tarde tornou-se ministro das Relações Exteriores de Hitler e "Protetor da Boêmia e Morávia" durante o regime de terror de Reinhard Heydrich na Tchecoslováquia.[85]

Num discurso, para tranquilizar seus oficiais sobre as consequencias da invasão da Polônia proferido poucos dias antes, em 22 de Agosto de 1939, Adolf Hitler declarou:

Tríplice Entente[editar | editar código-fonte]

Em 24 de maio de 1915, a Tríplice Entente advertiu o Império Otomano que:

A cidade de Alepo caiu nas mãos dos britânicos e foram encontrados muitos documentos que confirmavam que o extermínio dos armênios teria sido organizado pelos turcos. Um destes documentos é um telegrama circular dirigido a todos os governadores:[89][90]

Ajuda humanitária[editar | editar código-fonte]

Cartaz do Comitê de Socorro para o Oriente Médio. A contribuição dos Estados Unidos aos armênios, durante o genocídio, foi significativa

A Fundação Oriente Médio foi criada em 1915, logo após as deportações, cujo principal objetivo era o de aliviar o sofrimento do povo armênio. Henry Morgenthau Sr. foi essencial para reunir apoio para a organização.[91] Entre 1915 e 1930, a ajuda humanitária foi distribuída através de amplas áreas geográficas.[92]

Eventualmente, a fundação, ultrapassou mais de 10 vezes a estimativa de ajuda inicial, e auxiliou aproximadamente 2 milhões de refugiados.[93] Em seu primeiro ano, a fundação cuidou de 132.000 crianças órfãs armênias de Tiflis, Erevan, Constantinopla, Sivas, Beirute, Damasco e Jerusalém. A organização de ajuda para os refugiados no Oriente Médio angariou mais de 102 milhões de dólares em doações para armênios durante e depois da guerra.[94][95]

Em 1905, a enfermeira e missionária norueguesa Bodil Biørn foi enviada para a Armênia. Primeiro com sede na cidade de Mezereh (atual Elazığ) e mais tarde em Muş, ela trabalhou para auxiliar as viúvas e crianças órfãs, em cooperação com missionários alemães. Ela testemunhou os massacres de 1915 em Muş e viu a maioria das crianças sob seus cuidados assassinadas juntamente com sacerdotes armênios, professores e assistentes.[96]

Ela escapou por pouco depois de 9 dias a cavalo, mas permaneceu na região por mais 2 anos, sob condições de trabalho cada vez mais difíceis. Depois de um período em casa, retornou para a Armênia até aposentar-se em 1935. Trabalhou para refugiados armênios na Síria e no Líbano. Bodil Biørn foi também fotógrafa e suas fotografias estão preservadas no Arquivo Nacional da Noruega. Seus álbuns fotográficos com comentários escritos, são um testemunho forte das atrocidades que viu.[97]

E também outros apoios atuais como os da banda estadunidense System Of A Down. Seus integrantes, que são de ascendência armênia, buscam conscientizar e sensibilizar a opinião pública, fazendo referências ao genocídio nas letras de suas músicas[98]. Em 2006, a banda participou do documentário sobre genocídios, intitulado Screamers, da diretora Carla Garapedian.[99]

Julgamentos internacionais[editar | editar código-fonte]

Após o armistício de Mudros, a conferência de paz preliminar em Paris estabeleceu a "Comissão de responsabilidades e sanções", (janeiro de 1919) que foi presidida pelo secretário de Estado dos Estados Unidos. Baseado no trabalho da comissão, vários artigos foram adicionados ao Tratado de Sèvres, e que o governo interino do Império Otomano, o sultão Mehmed VI e Damat Ferid Paşa, fossem convocados ao julgamento. O Tratado de Sèvres (agosto de 1920) planejou um julgamento para determinar os responsáveis pelos "métodos bárbaros e ilegítimos de guerra...(incluindo) crimes contra as leis e costumes da guerra e os princípios da humanidade".[100] O artigo 230 do Tratado de Sèvres requeria que o Império Otomano "entregasse para as Forças Aliadas as pessoas cuja entrega pode ser exigida por este último como responsável pelos massacres cometidos durante a vigência do estado de guerra em território que formava parte do Império Otomano em 1 de agosto de 1914".[101]

Vários políticos, generais, e intelectuais otomanos foram transferidos para Malta, onde foram mantidos por cerca de três anos, enquanto pesquisas eram feitas nos arquivos de Constantinopla, Londres, Paris e Washington para investigar suas ações. No entanto, as tentativas do tribunal de Malta para cumprir as exigências do Tratado de Sèvres nunca concretizaram-se e os detidos foram finalmente devolvidos em troca de cidadãos britânicos detidos pela Turquia kemalista.[102]

Julgamento de Soghomon Tehlirian[editar | editar código-fonte]

Em 15 de março de 1921, Mehmed Talat foi assassinado em Charlottenburg (Berlim, Alemanha), em plena luz do dia e na presença de muitas testemunhas. A morte de Talat era parte da Operação Nêmesis, codinome da Federação Revolucionária Armênia para a operação secreta na década de 1920 para matar os mentores do genocídio armênio.[103]

A julgamento do assassino, Soghomon Tehlirian, teve uma influência importante sobre Raphael Lemkin, um advogado de descendência judaica-polonesa que fez campanha na Liga das Nações para proibir o que ele chamou de "barbárie" e "vandalismo". O termo "genocídio", criado em 1943, foi cunhado por Lemkin, que foi diretamente influenciado pelos massacres de armênios durante a Primeira Guerra Mundial.[104]

Testemunhos[editar | editar código-fonte]

Uma viajante alemã escutou o seguinte de uma armênia, em uma das estações do padecimento de um grupo de montanheses armênios:[106]

O governo cometeria ainda outra vileza: a maioria dos jovens armênios mobilizados ao começar a guerra não foram enviados à frente, mas integraram brigadas para construção de caminhos. Ao terminar o trabalho todos eles foram fuzilados por soldados turcos.[89]

Jacques de Morgan assim se refere às deportações, aos massacres e aos sofrimento padecidos pelos armênios:[107]

A diplomata Gertrude Bell, apresentou o seguinte relatório após ouvir o relato de um soldado otomano capturado:

O povo armênio não desapareceu quando estava nos desertos da Mesopotâmia: as mães armênias ensinavam a ler aos seus filhos desenhando as letras do alfabeto armênio na areia.[89]

Consequências[editar | editar código-fonte]

Perdas culturais[editar | editar código-fonte]

Monumento comemorativo em Lárnaca, Chipre, um dos primeiros países a reconhecer o genocídio.

A destruição premeditada de objetos do patrimônio cultural, religioso, histórico e comunitário armênio foi mais um objetivo genocídio em si e da campanha de negação pós-genocídio. Igrejas armênias e mosteiros foram destruídos ou transformados em mesquitas, cemitérios armênios foram destruídos, e, em várias cidades (como Van), bairros armênios foram demolidos.[108] Cidades inteiras, foram devastadas e repovoadas pelos otomanos, como Erzurum.[109][110] Além das mortes, os armênios perderam suas propriedade e bens, sem compensação.[111] empresas e fazendas foram perdidas, e todas as escolas, igrejas, hospitais, orfanatos, conventos, e cemitérios tornaram-se propriedade do Estado turco.[111] Em janeiro de 1916, o Ministro Otomano do Comércio e Agricultura emitiu um decreto ordenando a todas as instituições financeiras que operavam dentro das fronteiras do império para entregar os ativos armênios ao governo.[112] Há registros de que, tanto quanto £6 000 000 de ouro turco foram apreendidos junto com bens imóveis, dinheiro, depósitos bancários e joias.[112] Os ativos foram então canalizados para os bancos europeus, incluindo Deutsche Bank e Dresdner Bank. [112]

Tsitsernakaberd, memorial dedicado às vítimas do genocídio construído em Erevan na Armênia.

Após o fim da Primeira Guerra Mundial, os sobreviventes do genocídio tentaram retornar e recuperar seus antigos lares e bens, mas foram expulsos pelo governo de Ancara.[111]

Em 1914, o patriarca Armênio de Constantinopla apresentou uma lista dos locais sagrados armênios sob sua supervisão. A lista continha 2.549 lugares religiosos, dos quais 200 eram mosteiros, enquanto 1.600 foram igrejas. Em 1974, a UNESCO declarou que, após 1923, de 913 monumentos históricos deixados armênios na Turquia oriental, 464 desapareceram completamente, 252 estão em ruínas, e 197 estão em necessidade de restauração . [113][114] Atualmente, a população cristã armênia do país se encontra apenas na capital, com 3 mil assentamentos confiscados no genocídio.[115]

Perdas humanas[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que cerca de 1,5 milhão de armênios foram mortos durante o genocídio.[116] Dentre eles, vários morreram assassinados por tropas turcas, em campos de concentração, queimados, enforcados e até mesmo jogados amarrados ao rio Eufrates, mas a maior parte dos armênios morreu por inanição, ou seja, falta de água e alimento.[117]

Os sobreviventes do genocídio saíram do Império Otomano e instalaram-se em diversos países. Esse fato é chamado de diáspora armênia. É estimado que a diáspora armênia contou com mais de oito milhões de armênios.[118] O número de armênios no Brasil, conforme estimativas, chega a 25 mil, sendo em sua maioria em São Paulo.[119]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Negação e revisionismo[editar | editar código-fonte]

  Países que reconhecem oficialmente os eventos como genocídio.
  Países onde certos partidos políticos, províncias e/ou municípios reconheceram os eventos como genocídio, independentemente do governo como um todo.

A Turquia atualmente não reconhece o genocídio armênio[120] e condiciona sua política externa prioritariamente sob este princípio.[121] Ela diz que os armênios passaram por uma terrível mortalidade e que na verdade agiu para defender a soberania nacional. A Turquia também alega que o número de mortes é exagerado. Ela diz que estudos demográficos dizem que antes da Primeira Guerra Mundial, viviam menos de 1,5 milhão de armênios em todo o Império Otomano. Conforme os historiadores, mais de 1,5 milhão de armênios foram mortos na Armênia Oriental. Por isso a Turquia acredita ser exagerado o número de armênios mortos.[116] O governo turco foi acusado de usar fakes de internet para importunar parlamentares alemães que se pronunciaram contra o genocídio em 2016.[122]

Reconhecimento do genocídio[editar | editar código-fonte]

Em 24 de maio de 1915, durante a Primeira Guerra Mundial, as potências aliadas (Reino Unido, França e Império Russo) emitiram um comunicado conjunto no qual disseram que, por aproximadamente um mês, as populações curda e turca de Armênia tinham massacrado os armênios, com o conivência e muitas vezes ajuda das autoridades otomanas, e que as Forças Aliadas iriam procurar por todos os oficiais do governo otomano implicados em tais crimes contra a humanidade.[123][124]

Nos últimos anos, os parlamentos de vários países reconheceram formalmente o evento como um genocídio. As negociações da Turquia com a União Europeia para entrar no bloco europeu também foram marcadas por várias reivindicações para que o governo turco reconheça o genocídio, embora isto nunca tenha sido pré-requisito.[125][126]

Em outubro de 2015, 29 países reconheciam oficialmente o genocídio armênio[127][128][129]:

Existem também organizações internacionais que reconhecem o genocídio armênio, como o Conselho Mundial das Igrejas, Conselho da Europa, Parlamento do Mercosul, Sub-Comissão das Nações Unidas para a Prevenção da Discriminação e Proteção das Minorias e o Parlamento Europeu.[157] Em 12 de abril de 2015, o Papa Francisco classificou pela primeira vez, pela Igreja Católica, o fato como genocídio [158]. Em 23 de abril do mesmo ano, a Alemanha reconheceu, pela primeira vez, que teve corresponsabilidade no Genocídio Armênio cometido há um século pelo Império Otomano.[159]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Referências

  1. Göçek, Fatma Müge (2015). Denial of violence : Ottoman past, Turkish present and collective violence against the Armenians, 1789-2009 Oxford University Press [S.l.] p. 1. ISBN 019933420X. 
  2. Auron, Yair (2000). The banality of indifference: Zionism & the Armenian genocide Transaction [S.l.] p. 44. ISBN 978-0-7658-0881-3. 
  3. Forsythe, David P. (11 de agosto de 2009). Encyclopedia of human rights (Google Books) Oxford University Press [S.l.] p. 98. ISBN 978-0-19-533402-9. 
  4. Chalk, Frank Robert; Jonassohn, Kurt (10 de setembro de 1990). The history and sociology of genocide: analyses and case studies Yale University Press [S.l.] pp. 270–. ISBN 978-0-300-04446-1. 
  5. Armenian Genocide, The International Association of Genocide Scholars 
  6. Fisk, Robert. «Let me denounce genocide from the dock». Javakhk Forum (cópia do The Independent). 
  7. Matiossian, Vartan (12 de janeiro de 2013). «The Self-Delusion of 'Great Calamity': What 'Medz Yeghern' Actually Means Today». Armenian Weekly [S.l.: s.n.] 
  8. Kieser, Hans-Lukas; Schaller, Dominik J. (2002) (em German), Der Völkermord an den Armeniern und die Shoah, Chronos, p. 114, ISBN 3-0340-0561-X 
  9. Walker, Christopher J. (1980), Armenia: The Survival of A Nation, London: Croom Helm, pp. 200–3 
  10. Bryce, Viscount James; Toynbee, Arnold (2000), Sarafian, Ara, ed., The Treatment of Armenians in the Ottoman Empire, 1915–1916: Documents Presented to Viscount Grey of Falloden (uncensored ed.), Princeton, NJ: Gomidas, pp. 635–49, ISBN 0-9535191-5-5 
  11. Hyde, Jennifer (2 de dezembro de 2008). «Polish Jew gave his life defining, fighting genocide» CNN [S.l.] Arquivado desde o original em 3 de dezembro de 2008. 
  12. «Council of Europe Parliamentary Assembly Resolution». Armenian genocide. 
  13. Ferguson, Niall (2006). The War of the World: Twentieth-Century Conflict and the Descent of the West (New York: Penguin Press). p. 177. ISBN 1-59420-100-5. 
  14. «A Letter from The International Association of Genocide Scholars» (PDF) Genocide Watch [S.l.] 13 de junho de 2005. 
  15. Rummel, RJ. (1 de abril de 1998), "The Holocaust in Comparative and Historical Perspective", The Journal of Social Issues 3 (2) 
  16. WA Schabas, Genocide in International Law, Cambridge−Nova York, 2003
  17. C. de Thain, E. Shorts, International Criminal Law and Human Rights, Londres: Sweet & Maxwell, 2003
  18. A. Jones, Genocide: A Comprehensive Introduction, Londres−Nova York, Routledge Taylor & Frances Group, 2006, 3-38
  19. «National Assembly of the Republic of Armenia - Official Web Site - parliament.am». parliament.am. 
  20. «Centenário sim, genocídio arménio não: turcos contra o mundo por causa de uma palavra». euronewspt. Consultado em 2016-06-28. 
  21. «Entenda a polêmica sobre o suposto "genocídio" armênio». FolhaOnline. 13 de outubro de 2006. Consultado em 19 de maio de 2011. 
  22. a b c d Vezneyan, Sérgio. Genocídios do Século XX: Uma leitura sistêmica de causas e consequências. Tese de Pós-Graduação da Universidade de São Paulo.
  23. a b c «Cronología del Genocidio Armenio» (em espanhol). GenocidioArmenio.org. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  24. Comissão de Direitos Humanos e Minorias, Câmera dos Deputados. . "Justificativa para realização de audiência pública para debater o Genocídio Armênio [....]".
  25. Guenter Lewy: O caso armênio. A politização da história. O que aconteceu, como aconteceu e porque aconteceu. Klagenfurt / Celovec 2009, p 70.
  26. Erickson, Edward J. (2001). Ordered to Die: A History of the Ottoman Army in the First World War. Greenwood Publishing Group [S.l.] p. 256.
  27. a b c d e f g The Burning Tigris: The Armenian Genocide and America's Response de Peter Balakian. HarperCollins, 2003. ISBN 0060198400. Acessado em 25 de Janeiro de 2013.
  28. Armenian atrocities, the murder of a nation. Arnold J. Toynbee, Londres: Hodder and Stoughton, 1915, págs. 181–182. Acessado em 25 de Janeiro de 2013.(em inglês)
  29. Steven Leonard Jacobs, ed. (2009). Confronting genocide Judaism, Christianity, Islam. Lanham, MD: Lexington Books. p. 130. ISBN 0739135902.
  30. a b Ambassador Morgenthau's Story (em inglês) Acessado em 27 de Janeiro de 2013.
  31. Marshall Cavendish Illustrated Encyclopedia of World War I. Peter Young, Marshall Cavendish Corp, 1984, págs. 1153-1157. ISBN 9780863071812
  32. Wagner, Max. A Última Poesia - Do Orgulho Nasce a Guerra. Chiado Editora.
  33. Pravda - O ato de genocídio contra os arménios: hora de encarar a verdade. Acessado em 25 de Janeiro de 2013.
  34. «Imágenes» (em espanhol). GenocidioArmenio.org. Consultado em 13 de julho de 2016. 
  35. Kiernan, Ben, Blood and Soil: Genocide and Extermination in World History from Carthage to Darfur, Yale University Press, 2007, p. 414.
  36. «A memória do Genocídio Armênio | História Viva | Duetto Editorial». www2.uol.com.br. Consultado em 2016-06-29. 
  37. Akcam, Taner, A Shameful Act, (Holt & Co.:New York, 2006),165, 186-187.
  38. a b c d The History of the Armenian Genocide: Ethnic Conflict from the Balkans to Anatolia to the Caucasus. Vahakn N. Dadrian, Oxford: Berghahn Books, 1995. ISBN 1571816666 Acessado em 25 de janeiro de 2013.
  39. Dennis, Peter (2006). Gallipoli Campaign. Microsoft Encarta (USA: Microsoft Corporation).
  40. The Banality of Indifference: Zionism and the Armenian Genocide. Yair Auron, Transaction Publishers, 2000. ISBN 9780765808813
  41. Documento no British Foreign Office: 371/2781/264888, Appendices B., p. 6.
  42. Takvimi Vekayi, No. 3540, May 5, 1919.
  43. a b Obstacles to Peace, Volume 523. Samuel McClure, General Books, 2010. ISBN 9781154174991
  44. Relatório de 11 de abril de 1919, U.S. National Archives. R.G. 59. 867. 4016/411.
  45. Toronto Globe, 26 de agosto de 2015.
  46. Documento Takvim-i Vekayi, No. 3616, de 06 de agosto de 1919, p. 2.
  47. Telegrama de Cipher datado de 12 de julho de 1916. U.S. National Archives, R.G. 59.867.48/356.
  48. «Twenty-Seven». Ambassador Morgenthau's Story BYU [S.l.] 1918. 
  49. The Nazi Doctors: Medical Killing and the Psychology of Genocide. Robert Jay Lifton, Basic Books, 2000. ISBN 9780465049059
  50. Dadrian, Vahakn N. Turkish Military Tribunal's Prosecution of the Authors of the Armenian Genocide: Four Major Court-Martial Series. Holocaust and Genocide Studies, 11(1), 1997, pp. 28–59.
  51. Holocaust And Genocide Studies Volume 11. Richard D Breitman, Oxford Univ Press, 1987, págs. 28-59. ISBN 9780195118698
  52. Constantinople newspaper Renaissance de 1 de abril de 1919 a 27 de abril de 1919.
  53. Vahakn N. Dadrian, The Role of Turkish Physicians in the World War I Genocide of Ottoman Armenians. The Holocaust and Genocide Studies 1, no. 2 (1986), pp. 169–92.
  54. Türkce Istanbul, No. 45, de 23 de dezembro de 1918.
  55. Constantinople newspaper Renaissance, 26 de dezembro de 1918.
  56. Jeremy Hugh. Genocidal Doctors. Jornal da Sociedade Real de Medicina. Novembro de 1999, 92, pp. 590–93.
  57. Ferguson, Niall. The War of the World: Twentieth-Century Conflict and the Descent of the West. New York: Penguin Press, 2006 p. 177 ISBN 1-5942-0100-5
  58. Demourian, Avet. . "Armenians mark massacre anniversary". The Boston Globe.
  59. Belzman, Josh. . "PBS effort to bridge controversy creates more". Today.
  60. Y. Bayur, Turk Inkilabz, vol. III, part 3, in Dadrian, History of the Armenian Genocide.
  61. a b c d e Fisk, Robert (2005), The Great War for Civilisation: The Conquest of the Middle East, New York: Alfred A Knopf, ISBN 184115007X. Acessado em 22 de Janeiro de 2013.
  62. a b Fromkin, David (1989), A Peace to End All Peace: The Fall of the Ottoman Empire and the Creation of the Modern Middle East, New York: Avon Books, ISBN 0805068848. Acessado em 22 de Janeiro de 2013.
  63. The Great War, USA: PBS.
  64. Rosen, Ruth. The hidden holocaust. San Francisco Chronicle. 15 de dezembro de 2003.
  65. Kabacali, Alpay (1994). Talat Paşa'nın hatıraları. İletişim Yayınları.
  66. Ermeni Meselesi, "estudos acadêmicos de Zurich" (página 12) Link (em turco) Acessado em 25 de Janeiro de 2013.
  67. Akçam, Taner (2004). From empire to republic: Turkish nationalism and the Armenian genocide. Zed Books. p. 174. ISBN 9781842775271.
  68. a b c "Exiled Armenians starve in the desert; Turks drive them like slaves, American committee hears ;- Treatment raises death rate". New York Times. 08 de agosto e 1916. Arquivado do original em 26 de outubro de 2007. Arquivo 2007-09-16.
  69. Armenians are sent to perish in desert; Turks accused of plan to exterminate whole population; people of Karahissar massacred. New York Times. 18 de agosto de 1915. Consultado em 16 de setembro de 2007.
  70. A. Taner, “The Chilingirian Murder: A Case Study from the 1915 Roundup of Armenian intellectuals”, Holocaust and Genocide Studies , 25 (1), 2011, 127−144.
  71. Kotek, Joël e Pierre Rigoulot. Le Siècle des camps: Détention, concentration, extermination: cent ans de mal radica. JC Lattes, 2000. ISBN 2709618842 (em francês)
  72. «Mehmed V». Encyclopaedia Britannica. 
  73. Akçam, Taner (1996). Armenien und der Völkermord: Die Istanbuler Prozesse und die Türkische Nationalbewegung (em alemão). Hamburger Edition. p. 185.
  74. Libaridian, Gerald J. (2007). Modern Armenia people, nation, state. New Brunswick, N.J.: Transaction Publishers. pp. 134–5. ISBN 1412813514.
  75. Bartrop, Paul R.; Jacobs, Steven Leonard (2014). Modern Genocide. ABC-CLIO. p. 89. ISBN 1610693647.
  76. Gunnar Heinsohn: Lexikon der Völkermorde. Reinbek 1998. Rowohlt Verlag. p. 80
  77. Halep Valisi Celal'in Anılar, Vakit, 12 de Dezembro de 1918, (em turco): Nehirde su yerine kan akıyor ve binlerce masum çocuk, kabahatsız ihtiyar, aciz kadınlar, kuvvetli gençler bu kan cereyanı içinde ademe doğru akıp gidiyorlardı.
  78. Halil Paşa (transcrito por Taylan Sorgun), İttihat ve Terakki'den Cumhuriyet'e Bitmeyen Savaş, Kamer, İstanbul, 1997, págs. 240–41, (texto em turco): Vatanımın en korkunç ve acı günlerinde vatanımı düşmana esir olarak tarihten silmeye kalktıkları için son ferdine kadar yok etmeye çalıştığım Er­meni Milleti, bugün Türk milletinin âlicenaplığına sığındığı için huzura ve rahata kavuşturmak istediğim Ermeni milleti. Eğer siz Türk vatanına sâdık kalırsanız elimden gelen her iyi şeyi yapacağım. Eğer yine bir takım şuursuz komitacılara takılarak Türk'e ve Türk vatanına ihanete kalkarsanız bütün memleketinizi saran ordularıma emir vererek dünya üstünde nefes alacak tek Ermeni bırak­mayacağım, aklınızı başınıza alın.
  79. Ahmet Refik (transcrição: Hamide Koyukan), Kafkas Yolunda İki Komite İki Kıtal, Kebikeç Yayınları, Ankara, 1994, ISBN 975-7981-00-1, p. 27.
  80. Türkiye Büyük Millet Meclisi Gizli Celse Zabıtları, Vol. I, Türkiye İş Bankası Kültür Yayınları, Ankara, 1985, p. 177, texto em turco: Tehcir meselesi, biliyorsunuz ki dünyayı velveleye veren ve hepimizi katil telâkki ettiren bir vaka idi. Bu yapılmazdan evvel âlem-i nasraniyetin bunu hazmetmeyeceği ve bunun için bütün gayz ve kinini bize tevcih edeceklerini biliyorduk. Neden katillik ünvanını nefsimize izafe ettik? Neden o kadar azim, müşkül bir dava içine girdik? Sırf canımızdan daha aziz ve daha mukaddes bildiğimiz vatanımızın istikbalini taht-ı emniyete almak için yapılmış şeylerdir.
  81. The Jihad Rampant in Persia - Rev. Robert M. Labree informando de Tabriz, Julho de 1915. (em inglês) Acessado em 25 de Janeiro de 2013.
  82. Leverkuehn, Paul (2008). A German officer during the Armenian genocide: a biography of Max von Scheubner-Richter. tradução de Alasdair Lean; com prefácio de Jorge Vartparonian e introdução histórica de Hilmar Kaiser. London: Taderon Press por Gomidas Institute. ISBN 1-903656-81-8.
  83. B. Ye'or, The Dhimmi. The Jews and Christians under Islam, Trans. from the French by D. Maisel P. Fenton and D. Liftman, Cranbury, New Jersey: Frairleigh Dickinson University, 1985. p. 95.
  84. The Independent, (Link). Photograph links Germans to 1915 Armenia genocide. Newly discovered picture shows Kaiser's officers at scene of Turkish atrocity. 22 October 2012. (em inglês) Acessado em 27 de Janeiro de 2013.
  85. «Konstantin, baron von Neurath». Encyclopaedia Britannica. 
  86. Hitler and the Armenian genocide. Autor: Kevork B. Bardakjian. Zoryan Institute, 1985, pág. 50, (em inglês) ISBN 9780916431181 Adicionado em 12/09/2016.
  87. Armenian Genocide - Adolf Hitler, Chancellor of Nazi Germany (1933-45). "Who, after all, speaks today of the annihilation of the Armenians?" (em inglês) Acessado em 12/09/2016.
  88. Armenian Genocide.org - France, Great Britain and Russia joint declaration.(em inglês) Acessado em 25 de Janeiro de 2013.
  89. a b c Deursen Van, Felipe (23 de abril de 2015). «Saiba como foi o genocídio armênio, que completa 100 anos em 2015». Super Interessante. 
  90. Hesemann, Michael (24 de junho de 2016). «Armenia, storia d'un grande massacro». IL Foglio. 
  91. «Morgenthau, Ambassador Henry, Sr.». ArmenianGenocide.org. 
  92. «Chronology of the Armenian Genocide - 1920». ArmenianGenocide.org. 
  93. America and the Armenian Genocide of 1915 de Suzanne E. Moranian. Jay Winter & Cambridge University Press, 2008. ISBN 9780521071239
  94. Power, Faith, and Fantasy: America in the Middle East: 1776 to the Present. Michael Oren, W. W. Norton, 2008. ISBN 0393330303
  95. Goldberg, Andrew. The Armenian Genocide. Two Cats Productions, 2006.
  96. «Bodil Biørn (1871-1960)». The Armenian Genocide Museum Institute. National Academy of Sciences of the Republic Armenia. 
  97. Arkivverket - Women Missionary Workers. Documentário do genocídio. Acessado em 27 de Janeiro de 2013.
  98. Soares, Fernanda (29 de outurbo de 2007). «System of a Down estrela documentário». Rolling Stones Brasil. 
  99. Screamers Movie. Acessado em 21 de Agosto de 2013. (em inglês)
  100. The Holocaust in Comparative and Historical Perspective. Rudolph Joseph Rummel, The Journal of Social Issues. Volume 3, no. 2. April 1, 1998. (em inglês) Acessado em 27 de Janeiro de 2013.
  101. «Tratado de Sèvres (1920)». Dipublico.org (em espanhol). Derecho Internacional. 
  102. Bonello, Giovanni (2008). Histories of Malta - Confessions and Transgressions, Vol.9 Fondazzjoni Patrimonju Malti [S.l.] 
  103. Sylvia Kedourie, S Tanvir Wasti (1996) Turkey: Identity, Democracy, Politics. ISBN 0-7146-4718-7 p. 96
  104. The great game of genocide: imperialism, nationalism, and the destruction of the Ottoman Armenians. Donald Bloxham, Oxford University Press, 2005. ISBN 9780199273560
  105. René Pinon (Montbard 1870 - Paris 1958), Historien et journaliste (em francês). Génocide Arménien. Imprescriptible.fr
  106. Nercessian, Stepan. «INSTITUI O DIA EM HOMENAGEM E SOLIDARIEDADE AO POVO ARMÊNIO PELA PASSAGEM DO GENOCÍDIO OCORRIDO CONTRA ESSA NAÇÃO EM 24 DE ABRIL DE 1915.» (PDF). PROJETO DE LEI nº1142/2007. CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO. 
  107. Morgan de, Jacques (1918). The history of the Armenian people, from the remotest times to the present day (Boston: Hairenik Press). 
  108. The Destruction of Memory: Architecture at War. Robert Bevan, Reaktion Books, 2007, págs. 52–60. ISBN 9781861893192
  109. W. Gust (ed.), The Armenian Genocide: Evidence from the German Foreign Office Archives, 1915−1916, Berghahn Books, 2013
  110. VN Dadrian, German Responsibility in the Armenian Genocide: A Review of the Historical Evidence of German Complicity, Blue Crane Books, 1996.
  111. a b c Totten, Samuel; Parsons, William S. (2009). A Century of Genocide: Critical Essays and Eyewitness Accounts. New York: Routledge. p. 58. ISBN 0203890434. Acessado em 25 de Janeiro de 2013.
  112. a b c "Armenian Genocide Descendants File Class Action against Deutsche Bank and Dresdner Bank Announces Kabateck Brown Kellner LLP". Business Wire. May 6, 2010. (em inglês) Acessado em 25 de Janeiro de 2013.
  113. Cultural Genocide in The Armenian Genocide Museum-Institute. (em inglês) Acessado em 25 de Janeiro de 2013.
  114. Bevan, Robert, The Destruction of Memory: Architecture at War, Chicago, 2006. (em inglês) Acessado em 25 de Janeiro de 2013.
  115. B. Robert, The Destruction of Memory: Architecture at War, Londres, 2006, págs: 25−60.
  116. a b Yuri Vasconcelos. «Genocídio armênio». História Abril. Consultado em 21 de maio de 2011. 
  117. «O genocídio». Estação Armênia. Consultado em 12 de julho de 2016. 
  118. «Diáspora armênia lamenta o tratado com a Turquia». Radio Netherlands Worldwide. 14 de outubro de 2009. Consultado em 23 de maio de 2011. 
  119. Heitor de Andrade Carvalho Loureiro (julho de 2010). «95 anos do Genocídio Armênio: Protótipo dos Genocídios dos Tempos Modernos» (PDF). Revista Ética e Filosofia Política. 
  120. TH. De Vaal, Great Catastrophe: Armenians and Turks in the Shadow of Genocide, New York−Oxford: Oxford University Press, 2015
  121. P. Balakian, The Burning Tigris: The Armenian Genocide and America's Response, Nova York: Harper Collins Publishers, 2004
  122. Social media trolls in Turkey attack German parliamentarians over Armenia resolution
  123. a b Original telegram sent by the Department of State, Washington in 1915, containing the French, British and Russian joint declaration. R.G. 59, 867.4016/67
  124. Affirmation of the United States Record on the Armenian Genocide Resolution (Introduced in House of Representatives) 109th Congress, 1st Session, H.RES.316, June 14, 2005. September 15, 2005 House Committee/Subcommittee:International Relations actions. Status: Ordered to be Reported by the Yeas and Nays: 40 – 7.
  125. «French in Armenia 'genocide' row» BBC News [S.l.] 12 de outubro de 2006. Consultado em 4 de janeiro de 2010. 
  126. «Cyprus government condemns Armenian genocide on 101 anniversary». Cyprus Email [S.l.: s.n.] 24 de abril de 2016. 
  127. «Countries that Recognize the Armenian Genocide». Armenian National Institute. Consultado em 6 de janeiro de 2013. 
  128. «Resolutions, Laws, and Declarations». Armenian National Institute. Consultado em 6 de janeiro de 2013. 
  129. «States Resolutions, Laws, and Declarations». Armenian Genocide Museum-Institute. Consultado em 6 de janeiro de 2013. 
  130. «German lawmakers call massacre of Armenians 'genocide', defying Turkey». Reuters. 24 Apr 2015. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  131. «Germany Bundestag head says “genocide” to describe Armenians’ tragedy». news.am. 24 de abril de 2015. Consultado em 25 de abril de 2015. 
  132. «Hace 8 años el Estado argentino reconocía oficialmente el genocidio armenio» Info Blanco sobre Negro [S.l.] 09 de janeiro de 2015. 
  133. Yigal Schleifer (30 de abril de 2010]). «Ankara at a Standstill with Armenian Reconciliation Process» Eurasianet [S.l.] 
  134. «Austrian parliamentarians acknowledge Armenian genocide» (em inglés) [S.l.: s.n.] Deutsche Welle. 22 de abril de 2015. 
  135. «Drucken Versenden Vorlesen AAA Schriftgröße Kommentieren Parlamentsklubs verurteilen Völkermord an Armeniern» (em German) [S.l.: s.n.] Die Presse. 21 de abril de 2015. 
  136. a b c d e f g h i j «Armenia Hopes Reconstruction Of Surb Khach Armenian Church In Turkey Not To Be Single Case» Human Rights in Armenia [S.l.] 30 de março de 2007. 
  137. Bolivia aprueba por unanimidad una resolución por el Genocidio Armenio
  138. EL PARLAMENTO DE BOLIVIA RECONOCIÓ EL GENOCIDIO ARMENIO
  139. «Brazilian Senate unanimously passes resolution on Armenian Genocide recognition» [S.l.: s.n.] ARMENPRESS. 29 de mayo de 2015. Consultado em 1 de junio de 2015. 
  140. «Bulgaria's Parliament recognizes the armenian genocide» [S.l.: s.n.] STANDART. 24 de abril de 2015. Consultado em 24 de abril de 2015. 
  141. «Canadian PM Trudeau Upholds Genocide Recognition Commitment» Armenian Weekly [S.l.] 22 de abril de 2016. 
  142. «Chile Senate recognizes Armenian Genocide» Anca.org [S.l.] 07 de junho de 2007. 
  143. «Denial of Armenian Genocide punished in Slovakia». News.am. 23 de noviembre de 2011. 
  144. CBC.ca, French politicians pass Armenian genocide bill, 12 de octubre de 2006.
  145. «Resolución de Cámara de Diputados de Luxemburgo reconociendo el Genocidio» (PDF) [S.l.: s.n.] 6 de mayo de 2015. Consultado em 1 de junio de 2015. 
  146. Dutch Parliament Recognizes Greek, Assyrian and Armenian Genocide. Greek Reporter, Apr 11, 2015.
  147. Dutch Parliament Recognizes Assyrian, Greek and Armenian Genocide. AINA, 2015-04-10.
  148. «Paraguay's Senate Recognizes Armenian Genocide» [S.l.: s.n.] Asbarez. 29 de octubre de 2015. 
  149. Voss, Huberta (2007). «Portraits of Hope: Armenians in the Contemporary Worl» Berghahn Books [S.l.] 
  150. Czech parliament panel passes Genocide centenary resolution. PanArmenian, April 15, 2015.
  151. «Výbor se vyjádřil k vyvražďování Arménů Turky, píše o genocidě - ČeskéNoviny.cz». Ceskenoviny.cz. 14 de abril de 2015. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  152. «Foreign Relations Committee of Czech Parliament’s Chamber of Deputies adopts Resolution dedicated to the Armenian Genocide Centennial | ARMENPRESS Armenian News Agency». Armenpress.am. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  153. «Syria recognizes the Armenian Genocide committed by the Ottoman Empire, Parliament Speaker says - Հորիզոն շաբաթաթերթ - Horizon Weekly». Horizonweekly.ca. Consultado em 23 de abril de 2015. 
  154. Sveriges Riksdag, Kammarens protokoll: Riksdagens protokoll 2009/10:86, Stockholm, 11 March 2010
  155. Parlamento do Uruguai (20 de abril de 1965). «Law No. 13.326: Day of Remembrance for the Armenian Martyrs». Armenian National Institute. Consultado em 24 de abril de 2015. 
  156. VENEZUELAN PARLIAMENT ADOPTS ARMENIAN GENOCIDE RESOLUTION. Press release, ANCA, 2005-07-14.
  157. José Pedro Teixeira Fernandes. «O genocídio arménio: o reconhecimento político e o problema histórico» (PDF). Consultado em 21 de maio de 2011. 
  158. «Papa classifica mortes de armênios em 1915 como "genocídio"». Made for Minds. Consultado em 04 de maio de 2015. 
  159. «Alemanha reconhece genocídio armênio e irrita Turquia». Consultado em 2016-06-30. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Genocídio armênio