Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de IECLB)
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde abril de 2017)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil
Orientação Luterana
Origem 1824
Sede Porto Alegre, RS
Localização  Brasil
Número de membros 717,127 (2015)
Países em que atua  Brasil
O maior templo da IECLB, em Timbó
Igreja da IECLB em Carambeí
Igreja da IECLB em Bonfim, Santa Maria / RS.
Igreja da IECLB em Getúlio Vargas, Rio Grande do Sul.
Igreja da IECLB em Fortaleza, capital do Ceará.

A Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) é uma denominação protestante de base teológica luterana, fazendo parte da Federação Luterana Mundial. O Pastor Presidente da IECLB é Nestor Paulo Friedrich[1]. Sua sede localiza-se em Porto Alegre, RS.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A IECLB é originária principalmente da imigração de alemães protestantes luteranos, com formações das congregações suíça em maio de 1824 em Nova Friburgo, RJ; e de alemães em São Leopoldo, RS, em julho de 1824; Blumenau, SC, em 1854; na cidade do Rio de Janeiro 1827; em Domingos Martins, ES, em 1846; Teófilo Otoni - MG em 1862; Limeira - SP em 1873 e Ponta Grossa, PR, em 1877.

Estas comunidades começaram a organizar-se com apoio da Igreja Territorial da Alemanha. Em 1886, fundou-se o Sínodo Rio-Grandense da Igreja Evangélica Alemã, sob a liderança do Pastor Wilhelm Rotermund. Em 1968, esse Sínodo, com o Sínodo Protestante Luterano de Santa Catarina, Paraná e outros Estados da América do Sul (1905), a Associação de Comunidades Protestantes de Santa Catarina e Paraná (1911) e o Sínodo Evangélico do Brasil Central, formaram a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). A Migração de sulistas e capixabas luteranos a partir de 1970 por outras áreas do Brasil, notavelmente em Rondônia fez surgirem novas comunidades.

Em 2004 a IECLB contava com 713.502 membros, distribuídos em 18 Sínodos, 413 paróquias, 1.770 comunidades, 1.162 Pontos de Pregação, 46 Escolas, 13 Ancionatos, 20 Hospitais e 12 Casas de Retiro, 577 pastores e pastoras, 34 diaconisas, 98 obreiros e obreiras diaconais e 135 catequistas. Possui organizações étnicas, como a Comunidade Escandinava, Comunidade Húngara, uma Congregação Japonesa e o Grupo de Negros da Escola Superior de Teologia. A IECLB é forte atuante na área diaconal, atividades ecumênicas e missões evangelísticas.

Organização[editar | editar código-fonte]

Segundo a Constituição da IECLB [2] a igreja organiza-se em comunidades, paróquias e sínodos. Em comum, são dirigidos pelo Concílio da Igreja, o Conselho da Igreja e a Presidência. Atualmente, a IECLB divide-se administrativamente em sínodos:

Sínodo da Amazônia [2]
Sínodo Brasil Central [3]
Sínodo Centro-Campanha-Sul [4]
Sínodo Centro-Sul Catarinense [5]
Sínodo Espírito Santo a Belém [6]
Sínodo Mato Grosso [7]
Sínodo Nordeste Gaúcho [8]
Sínodo Noroeste Riograndense [9]
Sínodo Norte Catarinense [10]
Sínodo Paranapanema [11]
Sínodo Planalto Rio-grandense [12]
Sínodo Rio dos Sinos [13]
Sínodo Rio Paraná [14]
Sínodo Sudeste [15]
Sínodo Sul-Rio-Grandense [16]
Sínodo Uruguai [17]
Sínodo Vale do Itajaí [18]
Sínodo Vale do Taquari [19]

Doutrina[editar | editar código-fonte]

A IECLB tem por doutrina a base feita pelo reformador Martinho Lutero. Lutero pregava que a salvação vinha pela graça e pela fé, contrariando à ideia das boas obras como salvadoras. A igreja também utiliza os outros livros lançados por Lutero como uma base para o ensino de sua doutrina. O Catecismo Menor é ensinado a pessoas com um básico aprofundamento das principais teologias da Igreja. Um livro semelhante, porém maior e com aprofundamento mais detalhado é conhecido como Catecismo Maior, que é ensinado aos adultos. Além destes documentos, a IECLB também aceita como parte de seu ensino a Confissão de Augsburgo e o Livro de Concórdia. A IECLB utiliza dois sacramentos, o Batismo e a Santa Ceia. São três os credos ecumênicos presentes na IECLB: o Credo Apostólico, o Credo Niceno e o Credo Atanasiano. Em 1580, a Igreja Luterana incorporou os três credos em suas confissões, reunidas no Livro de Concórdia.

Missão Zero[editar | editar código-fonte]

A IECLB possui uma organização missionária chamada Missão Zero, dentro do Movimento Encontrão o qual organiza, desde 2001, projetos missionários no Meio-Norte e no Sertão Nordestino, cujo objetivo, além de alcançar as pessoas daquela região para Cristo, almeja fundar comunidades luteranas.

A Missão Zero teve seus primeiros projetos na década de 90 no oeste de São Paulo e leste do Mato Grosso do Sul. Seu primeiro projeto em 1989 em Três Lagoas/MS, tendo sequencia nas cidades de Araçatuba, Andradina, Birigui, Castilho, Santa Fé do Sul e São José do Rio Preto, todas no oeste do estado de São Paulo, embora nem todos os projetos tenham prevalecido. Em 2007 também foi criado um projeto em Butiá/RS.

Assim, a Missão Zero com foco na missão urbana, também pretende alcançar cidades e bairros de outras regiões do Brasil e do Mundo.

Juventude da IECLB[editar | editar código-fonte]

Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.

A IECLB organiza seu trabalho com jovens através da formação de grupos cujos objetivos são o aprofundamento bíblico-teológico, a comunhão cristã e vivência da fé. Os e as participantes dos grupos da Juventude Evangélica, além de um espaço para a reflexão bíblica, buscam também interagir socialmente.

Os grupos em seus encontros refletem sobre a Bíblia e a vivência cotidiana, fazem brincadeiras, praticam esportes, interagem com a sua comunidade e com a sociedade por meio de atividades sociais. Em 2004 havia mais de 700 grupos de jovens, sendo que o número de membros jovens da IECLB (14-25 anos) era de 122 mil.[3] Os 18 sínodos da IECLB e outras entidades para-eclesiásticas (Movimentos internos da IECLB e ONGs principalmente) desenvolvem atividades para os grupos,como acampamentos, congressos, encontrões, retiros, olimpíadas, eventos culturais e musicais.

A Juventude Evangélica da IECLB se organiza com um Conselho Nacional da Juventude Evangélica(CONAJE), Coordenações Sinodais(COSIJE) e grupos de comunidades e paróquias. A cada dois anos acontece o Congresso Nacional na JE (CONGRENAJE).

Há mais de uma década, o CONAJE tem promovido intercâmbios internacionais, tendo como parceiras as igreja luteranas da Baviera (Alemanha), ELCA (Estados Unidos), Noruega, Suécia, Austrália e IERP (ConeSul).

Foram presidentes do CONAJE: Claudio Becker, Patrícia Ferreira, Alexander Stahlhoefer, Aline Pacheco(Pelotas/RS), Viviane Kussler(Entre-Ijuis/RS), Sheila Potin(Santa Maria de Jetibá/ES), Katilene Willms(Blumenau/SC), Rodolfo Fuchs (PoA/RS) e como atual coordenadora Martina Wrasse Scherer (Sínodo Centro-Campanha Sul).

Movimentos[editar | editar código-fonte]

Na IECLB encontram-se ativos vários movimentos com diversas ênfases de trabalho:

  • Missão Evangélica União Cristã - MEUC - Movimento pietista. Ênfases na conversão pessoal, estudos bíblicos e grupos de comunhão.
  • Movimento Encontrão - Movimento Evangelical. A partir de 1955 começaram a chegar ao Paraná e Rio Grande do Sul vários pastores pietistas e missionários luteranos do evangelicalismo dos Estados Unidos e Canadá. Em 1965 chegou em Novo Hamburgo, RS, o missionário estadunidense John Aamot, pregando que Deus é um Senhor amoroso que habita em nosso corações (não na estrutura física da igreja) e que quer se relacionar conosco todos os dias (não apenas no domingo). Muitos jovens luteranos foram impactados com sua mensagem e decidiram formar um movimento que aplicasse o modelo bíblico de igreja, ou seja, um movimento que aplicasse a lei do amor, a comunhão e a evangelização de todas as pessoas. Assim nasceu o Movimento Encontrão dentro da IECLB. [4].
  • Pastoral Popular Luterana - PPL - Uma pastoral é essencialmente testemunho e ação. Tem suas raízes na mensagem bíblica. Esse testemunho e ação motivada pela mensagem bíblica ganha enorme relevância na atualidade por seu conteúdo e propostas de mudança da realidade. A ação pastoral é um agir evangélico no meio popular.

A pastoral popular tem sua origem na luta de libertação na América Latina, onde o povo reconhece a atuação de Deus na história pela prática da justiça. Esta sua origem também define o seu público e tarefa específica que o cuidado para com aqueles/as que se encontram em situação de fragilidade devido a desigualdade social e de todas as demais consequências de tal desigualdade. A pastoral popular eficiente é aquela que,conforme Jesus fez, consegue ler e interpretar a sociedade do seu tempo, a fim de detectar os problemas que fazem com que o povo sofra. E, a partir de então, sejam denunciados, tendo em seu horizonte a mudança, a realização da justiça.

Assim nasceu a Pastoral Popular Luterana (PPL), formada a partir da atuação de membros, lideranças e ministros/as vinculados à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). A Pastoral Popular Luterana não possui uma data certa para seu surgimento. Ela aparece num momento histórico compreendido entre o final da década de 1970 e início da década de 1980, em algumas comunidades do sul do Brasil, espalhando-se depois por vários estados do sul até o Espírito Santo, Mato Grosso, Rondônia, Pará. Seus participantes inicialmente eram somente pastores, pastoras, mas logo de início, em torno de 1984, ela contou com a participação de leigos engajados em lutas sociais.Conforme consta em ata do seminário da Pastoral Popular Luterana ocorrida em Palmitos no ano de 1990, a sigla PPL teve origem numa reunião ocorrida em Esteio/RS, sendo seu principal objetivo “motivar as pessoas para um trabalho popular”.

Também consta nesta ata que uma das importantes características da PPL é ser ecumênica e somar forças nas ações concretas com grupos e movimentos sociais organizados.

A PPL aparece nos momentos finais de uma violenta etapa da história brasileira, em que o país viveu sob a ditadura militar (1964 a 1985), gerando repressão, opressão, violência e desigualdade. Por isto é extremamente significativo entender como a PPL, um movimento eclesial com opções de esquerda, conseguiu ir se estabelecendo numa igreja minoritária e historicamente vinculada à imigrantes alemães.

Em oposição à experiência da ditadura, a PPL sempre deu muito valor à formação, organização e protagonismo popular, a partir de uma visão de fé motivado pela Teologia da Libertação e pela confessionalidade luterana, e de testemunho evangélico das comunidades lá na sua base. Foi o exercício da missão profética de denúncia e anúncio em vista do Evangelho de Jesus Cristo.

A PPL assim se definiu conforme os seus estatutos:

Pastoral Popular Luterana, a seguir denominada PPL, é uma associação civil, sem fins lucrativos, de cunho religioso, autônoma em relação ao Estado e aos Partidos Políticos, comprometida com o movimento social e comunitário, de caráter assistencial, educacional e de assessoria, composta por pessoas ligadas organicamente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil – IECLBConforme consta em ata do seminário da Pastoral Popular Luterana ocorrida em Palmitos no ano de 1990, a sigla PPL teve origem numa reunião ocorrida em Esteio/RS, sendo seu principal objetivo “motivar as pessoas para um trabalho popular”. Também consta nesta ata que uma das importantes características da PPL é ser ecumênica e somar forças nas ações concretas com grupos e movimentos sociais organizados. A PPL aparece nos momentos finais de uma violenta etapa da história brasileira, em que o país viveu sob a ditadura militar (1964 a 1985), gerando repressão, opressão, violência e desigualdade. Por isto é extremamente significativo entender como a PPL, um movimento eclesial com opções de esquerda, conseguiu ir se estabelecendo numa igreja minoritária e historicamente vinculada à imigrantes alemães.

Em oposição à experiência da ditadura, a PPL sempre deu muito valor à formação, organização e protagonismo popular, a partir de uma visão de fé motivado pela Teologia da Libertação e pela confessionalidade luterana, e de testemunho evangélico das comunidades lá na sua base. Foi o exercício da missão profética de denúncia e anúncio em vista do Evangelho de Jesus Cristo. A PPL assim se definiu conforme os seus estatutos:

Pastoral Popular Luterana, a seguir denominada PPL, é uma associação civil, sem fins lucrativos, de cunho religioso, autônoma em relação ao Estado e aos Partidos Políticos, comprometida com o movimento social e comunitário, de caráter assistencial, educacional e de assessoria, composta por pessoas ligadas organicamente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil – IECLB

Com fundamentos na teologia luterana assim como na teologia da libertação, a PPL visa contribuir com suas ações para a transformação social, por meio de uma leitura crítica das realidades que se apresentam e da própria fé cristã. Esta tarefa é realizada por meio de objetivos que são:

  • Promover a reunião e organização de pessoas e grupos de comunidades cristãs engajadas em instituições da sociedade civil, visando prepará-las para ações transformadoras na sociedade, desde uma perspectiva eclesial, bíblico-teológica e sociocultural;
  • Implementar a ação pastoral junto a comunidades eclesiais e organizações do movimento social, considerando as dimensões celebrativa, de animação, conscientização e formação;
  • Buscar a transformação da sociedade numa perspectiva libertadora e ecumênica, junto com outros grupos, comunidades eclesiais e segmentos sociais;
  • Animar a promoção humana através de ações de solidariedade, de formação teológica e política, e de preparação de lideranças eclesiais e comunitárias;
  • Incentivar a organização social, educacional, cultural e recreativa de pessoas associadas e grupos com os quais a PPL trabalha;
  • Realizar atividades filantrópicas que visem atender carências do público com o qual a PPL trabalha, especialmente de grupos empobrecidos, comunidades eclesiais e setores do movimento social;
  • Realizar encontros nacionais, regionais e locais, em forma de seminários, cursos, congressos, retiros, fóruns, debates e conferências, visando o aprimoramento pessoal e comunitário do público alvo da PPL, a interligação de atividades, a análise da realidade e o aprofundamento bíblico-teológico.

É por meio desta voz profética, que não somente denuncia, mas também anuncia, e que evidentemente não se restringe ao grupo de pessoas ligadas à PPL, que as pessoas podem perceber que o Reino de Deus já se manifesta aqui neste mundo, na prática da justiça, na vivência do amor e da solidariedade. [5].

  • Inclusão Luterana - É um grupo cristão, de denominação luterana, criado em 2014 que busca dar visibilidade à comunidade LGBT+ (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transsexuais) dentro da igreja cristã. Defende que todos os cristãos e cristãs possam participar de modo integral da igreja de Jesus Cristo, inclusive com casamento e ordenação igualitários.
  • CAPA - Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia - É uma organização da sociedade civil, vinculada à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, com atuação nos três estados do sul do Brasil – Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Criado em 1978, iniciou suas atividades em 15 de junho de 1979, na cidade de Santa Rosa (RS), com o nome de Centro de Aconselhamento ao Pequeno Agricultor.

O CAPA nasceu no momento em que agricultoras e agricultores familiares eram expulsas e expulsos do campo, pelo modelo de desenvolvimento chamado “Revolução Verde” – um pacote de modernização baseada na produção agrícola em grande escala, no uso intensivo de agrotóxicos e na mecanização, rompendo com a lógica da agricultura familiar. Já ali, a proposta do CAPA se fundamentava na disseminação de práticas econômica e ecologicamente sustentáveis, entre famílias produtoras rurais, oferecendo alternativas para a permanência no campo.[6] O CAPA é um serviço da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) que, como igreja de Cristo, tem o compromisso de não se conformar com injustiças sociais e a agressão à Natureza. O CAPA foi colocado à disposição das agricultoras e dos agricultores familiares para, em conjunto, e com base nos princípios da agroecologia e da cooperação, desenvolver experiências de produção, beneficiamento, industrialização e comercialização, de formação e capacitação, de saúde comunitária, que sirvam de sinais de que o meio rural pode ser um espaço de vida saudável e de realização econômica para todas e todos. [7]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A IECLB é bastante conhecida, especialmente no Rio Grande do Sul, devido a suas emissões de rádio através das Rádios União FM que, diferente de outras fundações evangélicas, propõe-se a levar programação de música ambiente, adulto-contemporânea e de MPB, intercalado com notícias e frases de reflexão, além de tradicionais cultos dominicais. Em Blumenau, Santa Catarina, já houve uma União FM, hoje afiliada a Rede Antena 1. E em Novo Hamburgo, a União FM é a primeira emissora FM, e também a primeira a irradiar em stereo, na região do Vale do Sinos, inaugurada em 1980.

Centros de formação[editar | editar código-fonte]

A história da Faculdades EST, em especial do Bacharelado em Teologia, está intimamente relacionada com a imigração alemã no sul do Brasil. A partir de 1824, um número expressivo de alemães de confessionalidade luterana chegou ao sul do país, iniciando o trabalho de edificação de comunidades. Inicialmente, esse trabalho era feito por pessoas leigas, ou por pastores vindos do exterior. Logo, sentiu-se a necessidade de uma formação teológica em terra brasileira. Num artigo publicado em 1920, já se constatava a necessidade, segundo o pastor Hermann Dohms, de pastores familiarizados com a situação do país, que conferissem à igreja o caráter de uma instituição arraigada no povo. Para tanto, foi criado, em 1921, um curso de formação humanística de ensino médio que se tornou, a partir de 1931, o Instituto Pré-Teológico - com sede própria no Morro do Espelho, São Leopoldo. Nesse Instituto, em 1940, iniciou-se um "curso teológico propedêutico", que teve que ser interrompido em 1942, com a declaração de guerra à Alemanha pelo Brasil.

Terminada a Segunda Guerra Mundial, fundou-se o primeiro curso oficial de Teologia. Em 26 de março de 1946 foi constituída a primeira "Escola de Teologia" da IECLB. Esta foi transferida, em 1948, de uma modesta casa no Morro do Espelho para a Casa Sinodal, o prédio que abrigou o sínodo Rio dos Sinos e, mais recentemente, passou a ser a Secretaria Acadêmica da Faculdades EST. Em 1956, foi inaugurada a "Casa dos Estudantes", cujas dependências são conhecidas hoje por "prédio velho". Anteriormente pertencente ao Sínodo Rio-Grandense, a Faculdade de Teologia passou a ser, a partir de 1958, uma instituição da Federação Sinodal (hoje, IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil), com abrangência nacional. Nessas primeiras décadas, o corpo docente da Faculdade era constituído, em sua maioria, por docentes provenientes da Alemanha. A partir de 1968, no entanto, o processo de abrasileiramento foi acelerado. 

Em 1984, a Faculdade de Teologia passou a constituir a Escola Superior de Teologia (EST). A EST surgiu abrigando cinco institutos: Faculdade de Teologia, Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa ( atual Programa de Pós-Graduação em Teologia), Instituto de Educação Cristã, Instituto de Capacitação Teológica Especial e Instituto de Pastoral. Posteriormente, foram criados o Instituto de Música e o Instituto de Formação Diaconal, a Escola Sinodal de Educação Profissional (Esep) e o Instituto Superior de Música de São Leopoldo (ISMSL).

O conjunto de atividades desenvolvidas por esses diferentes institutos ao longo dos anos fez com que a EST passasse a ser uma instituição que atua em diferentes níveis: graduação, pós-graduação, extensão e técnico. O Regimento Geral, aprovado em 2002, substituiu os antigos institutos por pró-reitorias, permanecendo a Escola Sinodal de Educação Profissional (Esep) e o Instituto Superior de Música de São Leopoldo (ISMSL).

Em 2007, o regimento geral foi reformulado, visando integrar o IEPG, a ESEP, o ISM e a EST numa única instituição de ensino superior, sob a marca Faculdades EST, com seus respectivos cursos.[8]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre protestantismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.