Tibau do Sul

Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tibau do Sul
  Município do Brasil  
Panorama da Praia de Pipa
Panorama da Praia de Pipa
Símbolos
Bandeira de Tibau do Sul
Bandeira
Brasão de armas de Tibau do Sul
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Paraíso potiguar"
Gentílico sul-tibauzense
Localização
Localização de Tibau do Sul no Rio Grande do Norte
Localização de Tibau do Sul no Rio Grande do Norte
Mapa de Tibau do Sul
Coordenadas 6° 11' 13" S 35° 05' 31" O
País Brasil
Unidade federativa Rio Grande do Norte
Região intermediária[1] Natal
Região imediata[1] Canguaretama
Municípios limítrofes Norte: Arez e Senador Georgino Avelino;
Sul: Canguaretama e Vila Flor;
Leste: Oceano Atlântico;
Oeste: Goianinha.
Distância até a capital 77 km[2]
História
Fundação 3 de abril de 1963 (58 anos)
Aniversário 3 de abril
Administração
Prefeito(a) Valdenicio José da Costa (DEM, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [3] 102,680 km²
População total (IBGE/2020[4]) 14 440 hab.
 • Posição RN: 43º
Densidade 140,6 hab./km²
Clima Tropical
Altitude [5] 38 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[6]) 0,645 médio
 • Posição RN: 24°
PIB (IBGE/2018[7]) R$ 336 559,59 mil
PIB per capita (IBGE/2018[7]) R$ 24 185,08
Outras informações
Padroeiro(a) Santo Antônio de Lisboa

Tibau do Sul é um município brasileiro situado na faixa litorânea meridional do estado do Rio Grande do Norte, distante 77 quilômetros a sul de Natal, capital do estado. Ocupa uma área de 102,680 km² e sua população foi estimada no ano de 2020 em 14 440 habitantes.

Internacionalmente conhecido por abrigar a Praia de Pipa, Tibau do Sul é um dos principais balneários do estado e um importante polo indutor de turismo,[8] que começou a se desenvolver na década de 1970, quando vários grupos de surfistas descobriram e começaram a frequentar cada vez mais as praias do município. Isso fez com que Tibau do Sul rapidamente crescesse no turismo, atraindo cada vez mais gente de todos os lugares do mundo, tornando Pipa uma das praias mais cosmopolitas do Brasil.

Situado entre a Lagoa das Guaraíras e o Oceano Atlântico, Tibau do Sul era distrito de Goianinha, com a denominação Tibau. Com a emancipação consolidada, em 3 de abril de 1963, o novo município adquiriu sua denominação atual para diferenciar de um outro Tibau, município do litoral norte do Rio Grande do Norte, próximo a Mossoró.

História[editar | editar código-fonte]

No século XVII, mais precisamente no ano de 1612, o território atualmente pertencente ao município de Tibau do Sul pertencia à Aldeia Antônia, até que, no final do mesmo século, o território passou a ser um povoado controlado pela Aldeia São João Batista de Guaraíras até 1760, quando aquela aldeia passou a ser uma vila pertencente a Arez. Ao mesmo tempo, a vila foi sede de contatos entre povos naturais do Rio Grande do Norte (potiguares) e os povos europeus (principalmente os franceses e os holandeses) e começou a ser desenvolver economicamente, tendo como base a agricultura.[9]

Primeiramente, o contato entre os potiguares e os europeus foi realizado com os franceses, que invadiram o território brasileiro e praticavam o contrabando ilegal do pau-brasil (escambo). Isso iria dificultar a posse de terra pelos portugueses, que expulsaram os povos indígenas dos lugares onde eles viviam. Depois do contato com os franceses, a vez passou para os holandeses.[9]

Além da agricultura, o povoado também passou a se desenvolver economicamente na pesca. No século XIX (1873), o pequeno povoado ganhou, pela primeira vez, uma escola. Já em 1911, foi elevado à categoria de distrito. Na década de 1920, o distrito denominado "Tibau" enfrentou enchentes causadas pelo excesso de chuvas que provocaram o arrombamento da Lagoa das Guaraíras. A inundação provocou a destruição de residências pequenas até grandes extensões e lotes de terra. Por isso, a população transferiu-se para um lugar mais alto, a fim de evitar novas enchentes e destruições.[9][10]

Em 1953, por meio da lei estadual n° 960, o distrito foi elevado à categoria de vila, com o nome de "Tibau". Depois, a lei estadual n° 2315 de 20 de dezembro de 1958 mudou o nome do distrito para "Tibau do Sul", para diferenciar de um outro distrito de "Tibau", localizado no litoral e extremo norte potiguar. Finalmente, em 3 de abril de 1963, Tibau do Sul ganhou autonomia política e tornou-se, por meio da lei n° 2803, município do Rio Grande do Norte, desmembrando-se de Goianinha. O nome do município provém dos indígenas e quer dizer "entre duas águas", pelo fato de o município estar localizada entre a Lagoa das Guaraíras e o Oceano Atlântico.[10]

Durante os primeiros anos de emancipação, Tibau do Sul permaneceu como um município isolado, tendo sua economia baseada principalmente na agricultura e na pesca. Depois, a situação foi alterada quando, na década de 1970, surfistas começaram a descobrir e frequentar cada vez mais as praias do município, o que tornou Tibau do Sul mais conhecida. Hoje, o município é um dos mais visitados do Rio Grande do Norte e é conhecido internacionalmente por abrigar a Praia da Pipa, um dos principais balneários do estado.[9]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Tibau do Sul e municípios limítrofes

De acordo com a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vigente desde 2017,[11] Tibau do Sul pertence à região geográfica intermediária de Natal e à região imediata de Canguaretama.[1] Antes, com a vigência das microrregiões e mesorregiões, fazia parte da microrregião do Litoral Sul, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Leste Potiguar.[12]

Com uma área de 101,822 quilômetros quadrados,[3] limita-se com os municípios de Arez e Senador Georgino Avelino a norte, Canguaretama e Vila Flor a sul e Goianinha a oeste, além do Oceano Atlântico a leste.[13] Tibau do Sul está distante 77 quilômetros da capital estadual, Natal,[2] e 2 212 quilômetros da capital federal, Brasília.[14]

O relevo de Tibau do Sul, com altitudes inferiores a cem metros, é formado pela planície costeira, caracterizada pela presença de dunas modeladas pela ação eólica, constituídos de areia e sedimentos de quartzo e cascalho. Essa planície é sucedida pelos tabuleiros costeiros ou planaltos rebaixados, nas áreas mais afastadas do oceano. O município está inserido no Grupo Barreiras, cujas rochas, originárias do período Terciário Superior, são em sua maior parte recobertas por arenitos, havendo também a presença de sedimentos de quartzo e siltito. Em parte da área costeira há a presença de falésias, com altura de até doze metros.[13]

Os solos do município se caracterizam por ser arenosos, profundos e bastante drenados, porém muito pobres em nutrientes e, por isso, pouco férteis, caracterizando os neossolos ou areias quartzosas, altamente permeáveis e lixiviados.[13] Apenas às margens da Lagoa de Guaraíras estão os solos indiscriminados de mangue,[15] constituídos tanto de areia quanto de argila e cobertos pelos manguezais, cujas espécies são adaptadas ao grau de salinidade e sujeitos à ação das marés. O restante do território é coberto pela Mata Atlântica (floresta subperenifólia), com espécies de maior porte, verdes durante todo o ano, com folhas largas e troncos delgados.[13]

Com 15,9 km de praias,[16] Tibau do Sul é cortado por dois rios, Catu e Piau, possuindo 44,28% do seu território dentro da bacia hidrográfica do rio Catu, 36,6% na bacia do rio Jacu e os 19,12% restantes na faixa litorânea leste de escoamento difuso. A hidrografia também é marcada pela Lagoa de Guaraíras, que separa Tibau do Sul de Senador Georgino Avelino e é parte da Área de Proteção Ambiental Bonfim-Guaraíras, unidade de conservação estadual criada por decreto em 22 de março de 1999, cobrindo uma área de 42 mil hectares em territórios de seis municípios.[17][18] Dentro desta área de proteção ambiental (APA) está o Parque Estadual Mata da Pipa, criada por decreto de 12 de setembro de 2006 com o objetivo de preservar o ecossistema e a biodiversidade locais.[19][20]

O clima é o tropical úmido,[13] com um período de chuvas compreendido entre os meses de janeiro e agosto. Segundo dados da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), referentes ao período de 1992 a 2007 e 2010 a 2011, o maior acumulado de chuva em 24 horas registrado em Tibau do Sul alcançou 200 milímetros (mm) em 13 de abril de 2011, seguido por 166 mm em 1 de julho de 2000, 160 mm em 18 de julho de 1998 e 153,2 mm em 17 de junho de 2007.[21]

Dados climatológicos para Tibau do Sul
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 31,7 31,6 31,3 30,7 29,7 28,6 28,1 28,6 29,7 30,8 31,2 31,7 30,3
Temperatura média (°C) 27,1 27,2 27 26,5 25,6 24,6 24 24,2 25,2 26,1 26,6 27,1 25,9
Temperatura mínima média (°C) 22,6 22,8 22,7 22,3 21,6 20,7 20 19,8 20,7 21,5 22,1 22,5 21,6
Precipitação (mm) 63 99 179 223 201 231 207 98 57 22 23 29 1 432
Fonte: Climate-Data.org[22]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
19703 897
19804 87325,0%
19915 96422,4%
20007 74929,9%
201011 40247,1%
Censos demográficos do IBGE[23][24]

A população do município de Tibau do Sul no censo demográfico de 2010 era de 11 385 habitantes, sendo o 53º município mais populoso do Rio Grande do Norte, apresentando uma densidade populacional de 111,81 hab./km².[24] De acordo com este mesmo censo demográfico, 60,26% dos habitantes viviam na zona urbana e 39,74% na zona rural. Ao mesmo tempo, 50,58% eram do sexo masculino e 49,42% do sexo feminino, tendo uma razão de sexo de 102,33.[25][26] Quanto à faixa etária, 65,74% da população tinham entre 15 e 64 anos, 28,17% menos de quinze anos e 6,1% 65 anos ou mais.[27]

Conforme pesquisa de autodeclaração do mesmo censo, a população era formada por brancos (58,69%), pardos (32,75%), pretos (7,36%) e amarelos (1,2%).[28] 98,31% eram brasileiros (98,06% natos e 0,25% naturalizados) e apenas 1,69% estrangeiros.[29] Dentre o total de brasileiros (considerando-se a população total), 93,23% eram naturais do Nordeste, 1,33% do Sudeste, 0,19% do Centro-Oeste, 0,84% no Sul e 0,06% do Norte, além dos sem especificação (0,25%), sendo 55,7% dos habitantes naturais do próprio município. Dentre naturais de outras unidades da federação, a Paraíba tinha o maior percentual de residentes (2,19%), seguido por Pernambuco (2,16%) e por São Paulo (1,66%).[30][31]

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) do município é considerado médio, de acordo com dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Segundo dados do relatório de 2010, divulgados em 2013, seu valor era de 0,645, sendo o 24º maior do Rio Grande do Norte (PNUD) e o 3 201º do Brasil. Considerando-se apenas o índice de longevidade, seu valor é de 0,794, o valor do índice de renda de 0,672 e o de educação 0,504.[6] No período de 2000 a 2010, o índice de Gini aumentou de 0,56 para 0,60 e a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita de até R$ 140 passou de 48,9% para 29%, apresentando uma queda de 40,7%. Em 2010, 51,1% da população vivia acima da linha de pobreza, 28,4% entre as linhas de indigência e de pobreza e 20,5% abaixo da linha de indigência. No mesmo ano, os 20% mais ricos eram responsáveis por 64,3% do rendimento total municipal, valor mais de 21 vezes superior à dos 20% mais pobres, que era de apenas 3%.[27][32]

Religião[editar | editar código-fonte]

Igreja Matriz de Santo Antônio de Lisboa

De acordo com o censo demográfico de 2010, a população de Tibau do Sul é formada por católicos apostólicos romanos (61,36%), protestantes ou evangélicos (13,08%), espíritas (0,58%), espiritualistas (0,34%), umbandistas (0,12%), ortodoxos (0,05%), testemunhas de Jeová (0,05%) e candomblecistas (0,05%). Outros 23,92% não tinham religião, incluindo-se aí os ateus (0,05%); 0,37% seguiam outras religiosidades cristãs e 0,08% não tinham religião determinada.[33]

Na Igreja Católica, Tibau do Sul pertence à décima terceira zonal da Arquidiocese de Natal. Durante muito tempo subordinado à Paróquia de Nossa Senhora dos Prazeres de Goianinha, o município tem como padroeiro Santo Antônio de Lisboa, cuja paróquia, situada no vicariato episcopal sul da arquidiocese, foi criada em 2 de junho de 2016, após ser criada inicialmente como área pastoral em 2012.[34][35]

Tibau do Sul também possui alguns credos protestantes ou reformados, entre os quais a Assembleia de Deus (maior denominação evangélica do município), a Igreja Presbiteriana, a Igreja Universal do Reino de Deus e a igreja Deus é Amor. Como mencionado, 13,08% da população municipal se declararam evangélicos, sendo que 9,47% pertenciam às igrejas de origem pentecostal, 3,48% a evangélicas não determinadas e 0,13% às evangélicas de missão.[33]

Política[editar | editar código-fonte]

O poder executivo do município de Tibau do Sul é representado pelo prefeito, auxiliado pelo seu gabinete de secretários municipais.[36] O primeiro prefeito eleito foi Wilson Galvão de Freitas,[37] e o atual é Valdenicio José da Costa, do Democratas (DEM),[38] e a vice MANOEL MESSIAS MARINHO (Partido Socialista Brasileiro/PSB),[39] eleitos nas eleições municipais de 2020 com 54,5% dos votos válidos.[40] O poder legislativo é constituído pela Câmara Municipal,[36] composta por nove vereadores.[41]

Em complementação ao processo legislativo e ao trabalho das secretarias, há também alguns conselhos municipais em atividade; são eles: Assistência Social, Cultura, Educação, Meio Ambiente e Turismo e Saúde.[13] Tibau do Sul se rege por sua lei orgânica, promulgada em 26 de setembro de 1997,[13] e é, ao lado de Arez e Espírito Santo, termo da comarca de Goianinha, de segunda entrância.[42] O município pertence à nona zona eleitoral do Rio Grande do Norte e possuía 9 976 eleitores em novembro de 2016, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o que representa 0,416% do eleitorado potiguar.[43]

Relações internacionais

Tibau do Sul possui, desde 16 de abril de 2011, parceria com a cidade de Cascais (Portugal Portugal), para que ambas se tornem cidades irmãs ou geminadas, com o objetivo de desenvolver o turismo no município.[44][45]

Economia[editar | editar código-fonte]

Segundo dados do IBGE, o PIB total de Tibau do Sul era, em 2008, de R$ 64 621,730. A economia do município pode ser dividida em três setores diferentes: o primário, o secundário e o terciário. Destes, o setor que rende mais no produto interno bruto municipal é o terciário, seguido pelo setor secundário. A renda per capita é de R$ 5 695,05. Além disso, 6 836 reais são de impostos líquidos a preços correntes.[46]

O setor primário é o menos relevante para a economia de Tibau do Sul. De todo o PIB em geral, 6 019 reais estão destinados a este setor. Segundo o IBGE em 2009 o município possuía um rebanho de 1 590 bovinos, 107 equinos, 1 093 suínos, 115 caprinos, treze asininos, 42 muares, seiscentos ovinos, e 2 605 aves, dentre estas 890 galinhas e 1 715 galos, frangos e pintinhos. No mesmo ano, o município produziu 266 mil litros de leite. Na lavoura permanente, Tibau do Sul produz banana, castanha de caju, coco-da-baía, laranja, limão e manga. Já na lavoura temporária, são produzidos cana-de-açúcar, feijão, mandioca e milho. A produção agrícola municipal produz somente milho e feijão.[46]

O setor secundário é o segundo mais relevante para a economia do município. 11 101 mil reais do PIB municipal são do valor adicionado bruto da indústria (setor secundário).[7] Já o setor terciário é o mais relevante para a economia municipal. A prestação de serviços rende 40 666 reais ao PIB municipal. De acordo com o IBGE, o município possuía, no ano de 2009, 496 unidades locais, sendo 479 atuantes e 5 504 trabalhadores, sendo 3 074 do tipo pessoal ocupado total e 2 430 ocupados assalariados. Salários, juntamente com outras remunerações, somavam 22 137 mil reais e o salário médio mensal de todo município era de 1,6 Salário mínimo, valor semelhante a outros municípios da região, como Canguaretama e Vila Flor.[46]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Pôr do sol na Praia de Pipa

O turismo é uma das bases da economia de Tibau do Sul.[47] O município recebe anualmente mais de cem mil turistas, vindos de outras regiões do Brasil ou mesmo do exterior.[48] Seu ponto turístico mais famoso é a Praia de Pipa, descoberta por surfistas na década de 1970 e que abriga o Santuário Ecológico da Pipa e algumas praias menores, como as do Amor, a Madeiro e das Minas e ainda a Baía dos Golfinhos.[49] O nome "Pipa" vem de uma pedra localizada na extremidade setentrional da praia, cujo formato é semelhante ao de uma pipa, um barril usado para armazenar diversas bebidas, como o vinho.[50]

Também se destacam as praias de Tibau do Sul, com falésias altas na parte localizada mais a sul da praia; a Lagoa de Guaraíras, com manguezais, viveiros de camarões, marés altas e de onde pode ser avistada a torre da igreja da antiga Tibau; as praias do Giz e da Boia, desertas, ideais à pratica do surfe e a Praia de Cacimbinhas, onde se pode apreciar o pôr do sol.[51] A praia de Malembá, embora localizada no município vizinho de Senador Georgino Avelino, é muito procurada pelos turistas que vêm de Tibau do Sul para a prática de kitesurf. Outros pontos turísticos do município são o Centro Cultural da Casa da Farinha, o Chapadão, as dunas e o Morro da Velha Vicência.[13]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Praça Monsenhor Antônio Barros no centro de Tibau do Sul

O serviço de abastecimento de água do município é feito pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN).[52] A concessionário responsável pelo abastecimento de energia elétrica é a Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN), que atende em todo o estado.[53] A voltagem da rede é de 220 volts.[54] Em 2010, o município possuía 98,61% de seus domicílios com água canalizada,[55] 99,04% com eletricidade[56] e 87,61% possuíam coleta de lixo.[57]

O código de área (DDD) de Tibau do Sul é 084[58] e o Código de Endereçamento Postal (CEP) varia de 59178-000 a 59179-999.[59] Desde 10 de novembro de 2008 o município é servido pela portabilidade, juntamente com outras cidades de DDDs 33 e 38, em Minas Gerais; 44, no Paraná; 49, em Santa Catarina; além de outros municípios com código 84, no Rio Grande do Norte.[60] Conforme dados do censo de 2010, 67,72% dos domicílios tinham somente telefone celular, 12,16% possuíam celular e fixo e 2,21% apenas telefone fixo.[61]

A frota municipal no ano de 2015 era de 2 886 veículos, sendo 1 331 automóveis, 850 motocicletas, 289 caminhonetes, 104 camionetas, 79 motonetas, 64 utilitários, 52 caminhões, 43 micro-ônibus, dezessete ônibus e um caminhão trator, além de 56 em outras categorias.[62] O município é servido pela RN-003, que liga Tibau do Sul à Praia de Pipa e a Goianinha e também a outros municípios.[63]

Saúde[editar | editar código-fonte]

A rede de saúde de Tibau do Sul possuía, em 2009, 42 estabelecimentos (27 privados e quinze públicos), sendo que 36 deles prestavam atendimento ao Sistema Único de Saúde (SUS), com um total de 136 leitos para internação (124 públicos e doze particulares).[64] Em abril de 2010, a rede profissional de saúde do município era constituída por treze médicos, seis enfermeiros, quatro cirurgiões-dentistas, dois farmacêuticos, um nutricionista, um assistente social, um psicólogo, um auxiliar de enfermagem e um técnico de enfermagem, totalizando trinta profissionais.[65]

No mesmo ano, a expectativa de vida ao nascer era de 72,62 anos, a taxa de mortalidade infantil de 21,7 por mil nascimentos e a taxa de fecundidade de 2,4 filhos por mulher.[27] Segundo dados do Ministério da Saúde, sete casos de AIDS foram registrados em Tibau do Sul entre 1990 e 2013 e, de 2001 a 2012, foram notificados 264 casos de dengue e cinco de leishmaniose.[66] Tibau do Sul pertence à I Regional de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (I URSAP), cuja sede está instalada em São José de Mipibu.[67]

Educação[editar | editar código-fonte]

O fator "educação" do IDH no município atingiu em 2010 a marca de 0,504,[27] ao passo que a taxa de alfabetização da população acima dos dez anos indicada pelo último censo demográfico do mesmo ano foi de 83% (78,8% para os homens e 87% para as mulheres).[68] As taxas de conclusão dos ensinos fundamental (15 a 17 anos) e médio (18 a 24 anos) era de 29,5% e 26,3%, respectivamente, e o percentual de alfabetização da população entre 15 e 24 anos de 92,3%.[69]

Ainda em 2010, Tibau do Sul possuía uma expectativa de anos de estudos de 7,7 anos, valor inferior à média estadual (9,54 anos). O percentual de crianças de cinco a seis anos na escola era de 90,13% e de onze a treze anos cursando o fundamental de 76,28%. Entre os adolescentes, a proporção na faixa de quinze a dezessete anos com fundamental completo era de 29,53% e de 18 a 20 anos com ensino médio completo de 24,43%. Considerando-se apenas a população com idade maior ou igual a 25 anos, 39,09% tinham fundamental completo, 26,48% não sabiam ler nem escrever, 26,78% haviam concluído o ensino médio completo e 7,25% o ensino superior.[27]

Em 2012 o município possuía uma rede de quatorze escolas de ensino fundamental (com 114 docentes), dez do pré-escolar (23 docentes) e uma de ensino médio (dezoito docentes).[70] Em 2015, a distorção idade-série entre alunos do ensino fundamental, ou seja, com idade superior à recomendada, era de 24,2% para os anos iniciais e 54,2% nos anos finais, sendo essa defasagem no ensino médio de 61,8%.[69]

Cultura[editar | editar código-fonte]

No calendário cultural de Tibau do Sul alguns dos eventos são: a Festa de Sebastião, padroeira da Pipa, que ocorre entre os dias 18 e 20 de janeiro; o Festival Multicultural Pipa em Cantos, em data móvel, desde o primeiro final de semana após o Réveillon até a última semana que antecede o período carnavalesco; o Carnaval, tradicional festa brasileira, comemorada antes da Quaresma, durante alguns dias de folia; a Semana do Meio Ambiente, em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho e as festas juninas, que são realizadas no mês de junho e indicam a devoção de Santo Antônio, São João e São Pedro.[71]

No segundo semestre ocorrem a Festa à Fantasia, realizada em data móvel desde 2005, sempre no mês de agosto; o Festival Gastronômico da Pipa, na primeira dezena de outubro; o Verão Total Pipa, em novembro, como forma de incentivo à prática de esportes; a Festa de Nossa Senhora dos Navegantes, que homenageia a santa protetora dos marujos e pescadores; o Natal, em 25 de dezembro e o Réveillon, que comemora a passagem de um ano para o outro.[72] São feriados municipais os dias 3 de abril, data de aniversário do município, e 13 de junho, dia do padroeiro Santo Antônio.[71]

No ramo literário, Tibau do Sul realiza, desde 2009, a FLIPIPA (Feira Literária da Pipa), com o objetivo de incentivar e aproximar as pessoas da literatura, contando com lançamentos de livros e oficinas literárias e até mesmo grandes shows.[73] Outra forma espontânea da expressão cultural local é por meio do artesanato, sendo possível encontrar uma produção artesanal feita com matérias-primas regionais e criada de acordo com a cultura e o modo de vida local, dentre as quais a transformação de materiais em bonecos e formas de decoração.[74] O município realiza uma feira de artesanato desde 2005, após a doação de terreno feita à Associação dos Artesãos da Pipa pela prefeitura municipal; ela possui dezesseis bancas com artesãos que apresentam seus trabalhos ao público.[75]

Tratando-se de um município costeiro, Tibau do Sul se destaca na prática do surfe, principalmente em Pipa, um dos picos do esporte do nordeste do país,[76] havendo também espaço para variações como o kitesurf e o sandboard. Existe ainda a capoeira, que começou seu auge em 1991, com a chegada do grupo regional Quebra Coco, vindo de Pernambuco.[77] Tibau do Sul possui alguns clubes esportivos, como o Botafogo Futebol Clube.[78]

Referências

  1. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. a b «Distância entre Natal - Rio Grande do Norte, Brasil e Tibau do Sul - Rio Grande do Norte, Brasil». Consultado em 14 de junho de 2014 
  3. a b «Área territorial oficial - consulta por município». Resolução da Presidência do IBGE de n° 1 de 15 de janeiro de 2020. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 15 de janeiro de 2020. Consultado em 4 de janeiro de 2021 
  4. «ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 31 DE AGOSTO DE 2020». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 31 de agosto de 2020. Consultado em 4 de janeiro de 2021 
  5. Embrapa Monitoramento por Satélite. «Rio Grande do Norte». Consultado em 21 de julho de 2011. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2011 
  6. a b «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de agosto de 2013 
  7. a b c «Produto Interno Bruto dos Municípios 2018». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 4 de janeiro de 2021 
  8. «MOSSORÓ poderá ser terceiro polo indutor no Rio Grande do Norte». 18 de maio de 2010. Consultado em 4 de setembro de 2011 
  9. a b c d «História». Prefeitura de Tibau do Sul. Consultado em 4 de setembro de 2011. Cópia arquivada em 11 de julho de 2011 
  10. a b «Histórico» (PDF). IBGE. Consultado em 4 de setembro de 2011 
  11. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 29 de março de 2019. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2017 
  12. IBGE (2016). «Divisão Territorial Brasileira 2016». Consultado em 29 de março de 2019 
  13. a b c d e f g h «TIBAU DO SUL» (PDF). IDEMA/RN. Consultado em 2 de setembro de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 14 de junho de 2014 
  14. «Distância entre Brasília - Distrito Federal, Brasil e Tibau do Sul - Rio Grande do Norte, Brasil». Consultado em 14 de junho de 2014 
  15. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). «Mapa Exploratório-Reconhecimento de solos do município de Tibau do Sul, RN» (PDF). Consultado em 13 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 13 de julho de 2021 
  16. IBGE (2020). «Anuário Estatístico do Brasil» (PDF). Consultado em 13 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 6 de julho de 2021 
  17. «Decreto n° 14.369, de 22 de março de 1999» (PDF). Consultado em 13 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2021 
  18. «Idema publica Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental Bonfim-Guaraíra». 7 de dezembro de 2020. Consultado em 13 de julho de 2021. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2021 
  19. «Decreto nº 19.341 de 12 de setembro de 2006» (PDF). Consultado em 13 de julho de 2021 
  20. IDEMA-RN (8 de julho de 2015). «Parque Estadual Mata da Pipa - PEMP». Consultado em 13 de julho de 2021 
  21. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN). «Monitoramento pluviométrico». Consultado em 13 de julho de 2021 
  22. «Clima: Tibau do Sul». Climate-Data.org. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 24 de junho de 2015 
  23. «Demografia - População Total». Confederação Nacional de Municípios. Consultado em 26 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2011 
  24. a b «Tabela 2.1 - População residente, total, urbana total e urbana na sede municipal, em números absolutos e relativos, com indicação da área total e densidade demográfica, segundo as Unidades da Federação e os municípios – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  25. «Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo - Sinopse». 2010. Consultado em 5 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  26. «Razão de sexo, população de homens e mulheres, segundo os municípios – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  27. a b c d e «Tibau do Sul, RN». Atlas Brasil. 2010. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  28. «Tabela 2093 - População residente por cor ou raça, sexo, situação do domicílio e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 5 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2017 
  29. «Tabela 1497 - População residente, por nacionalidade - Resultados Gerais da Amostra». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 5 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  30. «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 5 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  31. «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 5 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  32. «1 - acabar com a fome e a miséria». Portal ODM. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  33. a b «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 5 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  34. «Paróquia de Santo Antônio é criada em Tibau do Sul». 3 de junho de 2016. Consultado em 5 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  35. «Paróquia de Santo Antônio de Lisboa». Arquidiocese de Natal. Consultado em 5 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2016 
  36. a b «Governo Municipal». Guia de direitos. Consultado em 12 de setembro de 2011 
  37. Phablo Galvão (4 de maio de 2016). «Tibau do Sul, 53 anos de emancipação política». Consultado em 5 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2017 
  38. «Valdenicio 25». Consultado em 4 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2017 
  39. «Messias 25». Consultado em 4 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2017 
  40. «Valdenicio Costa (DEM) é eleito prefeito de Tibau do Sul (RN)». Consultado em 4 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2017 
  41. «Candidatos a Vereador de Tibau do Sul - RN». Consultado em 5 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2017 
  42. «Comarca: Goianinha». Poder Judiciário do Rio Grande do Norte. Consultado em 12 de setembro de 2011. Arquivado do original em 5 de julho de 2008 
  43. «Estatísticas do eleitorado – Consulta por município/zona». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 14 de junho de 2014 
  44. «Parceria». 16 de abril de 2011. Consultado em 12 de setembro de 2011. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  45. «Parceiro externo». 17 de abril de 2011. Consultado em 12 de setembro de 2011. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2017 
  46. a b c Cidades@ - IBGE. «Tibau do Sul - RN». Consultado em 12 de setembro de 2011 
  47. «Natal e o Rio Grande do Norte - Enorme potencial Econômico e Turístico». Consultado em 12 de setembro de 2011 
  48. «Crescimento turístico em debate». ClicRN. 2 de março de 2008. Consultado em 1 de setembro de 2011 
  49. «As Praias da Pipa». Consultado em 1 de setembro de 2011 
  50. «HISTÓRIA». Consultado em 1 de setembro de 2011 
  51. «Atrações Turísticas». Prefeitura Municipal de Tibau do Sul, Rio Grande do Norte. Consultado em 1 de setembro de 2011 
  52. Secretaria do Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. «Resumo dos Custos Totais de Poços Para Atender a Demanda Humana Concentrada no Ano 2020». Consultado em 5 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2014 
  53. «Quem somos». Consultado em 6 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 1 de dezembro de 2014 
  54. «Tensões Nominais». Agência Nacional de Energia Elétrica. Consultado em 5 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 23 de setembro de 2015 
  55. «Tabela 2065 - Domicílios particulares permanentes, por existência de água canalizada e forma de abastecimento de água - Resultados Gerais da Amostra». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 6 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  56. «Tabela 3217 - Domicílios particulares permanentes e Moradores em domicílios particulares permanentes, por situação do domicílio, segundo a forma de abastecimento de água, o destino do lixo e a existência de energia elétrica». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 6 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  57. «Tabela 3503 - Domicílios particulares permanentes, por tipo de material das paredes externas, segundo o número de cômodos, a existência de água canalizada e forma de abastecimento de água, o destino do lixo, a existência de energia elétrica e a existência de alguns bens duráveis». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 6 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  58. «Estado: Rio Grande do Norte (RN)». Web Busca. Consultado em 6 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  59. «Busca CEP - Faixas de CEP». Correios. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  60. «Portabilidade numérica chega a mais 8 milhões na 2ªf». Estadão. 7 de novembro de 2008. Consultado em 20 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2014 
  61. «Tabela 3516 - Domicílios particulares permanentes, por existência de telefone, segundo a situação do domicílio e as classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 6 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  62. «Rio Grande do Norte » Tibau do Sul » frota - 2015». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 6 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  63. «Tomba requer recuperação asfáltica da RN-003 entre Goianinha e praia da Pipa». Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. 13 de março de 2015. Consultado em 6 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  64. «Rio Grande do Norte » Tibau do Sul » Serviços de Saúde - 2009». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 6 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  65. «Cadernos de Informações de Saúde - Tibau do Sul/RN». DATASUS. Consultado em 12 de setembro de 2011 
  66. «6 - combater a AIDS, a malária e outras doenças». Portal ODM. Consultado em 31 de janeiro de 2014 
  67. «Autorização de Notificação de Receituário Controlado (I URSAP)». Subcoordenadoria da Vigilância Sanitária do Rio Grande do Norte. 19 de outubro de 2016. Consultado em 6 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  68. «Tabela 1383 - Taxa de alfabetização das pessoas de 10 anos ou mais de idade por sexo». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 6 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  69. a b «OFERECER EDUCAÇÃO BÁSICA DE QUALIDADE PARA TODOS». Portal ODM. 2010. Consultado em 19 de julho de 2014 
  70. «Rio Grande do Norte » Tibau do Sul » ensino - matrículas, docentes e rede escolar - 2012». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 6 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2017 
  71. a b «Saiba tudo sobre essa cidade praiana ao sul de Natal». Consultado em 1 de setembro de 2011. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2009 
  72. «Os principais acontecimentos no Paraíso». Consultado em 1 de setembro de 2011 
  73. «Flipa – Feira Literária da Pipa». 6 de setembro de 2009. Consultado em 2 de setembro de 2011 
  74. «ARTESANATO EM CABECEIRAS - TIBAU DO SUL». Consultado em 1 de setembro de 2011 
  75. «Feira de Artesanato». Consultado em 1 de setembro de 2011 
  76. «Surfistas mostram a Pipa para o mundo». Consultado em 1 de setembro de 2011 
  77. «Dança, ritual, luta, música, filosofia de vida». Consultado em 1 de setembro de 2011 
  78. «BOTAFOGO FUTEBOL CLUBE». Consultado em 1 de setembro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikivoyage
O Wikivoyage possui o guia Tibau do Sul