Ultimato de julho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alianças na Europa em 1914
O arquiduque Francisco Fernando e sua esposa pouco antes do atentado

O Ultimato Austro-Húngaro a Sérvia ou Ultimato de julho foi um ultimato contendo a lista de exigências ao governo do Reino da Sérvia enviado em 23 de julho de 1914, logo após o assassinato do arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do Império Austro-Húngaro, em Sarajevo. O documento foi descrito como "o documento mais formidável já endereçado de um estado a outro" pelo ministro das relações exteriores britânico, Edward Grey, e amplamente considerado como inaceitável, meramente uma medida para criar um casus belli a fim do Áustria-Hungria invadir e punir a Sérvia.

Detalhes[editar | editar código-fonte]

A Áustria-Hungria demandou que o governo sérvio deveria tomar as seguintes providências:

  1. Suprimir qualquer publicação que incite o ódio e a desobediência à monarquia austríaca;
  2. Dissolver imediatamente a sociedade Narodna Odbrana e proceder do mesmo modo contra outras sociedades engajadas na propaganda anti-Áustria.
  3. Eliminar de instituições públicas sérvias quaisquer aspectos que sirvam para fomentar a propaganda anti-Áustria;
  4. Remover do serviço militar todos os oficiais ligados à propaganda anti-Áustria, oficiais que deverão ter seus nomes dados ao governo Austro-Húngaro;
  5. Aceitar a colaboração de organizações do governo Austro-Húngaro na supressão de movimentos subversivos direcionados contra a integridade territorial da monarquia;
  6. Iniciar uma investigação judicial contra os cúmplices da conspiração de 28 de junho que estão em território sérvio, com órgãos delegados pelo governo Austro-Húngaro fazendo parte da investigação;
  7. Prender imediatamente o major Voislav Tankosic e o oficial sérvio Milan Ciganovitch, comprometidos pelas investigações preliminares empreendidas pela Áustria-Hungria;
  8. Providenciar por meio de efetivas medidas a cooperação da Sérvia contra o tráfico ilegal de armas e explosivos através da fronteira;
  9. Fornecer à Áustria-Hungria explicações sobre declarações de altos oficiais sérvios tanto na Sérvia quanto no exterior, que expressaram hostilidades para com a Áustria-Hungria; e
  10. Notificar a Áustria-Hungria sem demora a execução dessas medidas.

Resposta[editar | editar código-fonte]

O governo sérvio aceitou todas as condições do ultimato, exceto a condição de incluir a Áustria-Hungria na investigação judicial sérvia (demanda 6), que a Sérvia afirmou ser inconstitucional e uma violação de sua soberania.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Veja também[editar | editar código-fonte]