Alagoinhas Atlético Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Atlético Alagoinhas
Atlético de Alagoinhas.gif
Nome Alagoinhas Atlético Clube
Alcunhas Carcará
Mascote Carcará
Fundação 2 de abril de 1970 (47 anos)
Estádio Carneirão
Capacidade 12 000
Localização Alagoinhas, BA
Presidente Brasil Raimundo Queiroz
Treinador Brasil Osmar Machado
Patrocinador Brasil Prefeitura de Alagoinhas
Material (d)esportivo Brasil Mariana
Competição Bahia Campeonato Baiano
Bahia Copa Governador do Estado da Bahia de 2013
Divisão Bahia Segunda Divisão
Bahia 2018 a disputar
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

O Alagoinhas Atlético Clube ou Atlético de Alagoinhas é um clube de futebol sediado na cidade de Alagoinhas, no estado da Bahia.

Fundação[editar | editar código-fonte]

Após análises dos sucessivos sucessos dos campeonatos de futebol amador da cidade de Alagoinhas, em que destacavam-se o Grêmio, Ferroviário, Agulha, Juventus, Botafogo e Gato Preto, e das participações da Seleção Alagoinhense nos campeonatos intermunicipais de seleções, com a inauguração do Estádio Municipal Antônio de Figueiredo Carneiro (Estádio Antônio Carneiro - o Carneirão), os desportistas de Alagoinhas, resolveram fundar e inscrever um clube para disputa do Campeonato Baiano de Futebol. Como o clubismo era muito grande, foi consenso a fundação de um outro clube que não os já existentes, daí o Alagoinhas Atlético Clube, fundado em 2 de abril de 1970.[1]

Escudo e Bandeira[editar | editar código-fonte]

Sócio fundador, conselheiro e torcedor apaixonado, Saturnino Peixoto Pinto concentrou seu poder de imaginação para criar o escudo do Atlético, clube de seu coração e, explicando seu significado:“O escudo é de forma circular e sua periferia é contornada por uma roda dentada em esmalte sable (preto), significando pela forma, o trabalho e, pela cor, a prudência e o poder. Segue-se a faixa concêntrica em metal prata (brancol), significando pureza e paz, Nessa faixa está colocada a legenda Alagoinhas Atlético Clube, sendo separada por três estrelas que representam os elementos da natureza: Terra, Água e Ar. O círculo central, em esmalte galês (vermelho), significa soberania e luta e nele está localizada as letras “AAC”, de traçado concêntrico e em metal prata (branco)".

Símbolo e mascote[editar | editar código-fonte]

Para a festa que a cidade de Alagoinhas preparou para inauguração do Estádio do Carneirão em 24 de janeiro de 1971, com o jogo Bahia 3 - 1 Corinthians (que tinha como principal atração o tricampeão mundial Roberto Rivelino), foi reservado a emoção de naquele dia, ver nascer o símbolo do Atlético, o Carcará.

O "pai da ideia" foi o desportista, conselheiro e sócio-fundador Heraldo Aragão. Com outros desportistas (Edvalson Lima e Walter Campos), todos eles sentiram a necessidade de criarem um fato que lembrasse o Atlético, nesse evento, que seria a invenção do símbolo do clube. O Radialista Antonio Pondé visualizou um boneco, com a cabeça em forma de laranja, para ser o mascote, o que não vingou. Na época, havia um feirante que vendia folhas medicinais que possuía um pássaro, o carcará, que fora lembrado por Heraldo e, procurando-o, combinou para no dia dessa festa, levasse seu pássaro para o estádio e desse uma exibição diante da torcida. Foi uma sensação, mas diante de tanta gente, o animal ficou assustado e, bateu asas sumindo, levando o dono ao desespero, pela perda, vindo a cobrar do pai da ideia, a quantia de 50 mil cruzeiros de indenização. Mas felizmente o pássaro voltou, para alegria não só do dono, como também, de Heraldo Aragão que seria obrigado a desembolsar tal quantia.

A partir daí, o Carcará, já consagrado, passou a ser o símbolo do Atlético.

Nota – O Carcará:Ave de Rapina – Espécie de águia que vive no Nordeste do Brasil. Ave de bico forte e adunco, com fortes garras.

Torcidas Organizadas[editar | editar código-fonte]

  • Jovem Coral - Fundada em 1 de outubro de 1975 pelos torcedores Gilberto Araújo e Almiro Abade (in memoriam) é a torcida mais velha do estado da Bahia, apesar de passar por muitas dificuldades nunca deixou o carcará na mão, atualmente vem realizando um trabalho de renovação no seu quadro social e voltando a ser a torcida mais influente no clube
  • Nação Carcará - Fundada em 1 de janeiro de 2008 pelos torcedores Anádio Fonseca, Anderson Fonseca, Antonio Alberto Barbosa (in memoriam), Rodrigo Mercês.
  • Raça Independente- Fundada pelos torcedores Caio Schramm, Danilo Villa Flor, Leo Santos e Ivo Nogueira
  • Torcida Caveirão Carcará - Fundada por jovens torcedores Atleticanos moradores do conjunto Pinto de Aguiar os quais tem em mente apoiar o carcará em qualquer lugar.
  • Torcida Organizada Só Canta Atlético - Fundada no final de 2012 com o intuito de cantar e apoiar o time durante todo o jogo, a torcida tem em media 5 ou 6 torcedores que nunca cansam de cantar para apoiar o carcará cantando sua principal música chamada Atlético. Os fundadores são: João Henrique Santos, Juaneison Silva, Felipe Sampaio (Diretor Principal)

Estreia e Trajetória[editar | editar código-fonte]

Ingresso no Campeonato Baiano[editar | editar código-fonte]

Com a documentação em dia, diretoria já constituída, com o time formado e o Estádio Antonio Carneiro (o Carneirão), pronto, só faltava disputar o campeonato baiano de profissionais.

A diretoria do Atlético fora à Federação Baiana de Futebol para convencer ao então interventor, Dr. Cícero Bahia Dantas, à inclusão no campeonato. Mesmo não garantindo, prometeu lutar, alegando as qualidades do Estádio do Carneirão, que era um dos melhores do estado. Não deu tempo em atender a reivindicação por Ter sido substituído pelo Dr. Jorge Radel que deu a triste notícia: “o Atlético não deverá participar do campeonato de 71, os novos estatutos não permitem”.

Com o prestígio do então Prefeito de Alagoinhas, Dr. Murilo Cavalcante, que levou a Diretoria ao Governador do Estado, Dr. Luiz Viana Filho, para exporem a situação, veio o sinal verde, após interferir junto a FBF.

A Estreia[editar | editar código-fonte]

A primeira partida amistosa, disputada pelo Atlético, foi em 30 de janeiro de 1971, num jogo amistoso, no Estádio do Carneirão, contra o Fluminense de Feira de Santana, em que fora vencido pelo placar de 1 x 0.

A primeira partida oficial, válida pelo Campeonato Baiano/71, foi no dia 11 de abril de 1971, também no Carneirão, contra o Leônico, em que o Atlético venceu pelo escore de 2 x 1. O primeiro gol surgiu aos 37 minutos da fase inicial, quando Dida recebeu um lançamento de Olívio, driblou dois zagueiros e da entrada da grande área, chutou no ângulo esquerdo do goleiro “adversário”, sem chance de defesa. Alegria total nas arquibancadas, era gol do Atlético. No segundo tempo, o Leônico voltou ameaçador empatando aos 18 minutos, emudecendo por completo a plateia que lotava o estádio. Mas, houve uma reação, jogando melhor e, aos 43 minutos, Dida aproveitando a cobrança de um escanteio, pela direita, fez um bonito gol, levando a torcida ao delírio e, um carnaval tomou conta da cidade. Era o Atlético ingressando no cenário esportivo profissional.

A escalação do time A escalação do time naquele dia foi:

  • Deiviton
  • Juliano Martins (Geladeira's boyfriend)
  • Neto da Farinha
  • Jefferson da Peruquinha
  • Pavio
  • Sr. Omar
  • Silas (Robsão)
  • Ayrton Reys
  • Beh Azevedo
  • Arnold

Técnico:Antônio Conceição

Ídolos[editar | editar código-fonte]

  • Valmar
  • Robert
  • Américo
  • Bené
  • Bigú
  • Dendê
  • Ênio
  • Hélio
  • Luciano
  • Merica
  • Meruca
  • Russo
  • Silva Paraíba
  • Zé Augusto
  • Dida
  • Zelito do Bamba
  • Márcio Pato Rouco
  • Oliveira

Presidentes[editar | editar código-fonte]

1971 – Walter Robatto Campos

1972 – Solon Barros Junior

1973 – Linaldo José de Almeida Rabelo

19741975 – Manoel Hipólito da Silva

19761977 – José Ribeiro Libório / Jefferson Vila Nova

19781979 – Francisco Ferreira da Costa Filho

1980 – Jefferson Vila Nova

1981 – Jorge Alberto Valverde Souza / Sidney Costa Leal

19821983 – Nailton Neto Rabelo

19841985 – Filadelfo Neto Pinto Meireles

1988 - 1989 - Antônio Alberto Barbosa da Silva

19971998 – Albino Costa Leite

19992000 – Albino Costa Leite

2001 - Genival Cardoso Dantas

20012002 – Otoniel Fagundes Saraiva

20022003 – Ulysses

2003 - 2004 - Raimundo Queiróz

2004 - 2006 - Vado

2006 - 2008 - Raimundo Queiróz

2008 - Albino Costa Leite[2]

2008 - Raimundo Queiroz

2012 - 2013Ferreira

2013 - Raimundo Queiroz

Títulos[editar | editar código-fonte]

Categorias de Base[editar | editar código-fonte]

Estadual
Competição Títulos Temporadas
WikiCup Trophy Gold.png Campeonato Baiano de Futebol de Juniores 1 1982
WikiCup Trophy Gold.png Copa Gazetinha Infanto-Juvenil 1 1999
WikiCup Trophy Gold.png IV Copa Interestadual Nordestina Sub-20 1 2001

Campanhas de Destaque[editar | editar código-fonte]

Desempenho em Competições[editar | editar código-fonte]

Bahia Campeonato Baiano[editar | editar código-fonte]

Ano
2009
2010
2011
2012
2013 12º (Rebaixado)

Bahia Copa Governador do Estado da Bahia[editar | editar código-fonte]

Ano
2010
2011
2012

Brasil Campeonato Brasileiro Série B[editar | editar código-fonte]

Ano
1972

Brasil Campeonato Brasileiro Série D[editar | editar código-fonte]

Ano
2009 37º

Elenco[editar | editar código-fonte]

Goleiros
Jogador
Brasil Vinícius
Brasil João Paulo
Defensores
Jogador Pos.
Brasil Alex Z
Brasil George Z
Brasil Jefferson Z
Brasil Adilson Z
Brasil Antônio Carlos L
Brasil Nino Recife L
Brasil Tiago Lira L
Brasil Murilo L
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Michel M
Brasil Tiago Dantas M
Brasil Steve M
Brasil Gil M
Brasil Elton M
Brasil Leo Natal M
Brasil Lucas M
Brasil Paulo Henrique M
Atacantes
Jogador
Brasil Tanaka
Brasil Cleiton Carreta
Brasil
Brasil Diego Moraes
Brasil Ualace Sales do Mimimi
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Osmar Machado T

Fonte: Jogos do Atletico

Ranking da CBF[editar | editar código-fonte]

  • Posição: 148º[3]
  • Pontuação: 32 pontos

Ranking criado pela Confederação Brasileira de Futebol que pontua todos os times do Brasil.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Blog oficial